Cartas - 22/01/2012

 

O Estado de S.Paulo

22 Janeiro 2012 | 03h06

POLÍTICA EXTERNA

Apoio absurdo

Para se manter no poder e assegurar um mínimo de popularidade, a junta militar que governou a Argentina em 1982, comandada pelo general Leopoldo Galtieri, decidiu invadir as Ilhas Falkland/Malvinas, habitadas por ingleses desde 1833, iniciando uma guerra que ceifou milhares de vidas e custou US$ 5 bilhões. Em visita ao Brasil, o chanceler britânico, William Hague, constatou que nosso país endossa a soberania reivindicada pela Argentina sobre as ilhas, proibindo navios ingleses de usarem portos do Mercosul. Resumindo: nossos experts da diplomacia apoiam a decisão de um ditador que criou uma guerra absurda para melhorar sua imagem. Fatos dessa natureza me trazem uma dúvida: quem está hoje à frente de nossa política externa, o chavista Celso Amorim ou o castrista Marco Aurélio Garcia? Com um time desses, em breve estaremos apoiando a mordaça decretada pelo governo Kirchner contra a imprensa livre daquele país.

PETER CAZALE

pcazale@uol.com.br

São Paulo

        

 

________            

     

 

 

Manobra diversionista

Como disse o finado ex-presidente Jânio Quadros quando do último embate entre ingleses e argentinos a respeito das ilhas no Atlântico Sul, "cutucaram a onça com vara curta..." E deu no que deu. Cada vez que se prenuncia alguma crise ou a atenção dos argentinos precisa ser desviada, o diálogo com os ingleses torna-se áspero e, assim, o povo argentino vai sendo levado. Uma nova guerra pela posse das ilhas será um novo desastre, muito mais para os sul-americanos do que para os europeus habitantes de outra ilha, no Atlântico Norte.

JOSÉ PIACSEK NETO

bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

 

           

 

 

________ 

           

 

 

 

BRASIL

À deriva

O transatlântico Brasil está sem comando há nove anos e continua navegando. O problema é a tripulação, que não sai do cassino e a maioria ganha verdadeiras fortunas em pouco tempo. E ninguém sabe o nome do capitão.

LUIZ RESS ERDEI

gzero@zipmail.com.br

Osasco

                       

 

 

________

 

 

       

 

Dilema

Por avião perco muito tempo e dinheiro para embarcar e retornar, sob muito deboche dos funcionários e proprietários das aéreas, e ainda estou sujeito a supostos extravios e violações de minha bagagem, nunca ressarcidos a contento. Pelas maravilhosas estradas brasileiras sou esfolado nos pedágios e entregue aos achacadores se meu carro quebrar. Por navio, num sonhado deslumbre náutico, corro o risco de doenças gástricas e outras. E o cúmulo, a pérola do descaso, posso morrer afogado por inépcia de um comandante, dizem, alcoolizado! Vou comprar um balão de ar quente, é muito mais seguro e confiável que essa turma toda.

KLAUS REIDER

vemakla@hotmail.com

Guarujá

                         

________

 

 

 

Volta a bordo

Muita gente que se acostumou com a nau à deriva deveria acatar imediatamente a ordem dada ao comandante do navio naufragado na costa italiana pelo capitão De Falco, da Guarda Costeira de Livorno. Por aqui, a apagada, inoperante e submissa oposição política tem de voltar a bordo imediatamente, sob pena de ficar a ver navios nas próximas eleições...

VICTOR GERMANO PEREIRA

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

           

 

 

 

________

 

 

 

 

CRACOLÂNDIA

PSDB, enfim oposição?

Deu no Estadão que o PSDB finalmente resolveu demonstrar com dados concretos a eficiência da intervenção na cracolândia. Os traficantes são os maiores interessados em que a situação volte ao que era antes da ação do governo e da polícia. Contra-atacar a turma do "quanto pior, melhor" demonstrando os bons resultados obtidos, principalmente no combate aos traficantes, devolveu-nos a esperança de que o PSDB tenha aprendido a lição, depois que aceitou passivamente a campanha contra as privatizações no governo Fernando Henrique Cardoso e, principalmente, os mensaleiros do governo Lulla, no caso do valerioduto, permitindo que a hidra crescesse. O PSDB deve empunhar a bandeira da dignidade neste país, combatendo os desmandos com o dinheiro público. O contribuinte agradece.

WILSON LINO

wiolino@yahoo.com.br

São Paulo

     

 

 

 

________

 

 

 

Ministério Público

Será que se a Prefeitura de São Paulo fosse comandada pelo PT o Ministério Público ficaria investigando todas as ações executadas na cracolândia? Em vez de tanta investigação, por que não apresenta sugestões?!

PEDRO MORI

advpedromori@ig.com.br

São Paulo

 

 

________

 

 

 

 

Corruptolândia

O presidente do PT em São Paulo, sr. Antônio Donato, declarou, de maneira pouco inteligente, que a cracolândia é fruto da administração paulista do PSDB. Esqueceu-se de Marta e Erundina. Quer dizer que em cidades que o PT administra não há usuários de crack - por exemplo, São Bernardo do Campo? O Brasil todo sofre pela falta de administração por causa da "mão na cabeça" de corruptos e ladrões do dinheiro público, da desastrosa gastança do último ex-presidente - do tipo PAC 1 e 2, transposição do Rio São Francisco em ruínas depois de injetados bilhões... Nesta cidade, onde nasci, o PT não ganha nada, o sr. Donato que vá arrumando emprego para companheiros e parentes, que é o forte do seu partido. Um governo omisso, que faz as famílias brasileiras gastarem mais com saúde do que ele próprio - resumindo, a corruptolândia - é muito, mas muito mais grave que a nefasta cracolândia.

CELSO DE CARVALHO MELLO

celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

 

 

________

 

 

 

EXEMPLO

Brasileiros honestos

Os pilotos Gustavo Spinelli e Youssef Haddad, representantes do Brasil no rali Dacar 2012, obtiveram notoriedade internacional pela atitude honesta de comunicar à direção da prova uma quebra de regra que ninguém vira. São dois brasileiros bem diferentes das oligarquias que dominam os três Poderes da República, que já excluíram as palavras honestidade, ética e vergonha na cara do dia a dia e incluíram mensalão, desvio e lavagem de dinheiro.

