Cartas - 26/01/2011

GOVERNO DILMA

, O Estado de S.Paulo

26 Janeiro 2011 | 00h00

Restos de Lula

A presidente Dilma Rousseff está às voltas com muitos pepinos deixados por Lula, aí incluídos as obras prometidas e não executadas, os imensos "restos a pagar", os ministros que ele fez sua pupila manter, dentre eles o incompetente ministro da Educação, a imensa dívida, cujos juros custam bilhões por ano, e ainda o enxugamento dos gastos que terá de fazer para poder cumprir metas de crescimento. Também o combate à inflação, que obrigou o Copom a aumentar os juros já em janeiro, dos maiores do mundo (os terceiros). Enfim, Dilma vai ter de descascar muitos abacaxis a ela legados por aquele que se considera o melhor presidente de todos os tempos, a maior das lorotas contadas pelo reizinho fanfarrão. Mas, como a corda sempre rebenta do lado mais fraco, nós, contribuintes, novamente vamos pagar por tudo isso.

CARLOS E. BARROS RODRIGUES

cebr2403@gmail.com

São Paulo

____________

Cordão umbilical

Acho que Dilma tem de trabalhar com as pessoas que quiser. Está certo que ela se sinta grata ao ex-presidente, que a apoiou, mas esse agradecimento tem limite. Impor no Ministério dela incompetentes como o ministro da Educação já é demais. Está na hora de ela começar a pensar em arrumar a casa ao seu gosto. Esse cordão umbilical tem de ser cortado.

PANAYOTIS POULIS

ppoulis@ig.com.br

Rio de Janeiro

____________

Superávit

Se a presidente Dilma for sábia, economizará não R$ 60 bilhões, mas R$ 80 bilhões ou R$ 90 bilhões. Se a necessidade cria a ocasião, a oportunidade cria a ousadia. As consequências de seus atos serão o respeito e a retaguarda inibida dos politiqueiros que só pensam em dinheiro para manter os seus currais atolados de projetos não prioritários por este Brasil afora.

CARLOS LEONEL IMENES

climenes@ig.com.br

São Paulo

____________

Selic x inflação

Sabemos que se aumenta a taxa Selic para controlar a inflação. Porém, aumentando a Selic, os juros para o consumidor sobem astronomicamente. Qual decisão seria a melhor: controlar a inflação ou controlar os juros?

ALBERTO NUNES

albertonunes77@hotmail.com

Itapevi

____________

POLÍTICOS

Metas

São inúmeras as metas dos nossos governos, mas poucas cumpridas. Que tal uma meta contra a imoralidade, a corrupção e os escândalos de desvios de dinheiro público? Se essa for atingida, com certeza todas as outras serão facilmente cumpridas. É preciso banir os inescrupulosos do poder, pois só assim o Brasil será uma nação de Primeiro Mundo.

ADEMAR MONTEIRO DE MORAES

ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

____________

Novos campeões

No campeonato nacional da grande corrupção, o PT já está ultrapassando o PMDB. E com enorme ajuda do juiz, a CGU. Assim fica fácil...

FABIO FIGUEIREDO

fafig3@terra.com.br

São Paulo

____________

Interesse nacional

Interessante! O ex-candidato republicano derrotado nas últimas eleições presidenciais nos EUA vem ao Brasil vender aviões, atendendo a interesses de seu país. Portanto, acima de qualquer paixão partidária. Não é o que acontece com alguns de nossos políticos: quando na oposição ou derrotados em eleições, simplesmente passam ao ataque gratuito, esquecendo que o Brasil está acima de partidos ou ideologias.

JOSÉ GERALDO SANTANA

acquaartegiana@yahoo.com.br

São Paulo

____________

PESQUISA CIENTÍFICA

Burocracia

Sou completamente solidária ao dr. Stevens Rehen, da UFRJ. É realmente frustrante a burocracia que impede o desenvolvimento da ciência no País. Desde 16 de outubro de 2010 aguardo a liberação de um fragmento de DNA de cana-de-açúcar que foi sintetizado nos EUA por falta de uma empresa que faça esse trabalho no Brasil. A documentação solicitada no processo já foi analisada e liberada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e aguarda outra liberação no Ministério da Agricultura desde novembro. Quando esse DNA chegar ao laboratório, não será surpresa se estiver degradado e sem possibilidade de uso. Precisamos de agilidade, pessoal qualificado para avaliar a documentação e o fim da burocracia, para o avanço da pesquisa no Brasil.

HELAINE CARRER, Esalq-USP, Departamento de Ciências Biológicas

hecarrer@esalq.usp.br

Piracicaba

____________

INPI X ANVISA

Patentes de medicamentos

A queda de braço entre o Inpi e a Anvisa, resolvida favoravelmente ao primeiro pela AGU, efetivamente pode representar uma flexibilização no deferimento de patentes de novos medicamentos e o afrouxamento da fiscalização das atividades dos laboratórios. A responsável, porém, é a própria Anvisa, que nos últimos tempos se inclinou a abusar do poder, usurpar funções próprias do Congresso Nacional e desprezar a opinião da sociedade, a exemplo da venda de antibióticos somente mediante receituário controlado e uma via retida e, ainda, da proibição da comercialização de cosméticos naturais. Agora, ao colegiado que a preside com vocação autoritária só resta obedecer.

AMADEU R. GARRIDO DE PAULA

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

____________

SÃO SEBASTIÃO

Reflexos no turismo

Fiquei muito feliz com a reportagem deste domingo (23/1) a respeito das irregularidades em São Sebastião com relação à ocupação do solo (C1 e C3). Achei ótimo o Estado denunciar essas ameaças ao paraíso que é a região. Já nós, simples turistas, só sentimos a presença ameaçadora da prefeitura contra as nossas barracas - que, segundo as autoridades, não podem ficar nas praias sem a presença constante dos proprietários. Para tanto passam funcionários ou prepostos da prefeitura ameaçando e até mesmo tirando as barracas. Provavelmente é por isso que as autoridades não têm tempo nem pessoal para fiscalizar as construções em áreas irregulares.

WALDYR SANCHEZ

waldyrsanchez@terra.com.br

São Paulo

____________

"Será que agora vai?"

