A reforma que importa

"Reforma só existe na cabeça da imprensa", teria dito a presidente Dilma Rousseff a seus assessores, no momento em que concluía as articulações para fazer um "ajuste" no Ministério, que já começou com a dispensa do ministro da Educação, Fernando Haddad, para disputar pelo PT a Prefeitura de São Paulo. A imprensa tem ombros largos. Fontes ligadas à chefe do governo e por ela jamais desmentidas passaram todo o tempo, desde a posse, garantindo que a partir do início do segundo ano de mandato Dilma promoveria um importante remanejamento no primeiro escalão do governo, de maneira a, com todo o respeito à inevitável influência de Lula, adequá-lo a seu próprio perfil. Quiseram os desmandos descobertos em pelo menos meia dúzia de Ministérios que Dilma fosse obrigada a dar o bilhete azul para meia dúzia de ministros herdados de seu sucessor. Foi, assim, obrigada a antecipar a "reforma", que é como se pode chamar a demissão sucessiva, em curto espaço de tempo, de 20% da equipe ministerial. Perfeitamente compreensível, portanto, que pouco tenha restado para ser feito agora em termos de substituição de ministros. Essa explicação seria suficiente, sem necessidade de ataques e ironias gratuitas sobre o comportamento da imprensa.

O Estado de S.Paulo

20 Janeiro 2012 | 03h08

De qualquer modo, a dança das cadeiras no primeiro escalão, até mesmo quando feita no atacado, faz parte da dinâmica de governo e só é importante na medida em que sinaliza alterações relevantes no rumo da administração pública, aí compreendidos os valores éticos que a orientam. Sob este último aspecto em particular, não há nenhuma margem para otimismo. Se em algum momento imaginou substituir por valores mais republicanos o pragmatismo elevado às últimas consequências na costura política do governo, Dilma já entregou os pontos. O Palácio do Planalto vai continuar pagando qualquer preço pela preservação do conforto que significa dispor de uma ampla e incontrastável base de apoio parlamentar. Este é um fundamento do lulopetismo, uma cláusula pétrea de seu projeto de poder. O governo vai continuar em boa parte dividido em feudos a serviço dos interesses e dos apetites de seus donatários.

Do ponto de vista da administração pública - compreendida no sentido da construção de um país econômica e culturalmente mais próspero e, para tanto, social e regionalmente menos desigual -, o que verdadeiramente importa são programas e projetos. E estes, para que sejam eficientemente executados, exigem um aparelho de Estado competente e eficaz. Ideias não faltam ao governo. Todas ambiciosas e impregnadas da evocação mântrica do "nunca antes na história deste país". O que falta, e o cotidiano do governo o demonstra sobejamente, são exatamente competência e eficácia numa máquina partidariamente aparelhada. Não é por outra razão que boa parte do prestígio e da imagem pública que Dilma Rousseff projeta está baseada em seu louvado "perfil técnico" e em sua assinalada "capacidade gerencial", qualidades que estaria empenhada em transformar em marca de seu governo. Por enquanto, porém, também a conduta administrativa do governo não suscita otimismo.

Montar uma equipe de governo tecnicamente competente e com genuíno espírito público não é tarefa fácil, mas está longe de ser impossível. A própria presidente acaba de dar uma demonstração pontual disso ao anunciar a nomeação do professor Marco Antonio Raupp para o comando do Ministério da Ciência e Tecnologia. O substituto de Aloizio Mercadante - que, por sua vez, vai tomar o lugar de Fernando Haddad na Educação - é um cientista de prestígio internacional que desde o ano passado preside a Agência Espacial Brasileira (AEB). Sem filiação partidária, Raupp é graduado em Física pela UFRS, especialista em Matemática pela Universidade de Chicago e livre-docente pela USP. Entre outras atividades, foi conselheiro e presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e é membro titular da Academia Internacional de Astronáutica.

Mais louvável ainda se torna a escolha de Raupp quando se sabe que a presidente resistiu à pressão do PT, especialmente da bancada de deputados federais, para que colocasse um de seus membros no lugar de Mercadante. Deveria ser assim com todos os Ministérios.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.