JOSÉ FRANCISCO PERES FRANÇA

josefranciscof@uol.com.br

Espírito Santo do Pinhal

 

 

_________

 

 

 

 

"Que falta faz ao nosso país um homem da fibra do capitão Gregorio De Falco! Com a política do jeitinho nosso navio já afundou há muito tempo..."

LUCIANO HARARY / SÃO PAULO, SOBRE OS RUMOS DO BRASIL

lharary@hotmail.com

"Jantar com a loira na hora do naufrágio, nada de mais. Já abandonar o navio..."

VIRGÍLIO MELHADO PASSONI / JANDAIA DO SUL (PR), SOBRE O COMANDANTE SCHETTINO

mmpassoni@gmail.com

  

______

 

  

VOCÊ NO ESTADÃO.COM.BR

TOTAL DE COMENTÁRIOS NO PORTAL: 2.070

TEMA DO DIA

Hackers derrubam sites do governo

Páginas do Distrito Federal ficaram fora do ar e site da cantora Paula Fernandes foi atacado

"Coitada dela, não tem nada a ver com isso. Ela precisa sobreviver. O que é errado é como é conduzida essa indústria toda."

PATRICIA MARTINS

"A Paula Fernandes é cantora da Universal, uma das grandes causadoras de tudo o que está havendo."

VITOR BUONAVOGLIA

"Isso não passa de uma perda de tempo, provando que a ação dos nossos ‘hackers' não tem nenhum fundamento."

FELIPE MIRANDA

 

 

 

______

 

Cartas enviadas ao fórum dos leitores, selecionadas para o estadão.com.br

 

REFORMA MINISTERIAL

Dona Dilma está numa situação complicada para resolver esse problema da esperada reforma ministerial, tendo que conciliar os interesses fisiológicos de partidos aliados com os seus objetivos de governo, e conseguir que a máquina governamental finalmente se desemperre. É pressão de todos os lados. Se pedir a ajuda dos universitários resolvesse, ela pediria, mas vai terminar mesmo nas mãos de Lula, que é quem acaba decidindo o que deverá ser feito.

E o tal governo com a cara da Dilma, que conheceríamos este início de ano, vai ficar, mesmo, para o terceiro ano.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

_______

SONOPLASTIA

Escravos de Jó é o tema da "mudança ministerial": "jogavam caxangá, tira, põe, e fica como está!"

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

_______

 

MESTRADO E DOUTORADO

Na arrumação ministerial, no Ministério da Educação sai o trapalhão reprovado pelo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), Fernando Haddad, e entra o "enrolão" Aloísio Mercadante, numa legítima de troca de 5,9 por quase 6,0. Será que agora a PUC Campinas vai finalmente conceder os títulos de mestrado e doutorado que Mercadante alega ter em Economia?

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo

 

_______

 

 

PIADA PRESIDENCIAL

O "novo" ministro assume a pasta da Educação ou da Falta de Educação? O que deixa a pasta, sai "turbinado" com a maior piada presidencial do dia:" o melhor ministro da Educação do período democrático". Significa, em bom português, que nada se compara ao período ditatorial, época em que o ensino público não era, nem de longe, a vergonha atual e os professores eram preparados e respeitados.

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

São Paulo

  

_______

 

 

CLIENTELISMO

Considerando o sistema de clientelismo partidário vigente, bem como a frágil reação da presidente Dilma Rousseff para a tão esperada reforma ministerial pela sociedade brasileira, devemos ficar preparados para conviver com mais um ano de escândalos no governo federal, infelizmente!

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

 

_______

 

LULA GANHOU

Foi como provavelmente calculou colocando Dilma no poder. Lula continuaria a controlar os Três Poderes do País através do PT e do PMDB. Como foi demonstrado nas ações do Congresso neste primeiro ano de novo governo, os dois partidos deram as cartas. Na aprovação de matérias de interesse, na impossibilidade de CPIs para investigar aliados e corrupção, nas emendas de parlamentares ao Orçamento. No Judiciário as indicações para o STF, o episódio Jader Barbalho entre outros atos como os relativos ao "mensalão", dão uma forte demonstração de onde vem o comando desse poder. A atual reforma ministerial é outra inequívoca mostra de que Dilma não manda, recebe as imposições das duas legendas. Então, aparentemente, até 2014.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

_______

 

BENDITA IMPRENSA

Um ano de governo e sete ministros foram demitidos, depois de uma longa hesitação da Sra. presidente. Seis deles por fortes indícios de que estavam misturando o dinheiro do Erário Público com os milhões que já possuem e um, por ter declarado seu voto na última eleição para Presidente da República, ao candidato do PSDB - partido que se diz de oposição. Quantos desses senhores foram demitidos por terem sidos descobertos - fazendo essa química - pela administração do governo? Pelo que me consta nenhum. Isso, graças a um modelo de gestão falido, sem controle que o torna vulnerável ao ataque de piratas da política, onde, sempre, milhões e milhões de Reais são desviados do verdadeiro destino. E mesmo descobertas as falcatruas, nunca retornam aos cofres do governo. É o caso das ONGs. "O dinheiro sumiu e nós contribuintes ficamos a ver navios". Em que confiar então? Na Imprensa é claro. Ela desvenda a maioria das fraudes de políticos inescrupulosos e as divulga sem medo, em nome do bom jornalismo, e serve, espero que sim, para alertar eleitores para que não caiam em mentiras de faxinas mirabolantes, pois se não fosse a mídia, tenham certeza, a sujeira toda, ainda estaria debaixo do tapete. "Tudo em nome da governabilidade".

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

 

_______

 

EM BANHO-MARIA

A impressão que se tem é que o ministro Fernando Bezerra saiu fortalecido depois das explicações que deu a respeito da distribuição das verbas que seriam utilizadas na prevenção das enchente , porem pressuponho que sua batata já está assando, mesmo que em fogo baixo.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

_______

 

MINISTÉRIO

Confirmando a opinião de vários leitores (18/1, A2), a presidente Dilma Rousseff tem uma oportunidade histórica em reformar o Ministério. Novos ministros, técnicos e não políticos e menos ministérios - para melhor governabilidade e redução das despesas - para compensar os danos já causados.