CÍCERO SONSIM / NOVA LONDRINA (PR), SOBRE A INTERVENÇÃO DA PRESIDENTE DILMA ROUSSEFF NO "MINHA CASA, MINHA VIDA"

c-sonsim@bol.com.br

"Quem a eleição rejeita, o governo ajeita..."

CARLOS JOSE BENATTI / SÃO PAULO, SOBRE OS REPROVADOS PELO POVO NAS URNAS E ACOLHIDOS NOS MINISTÉRIOS

cjbenatti@globo.com

"Afinal, para que serve esse Ministério da Pesca? Será que finalmente o governo vai ensinar o povo a pescar?"

ELAINE NAVARRO / SÃO PAULO, IDEM

elainenavarro.pa@hotmail.com

____________

VOCÊ NO ESTADÃO.COM.BR

TOTAL DE COMENTÁRIOS NO PORTAL: 1.727

TEMA DO DIA

São Paulo, 457: uma cidade, vários mundos

Quais são as qualidades e deficiências, os pontos fortes e fracos da metrópole de tantas facetas?

"Aprendi a gostar de São Paulo. Apesar do trânsito, da violência e de outras coisas mais, a cidade tem muita coisa boa."

SAULO MUNDIM LENZA

"São Paulo pode ser maravilhosa ou abominável. Depende da comparação que fazemos com outras cidades."

CELSO ANTÔNIO

"Imagine se a população não escolhesse políticos tão desonestos, como seria melhor?"

GILMAR DANTAS

____________

 

Cartas enviadas ao fórum dos leitores, selecionadas para o estadão.com.br

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CREATIVE COMMONS

 

A ministra da Cultura agiu corretamente ao retirar qualquer associação entre o MinC e o Creative Commons, uma entidade patrocinada pelos interesses das gigantescas empresas que comandam a internet. Os criadores são os primeiros prejudicados e, como consequência, os cidadãos, pela atuação dessa entidade, que, sob uma falsa bandeira da "defesa" em prol do que denominam "cultura livre", acaba por tentar patrocinar "mudanças" escandalosas no direito autoral, aniquilando os profissionais que produzem cultura.

 

Antonio Adolfo Maurity Saboia, músico antonioadolfomusic@gmail.com

Rio de Janeiro

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ONDE ESTÃO OS ARTISTAS DO RIO?

Gostaria de saber por que as classes artística e intelectual cariocas não mexeram uma palha para ajudar os flagelados da catástrofe na Região Serrana daquele Estado, já que, quando da celeuma sobre os royalties do petróleo, que beneficiam somente uma elite de burocratas fluminenses, fizeram até comício em Copacabana!

Em países civilizados e desenvolvidos culturalmente, quando acontecem situações dramáticas como essas vividas pelos afetados no Rio, é comum ver atores, cantores e artistas em geral se envolverem pessoalmente na arrecadação de fundos financeiros a favor das vítimas. Mas por aqui só interessa mesmo qual será a fantasia para desfilar no Sambódromo.

 

 

 

Sandro Ferreira sandroferreira94@hotmail.com

Ponta Grossa (PR)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

DÚVIDA...

Demolições em áreas de risco já começaram. Vão implodir Brasília?

Angelo Antonio Maglio www.rancholarimoveis.com.br

Cotia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A TRAGÉDIA SÃO ELES

De novo, o Rio de Janeiro. Povo sofrido, vítima de seus políticos. O dinheiro que vai para o Rio de Janeiro nunca é suficiente! Royalties de petróleo, verbas federais, ajuda, doações... E não muda nunca. Morrem centenas de pessoas. O governador, de novo, estava em férias. Parece que, para ele, isso é surpresa. Todo ano é surpresa.

O prefeito da capital fluminense diz que dá chineladas em paulistas. Em seguida pede ajuda, pede doações. Nós vamos ajudar, sim. Não vocês. Mas as vítimas de vocês.

Porém, não vemos perspectiva de melhora.

Pobre Rio.

Ubiratan Zaccaro Conesa uzconesa@globo.com

São Paulo

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ATITUDE SENSATA

O povo brasileiro, em sua totalidade, espera que nossa presidente tome uma atitude sensata, em se tratando de socorro às vítimas de todas as tragédias que aconteceram e outras que estão acontecendo neste exato momento, em Minas Gerais, Santa Catarina e na tristeza nacional das regiões serranas do Rio De Janeiro. Decisões administrativas e políticas terão de ser tomadas sem constrangimento em mexer com egos e planos mirabolantes dos governantes de plantão: dar um basta agora mesmo, sem pensar duas vezes, em dar seguimento às aventuras de Copa e Olimpíada. Será, sem dúvida, uma decisão nobre e de elevada estatura moral, para com todos os sofredores das catástrofes recentes. O povo brasileiro agradece.

 

Aloísio Arruda De Lucca aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

E FOI REELEITO!

É, sr. Cabral, então a Estação Meteorológica de Petrópolis foi desativada pela "bu(r)rocracia" ou questão de incompetência mesmo? A estação começou a ser instalada em 2006, ficou totalmente pronta em 2009/10 e, pelo que se sabe, não chegou a funcionar, pasmem, "por falta de verba" - o custo para funcionar era de R$ 900 mil por ano (R$ 75 mil mês) -, além da falta de definição de quem haveria de arcar com a despesa, o desgoverno federal ou o estadual. A "indefinição" custou a vida de muita gente (deve passar de mil óbitos), mas apenas para tornar mais grave o absurdo da ingerência dos poderes públicos, em 2010 a arrecadação de tributos federais cresceu 9,85%. Pouco, não? Mas a dívida deixada para a atual presidente foi superior ao dobro da dívida deixada pelo seu antecessor FHC, é preciso informar à exaustão, para que todos saibam. O governador reeleito do Rio era e é "carne e osso" (ou vice-versa) com o último ex-mandatário do País, que é bom que fique longe da mídia, cansou! Enfim, com a catástrofe a Estação Meteorológica de Petrópolis vai funcionar, ao custo de R$ 1,5 milhão anual, um "pequeno" reajuste, semelhante ao reajuste do salário dos parlamentares. Foi a inflação ou o ar que aumentou o preço? Será que foi por isso que o governador reeleito disse que o Instituto Nacional de Meteorologia foi inútil? Há dúvidas de quem foi inútil... É melhor "chorar", sr. Cabral!!!

