Fórum dos Leitores

LULOPETISMO

O Estado de S.Paulo

14 Janeiro 2016 | 02h55

Afundou a Petrobrás

O Lula e sua trupe petista destruíram a outrora empresa orgulho dos brasileiros. Nesse rastro humilhante de literal desmonte, a estatal vale hoje pouco mais de 10% do que valia em maio de 2008. O preço da ação negociada na Bolsa de Valores, na época, era de R$ 48 e para nossa tristeza, continuando sua trajetória de queda, fechou o pregão de ontem a pouco mais de R$ 5. Para comprovar a penúria administrativa, a imprensa divulga que o fundo de pensão que garante a aposentadoria dos funcionários da Petrobrás tem um rombo de R$ 4,89 bilhões! Com o preço do petróleo também despencando, e sem recursos em caixa, a direção da estatal anunciou um corte drástico de US$ 32 bilhões em seus investimentos. É essa a situação desoladora da nossa petroleira, lembrando que um dia o Lula demagogicamente sujou as mãos de petróleo dizendo que, em seu governo, a estatal tornava o Brasil autossuficiente na produção. Realmente, sujou as mãos. E sua consciência?

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

Pré-sal

Lembrando: e quem foi que disse que com o pré-sal ganhamos o bilhete premiado? Hoje não paga nem placê.

MOISES GOLDSTEIN

mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

Qual será o futuro da Petrobrás e do onírico pré-sal ao se constatar que hoje um litro de água mineral chega a custar mais que um litro de petróleo?

J. S. DECOL

decoljs@gmail.com

São Paulo

Preço da gasolina

Curioso, em todo o mundo o preço do petróleo está caindo, mas aqui, no Brasil, o preço da gasolina continua subindo. Isso é que é desgoverno!

ARTUR TOPGIAN

topgian.advogados@terra.com.br

São Paulo

Populismo & corrupção

Em países como o nosso, com baixos índices educacionais, há terreno fértil para soluções primárias e o surgimento de líderes que manobram as massas. Lula, com as mãos sujas de petróleo bendito, usando o macacão da Petrobrás, gesto eloquente também usado por Getúlio Vargas, é um símbolo do nosso primarismo político. Em 1954, o nacionalismo desabrido terminou de forma trágica. Hoje, para um final exemplar basta uma condenação justa.

HELENA RODARTE C. VALENTE

helenacv@uol.com.br

Rio de Janeiro

LAVA JATO

Depoimento do Cerveró

Está se fechando o cerco sobre il capo na Lava Jato. Não vamos perder o foco agora. Se há novos implicados (de qualquer partido ou função), que se iniciem os novos procedimentos de investigação. O que não podemos é permitir dispersões em prejuízo de investigações já em fase bem adiantada e próximas do final.

HÉLIO A. FERREIRA

hafstruct@gmail.com

São Paulo

Não há mais dúvidas. Fecha-se o cerco. Desta vez a delação de Cerveró, com certeza, servirá.

EDUARDO A. DELGADO FILHO

e.delgadofilho@gmail.com

Campinas

Mau prenúncio

Nestor Cerveró, tímido ao dizer na CPI que não havia corrupção na Petrobrás e hoje o melhor delator da Lava Jato, nos faz entender que o avesso da presidenta é o ex-presidente Collor, que, como ela, foi submetido a impeachment. E cassado. Será...?!

MOYSES FRIEDHEIM

m.friedheim@uol.com.br

São Paulo

Sonho brasileiro

Ver a substituição do delator, do delatado e da punição por trabalho, decência e vergonha.

LÍGIA MARIA V. FIORAVANTE

lmfiora@uol.com.br

São Paulo

CHAPA-BRANCA

Black blocs e a débâcle do PT

A quem os situacionistas estão querendo enganar? Essa anarquia com táticas de guerrilha, não respeitando os cidadãos nem as leis vigentes, é apenas para desviar o foco da realidade: inflação, desemprego e derrocada do governo de Dilma Rousseff.

MARCOS CATAP

marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

Dimensão

Havia mais torcedores são-paulinos prestigiando a chegada do Lugano, em Guarulhos, do que black blocs depredando patrimônio público em São Paulo.

ELIAS MENEZES

elias.natal@hotmail.com

Nepomuceno (MG)

SIDERURGIA

De reserva de mercado

Sobre o editorial Reserva de mercado para o aço é exagero(10/1, B2), o Instituto Aço Brasil registra que, como toda a indústria de transformação, vive grave crise ocasionada pela convergência de problemas conjunturais e estruturais no País. No que diz respeito à área internacional, entretanto, nenhum segmento industrial no Brasil vive as dificuldades enfrentadas pelo setor siderúrgico, com excedente de capacidade mundial da ordem de 760 milhões de toneladas, das quais 400 milhões se encontram na China. A menção a que a concorrência desleal, em especial da China, deveria ser combatida com a adoção de medidas, sem que tenham sido indicadas, nos remete à utilização dos mecanismos existentes de antidumping. É importante ressaltar que no Brasil sistemas de AD (medidas antidumping) e CVD (direitos compensatórios) demoram mais de seis meses para serem efetivados. A indústria do aço não tem esse tempo. Precisa de medidas emergenciais e de caráter transitório que lhe permitam reequilibrar suas operações e manter o nível de empregos. O mundo inteiro se protege contra as práticas predatórias, principalmente da China, com mais de 200 iniciativas de ações de defesa comercial, como salvaguardas e aumento do Imposto de Importação. Citamos como exemplos mais recentes EUA, México, Índia, Chile, Irã e África do Sul. Não se trata, no nosso caso, de “reserva de mercado”, mas da preservação de uma indústria estratégica para o País.

MARCO POLO DE MELLO LOPES, presidente executivo

acobrasil@acobrasil.org.br

Rio de Janeiro

N. da R. – O editorial destaca e reconhece as dificuldades enfrentadas pelo setor, bem como sua importância na economia brasileira. Ressalta que a concorrência desleal, quando houver, deve ser combatida com medidas aceitas internacionalmente. Mas condena o aumento seletivo do Imposto de Importação com o objetivo de assegurar mercado para a produção local.

