Fórum dos leitores

CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

11 Janeiro 2016 | 03h00

Frases imprudentes

Acho bom dona Dilma Rousseff não sugerir que a viremos do avesso, pois muita coisa haverá de surgir numa rápida sacudidela. O dossiê falso fabricado contra dona Ruth Cardoso e a mentira sobre seu currículo, só para começar. E depois... Bem, tem muita coisa errada, por exemplo, as pedaladas fiscais em grande monta, como nunca antes na História deste país; o caso Pasadena; mentiras e mais mentiras para o povo acreditar que estávamos no paraíso com o represamento de preços administrados, que agora nos levaram a uma inflação colossal, perigando escapar do controle; haver feito uma campanha suspeita de ter recebido doações ilegais (ou nunca se preocupou em saber de onde brotava tanto dinheiro?); sua falta de sensibilidade ao ficar hospedada em hotéis luxuosíssimos, com vasta comitiva, por várias vezes, quando poderia ter ficado nas Embaixadas do Brasil. Enfim, há muito mais a citar, além da devastação da nossa economia. Mas vamo-nos poupar de listar outras coisas nada favoráveis, como ter feito o diabo para se eleger. É bom lembrar que corrupção não significa apenas meter a mão pessoalmente no dinheiro público, mas também permitir que outros sujem as mãos sem que isso a perturbe nem um pouco. E a explicação é sempre a mesma: não sabia de nada. Tudo bem, dona Dilma pode falar para os desavisados sobre sua moral ilibada, mas não para os mais informados e formadores de opinião. Portanto, seria bom controlar suas frases de efeito. Ah, e agora há o caso do seu ministro Jaques Wagner, mais uma vez gente da Casa Civil sob suspeição. Ela que fique de olho, “dize-me com quem andas e te direi quem és”. 

ELIANA FRANÇA LEME

efleme@terra.com.br

São Paulo

*

Fundos de pensão

A Operação Lava Jato será uma mera ação de trombadinhas, quando se investigarem os fundos de pensão. Os valores desviados para os “amigos do rei” e para os partidos de apoio ao governo petista são astronômicos. E os parcos R$ 50 bilhões desviados da Petrobrás não passarão de “trocado”. Insisto: investiguem os fundos de pensão.

GERALDO R. BANASKIWITZ

geraldo.banas@gmail.com

São Paulo

*

MP do acordo de leniência

Lula governou o País em momento mágico. Muito dinheiro vindo das commodities. Com Bolsa Família e publicidade, fez sucesso estrondoso. Mas era preciso ter o Congresso nas mãos. O que fazer? Bolsa Congresso, ora! Com o mensalão e o “toma lá dá cá” criou base aliada de dar gosto. E para pagar aos marqueteiros? Bolsa empresário! Mas peraí: para o Bolsa Família usamos legalmente dinheiro público. E para as outras bolsas? Petrobrás e BNDES. Pronto! Com uma propininha aqui e outra lá para os diretores das estatais (afinal, ninguém é de ferro), assunto resolvido. Então Lula escolheu a criatura para substituí-lo. O povo, inebriado com suas TVs de plasma e carrinhos comprados com crédito a perder de vista, elegeu a mãe do PAC. Só que... o preço das commodities despencou. Sem investimentos e sem dinheiro, foi preciso criar a “nova matriz econômica”. Esquece a aritmética. Vamos gastar o que não temos. E dá-lhe pedaladas. Lá na frente a gente vê o que faz. O importante agora é garantir crédito fácil para o povo. Afinal, não somos “de esquerda”? E tem a verba do João Santana, da CUT, do MST... Para reeleger a gerentona, só fazendo o diabo - esquece a Lei de Responsabilidade Fiscal. E pau na Marina Silva e no Aécio Neves. Mas o “lá na frente” chegou e agora, com processo de impeachment, crise econômica, Lava Jato e rombo nas contas do governo, o PT vai enfrentar novas eleições. Tirar dinheiro de onde para financiar Renan, Picciani & Cia., marqueteiro e militância? Empresários, socorro! Uma medida provisória (MP 703) modifica a Lei Anticorrupção e garante acordos de leniência. Vocês vão adorar!

CELY MCNAUGHTON

cely@mcnaughton.com.br

São Paulo

*

Subdesenvolvidos

Leniência corrompida, era esperado. Pondo a culpa na Lava Jato, a PresidenTa incrementa o processo de liberação dos envolvidos. Realmente, o subdesenvolvimento permite tudo.

NELSON CARVALHO

nscarv@gmail.com

São Paulo

*

A chave do galinheiro

Dona Dilma, um CPF (pessoa física) numa empreiteira só faz o que o dono do CNPJ (pessoa jurídica) permitir. Abaixo a MP n.º 703, que desfigura a Lei Anticorrupção e neutraliza a Lava Jato! Vai entregar novamente a chave do galinheiro às raposas?

TANIA TAVARES

taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

Domínio do fato

“Tão ladrão o que vai à horta como o que fica à porta.” Esse velho ditado lusitano nos informa que é ladrão tanto quem rouba quanto quem ajuda a roubar, ou observa o roubo e nada faz. Está aí explicada, sem recorrer a nenhum jurista de araque, a teoria do domínio do fato. A propósito, quando o Supremo Tribunal Federal vai sair do seu estado letárgico de encomenda e aplicá-la, como fez com José Dirceu no mensalão, agora no seu chefe?