 

Luiz Dias lfd.silva@uol.com.br

São Paulo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

SONHOS ENTERRADOS

Já é notório que todas as tragédias poderiam ter sido evitadas ou mitigadas se os Poderes Executivos municipais e estaduais estivessem fazendo a sua parte; não incentivando com iluminação, ruas asfaltadas, coleta de lixo, construções irregulares, etc., em áreas sabidamente de risco. Assim, eu pergunto: o que os Ministérios Públicos estadual e federal vão fazer a respeito? É muito simples, responsabilizar legalmente pelas perdas de vida todos os prefeitos e governadores, dos últimos dez anos, que não fizeram os seus deveres constitucionais básicos. Não acredito que o Ministério Público possa e deva se furtar à defesa difusa dos nossos direitos, por simples respeito às vítimas e aos impostos que pagamos.

As ações preventivas são infinitamente mais baratas do que as corretivas, após a instalação das comunidades, que precisam de lugar para morar e sonhar. Nas contas do governo não entram o número de órfãs que estamos gerando e os sonhos que estão sendo também enterrados.

O que temos, acima de tudo, é o efeito da irresponsabilidade do voto pelo voto do ano eleitoral. Sinto vergonha dos governadores e prefeitos das áreas afetadas, não tiveram carinho e respeito pelos munícipes e eleitores.

 

Márcio Marcelo Pascholati márcio.pascholati@gmail.com

São Paulo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

NO LITORAL PAULISTA

Há inúmeras obras ilegais no litoral paulista, num esquema de corrupção e propinas que faz com que não haja fiscalização por parte das prefeituras. Pergunto: o Ministério Público vai se omitir e não fará nada a respeito? Imóveis são construídos de forma ilegal e irregular no litoral e fica tudo por isso mesmo? Se há corrupção nas prefeituras e no sistema de fiscalização, então cabe ao Ministério Público tomar as medidas e providências necessárias tanto para a punição dos responsáveis como para a destruição dos imóveis irregulares.

 

 

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ENCHENTE EM SÃO PAULO

Domingo, às 21 horas, as marginais mais uma vez pararam com pontos de alagamento. E eu, que normalmente gasto uma hora para sair da Castelo Branco e ir até Guarulhos levar minha namorada até sua casa, fui obrigado a amargar seis horas de pura indignação dentro de um congestionamento monstro.

Chuvas como a de domingo todo ano tem e estamos cansados de saber disso, mas o problema dos alagamentos, e em particular o deste domingo, que me deixou parado no meio da Marginal do Tietê com o carro desligado, é de solução absolutamente viável, se houvesse respeito pelo cidadão, e seria resolvido até com facilidade.

A ponte da Vila Maria estava intransitável, não porque o rio transbordou, mas sim porque ela tem um rebaixamento de pista para que haja altura de passagem de caminhões; se houvesse um simples sistema de escoamento que não entupisse e tivesse manutenção, ou de bombeamento que não quebrasse, o problema estaria resolvido, pois o rio não transbordou, não, foi pura falta de interesse dos nossos administradores. Aliás , vi apenas duas ou três viaturas da CET em todo o trajeto que fiz e nenhuma polícia para nos garantir segurança parados nas marginais; se a CET tivesse uma bombinha portátil ou baldes e boa vontade, dava até para tirar a água empoçada debaixo das pontes, eu mesmo iria ajudar, pois ficar parado é pior! Bem, soube que, sim, havia a CET nas ruas, mas ela estava multando os motoristas que pegavam a contramão nas marginais para fugir do congestionamento.

Assim, eu tenho uma proposta que acredito ser a mais eficaz: transferir as eleições municipais e estaduais para depois das chuvas.

 

Mauricio Merzvinskas seurb.dop8@barueri.sp.gov.br

Barueri

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

DESLIZAMENTOS E SOLUÇÕES

 

Como se fosse um jogo, o time Deslizamento ganha de goleada das nossas possibilidades de solucioná-los. Como na Copa do Mundo, os outros países também enfrentam os mesmos problemas. Os quais passamos a descrever.

Voltando um pouco na história dos deslizamentos ocorridos, encontramos coisas espetaculares. Houve numerosos escorregamentos já constatados, tais como o do Rio Reno, obrigando-o a cortar uma garganta com aproximadamente 600 metros de altura e 14 quilômetros de comprimento, com cerca de 15 milhões de metros cúbicos de terra.

Mesmo após o aparecimento do homem, os movimentos de terra constituem um dos mais impressionantes e espetaculares fenômenos da natureza. Por exemplo, em 1911, ocorreu em Pamir, na Ásia, um escorregamento com cerca de 3 milhões de metros cúbicos que se precipitou encosta abaixo, formando uma barragem com mais de 700 metros de altura, maior do que as já feitas pelo homem até hoje.

Esses escorregamentos ultrapassam a escala humana. Depois de iniciados, são impossíveis de conter pelas obras de engenharia atuais.

Não obstante, são provocados, frequentemente, pela ação inadvertida do homem. Os escorregamentos impõem desafios em todas as escalas para as construções em encostas. E constituem, assim, problemas dos mais importantes da engenharia civil. A sua análise e o seu combate conduzem às mais importantes investigações técnicas de todos os tempos. Em torno de 1917, a situação havia se tornada crítica nos países mais avançados. Na Alemanha, o rompimento no Canal de Kiel. Na Suécia, o escorregamento da ferrovia federal. Nos Estados Unidos, os desabamentos ocorridos na construção do Canal do Panamá.

Em todos estes casos, foram formadas comissões de trabalho, para organizar um tratamento sistemático do assunto.

No Brasil, várias jornadas de estudos luso-brasileiras e simpósios nos clubes de engenharia trataram do assunto com trabalhos e proteção contra calamidades públicas em que as importâncias dos deslizamentos foram muito enfatizadas.

Em Petrópolis (Rio de Janeiro), os problemas de deslizamentos são os mesmos das outras cidades, porém em outras escalas. Mas as soluções prováveis para cada caso são específicas. Depois de anos de vistorias técnicas nos morros de Petrópolis, podemos constatar que a ocupação desordenada e a necessidade de moradia da população fazem com que cortes em terrenos provoquem deslizamentos, causando destruição e morte. Os mais graves são as construções modificando a drenagem natural da encosta, obstruindo caminhos preferenciais da água já estabilizados pelo tempo.

