Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Opinião

Opinião » Estímulo ao comércio externo

Opinião

Estímulo ao comércio externo

Com a aprovação, pelo Congresso Nacional, da inclusão do Acordo de Facilitação do Comércio às normas da Organização Mundial do Comércio (OMC), o Brasil juntou-se aos 70 membros da OMC que ratificaram esse instrumento que tem como principal objetivo superar barreiras administrativas ao comércio exterior e expandir as trocas comerciais entre os países.

14 Março 2016 | 03h00

O Acordo de Facilitação do Comércio foi adotado na conferência de ministros da OMC realizada em Bali, na Indonésia, em dezembro de 2013, com a ativa participação da delegação brasileira. Para entrar em vigor é preciso que seja ratificado pelos Parlamentos de 108 nações, ou dois terços das 162 que integram a organização. Entre os países que já o ratificaram estão alguns dos principais parceiros comerciais do Brasil, como os 28 integrantes da União Europeia, os Estados Unidos, a China, o Japão e a Austrália. Na América do Sul, Paraguai e Guiana já o fizeram.

Entre outras medidas, como destacou o Executivo ao solicitar ao Congresso sua aprovação, o Acordo inclui as destinadas a modernizar a administração aduaneira e simplificar e acelerar os procedimentos de comércio exterior, além de estimular a cooperação entre os países-membros da OMC na prevenção e combate a delitos aduaneiros. Sua elaboração nasceu da constatação de que procedimentos complicados e pouco claros utilizados por diversos países para a liberação de importações prejudicam as operações de comércio exterior e podem se transformar em barreiras não tarifárias, nem sempre nítidas.

Uma das medidas que os signatários do acordo devem tomar é a criação de um guichê único para o recebimento de informações aduaneiras, de forma a simplificar os procedimentos e acelerar as trocas comerciais. Como observou o relator no Senado do projeto de decreto legislativo que aprova o Acordo de Facilitação do Comércio, senador José Agripino (DEM-RN), o Brasil já adotou a maioria das medidas previstas, “uma das quais, atualmente em curso, é a concepção do Portal Único de Comércio Exterior”.

O governo prevê que o Portal estará em plena operação até 2017, quando o tempo de processamento de exportação deverá ser reduzido de 13 para 8 dias e o de importações, de 17 para 10 dias. Atualmente, de acordo com estudo da Fundação Getúlio Vargas encomendado pela Confederação Nacional da Indústria, o tempo excessivo gasto no despacho aduaneiro de bens encarece as importações em 14,22% e as exportações em 8,65%. Com o Portal, os gastos adicionais devem cair para 8,36% e 5,32%, respectivamente.

Agripino destacou, entre os pontos que interessam ao Brasil como grande exportador de produtos agrícolas, a inclusão no Acordo de tratamento especial a produtos perecíveis, para sua liberação mais rápida em relação a outras mercadorias. Observou também que a implementação do Acordo afasta as incertezas decorrentes da demora na liberação aduaneira, que “geram imprevisibilidade e agregam custos às transações, os quais são, inevitavelmente, repassados aos consumidores”.

Para o senador José Agripino, a simplificação dos procedimentos no comércio exterior tende a ampliar a base exportadora do País, abrindo espaço para que pequenas e médias empresas, estimuladas pela redução sensível dos custos de transação, busquem mercado no exterior.

Estudos da OMC, da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico e do Banco Mundial projetam que o Acordo de Facilitação do Comércio poderá gerar um crescimento anual de US$ 33 bilhões a US$ 100 bilhões nas exportações globais e de US$ 67 bilhões no Produto Interno Bruto mundial.

Tendo desperdiçado, por motivos ideológicos, oportunidades para concluir acordos que facilitem o acesso aos mercados dos principais parceiros comerciais do Brasil, o governo petista parece empenhado pelo menos em apoiar, no que depende de decisões internas, medidas aprovadas no plano internacional para dar mais fluidez ao comércio mundial. Menos mal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.