SILVANO ANTONIO ROXO

silvanoantonioroxo@gmail.com

Santana de Parnaíba

*

Em nome do filho

Parece que Nestor Cerveró aprendeu com seu filho Bernardo. Ainda que não possa escapar da prisão, é possível salvar o nome da família e entregar provas contra os principais malfeitores nos crimes de que é acusado (no petrolão). Falta apenas contra o “capo di tutti capi” para uma redenção heroica.

HAROLDO NADER

nader.haroldo@gmail.com

Valinhos

*

BADERNEIROS

A volta dos black blocs

Mais uma vez um grupo de esbirros da esquerda, que atende pelo o nome de fantasia Movimento Passe Livre, afetando um pretexto qualquer (agora é o aumento das tarifas de transporte) mostra seu desrespeito pela vida humana - alguém se lembra de Santiago Andrade, morto ao cobrir um protesto em 2014? -, pelo trabalho, pela propriedade e pelo direito de ir e vir dos milhões de paulistanos, bloqueando e vandalizando as ruas e confrontando a polícia, obrigada a gastar nossos impostos para acalmar os ânimos de uns mimados ignorantes. E não venham mais com a conversa mole de “minoria infiltrada de black blocs”, isso já não cola, a ligação simbiótica entre quem organiza essa espécie de protesto caótico e os covardes mascarados já foi mais do que comprovada. Não nos deixemos enganar de novo. As autoridades têm o apoio pleno da população ordeira de São Paulo para pôr os desordeiros no seu devido lugar.

LUIZ AUGUSTO MÓDOLO DE PAULA

luaump@yahoo.com.br

São Paulo

*

A VISITA SECRETA

Agora deu para entendermos o motivo da visita secreta - com direito a regabofe - do "criador" Lula à "criatura" Dilma Rousseff, na calada da noite do dia 5 de janeiro: era determinar o que deveria ser dito, para agradar ao público, na primeira entrevista do ano aos jornalistas, que ocorreu na quinta-feira, 7 de janeiro. De todas as "boas" intenções, o que ficou claro e certo é o assalto (mais um) aos contribuintes, na exumação da CPMF, considerada pela "competente" criatura como salvação da economia brasileira, especialmente em benefício da área da saúde.

Aparecida Dileide Gaziolla 

aparecidagaziolla@gmail.com 

São Caetano do Sul 

*

MERCADO DE PEIXES

 

Com a preocupação de não ver esfarrapar o sonho de retornar ao poder em 2018, Lula da Silva sugeriu a sua birrenta, relapsa e incompetente aluna "vender o peixe" do governo. Decodificando o lulês, isso significa a divulgação de medidas de estímulo à economia. Na visão do ex-presidente, Dilma tem de convencer a população de que precisa de um voto de confiança, pois ela "tem o que entregar". Segundo ele, a (ainda) presidente necessita agir rápido, a fim de reverter o "clima de pessimismo". Nessa reunião, não faltou ao conselheiro o uso de suas calejadas metáforas, ainda que sempre pueris, como por exemplo a de que "o impeachment está morto, mas não enterrado". Em suma, a reunião ocorrida na noite de terça-feira assemelhou-se a um autêntico mercado de peixes. Um tanto passado, senão quase estragados.

Luís Lago 

luislago2002@hotmail.com

São Paulo

*

O QUE ME IRRITA

"O impeachment está morto, mas não enterrado", diz Lula, propondo as mesmas estratégias para recuperar o mandato de Dilma que sempre propôs. O que mais me irrita é o destaque no jornal, com direito a foto do ex-presidente. Lula continua pautando a mídia e a política, enquanto faltam palavras à oposição para aparecer. Impeachment morto? Quem está morto e enterrado é o Brasil, mas a oposição, leia-se Aécio, Alckmin, Caiado (quem mais?), assiste calada ao show de balelas do metalúrgico de Garanhuns. O que mais me irrita são o silêncio, a timidez, a desarticulação, a falta de iniciativa e de combatividade da oposição que temos, mas que na verdade não existe. Às vezes sinto inveja dos otimistas que, como Chico Buarque, parecem acreditar mesmo em Lula e no PT. Cada vez que Lula fala, eles têm o que comemorar e nós, os brasileiros realistas que enxergam um palmo adiante do nariz, só podemos nos irritar sem entender como é possível tamanha passividade da oposição.

Gilberto Dib 

gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

SAÍDA

Dilma Rousseff disse: "Não é questão só de reequilíbrio fiscal, mas também é questão de saúde pública. Aprovar a CPMF pode ajudar a resolver o problema da saúde pública no País". Discordo completamente, pois só há uma única solução para resolver os problemas do País: o PT entregar, enquanto é tempo, o "pudê" para alguém com capacidade, conhecimento, que seja idôneo e, principalmente, não corrupto e que queira trabalhar. Né, não?

Angelo Tonelli 

angelotonelli@yahoo.com.br 

São Paulo

*

CAFÉ DE MENTIRAS

Num encontro com os jornalistas, a presidente Dilma Rousseff lançou um monte de mentiras. Não sabia em 2014 da gravidade da situação econômica; tem ótima relação com seu vice, Michel Temer; a CPMF é uma forma de resolver o problema do País. Para ganhar as eleições de 2014, era vale-tudo, e, depois, que se virem. Até as pedras sabem que sua relação com Temer é de tensão, como ele mesmo declarou na sua carta. Os verdadeiros problemas do País se resumem a sua incompetência administrativa, sua falta de liderança política e desrespeito às leis. Nada disso vai ser resolvido com mais um imposto. É a estratégia de sempre, lavar as mãos de seus erros e nos apresentar a fatura onerosa de mais sacrifícios. Acorde, Brasil! 