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

PETROBRÁS A R$ 5

 

Há um ano havia a pergunta que viralizou na rede sobre o que chegaria primeiro a cinco: o preço do litro da gasolina, a porcentagem de aprovação da “mulher sapiens” ou a cotação da ação da Petrobrás. Hoje temos a resposta: a finada Petrobrás venceu. Ou, melhor, faliu com sua cotação de R$ 5 e pingados é a mesma do início de 2004! Vendo a crise institucional na Venezuela, indago assustado se chegaremos lá. Este ano, mais uma vez, cairemos forte economicamente, só não piores de novo que a pátria-mãe do bolivarianismo, mas, com a recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) interferindo absurdamente na Câmara dos Deputados e rasgando a Carta Magna, temo que nossas instituições estejam começando a sucumbir. Tomara que esteja equivocado, mas a resposta àquela pergunta está dada.

 

Sergio Vivacqua de Medeiros Sergiovivacqua@ig.com.br

Rio de Janeiro

 

*

PETROBRÁS LOTEADA E DESTRUÍDA

 

A maior empresa do Estado brasileiro, um monstro sem cabeças, está destruída, enquanto se sucedem as nauseantes negativas lulopetistas acerca da Petrobrás. Tais negativas seriam pisoteadas pelo povo, se vivêssemos no momento em que Charles Baudelaire dizia que o homem perscrutava as névoas e ouvia a grama crescer. Hoje, tudo permanece embaralhado numa mídia que mistura tudo e submete o cidadão a uma parafernália de informações não classificadas e repetitivas.

 

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

 

*

FALTA DE PERSPECTIVA

 

A gestão da presidente Dilma Rousseff trouxe resultados negativos para as empresas brasileiras, como nunca antes visto no Brasil. A maior empresa do País, a Petrobrás, reduziu a previsão de investimentos em US$ 32 bilhões. A retração neste ano deve ser de 2,9%. O processo recessivo, que se iniciou em 2014, aliado ao fraco desempenho da economia, à inflação em alta, à falta do ajuste fiscal, à perda do grau de investimento, ao nocaute do setor produtivo, à elevadíssima taxa de juros, ao fechamento de empresas, às demissões em massa, à já instalada crise social, à péssima situação financeira das prefeituras e dos Estados, à instabilidade econômica, entre outros, resulta numa falta de perspectiva de recuperação em 2016. Portanto, os 688 pedidos de recuperação judicial e os 1.661 pedidos de falência são o retrato fiel do que está acontecendo no Brasil nos últimos meses deste alucinado governo petista.

 

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

 

*

E SEGUEM AS MORDOMIAS

 

Apesar dos graves problemas na Petrobrás, que envolvem a corrupção e a forte queda no preço do barril de petróleo no mercado mundial, seus funcionários continuam incólumes, sempre anualmente recebendo pagamentos extras como a Participação nos Lucros e Resultados (PLR) e reajustes pelo menos pela inflação anual. Enquanto isso, nenhum outro trabalhador, inclusive servidores públicos, tem PLR e muitos não têm reajustes sequer  pela inflação. Além disso, há os ricos fundos de pensão e serviços médicos de primeira. Medidas são necessárias para conter essas “mordomias”, que continuam a ocorrer nas empresas estatais, onde seus empregados parecem viver em outro mundo.

 

Heitor Vianna P. Filho bob@intnet.com.br

Araruama (RJ)

 

*

O CERCO SE FECHA

 

Manchete em jornal de 13/1: “Por apoio, Lula loteou a BR Distribuidora, diz Janot”. Parece que agora o cerco está se apertando para o “cara”, que até então estava conseguindo se livrar de tudo quanto de malvadezas que lhe atribuíam, pois nunca sabia de nada. Com as últimas delações de Nestor Cerveró e com possíveis delações premiadas de Marcos Valério, José Carlos Bumlai e Delcídio do Amaral, a coisa pode ficar feia para o ex-presidente. A última denúncia diz que ele indicou a WTorre para construir prédio alugado pela Petrobrás. Tem, ainda, o problema das medidas provisórias automotivas, o da entrega de parte da Petrobrás de graça para Evo Morales, o da sociedade com Hugo Chávez para construção de siderúrgica no Nordeste (com grande prejuízo para o Brasil), o caso Oi-Telecom, o das construtoras Delta e Odebrecht, o do enriquecimento do próprio e de familiares, mais o caso de Rose Noronha, mais... É muita coisa. Agora, ele não deve mais comparecer à Justiça apenas como “informante”, testemunha. Parece que o homem que fez tudo para dividir o Brasil em classes e raças e criar ódios regionais entre brasileiros, agora, terá de enfrentar o seu próprio destino.

 

Éllis A. Oliveira elliscnh@hotmail.com

Cunha

 

*

OPERAÇÃO LAVA JATO

 

Vejam, caros cidadãos, que políticos demagogos e sem escrúpulos, quando estão no palanque, esbanjam seriedade, devoção ao povo e dizem que vão trabalhar exclusivamente em causa dos menos favorecidos, etc. Porém, quando no poder, o jogo político de interesses, as tramas arquitetadas, a troca de favores, o toma lá, da cá e o jogo de interesses recíprocos e escusos afloram intensamente nas relações os entre eleitos. Em delação premiada, Nestor Cerveró informou que o ex-presidente Lula  o nomeou diretor da BR Distribuidora em reconhecimento à ajuda prestada por ele para quitar um empréstimo de R$ 12 milhões cedido ao PT pelo Banco Schain. Quer dizer que Cerveró ajuda o PT pagar uma dívida bancária e logo ganha um cargo dessa magnitude? Como foi avaliado o critério de competência do escolhido? Como é possível um cargo de suma importância como este ser conferido a um gestor reconhecidamente despreparado? Este é apenas um dos vários sintomas pelos quais este governo de plantão levou o nosso país ao caos em que se encontra.

