Batalha do Rio confirma profecia de Nabuco

Os jornais noticiaram neste fim de semana a denúncia anônima da fuga do traficante Alexandre Mendes da Silva, o Polegar, de uma das 16 "comunidades" do Complexo do Alemão, na Penha, zona norte do Rio, na mala de uma viatura policial a serviço da delegacia de Cabo Frio, no litoral fluminense. Com presteza inusitada, a Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro distribuiu uma nota na qual tentou pôr ponto final ao vexame, que contraria a saga de heroísmo de que se revestiu a "histórica reocupação" pela sociedade nacional, representada pelo Estado Democrático de Direito, de territórios que vinham sendo governados na prática por bandos criminosos. Reza a declaração oficial: "As investigações feitas pela Polícia Civil apontam que a denúncia anônima feita por telefone à Ouvidoria do Ministério Público, de que o traficante Alexandre Mendes da Silva, o Polegar, e um comparsa teriam fugido do Morro do Alemão, em um carro da delegacia de Cabo Frio, é falsa. Mesmo assim, a polícia vai continuar apurando a denúncia para dar total transparência ao trabalho da Polícia Civil." É claro que a denúncia pode ter sido de fato "falsa" e um profissional de comunicação responsável, como pretende ser o autor destas linhas, não tem autoridade alguma para contestar a conclusão dos investigadores. Mas até este quase "Velhinho de Uiraúna" tem obrigação de pedir mais explicações aos solertes investigadores do caso. Pois o teor lacônico da nota não condiz com a enxúndia com que o assunto tem sido tratado pelas autoridades policiais nos últimos dias.

José Nêumanne, O Estado de S.Paulo

08 Dezembro 2010 | 00h00

Para começo de conversa, a Polícia Civil fluminense não ocupa propriamente os primeiros degraus no pódio das instituições confiáveis desta República. Então, conviria que deixasse para se pronunciar oficialmente quando tivesse mais informações sobre o caso. Por exemplo: teria, de fato, alguma viatura posta à disposição do distrito policial de Cabo Frio circulado pelas vielas do território conflagrado, passando pelos bloqueios montados por colegas ou pelas tropas federais que os ajudaram na operação? Houve razão funcional para que isso ocorresse? E, se nenhum veículo a serviço de delegacia distante percorreu os becos das favelas do Alemão, por que cargas d"água o anônimo teria feito a tal denúncia? É possível que estas questiúnculas deixem de ser respondidas, sob a alegação de que as tropas que libertaram as populações de decênios de jugo do crime têm mais o que fazer do que dar atenção a um jornalista ranzinza.

Mas a verdade profunda certamente conterá respostas a dúvidas mais relevantes do que estas. Graças à cobertura dos telejornais diários, digna até de merecer a denominação de Tropa de Elite 3, em referência ao excepcional bangue-bangue nacional, com êxito de bilheteria que Lula, o Filho do Brasil não alcançou, o público pagante tomou conhecimento, ao vivo e em cores, do que ocorreu nas "reocupações" de Vila Cruzeiro e do Complexo do Alemão. Em tempo real, saltaram aos olhos da grande maioria a ausência de cadáveres, o baixo predomínio do vermelho sanguíneo nas cenas de ação e o fato de os tímpanos não terem sido afetados por tiroteios. Tanto melhor, diria o Conselheiro Acácio. Chega de balas perdidas e mortes brutais no cotidiano dos cinturões miseráveis da periferia das metrópoles brasileiras. Só que, desde então, proliferam pulgas atrás da orelha de quem prestou mais atenção a tudo. E aí vem aquela vontade de soltar as papas da língua para questionar obviedades ululantes que Nelson Rodrigues não deixaria passar, depois, é claro, de registrar o próprio regozijo pela conquista do Brasileirão por seu tricolor das Laranjeiras.

Houve, é certo, farta apreensão de armas e drogas nos barracos, mas escassas foram as prisões, seja de bandidões de alto coturno, seja de malandros ditos campainha. Uma destas, a do traficante Zeu, que participou da chacina do repórter Tim Lopes, serviu mais para chamar a atenção para a conveniência de reformar a legislação das execuções penais - uma vez que ele se aproveitara de benemerências da vigente para fugir e se abrigar num barraco no morro "reocupado" - do que propriamente para engrossar quantidade e qualidade de prisioneiros da batalha finda. No céu dos tarefeiros de inutilidades, o rei Pirro concordará com o que escrevi.

Mas, deixando de lado o símbolo do fiasco de aparentes triunfos das armas, como convém, para não exagerar na ranhetice, urge registrar a ocorrência no Rio de uma batalha política, ainda não vencida (falta ser retomado o Morro do Vidigal, ocupado pela Favela da Rocinha), e não uma operação policial bem-sucedida. Nela ficou claro que não faltou ao Estado força para retomar territórios entregues aos criminosos pela negligência de Chagas Freitas, Leonel Brizola e seus sucessores no governo do Estado, mas convicção e disposição. Sérgio Cabral teve-as - talvez premido pelas exigências da Fifa e do Comitê Olímpico Internacional, como ficou patente após a declaração da presidente eleita, Dilma Rousseff, de que as Forças Armadas ficarão à disposição do governador do Rio até a Copa do Mundo de 2014.

É claro que o tráfico de drogas, modalidade milionária do crime organizado, teve vultosos prejuízos financeiros com a libertação histórica, assim sem aspas, da população que mora nos territórios dos quais antes delinquentes eram senhores feudais de baraço e cutelo. Mas a cidadania precisa saber que o comércio da falsa felicidade química ainda funciona a pleno vapor no Rio e no resto do mundo. E prosseguem vigentes as condições que tornam os morros cariocas locais adequados para servir de entreposto a fornecedores de entorpecentes: o profético alerta de Joaquim Nabuco sobre as nefastas consequências da abolição da escravatura sem prévio preparo (ancestral hábito nativo) vale hoje como antanho, conforme se demonstrou em cenas que, mesmo reais, perderam em verossimilhança para as fictícias do filmaço de José Padilha.

JORNALISTA E ESCRITOR, É EDITORIALISTA DO "JORNAL DA TARDE"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.