A Fiesp erra o alvo

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo perdeu uma excelente oportunidade de fazer a coisa certa

O Estado de S.Paulo

20 Julho 2016 | 03h00

O empreendedorismo é condição imprescindível para a criação e distribuição de riqueza numa sociedade livre. A iniciativa privada, sujeita às disposições legais democraticamente estabelecidas para preservar o bem comum, é o vetor principal do crescimento econômico e, consequentemente, da prosperidade social. Cabe, portanto, às entidades representativas do mundo corporativo a responsabilidade de zelar pela idoneidade dos negócios que têm a missão de apoiar, estimular e defender. Isso implica, no mínimo, assumir uma atitude crítica aos eventuais desvios de comportamento de associados no que diz respeito aos negócios que empreendem, quando mais não seja para preservar a imagem e, consequentemente, os interesses da coletividade que representam.

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) perdeu uma excelente oportunidade de fazer a coisa certa ao reagir negativamente à notícia publicada pelo Estado de que um de seus diretores é o maior devedor da União entre as pessoas físicas, por ter deixado de pagar tributos num total de R$ 6,9 bilhões, crime pelo qual está sendo julgado em segunda instância, depois de ter sido condenado na primeira.

Em vez de vir a público para prestar, a todos os seus associados e ao País, o bom serviço de condenar práticas que comprometem a imagem da iniciativa privada, a Fiesp optou por sair pela tangente e afirmar, em nota oficial, que “não tem qualquer vínculo ou responsabilidade sobre questões pessoais, profissionais ou empresariais de seus diretores e conselheiros”, muito embora se trate de uma entidade que “trabalha visando o bem do Brasil, seu crescimento, a geração de empregos e a formação dos trabalhadores e de suas famílias”.

Curiosa essa atitude da maior e mais importante federação da indústria no País, que, ao mesmo tempo que investe pesadamente numa meritória campanha contra os altos impostos que são – ou, como se vê, deveriam ser – pagos no País, procura ignorar o fato de que um de seus diretores – não importa que sejam “aproximadamente 2 mil”, conforme a nota – dá o péssimo exemplo de ser o campeão entre os maus pagadores que, entre pessoas jurídicas e físicas, devem ao Fisco mais de R$ 1 trilhão, o que contribui para onerar ainda mais os contribuintes honestos que assumem a responsabilidade de “pagar o pato”.

Faltou à Fiesp, mais do que dizer que “não tem qualquer vínculo ou responsabilidade” com o malfeito de um de seus diretores, ter repudiado veementemente a prática da sonegação fiscal em geral. Isso afastaria claramente a entidade daqueles grupos que, a pretexto de apoiar a informalidade, que veem como uma maneira legítima de sobreviver, consideram irrelevante ou até mesmo uma aceitável prática a corriqueira sonegação de impostos cometida por empresas e homens de negócios. Ao contrário, as mal traçadas linhas do curto documento com o qual a federação paulista das indústrias alega que a mencionada sonegação de R$ 6,9 bilhões não é da sua conta podem levar pessoas mal informadas à suposição de que a mensagem que a milionária campanha do pato amarelo pretende transmitir – além de promover politicamente a imagem de seus organizadores – é a de que a melhor maneira de resolver o grave problema dos impostos é simplesmente não pagá-los.

As grandes empreiteiras de obras públicas, que durante anos agiram à margem da lei para garantir enormes margens de lucro generosamente compartilhadas com seus cúmplices no governo, estão prestando aos ideólogos do estatismo – os sinceros e os oportunistas – o enorme favor de demonstrar que a iniciativa privada “não é confiável”. No Brasil de hoje, a corrupção domina as primeiras páginas dos jornais e seus óbvios efeitos sobre a desastrada gestão lulopetista de mais de 13 anos a transformaram em preocupação prioritária do cidadão médio, segundo todas as pesquisas de opinião. Tudo isso, queiramos ou não, prejudica a imagem da economia de mercado e do capitalismo.

Não é hora, portanto, de uma entidade com a enorme responsabilidade política que tem a Fiesp ficar nas meias-tintas. Melhor faria se se dispusesse a combater a corrupção – da qual a sonegação de impostos é uma sórdida faceta – dentro de casa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.