José Erlichman joserlichman@gmail.com

São Paulo

 

_______

 

A TRAGÉDIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL

Perdeu uma grande oportunidade de sair pela porta da frente o ministro Fernando Haddad da Educação, que sob ordens do Lula sai candidato a prefeito de São Paulo, ele deixa o ministério pela porta dos fundos, um legado de mais de 1 milhão de jovens de 12 a 17 anos que estão fora das Salas de Aulas e dos Cursos de Qualificação Profissional, nem trabalham nem estudam, segundo relatório da ONU. Os que acreditaram no primeiro emprego do ex-presidente Lula, foram para o tráfico de drogas, porque o governo nunca conseguiu tirar do papel para a prática os empregos prometidos de 2003 a 2011. O ministro deixa como investimento em Educação para 2012, um valor pífio de R$ 2.096,00 ao ano para cada criança no ensino fundamental, aprovado pela presidente e congresso nacional, já os investimentos e custos para as Penitenciarias o valor é de R$ 2.350,00 mensal por preso e em Penitenciarias de segurança máxima o valor sobe para R$ 3.180,00. O ministro sai sem ter conseguido colocar o Brasil num ranking aceitável para um Pais que se diz a 6 Economia do Mundo, e a 87 no IDH, Índice de Desgosto Humano, porque segundo relatório da Unesco, o índice de repetência no ensino fundamental foi de 18,7%, de 1999 a 2007, o mais elevado da América Latina e acima da media mundial que foi de 2,8%. Esse é o retrato da Educação hoje no Brasil, os governantes contabilizam os baixos salários dos Professores como Despesas, enquanto na Coréia do Sul e Chile, eles são contabilizados como Investimentos em Educação e Capacitação. Nesses valores não foram contabilizados os desvios dos Ministérios do Trabalho e do Esporte que seriam para as quadras de esporte e a capacitação em cursos dos milhões de alunos que estão fora do sistema, os recursos foram para as ONGS, fantasmas e de parentes e amigos dos ministros. Com tristeza pelas nossas crianças e jovens.

Jose Pedro Naisser @globalecologist

Curitiba

 

_______

 

 

CANCELAMENTO DO ENEM DE ABRIL

É manifesto o propósito de atribuir o cancelamento do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de abril à responsabilidade da Justiça. Ocorre que esta somente determinou a correção de todas as provas novamente dada a constatação de erros - nas correções. As consequências negativas pertencem a quem errou e não a um pronunciamento judicial corretivo, que não pode deixar de ser proferido, quando devidamente provocada a prestação jurisdicional. Portanto, o cancelamento simboliza a inépcia do Ministério da Educação e de seu titular e jamais um rigor excessivo do Judiciário.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

 

 

_______

 

 

FERNANDO HADDAD E O ENEM

É lamentável e deprimente que um ministro de Estado faça chantagem para não cumprir uma decisão judicial. Ainda mais à custa e prejuízo, da educação da nossa juventude.

Ulysses Fernandes Nunes Junior twitter: @Ulyssesfn

São Paulo

 

_______

 

A CAIXA PRETA DO ENEM

Desconfio que a prova de redação do Enem, cujo critério de avaliação pode ser subjetivo, esteja sendo usada por militantes ancorados no magistério e responsáveis pela correção das provas, para levarem avante o que eles chamam de "justiça social". Assim, alunos são premeditadamente prejudicados numa avaliação desonesta e tirados do caminho para se abrirem vagas nas universidades para aqueles considerados pelos militantes, os verdadeiros merecedores de uma "oportunidade" . O MEC diz que vai tentar impedir judicialmente que os 4 milhões de alunos que participaram do último exame possam acessar suas provas como determinou um juiz, alegando não ter condições de cumprir tal determinação. Condições tem, sim, o que o ministro da Educação Fernando Haddad não pode é abrir essa "caixa preta" e escancarar os métodos utilizados pela sua Pasta para apressar a tal justiça social, mesmo que à custa da frustração de jovens intelectualmente preparados.

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

 

_______

 

PREOCUPAÇÕES MAIORES

Torno-me a repetir quanto aos graves problemas do Brasil. Insistentemente escrevo para esta página do jornal afirmando que a solução do Brasil se encontra na área da educação. Se houver interesse e empenho, com ideias novas e vontade para o sucesso, o Brasil tornar-se-á em breve uma grande potência. No entanto, não basta olharmos apenas para a educação. Temos que atentar também para a saúde. Porque houve tanta demora em sancionar a Emenda 29? Quando a preocupação deixar de serem as eleições e seus resultados, e passar a ser de que forma colheremos os frutos da educação e do sistema de saúde, o País sairá do estigma do em desenvolvimento.

Pedro Beja Aguiar pedrobejaaguiar@gmail.com

São Paulo

 

_______

 

ELEIÇÃO MUNICIPAL

Se a aliança entre o PT (ex-presidente Lula) e o PSD (Gilberto Kassab, prefeito da capital) for efetivada o candidato Fernando Haddad, ministro da educação, é imperdível.

Olympio F.A. Cintra Netto ofacnt@yahoo.com.br

São Paulo

_______

EXTINÇÃO DO ANALFABETISMO

Dentre os problemas da educação no Brasil, o analfabetismo é o mais grave. Em noticiários no início da década de 90 divulgou-se a diminuição da alta taxa do analfabetismo em decorrência da morte de pessoas idosas, faixa de maior número de analfabetos.

Colocar no papel mais algumas teorias a respeito do assunto até que não é tão difícil. Complicado é quando as sugestões precisam ser efetivadas no dia a dia, pois dependem decisivamente de políticas públicas efetivas, incisivas, amplas e duradouras. Mas por maiores que sejam as dificuldades, trata-se de problema básico, que precisa ser solucionado para que o país tenha mão-de-obra qualificada e alcance o desenvolvimento sócio-econômico.

Como potência econômica que vem se tornando, é inexplicável e vexatório que o Brasil seja ainda o país com maior percentual de analfabetos da América Latina. O governo federal deveria criar lei que permitisse aos empregados estudarem nas próprias empresas, sem obrigação de frequência em estabelecimento de ensino, ficando a avaliação periódica a cargo das secretarias de Educação. Aos empresários caberia dividir as despesas financeiras, adequar os horários para permitirem o estudo via conferência ou à distância, com adequação de um local de estudo dentro das próprias empresas. Nesse caso, financiariam o material, ficando o funcionário obrigado a ressarcir após a conclusão do curso ou quando saísse da empresa, num prazo razoável já predefinido. Concomitante a essas alternativas, seria sensato e muito bem-vindo se o governo melhorasse a qualidade do ensino fundamental e médio nas escolas públicas. Evitaria que as pessoas se criassem analfabetas. A imprensa precisaria contribuir com mais debate e matérias sobre a educação. Já os cidadãos deveriam desempenhar o papel de convencerem os analfabetos a deixarem essa condição e encararem a educação com mais seriedade. Quem já estivesse afastado, deveria voltar à sala de aula para conclusão dos ensinos fundamental e médio. Além de acompanharem de perto o aprendizado dos filhos. Por enquanto, as autoridades falam muito enquanto a qualidade da educação só piora. Não há justificativa plausível para o Brasil ainda contabilizar milhões de analfabetos e muito mais de semi-analfabetos. O engajamento precisa ser geral e irrestrito para a extinção do analfabetismo, pilar essencial para melhoraria do ensino em geral.