Omar El Seoud 

ElSeoud.USP@gmail.com

São Paulo

*

QUEM TRAI QUEM NA POLÍTICA BRASILEIRA?

Muito sintomática a manifestação do sr. Jaques Wagner, do PT, líder petista, ao falar em traição de Michel Temer em relação à sra. presidente, poste do sr. Lula (o rei dos traíras), que em cada enrascada de um amigo pego na vadiagem política afirma que nada sabia ou que se tratava de alguém que não era de "sua confiança" ou mesmo amigo. Quanta hipocrisia! Neste cenário, não faltam judas medíocres, personalidades desprezíveis como Bumlai, Vaccari, Falcão, Zé Dirceu (o príncipe das trevas), Kassab, Cunha, Renan, Ciro Gomes, Collor, Lupi, Paes e outros milhares que se bandeiam de acordo com a oferta que melhor atenda a suas ganâncias e impropriedades. Essa corja sabe que a impunidade sempre irá resolver seus pecados. Fosse o Brasil um país que punisse tais atitudes, haveria renovação da Câmara, do Senado, de governos estaduais e da Presidência a cada eleição.

João Batista Pazinato Neto 

Pazinato51@hotmail.com

Barueri

*

ESPERANÇA?

Nasci na Itália e sou brasileiro por opção (veja Constituição). Cheguei ao Brasil em fevereiro de 1951, com 8 anos de idade, e desde que aprendi a falar e entender o Português só ouço falar em "Brasil, país do futuro", e, diante das frustrações contínuas, "tenha esperança". Passados 64 anos, continuo ouvindo as mesmas palavras, agora pronunciadas pelo ministro Jaques Wagner: "Tenham esperança". Esperança de quê, sr. ministro? A esperança eu já perdi (não sei mais onde) durante estes últimos 64 anos de trabalho duro, aguentando e dando dinheiro a fundo perdido a governos esdrúxulos. Sim, sr. ministro, "a fundo perdido", porque retorno nunca vi. Portanto, sr. ministro, peço-lhe encarecidamente: mude de discurso!

Filippo Pardini 

filippo@pardini.net

São Paulo

*

CASA CIVIL OU DOS HORRORES?

Se Lula teve como ministros da Casa Civil um corrupto José Dirceu e uma Dilma Rousseff, que inclusive na época também era presidente do Conselho da Petrobrás, o que mais ajudou a afundar a estatal, o que dizer, então, dos nomeados para esta importante pasta nestes cinco anos da gestão Dilma? O atual no cargo, Jaques Wagner, em matéria exclusiva do "Estadão", ocupa a manchete do jornal em razão de denúncia do empreiteiro Léo Pinheiro, da OAS, já condenado a 16 anos de prisão na Operação Lava Jato, afirmando que o ex-governador da Bahia, ministro da Casa Civil de Dilma, negociava a favor do empreiteiro no governo federal, para, em troca, a garantia de verbas para a campanha eleitoral de um aliado seu para a prefeitura de Salvador. Dos outros quatro indicados para o ministério, três foram escorraçados por denúncias de corrupção, como Antonio Palocci, Erenice Guerra e Gleisi Hoffmann. E, para completar essa pasta que está mais para "Casa dos Horrores Petista", ocupou-a também o ultraineficiente, sem cor e sem odor Aloizio Mercadante. É de perguntar: por quanto tempo mais Jaques Wagner vai permanecer na Casa Civil e o Brasil ficar nas mãos destes predadores do desenvolvimento econômico e social?

Paulo Panossian 

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

O GOVERNO ESTÁ PERDIDO

O Brasil passou pela Grande Depressão com uma queda acentuada do PIB no biênio 1930/1931. O País caminha, agora, rapidamente para enfrentar a maior crise econômica, em mais de um século, novamente com uma enorme queda do PIB no biênio 2015/2016. Se naquela época queimou-se o café para amenizar os efeitos da crise, agora o governo federal já queimou as contas públicas sem encontrar solução. As escolhas equivocadas da presidente da República no primeiro mandato estão provocando a atual paralisia do Executivo no segundo mandato, simplesmente por não saber como enfrentar as consequências dos problemas criados pelo próprio governo federal. 

Luiz Roberto Da Costa Jr. 

lrcostajr@uol.com.br 

Campinas

*

SEJAMOS OTIMISTAS

O negativismo precisa sair da agenda do brasileiro consciente. Os problemas e dificuldades, sejam quais forem as atividades, podem ser enfrentados na busca de soluções positivas. E, para fortalecer esse argumento, um fato exige muita divulgação, que é o caso da balança comercial, que em 2015 apresentou o melhor resultado desde 2011. São US$ 19,68 bilhões para os nossos cofres. Vendemos mais do que compramos. Um recado para quem está pensando em um ano ainda pior do que o ano anterior. O Brasil tem jeito, depende apenas do brasileiro.

Uriel Villas Boas 

urielvillasboas@yahoo.com.br 

Santos

*

COMEMORAR O QUÊ?

O superávit da balança comercial brasileira de US$ 19,68 bilhões, divulgado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), à primeira vista, pode parecer algo a comemorar. Mas, afinal, comemorar o quê? O balanço positivo é mais um resultado do agravamento da crise econômica do que propriamente um sinal de recuperação, uma vez que tanto as importações quanto as exportações caíram em relação a 2014. Não foram feitas reformas durante o ciclo de valorização das commodities, por que haveria o Brasil de dar enorme salto no comércio externo? Na prática, as exportações diminuíram e as importações diminuíram ainda mais; só isso. Se for para criar alguma expectativa para este ano, que seja a mais factível e pessimista possível. No início do ano recém-findado, o boletim Focus, do Banco Central (BC), projetou uma inflação de 6,56% e um crescimento de 0,5% do PIB, e o resultado não chegou nem perto - para mal. Agora, o mesmo boletim fala numa inflação de 6,67% e numa retração de 2,95%. Que será que nos aguarda? Para piorar, se é que é possível, o governo baseou a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e o superávit deste ano (0,5%) em dados consideravelmente mais otimistas - contando com a arrecadação de uma CPMF que dificilmente será aprovada pelo Congresso Nacional. A restauração da economia só vira se acompanhada de uma solução da crise política. Mas alguém crê que Dilma será capaz de fazê-la? Dias difíceis virão... Preparem seus bolsos!

Elias Menezes 

elias.natal@hotmail.com 

Nepomuceno (MG)

*

OLHAR E ENXERGAR

Olhar o resultado do superávit comercial de 2015 é uma coisa, começando pelo dólar, que se deve mais às fraquezas do governo do que aos seus méritos. Enxergar é outra coisa, começando com os 24,1% na queda da importação de máquinas e equipamentos, responsáveis pelo desenvolvimento sustentável do ciclo produtivo até o consumo, e não aquele consumo enganoso que se autoalimentaria segundo luminares petistas, retratado nas dívidas e inadimplências. Não precisamos de nova matriz econômica, e, sim, verificar, fazer igual pelo menos, o que a China fez em 1979 com Dang Diapong, levando à economia de mercado, posteriormente apoiada por Lula, contrariando o objetivo socialista de seu próprio partido. Depois de ações equilibradas, o País passará a desenvolver a economia e o bem-estar da sociedade, ora desesperançosa.

Mario Cobucci Junior 

maritocobucci@gmail.com

São Paulo

*

FALSA MELHORIA

Não existe mérito de ninguém, absolutamente de ninguém, na melhora das contas externas em 2015, com superávit de US$ 19,68 bilhões, e redução do buraco nas transações correntes. Foi até agora o único efeito positivo da recessão iniciada em 2014, prolongada em 2015 e ainda com potencial para atormentar os brasileiros por muitos meses. É mais ou menos assim: caso você pare de comprar alimentos e vestimentas para sua família, seu saldo bancário fatalmente vai aumentar, mas, em contrapartida, tanto você quanto seus familiares morrerão de fome e desnudos. Ou seja, exportar sem importar faz nossas reservas melhoram.

Arnaldo de Almeida Dotoli 

arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

O NOVO MÍNIMO

Segundo dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o novo valor do salário mínimo vai "injetar" R$ 57 bilhões na economia. É mesmo? De onde virá este dinheiro todo? Via recriação da CPMF, fazendo com que o governo tire dos trabalhadores com uma mão e entregue com a outra? Ou Dilma Rousseff achou esse dinheiro todo no meio dos livros da biblioteca do Palácio da Alvorada? O governo vive do nosso dinheiro, logo, nunca "injeta" nada na economia. Francamente, o desconhecimento das regras básicas de Economia aqui, no Brasil, é assustador.

 

Luiz Augusto Módolo de Paula 

luaump@yahoo.com.br 

São Paulo

*

REAJUSTE PÍFIO

A dízima periódica presente no reajuste diário de R$ 3,0666 do novo salário mínimo é importante subsídio para a sobrevivência do trabalhador brasileiro.

Roberto Twiaschor 

rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

REFORMA NA PREVIDÊNCIA

A ainda presidente Dilma aparece e lança ao ar que fará uma "reforma" da Previdência - em 13 anos, o PT não fez nenhuma das tão necessárias reformas ao País. Fizeram apenas o que sabem fazer, roubar o erário e estatais, com apoio do Legislativo e do Judiciário. Alguém contesta? Prove o contrário. A reforma da previdência é importante como as demais, desde que seja igual para todos e para todas as categorias de trabalhadores, desde que tenham contribuído ao Instituto Nacional da Seguridade Social (INSS), excluindo os cargos eletivos e políticos, que não são "emprego", como aprovaram para si próprios. Mas há inúmeros exemplos reais, entre os quais me incluo: Tendo contribuído por 35 anos, inicialmente pelo IAPI, IAPTEC e, posteriormente, para o INSS sobre 10 salários mínimos e até sobre 20 salários mínimos, por um período de 3 a 5 anos (lei revogada); aposentado em 1995 conforme legislação vigente com 8,8 salários mínimos (por que menos de 10 salários?) e fomos chamados de "vagabundos" por FHC (também aposentado e com mais de uma aposentadoria), mudando a legislação. E, na atualidade, não recebem mais de 3,5 salários mínimos. Por quê? O que foi feito com o "direito adquirido"? Para quem ficou? Como o exemplo, são inúmeros brasileiros vilipendiados pelos no$$os legisladores, que nem "empregados" são, mas recebem "polpudas aposentadorias" com apenas dois mandatos de 4 anos. "Os felizardos aproveitadores da Nação"? A quem a presidente "oculta" quer prejudicar pelas suas tantas irresponsabilidades? Respeite ao menos os direitos adquiridos. Os cidadãos não devem e não podem ser prejudicados e responsabilizados pela incompetência dos representantes eleitos por votos "obrigatórios" fraudados de toda maneira. "Eles" sabem como! As reformas são imprescindíveis para o País. Se feitas com Justiça e igualmente para todos brasileiros. 