 

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

 

*

A MESMA LADAINHA

 

Mais uma vez Lula, em vez de rebater fundamentadamente as sérias acusações que lhe são irrogadas, queixa-se de “vazamentos seletivos” das investigações da Operação Lava Jato. Com mais uma desculpa esfarrapada, balbucia que a indicação de Cerveró foi de “um partido aliado”, mas não deu maiores detalhes de qual seria o partido ou qual seria o político diretamente responsável por ela. Afinal, ninguém é nomeado para a Petrobrás como quem é indicado para a organização de uma festa junina de quarteirão onde dançará uma quadrilha.

 

Sérgio Aranha da Silva Filho aranhafilho@aasp.org.br

Garça

 

*

VAZAMENTOS SELETIVOS

 

Os vazamentos de informações das Operações Lava Jato e  Zelotes, entre outras, têm sido criticados por todos os partidos, quando atingidos. Para acabar com essa prática e o uso político das informações, basta que TUDO seja tornado público, independentemente de foro privilegiado ou não. Simples assim, e o povo saberia quem é quem entre as ratazanas que habitam o Planalto e a planície.

 

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo

 

*

NO EPICENTRO DO PODER

 

As declarações de Nestor Cerveró – a serem provadas, diga-se – chegou ao epicentro do poder, Lula da Silva, sem dizer que, na reportagem do “Estado” não foi mencionado que também fora citado Fernando Henrique Cardoso. Logo, é de esperarmos para a nossa satisfação que possamos ver incluídos neste rol não apenas os coadjuvantes, mas aqueles que eram os verdadeiros mandatários do poder.

 

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

 

*

INGENUIDADE

 

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse que as declarações de Cerveró são “vagas” e “não trazem elementos que permitam verificação”. FCH, mais uma vez infeliz em suas declarações, já perdeu até eleição da Prefeitura de São Paulo e não aprende. Presumir que em seu governo não possa ter havido corrupção é surrealismo e ingenuidade. Além disso, dá grande margem a descrédito de outras informações de Cerveró e o próprio processo da Lava Jato. “Por que não te calas?”

 

Ulysses Fernandes Nunes Jr Ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

 

*

A DELAÇÃO DE NESTOR CERVERÓ

 

Segundo Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobrás, Renan Calheiros teria reclamado da falta de propina. Logo Renan, que já é investigado em seis inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF), sob suspeita de recebimento de propina de negócios relacionados à Petrobrás. Cerveró disse que pagou US$ 6 milhões em propina a Renan e Jader Barbalho, e Delcídio Amaral recebeu R$ 2 milhões.  Renan fez acordão com Dilma Rousseff, com Rodrigo Janot e seu nome continua aparecendo na Operação Lava Jato, mas ele está blindado. Perguntar a esses denunciados se é verdade é perda de tempo. Alguém acredita que eles vão dizer que é verdade? Ainda, em 2008, Lula deu um cargo público a Cerveró em reconhecimento por ele ter quitado um empréstimo de R$ 12 milhões, considerado pela Lava Jato um negócio fraudulento. De fraude em fraude, esta quadrilha acabou com a Petrobrás: a estatal acaba de cortar US$ 32 bilhões de seu plano de investimento. A pergunta que não quer calar é: até quando a Justiça vai fazer de conta e não vai enquadrar essa camarilha que diariamente ocupa as páginas criminais dos jornais?

 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

 

*

DILMA PELO AVESSO

 

Desafio atendido! O ex-diretor da Petrobrás e da BR Distribuidora, delator que está preso na Operação Lava Jato, Nestor Cerveró virou Dilma Rousseff literalmente pelo avesso! Mesmo antes da entrevista concedida neste mês de janeiro a jornalistas no Planalto, em que a presidente desafiou a oposição, imprensa, delatores e a sociedade brasileira afirmando “podem me virar do avesso que não vão encontrar nada que me desabone” (com relação a corrupção petista). Bocuda que é, e demonstrando não ter memória de seus atos – como da compra superfaturada da refinaria de Pasadena –, Dilma teve sua lembrança reavivada por Cerveró do acordo excrescente que fez no Planalto, com o manjado senador Fernando Collor (AL), entregando-lhe no sistema de “porteira fechada” (como fazia seu antecessor, Lula) a direção geral da BR Distribuidora. Dilma deixou à mercê do senador alagoano a liberdade de nomear quem quisesse na sua presidência, diretoria, etc., como ele fez, indicando somente picaretas que, inclusive, desviaram recursos da estatal, como a imprensa vem divulgando. Se Dilma virou o nosso país pelo avesso, como na recessão econômica e nas traquinagens de toda ordem, agora chegou a sua vez de sentir na pele o custo de ficar mentindo diuturnamente à Nação.  

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

A PRESIDENTE CITADA

 

Nenhuma novidade Cerveró citar a presidente Dilma na delação premiada. O perfil de todo guerrilheiro ou ex-guerrilheiro é ditatorial. Trocando em miúdos, “centralizadora”, a presidente Dilma nestes cinco anos de mandato tem mais do que mostrado essa sua verve. Portanto, nada poderia passar sem que ela soubesse, inclusive a corrupção. Mas o que mais nos deixa indignados é a cara de pau ao se mostrarem “indignados com as acusações”. Como ela mentiu descaradamente para se reeleger, não é novidade mentir que “não sabia de nada”. Normal!

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

 

*

NO FÍGADO

 

Cerveró não virou Dilma do avesso, mas seu raio-x revelou onde fica o fígado...

 

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

 

*

ACORDA, BRASIL!

 

O Brasil precisa criar coragem e enfrentar a realidade dos fatos: está ficando cada vez mais insuportavelmente claro que, sim, Lula e Dilma sabiam do que ocorria em seus governos. Não só Lula e Dilma sempre souberam de tudo – mensalão, petrolão, etc. –, mas foram os mandantes e principais beneficiários de todos os esquemas de corrupção que estão sendo desbaratados pela polícia. O Brasil terá de ter maturidade política e institucional muito grande para lidar com essa inescapável realidade.