Pedro Cardoso da Costa pedro.costacardoso@gmail.com

São Paulo

_______

ESPERANÇA E AÇÃO

A maior taxa real do mundo de juros, a maior criminalidade do mundo, segundo alguns e nós mesmos, a maior bandalheira política na corrupção oficializada do mundo, segundo minha opinião, a maior safadeza de um governo burro, chulo e mal intencionado, na opinião minha e de milhares de conhecidos, senão quarenta e quatro milhões de eleitores. Fracasso vergonhoso, como se isso fosse ainda possível, pelas mãos incompetentes do Haddad, o Enem furado e viciado que da nota a quem não fez a prova, ministros e ministros mais bandidos que os encarcerados, segundo a policia, o ministério publico, a justiça e a mídia vigilante. Piores índices de qualidade de vida, educação, saúde e tudo o mais que importa, segundo medições internacionais. Que falta para esta boneca botoxizada e sentada no colo do ventríloquo careca para rir, posar de deusa da hora enquanto milhares de políticos, funcionários públicos e afins dilapidam o erário? Pesquisa favorável? Desfile na Avenida carnavalesca? Prêmios dos "hermanos" coniventes que recebem milhões a titulo de ajuda? E quem vai ajudar o povo brasileiro, aviltado, assacado, humilhado e rebaixado perante o mundo? Devemos aguardar a Comissão da Verdade ou a Controladoria da Comunicação? Não existem mais seres com vergonha na cara, não há mais revolta e decência, foram todos cooptados pelas cotas, pelas minorias, pela canalhice corruptora, pela mão deficiente que insiste em afundar o barco como forma de vida? A revolução brasileira, tão esperada, vem agora via internet, via intolerância e via limite: não da mais pra segurar, explode coração, veia, pulso, músculo e palavra, explode a raiva básica, a noção da sobrevivência. Ao inferno o que atrapalha, o que prejudica e atrasa, chega de bestialidade e safadeza, basta de energúmenos engravatados pela verba do erário. O Brasil de 2012 será diferente pela razão simples que a corja traficante de tudo foi alem, passou dos limites do tolerável e até o mais simples ser pode, deve e enxerga a necessidade de uma radical mudança de rumos. Vamos construir mais cadeiões, serão necessários e concentrar nossos esforços na remoção do que não presta, que já e demais.

Ronaldo Parisi rparisi@uol.com.br

São Paulo

_______

 

SOBRE LUCROS OU VALORES: VENDE-SE UM PLANETA

Em seu artigo Ambientalistas? Ou inocentes úteis de outras razões? publicado no O Estado de S. Paulo, o brasileiro Denis Lerrer Rosenfield contrasta a agroindústria americana com a preservação da floresta amazônica. Segundo ele, ao preservarmos a floresta amazônica estaríamos ajudando a agroindústria de outros países a obter lucros ainda maiores. Não quero falar agora de lucros, mas de princípios. É claro que se todos os madeireiros, plantadores de soja e as agroindústrias do Brasil pudessem explorar impunemente a floresta amazônica até a sua extinção completa, irremediável e total, eles teriam lucros fabulosos. Os Estados Unidos já destruíram de forma irremediável boa parte de sua vegetação nativa e deram lucros polpudos a quem se beneficiou deste processo. Esse é um ponto polêmico. Muitos brasileiros então perguntam: "que direito eles têm de impedir que nossa floresta amazônica seja usada agora para o nosso desenvolvimento"? A pergunta é legítima. As respostas é que variam, dependendo da sede de lucro - ou não - de quem responde. Se eu sou sócio de um plantador de soja ou de um madeireiro ou pecuarista, vou achar legítimo "transformar mato em dinheiro". Eles pensam assim. É por essa simples razão que as florestas do mundo foram e continuam sendo destruídas: gente que só pensa em lucro a curto prazo e ignora o futuro das próximas gerações no planeta. Respostas um pouco mais detalhadas existem em documentos como, por exemplo, o Plano Amazônia Sustentável (2007). Não avaliei esse plano, mas entendo que existem aspectos sociais, econômicos e ambientais que devem ser gerenciados de forma equilibrada e isentos da sede de lucro rápido e fácil. Em seu recente livro Plano B, Lester Brown Brown defende a tese de que o plano B da sociedade para sobreviver e reestruturar a economia global deve ser baseado em quatro metas interdependentes: clima, população, pobreza e gestão ambiental. O governo britânico patrocinou um estudo coordenado pelo economista Nicholas Stern mostrando que um investimento de apenas 1% do PIB Mundial pode evitar a perda de 20% do mesmo PIB num prazo de simulação de 50 anos. Ou seja, discutir o lucro financeiro da companhia "x" de um pais "y" pertence a uma determinada escala de valores. Planejar o futuro sustentável do planeta como um todo pertence a uma escala de valores maior e totalmente diferente. O que seria mais importante? Defender o lucro fácil e rápido de algumas empresas ou permitir que o clima, o futuro e a economia do planeta se estabilizem? Esses assuntos serão discutidos pelos países membros da ONU na Conferência Rio + 20 que acontecerá no Rio de 20 a 22 de Junho de 2012. Alguns países provavelmente defenderão a tese da soberania do lucro, outros pensarão no planeta como um todo. Nesse evento não haverá taça, apenas o planeta como um todo oferecido em holocausto em diferentes escalas de valores. Espero que os vencedores sejamos nós, a maioria que se preocupa mais com valores e menos com lucros.