 

Luiz Dias 

lfd.silva@uol.com.br 

São Paulo

*

BRINCANDO COM COISA SÉRIA

Somente a Previdência Social congrega todos os trabalhadores responsáveis pela totalidade das riquezas produzidas no País. Ninguém mais produz riquezas para o Brasil, somente gastam o que estes produzem. Além de tudo isso, é uma classe perseguida pelos petistas e muitos outros políticos que não respeitam seus direitos constitucionais adquiridos e muito menos tem a reposição salarial anualmente de acordo com a lei, o que manda a Constituição federal. Por que não fazem o mesmo com os aposentados do setor público, que nada produzem e somente gastam nossas riquezas? É assim que o governo petista luta pela defesa social dos brasileiros? E, por incrível que possa parecer, ainda vem a presidente Dilma Rousseff propor aposentadoria aos 85 anos para as mulheres e aos 95 para os homens! Está brincando com coisa séria! Será que não é suficiente a sangria que o PT vem fazendo no INSS com saques bilionários e uma enorme legião de companheiros petralhas alérgicos ao trabalho encabidados na Previdência Social? Se aprovarem essa sua proposta, presidente Dilma, é melhor acabar com a Previdência Social e o PT passar a mão em todo o dinheiro sem prestar contas, igual fez com os sindicatos, que usam e abusam e não precisam dizer que rumo tomou o dinheiro dos impostos sindicais pagos pelos trabalhadores.

Benone Augusto de Paiva 

benonepaiva@gmail.com 

São Paulo

*

INADIÁVEL

Nada como a magnitude de nossa crise na economia, na gestão pública e na política para despertar na cabeça dos atuais dirigentes do País a extrema necessidade das chamadas reformas estruturantes entre nós. Entre elas está a reforma da Previdência, tabu entre aqueles que vivem com a cabeça no século passado e não se dão conta de que estamos no terceiro milênio, quando soluções para vulnerabilidades socioeconômicas não podem mais ser postergadas, sob pena de maiores sofrimentos futuros para nossos filhos e netos.  

José de A. Nobre de Almeida 

josedalmeida@globo.com 

Rio de Janeiro

*

DESEQUILIBROU

A nossa presidente tem toda razão, depois de um ano inteiro de irresponsabilidades, reduzindo impostos, baixando conta de luz, fazendo uma campanha enganosa mentindo que a economia estava às mil maravilhas, etc., etc., tudo para ganhar a eleição, o desemprego atingiu números enormes, realmente causando uma grande diferença entre os que trabalham e os que estão aposentados.

Silvio Leis 

silvioleis@hotmail.com 

São Paulo

*

OLIMPÍADA DESASTRADA

O Brasil é mesmo o país da incoerência! Faltam pouco mais de 200 dias para o início da Olimpíada 2016 e as obras do metrô estão paralisadas e não serão concluídas até agosto de 2016. A Avenida Rio Branco continua em obras, assim como a região portuária da cidade do Rio de Janeiro. Mais uma vez a população assiste, de camarote, à falta de planejamento e cumprimento de metas para as obras de eventos esportivos no País. O dinheiro é desperdiçado e normalmente o saldo é muito negativo, assim como ocorreu na Copa 2014. Infelizmente, o que vamos ver será uma grande maquiagem na cidade, com policiais espalhados por todo lado, pistas exclusivas destinadas aos jogos, em detrimento do trânsito dos moradores, trabalhadores e estudantes da capital fluminense. Os eventos serão realizados em obras inacabadas, superfaturadas e que serão abandonadas no futuro. 

José Carlos Saraiva da Costa 

jcsdc@uol.com.br 

Belo Horizonte 

*

A LAMA DO RIO DOCE

A lama tóxica da barragem de Mariana (MG) já chegou ao santuário ecológico de Abrolhos, na Bahia, e ainda existem muitas perguntas sem respostas para entender esse desastre criminoso: como é possível que essa obra tenha obtido licença ambiental? O que estão fazendo com os resíduos tóxicos agora que a barragem não existe mais? Joga tudo direto no rio? As atividades de mineração foram paralisadas ou continuam, como se nada tivesse acontecido? Existe algum plano para mudar esse processo no futuro? Alguém está falando em tratar os resíduos, em vez de represá-los indefinidamente? O Brasil já se deu ao trabalho de pesquisar sobre como é equacionado esse problema nas mineradoras dos países desenvolvidos? Certamente, não usam essas barragens criminosas no Primeiro Mundo. Dá trabalho e custa caro descontaminar lama de mineração, nada que um bom "pixuleco" não resolva. 

