A pobreza argentina

O governo da Argentina pode não gostar delas, mas as estatísticas de institutos independentes sobre a real situação do país continuam a ser produzidas - e mostram que todo o discurso sobre a superação da miséria não resiste à frieza dos números mais simples.

O Estado de S.Paulo

05 Janeiro 2014 | 02h07

O mais recente levantamento, feito pelo Observatório da Dívida Social da Argentina, da Universidade Católica Argentina (UCA), indica que, em 2012, a pobreza atingiu 26,9% da população e a indigência, 5,8%, apesar do formidável crescimento econômico desde 2003, que a presidente Cristina Kirchner chamou de "década ganha". A deterioração é evidente: em 1983, quando o país se redemocratizou, o porcentual de pobres era de 19,1% e o de indigentes, de 5,4%.

Trata-se de uma situação explosiva. A Argentina foi incluída pela consultoria Economist Intelligence Unit (EIU) entre os países com "risco muito alto" de rebeliões sociais em 2014. "Perda de poder de compra e alta do desemprego nem sempre são seguidos de revolta popular", disse Laza Kekic, da EIU. "Somente quando os problemas econômicos são acompanhados de outros elementos de vulnerabilidade é que há algum risco de instabilidade."

Pois é precisamente esse o problema argentino, identificado pelo estudo da UCA. O drama dos mais pobres no país não se limita a uma eventual alta de preços ou mesmo a dificuldades momentâneas de obter um emprego. A ruína dos pilares da boa administração econômica no país condenou essa parcela da população a uma permanente situação de penúria - e, conforme mostram os números, trata-se de um contingente de miseráveis cada vez maior.

Já são mais de 10 milhões os argentinos que vivem sem emprego formal, em moradias improvisadas, sem atendimento médico básico e sem educação de qualidade. Metade dos trabalhadores está em ocupações precárias ou típicas de indigentes, como a de catadores de papel. O desemprego no setor mais vulnerável da população passou de 16,5% em 2007 para 30,6% em 2012.

Além disso, 37% dos jovens não terminam o ensino médio, 23,5% das residências precisam de assistência social permanente e 12% das crianças entre 5 e 17 anos têm de trabalhar.

"Mais de uma década de crescimento não foi suficiente para resolver os problemas da marginalidade estrutural que afeta ao menos um em cada quatro argentinos", diz a pesquisa da UCA. Segundo o estudo, famílias nessa situação, embora tenham obtido "direitos" nos últimos anos - é o que dizem os governistas -, não conseguem emprego de qualidade nem moradia digna, tampouco educação e saúde adequadas. São pessoas que dependem permanentemente de programas de transferência de renda - que, conforme destacam os pesquisadores, "não lhes permitem sair da condição de exclusão estrutural".

Desse modo, fermenta uma "matriz social fragmentada, conflitiva, violenta, débil nas regras de convivência democrática", diz a pesquisa, numa advertência pertinente neste momento em que a Argentina vive grande tensão, com saques e greves. Embora uma parte considerável da sociedade do país tenha melhorado de vida na última década, tanto financeiramente quanto em termos de direitos sociais, outra parte "continua privada de condições básicas para o desenvolvimento humano e a integração cidadã".

À presidente Cristina Kirchner resta agarrar-se a estatísticas delirantes para provar que, ao contrário das evidências, seu governo acabou com a miséria. O mais fantástico desses números é o que qualifica como pobre a família cuja renda mensal seja inferior a 1.750 pesos, o equivalente a R$ 633. Observa-se o disparate quando se toma conhecimento de que uma família com pai, mãe e dois filhos precisa de ao menos 3.900 pesos (R$ 1.410) para não ser considerada pobre - o gasto mínimo somente com alimentos chegou, em novembro passado, a 2.200 pesos (R$ 795) mensais, segundo institutos independentes.

Pelos critérios do governo, habituado a inventar estatísticas, a pobreza atinge apenas 5,4% da população. No mundo real, porém, os pobres argentinos somam quase 27% - e eles estão ficando cada vez mais irritados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.