Jonas Rabinovitch, conselheiro sênior da ONU rabinovitch@un.org

Nova York

_______

 

CASAL RAUPP

Só espertos conseguem viajar 144,2 mil quilômetros, equivalente a 3,5 voltas ao redor da terra, tudo por conta do contribuinte, óbvio em missão "oficial", e com "passaportes diplomáticos" para evitar contratempos alfandegários, com acessos e chegadas liberadas, o senador Valdir Raupp (PMDB/RO) e sua esposa a deputada federal Marinha Raupp (PMDB/RO). Foram à Coreia do Sul, Taiwan, Japão, China, África do Sul, Alemanha, qualquer dúvida é só solicitar ao senado os relatórios dos trabalhos realizados no exterior. Nem bem iniciou 2012 o casal já está de malas prontas para o Catar, o que irão catar nem imaginamos, mas o povo brasileiro nem sabe por que o "tour" é grátis... Brasil "país rico é país sem pobreza", não é mesmo?

Maria Teresa Amaral mteresa0409@estadao.com.br

São Paulo

_______

 

CULPA DE QUEM

O casal de turista não tem culpa, os culpados são os eleitores de Rondônia que votaram neles.

Odomires Mendes de Paula Odomires@abrampe.com.br

Uberlândia (MG)

_______

ELEITOR INCONSCIENTE OU INCONSEQUENTE?

Valdir Raupp e esposa fazem tour pelo mundo com nosso dinheirinho. Ministro manda "bezerrada" para seu estado natal em troca de votos. Ratos no Senado. STF dominado e perdido. Fifa impondo ilegalidades. Dilma, Lula e PT morrendo de rir. Zé Povinho cada dia mais na lama. Votos na lata de lixo. Isso é democracia ou ditadura? Brasil um país de todos... do PT e do BBB.

José Alberto de Paiva alpai12@yahoo.com.br

São Paulo

_______

 

GOVERNO MINÚSCULO

O governo federal, através do ministério da saúde destinou R$ 6,4 milhões para resolver o problema da cracolândia. tudo com minúscula, porque esse governo é minúsculo.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

 

_______

 

CRACOLÂNDIA

A cracolândia paulista tornou-se uma disputa política, em que o que menos importa são os dependentes químicos. Acorda, Brasil!

Angelo Antonio Maglio angelo@rancholarimoveis.com.br

Cotia

 

_______

 

EXPLORAÇÃO

A forma pela qual o PT tenta explorar as questões que envolvem a cracolândia demonstra um fato e sugere duas hipóteses. O fato, é o de que os malefícios das drogas nas principais cidades do Brasil têm suas origens na total falta de domínio de nossas fronteiras! A cracolândia é apenas uma conseqüência! A 1ª hipótese, é a de que poderá se tratar de uma conivência do governo com os interesses dos países exportadores e a 2ª, a de que o PT esteja mancomunado com os traficantes para que se concentrem na cidade de São Paulo! Bastaria acionar seus aloprados! Afinal, a quem mais interessaria a exploração eleiçoeira da miséria dos viciados? E há graves antecedentes envolvendo o PT com traficantes de drogas! É público que Marco Aurélio Garcia sempre foi muito próximo das Farc, além da grande amizade de Lula com Evo Morales! Um fato, duas hipóteses e uma conclusão: caso o PT não for o único e grande responsável pelo patrulhamento das nossas fronteiras, quem será?

Eugênio José Alati eugeniojosealati@yahoo.com.br

Campinas

 

_______

 

NA MOSCA!

Não deu outra, o partido governista (PT), adepto do quando pior melhor e inconformado com a antecipação da ação policial na cracolândia paulistana pelas autoridades estadual e municipal, já acionou o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, na montagem de um projeto de combate ao consumo de drogas, para ser utilizado pelo seu pré-candidato Fernando Haddad na campanha eleitoral para a Prefeitura da Cidade de São Paulo (15/1, A11). Conclui-se que eles sempre usam a miséria e a desgraça alheia para manter-se no poder.

José Millei elymillei@hotmail.com

São Paulo

_______

 

DE DESASTRES

A cracolândia se disseminou durante a gestão, ou diria (indi)gestão da ex-prefeita de São Paulo. Agora, o Haddad vem criticar as medidas que estão sendo tomadas corajosamente pelo governo atual? Ora, faça-me um favor! Esse problema é muito sério e requer a união de todos e não é hora para demagogia. E ainda quer ser candidato... Sr. Haddad, seja ao menos firme com relação a um problema tão sério como o crack, já que sua passagem pelo ministério foi um desastre tão grande que (e)nem esquecemos.

Mohamed Abdalla Kilsan kilsanabdalla@terra.com.br

São Paulo

 

_______

 

LEVANTANDO POEIRA

O que vem acontecendo na Cracolândia paulistana é algo extremamente grave, de interesse público, que não pode ser interpretado com base nas oscilações de humor e síndrome de vedetismo de alguns jornalistas, que opinam e tratam o assunto de modo sensacionalista, em seus blogs e colunas publicadas em importantes veículos de comunicação de circulação nacional. A grande imprensa, escrita e eletrônica, tem por obrigação mostrar a realidade dos fatos, sob diversos ângulos, com total isenção político-partidária, seriedade e muita responsabilidade. Doa a quem doer, o Estadão tem cumprido seu papel de maneira impecável, ao informar com imparcialidade o desenrolar da operação Cracolândia nos últimos dias. Não entendi qual o objetivo de um jornalista da revista Veja, ao sugerir que o repórter Bruno Paes Manso, do Estadão, faz parte da ala petista da imprensa que está a serviço da "franja" do partido, que por sua vez usará os acontecimentos da Cracolândia para eleger Haddad prefeito de São Paulo.

Precisamos ter discernimento. E como cidadãos não nos deixar influenciar por opiniões sem provas concretas, ou fatos distorcidos, ou meras suposições. Assim como não creio que todos os membros da Defensoria Pública estejam à frente desse movimento para baderná-lo, apenas porque um defensor, Carlos Weiss (ou meia dúzia deles, segundo informam setores da imprensa) está envolvido nisso, também não creio que um repórter do quilate de Bruno Paes Manso (que não conheço pessoalmente, só acompanho o que escreve), eclético e ético, esteja a serviço do PT. Tomar partido dos contraventores e os defender, deixar livres, leves e soltos traficantes - de pequeno, médio e grande portes - e seus chefes de colarinho branco, publicar inverdades, prometer o impossível para angariar votos, usando para isso os infelizes viciados da Cracolândia, é no mínimo desumano, para não dizer indecente! Setores da imprensa considerada séria X jornalistas que se acham mais artistas que profissionais da informação X defensores públicos /promotores X PM X governo federal X governo do Estado de São Paulo X Prefeitura de São Paulo X ONGs X assistentes sociais... C'est tout la même chose? Lamentável e muito estranho, você não acha?