As intensas chuvas provocam o inchamento do terreno, tornando o solo expansivo, principalmente nos solos de aterro "fofos", provocando deslizamentos. Vários acidentes em Petrópolis apresentam este aspecto.

Muitas vezes esses solos estão em situação precária nas encostas, com pequenas escavações na base, e com o encharcamento pela chuva as nascentes passam a fluir frequentemente, provocando acidentes gravíssimos.

A conscientização da população, através das associações de bairro, torna-se oportuna. Uma ação

preventiva, como tentativa, seria o cadastramento da população obedecendo aos seguintes critérios:

- Perda de vida possível.

- Áreas prováveis de deslizamentos.

- Destruição das vias de tráfego.

- Destruição de propriedades.

- Áreas prováveis de alagamentos

As soluções imediatas, nos locais em que a população se encontra em risco, seriam as obras de contenção, muito caras e demoradas. O fato de haver problemas em vários pontos da cidade todos os dias e a necessidade de corrigi-los me levou a apresentar uma solução simples e de grande valia.

Trata-se de uma planta que está sendo pesquisada nos Estados Unidos, que contém encostas e as transforma em terreno fértil. Esta planta (gramínea), de quase dois metros de altura, é pouco conhecida por nós e poderá ser a solução simples e barata para reduzir o problema dos deslizamentos de terra.

Esta gramínea com nome estranho, Vetiver, que pode ser utilizada como substituta de dispendiosas obras de engenharia civil, foi descoberta pelo Conselho Nacional de Pesquisa dos Estados Unidos.

A planta, encontrada no Pará, está sendo produzida com a finalidade de contenção de encostas pela primeira vez, através do Programa Estadual de Microbacias Hidrográficas. Já foi testada na Índia, nas Ilhas Fiji e no Caribe. Trata-se de uma planta de crescimento rápido, que, além de conter as encostas, as transforma em terrenos férteis.

O Conselho Nacional de Pesquisa dos Estados Unidos afirma que para segurar o solo basta que o Vetiver seja plantado em fileiras horizontais; sendo assim, a planta cria rapidamente raízes de quase dois metros de profundidade e forma, com sua folhagem, uma parede de contenção da mesma altura.

Ela não só retém, como segura a água, que, ao invés de descer como uma enxurrada, perde velocidade, danificando menos o solo, segundo o estudo intitulado "Vetiver, uma fina linha verde contra a erosão". Os benefícios vão além da retenção da terra. As cidades ganham rios mais limpos, estuários não danificados, mais água e menos sedimentos nos reservatórios, afirma o relatório.

Mãos à Obra.

OBS: Vejam reportagem da Globo no RJTV com o meu trabalho durante todos os dias do ano, orientando as famílias e prevenindo as futuras enchentes e escorregamentos de barreiras na cidade de Petrópolis (na reportagem eu sou o fiscal que orienta a população).

http://www.youtube.com/watch?v=nyoCzk2cCT4

 

 

 

 

Rui Barbosa, engenheiro civil eng.ruibarbosa@gmail.com

Rio de Janeiro

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

BANDO DE INCOMPETENTES

 

Entra ano, sai ano, e as coisas no País vão se repetindo, só se tranca a porta depois de arrombada. Infelizmente, no Brasil é preciso acontecerem acidentes com ares catastróficos para que nossos políticos, quase em sua maioria inoperantes, acordem para a vida. Remediar tragédia já anunciadas, e ainda tratadas sem o afinco necessário, parece ser paradigma governamental. Mas uma vez, depois de inúmeros prejuízos humanos e materiais ainda incalculáveis, os governantes iniciam articulações em prol da equação dos gargalos provocados pelas enxurradas. O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, por exemplo, acaba de apresentar a primeira de um total de 60 sirenes que deverão ser instaladas em comunidades cariocas com a finalidade de alertar a população contra os riscos de deslizamentos. Embora a iniciativa seja inédita, a questão que fica no ar é: por que uma medida preventiva não foi tomada antes? Precisou que primeiro centenas de famílias perdessem seus entes queridos e todos os seus bens para que algo fosse feito. O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, promete construir mais três piscinões no ABC. A iniciativa é louvável, mas parece tardia, não é de hoje que a questão dos "abrigos d’água" é discutida regionalmente. O consórcio mesmo foi e é palco de várias tratativas nesse sentido, mas pouca coisa saiu do papel. Mais uma vez, o que se vê é a tardia atitude do poder público de contornar uma situação que poderia muito bem ter sido evitada caso houvesse controle, até por menor que fosse, em relação às ocupações de áreas que não deveriam ser povoadas. Como se não bastasse, o agora ministro de Ciência e Tecnologia, o "economista" Aloizio Mercadante, reconheceu durante a semana que passou que os governantes anteriores, incluindo o "presidente Lula", não implantaram o sistema nacional de alerta e prevenção de desastres, embora estivesse previsto em decreto publicado em 2005. São todos um bando de irresponsáveis. Como a esperança é intrínseca no povo brasileiro, esperamos que finalmente os governantes deste país tenham aprendido a lição de que só blá-blá-blá não basta para dar um xeque mate nos problemas. É preciso haver a tal da vontade política. Vontade esta que deve vir acompanhada do "prevenir", e não do "remediar". Por enquanto, o que todos nós esperamos são ações que minimizem os problemas de quem perdeu tudo ou quase tudo, menos a esperança e a fé no Criador.

Turíbio Liberatto www.turibioliberatto.nafoto.net

São Caetano do Sul

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

RESPONSABILIDADES

 

De quem, de fato, seria a culpa pelo problema crônico de todo começo de ano no Brasil, as enchentes? Interessante é que, mesmo ano após ano, quase não vemos nenhuma mudança do quadro. Apesar das frequentes tragédias de regiões já famigeradas e da multiplicação de corpos decorrentes das fortes e incontroláveis águas, ninguém assume algum tipo de responsabilidade, ninguém.

Assim como acontece com a violência urbana, as enchentes acabaram virando uma espécie de cultura negativa do nosso país, ou seja, tornaram-se fato comum.

Então, pergunto: de quem cobrar, a quem instruir, por onde começar?

