Cartas - 01/06/2011

CASO PALOCCI

,

01 Junho 2011 | 12h26

Parlamentarismo

O que essa crise palocciana está comprovando é que o melhor regime político para o Brasil seria o parlamentarismo. Nesse caso, se o "primeiro-ministro" Palocci tivesse caído, os partidos conversariam para formar um novo Gabinete e o governo seguiria em frente, sem crise, sem sobressaltos nem chantagens. O atual regime "híbrido", em que parlamentares e partidos cobram um preço a cada momento para deixar o governo funcionar, é caldo de cultura para os aproveitadores de todo gênero, tanto do lado do Executivo como do Legislativo. O País paga um alto preço por um regime que não funciona na prática, a não ser para benefício dos espertalhões de plantão. Bem feito para o PT, que para assegurar o Lula-lá, na época, trabalhou intensamente para sepultar o parlamentarismo, mesmo tendo consciência de que seria o melhor para o Brasil. Ou seja, os interesses pessoais de Lula e do PT primeiro, os do Brasil depois, bem depois. Agora que provem de seu próprio veneno.

RENATO PIRES

repires@terra.com.br

Ribeirão Preto

_________

Tiro pela culatra

Acho que a presidenta Dilma sabe que Palocci é mesmo reincidente e o correto seria demiti-lo. Ao mesmo tempo, não faz nada porque é refém de todo esse sistema que ela mesma ajudou a construir, e ainda agora com o ex tomando conta do governo, afrontando a sua autoridade. Aquela ideia de durona, mandona, é tudo conversa fiada. Com certeza a presidenta terá muita dificuldade para governar por causa do próprio fogo amigo, dentro de casa.

MARCOS ANTONIO SCUCUGLIA

sasocram@ig.com.br

Santo André

_________

Dilema

Dona Dilma, a solução é bem simples: quem precisa de blindagem não pode ser ministro, aliás, nem deveria ter sido nomeado. Se pensa no povo, a alternativa é única; se pensa no partido, o dilema continuará. O que é dolorido deve ser feito rapidamente e os bons resultados logo florescerão.

TADAIUKI YAMAMOTO

tadai@ig.com.br

São Paulo

_________

Paloccigate

Como disse o genial Napoleão Bonaparte: "Na política ninguém se limpa daquilo que envilece".

J. S. DECOL

decoljs@globo.com

São Paulo

_________

Mujica

Foi noticiado que o presidente uruguaio, José Mujica, só tem um Fusca velho e uma casa muito modesta. Sugiro que ele entre em contato com o ministro Palocci para uma consultoria. Logo, logo, o seu patrimônio será multiplicado por 20. Simples assim.

KÁROLY J. GOMBERT

gombert@terra.com.br

Vinhedo

_________

Contestações

A matéria Empresa contrata amigo de Palocci e ganho dispara (29/5) pede esclarecimentos. O faturamento das vendas ao governo federal, sempre por licitação pública, cresceu algo como 30 vezes em cinco anos, mas não chega a 1% do faturamento da empresa. Portanto, não está correto, e atinge injustamente a SBS, dizer que o faturamento da empresa inteira cresceu 30 vezes por suas vendas ao governo. A SBS é uma empresa de 25 anos, com 350 funcionários, 40 livrarias e uma editora de livros especializados. Independe das vendas a governos para se sustentar e crescer. Redes privadas de livrarias adquirem de nós o equivalente de três a seis vezes, cada uma, ao faturamento obtido em licitações federais. A propósito, a alta do faturamento em licitações explica-se pelo restrito volume com que se iniciou - o que pode ser comprovado pelos números da própria reportagem. De 2008 em diante esse faturamento se manteve no mesmo patamar.