Maria Alice J. Maluf majmaluf@uol.com.br

São Paulo

 

_______

 

DO CONTRA

Lobby contra a ação na Cracolândia?!

Cesare Morosini cesare@listasinternet.com.br

Guarulhos

_______

 

'NOIAS'

A Prefeitura de São Paulo criou um método rápido e prático de acabar com os "nóias" da cracolândia: espalhou-os por todas as praças da cidade.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

 

_______

 

PARALISAÇÃO TOTAL

Uma pergunta que não quer calar: A quem interessa bloquear a ação da policia militar na cracolândia?.

Severino Neves Batista Filho bat.filho@hotmail.com

São Paulo

 

_______

 

UM LONGO PROCESSO

Não foi da noite para o dia que se formou a chamada "Cracolândia" no outrora bairro da aristocracia paulistana dos Campos Elísios. Há tempos, usuários de drogas, principalmente de crack se concentram em alguns pontos dessa região central da cidade para comprar e consumir drogas em plena luz do dia e, o que é mais abusado, perto de distritos policiais. A situação se deteriorou ao longo dos anos, sem que as autoridades e poderes públicos esboçassem qualquer gesto de combate ou de programas de recuperação dos viciados nas áreas da saúde pública e da assistência social. Dito isto alguma coisa precisava ser feita, mas não da maneira que foi desencadeada no início deste ano essa operação conjunta por parte da Prefeitura e do governo do Estado através da Polícia Militar. Antes de mais nada, conforme as políticas públicas adotadas em países avançados, o problema dos que se drogam, a recuperação das pessoas que caem no vício é de saúde pública e não de simples repressão policial. Não quero dizer que a polícia não tem papel nessas ações, mas ela deveria se concentrar em combater o tráfico, prender aqueles que transportam e vendem entorpecentes, e não dispersar multidões de drogados pelas ruas e tratá-los a golpes de cassetetes. Isso é tortura contra seres humanos. É preciso entender que hoje a ciência dispõe de recursos avançados e de métodos de tratamentos terapêuticos para reintegrar essas pessoas na sociedade ou pelo menos amenizar os sofrimentos. É um assunto polêmico, mas não tenho receio de afirmar que essas ações na Cracolândia estão equivocadas no foco. E não tenho receio de sustentar que elas têm como pano de fundo uma operação de "limpeza social" dessa cobiçada região da cidade, que está prestes a ser entregue pela Prefeitura a iniciativa privada no Projeto Nova Luz. Do jeito como as operações estão sendo tocadas, o problema está mudando de lugar. Não há vagas disponíveis nos centros de saúde para recuperação dos viciados e não há programas de assistência social. Aliás, um centro de recuperação começou a ser erguido às pressas no Bom Retiro, a mais de dois quilômetros da Cracolândia e num lugar bem isolado. Aliás, esta é a tônica da operação: isolar os viciados e não tratá-los como deveriam. De tudo o que se escreveu, sobra um depoimento e uma reflexão oferecida por um PM na imprensa: "Tínhamos um câncer localizado e agora estamos espalhando por várias áreas. Não seria mais fácil combater o câncer isolado?", perguntou.

Ricardo L. Carmo Ricardo@sindjorsp.org.br

São Paulo

 

______

 

TOLERÂNCIA ZERO

Como sabemos o crack é um tipo de míssil caseiro, letal, com a vantagem de ter baixa tecnologia,baratíssimo e está ao alcance fácil de milhares de pessoas, o governo de São Paulo deu o pontapé inicial no seu combate, vale lembrar que nos EUA nos anos 80 teve uma luta árdua de seu governo com o projeto "Tolerância Zero" no combate ao uso e venda desta droga,e conseguiram, aqui também precisamos deste tipo de comportamento, senão será uma luta inglória, nada de ler o ouvir blasfêmias com teor político de um Zé Dirceu, só quem não conhece sua trajetória de vida pode dar valor em suas palavras, sempre recheadas de interesses politiqueiros, este nós já conhecemos, o mentor intelectual do Mensalão, sem julgamento,já passou da hora de sai de cenário, o governo de São Paulo fez e deve continuar no combate a esta droga e os outros estados se não o fazem que copiem, o que é bom deve ser copiado, o tráfico e o crime neste país está organizado por isso a necessidade do estado também o ser.Nossos jovens estão se autodestruindo no uso indiscriminado de drogas, nossas fronteiras, desprotegidas, até na entrada escancarada de Haitianos, imaginem nas entradas de drogas, o governo deve e rápido sair da ineficiência e fiscalizar melhor, mobilie e dê valor de verdade às suas Forças Armadas e lhes dê esta missão, certamente terá sucesso.

Julio Jose de Melo julinho1952@hotmail.com

Sete Lagoas (MG)

 

______

 

VADIAGEM

Diante da indecisão do poder público na solução do problema dos "nóias" que infestam a "cracolândia", vale lembrar o art. 59 da Lei das Contravenções Penais, ainda vigente, que determina a prisão de quem, sendo válido para o trabalho, se entrega habitualmente à ociosidade. Chega de tolerância. A polícia tem que tratá-los como vadios. Cadeia para eles!

Arsonval Mazzucco Muniz arsonval.muniz@superig.com.br

São Paulo

 

_______

 

A LEI BASTA

Lei é uma palavra muito pequena, mas com um significado imenso. A lei bastaria para resolver os graves problemas da cracolândia e outros tantos que assolam São Paulo. Basta que a lei seja levada ao pé da letra.