 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

CAIR NA REAL

 

Mais uma pedra no sapato da cúpula do Partido dos Trabalhadores (PT): parece que o ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró demonstra que tem um olho na terra de cego da política brasileira, onde ninguém sabe, ninguém vê. E por seu olho vemos que o rei está nu. Tal qual no passado, quando custou aos japoneses combatentes e imigrados acreditar que tinham perdido a guerra, o PT tem de assumir que perdeu a credibilidade de conduzir o País. Tem de aceitar que seu mentor indicou pessoa inadequada para comandá-lo no momento em que vivemos, já que é incapaz de fazer seus coelhos se reproduzirem, seja na cartola ou no mato. É necessário organizar o País em nova coalizão de forças político-econômica. Só assim será possível sair deste impasse nefasto em que vivemos

 

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiauba

 

*

FORA

 

Até o sr. João Santana, que tem sido o marqueteiro oficial do PT nos últimos anos – inclusive foi o responsável pela campanha vergonhosa e mentirosa que contribuiu para a reeleição da presidente Dilma –, está tirando o time de campo, pois certamente viu que não tem mais nenhum coelho que possa sair da cartola e salvar o PT e seus corruptos nas próximas eleições. Vamos aguardar quais serão as próximas pérolas petistas para tentar ludibriar mais uma vez a população carente e tentar garantir o máximo de prefeituras nas próximas eleições.

 

Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo

 

*

O PT LAMBUZADO

 

Nunca antes na história deste país uma frase conseguiu traduzir, com tamanha perfeição e clareza, a trajetória enviesada e trôpega do lulopetismo, como a que foi dita recentemente pelo ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner: “Quem nunca comeu melado, quando come, se (lu)lambuza”. O maligno e corrupto desgoverno do PT “lulambuzou-se” e deixou a vida dos brasileiros amarga como um limão. Basta! Muda, Brasil!

 

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

 

*

Ó, PAI, Ó!

 

Dilma Rousseff deve estar amargamente arrependida em ceder ao conselheiro Lula, então atuando como um autêntico governante, substituindo Aloizio Mercadante por Jaques Wagner na titularidade da Casa Civil. Apelidando de “reforma administrativa” e, ainda, curvando-se à imposição do ex-presidente, Dilma também alocou Edinho Silva na Secretaria de Comunicação Social. Para seu desespero, os dois ministros se encontram às voltas com  desdobramentos da Operação Lava Jato. Por enquanto, nesse bolo todo, ainda falta Ricardo Berzoini, o outro integrante do então rotulado trio elétrico de Lula. 

 

Luís Lago luislago2002@hotmail.com

São Paulo

 

*

CURVA DE RIO

 

A Casa Civil mais se parece com curva de rio, pois só atrai enrosco e tranqueira.

 

Eduardo Augusto Delgado Filho e.delgadofilho@gmail.com

Campinas

 

*

DEFESA PRÓPRIA

 

A presidente Dilma, com suas reiteradas declarações de honestidade e inocência nos malfeitos, nos faz lembrar Publio Siro: “Excusatio non petita, accusatio manifesta” (honestidade fingida é desonestidade dobrada).

 

Roberto Carderelli robertocarderelli@gmail.com

São Paulo

 

*

ENGANAÇÃO

 

A presidente Dilma autointitula seu governo como o que mais atacou a corrupção no Brasil. Então a Medida Provisória (MP) para aliviar as empresas condenadas por ela com o acordo de leniência é só para ajudar os trabalhadores a não perderem seu emprego? A contradição sempre foi o seu forte. Trabalhar para consolidar a vantagem da roubalheira é digno de seu partido.

 

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

 

*

SERÁ QUE O CRIME COMPENSA?

 

Pela Medida Provisória (MP) 703, de 18/12/2015, o governo pretende liberar empresas investigadas por atos de corrupção para continuarem negociando com o poder público, desde que simplesmente prometam não delinquir no futuro. O objetivo é não falir empresas-chave para as condução de obras públicas, evitando o aumento do desemprego. Pelo social, aceitam tudo, inclusive a impunidade. Como um dos brasileiros (a maioria) que foi tungado pelo superfaturamento e desvio de meus impostos, gostaria de sugerir a única solução justa: que seja apurado todo dinheiro surrupiado por esta verdadeira máfia nas últimas décadas, digamos, de 1990 até 2015, e que tudo nos seja devolvido em parcelas mensais, aplicado na construção de escolas, hospitais, no melhor aparelhamento das polícias e da segurança pública, etc. Com uma detalhada e transparente prestação de contas, o cidadão contribuinte poderia controlar e confiar mais naqueles eleitos para (supostamente) defender o dinheiro que suou tanto para ganhar. Acho que só assim teremos a devida justiça, sem falir empresas ou desempregar pessoas. Quando nos roubaram não pensaram duas vezes. Agora, querem leniência e impunidade? Se cedermos, estaremos dando carta branca para continuarem a roubalheira. Seria uma prova de que, aqui, com este fraco governo, o crime compensa. O Brasil não merece isso!

 

Silvano Corrêa scorrea@uol.com.br

São Paulo

 

*

ALGO DE PODRE

 

No dia  1/8/2013, a presidente da República, Dilma Rousseff, sancionou a Lei 12.846/2013, aprovada pelo Congresso Nacional, que dispõe sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira, e dá outras providências. No dia 18/12/2015, com o Congresso já em recesso, a presidente manda edita a Medida Provisória 703/2015, que altera os artigos 16 a 17B do PL. “Há algo de podre nessa MP”, é a voz do povo nas ruas.