JOSÉ MANUEL VICENTE, diretor-gerente da SBS Special Book Services

jvicente@sbs.com.br

São Paulo

_________

A respeito da mesma matéria, tenho a declarar: 1) Há 23 anos sou profissional do ramo editorial e livreiro; nestas duas décadas exerci atividades que me qualificaram para trabalhar na área comercial e acadêmica; nesse período fundei a Livraria M&F, adquirida em 2008 pela rede SBS; 2) qualquer empresa pode vender ao governo via pregão eletrônico pelo site www.comprasnet.gov.br, desde que apta a participar com propostas; vence sempre o menor preço; 3) em 2003 recebi convite para ser diretor de administração e finanças do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea); saí em 2005 e voltei ao mercado livreiro; todas as prestações de contas do Ipea, sob minha responsabilidade, foram aprovadas pelos órgãos de controle; 4) informar aos leitores que fiz crescer 30 vezes as vendas da SBS para o governo porque sou amigo de Antônio Palocci avilta e faz desmerecer meu percurso profissional. Minhas relações com a universidade e pesquisadores somam mais de 30 anos; 5) aceitei prestar serviços exclusivamente administrativos à empresa Projeto, pelo período de seis meses, com salário fixo e registro em carteira; 6) em fevereiro fui convidado a trabalhar na Finep pelo professor Glauco Arbix; minhas Declarações de Imposto de Renda estão registradas na Receita Federal, no RH da empresa e à disposição da Comissão de Ética do governo.

CELSO DOS SANTOS FONSECA

celso.fonseca@hotmail.com

São Paulo

N. da R. - A reportagem trata exclusivamente dos contratos com o governo federal.

_________

ANÚNCIOS PARA CRIANÇAS

Proibição gera distorções

Muito oportuna a matéria Anúncio para crianças deve ser responsável (31/5), em que o vice-presidente da Associação Brasileira de Anunciantes comenta a pesquisa divulgada no dia anterior por esse jornal. O assunto vem sendo objeto de debates em vários foros e nossa posição é bem clara. Acreditamos que toda proibição causa mais danos que benefícios, pois tira do cidadão o acesso a informações relevantes que certamente o auxiliam na tomada de decisão. Mesmo que crianças e jovens tenham direito à proteção enquanto consumidores, a História mostra que toda legislação baseada em proibição gera distorções. Defendemos enfaticamente a educação e a informação como os principais canais para ajudar os consumidores no processo de tomada de decisões. De outro lado, cabe aos pais a tarefa fundamental de orientar e educar os filhos, atividade que não pode ser terceirizada ou mesmo delegada.

PATRICIA BLANCO, presidente executiva do Instituto Palavra Aberta

patriciablanco@palavraaberta.org.br

São Paulo

_________

"E então Cícero diria: "Até quando zombarás da Dilma e do povo brasileiro?""

JORGE PEIXOTO FRISENE / SÃO PAULO, SOBRE O CASO PALOCCI

jpfrisene@zipmail.com.br

"A censura ao "Estadão" também foi acidente?"

EDUARDO HENRY MOREIRA / SÃO PAULO, SOBRE A DECLARAÇÃO DE SARNEY A RESPEITO

DO IMPEACHMENT DE COLLOR

henrymoreira@terra.com.br

"Do jeito como andam as coisas na região, logo, logo, não sobrarão nem árvores nem ambientalistas"

JORGE ZAVEN KURKDJIAN / SÃO PAULO, SOBRE A AMAZÔNIA "LEGAL"

zavida@uol.com.br

_________

VOCÊ NO ESTADÃO.COM.BR

TOTAL DE COMENTÁRIOS NO PORTAL: 1.519

TEMA DO DIA

Sindicatos negociam fim dos cobradores

Profissionais de SP poderão ser realocados como mecânicos dos ônibus ou manobristas em pátios

"Resta torcermos para que todos usem o Bilhete Único, pois se o motorista tiver que cobrar, dar troco e liberar a catraca..."

HECTOR THYSO

"E eu prevejo aumento do índice de acidentes automobilísticos envolvendo transporte coletivo."

ANA FLAVIA GUELERE

"Mais uma profissão a menos, mais desempregados no Brasil, e assim começamos a voltar a ser o país do desemprego."

RODOLFO VICENTE

_________

Cartas enviadas ao fórum dos leitores, selecionadas para o estadão.com.br

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.