Será que cobrar apenas dos governantes seria a saída mais inteligente e eficaz?

É obvio que os políticos são os maiores responsáveis direta e indiretamente por estes completos

desleixos e abandonos sociais. Afinal, alguém só pode construir ou comprar uma casa numa zona de risco de desabamento ou de inundação se não teve uma condição prévia de poder estudar, ter um emprego que proporcionasse melhores condições financeiras, ou seja, ter uma moradia mais digna. Além disso, os políticos devem ser responsabilizados de maneira mais direta, como na questão do recolhimento do lixo urbano, da benfeitoria e manutenção das redes de esgoto e elaboração de uma melhor infraestrutura das cidades, que se mal feitas contribuem, e muito, para o lamentável cenário.

Mas, e a população? Estaria fadada apenas a vítima? Não teríamos também nossa parcela de responsabilidade?

Se neste país a consciência e a cidadania são condições para poucos, não restaria alternativa senão nos cobrarmos a todo instante.

Penso que devemos sempre nos fazer ouvir e valer nossos diretos, mas nossos deveres são tão ou mais importantes em determinados casos.

Filipe Luiz Ribeiro Sousa filipelrsousa@yahoo.com.br

São Carlos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VEDETES DOS TEMPORAIS

Armações metálicas retorcidas e telhas de alumínio amassadas, despencadas no chão, possivelmente obra de serralheiros amadores, servem, com frequência, de cenário para a mídia mostrar danos causados por tempestades acompanhadas de fortes ventos. Coberturas planas de postos de gasolina se transformaram nos seus alvos prediletos, pois basta um chuvisqueiro acompanhado de brisa forte pra tudo vir abaixo.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

FATOS CONCRETOS

 

 

No lugar de comovidas palavras a respeito da tragédia da Região Serrana do Rio de Janeiro, é hora de encontrar ideias e medidas pontuais para a proteção daquelas áreas de risco. Uma importante ação a ser empreendida é conservar o espaço natural dos rios, incluindo neles o álveo maior ocupado normalmente pela água em caso de cheias, favorecendo a criação de espaços naturais para se dispersar.

Lembrando que a criação de encostas artificiais rígidas determina o aumento da velocidade de descida da água, que, chegando às partes mais planas do vale, não encontra mais um leito capaz de conter a cheia, cujos velocidade e volume devem ser reduzidos progressivamente no percurso entre o topo do morro e o vale. Estas providências, de realização relativamente simples e de curto prazo, não significam a desistência de outras de maior vulto e complexidade, como bacias de expansão, adequação das seções hidráulicas, manutenção dos artefatos, limpeza dos córregos e tantas outras possíveis.

Esperamos que o trágico balanço desta enchente, além de grandiosos projetos, permita e gere ações concretas e imediatas.

 

 

Franco Magrini framagr@ig.com.br

Cachoeira Paulista

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

LULA E A SERRA FLUMINENSE

 

Vi em toda imprensa que o plano que poderia salvar centenas de vidas das chuvas está atrasado, e já deveria estar em ação, mas por inércia, má vontade ou descaso do governo Lula não saiu do papel e estará pronto somente em 2014.

Uma pergunta que não quer calar: não poderia o presidente Lula ser indiciado por homicídio culposo, no caso dos mais de 700 mortos da serra fluminense?

 

 

Eliana Oda, engenheira linaoda@bol.com.br

São Paulo

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

‘BURROCRACIA’

 

A matéria publicada na edição do dia 18 de janeiro (C3), intitulada "Ajuda a vítimas esbarra na burocracia", da jornalista Luciana Nunes Leal, abordou com muita propriedade os entraves da "burrocracia" brasileira. Seria bom lembrar como foi a recuperação de Caraguatatuba (SP), após o desastre de 1967 (infelizmente, tínhamos o triste recorde do maior acidente natural em número de vítimas de nosso país).

A ajuda foi quase imediata por causa da agilidade de um radioamador, porém os trabalhos iniciais de busca de sobreviventes foram da própria comunidade. Por causa de Caraguá foi criada a Defesa Civil do Estado de São Paulo. O fato maior, mais positivo, foi o da solidariedade humana. Foi um exemplo a ser seguido e a que os brasileiros sempre respondem.

Mas a resposta de ação maior veio do poder público estadual, em especial pela agilidade de tomada de ação do governador Abreu Sodré, criando o Escritório de Recuperação de Caraguatatuba (ERC). Neste órgão foram concentrados todos os trabalhos necessários para a pronta recuperação da cidade. O ERC substituiu o Executivo municipal, não preparado e sem idoneidade para realizar os trabalhos necessários, de forma eficaz e contribuindo assim para uma nova Caraguatatuba.

É importante que seja criado um órgão equivalente para possíveis desastres que, infelizmente e com toda a certeza, acontecerão - a natureza não pode ser controlada, no máximo poderemos minimizar suas consequências - , e estarmos preparados para essas ocasiões.

 

 

Rodoaldo Graciano Fachini rgfachini@hotmail.com

Caraguatatuba

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

SEM GOVERNO

Que coisa impressionante! Toda a mobilização para socorrer os desabrigados na Região Serrana do Rio foi feita pela população. Água, alimentos, roupas e remédios foram fornecidos pelos brasileiros solidários e distribuídos, em parte, por gente que se aventurou na lama com jipes e motos. Os ingleses nos enviaram barracas, equipadas e modernas, para que as famílias pudessem se alojar. Do governo federal, só muita conversa mole e tergiversação. Aqui, em Santa Catarina, não foi diferente. Até casas foram construídas com o dinheiro de doações de empresas e pessoas físicas. Estamos mesmo entregues à nossa própria sorte!

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

EFEMÉRIDE

"Dia da Enchente" ou "Semana Nacional dos Deslizamentos". Até agora, nada oficial. Sobram desgraças, falta patriotismo.

 

A. Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

BALÕES DE ENSAIO

Já noticiaram que Lula seria indicado para o Prêmio Nobel da Paz (Irã) e secretário-geral da ONU. Agora, que já tem uma lista para conferências pelo valor de R$ 200 mil cada. Coitado. Falar sobre o quê? Nem de graça!