 

Leônidas Marques leo.marques.vr@gmail.com

Volta Redonda (RJ)

 

*

MP 703, UMA ABERRAÇÃO JURÍDICA

 

O espírito de cidadania do brasileiro ainda não se livrou dos cueiros. Promovem-se passeatas, quebradeiras, perturbações do ir e vir do cidadão, mas o povo ignora que Madame Rousseff celebrou um acordo com o presidente de Moçambique, no valor de US$ 320 milhões, para a construção de uma barragem naquele país, com financiamento generoso do BNDES, isto é, com o nosso dinheiro, que poderia ser empregado nas barreiras da cidade de Mariana (MG), por exemplo. A petulância da presidente pariu uma Medida Provisória, de n.º 703, que, de tão horrenda, parece produto de uma transa entre o sineiro Quasímodo e a irmã Górgona, Medusa. Nessa MP fica clara a intenção do governo petista de abrir caminho para a Controladoria-Geral da União (CGU) e a Advocacia-Geral da União (AGU), que são órgãos do governo. Seus chefes são de confiança do presidente da República. Se a delação premiada não está completa, que se façam as devidas correções, mas, pelas barbas de Maomé, não se coloque essa ferramenta nas mãos dos amigos dos apenados, porque ainda falta muita gente para encher muitas Papudas.

 

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

 

*

AFRONTA À LEI ANTICORRUPÇÃO

 

Dona Dilma, com a sua Medida Provisória n.º 703/2015, que afronta a Lei Anticorrupção (n.º 12.846/2013), podemos entender que, desde que o ladrão devolva sua arma e jure não mais delinquir, ele ficará impune? Que esperteza arrojada, hein?

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

 

*

A QUEM RECORRER?

 

Quem livrará o Brasil desta corja de ladrões que se instalou no País? Os raros “notáveis” brasileiros? O Exército? A Polícia Federal? Só Deus sabe.

 

Carlos dos Reis Carvalho bigcharles020@g.mail.com

Avaré

 

*

COMO ACABAR COM A CORRUPÇÃO

 

O juiz federal Sérgio Moro diz que, para pegar os corruptos, basta seguir o dinheiro. Joaquim Barbosa, ex-presidente do STF, declarou que alguns políticos só pensam no dinheiro das empresas. Por outro lado, José Mujica, ex-presidente do Uruguai, disse que, se misturamos a vontade de ter dinheiro com a política, “estamos fritos”. Quem gosta muito de dinheiro tem de ser tirado da política e ir para o comércio, para a indústria, para onde se multiplica a riqueza. O problema do Brasil é essa comunicação entre as empresas e os políticos. Um banqueiro preso, recentemente, afirmou ter doado R$ 20,3 milhões para determinada legenda, R$ 10,9 para outra e R$ 10,9 para uma terceira; uma grande empreiteira doou R$ 975 mil para o instituto de um ex-presidente e R$ 3,9 milhões para o instituto do outro, e por aí vai. Isso não pode continuar assim. É evidente que a necessidade de grandes volumes de dinheiro para as campanhas eleitorais representa um obstáculo aos candidatos e políticos honestos e uma fonte de corrupção para os desonestos e para as empresas que estão querendo comprá-los. A razão é simples: qual a fórmula para conseguir dinheiro para fazer campanha? O que é ser um candidato “bom o suficiente” para que empresas deem a ele dinheiro? Todo mundo sabe a resposta. Se há muito dinheiro em alguma campanha, é grande o risco de o motivo envolver crimes, falta de ética e compra de benesses ilícitas. É fato público e notório que a corrupção política irriga campanhas, partidos, pessoas, empresas, inclusive as de fachada, além de encarecer os custos da administração pública. Infelizmente, há políticos, empresários e líderes (incluindo os religiosos) dispostos a participar da farra da corrupção. Não há Polícia Federal, Ministério Público e Judiciário que resolva de forma definitiva este problema, se não mudarmos o sistema. A solução é radical, porém simples: proibir o uso de dinheiro em campanha política. Qualquer dificuldade que ela traga será muito menor que o dano da corrupção na política. Quem consegue se eleger com dinheiro sujo não vai gostar da ideia, mas ela ajuda a limpar o País. O STF sinalizou o veto à doação de dinheiro de empresas, mas, mesmo assim, a Câmara dos Deputados colocou esse dispositivo na lei. A quem isso interessa? Todavia, impedir as doações de empresas não resolve. Nada impede que o banqueiro, o empreiteiro ou outro interessado doe dinheiro a seus “protegidos”. Vamos continuar a ter o caixa 2, os laranjas e o desespero para conseguir dinheiro para campanhas caríssimas. A solução tem de ser radical: acabar com a corrupção no nascedouro, ou seja, no dinheiro para a campanha. Isso ajudará os honestos e trará obstáculo real para os bandidos. Como, então, seria a campanha? O que seria permitido? O horário eleitoral gratuito no rádio e na TV será patrocinado pelo TSE com os recursos advindos do Fundo Partidário, que deixaria de existir. Quem quiser ter partido, que o sustente. Não faz sentido o povo sustentar políticos nem partidos. A mesma lei que impedirá gastos privados na campanha disporá sobre a divisão de tempo entre os partidos e candidatos, assim como cláusulas que garantam visibilidade a partidos ou candidatos “nanicos”, mas sem que tenham tempo incompatível com sua representatividade. A produção dos programas eleitorais deve seguir um padrão definido pelo TSE, que fornecerá os estúdios para gravação. O candidato apresentará suas ideias e projetos, com os quais terá de se comprometer sob pena de perda de mandato, mas sem nenhuma produção por marqueteiros (caros, por sinal), que conseguem mais enganar o eleitor do que contribuir para o progresso da democracia. O candidato poderá ter seu site e usar as redes sociais, onde apresentará suas opiniões e projetos de forma mais detalhada. O uso da internet será livre, desde que sem patrocínios pagos. O que será proibido? Painéis, placas, carros de som, pinturas em muros, eventos com artistas, almoços, jantares, churrascos, festas, reuniões em que se distribua qualquer material ou se ofereça qualquer alimento, exceto água e cafezinho, quando se tratar de reunião em casa de eleitor. Ou seja, qualquer coisa que implique aplicação de recursos próprios ou de terceiros será proibida. Entre os efeitos, teremos a redução da corrupção e a diminuição da influência do poder econômico para captar votos de eleitores alienados ou desinteressados. Os candidatos não serão conhecidos por campanhas como as que vendem xampu ou pasta dental, mas por suas ideias. Se votarem contra o programa e propostas que registrarem, perderão seu mandato. Outros efeitos benéficos serão diminuir a poluição visual e sonora das campanhas ricas e eliminar os pedidos de doações para a campanha eleitoral. Os políticos honestos não terão a “concorrência desleal” do dinheiro da corrupção e os votos serão mais conscientes. Ser político se tornará um ofício que demandará esforço e proximidade maior do povo. Quem procura a política para enriquecer, para fazer acordos espúrios e desprezando o interesse público terá uma barreira real de entrada. É possível que a maioria dos políticos eleitos no atual modelo não se entusiasme com esta proposta, mas a exigência de mudanças deve partir da sociedade que sofre os efeitos danosos da corrupção desenfreada propiciada pelo modelo existente. Eis a nossa proposta, para a qual contamos com o seu apoio, divulgando-a em suas respectivas redes sociais. Eis aí uma medida simples, firme e eficiente contra a corrupção.