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

 

_______

 

É O COMEÇO

A intervenção na Cracolândia por parte do governo estadual e municipal deveria ser aplaudida como início de algo que precisava ser feito. Na verdade, por mais que alguns especialistas declarem-se contra ou a favor, ninguém sabe exatamente como lidar com um processo que envolve aspectos muito complexos. Sendo uma chaga humana das mais dolorosas, é uma questão de saúde pública resultante ora de problemas sociais, com grave desestruturação familiar e geradora de profundos desajustes emocionais ora uma questão de ordem pública, portanto de polícia, pois envolve o tráfico que precisa ser coibido energicamente. Um passo pois tinha de ser dado e alguém teve coragem de colocar o dedo na ferida. Se a abordagem inicial foi correta, ainda não é possível avaliar com exatidão. Mas o importante é haver o propósito de aperfeiçoá-la quando necessário. Aí sim, a crítica construtiva é importante e necessária; que se cobrem soluções efetivamente sérias para esse gravíssimo problema do consumo do crack que, por ser uma droga barata, afeta justamente os mais desamparados com consequências desastrosas para todo o conjunto da sociedade. Todo rigor com os traficantes e todo cuidado para com os dependentes, muitos dos quais abandonados, verdadeiros párias da sociedade e portadores de graves desordens mentais nunca tratadas perambulando pelas ruas sem condições de responderem por si. Que seja então o início de um novo ciclo que abrirá certamente oportunidade para estudos, debates e conhecimento de como lidar com esse difícil problema da melhor forma possível.

Eliana França Leme efleme@terra.com.br

São Paulo

_______

 

INVERSÃO DE VALORES

Temos alunos da maior universidade do país que deveriam ajudar no desenvolvimento do mesmo, mas estão somente interessados em bagunçar, enrolar e afastar a polícia, a quem isso interessa? Se não bastasse isso, agora temos grupos que fazem churrasco contra as ações na cracolândia, mas aqui vale uma pergunta. Por que essas pessoas não levam a cracolândia para frente de suas casas?

Ricardo Alves piteros@ig.com.br

São Paulo

_______

 

CRACOLÂNDIA & PETISTAS

A tentativa coordenada do governo e da Prefeitura de São Paulo de colocar um fim na cracolândia lançou o combate ao crack como primeiro tema da campanha eleitoral na capital paulista. Transporte e habitação ficou relegado a segundo plano, para alegria dos petistas que estão aproveitando dessa ação segura e necessária da Polícia Militar na retirada dos dependentes de drogas, classificando-as de ação mal planejada e uso de violência com os dependentes e traficantes. Essa é uma ação indispensável e extremamente necessária, mesmo se der errado, Kassab e o PSDB terão discurso: 'Nós fizemos o que era possível e que o PT não tem coragem de fazer. Quem tiver ideia melhor que apresente'. Na realidade, criticar ou dar palpite é muito fácil! Difícil é apresentar uma solução viável; a qual está aberta a quem se habilitar.

Benone Augusto de Paiva benonepaiva@yahoo.com.br

São Paulo

 

_______

 

'CRACOLÂNDIA BRASIL'

A vigilância faz-de-conta e a corrupção desenfreada nas extensas fronteiras do País são o portão escancarado do ingresso de drogas na "cracolândia Brasil".O combate ao gravíssimo problema que assola dezenas de cidades e destrói inúmeras vidas deve ser travado no nascedouro, sem trégua nem piedade aos traficantes.Ou o Brasil acaba com as drogas ou ...

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

 

_______

 

A DEFENSORIA PÚBLICA E A CRACOLÂNDIA

A ação da PM na cracolândia parece seguir uma lógica de atuação aprendida nos tempos mais obscuros da ditadura militar e que resiste aos ventos liberalizantes do Estado Democrático e Social de Direito. As imagens de um policial militar agredindo sem motivo um estudante negro da USP em 9 de janeiro último - fartamente divulgadas na internet e televisão - são apenas mais uma evidência emblemática de uma polícia que, se privada de seus métodos truculentos e arbitrários, sente-se "algemada", como declara a policial entrevistada em matéria de 13 de janeiro publicada em O Estado de S. Paulo a respeito dos limites impostos pelo comando da PM para a ação na região central de São Paulo (disponível em ). A Defensoria Pública - criticada na referida matéria pelo comandante-geral da PM, coronel Álvaro Batista Camilo - ao dirigir seus quadros ao local para dar conhecimento aos viciados em crack de seus direitos civis, posiciona-se com altivez em seu papel cidadão e presta à sociedade um alto serviço na tutela dos direitos fundamentais dos brasileiros, que honra ainda mais a instituição. Ou será que deveria se omitir enquanto brasileiros - viciados ou não, mas titulares de direitos - são abordados a trotes de cavalaria, balas de borracha e bombas de efeito moral? Esses cidadãos são vítimas de um problema social de enormes dimensões e como tal devem ser tratados. Dispersá-los a tiros, como a ditadura militar fazia em relação às manifestações estudantis nos anos '70, é, no mínimo, como disse Einstein, a insanidade de esperar que a repetição de uma mesma ação produza resultados diferentes. O problema do crack deve, sim, ter uma abordagem ampla e multidisciplinar. Mas que fique à PM o papel de combater o tráfico, dirigido por grupos armados poderosos e organizados, contra os quais a bala é moeda de troca. Aos viciados, vítimas de uma sociedade desigual e injusta, que se dirijam os profissionais empenhados - por ofício ou vocação - em sua recuperação e reintegração, em que se incluem psicólogos, assistentes sociais, médicos e, claro, advogados. Advogados de verdade, ciosos de sua responsabilidade social e de seu papel na defesa da cidadania.

José Roberto Monteiro joemonteiro@terra.com.br

São Paulo

 

_______

 

TRAGÉDIAS

Temos lido muitas críticas a respeito de como o governo de São Paulo está tratando os dependentes da cracolândia, organizações de direitos humanos, ONGs entre outros. Por outro lado estas mesmas organizações não têm se mostrado críticas com relação ao abandono de outra tragédia humana, esta causada por desastre natural, os desalojados da serra Fluminense, a qual o governo do Rio de Janeiro se mostrou claramente omisso, e que estão sem assistência há um ano, suas cidades estão como se tivessem sido alvo de bombardeio. Aqueles cidadãos não merecem nossos cuidados, ou eles são menos importantes que os dependentes de crack?