Mário Barilá Filho 

mariobarila@yahoo.com.br 

São Paulo

*

VENDILHÕES DA PÁTRIA

Se Jesus voltasse, com certeza expulsaria todos os políticos corruptos do "templo" em Brasília.

Sergio S. de Oliveira 

ssoliveira@netsite.com.br 

Monte Santo de Minas (MG)

*

O FUTURO

Que o combate à corrupção fique restrito é o sonho dourado dos petistas. Quanto menos o Ministério Público investigar, mais se garante a impunidade. As eleições estão próximas e os corruptos se organizam para chegar aos cofres públicos e continuarem a enganar e roubar os eleitores. Infelizmente, o baixo nível de educação e cultura do povo ajuda muito os políticos bandidos a chegarem ao poder. Quem sabe um dia o inesperado aconteça e os bons sejam em número superior aos maus. Basta, para isso, que se faça uma campanha limpa e coerente para contar com os bons fluídos que virão do espaço. Apesar da crise e dos péssimos governantes, devemos sonhar com um futuro melhor, pincipalmente para aqueles que precisam da rede pública de saúde. Eleitores, escolham bem seus candidatos, não acreditem em promessas fáceis!

Odiléa Mignon 

cardosomignon@gmail.com 

Rio de Janeiro

*

FERROVIAS DA ILUSÃO

Enquanto os países desenvolvidos voltaram a sua infraestrutura no setor de transportes para a ferrovia, o Brasil dedicou-se a seguir a máxima do então presidente Washington Luiz (século 20), "governar é construir estradas". Quando o governo lançou o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), a euforia era tanta que Dilma Rousseff recebeu o epíteto de "Mãe do PAC". A Ferrovia de Integração Leste-Oeste, a Ferrovia Norte-Sul e a Oeste-Leste (Fiol) estão totalmente fora dos trilhos. O ajuste fiscal e a Operação Lava Jato esvaziaram esses projetos, tendo perdido, de fevereiro a novembro de 2015, 8.243 postos de trabalho. A Ferrovia Norte-Sul, cantada em verso e prosa como a espinha dorsal do sistema brasileiro, teve inaugurado o trecho mais recente de Palmas (TO) a Anápolis (GO) na campanha eleitoral de 2014. Um especialista em infraestrutura, Claudio Frischtak afirma: "O projeto liga o nada a lugar nenhum. Já foi um desperdício enorme de recursos públicos. Se não fizerem nada, logo vão roubar os trilhos".

Jair Coelho 

jairgcoelho@gmail.com 

Vassouras (RJ)

*

VELOCIDADE NAS MARGINAIS

É no mês de janeiro, período em que o número de veículos automotores circulantes cai sobremaneira na cidade de São Paulo, que se percebe quão absurdamente baixas são as velocidades máximas permitidas nas vias marginais. Se a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) acredita mesmo que a redução de mais de 30% no número de acidentes com vítimas se deve à diminuição da velocidade, por que não reduz o limite de 70 km/h para, por exemplo, 30 km/h na pista expressa, diminuindo, assim, ainda mais o índice de acidentes? A resposta é simples: 30 km/h é velocidade inviável para uma pista expressa, assim como 70 km/h também é. A administração municipal do prefeito Fernando Haddad tem se pautado por medidas demagógicas e eleitoreiras, desprovidas da mínima razoabilidade. 

Luciano Harary 

lharary@hotmail.com 

São Paulo

*

METAS NÃO CUMPRIDAS

O prefeito Fernando Haddad quer se reeleger. Comparem as promessas feitas e o que realmente entregou. Como bom petista, seguindo nossa presidente da República, enganou seus eleitores e põe a culpa na "humanidade".

Luíz Frid 

luiz.frid@globomail.com 

São Paulo

*

PROMESSAS DE CAMPANHA

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), descumpriu inúmeras promessas feitas na campanha eleitoral. Entre outras coisas, Haddad prometeu 150 creches, 2 hospitais, 115 km de corredores de ônibus e uma ponte sobre a Marginal Tietê. Nada disso foi cumprido pelo prefeito. Prometeu entregar 55 mil casas populares e não vai entregar nem metade disso. Haddad fomentou a indústria de multas da CET, reduziu a velocidade da maior cidade do País a ínfimos 50 km/h e 40 km/h e fez ciclovias superfaturadas e mal planejadas. Haddad não passa de mais um típico político profissional e pragmático, que promete mundos e fundos na hora da eleição e, depois que é eleito, dá uma banana para a população.

 

Renato Khair 

renatokhair@uol.com.br 

São Paulo

*

SUBPREFEITURAS

Num momento de profunda crise de credibilidade política e da classe dos políticos, soa no mínimo estranha a proposta do atual alcaide paulistano de fazer eleições para todas as subprefeituras da capital, com legenda partidária. O que São Paulo está a exigir são técnicos e conhecedores da aguda e profunda realidade da cidade. Isso porque, ao assumir a Prefeitura, Haddad prometeu tudo, mas não fez quase nada: as ruas estão se transformando em trampolins, as calçadas, quebradas, árvores estão caindo e as enchentes estão chegando. O prefeito, felizmente, está chegando ao fim do seu mandato, para gáudio da população que só ouve falação e pouca ação na melhora da sua cidade, pois só de ciclovia não se alimenta a cidadania.