 

Rubens Teixeira e William Douglas rubensteixeira@hotmail.com

Rio de Janeiro

 

*

PROTESTOS E TERROR EM SÃO PAULO

 

Na semana que passou e nesta também acontecem novas manifestações em São Paulo que parecem, de início, pacíficas, mas, como outras, terminam em atos de terrorismo, com um bando de mascarados depredando ônibus e aterrorizando passageiros. Como a Polícia Militar e a Polícia Civil até agora não conseguiram criar uma tática de combate para isolar e deter, um a um, esses terroristas, para serem processados, condenados e pagarem pelos danos causados? Há um grupo que, não satisfeito em tomar e quebrar o País, não se conforma até agora com não conseguir se apossar de nosso Estado, aquele que com os impostos arrecadados sustenta grande parte da Nação. Este é o objetivo final: a tomada de nosso Estado.

 

Laércio Zannini spettro@uol.com.br

São Paulo

 

*

PASSE LIVRE

 

O cidadão paulistano, que já é esfolado pelos impostos e multas escorchantes do sr. Fernando Haddad, não aceita ser impedido de voltar do trabalho para casa por um bando de moleques arruaceiros e desocupados. Parabéns à Polícia Militar, pela repressão exemplar aos baderneiros do Movimento Passe Livre (MPL).

 

Frederico d’Avila fredericobdavila@hotmail.com

São Paulo

 

*

DIREITO E DEMOCRACIA

 

Finalmente a autoridade exerce o seu legítimo poder para garantir o direito de ir e vir e a ordem pública. Não é legítimo que a cada semana milhões sejam surpreendidos com a interrupção das principais artérias de trânsito da cidade no horário de grande movimentação para que milhares exerçam o seu também legítimo direito de manifestação. Na medida em que os promotores dessas manifestações impõem a hora, o local e o trajeto das concentrações e   passeatas sem respaldo do poder público, perdem legitimidade e a consequência inevitável é o uso da força pelo poder constituído. Democracia é a convivência de todos sob a observância da lei. Quando um grupo pretende se impor em prejuízo dos direitos da maioria, deve ser exemplarmente reprimido, seja qual for a sua causa ou proposta. Enquanto não forem conscientizados de que mais importante do que a causa é a forma como ela é defendida, seremos reféns de atos como os da última terça-feira. Repressão é ato de força, dosada na medida da resistência dos transgressores. Tentar impor trajeto para o deslocamento da passeata em flagrante desafio ao determinado pela autoridade, com iniciativa de enfrentamento, não pode ser tido como transgressão de baixa resistência. Que as ações de manutenção da ordem e dos direitos das partes relacionadas pela autoridade constituída sejam a tônica daqui para a frente. Trabalhando na região da Avenida Paulista, não aceito ter sonegado o meu direito cidadão de ir e vir quase que um dia por semana. Movimentos sociais, cresçam, não busquem o enfrentamento, pois essa conduta os desqualifica perante a população. Imprensa, cubra com isenção a ação e a reação das partes envolvidas. Autoridades, jamais abdiquem do dever de manter a ordem pública, seja qual for a causa e a cor do movimento que se manifeste, quando em infração das regras da convivência democrática.

 

José Roberto Prado de Almeida jrpa@mcpb.adv.br

São Paulo

 

*

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO

 

Sei lá o que significa movimento de massa. Tô por fora: Cunha quem? Impeach... o quê? Revolução? Quero só é passagem de graça. E dou a cara (coberta) para bater, destruindo os símbolos do sistema opressor: farmácia ponto de ônibus, banca de jornal... Nosso movimento tem um p... valor: 30 centavos. Tem troco para um real?

 

Sérgio Sayeg sygsergio@gmail.com

São Paulo

 

*

BLACK BLOCS NAS RUAS

 

Enquanto o País vive num mar de lama sem tamanho, com corrupção para todo lado, em todas as esferas, principalmente no governo do PT, pessoas morrendo nas portas dos hospitais, por falta de atendimento; nas ruas, vítimas de bandidos armados (enquanto “gente de bem” está desarmada); e nas suas casas construídas em áreas de risco, este MPL sai às ruas para protestar contra o aumento de R$ 0,30 na tarifa do transporte público, e destrói tudo pela frente: carros da polícia, bancos e lojas. E a polícia assiste a isso silente. Eu até entendo, porque aqui, quando morre um policial vítima de bandidos, vira fato corriqueiro, e, quando a polícia fere ou mata um bandido armado, aparece um monte de abutres em nome de direitos humanos, ONGs, imprensa e outros oportunistas criticando as ações policiais. Não creio que os estudantes estejam todos representados por este movimento dos black blocs. Como dizia Martim Luther King, “o medo não é dos maus, dos corruptos que gritam, o medo é do silêncio dos bons”.