Francisco Antonio de Oliveira frama@uol.com.br

Campinas

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

ABOBRINHAS

O boquirroto-mor do planeta vai receber, a partir de março, R$ 200 mil por "palestra" (?).

Pagar esse valor, ou ainda que fosse R$ 1, para "ouvir" um molusco acéfalo grunhir abobrinhas demonstra claramente que o Brasil é um país de tolos.

Renato Otto Ortlepp renatotto@hotmail.com

São Paulo

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O "PALESTRANTE"

Estar há mais de 20 dias sem ouvir a voz do "desencarnado" não tem preço, afinal, passei oito anos esperando por isso. Assistir a uma "palestra" delle a partir de março, terá: estima-se que o cachê deva superar R$ 200 mil.

Não ficarei espantada se a Petrobrás, o Banco do Brasil, a Caixa Econômica e outras estatais arranjarem buracos na legislação para patrocinarem esses eventos.

 

Maria Eloiza Rocha Saez m.eloiza@gmail.com

Curitiba

 

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

TEMOS DE ESQUECER

Será que chegou o momento de "imortalizar o estadista"? Haja "cachaça", durma-se com esse "barulho". Quem pagará 200 mil, por palestra, para ouvir uma mediocridade ler o que for escrito por outros? Será que o mundo endoidou? Temos de esquecer.

M. Teresa Amaral mteresa0409@estadao.com.br

São Paulo

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

COITADOS DOS TRADUTORES

 

Segundo sua "assessoria" paga com dinheiro público, a partir de março o ex-presidente Lula deverá iniciar uma nova fase em sua vida, proferindo palestras aos interessados pela astronômica cifra de R$ 200 mil por evento, além de dedicar-se à criação do Instituto Lula. O primeiro desses eventos será no Senegal, "importantíssimo" país africano onde, naturalmente, Lula se sentirá à vontade, no mesmo nível de seus ouvintes, visto que essa seletíssima plateia muito tem a aprender com o ex-mandatário brasileiro, que nutre pela África um profundo amor e carinho, chegando ao cúmulo de perdoar a maioria das dívidas externas que muitos desses países tinham com o Brasil, destacadas ditaduras com cujo apoio Lula contava em suas pretensões relativas à ONU.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, ao longo de sua brilhante vida acadêmica e política, recebeu inúmeros títulos de "doutor honoris causa" em várias das grandes universidades dos Estados Unidos, da França, da Inglaterra, da Alemanha, etc. Coisas de Primeiríssimo Mundo, assim como José Serra, que foi professor das mais excelentes universidades americanas. Lula morre de ciúme e inveja de FHC, pois nunca recebeu essas homenagens e nunca as receberá. Por FHC ter sua fundação ligada ao PSDB, Lula igualmente não quer ficar por baixo e planeja também criar o Instituto Lula. FHC é mestre por excelência e reconhecido mundialmente por sua invulgar e invejável vida acadêmica, o mesmo não se pode dizer de Lula, que obviamente escolheu o Senegal para dar início à sua série de palestras. Afinal, o que o Senegal tem a oferecer ao mundo ao receber Lula nesse simpósio?

O que Lula falaria em suas preleções?! Qual a brilhante contribuição que o ex-presidente brasileiro daria ao mundo globalizado com suas palestras?! Quem se habilita a pagar R$ 200 mil para ouvir essa retórica tão importante?! Coitados dos tradutores, dos intérpretes, ao ouvirem Lula falar e terem de fazer a tradução simultânea para as línguas ou para os dialetos tribais dando a exata noção do que significaM palavras como "pobrema", "menas", "pá" e por aÍ vai. Lula não consegue falar frases simples como, por exemplo, "dinheiro para ou pra comer, pra estudar". Ele diria: "dinheiro pá cumê, pá istudá...." Diria sempre: "Istô cunvencidu..." Que sofrimento será para esses pobres intérpretes! Machado de Assis vai se contorcer em seu túmulo!

Naturalmente, podemos esperar que as grandes estatais brasileiras, tão vilmente usadas pelo PT, vão contratar este novo professor Polito. Petrobrás, Banco do Brasil, etc., certamente incluirão entre os estudos "avançados" para seus executivos palestras de Lula, pagas, obviamente, com o suado dinheiro do povo brasileiro. Lula, com maestria, vai ensinar com armar um esquema para arrecadar dinheiro para partidos políticos. Como manter livres no Brasil trambiqueiros, mafiosos e terroristas que para cá fugirem, usurpando decisões de nossa mais alta Corte de Justiça. Como torrar milhões usando cartões corporativos, pagos pelos contribuintes, até em jogos de sinuca. Certamente ensinará como conseguir passaportes diplomáticos privativos de autoridades federais em detrimento da lei. Lula certamente em muito contribuirá com seus ensinamentos sobre como armar uma frente política para atingir o poder unindo-se ao que de pior existe em matéria de ética e moralidade pública. Como conseguir votos em troca de um cartão de benefícios. Vai ensinar teorias fantásticas de como agradar e se unir a antigos desafetos com o intuito da tomada do poder. Lula tem muito a ensinar e discípulos não lhe faltam. É aguardar pra ver, afinal, o que representam R$ 200 mil por palestra?

Iranilson Alves da Silva iranilson.iranilson@bol.com.br

Araçatuba

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CESARE BATTISTI

 

 

Por ter dado ouvido a assessores esquerdistas retrógrados, Lula não extraditou o Battisti. Não se concebe que o presidente da Itália, os parlamentares italianos e o Parlamento Europeu estejam todos enganados ao cobrarem a extradição do terrorista. É a primeira grande chance que a Dilma tem para brilhar na mídia mundial.

Conrado de Paulo conrado.paulo@uol.com.br

Bragança Paulista

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

DOLCE VITA

Pelo visto, todo mundo em Brasília já tirou seu passaporte diplomático, menos o Battisti. Este vai acabar morando em São Bernardo.

Luiz Henrique Penchiari luiz.penchiari@hotmail.com

Vinhedo

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

DIVÃ

Quem pagou o psiquiatra do Battisti, seria por acaso o Suplicy? Até quando vamos ter que engolir essa história?

 

Esther A. F. Angrisani estherangrisani@terra.com.br

São Paulo

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

BANDIDO

Ao dizer que derrotá-lo "é derrotar o Lula", Battisti já começa a mostrar suas armas e a atuar como bandido. O Brasil tem de se livrar logo desse sujeito.

Gilberto Dib www.dib.com.br

São Paulo

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MALIGNO

 

Entre tantas heranças malditas que o ex-presidente Lula deixou, o caso Battisti foi mais uma malignidade deixada para o País: no apagar das luzes, no último dia, na última hora, no último minuto, no último segundo do seu governo.

 

 

Walter Menezes wm-menezes@uol.com.br

São Roque

 

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A POBRE VÍTIMA DA DIREITA

 

 

Battisti tem a petulância de dizer que sua extradição é desejo da direita e que a esquerda afaga sua cabeça sórdida. É possível, em parte, que assim seja. Com isso, o homúnculo sorridente do terrorismo italiano se arroga um prócer das esquerdas do mundo, ao lado de Lenin, Trotsky, Bucharin, Stalin, Brejnev e outros, considerados, pela serenidade da análise histórica, depois de quase um século, meros obcecados pelo poder truculento sob a generosa bandeira da defesa do proletariado universal.

 

 

Amadeu Roberto Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

SOLUÇÃO COM JEITINHO

 

As autoridades italianas poderiam facilmente resolver a extradição de Battisti, a custo relativamente modesto. Basta dar uma ajuda financeira a Cuba, que está com as finanças estouradas, obtendo, em troca, que a ilha outorgue ao criminoso italiano o diploma de cidadão cubano honorário, solicitando às autoridades brasileiras a sua imediata extradição, a qual seria atendida pelo nosso governo com a mesma presteza com que deportou os atletas cubanos.

Depois, é só pedir aos irmãos Castro a remessa dele para Roma e perdoar a dívida.

Fácil, fácil, e sem desgaste. Um jeitinho brasileiro. O Itamaraty agradeceria.

 

 

Nelson Carvalho nscarv@gmail.com

São Paulo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

LAZER NA ILHA

Complementando o que disse o cronista do Estadão ( Piza, 23/1, D10): se Battisti fosse cubano, não só a extradição lhe seria dada, como antes já estaria solto na terra dos Castros. Não dizem que as vítimas eram de direita?

 

Jairo P. Gusman jairogusman@gmail.com

São Paulo

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

TERRORISTA MESMO

Em seu artigo de 22 de janeiro (a2) intitulado "Terroristas", o ex-ministro Almir Pazzianotto Pinto usa as palavras do tamanho das coisas e não se vale de eufemismos enganosos e desorientadores como "ativista", quando se refere a Cesare Battisti. Concordo com Pazzianotto em gênero, número e grau quando enumera a enormidade de erros que se encerram nesse triste episódio.

 

Martim Afonso Palma de Haro martim.haro@terra.com.br

Florianópolis

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CACCIOLA

No caso Cesare Battisti, o Brasil não fez nada diferente em relação a Salvatore Cacciola. Portanto, a decisão brasileira é soberana e cabe à Itália respeitar.

Rogério Proença Ribeiro roger_fani@hotmail.com

Araras

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

COMPENSAÇÃO

 

A prostituta de luxo Nadia Macri, que está fazendo a caveira de Berlusconi relatando à imprensa italiana todos os detalhes da orgia com o primeiro-ministro, disse também que das oito prostitutas presentes à festinha seis eram brasileiras. Conclui-se que, apesar de Lula não ter concedido a extradição do assassino italiano de quinta categoria Cesare Batistti, como Berlusconi queria, temos recheado suas festanças com prostitutas de primeira.

 

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.b

São Paulo

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

IGUAL A LULA

Se Battisti quer viver em paz no Brasil, que fique calado. Não fique se enaltecendo, dando entrevistas ou mesmo sutilmente ameaçando. Sua entrevista a um jornal brasileiro mostra que não pretende ser uma pessoa comum por aqui. Será que a imprensa repetirá o que fez com Ronald Biggs, que o transformou em celebridade? Foi afagado pela imprensa e pela alta sociedade carioca, celebrizando-o como ladrão do trem pagador em Londres. Teve direito até a comemoração pela imprensa pelos 25 anos do roubo. Já vi que caberá a nós, brasileiros, transformar Battisti em persona non grata. Que seja vaiado onde passar. Que seja apontado sempre como o assassino italiano. Não queremos mais um bandido para chamar de nosso. E se não gostar de assassinos é ser de direita, então me considero direitista. Que ele vá viver onde o tratem bem. Venezuela, Cuba, por exemplo! Porque aqui chega. Se Lulla o considera um igual, nós, brasileiros, não!

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ALMA LAVADA

Quando deparamos com bons artigos ("Terrotistas"), temos a sensação de ter lavado a alma. Do jeito que vão as coisas, a dúvida levantada no final do artigo é perigosa de se tornar certeza (rsrs).

Paula Toledo, paulamaria70@hotmail.com

São Paulo

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

‘COMPANHEIRO’

O artigo de Almir Pazzianotto é muito importante no momento. Mesmo que o Lula leia, não vai compreender, porque, para ele, antes de 2002 nada de importante aconteceu na História do Brasil. E o "companheiro" Battisti, talvez por força de seu artigo, certamente não passará a ser sustentado pelos contribuintes deste país, devendo retornar para seu País de origem. Só espero que Pazzianotto volte a escrever com assiduidade, pela importância do seu posicionamento, pois pessoas com caráter como ele devemos preservar, e manter contato com os leitores do Estadão.

Lia Junqueira lia.junqueira@hotmail.com

São Paulo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

DECISÕES COMPROMETEDORAS

 

O elucidativo artigo "Terrorista", da lavra do eminente jurista Almir Pazzianotto, deveria ser incontinenti lido pelo ex-presidente Lula e seu ex-ministro da Justiça Tarso Genro. Autores de duas desastradas decisões, frontalmente contrárias ao que reza o Direito Internacional, comprometeram significativamente nossa imagem junto a países que abominam e combatem todas as formas nefastas de terrorismo. Dar abrigo a esse criminoso cruel, através de decisões erroneamente fundamentadas em rasteiras linhas de entulho ideológico ultrapassado, é ignorar por completo os ditames que devem nortear os passos daqueles que, estando no poder, são responsáveis pela imagem do Brasil. Esperamos que a presidente Dilma, em nome do bom senso e da manutenção de nossa harmônica relação com a Itália, ordene, sem hesitar, a extradição desse perigoso facínora.

