A Ucrânia sem maniqueísmos

Em análises recentes sobre a Ucrânia desaparece um elemento importante. Muito se comenta sobre a questão étnica que divide o país. Pouco se adianta sobre o antissemitismo ali imperante em vastas camadas da população, algo radicalizado na 2.ª Guerra. Na luta nazista contra os judeus, o pior foi realizado pelos colaboracionistas. Mesmo o dirigente genocida do 4.º Einsatzkommando germânico "confiou a si mesmo a execução de adultos e mandou que os auxiliares ucranianos atirassem contra as crianças". Segundo Ernst Biberstein, chefe do 6.º Einsatzkommando, os alemães atemorizaram-se com "a sede de sangue daquela gente" (Hilberg, Raul: The Destruction of the European Jews).

Roberto Romano*, O Estado de S.Paulo

10 Março 2014 | 02h07

Como não resiste na história política internacional nenhuma versão sobre "mocinhos" e "bandidos", é preciso cautela, hoje, diante do papel a ser desempenhado pelos vários países na crise em foco. Os Estados Unidos jamais foram neutros ou respeitaram de fato a independência ucraniana. Na guerra fria e seguindo a razão de Estado, aproveitaram antigos auxiliares ucranianos dos nazistas para desestabilizar a União Soviética (URSS). Em 1951, cerca de 35 mil policiais e quadros do Partido Comunista foram eliminados pelas guerrilhas ligadas à Organização dos Ucranianos Nacionalistas (OUN) e por milícias como o Ukrainska Povstancha Armia (UPA), o Exército do Povo Ucraniano.

As guerrilhas da OUN eram mais fortes na Ucrânia do oeste, hoje conhecida como Galícia. A região é disputada desde longa data por russos, alemães, poloneses e pelos próprios ucranianos. Dela, boa parte ficou sob controle dos poloneses entre as guerras mundiais. A Rússia considerou-a sua após ter invadido a Polônia do Leste com base no Pacto Ribbentrop-Molotov, de 1939. Os nazistas ocuparam a área, mas os russos aumentaram as próprias fronteiras rumo à Polônia, incorporando a Galícia. Muitos ucranianos sofreram com o autoritarismo soviético, o que deu novo alento às forças que conduziram uma efetiva rebelião contra a URSS sob liderança da OUN e do UPA. Os soviéticos apresentam a OUN e o UPA como serviçais dos alemães (Styrkul, Valerii: The SS Werewolves). Para outros, ao contrário, eles foram uma "terceira força" democrática, em prol da independência nacional (Poltava, Peter: The Ukrainian Insurgent Army in Fight for Freedom).

As duas teses são inexatas. A OUN e o UPA surgem na militância anticomunista do coronel Eugen Konovalets, em 1920, quando parte da região pertencia à Polônia. Seu programa procura a independência da Ucrânia, exibindo ódio especial à Rússia e aos judeus. O setor tinha elos fortes com o serviço de inteligência do almirante alemão Wilhelm Canaris (Dallin, Alexander: German Rule in Russia). A OUN usou o terror, como em 1934, ao matar o ministro polonês general Bronislav Pieracki e outros. A Liga das Nações denunciou-a como terrorista. Os tribunais poloneses condenaram à morte os líderes Mykola Lebed e Stepan Bandera. Os dois fugiram na confusão das invasões da Polônia pela Alemanha e pela URSS. Lebed serviu na escola de polícia da Gestapo perto de Cracóvia. Bandera organizou os simpatizantes da OUN em esquadrões dirigidos pela Abwehr.

Os nazistas colocaram dinheiro na OUN para a invasão da URSS a partir de 1941. Seus militantes operaram na inteligência e criaram administrações locais, sempre assassinando judeus. A OUN queria ser o governo da Ucrânia, aliado à Alemanha. Em carta a Hitler, o líder Wolodymyr Stachiw afirma que o acordo entre a OUN e os nazistas significaria a "consolidação da nova ordem étnica na Europa do Leste (völkische Neuordnung in Osteuropa), bem como destruir a influência dos sediciosos bolchevistas judeus". Stachiw, na mesma carta, chama Hitler de "campeão do princípio étnico", pedindo-lhe apoio "para nossa luta étnica (völkischen Kampf)" (Stachiw para A. Hitler, 23/7/1941, registrada na Chancelaria do Reich sob número RK 9380A, cf. Simpson, Christopher em Blowback: the First Full Account of America's Recruitment of Nazis, livro a ser lido com urgência e do qual retiro parte das considerações aqui enunciadas).

Hitler não o atendeu, pois considerava todo eslavo "sub-homem", nada queria dividir. E mandou prender vários setores da OUN. Mesmo assim, militantes dessa organização continuaram a massacrar civis e judeus suspeitos de ajudar os russos. A OUN tem seu próprio programa antissemita e deu mostras da coisa em Lvov (1941). As sementes da OUN ainda brotam em solo ucraniano. Não basta dizer que os atentados contra os soviéticos se justificavam por serem eles invasores. Antes de tudo, eles eram russos, cujo desejo de vingança não desapareceu após o fim da URSS.

É preciso descer mais fundo. Se persiste na Ucrânia a nódoa antissemita, o mesmo ocorre na Rússia. Aliás, no instante em que os EUA financiavam a OUN para boicotar a URSS, o stalinismo praticava atrocidades contra os judeus. O "Complô dos Médicos" é um episódio nauseante (Brent, Jonathan e Naumov, Vladimir: Stalin's Last Crime, the Plot Against the Jewish Doctors). Bem disse Alexander Soljenitsyn que "os bandidos de Shakespeare seriam piores se tivessem ideologia". Recordando Merleau-Ponty, no comércio ideológico (que provou toda a virulência no Pacto Ribbentrop-Molotov) ocorre uma "comunhão negra dos santos". Quem age por ideologia se julga inocente, santificado. As vítimas narram outra história.

Hoje a Rússia invade a Crimeia a pretexto de salvar a vida de seus cidadãos e podemos ver que subsistem, sob os tanques, ódios étnicos e a genocida razão de Estado. Rússia, Alemanha, EUA (a lista é grande), nenhum deles pode afirmar neutralidade e desejo de paz na região. O antissemitismo virulento na Ucrânia retoma o renascimento racista na Europa. Fascismo, antissemitismo, guerra, temos aí a receita das hecatombes que dizimaram milhões no século 20. Pensar tais fatos sem maniqueísmos ideológicos é essencial, se desejamos realmente uma cultura de paz.

*Roberto Romano é professor da Universidade Estadual de Campinas e autor de 'O caldeirão de Medeia' (Perspectiva).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.