 

Waldir Cassapula waldir.cassapula@gmail.com

São Paulo

        

*

OS BLACK BLOCS, O MPF E A PF

 

Mais uma vez, São Paulo e outras grandes cidades brasileiras vivem o terror dos chamados black blocs. Esse movimento de desordeiros é nacional e age diante da incapacidade dos governos estaduais de resolverem o impasse do fortalecimento do crime organizado, que tem hierarquia, táticas de ação, financiamento e outros tipos de logística. É preciso encontrar meios eficazes de enfrentá-lo. Já passou da hora de uma intervenção firme do Ministério Público Federal (MPF) e da Polícia Federal (PF), para que toda e qualquer pessoa que for a uma manifestação mascarada, portando armas ou partindo para ações de vandalismo seja presa preventivamente, por um período suficiente para se saber de onde ela veio, sua motivação política, quem são os chefes e também os seus financiadores. Para o MPF e a Polícia Federal, que trancafiaram figurões poderosos e estão combatendo a corrupção, essa missão deve ser até simples. Se usarem a mesma energia aplicada contra os corruptos, também aniquilarão aqueles que confrontam a fraqueza dos governos estaduais atacando a polícia e depredando o patrimônio público e privado. 

 

Dirceu Cardoso Gonçalves  aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

 

*

O MP TEM DE AGIR

 

Uma das funções do Ministério Público (MP) é zelar pelo patrimônio público e pela população civil. Então por que o MP não enquadra os manifestantes defendendo o direito da maioria de ir e vir? Quando algumas centenas ou meia dúzia de gatos pingados causam transtornos e prejuízos ao não obedecerem o combinado com a Polícia Militar, provocam todo tipo de violência para a maioria que trabalha. O que está esperando o MP de São Paulo para agir?

 

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo                                                                                                  

 

*

MOVIMENTO PASSE LIVRE

 

As cenas do quase linchamento do policial à paisana pelos “manifestantes” do Movimento Passe Livre (MPL) são chocantes e somam-se às imagens divulgadas pela Polícia Militar de outros   “manifestantes” do grupo lançando bombas incendiárias. Estes elementos estão sempre e unicamente nas manifestações do Passe Livre. É evidente que fazem parte da “tropa de elite” do grupo. Existem black blocs e vândalos em outros movimentos? A resposta é “não”. É hora de a Polícia Militar e da Justiça encararem os “manifestantes” do MPL pelo que são: um bando de vândalos, cujo único objetivo é provocar o caos e a destruição.

 

M. Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com 

Florianópolis

 

*

VANDALISMO

 

Mais uma vez o comando da Polícia Militar de São Paulo subestima os possíveis desfechos violentos de um protesto supostamente pacífico. Pouco adianta pedir reforços após o início de atos de vandalismo, não importa por parte de quem. É preciso preveni-los. Prova disso é que nenhuma das grandes manifestações que aconteceram na Avenida Paulista, em 2015, resultou em violência. O País passa por enorme turbulência política e econômica e não faltarão motivos para protestos de rua cada vez mais frequentes e intensos. A PM precisa chegar antes.

 

Luciano Harary lharary@hotmail.com 

São Paulo

 

*

A IMUNIDADE DOS BLACK BLOCS

 

Enquanto não proibirem e punirem quem se mascara ou porta covardemente quaisquer materiais que os impeçam de ser identificados pela polícia ou até de gravações feitas pelos órgãos de imprensa que acompanham as manifestações, muitas delas de plenas razões e que fazem parte de nossa Constituição, veremos, sim, as depredações de bens públicos e privados de nossas cidades. Fora o risco por que passam quem estiver em seu caminho. Pelo que sei, não podemos andar por aí, mesmo dentro de nossos veículos, portando apetrechos que escondem nossos rostos, nem motociclistas de adentrarem em locais públicos portando capacete, senão seria um país completamente fora da realidade. Será que não se poderia, por uma simples portaria da Secretaria da Segurança Pública, aprovar uma imediata restrição a esta covarde ação destes baderneiros, ou também os políticos enviarem urgentemente uma proposição de lei que ponha fim a esta aberração que estamos cansados de ver e pagar pelos estragos que estamos presenciando?

 

Mario Magalhães mari560@hotmail.com

São Paulo

 

*

POLICIAIS CULPADOS OU VÍTIMAS?

 

De acordo com o editorial “A formação dos policiais” (“Estadão”, 13/1, A3), “foram registrados 532 mortes em consequência de intervenções de PMs em serviço entre janeiro e novembro de 2015. Em comparação com igual período de 2014, quando foram notificadas 610 mortes, houve uma redução de 12,8%”. Para o editorialista do “Estadão”, mesmo com a redução, o número ainda é muito elevado. Será? Na minha opinião, para sabermos se o número é elevado ou não, também precisaríamos saber se o número de policiais mortos em confronto com bandidos no mesmo período caiu ou aumentou. E o número da criminalidade no mesmo período, caiu ou aumentou? E o número de homicídios, latrocínios e estupros, caiu ou aumentou? Também concordo que os policiais precisam ter uma boa formação, assim como receberem equipamentos mais modernos para trabalharem, para que possam defender a própria vida e a vida dos cidadãos de forma mais eficiente, para que o número de policiais e cidadão mortos por bandidos diminua. Essa é a estatística que merece a minha atenção e não foi mencionada no editorial.

 

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br 

Americana

 

*

REAJUSTE DO FUNCIONALISMO

 

Na matéria do “Estadão” sobre o reajuste do funcionalismo (10/1), o governo conseguiu 32 acordos com diferentes categorias do funcionalismo, porém os médicos peritos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), em greve há quatro meses, já prejudicam milhares de segurados que dependem do dinheiro de benefícios para a sobrevivência da família. Como greve remunerada nunca tem fim, como fica o projeto de lei que regulamenta o direito de greve do servidor público, que está parado há mais de 25 anos no Senado federal? Que bagunça está este país!

 

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

 

*

A NOTA DO ENEM

 

Sou uma das pessoas que não receberam a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), cujo resultado está, de acordo com o site, em auditoria. Eu e todos os que não receberam as notas do Enem não podemos expressar a angústia que é, após 48 horas de a maioria do País ter recebido as notas, não ter ideia do que aconteceu com as nossas notas. Além disso, a palavra “auditoria” sugere uma investigação, logo, somos obrigados a pensar que cometemos algum erro. Para ajudar, alguns sites como o IG publicaram matérias afirmando que, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), houve irregularidades nas nossas inscrições e que entraram em contato conosco, o que obviamente não aconteceu. Não temos informações e estamos desesperados. Estamos aflitos e com medo de ter um ano perdido por causa disso.