 

Yvette Kfouri Abrão 

abraoc@uol.com.br 

São Paulo

*

UNIDOS PARA MULTAR

Não temos visto empenho dos governos em bloquear o sinal de internet nas prisões, mas, em São Paulo, não é que o governador Geraldo Alckmin se juntou ao prefeito Fernando Haddad para compartilhar suas câmaras e, assim, multar os motoristas? É compreensível não é, governador? Afinal, ver a Prefeitura arrecadar na sua indústria de multas e encher o caixa não deixa de ser um negócio da China. Juntar todas as polícias e prender bandidos e dar segurança ao povo, nem pensar, não é? Só não sei se essas tungadas no bolso do contribuinte não vão aparecer nas urnas. Ou reagimos contra essa invasão em nossos bolsos ou aceitamos passivamente e vamos comprar na cadernetinha. A escolha, mais uma vez, é do eleitor, que ainda não acordou e não está vendo seus direitos irem para a lata do lixo.

Izabel Avallone 

izabelavallone@gmail.com 

São Paulo

*

O FIM DO BÔNUS DA SABESP

É um absurdo a "agência reguladora" da Sabesp ter aprovado a mudança no cálculo do bônus para redução na conta de água. É mais um aumento velado que não pode passar batido e deve ser mais divulgado, e não sair na página A14, como foi feito em 6 de janeiro. É muita cara de pau da Sabesp afirmar que a medida é "dar um estímulo extra para quem economizar mais água" - e não uma forma imoral de recompor o caixa da empresa. É bem como disse Maria Inês Dolci, da Proteste, no finzinho da matéria: "A Sabesp não pode querer repassar, com o aval da Arsesp, suas perdas por má administração dificultando o acesso da população ao bônus, que já fez sua parte reduzindo o consumo". Cai o consumo, aumenta a cobrança. Ora, tenham vergonha na cara, senhores! Administrar assim é fácil...

 

Adib Moyses Salomão Filho 

adibmsfilho@ig.com.br 

São Paulo

*

VOLUME MORTO

São Pedro conseguiu tirar o Sistema Cantareira do volume morto, e quem conseguirá tirar o PT da mesma situação e a presidente Dilma do fundo do poço?

Reinaldo Cammarosano 

tatocammarosano@hotmail.com 

Santos 

*

AVENIDA PAULISTA E COMPLEXO DE VIRA-LATAS

Enquanto os "coxinhas" ficam desesperados com o sucesso do fechamento da Avenida Paulista para carros aos domingos, pessoas de todas as idades e classes sociais se divertem e se confraternizam com vários tipos de atividade. Não é por acaso que jornais como o "The New York Times", o "Wall Street Journal", o diretor da ONU Elkin Velasquez, a ex-assessora de Transporte de Nova York Janette Sadik-Khan, a prefeita de Paris, Anette Hidalgo, e, mais recentemente, o renomado site de arquitetura ArchDaily elogiaram a audácia do prefeito Haddad ao enfrentar o conservadorismo de parte dos paulistanos que reage negativamente a ações recomendadas por especialistas do mundo civilizado. O complexo de vira-latas ainda assombra alguns patrícios de mal com a vida.

Francisco Nascimento Xavier 

franciscoxavier1000@gmail.com 

São Paulo

*

TRANSPORTE PÚBLICO EM OSASCO

Soube que um decreto aumentará a passagem em Osasco, que tem área de 65 km2, para R$ 3,80, o mesmo que São Paulo, que tem uma área de 1.523 km2, ou seja, Osasco tem 4,27% da área de São Paulo. Já pensaram nisso? Somos 23,43 vezes menores que o município de São Paulo e, aqui, paga-se o mesmo valor da passagem de ônibus que lá, com um imenso agravante: em São Paulo há bilhete único, permitindo que uma pessoa da zona leste vá até os confins da zona sul apenas com uma passagem. Em Osasco, quem mora, por exemplo, em Quitaúna e precisa se descolar até a Policlínica do Piratininga tem de desembolsar hoje, ida e volta, num percurso curto, R$ 14,00. Absurdo! Qual a conta que as empresas Viação Osasco e Viação Urubupungá, que não respeitam os usuários, fazem e convencem o senhor prefeito desta trabalhadora cidade para que este aceite tal crime contra os seus habitantes? Ou será que todos, todos, os prefeitos que passaram pelo governo devem favores às duas empresas, que absurdamente detêm o monopólio do transporte público? Será isso? Por que em Osasco não há ao menos terminais de baldeação, para que os habitantes possam pagar apenas uma passagem quando forem se deslocar pelo município, favorecendo substancialmente a classe mais pobre? Osasco está entre as 11 cidades que mais arrecadam no Brasil, mas não consta entre as 50 melhores cidades do País segundo o ranking da ONU no ano de 2015, então para onde está indo o dinheiro que é arrecadado? Espero que um dia o Ministério Público preste atenção aos desmandos que aqui ocorrem, colocando os pingos nos is. Há, também, aqui - e isso é uma sugestão para os repórteres do "Estadão" - material explosivo para uma grande reportagem.

