1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Contas externas, fator de risco

O Estado de S.Paulo

27 Agosto 2014 | 02h 05

Um buraco de US$ 80 bilhões em conta corrente e um superávit comercial de apenas US$ 5 bilhões ainda estão nas previsões do Banco Central (BC) para este ano, apesar da ligeira melhora das contas externas. É cedo para lançar rojões. O déficit em transações correntes ficou em US$ 78,39 bilhões nos 12 meses terminados em julho. Pela primeira vez desde agosto do ano passado o resultado negativo ficou abaixo de US$ 80 bilhões. Também pela primeira vez nesse período esse déficit foi inferior a 3,5% do Produto Interno Bruto (PIB). Mas pouco inferior: ficou em 3,45%. O resultado previsto para o ano é equivalente a 3,48%. O investimento direto projetado, de US$ 63 bilhões, ficará bem abaixo do necessário para cobrir o déficit. Isso já ocorreu em 2013.

Quando é insuficiente o investimento direto estrangeiro, é preciso recorrer a outros recursos para fechar as contas - empréstimos comerciais ou aplicações em papéis. Soluções como essas envolvem endividamento e operações com capitais mais instáveis que o dinheiro destinado diretamente ao setor empresarial. Os custos são obviamente maiores, assim como o risco de uma reversão abrupta no fluxo de recursos.

Movimentos desse tipo afetaram vários mercados emergentes desde o ano passado, incluído o Brasil, depois do anúncio de uma redução gradual dos estímulos monetários nos Estados Unidos. A política planejada e executada pelo Federal Reserve (Fed), o mais poderoso dos bancos centrais, inevitavelmente influencia os mercados de todo o mundo. O resultado, nesse caso, foi a valorização do dólar. Para evitar ou atenuar o efeito inflacionário do encarecimento da moeda americana, o Banco Central do Brasil iniciou uma política de intervenção regular no mercado.

Países com fundamentos econômicos frágeis, como inflação elevada e contas públicas em mau estado, são especialmente vulneráveis a mudanças de humor nos mercados financeiros internacionais. Contas externas no vermelho e baixas taxas de crescimento econômico podem tornar o quadro mais complicado. Todos esses problemas são visíveis no Brasil.

Capitais estrangeiros continuam chegando em volume mais que suficiente para cobrir a insuficiência da conta corrente, mas com composição menos favorável. O País tornou-se mais dependente de recursos especulativos. Com a perspectiva de aumento dos juros americanos em 2015, possivelmente dentro dos próximos 12 meses, as condições internacionais de financiamento tendem a ficar mais apertadas. O cenário será especialmente ruim para países com as contas externas em mau estado. Na melhor hipótese, recursos mais caros serão um importante peso a mais sobre uma economia já enfraquecida e pouco dinâmica.

Ministros da área econômica mostram despreocupação. Quando se fala sobre a piora do quadro financeiro global, mencionam os mais de US$ 370 bilhões de reservas. Sem dúvida, esse é um fator de segurança, mas é tolice confiar demais nesse colchão. Reservas são úteis quando se enfrentam choques inesperados ou dificilmente evitáveis. Mas podem esgotar-se com assustadora rapidez quando a desconfiança dos investidores se alastra e alimenta as apostas contra o país.

Além do mais, ninguém deve guiar perigosamente só porque dispõe de um bom airbag. Mas o governo brasileiro tem agido dessa maneira, como se um grande volume de reservas cambais tornasse desnecessários quaisquer cuidados na política econômica. Neste ano, até a terceira semana de agosto, o valor das exportações foi 0,3% menor que o de um ano antes, pela média dos dias úteis. A corrente de comércio, a soma de exportações e importações, foi 1,7% menor à de igual período de 2013. Não há como atribuir esses números à crise externa. Outros países têm melhorado seu desempenho comercial mesmo num cenário global desfavorável.

No caso do Brasil, o comércio de mercadorias é especialmente importante para o resultado das transações correntes, porque há um déficit estrutural nos outros componentes, as contas de serviços e de rendas. Mas o governo parece gostar de viver perigosamente.

  • Tags:

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo