Fórum dos leitores

CARGA PESADA

O Estado de S.Paulo

12 Janeiro 2016 | 03h03

Afronta à sociedade

Nossa governanta deveria saber que o primeiro-ministro britânico, David Cameron – de país rico, diga-se de passagem –, toda vez que precisa viajar para atender a assuntos de seu interesse particular usa aviões de carreira; a primeira-ministra alemã, Angela Merkel, idem. Mas aqui, em nossa republiqueta, cada vez que a “presidenta” vai a Porto Alegre visitar seus familiares usa o Boeing presidencial e são mobilizados cerca de 80 militares do Exército para a sua segurança. Além disso, existe uma casa alugada no mesmo bairro onde ela morava com uma equipe permanente. São oito automóveis blindados à disposição dela. Vocês sabiam disso? Continuam dispostos a pagar a conta, para o deleite dessa mulher?

HUMBERTO DE LUNA F. FILHO

hlffilho@gmail.com

São Paulo

Povo enganado

O povo que elegeu Dilma está sem governo, sem dinheiro, sem emprego, sem saúde, sem educação, sem transporte, sem segurança, sem esperança e com medo, com dívidas, com fome, com dengue, com zika, com raiva. Muita raiva. Não existe mágica pra sair dessa. A única mágica que eles (PT) sabem fazer é desaparecer com o nosso dinheiro.

CARLOS EDUARDO STAMATO

dadostamato@hotmail.com

Bebedouro

CPMF para caixa 2?

Já que a Lava Jato fechou as torneiras da Petrobrás, o PT acha que a CPMF pode vir a irrigar o caixa 2. O povo vai pagar mais um imposto, cumulativo, e a saúde vai continuar mal, obrigado.

MARCELO L. Z. BERNABE

zbernabe@hotmail.com

São Paulo

Com os nossos impostos

Os senadores gastaram R$ 22,8 milhões de verba de gabinete em 2015. O que menos gastou foi o senador Cristovam Buarque, apenas R$ 11.400. E a campeã foi a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM): R$ 505 mil! Do partido comunista, sim. Ser comunista assim qualquer um quer ser. Até eu.

PANAYOTIS POULIS

ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

Inconsistência

“Façam o que prego, mas esqueçam o que faço” – aparentemente, essa é a lógica por trás do comportamento dos mais influentes partidários da esquerda tupiniquim. Fanatizam-se no contexto de uma doutrina comunista, mas vivem de maneira opulenta, beneficiados pelos confortos do capitalismo. São artistas que passam períodos sabáticos em Paris, domiciliados em apartamentos próprios, ou se dão ao luxo de gozar férias exóticas – exceto em Cuba ou na Coreia do Norte; são políticos de partidos “progressistas” que gastam nababescamente as verbas individuais que os contribuintes brasileiros, exauridos, são obrigados a drenar de seus parcos rendimentos; ou professores que declaram odiar a classe média, mas percebem vencimentos classe A; dirigentes sindicais que, à guisa de defender os direitos dos trabalhadores, fazem da sua função privilegiada um trampolim para galgar degraus na política e no poder; e por último, mas não menos relevante, intelectuais que intitulam os generais do período militar de ditadores, mas reverenciam Fidel Castro, por mais de 50 anos no poder, designando-o por “presidente”. Haverá quadro mais inconsistente?

PAULO ROBERTO GOTAÇ

prgotac@Hotmail.com

Rio de Janeiro

Patrimônio inchado

Um dos claros, para não dizer escancarados, motivos de suspeita de uma pessoa estar enriquecendo ilicitamente é o aumento injustificável de seu patrimônio, prática corriqueira de políticos. Logo, é preciso que o Ministério Público peça explicações mínimas daqueles que estão se locupletando com dinheiro público.

MARCOS BARBOSA

micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

Conjecturando

Poucos meses antes do término do segundo mandato governamental de Jaques Wagner, a imprensa noticiou que ele adquirira apartamento em Salvador (BA) por R$ 7 milhões, salvo engano, à vista. Foi ser vizinho de um correligionário cujo prenome seria Walter. Se fosse pago ao longo dos dois mandatos, que renderam 96 pagamentos de proventos e 8 de 13.º salário, totalizando 104, que estimo em cerca de R$ 30 mil, brutos, cada, esse total teria sido suficiente para pagar apenas R$ 3.120.000, ou 44,57% do preço do apartamento. Mas com descontos como Imposto de Renda e outros, estimo que o valor líquido para fazer face ao custo do apartamento não passaria de R$ 15 mil, o que seria suficiente para pagar só 22,28% da compra, ou R$ 1.559.600. Outra fonte deveria prover os faltantes R$ 5.440.400. Por outro lado, a quitação do imóvel à vista equivale ao pagamento, ou poupança, mensal, de R$ 67.407. Precisaria ter árvore de dinheiro.

MARIO HELVIO MIOTTO

mariohmiotto@gmail.com

Piracicaba

Pavilhão dos trambiqueiros

O brasileiro não tolera mais quem se envolve em negociatas, seja político ou empresário, e anda por aí esbanjando boa vida. No último fim de semana, em Angra dos Reis (RJ), um réu da Lava Jato foi insultado e expulso de um restaurante pelos presentes, indignados com a pompa desse indivíduo, portador de uma tornozeleira. Precisamos mostrar nossa profunda repulsa a essas pessoas que se acham acima das leis e ainda por cima ostentam riqueza, fazendo-nos de idiotas. Sugiro à Justiça a construção de um pavilhão dos trambiqueiros, igual ao dos presos comuns, para que essa corja fique trancafiada sem regalias e aprenda de uma vez por todas que nós, brasileiros, somos um povo honesto, pagador de impostos. E sem preconceitos. Mas não aguentamos mais tanta mentira – dos nossos governantes, seja de que partido forem, ou de empresários inescrupulosos. Esse mal tem de ser extirpado pela sociedade de bem.

LUIZ HENRIQUE CHAVES DAVILA

luiz_davila@hotmail.com

São Paulo

FALSOS MANIFESTANTES

Coisa de bandido

Quem anda mascarado é bandido. Quem depreda bens alheios, públicos ou privados, seja qual for o motivo, é bandido. Quem usa radiocomunicador durante as ações criminosas está a serviço de quem? Quem é o comandante que lhe dá instruções? Quem é o “tesoureiro” que, após a missão cumprida, paga o pão com mortadela? E qual é o papel da polícia? Prender bandidos! Portanto, governador Alckmin, cumpra o papel para o qual o elegemos e governe, mande sua polícia prender os bandidos e fazê-los pagar pelo prejuízo que causaram! Não se preocupe com as críticas contrárias, nem com a mídia vermelha ou com estrelas. Elas fazem o seu papel desestabilizador. E o senhor desça do muro e faça o que lhe compete!

CARMELA TASSI CHAVES

tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

TRANSPORTE PÚBLICO E PROTESTOS

Os manifestantes do Movimento Passe Livre (MPL), grupo de esquerda anarquista, saíram às ruas portando faixas defendendo a tarifa zero para ônibus e metrô e a estatização das empresas de transporte coletivo. Não acredito que, depois do assalto e da dilapidação da Petrobrás levado a efeito pelo governo do PT, além de outras empresas, este grupo venha com este discurso de estatização. E ainda acompanhados pelos black blocs depredadores de patrimônio público e privado. A Polícia Militar tratou com firmeza, mas com consideração excessiva, estes baderneiros. Até porque, se assim não fosse, seria chamada de polícia fascista por alguns jornalistas. Recado aos energúmenos: a tarifa vai aumentar porque a gasolina aumentou, a energia elétrica também e a inflação atingiu dois dígitos. Vão reclamar lá no Palácio do Planalto, com a presidente Dilma Rousseff!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

A POPULAÇÃO REFÉM

 

A quem esta facção chamada Black Blocs representa? Trabalhadores e estudantes não podem ser. Estes têm as passagens subsidiadas por meio do vale-transporte e do passe escolar. O trabalhador, cansado, depois de uma semana de trabalho, do calor infernal, não vê a hora de chegar em casa, mas fica preso sem poder pegar seu transporte ou mesmo dirigir até sua casa, porque os engajadinhos com suas roupinhas pretas e máscaras da moda estão brincando de revoltadinhos, quebrando tudo e impedindo milhares de pessoas de voltarem para seus lares. A diversão preferida dessa gente é enfrentar a polícia. E o pior é a ampla cobertura da imprensa, muitas vezes simpática a estes movimentos criminosos. Tenho certeza de que, sem as câmeras e os fotógrafos, o estrago seria mínimo. Eles querem holofotes. Até quando a população será refém desses movimentos que fingem que a representam?

 

Elisabete Darim Parisotto beteparisotto@gmail.com

São Paulo

*

PARADOXO

O “Passe Livre” de alguns impede a passagem da maioria...

 

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

FOI BEM FEITO!

Um marmanjo bem nutrido e careca depredou uma viatura da PM, na “manifestação black bloc” do MPL em São Paulo. Foi rendido por um policial e, em seguida, chutado nas costas por um civil. O civil seria um policial à paisana? Que importa? O arruaceiro certamente não paga impostos, mas nós, donos daquela viatura que ele destruiu, pagamos! Seja lá quem for que lhe aplicou um bonito e merecido pontapé, o fez por nós todos. Agradecemos. Acordem! Chega de passar a mão nas carecas de vândalos, bandidos e baderneiros!

M.Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

PERGUNTAS IMPORTANTES

Por que a Polícia Militar não retira e prende esses mascarados, black blocs, antes de iniciar a manifestação, evitando o tumulto e o crime de  vandalismo? 2) Ao invés de o Movimento Passe Livre (MPL) protestar contra o aumento da tarifa de ônibus, trens e metrôs, já que o índice de aumento em São Paulo foi abaixo da inflação, por que não se manifestaram contra o aumento da energia elétrica e dos combustíveis, que foram itens responsáveis pela elevação oficial em 10,67%, prejudicando a classe trabalhadora? 3) Será que o MPL vai às ruas dia 13 de março pelo impeachment da presidente Dilma?

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

*

MANIFESTAÇÕES

Quer dizer que o grande problema do Brasil é apenas o aumento das passagens de ônibus? Quanta hipocrisia!

 

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

 

*

AUMENTOS E PROTESTOS

Seria interessante questionar os “manifestantes” (descontados os baderneiros) que protestam contra o aumento das tarifas de metrô e de ônibus por que ainda não protestaram contra os aumentos abusivos dos combustíveis e da energia elétrica. Mas a resposta é simples: tais itens são controlados pela presidente Dilma Rousseff, e toda essa gente apoia a presidente. Então fazem vista grossa para a gasolina a preço de ouro e para a energia caríssima, para concentrarem seu ódio no metrô, controlado pelo governo do Estado, que é do PSDB em São Paulo. Assim, tudo fica mais claro. Ninguém liga para os direitos do povo. Querem, sim, causar o caos contra um partido que lhes é o calcanhar de Aquiles.

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

*

TARIFA PROPORCIONAL

Linha de ônibus Faculdade São Judas a Metrô Bresser, tempo do trajeto: cinco minutos. Linha de ônibus Penha a Lapa, tempo do trajeto: aproximadamente uma hora. O preço da passagem é de R$ 3,80, para ambos os percursos. Acho isso uma barbaridade, o preço da passagem deveria ser calculado pelo montante de horas que o trajeto demora.

Agostinho Locci legustan@gmail.com

São Paulo

*

JOAQUIM LEVY

Será que a “mulher sapiens” Dilma Rousseff terá autocrítica para avaliar que Joaquim Levy, profissional que não teve “competência” para continuar em seu governo, foi convidado para ser diretor financeiro do Banco Mundial? Ou em seu egocentrismo é capaz de dizer que em menos de um ano sob sua chefia foi promovido para tal cargo? Acorde, dona Dilma. Acorde, PT.

Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo

*

LEVY NO BANCO MUNDIAL

Sinceramente, nunca entendi por que Joaquim Levy aceitou ser ministro da Fazenda no governo da Dilma, uma incompetente. Durante o tempo em que ficou no cargo, sendo humilhado, fiz diversas críticas a ele, pois, na minha opinião, enquanto ele ficava no cargo, estava dando apoio e contribuindo pela permanência da anta no cargo e ferrando os brasileiros. Logo após a sua saída do Ministério da Fazenda, ele foi contratado para assumir um cargo no Banco Mundial. Aí eu pergunto: será que ele aceitou ser ministro da Fazenda porque acreditava que poderia dar um novo rumo à nossa economia ou apenas usou o cargo para melhorar o seu currículo e conseguir um emprego melhor? Pois é, Joaquim Levy, você se deu bem, mas nós, brasileiros e pagadores de impostos, nos ferramos por você ter aceitado o cargo de ministro da Fazenda. Se você não tivesse aceitado, hoje talvez a anta não seria mais a presidente do nosso país. Espero que esteja feliz com seu novo cargo e dormindo bem, com a consciência tranquila.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

A MEDIDA DA COMPETÊNCIA

 

Outra prova da incompetência e do rumo errado do PT é que o ministro da Fazenda que não serviu para eles (Levy) serviu para o Banco Mundial. O raciocínio inteligente do Banco Mundial foi o seguinte: como o PT faz tudo errado, se eles desistiram de Levy, isso prova que ele é bom. Se ele é bom, vamos trazer ele para o nosso time! Dos dois (PT ou Banco Mundial), quem é mais competente?

Sérgio Aranha da Silva Filho aranhafilho@aasp.org.br

Garça

*

BAGAÇO

A ida do ex-ministro da Fazenda Joaquim Levy para ocupar o cargo de diretor financeiro no Banco Mundial, em Washington, é um motivo de orgulho para os brasileiros. Lástima que nós ficamos só com o bagaço na área econômica.

José Millei millei.jose@gmail.com

São Paulo

*

O HOMEM CERTO PARA O LUGAR CERTO

O ministro Levy, que não servia para o governo Dilma, assumirá cargo no Banco Mundial. Guido Mantega, por sua vez, foi sondado para assumir o Banco Ambrosiano.

Marcos Catap marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

*

OS ÚNICOS RESPONSÁVEIS

“Notas & Informações” do “Estadão” de sábado diz: “O grande espetáculo da irresponsabilidade foi a devastação das contas públicas”. Eu afirmaria que o grande espetáculo da irresponsabilidade foi a população ter dado o “pudê” ao petelulismo, corrupto, sujo e desonesto, roubando-nos, desviando e superfaturando há 13 anos, e ainda lhes restam mais 3 anos para nos dizimaram mais.

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

AS PEDALADAS DE DILMA

A foto da presidente no “Estadão” de domingo (página A4), pedalando, seria um meio alternativo para a população contra aumento previsto da gasolina?

Giovani Lima Montenegro giovani.limamontenegro@gmail.com

São Paulo

*

BANCO CENTRAL VERSUS PT

A informação na reportagem publicada no caderno de “Economia” do “Estadão” de domingo, de que a inflação chegou a 10,67% em 2015, maior taxa em 13 anos, com o adendo de que o Banco Central (BC) culpa o governo do PT por tal feito, nos alerta para os tempos bicudos que teremos pela frente, que ainda são desconhecidos pelas gerações mais novas, mas que tira o sono das gerações mais velhas, como a minha, que já passou por isso, por anos a fio, até o advento do Plano Real. A afirmação veio contida em carta do BC ao ministro da Fazenda, exigência regulamentar diante do estouro dos limites estipulados, conforme explica a reportagem. O presidente do BC, Alexandre Tombini, responsabilizou a política fiscal do governo, que prometeu um superávit primário de 1,1% do PIB e deve ter encerrado 2015 com um déficit de quase 2% do PIB. A carta diz que a tendência de queda da inflação é “claramente interrompida no final de agosto de 2015, coincidindo com eventos negativos relacionados à definição da política fiscal”. Ora, é inegável que chegamos à situação atual pelos desmandos que a presidente praticou contra a nossa economia, represando os preços administrados em 2014, obviamente devido as eleições, para aprovar de imediato os tarifaços que tivemos que engolir tão logo ela foi reeleita. Recentemente a presidente afirmou aos jornalistas, referindo-se à Operação Lava Jato, “tenho clareza de que devo ter sido virada do avesso e tenho clareza também de que podem continuar me virando do avesso. Sobre minha conduta não paira nenhum embaçamento”. Entretanto, mascarar a situação da economia para ajudar na sua reeleição seguramente não foi um ato transparente. Entendi o que a presidente pretendeu dizer sobre a sua honestidade, mas quanto à sua capacidade em governar um país creio que seria desnecessário uma virada do avesso. No final do seu primeiro mandato, o PIB recuou a valores anterior à sua posse, o desemprego aumentou surpreendentemente e o País não progrediu nada, ao contrário, regrediu e economistas consultados pela reportagem, no geral, concordaram com o relatório de Tombini. E agora, com a inflação acima de dois dígitos, serão as camadas com menor poder aquisitivo, que sofrerão as maiores consequências de tantas lambanças.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

O DRAGÃO DA INFLAÇÃO

Assim falou a presidente Dilma em seu primeiro café da manhã com os jornalistas: “Não tem (sic) coelho na cartola”. De fato, ele já foi devorado pelo dragão da inflação, aquele que ultrapassa todas as metas.