 

Alberto Souza Daneu 

curtasuasaude@uol.com.br 

Osasco

*

'ITAMARATY MUDA DE POSIÇÃO'

Com relação à nota publicada na seção "Notas & Informações" da edição de 7/1, não acredito que o governo tenha convictamente mudado de posição quanto à situação na Venezuela. Parece-me que a necessidade de criar um discurso coerente em relação ao pedido de impeachment levou à nota na qual o Itamaraty, leia-se a presidente Dilma, declara confiar que "será plenamente respeitada a vontade do povo venezuelano, expressa de forma livre nas urnas", como publicado à página A8 do "Estadão" do dia 6/1. Este é o discurso sobre o pedido de impeachment: substitua "povo venezuelano" por "povo brasileiro" e pronto. Só que ela não pode pregar um comportamento quando se trata de alegada violação da democracia no Brasil e ignorar uma situação real de violação na Venezuela. Ela precisa construir um discurso coerente de respeito à vontade do povo venezuelano/brasileiro, expressa de forma livre nas urnas. Pura hipocrisia do governo que nunca havia se posicionado contra os abusos cometidos na Venezuela. Por isso, o governo do PT erra até quando acerta. Faz a coisa certa por motivos errados.

Renato Flavio Fantoni 

rffantoni@identidadesegura.com.br 

São Paulo

*

A NOTA DO ITAMARATY

Convenhamos, alguém acredita que o governo brasileiro estaria interessado em defender a "democracia" venezuelana assim, de repente? A nota emitida pelo Itamaraty nada mais é que mais uma das muitas "jogadas" do PT. O que na verdade dona Dilma e sua patota queriam fazer era mandar um recado (desesperado) para cá mesmo. A nota do Itamaraty é autoexplicativa e, em seu derradeiro parágrafo, diz: "Não há lugar na AMÉRICA DO SUL (Brasil incluso, claro!) do século XXI para soluções políticas fora da institucionalidade e do mais absoluto respeito à democracia e ao Estado de Direito". Pergunto: e onde é que este governo (?) respeita alguma coisa?

Durval Arrebola 

durval.arrebola@gmail.com 

Guarulhos

*

NOVO LÍDER

Se não fizerem críticas a este golpe judicial em andamento na Venezuela, teremos um novo líder da democracia na região, o presidente da Argentina, contra esta revolução bolivariana.

Moises Goldstein 

mgoldstein@bol.com.br 

São Paulo

*

O CHORO DE BARACK OBAMA

O presidente Barack Obama se emocionou e chorou na solenidade de anúncio do controle de armas nos Estados Unidos. Essa questão faz parte da cultura norte-americana. Andar armado vem dos tempos do velho-oeste. É difícil de mudar isso. Ademais, acho que o presidente está dando um tiro no pé. Pesquisa feita naquele país mostrou que nos Estados onde a compra e o porte de arma são liberados a violência é menor. A quantidade de homicídios, também. Como ele vai rebater essa pesquisa? Já que o presidente se emocionou com a morte das 20 crianças numa escola em 2012, gostaria de saber se ele se emociona toda vez que vê a foto daquela menina vietnamita correndo nua no meio de bombas incendiárias Napalm lançadas pelos Estados Unidos, ou quando vê as fotos arrasadas das cidades de Hiroshima e Nagasaki pelas bombas atômicas lançadas também pelos Estados Unidos. Lágrimas de crocodilo, presidente?

Panayotis Poulis 

ppoulis46@gmail.com 

Rio de Janeiro

*

LÁGRIMAS

Lágrimas de políticos, quando derramadas em público, devem ser olhadas com desconfiança, pois nunca se sabe quais são seus verdadeiros propósitos ou sentimentos ao exibi-las. O presidente Barack Obama, lembrando-se das crianças assassinadas em chacinas executadas em vários pontos de seu país por maníacos isolados, chorou, quando tentou sensibilizar a opinião pública e o Congresso americano sobre a necessidade de um maior controle da venda de armas que, na sua visão, reduziria esse tipo de crime. Não se pode garantir a sinceridade de seu pranto, principalmente ao considerar-se a proximidade da campanha eleitoral que porá em confronto as duas maiores forças políticas dos Estados Unidos, representadas pelos partidos Democrata, ao qual pertence, e o Republicano. Se, no entanto, alguém lhe sussurrasse, naquele mesmo momento, que o Brasil, mesmo possuindo um controle de vendas e aquisição que praticamente impede ao cidadão normal de possuir uma arma para defesa própria, é dono de uma taxa de homicídios muito superior à verificada em inúmeros países mundo afora, alguns até em guerra civil, acrescentando também que a população virtualmente perdeu o direito de ir e vir, sitiada em suas casas fortemente cercadas e, ainda, que podem ser encontrados, com facilidade, crianças e adolescentes, subnutridos, vestindo bermudas, descamisados, munidos de poderosos fuzis, transitando livremente nas favelas onde residem, trabalhando para traficantes e milicianos urbanos que controlam porções importantes das grandes cidades, certamente, Obama também choraria, só que dessa vez não haveria dúvidas sobre a sinceridade de suas lágrimas, tal o descalabro inacreditável.

Paulo Roberto 

Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

*

VITÓRIA E DERROTAS

Após a sua chegada ao cargo de presidente da maior potência mundial, os Estados Unidos, o primeiro negro num dos países mais preconceituosos de todos, Barack Obama, foi uma das maiores decepções de todos os tempos e sairá certamente pela porta dos fundos da Casa Branca, e não será lembrado como um estadista, que, diga-se, nunca foi.

Marcos Barbosa 

micabarbosa@gmail.com 

Casa Branca

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.