A eficiência da agricultura

Até há pouco chamada de “safrinha”, a segunda safra de milho já supera a primeira, devendo consolidar essa posição nos próximos ciclos, e é uma das responsáveis pelos dados “impressionantes” – como os definiu um diretor da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) – do mais recente levantamento da produção de grãos no País, que deve alcançar o recorde de 208,8 milhões de toneladas na safra agrícola 2014/2015.

O Estado de S. Paulo

24 Agosto 2015 | 05h00

Condições climáticas favoráveis e busca incessante de ganhos de produtividade pelos agricultores explicam a contínua expansão da produção do campo. Como faz há anos, a agricultura contribui para o crescimento econômico – neste momento, evita que a retração seja ainda mais acentuada – e assegura o contínuo aumento da participação dos produtos brasileiros no mercado mundial.

No 11.º levantamento da Conab, a projeção para o resultado da segunda safra de milho foi elevada para 54 milhões de toneladas, 4,7% mais do que no levantamento anterior, feito em junho. Com isso, a produção total de milho alcançará 84,3 milhões de toneladas, 5,3% mais do que na temporada passada. Do total, a ainda chamada “safrinha” responderá por quase dois terços (64%).

Destaca-se também a produção de soja, principal item da pauta de exportações do agronegócio brasileiro, que deverá crescer 11,7% em relação à safra passada e atingir 96,2 milhões de toneladas. Já a produção de trigo foi revista para baixo no novo levantamento da Conab e também no Levantamento Sistemático da Produção Agrícola relativo a julho feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que utiliza metodologia diferente, mas aponta tendências semelhantes às captadas pelo trabalho da Conab. Mesmo com a redução da projeção, porém, a produção de trigo será alta, de 7,1 milhões de toneladas, no estudo do IBGE, e de 7 milhões de toneladas, no levantamento da Conab, com aumento de cerca de 17% sobre a produção da safra anterior.

No caso do milho, o aumento da produtividade é apontado pelos técnicos da Conab como principal fator para o crescimento da produção. Mas a melhora da produtividade é observada também em outras culturas. “Estamos usando melhor a área agricultável do País, produzindo mais na mesma área”, observou o diretor da Conab João Marcelo Intini, ao comentar os dados da safra 2014/2015, com resultados por ele classificados como “impressionantes”.

A alta produtividade tem assegurado à agricultura brasileira presença destacada no mercado mundial e garantido a geração de superávits expressivos na balança brasileira do comércio de itens do agronegócio. Em julho, por exemplo, as exportações de produtos do agronegócio totalizaram US$ 9,1 bilhões, o equivalente a 49,2% de tudo o que o Brasil exportou no mês passado, de acordo com o balanço do Ministério da Agricultura. Por causa da queda da cotação das commodities no mercado mundial, o resultado é 5,2% menor do que o registrado em julho de 2014, mas suficiente para gerar um saldo comercial de US$ 7,96 bilhões.

Nos sete primeiros meses do ano, as exportações do agronegócio somaram US$ 52,37 bilhões e as importações, US$ 8,21 bilhões, daí resultando um saldo de US$ 44,16 bilhões. No acumulado de 12 meses até julho, as exportações alcançaram US$ 99,81 bilhões e o saldo, US$ 75,42 bilhões. Não fossem esses vultosos resultados do agronegócio, o Brasil estaria enfrentando problemas mais sérios também na área internacional, visto que o desempenho do setor industrial no comércio externo do País tem sido frustrante em razão da crise que o setor manufatureiro enfrenta há anos. Também afetadas pela queda da cotação internacional, as exportações de produtos minerais têm apresentado resultados menos animadores do que os do agronegócio.

Esses resultados não deixam dúvidas quanto à importância e à eficiência da agricultura brasileira – frutos dos investimentos feitos no setor –, que, em períodos de crise evitam que o quadro econômico se deteriore ainda mais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.