Eduardo A. Delgado Filho e.delgadofilho@gmail.com 

Campinas

*

TEM COELHO NA CARTOLA, SIM

A economia foi destroçada pelo PT, pois adepto da ideia conveniente do “assistencialismo” governamental, que cria analfabetas funcionais acomodadas para não terem expectativas profissionais. E, para manter tudo isso, arrebenta os contribuintes explorando aqueles que empreendem, lutam, estudam e trabalham, cobrando impostos confiscatórios.

Luiz H. Freire Cesar Pestana luizhenriquefcpestana@gmail.com 

São Paulo

*

COELHOS NA CARTOLA

O ministro Jaques Wagner está correto em afirmar que o governo não tem coelhos para tirar da cartola. Ratos e coelhos não habitam as mesmas tocas.

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com 

São Paulo

*

PRESIDENTES, MINISTROS E MÁGICOS

Presidentes e ministros competentes não precisam de cartolas, tampouco de coelhos; a não ser que pensem que estão no comando de um circo. Neste caso, e ainda assim, necessitariam ser competentes para tirarem coelhos de cartolas.

Paulo César Pieroni pcpieroni@hotmail.com 

Campinas

*

O MATO E O COELHO

É conhecida a praxe de convocar reuniões para debater assuntos controversos quando não há consenso entre os pares e quando não se quer chegar a lugar nenhum. O governo mantém vários comitês, seja na saúde, seja na área empresarial, juntando notáveis para este fim. O dr. Adib Jatene já se lamentava do pouco que o comitê de que fazia parte se reunia e o baixo resultado apresentado. Isso porque a postura deste governo é de saber tudo e influir em tudo. Comitês fazem parte da ilusão participativa. Estão sendo ressuscitados pela dureza do afundamento do governo. Se os índices de aprovação melhorarem, serão novamente esquecidos. Deste mato, definitivamente, não sai coelho.

Sergio Holl Lara  jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

*

JAQUES WAGNER E A CARTOLA DE DILMA

O ministro Jaques Wagner tem toda razão quando diz que Dilma Rousseff não fará milagres nem tem coelhos para tirar da cartola. Ele sabe perfeitamente que da cartola de Dilma só tirará ratos.

Claudio Mazetto cmazetto@ig.com.br 

Salto

*

MEL(DA)

É certo que, ao chegar mais ao cerne e o centro do poder, mais amiúde, o mel ao qual o ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, se referiu numa entrevista irá certamente ser jogada no ventilador.

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com 

Casa Branca

*

RESSACA

Quem impôs JW (conhecido na Bahia como Johnnie Walker) como ministro da Casa Civil? Foi Lula, conhecido das empreiteiras como “Brahma”. Tinha de acabar em ressaca.

Carlos Alberto Roxo roxo_7@terra.com.br 

São Paulo

*

PETISTAS ACUSADOS

Nas seções de leitores e nos jornais aparecem comentários sobre mais dois ministros deste desgoverno petista acusados de malfeitos e “pixulecos”, afirmando que isso torna inviável a permanência deles no governo. Mas quem, neste governo acusado disso e daquilo, tem sua permanência viável?

Mário A. Dente  dente28@outlook.com 

São Paulo

*

FOSSE O GOVERNO SÉRIO...

A primeira medida que um governo sério tem de tomar é afastar provisoriamente qualquer ministro que esteja supostamente envolvido em atos ilícitos, como ocorre com o “compositor”. Mas isso é atitude de um governo sério.

Mario Ghellere Filho marinhoghellere@gmail.com 

Mococa

*

DEBATE AMPLO

As críticas à política econômica brasileira dos últimos 13 anos, dirigidas ao governo federal, mostram uma situação que exige muita reflexão. Afinal, quem dita as regras numa área que é extremamente sensível? E até onde o empresariado tem agido de forma coerente, levando em conta, entre outros pontos, a situação da economia mundial, que por certo causa reflexos negativos no Brasil? O assunto exige no mínimo um debate amplo,  aberto e transparente em busca de soluções que não levem em conta apenas os interesses de corporações, mas dos mais diferentes segmentos sociais.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

O ELO ENTRE MENSALÃO E PETROLÃO

A oferta de Marcos Valério Fernandes de Souza, para fazer delação premiada na Operação Lava Jato, é o fato novo dos últimos dias e pode ter grandes repercussões. Por ter se recusado a contar o que sabia, Valério foi condenado a 37 anos de prisão no mensalão, enquanto os políticos a quem serviu tiveram penas menores, já saíram da cadeia e até estão obtendo perdão judicial com base no indulto de fim de ano. Ele poderá fornecer preciosas informações que ligam personagens e fatos de um e outro esquema de corrupção. A Lava Jato é um verdadeiro patrimônio da sociedade brasileira. Não podemos continuar convivendo com uma democracia onde os partidos e suas expressivas figuras são sustentados pela pilhagem do dinheiro público e pela fraude em certames. É preciso rechaçar todas as tentativas de enfraquecimento da Polícia Federal, do Ministério Público e da Receita Federal para que continuem levantando os ilícitos. Há que se eliminar a promiscuidade, o aparelhamento e a criminosa fraude. As concorrências devem existir para buscar a execução das obras pelo menor preço; jamais para ensejar a montagem de esquemas criminosos que sustentem agremiações, políticos e seus serviçais...

Dirceu Cardoso Gonçalves  aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

A VOLTA DE MARCOS VALÉRIO

Que boa notícia esta de que o condenado e ainda preso Marcos Valério, pelo mensalão, deseja ser delator também na Operação Lava Jato. Ora, se este ex-publicitário que praticamente era operador da corrupção petista que resultou na Ação Penal 470, recebeu a maior das penas como de 37 anos de cadeia, sem dúvida alguma é porque sabe muito sobre as ações orquestradas pelas quadrilhas montadas pelo PT nas nossas estatais, e muito pode colaborar com as investigações em curso. E quem sabe detonar de vez do poder o partido de Lula, já que, inclusive tinha trânsito livre dentro do Palácio do Planalto. Espero que o procurador-geral de Republica, Rodrigo Janot, dê prosseguimento célere ao pedido da defesa de Valério, que propôs um acordo de delação premiada.  Porque o importante neste momento é reunir o máximo de informação sobre a corrupção petista, que dê condições de colocar os envolvidos o quanto antes atrás das grades...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos                                                                                                   

*

O BARCO E OS RATOS

Com inflação de praticamente 11%, quase o dobro do teto da meta, o Banco Central (BC) culpa o governo pelo estouro da boiada. Temos o maior patamar de inflação em 13 anos. Este número, 13, é bem sugestivo, é o número do Partido dos Trabalhadores (PT) e o exato tempo que a quadrilha tomou conta do poder. Qualquer cidadão, por mais bem intencionado que seja, percebe que as facções começam a se digladiar. Quando o barco está afundando, inevitavelmente os ratos procuram um porto seguro. Espero que esse porto, inusitadamente, esteja no Planalto Central e se chame porto da Papuda. Eu, na qualidade de cidadão e homem de bom coração, já adotei alguns náufragos da cúpula do Partido dos Trabalhadores e os mantenho na ociosidade com parte dos meus impostos. Mas continuo achando que a família desses corruptos deveria pagar os custos da carceragem com o dinheiro que ele roubaram dos cofres públicos.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com  

São Paulo

*

UM NOVELO INTERMINÁVEL

Base aliada do governo da presidente Dilma Rousseff, PT, PP, PMDB, entre outros, é há 13 anos bombardeada pela Justiça, oposição e até pelo fogo-amigo. Parece que a condição para participar do governo, direta ou indiretamente, é ter o espírito contraventor ou grande tendência à corrupção. Haja vista que diariamente aparecem novas denúncias de pessoas “da base” envolvidas em falcatruas, tais como mensalão, petrolão e outras que ainda serão investigadas, incluindo aí o BNDES e outras tantas empresas estatais. Parece, ainda, que quase todos os ministros “selecionados” pela base aliada já estiveram, estão ou serão envolvidos em algum esquema, diretamente ou por meio de indicação de funcionários de alto escalão das estatais, integrantes do núcleo político e operadores de recebimentos de vantagens indevidas. Poderíamos citar, tranquilamente, centenas de nomes de envolvidos nos últimos 13 anos, os mais marcantes: senadores Delcídio do Amaral, Gleisi Hoffmann e Fernando Collor, deputados, governadores, ministros, entre estes José Genoino, Zé Dirceu, Antonio Palocci, Pedro Correa, Luis Argolo, Delúbio Soares, Edison Lobão, João Paulo Cunha, André Vargas, “amigos” tal qual José Bumlai (amigo do Lula), assessores lobistas tais como João Vaccari Neto, Marcos Valério, Silvio Pereira, os recém-empossados Jaques Wagner, ministro da Casa Civil, e Edinho Silva, secretário de Comunicação Social, e, pasmem, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, e o presidente do Senado Federal, Renan Calheiros, sem contar dirigentes de grandes empreiteiras. Até a presidente Dilma Rousseff foi citada nas investigações, mas o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, informou não ter competência para investigá-la. Está faltando, somente, o chefão da organização. Quem será?