Francisco da Costa Oliveira fco.paco@uol.com.br

São Paulo

 

_______

 

FORA COM A FIFA

A notícia publicada no Caderno de Esportes do Estadão de 17/1, sobre a exigência da Fifa de que o governo responda por falta de segurança e desastre natural, não só é descabida como trata o governo da sétima economia do mundo como uma republiqueta qualquer. A presidente Dilma deveria considerar o secretário geral da Fifa persona non grata, e expulsá-lo do país e sugerir que a entidade e vá realizar o torneio em outro país. Se tiver que pagar uma multa contratual que cobre na Justiça e entre na nossa fila de precatórios daqui a uns dez ano. Já tem sido vergonhosa demais a subserviência governamental aos caprichos da Fifa, uma organização particular, o que em minha opinião é a explicação por tanta cara-de-pau desse senhor. O Brasil, que tem inúmeras carências em vários setores, a começar da Saúde, já gastou até agora e gastará até 2014, uma verba enorme a fundo perdido, principalmente na construções de estádios em cidades onde a frequências em estádios não justificam as estruturas dos equipamentos, como por exemplo, Manaus e Brasília. Quando a Fifa aceitou realizar a Copa no Brasil, também ficou implícito que aceitaria o risco inerente a todos os empreendimentos particulares. Não podemos cair na mesma arapuca que entrou África do Sul, que hoje tem estádios abandonados por absoluta falta de serventia e muito menos nas exigências desse senhor prepotente da Fifa que vem aqui ditar regras para o nosso governo. A Copa do Mundo de Futebol não vale tudo isso. Pode valer para as organizações particulares, como sempre gosta de salientar o presidente da CBF, para o governo e para o povo não.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

_______

 

EM DÚVIDA

A conclusão é uma só: A grande "furada" da primeira metade deste século, é sem dúvida a Copa de 2014, no Brasil. Estamos apenas em 2012 ainda, mas será a campeã da "furadas". Disso não haverá dúvidas.

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

_______

A PONTA DO ICEBERG

Sindicância para investigar indícios de superfaturamento na compra de equipamentos de segurança dos Jogos Pan-Americanos 2007, realizados no Rio, trouxe à tona dados estarrecedores. Um lote de produtos que deveria custar R$ 22 milhões foi adquirido por R$ 40 milhões, segundo o MPF. A suspeita recai sobre o diretor geral da PF na época, Luiz Fernando Corrêa. Não sei até onde irá esta sindicância, mas deve ir mais fundo, pois isto deve ser só a ponta o iceberg. Segundo dados divulgados na época, o custo dos jogos, segundo o prefeito César Maia, na ocasião, custariam R$ 700 milhões, e ficaram em quase R$ 4 bilhões. O deputado federal Miro Teixeira, na época, coletava assinaturas para instaurar uma CPI. Infelizmente não obteve êxito. Alegavam que poderia prejudicar o país na disputa para a Copa de 2014 e Olimpíadas. Desculpa esfarrapada. Uma coisa não tinha nada a ver com outra. A verdade é que não assinaram porque neste pais não querem investigação sobre desvio de dinheiro público e por que eles poderiam ser os personagens amanhã, o famoso "eu sou você amanhã". Corporativismo. Como é que ele vai investigar um colega, se amanhã ele pode ser o investigado?

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

_______

AEROPORTOS

Se os nossos minúsculos e ultrapassados aeroportos já estão com gente saindo pelo ladrão, podemos imaginar isso quando a Copa chegar? Fazer puxadinho, com um só operador de comidas e bebidas, cobrando os preços dez vinte vezes mais do que em qualquer lugar normal e outra excrescência? Alguém levou algum e como? Já passou da hora de se aumentarem os aeroportos como se faz por exemplo nos Estados Unidos, seria e profissionalmente? Se o PAC tem dinheiro para dar e vender, por que não fazemos as coisas certas já desde o primeiro minuto e precisamos ficar sempre improvisando e dificultando as coisas, para facilitar a vida de alguns poucos? Vamos fazer as coisas seriamente pela primeira vez, para não nos arrependermos nem nos envergonharmos mais tarde. Espero que não passemos vexames, pois o Brasil não merece.

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

Rio de Janeiro

______

INJUSTIÇA NA BOLA E APITO

Seja em jogos de Copa do Mundo ou numa pelada de fim de semana, no futebol sempre tem aquele "se". É aquela bola que se entrasse virava a história do jogo. Aquele pênalti que se fosse convertido daria mais um título para a equipe e obviamente tem aqueles lances que se o juiz não se equivocasse e se ele gostasse de sua "santa" mãezinha não cometeria erro tão absurdo e não prejudicaria um time, normalmente aquele que a gente torce. E aqui volta a falar daquela Seleção maravilhosa montada em 82 pelo Telê Santana, que tinha Zico, Sócrates, Falcão, Éder, Luisinho, Paulo Isidoro, Cerezo,Júnior,Leandro, Oscar,entre tantos outros craques, e sou um dos que acreditam que a equipe ficaria perfeita se tivesse como centroavante o Careca, revelado pelo meu Guarani de Campinas, que, se não tivesse sofrido contusão, certamente estaria no comando de ataque e faria a diferença. Mas a história todo brasileiro que acompanha ou pesquisou um pouco sobre futebol conhece, aquela Seleção foi maravilhosamente bem até as oitavas de finais, com quatro vitórias, sendo a última delas um 3x1 contra a Argentina,na qual despontava o craque Diego Maradona. Mandamos os "hermanos" para casa e em 5 de julho de 1982 jogaríamos pelo empate contra a Itália, que tinha se classificado com três empates e tinha conhecido sua primeira vitória naquela Copa também contra os argentinos, por 2x1. O jogo ficaria conhecido como a Tragédia do Sarriá, em alusão ao estádio espanhol que sediou a partida e a triste eliminação do Brasil, na vitória de 3x2 para a Itália. Mas, a história poderia ter sido diferente se o juiz israelense Abraham Klein,que estava perto do lance, marcasse o pênalti do violento jogador italiano, que ironicamente atendia por Gentile, que chegou a rasgar a camisa de Zico numa jogada dentro da área. Se o Brasil convertesse o pênalti a história poderia ser diferente,com o jogo terminando, no mínimo, em 3x3 e o Brasil seguindo na competição. Então, dia 8 viria Polônia e dia 11 a grande final com a Alemanha e com Brasil pentacampeão já em 82, sem ter que esperar até 1994. É, não possível mudar a história e mesmo no esporte talvez isso fosse assustador como no livro 1984 de George Orwell. Aqui cabe uma dúvida, se o Brasil fosse tetra em 82 e penta em 94, ele teria hexa vencendo novamente(isso com a hipótese de em 82 a final ter sido Brasil e Alemanha) os alemães? O jeito é deixar o se de lado e buscar o hexa real no Brasil em 2014,não é Neymar Júnior e Cia?

Edson Silva edsonsilvajornalista@yahoo.com.br

Sumaré

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.