 

Thais Moreira thaismoreira0711@gmail.com

São Paulo

 

*

SEMÁFOROS DE SÃO PAULO

 

Mais uma chuva e mais um sem-número de semáforos de São Paulo apagados. Nunca vi acontecer com tanta frequência como vem acontecendo agora, nesta administração Haddad, do PT. A reforma do sistema semafórico que foi prometida, se estiver em andamento, definitivamente não funciona. E não poderia funcionar mesmo. Quem tem um mínimo de curiosidade cidadã conversa com marronzinhos e técnicos e aproveita a oportunidade para olhar as caixas de comando semafórico verá que a caixa é muito velha, precária, vaza, o sistema eletrônico parece coisa dos anos 80. E entenderá que os técnicos vêm fazendo milagres para que o semáforo volte a funcionar até a próxima chuva. A verdade é que todo o sistema de São Paulo está completamente obsoleto e precisamos trocar tudo, semáforos, caixas de comando, sensores, cabeamento e ainda criar uma central de operações inteligente apropriada para a São Paulo do futuro. Mais, precisamos ampliar e melhorar muito o sistema de imagens da cidade e do trânsito. Custa, custa muito, mas não tem verba pública mais bem gasta. Pelo quanto o prefeito e seu secretário de Transportes poderiam dar explicações dignas sobre o que está acontecendo. Como cidadão, tive a curiosidade e vi como Marta Suplicy, também do PT, deixou a CET: uma sucata.

 

Arturo Condomi Alcorta arturoalcorta@uol.com.br

São Paulo

 

*

DEMISSÃO NA FIFA

 

Pergunta para o arrogante secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, demitido ontem: Quem merece um “chute no traseiro”?! Acho que já temos a resposta. Ainda é capaz de pagarem indenização para o suíço bronzeado artificialmente. Será que ele teve algum encontro com a turma da Lava Jato?! Quantos estádios foram construídos mesmo para a Copa “dos Capos”? Para que estão sendo utilizados os estádios de Manaus, Natal e Mato Grosso? Atendimento hospitalar? Funcionando como escola? País rico é país sem demagogos no poder!

 

Renato Amaral Camargo natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

ESTAMOS NOS PREPARANDO

 

Jérôme Valcke é demitido da Fifa. Aquele que, por ocasião da preparação da Copa 2014, disse que o Brasil precisaria levar um “chute no traseiro” pelos atrasos nas obras. Mera coincidência ou não, o corruPTo na Fifa recebe um “chute no traseiro”. Aqui, no país do “partido dos trambiqueiros”, nem “chute no traseiro” recebem, ao contrário, chutam os nossos há 13 anos. Quando vamos começar a “chutar o traseiro” dos quadrilheiros do PT e aliados? Estamos nos preparando... Demora?

 

Fernando Silva lfd.dasilva@uol.com;br

São Paulo

 

*

CHUTE NO TRASEIRO

 

E deram um pontapé na bunda do ex-secretário geral da Fifa, Jérôme Valcke. Que ironia. Pena que faltam esses pontapés no futebol brasileiro também.

 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

MAIORIDADE PENAL

 

“Membro do Estado Islâmico executa mãe em praça pública” (“Estado”, 9/1). O jihadista é um jovem de 20 anos. Entre nós, brasileiros, o assassino ainda não atingira a maioridade e foi compelido a dar o tiro na cabeça da mãe. Sobre coisas tais os paladinos brasileiros dos direitos humanos tinham a obrigação de se manifestar publicamente, sobre como veem e entendem isso.

 

Pedro Luís de Campos Vergueiro pedrover@matrix.com.br

São Paulo

 

*

AINDA HÁ ESPERANÇA

 

A longa entrevista do herdeiro do trono da Arábia Saudita (10/1, A12), um jovem de 30 anos, futuro rei, Mohammed bin Salman, que ocupa o cargo de ministro da Justiça daquele país, renova, de forma consistente, e com muita esperança, que o mundo ainda poderá ser o paraíso almejado por toda a humanidade. Realmente, o rapaz é provido de bom senso e responsabilidade – e, certamente, de poder, já está destinado a ser rei –, pois suas posições em relação ao seu país e aos vizinhos entorno são claras e demonstram seu objetivo e a preocupação pela paz na região. Saúde e vida longa ao futuro rei.

 

Carlos Benedito Pereira da Silva carlosbpsilva@gmail.com

Rio Claro

 

*

VENEZUELA

 

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, desafiou o Parlamento sugerindo que ele fizesse um plebiscito para saber se o povo quer ou não que o Maduro continue em seu cargo. Já que o governo brasileiro gosta tanto da Venezuela, sugerimos que faça a mesma coisa: um plebiscito perguntando se o povo brasileiro quer que a sra. Dilma Rousseff continue no poder. Então Dilma verá a tal “legitimidade das urnas” de que tanto fala. Seja corajosa, presidente, peça o plebiscito!

 

Carlos Roberto Barreto Barsotti cbarsotti1@hotmail.com

São Paulo

 

*

A JUSTIÇA BRASILEIRA

 

O Tribunal Supremo de Justiça da Venezuela declarou nulos os atos da nova Assembleia Nacional. Felizmente, no Brasil e sob a égide do “independente” ministro Ricardo Lewandowski, a Justiça é bem diferente. Data vênia, é claro!

 

Marcos Catap marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

 

*

EL CHAPO

 

A realidade é mais surpreendente do que a ficção. O ator americano Sean Penn foi fotografado com El Chapo, o notório narcotraficante foragido da Justiça no México. Planejar um filme sobre a vida do criminoso durante a própria fuga é puro surrealismo. Não é nenhuma novidade essa zona cinzenta da mídia que ajuda na glamorização do crime, como, por exemplo, no caso da famosa entrevista coletiva de Al Capone negando todas as acusações de ser o mandante do massacre de São Valentim.

 

Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.