José Carlos Alves jcalves@jcalves.net

São Paulo

*

JANOT E OS NOVOS INQUÉRITOS...

Leio todos os dias o “Estadão” e concluí, baseado nas manchetes da sua primeira página, que assim como os empreiteiros beneficiados pela corrupção se referem ao chefão dos petralhas como sendo “Brahma” – uma poderosa divindade do budismo –, nós, o povo que sustenta toda esta bandalheira que esta aí, deveríamos nos referir aos petistas “et caterva” como sendo os “Sadim” – o famoso rei Midas inverso, que, ao contrário deste, que em tudo que tocava virava ouro, os petralhas em tudo o que tocam vira excremento (para não dizer m...).

José Gilberto Silvestrini jgsilvestrini@gmail.com

Pirassununga

*

COMODISMO!

Infelizmente o impeachment subiu ao telhado e a presidente Dilma Rousseff já se prepara para alçar voo, com turbulências, mas alcançará ao que tudo indica 2018. É inacreditável uma presidente com quase 100% de desaprovação conseguir tal feito. Dois em cada três brasileiros comentam e condenam seu governo.  Em reuniões em clubes, bate papos em botecos, em chás de cozinha, em carteados, em família, por diaristas e empregados domésticos, por profissionais liberais, empresários, comerciários, etc., enfim, em todas as camadas sociais, a ordem do dia é sempre a mesma: Fora Dilma. Essa indignação com a suprema mandatária parece-me da boca pra fora, mesmo com a situação política, econômica e social que se agrava a cada dia, nota-se certo comodismo da população. A economia caindo pelas tabelas, a inflação subindo como um foguete, a de 2015 fechou em 10,67% e a corrupção brotando em cada esquina, a nossa única esperança, já que a oposição inexiste, os protestos de rua, o número de participantes é cada dia menor. Dessa maneira, a presidente vai continuar a fazer selfie com sorriso largo no rosto, mandando beijinhos, senhora de si, como se não tivesse nada a ver com desastre brasileiro.

Sérgio Dafré segio_dafre@hotmail.com  

Jundiaí

*

PIMENTEL, O LOUCO

Minas Gerais está sem dinheiro para pagar servidor público e o governador Fernando Pimentel (Pilantrel?), do PT, quer gastar R$ 3,4 milhões para pintar farmácias de vermelho? Só pode ser doença. Ou é demência? Na verdade, o PT está mais perdido do que cego em tiroteio. A coisa só piora e nunca melhora. Está difícil de encarar essa turma de corruptos e loucos.

 

Jani Baruki Mends janibaruki@bol.com.br

São Paulo

*

PÁTRIA EDUCADORA?

Numa clara violação de fundamentos tributários, a Receita Federal (RF) inventou agora de taxar em 25% as remessas ao exterior para viagens a negócios e manutenção de estudantes brasileiros no exterior, mesmo que estes recursos já tenham sofrido taxação prévia de Imposto de Renda. Não bastasse a desvalorização do real em 53%, o governo quer sua parte em dobro, à custa da economia e do progresso científico brasileiro. Mesmo se for revogada essa absurda instrução normativa da RF, fica ululante como o governo Dilma Rousseff declara uma coisa (Pátria Educadora) para fazer exatamente o contrário (taxação pesada da educação, material escolar, etc.). E ainda o 2016 mal começou!

Omar El Seoud ElSeoud.USP@gmail.com

São Paulo

*

ELEIÇÃO MUNICIPAL – SÃO PAULO

Lamentável que o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), esteja articulando para que o secretário de Educação, Gabriel Chalita (PMDB), seja seu vice nas próximas eleições municipais. Chalita não deveria ocupar nenhum cargo público, uma vez que é réu em processo criminal, acusado de crimes gravíssimos, como corrupção passiva e desvio de dinheiro público. Haddad, cada vez mais, revela a sua verdadeira face, de político oportunista, pragmático, ambicioso e sem o menor compromisso com a ética. Ele se alia a Maluf, Chalita e até ao diabo para ser eleito. Luíza Erundina – exemplo de ética, correção e honestidade – foi sábia e coerente ao não aceitar ser vice da Haddad nas últimas eleições.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

AS PRÉVIAS DO PSDB

Que bem faz o “Estado” em noticiar os movimentos das prévias no PSDB. Cria espaço para uma discussão sadia entre os postulantes e antecipa os valores e planos de gestão de cada um. O eleitor merece isso, e não as campanhas “enlatadas” de poucos dias de televisão, em que candidatos são vendidos como sabonetes. Os postulantes do PSDB são bons candidatos. Bons moços. Renovam. Que vença aquele que souber empolgar mais e trazer as melhores propostas.

Kamila Camilo kamilacamilo1@gmail.com

São Paulo

*

NA TEORIA E NA PRÁTICA

A ideologia do PSDB, a social-democracia, acredita na democracia como forma de revolucionar o social, em vez das revoluções comunistas e socialistas. E fico contente ao ver que o partido está colocando em prática a sua parte democrática. Uma boa prévia para todos.

Gabriel H. de Oliveira gholiveira_2005@hotmail.com

São Paulo

*

ELEIÇÃO MUNICIPAL – RIO DE JANEIRO

O prefeito do Rio de Janeiro, no afã de promover o seu candidato de coração para substituí-lo na próxima eleição, o secretário-executivo de Coordenação de Governo Pedro Paulo, aquele que fez uma viagem bate-e-volta a Brasília com o objetivo de recolocar Leonardo Picciani como líder do PMDB na Câmara, e que foi manchete após terem sido divulgadas violentas agressões a sua ex-mulher, designou-o responsável pelos dois hospitais que passaram a ser geridos pela prefeitura, o Albert Schweitzer e o Rocha Faria, e que já saiu propagando a sua eficiência de administrador, dizendo que os hospitais vão custar até 30% menos em suas mãos. Antigamente, havia o político “rouba, mas faz”. Eduardo Paes quer, agora, emplacar um novo tipo: o “bate, mas faz”.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

PREJUÍZOS NAS ESCOLAS

Os danos causados nas 115 escolas estaduais ocupadas e invadidas por orientação e determinação do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) somam R$ 2 milhões, é o que diz a Secretaria da Educação. Que deve promover a cobrança até judicialmente dos responsáveis. O povo paulista não deve e não pode arcar com arbitrariedades políticas de sindicatos irresponsáveis que apoiam a “Pátria Educadora” deseducando.

Fernando Silva lfd.dasilva@uol.com.br

São Paulo

*

O EMBAIXADOR ISRAELENSE

O imbróglio criado entre as embaixadas do Brasil e de Israel no processo de indicação de Dani Dayan para a embaixada do país no Brasil mostrou a inabilidade das embaixadas. A de Israel, por não ter seguido a tramitação de praxe, e a do Brasil, por estar abertamente se declarando em favor da causa palestina. Ocorre que o candidato a embaixador no Brasil ocupou a presidência do Conselho Yesha, de 2007 a 2013, responsável pelos assentamentos na Cisjordânia, considerados ilegais pela comunidade internacional e já se declarou contrário à criação do

Estado Palestino, que conta com o apoio do Brasil e de 90% dos países-membros da ONU. Em 1963, num incidente conhecido como a Guerra da Lagosta, João Goulart quis nomear embaixador na França o chanceler Vasco Leitão da Cunha, por este ser amigo do presidente da França Charles De Gaulle, tendo antes dado publicidade a isso. O presidente francês não gostou e desse episódio surgiu a frase supostamente dita pelo presidente francês, “o Brasil não é um país sério”. Nos dias de hoje, 2016 pode-se mudar o epiteto para: “Brasil, país da piada pronta”.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

DAVID BOWIE (1947-2016)

Elvis está convidando os amigos para o maior show de todos os tempos.

Luiz Ress Erdei gero@zipmail.com.br

Osasco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.