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

DÚVIDA DOS BRASILEIROS

A grande dúvida dos brasileiros de bem é saber se a presidente Dilma Rousseff seguirá a mesma irresponsabilidade e incapacidade do ex-presidente Lula em manter o terrorista sanguinário Cesare Battisti, que matou e mutilou pessoas inocentes por meio covarde e cruel, ou terá luz própria, capacidade e responsabilidade, extraditando esse facínora para cumprir a pena de prisão perpétua imposta pela Justiça italiana. Mantendo esse terrorista no Brasil, será motivo de tristeza e desilusão já neste início de governo.

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PÁGINA VIRADA

Quanto a Cesare Battisti, existe alguém que vá contrariar a decisão do ex-presidente? Fica por aqui o italiano, e não se discute mais. E mudemos de assunto, pois não?!

 

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

‘VOCÊ NO ESTADÃO’

 

Contrário para o leitor sr. Elísio Hashimoto (Tema do dia, 21/1): acho que o Estado italiano não está barganhando, mas pedindo respeito às leis e aos cidadãos italianos que foram assassinados. E nós, cidadãos não contaminados por ideologias, também estamos consternados a respeito dessa da polêmica decisão do ex-presidente, principalmente pelo desrespeito a decisão da Suprema Corte do Brasil. Porém substituo a palavra barganha por ressentimento. A meu ver, mais parece um revide do ex-presidente ao caso Cacciola, quando o governo italiano negou sua extradição.

José Geraldo Santana acquaartegiana@yahoo.com.br

São Paulo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CADA VEZ

 

Cada vez que vejo atos obscenos como o do ministro da Defesa, convidar um ex-presidente e sua entourage a passar uns dias num unidade do Exército, com se aquilo fosse dele, e ficar por isso mesmo; cada vez que vejo um presidente deixar que o vagabundo Zelaya e sua gangue ocupem nossa embaixada por quase três meses, como em Honduras; cada vez que vejo decisões como negar pedido de extradição de homicida condenado; cada vez que vejo atos impensáveis como uma inútil primeira-dama do Brasil requerer cidadania estrangeira para os filhos "para garantir o futuro deles"; cada vez que vejo o Itamaraty conceder passaporte diplomático a familiares do presidente; cada vez que vejo um sistema como o Enem destroçado, cada vez que vejo pessoas morrendo sem que lhes tenha sido pago o precatório que lhes é devido; não tenho como evitar ter o pensamento invadido pelas palavras de Geraldo Vandré em "Pra não dizer que não falei das flores", de 1968, só que agora em situação contrária: "Vem, vamos embora, que esperar não é saber, quem sabe faz a hora, não espera acontecer", Está mais que na hora de moralizar a Nação brasileira, de zerar o hodômetro. Para bom entendedor meia palavra basta.

 

Bob Sharp bobsharp@uol.com.br

São Paulo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

AS FARC E O ROUBO DE URÂNIO NO BRASIL

Assim como a Colômbia se tornou mundialmente conhecida como um país exportador de cocaína, o Brasil está em via de ser envolvido numa perigosa intriga internacional, por conta da exportação de urânio brasileiro que estaria sendo ilegalmente feita pelas Farc para o Irã. O fato é que, assim como alguns antigos governantes da Colômbia preferiam fazer "cara de paisagem" para o crescimento da produção de folhas de coca e sua transformação no "ouro branco", num esquema que fez a fortuna de tantos chefões do tráfico, líderes da guerrilha e políticos locais, o Brasil, com igual nível de omissão e irresponsabilidade, está "fingindo não ver" que as Farc exploram algumas de nossas jazidas de urânio, na Região Amazônica, para, através de exportações ilegais, abastecer o programa nuclear iraniano. Com o dinheiro obtido nessa "operação", as Farc obtêm fundos para financiar outras atividade ilícitas, a exemplo da aquisição de armas, a indústria dos sequestros e até mesmo doações financeiras, por baixo dos panos, para campanhas eleitorais de candidatos filiados a partidos parceiros, ação que ocorre em diversos países da América Latina, inclusive no Brasil. A verdade é que, enquanto essa sórdida tramoia vem sendo praticada, a única posição tomada pelo governo petista é afirmar que não sabe de nada, o que, convenhamos, em se tratando de nazipetralhas, não é novidade, pois se esses pulhas têm o descaramento de dizer que não sabem de maracutaias ocorridas no seu "núcleo administrativo", seria ingenuidade acreditar que admitissem saber do contumaz roubo do urânio brasileiro.

 

 

 

Júlio Ferreira www.ex-vermelho.blogspot.com

Recife

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

EXÉRCITO E FURTO

 

Segundo pesquisas, o Exército é a instituição mais respeitada pelos brasileiros. Aqueles, como eu, que não queriam ver nossos soldados envolvidos com criminosos, assassinos e principalmente traficantes, pela grande oportunidade de contaminação, acabaram, tristemente, por saber que um oficial foi denunciado, por sua própria tropa, pelo furto de um aparelho de ar-condicionado no Complexo do Alemão, Rio de Janeiro. Para mim, é mais um sintoma da moléstia que vem corroendo toda a sociedade brasileira: não há mais limites para o ilícito, pois o exemplo vem de cima. A Justiça Militar tem de indiciar e punir com a exoneração sumária esse oficial, travestido de meliante. Lamentável!

 

 

Eduardo Augusto de Campos Pires eacpires@terra.com.br

São Paulo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

____________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PARTIDOS OU QUADRILHAS?

 

A Funasa é vista por todos como um "covil" de ladrões. Daí ser compreensível que PT e PMDB disputem o controle dessa fundação, querem ter "acesso" mais fácil ao dinheiro público. Em vez de brigar pelo controle do órgão, os membros "honestos" desses partidos, se ainda existirem, deveriam "endurecer" a questão, afastar os corruptos, investigar e pôr em ordem a fundação, sem contar com a ajuda da CGU, que não virá. Esse trabalho deveria incluir um notável membro do PT, a presidente Dilma, que se comprometeu com a honestidade na coisa pública. Mas honestos nesses partidos são seres em extinção!

 

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.