1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Festa no MinC

O Estado de S.Paulo

06 Julho 2014 | 02h 04

"Vai ser uma festa", anunciou Marta Suplicy, ministra da Cultura, no lançamento do programa Brasil de Todas as Telas, que, segundo o governo, destinará R$ 1,2 bilhão ao setor audiovisual. Trata-se de uma peça publicitária de campanha eleitoral, evidenciando que o Planalto governa com slogans. Mas o pior não é isso. À surdina, introduziram mudanças significativas no modo de gastar o dinheiro do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), que é quem vai bancar a festa.

Como habitualmente ocorre em peças de marketing eleitoral, os slogans são parcialmente verdadeiros. Do total, a maior parte já havia sido anunciada em dezembro do ano passado pelo Ministério da Cultura e pela Agência Nacional do Cinema (Ancine), quando houve o compromisso público de investir R$ 413 milhões na produção audiovisual em 2014 e R$ 310 milhões na digitalização e ampliação de salas de cinema. Os mesmos valores voltam agora a entrar na soma, numa manobra que evidencia como o governo tenta "engordar" suas realizações.

As promessas são dignas de uma campanha presidencial. Segundo o Planalto, o Brasil de Todas as Telas fomentará a produção de 300 longas-metragens, mais de 400 obras de TV, 2 mil horas de conteúdo para todas as plataformas de exibição, além de 450 projetos para cinema e TV e o estímulo de criação em todas as regiões do País.

O curta-metragem de lançamento do programa deixa nítido o objetivo eleitoral. Atribui, sem provar, todo o mérito do crescimento do setor audiovisual no Brasil ao governo do PT. O horizonte temporal de comparação é sempre 2002 e 2013, mostrando mais uma vez a obsessão do governo de olhar continuamente para o passado. Segundo o narrador da película, em 2002 foram lançados apenas 29 filmes brasileiros; já em 2013 se alcançou o patamar de 129. De 7,3 milhões de espectadores "passamos" para 27,8 milhões em 2013. E assim vai. Como pano de fundo do curta, são exibidas cenas de filmes brasileiros recentes, entre eles, o maior sucesso de bilheteria nacional, Tropa de Elite 2. A mensagem é clara: nada disso teria havido sem o PT. E ainda com direito a um "final feliz", num clichê já conhecido do público brasileiro. O espectador fica sabendo que "o governo federal está lançando hoje um programa sem precedentes na história do nosso país. (...) O futuro já está em cartaz".

Mas a felicidade dura pouco. No lançamento do programa, Dilma Rousseff e Marta Suplicy assinaram o Decreto 8.281, que modifica o anterior decreto de Lula, que regulamentava o uso do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA). Criado em 2006, o fundo tem o objetivo de fomentar o setor audiovisual brasileiro, e as suas receitas são oriundas de tributos aplicados ao próprio setor, especialmente da Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional (Condecine). Na prática, é o próprio setor financiando o seu fomento.

Uma importante regra do FSA é de que os seus recursos sejam utilizados principalmente em investimentos retornáveis ou em empréstimos reembolsáveis, mas o decreto ampliou as aplicações não reembolsáveis. Por exemplo, prevê-se agora a possibilidade de o FSA, sem qualquer contrapartida, dar "apoio financeiro a instituições públicas ou privadas, destinado à realização de projetos audiovisuais". Neste caso concreto, nem é preciso, segundo o decreto, um processo seletivo, bastando uma decisão do conselho gestor do fundo, cuja composição também foi alterada. Entre os novos membros incluídos pelo novo decreto está um "representante da Casa Civil da Presidência da República". O que fará ele aí? Será ele o censor ideológico? Ou o coordenador da campanha?

É de reconhecer que Marta Suplicy tem razão. O programa tem tudo para ser uma festa, para alguns. No entanto, a cultura pede mais do que festa. O setor audiovisual é decisivo para o País, e não deve ser tratado como mera propaganda eleitoral. Ainda mais quando, por debaixo dos panos, introduzem-se regras pouco republicanas. A cultura merece respeito. E transparência.

  • Tags:

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo