Fórum dos leitores

OPERAÇÃO ALETHEIA

O Estado de S.Paulo

07 Março 2016 | 04h02

Incendiário irresponsável

O editorial Os males que Lula faz (Estado, 5/3, A3) foi direto ao ponto mais preocupante para o Brasil neste momento, depois das revelações da Polícia Federal sobre o ex-presidente: a estabilidade do País. Na sede do PT em São Paulo, Lula praticamente convocou a militância petista para a guerra, um “chamamento à desordem e à indisciplina cívica”, numa atitude de total irresponsabilidade, sem medir as consequências do seu ato. Durante o depoimento dele à polícia, os canais de TV transmitiram ao vivo uma amostra do fanatismo petista, como se estivéssemos numa guerra santa em que tudo se justifica em nome de LulAlá. Manifestantes e jornalistas foram agredidos fisicamente por militantes enraivecidos, furiosos, desequilibrados. Não somos a Síria, somos o Brasil, somos um povo de paz, não de guerra. Deixa o nosso país em paz, Lula!

DALILA DE MELLO CARDOSO VIEIRA

dalilamelloc@hotmail.com

Alfenas (MG)

Símbolos sagrados

A foto mais emblemática publicada pelo Estadão ilustrando o que aconteceu na sexta-feira em que os brasileiros de bem descobriram que a impunidade está com os dias contados foi a de um petista devidamente uniformizado com sua camisa vermelha tentando tirar das mãos de uma senhora (do bem) a Bandeira do Brasil. Para eles, os símbolos sagrados da Pátria não valem nada, só os do PT importam.

MAURÍCIO LIMA

mapeli@uol.com.br

São Paulo

Criamos um monstro...

... que se locupletou no poder, zomba das autoridades, dividiu o País entre eles e nós e quando contrariado convoca a militância e anuncia uma guerra civil.

ELIANA PACE

pacecon@uol.com.br

São Paulo

Dever de ofício

Cabe a quem ocupa a Presidência da República garantir a Constituição e preservar a ordem democrática. O sr. Luiz Inácio conclamou os seus militantes para uma guerra nas ruas. Com a palavra a sra. Dilma Rousseff.

PAULO DE ARAUJO PRADO

pprado999@gmail.com

São Paulo

Quem banca?

Quem está arcando com as despesas de viagem dos ministros e da presidente Dilma para virem a São Paulo e São Bernardo acalentar o coitadinho do Lula?

EUNICE TIYOKO SUMI

ninisumi@gmail.com

São Paulo

Condução coercitiva

Sobre a polêmica acerca de eventual excesso na condução coercitiva de Lula, não acredito que a esta altura (24.ª fase) poderia falhar a força-tarefa da Lava Jato. Intimado pela Justiça, Lula eximiu-se de depor duas vezes, procrastinando a continuidade de diligências e causando despesas desnecessárias. Além disso, o STF negou a interrupção de investigação sobre a propriedade dos imóveis em Atibaia e Guarujá (5/3, A12). Pese-se ainda o fato de que poderia haver ocultação e/ou destruição de provas, o que seria evidentemente temerário.

MARIA LUCIA RUHNKE JORGE

mlucia.rjorge@gmail.com

Piracicaba

Condução coercitiva ou convite para depoimento? “Não importa a cor do gato, contanto que cace o rato” (Deng Xiaoping).

GABRIEL MAMERE NETO

gmamere@terra.com.br

Barueri

Jararacas inclusas, ninguém, absolutamente ninguém, está acima da lei!

A. FERNANDES

standyball@hotmail.com

São Paulo

O caboclo e o bem público

No dizer do nosso caboclo, Lula foi levado “a pulso” para depor, mas não ficou engaiolado porque a Polícia Federal ainda não abriu as caixas que vieram do Planalto, para conferir as plaquetas de identificação de patrimônio dos objetos contidos nelas.

RAUL MOREIRA

raulmoreira@mpc.com.br

Campinas

Cadê o crucifixo?

“Se a Polícia Federal encontrar R$ 1 de desvio na minha conduta, não mereço ser deste partido”, provocou Lula. E o crucifixo do Planalto, que desapareceu quando ele partiu com sua mudança? Vale muito mais do que R$ 1! Aqueles contêineres que dizem estar no sítio devem ser publicamente abertos para se ver em que consistiu toda aquela mudança que saiu do palácio.

PEDRO LUÍS DE C. VERGUEIRO

pedrover@matrix.com.br

São Paulo

Oportunidade perdida

Nossa Polícia Federal, hoje orgulho dos brasileiros honestos, na coerção de Lula agiu de forma simplesmente perfeita. Além de nossa admiração, é merecedora de todos os elogios e aplausos. Registro apenas uma única falha; faltou-lhe senso de oportunidade. Já tinha o homem, estava com ele no aeroporto, era só colocá-lo num avião e mandá-lo para Venezuela, Cuba ou Coreia do Norte, com passagem apenas de ida. Que chance... Uma pena!

SANSÃO JOSÉ DA SILVA

sansao@sansaojsilva.com.br

Uberlândia (MG)

O mundo do Lula

Vi o Lula bravo na TV falando mal da Lava Jato e exaltando a si próprio. Acho que aqueles verdadeiros sábios que o PT tinha no tempo de oposição, homens e mulheres que ajudaram o ex-presidente a ter a cabeça que tem, deveriam reunir-se e explicar-lhe que o Brasil, depois de 13 anos de governos do seu partido, não é a beleza que ele pensa. Ajudá-lo a distinguir a fantasia da realidade. Falar-lhe, enfim, de como andam o PIB, a inflação, o desemprego, a dívida do País, o descalabro na saúde e na educação, a criminalidade, a corrupção... Ajudá-lo a sair do seu mundo onírico e se inteirar do real.

EUCLIDES ROSSIGNOLI

euclidesrossignoli@gmail.com

Avaré

Afinal, vivemos num Estado de Direito ou no estado do Lula?

EUGÊNIO JOSÉ ALATI

eugeniojalati@gmail.com

Campinas

Assombração eterna

As relações Petrobrás-Banco Schain-Bumlai-PT jogam no colo dos incorruptíveis juiz Sergio Moro, Ministério Público e Polícia Federal o assassinato do prefeito Celso Daniel, de Santo André. É provável que em breve esse caso volte à tona, para desespero dos culpados, que não conseguem afastar o seu fantasma.

NELIO ESQUERDO

nelioesquerdo@terra.com.br

São Paulo

O PIB DE 2015

 

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou o Produto Interno Bruto (PIB) de 2015. O Brasil encolheu 3,8%, e as perspectivas para 2016 seguem no mesmo patamar. A presidente Dilma Rousseff está atolada em problemas que ela não tem capacidade para resolver, e por isso mesmo a economia está indo para o brejo. Investidor corre de incertezas. Voltamos à era do desgoverno Collor e, se continuar desse jeito, retrocederemos aos anos 60, 50, 40, que abriram espaço para a intervenção militar. Não precisamos chegar a tanto, mas, como dependemos de um Congresso Nacional insano e corrupto, dizer o quê? Se a reforma política não sai, precisamos lutar para aprovar uma emenda constitucional que permita que, no caso de o presidente eleito democraticamente ser incapacitado para gerenciar o País, o impeachment seria legal.

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br 

São Paulo

 

*

PREVISÃO

 

Quem acertou em cima o encolhimento do PIB foi o Fundo Monetário Internacional (FMI). Será que vão pedir a cabeça de alguém?

 

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br  

São Paulo 

 

*

O RISCO DE CALOTE

 

Economistas das mais diversas tendências não afastam a possibilidade da quebra do Brasil, porque vários fatores essenciais estão a ocorrer para a fixação desse pensamento: gastos excessivos, dívidas, recessão e inflação alta, além de outros. Eis que por volta de 100 mil lojas foram fechadas no ano anterior de 2015, sintoma mais que necessário para demonstrar a situação da economia do País. De outro lado, de nada adianta o PT criticar dona Dilma e esta revidar dizendo que governa para todos, porque o lulopetismo destruiu a Nação e pode colocar o Brasil de joelhos, como na década de 80, quando quebrou e levou a cabo aquele feio e reprovável calote. E, se houver calote, quem será culpado, a não ser o lulopetismo?

 

José Carlos de Carvalho Carneiro carneiro.jcc@uol.com.br 

Rio Claro

 

*

CRISE POLÍTICA

 

O comportamento da Bolsa de Valores e do dólar na sexta-feira, dia da Operação Aletheia, da Polícis Federal, fala por si mesmo. É só tirar esta corja do governo que a economia anda sozinha. 

 

Luiz Henrique Penchiari luiz_penchiari@hotmail.com 

Vinhedo

 

*

A DÉCADA DESPERDIÇADA

 

Diante da gravíssima situação financeira que o País atravessa, sob o desastrado desgoverno lulopetista, cabe ressaltar trechos das entrevistas ao "Estadão" (4/3) de José Scheinkman, professor de Economia da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos ("Fora um milagre, o crescimento não voltará"), e de Silvia Matos, coordenadora técnica do Boletim Macro do Ibre/FGV ("A recessão, que começou lá em 2014, deve durar mais de três anos, até 2017. Teremos, portanto, uma longa jornada nesse deserto de sol escaldante". Se já não fossem suficientemente preocupantes essas considerações, economistas sondados pela agência Broadcast/Agência Estado disseram que o PIB só deve retomar o patamar de 2014 - o melhor desempenho nominal da história - em 2021. A exemplo dos anos 80, conhecidos como "a década perdida", os anos 2010 entrarão para a história como "a década desperdiçada". Como se vê e se prevê, dias piores virão. Salve-se quem e como puder!

 

J. S. Decol decoljs@gmail.com 

São Paulo

 

*

MUDANÇA DE SINAIS

 

Obrigado, Dilma Rousseff, por ter cumprido a promessa de nos presentear com um PIBão. Pena que foi com o sinal trocado! Mas isso é coerente com o PT, afinal, Delcídio Amaral (PT-MS) era líder do governo no Senado até há pouco tempo, e agora não tem credibilidade. Mudou o sinal de novo: antes era (+), agora é (-).

 

Ary Braga Pacheco Filho ary.pacheco.filho@gmail.com 

Brasília

 

*

A LÓGICA PETISTA

 

Se "a lógica é retornarmos o que era o núcleo da política econômica do governo Lula", vamos retroagir aos governos Itamar-FHC, cujos núcleos de política econômica deixaram a cama pronta, de mão beijada, para Lula se deitar. Isso posto, vamos defenestrar rapidamente Dilma do poder, para que esse núcleo de política econômica retorne por mais oito anos, tempo necessário o suficiente para rearrumar a cama e entregá-la, mais uma vez, de mão beijada, ao núcleo de política econômica formado por eventual candidato do PT eleito novamente presidente da República. Tudo isso se, até então, ainda existir o PT como partido político.

 

Sergio S. De Oliveira ssoliveira@netsite.com.br 

Monte Santo de Minas (MG)

 

*

PÚBLICO X PRIVADO

 

Enquanto o brasileiro comum fica desempregado e corta seus gastos para sobreviver, dona Dilma Rousseff quer aumentar os salários de mais de 40 categorias de servidores! Nada como gastar o suado dinheiro do povo! Acorda, Brasil!

 

Milton Bulach mbulach@gmail.com 

Campinas

 

*

CUSTEIO X INVESTIMENTO

 

Cidadãos e contribuintes, o governo quer aumentar os vencimentos de funcionários, quando já tem déficit orçamentário e corta recursos para investimentos, que gerariam emprego, consumo e impostos. Protestem!

 

Harald Hellmuth hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

 

*

REDUÇÃO DE GASTOS

 

No preparo do Orçamento anual, o governo insiste em priorizar a obtenção de aumento de saldo primário, pouca coisa mais. Para obter isso, procura aumentar a coleta de impostos e cortar ou adiar investimentos produtivos. Na coleta de impostos vale tudo, com multas e multas, licitações a granel, aumento de taxas, CPMF e outros. Fazendo corte de investimentos, freia a indústria e diminui empregos. O superávit primário pode ser o que os banqueiros e os que vivem de juros querer, mas o povo não. O povo precisa é de redução de impostos e de execução de investimentos produtivos. Com a redução de impostos, poderá sobrar um dinheirinho para melhor atender suas despesas de família. Com a execução de investimentos produtivos, vai-se ver a economia reativar e aparecerem mais empregos. Para atendimento desse objetivo, é essencial reduzir a enorme e inchada máquina governamental, nos Três Poderes, sem exceção, cheia de altos salários, injustificáveis mordomias e excesso de pessoal, que em moto-perpétuo fica criando regras e regras burocráticas para terem o que fazer. Há que cortar fundo nessa casta lá de cima, inclusive para melhorar as condições dos bons funcionários que, aqui embaixo, a duras penas, atendem às necessidades de saúde, educação e segurança requeridas pela população. 

 

Wilson Scarpelli wiscar@terra.com.br 

Cotia

 

*

UNIDOS NA DESGRAÇA

 

No conturbado clima político atual, de autêntico samba do crioulo doido, com fartas acusações, ameaças e golpes baixos, os alquimistas do governo não podem se esquecer de que política se faz com o cérebro, e não com o fígado. Quis o destino que vidas de famosas e poderosas personagens ficassem entrelaçadas, como irmãos siameses. Dilma precisa de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na presidência da Câmara dos Deputados, para não sofrer o impeachment; e, da mesma forma, Cunha conta com Dilma para não ser cassado, Lula não pode desacreditar nem magoar Delcídio Amaral, que, por sua vez, vai precisar de Dilma e de Lula para não ser cassado.  Feito o combinado, depois vão todos para a praia. 

 

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com 

Brasília

 

*

TERCEIRIZANDO A TESOURARIA

 

A descoberta de que a empreiteira Andrade Gutierrez pagou a empresas que prestaram serviços à campanha de Dilma Rousseff em 2010 revela que o esquema criminoso que vem sendo apurado pela Operação Lava Jato, da Polícia Federal, é muito mais sofisticado do que se supunha até aqui. Primeiro, porque o caixa oficial ("caixa 1") daquela campanha recebeu doações (oficiais) que nada mais eram que repasses de parte da pilhagem da Petrobrás. Assim, o próprio "caixa 1" do PT já foi desmoralizado pelas investigações. Além disso, há o "caixa 2", que o próprio Lula legitimou em célebre entrevista e que sempre fez parte do "modus operandi" petista. Agora, enquanto os próceres da sigla insistem na fábula das "doações oficiais" que teriam sido feitas rigorosamente dentro da lei e declaradas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ficamos sabendo que, além do "caixa 1" contaminado e do "caixa 2" de praxe,  o partido de Lula inovou com uma espécie de "caixa 3", que nada mais é que a terceirização de parte importante de sua tesouraria, já que pagamentos expressivos tiveram origem numa "ligação direta" entre a empreiteira companheira e empresas prestadoras de serviços com o objetivo de burlar as normas da Justiça Eleitoral. Tudo faz supor que outras empreiteiras tenham seguido idêntico padrão para atender aos interesses do partido cujo chefe se diz a "viva alma mais honesta" do Brasil. Como cesteiro que faz um cesto faz um cento, pode-se supor que essa maracutaia pode também ter se repetido na campanha presidencial de 2014. Caso tal se comprove, será a pá de cal para o desgoverno Dilma Rousseff. Oxalá tudo venha à tona e depressa, porque o Brasil não aguenta mais tudo isso.

 

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

 

*

DILMA ESTÁ REALMENTE BLINDADA?

 

Após o início da Operação Lava Jato, o marqueteiro João Santana e sua mulher, Mônica Moura, receberam R$ 22,5 milhões da Odebrecht, em contas no Brasil. O casal foi preso porque havia recebido US$ 7,5 milhões em conta não declarada no exterior. A Polícia Federal investiga se o casal recebeu dinheiro originado do esquema de corrupção da Petrobrás. Segundo a PF, Santana tentou eliminar as provas do crime cometido. Santana foi marqueteiro do PT nas últimas campanhas presidenciais. Vamos ver até que ponto a blindagem de Dilma funciona, pois a cada dia que passa mais e mais informações de procedimentos ilícitos surgem, e, o que é pior, ligados ao nome da presidente da República. 

 

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br 

Belo Horizonte

 

*

NOVAS REGRAS

 

As novas regras do pré-sal, em aprovação no Congresso, é enfim uma boa notícia, depois de tantas derrotas. Deixando de lado se é possível o bilionário achaque sistêmico ao caixa da empresa, os US$ 420 bilhões que poderão ser realizados podem ser o começo da desmontagem da bomba armada para implodir a maior empresa do País com a chegada ao poder em 2003 dos companheiros da ideologia da incompetência e do atraso.

 

Abel Pires Rodrigues abel@knn.com.br                                    

Rio de Janeiro 

 

*

 A CONDENAÇÃO DE MALUF

 

Paulo Maluf, que já é procurado pela Interpol, foi condenado à prisão pela Justiça da França por lavagem de dinheiro. Se pisar em solo francês, será preso e ainda terá de devolver boa parte do dinheiro. Maluf só tem vida fácil no Brasil, onde a Justiça brasileira o trata como uma verdadeira mãe, em total impunidade. Nos EUA e na França, ele já estaria preso e teria devolvido milhões de dólares aos cofres públicos. No Brasil, ao contrário, Maluf desfruta do mandato de deputado federal e de todas as benesses que o dinheiro e o poder trazem, numa total inversão de valores.

 

Renato Khair renatokhair@uol.com.br 

São Paulo

 

*

INÉRCIA

 

Símbolo da injustiça e, principalmente, da impunidade reinante da Justiça brasileira, Paulo Maluf foi condenado pela Justiça francesa por desvios de dinheiro quando prefeito e governador de São Paulo, porém continua lépido e faceiro a justificar a inércia de nossa Justiça.

 

Marco Barbosa micabarbosa@gmail.com 

Casa Branca

 

*

JUSTIÇA

 

"Rota na rua!", mas o Maluf na cadeia.

 

Wellington Anselmo Martins am.wellington@hotmail.com 

Bauru

 

*

A JUSTIÇA TARDA

 

Será que o caso Lula levará o mesmo tempo de condenação que teve o de Paulo Maluf? Muitos de nós não estaremos aqui! 

 

Julio Jose de Melo julinho1952@hotmail.com 

Sete Lagoas (MG)

   

*

ALMAS

 

Lula e Maluf, almas gêmeas.

 

Pedro A. Armellini paarmellini08@gmail.com 

Amparo

 

*

CORRUPÇÃO EM SP

 

A notícia não tem merecido nenhum destaque. O secretário da Casa Civil do governo Alckmin é investigado sob a suspeita de enriquecimento indevido. Ele comprou um apartamento de luxo por valor inferior ao do mercado, de uma empreiteira que tem contratos com o Estado. Evidentemente que não se pode agir como acontece habitualmente com aliados do atual governo federal, que são condenados e recolhidos à prisão mesmo sem terem sido julgados. Mas o caso atual requer clareza, urgência e transparência nas investigações.

 

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br 

Santos

 

*

ELEIÇÕES 2016

 

Diante da mediocridade dos nossos partidos e dos seus candidatos, se Maluf se candidatar, leva a Prefeitura de São Paulo. "Duela a quien duela."

  

Marcos Catap marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

 

*

CORRIDA PELA PREFEITURA

 

A vergonhosa briga de "comadres" no PSDB nas suas prévias vai direcionar os eleitores para o PT, com certeza. Para mim, não importa o candidato, mas votarei naquele que jurar pela mãe dele que vai resolver estas seis coisas: 1) rever as velocidades implantadas nas vias da cidade; 2) rever a implantação das ciclovias/ciclo faixas implantadas a esmo, sem planejamento; 3) voltar abrir a Avenida Paulista aos domingos e acabar com os ambulantes (artesões de araque); 4) acabar com a demagogia do programa "De Braços Abertos" e resolver a situação dos moradores de rua; 5) implantar a tecnologia usada nos radares urbanos nos semáforos, que caem aos pedaços; e 6) limpar a cidade, que está imunda.

 

Luiz Francisco de Assis Salgado salgado@grupolsalgado.com.br

São Paulo

 

*

PITACO

 

Governador Geraldo Alckmin, desculpe-me a franqueza, mas na ânsia de garantir o financiador de sua hipotética campanha de 2018, o senhor está apoiando um pré-candidato à Prefeitura de São Paulo que não nos passa pela goela! Ninguém está contestando a realização de prévia, mas, sim, o modelo que João Dória tenta implantar e impor ao PSDB. Acorde, governador, este estranho no ninho só fez bagunça! Não sou filiada, apenas eleitora, e deixo aqui meu pitaco.

 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

 

*

HADDAD, O CHAPELEIRO MALUCO

 

Nosso prefeito, Fernando Haddad (PT), inexperiente, realizou ou incentivou inúmeros empreendimentos sem qualquer cuidado, estudo ou planejamento. Alguns deram certo, como o apoio ao Mercado Municipal de Pinheiros e a ciclovia da Avenida Paulista, que corretamente conta com proteção aos ciclistas e não atrapalha o trânsito. Outras, porém, foram danosas, como ciclovias sem proteção ao ciclista, como é na Europa; que atrapalham o trânsito, junto com os mal planejados corredores de ônibus e sem finalidades adequadas. São ciclovias mal feitas, mal pintadas e a um custo alto que caracteriza os governos petistas. Mas uma de suas medidas, como Chapeleiro Maluco, é extremamente perigosa à população paulistana. O perigo reside naqueles tubinhos amarelos, mal feitos e vagabundos, abertos, que recebem água de chuva. O furinho colocado no funcho do tubinho, com um contorno que o "gênio criador (outro Chapeleiro Maluco ?)" teve a ideia de escoar a água, deixa um resíduo equivalente a umas duas ou três tampinhas de garrafa de bebida. Uma quantidade que é mais que suficiente para proliferação da "mosquita", segundo o vernáculo da nossa mal conceituada "presidenta". Mas o grande perigo é que estes tubinhos , por serem abertos, estão virando lixeiras, quer seja  por folhas, poeira e areia, durante as ventanias, ou  papéis, tocos de cigarros e outros pequenos dejetos que desavisados cidadãos ali depositam. E o lixo bloqueia o furinho! É um excelente criador municipal de zika, que está proliferando por São Paulo. Parabéns por mais esta "malddad", prefeito.   

 

José Rubens Macedo Soares joserubens@federmacedoadv.com.br

São Paulo

 

*

INFERNO

 

Sei que o sr. Haddad reside no "Paraíso" (bairro), e queria convidá-lo a visitar o "inferno" que ele criou ao mexer na circulação de veículos na Avenida Brigadeiro Luiz Antônio. Até quando estes senhores prefeitos e vereadores despreparados e irresponsáveis vão continuar abusando da paciência dos cidadãos? Está na hora de eles serem responsabilizados pelos atos que praticam! Está na hora de devolverem o dinheiro gasto sem planejamento e sem consulta à população.

 

Luiz Vicente M Guedes lvmguedes@gmail.com 

São Paulo

 

*

AUTORRETRATO

 

As nossas autoridades municipais (prefeito e secretário dos Transportes municipal) buscam aumentar a receita da cidade por meio de multas de trânsito, tudo porque sabem que a multa não causa comoção social. Quando um alguém é multado, não desenvolve nenhum sentimento de compaixão nas demais pessoas, no entanto, quando um é vítima de roubo, causa comoção social, criando a sensação de insegurança. Sabedor desse fenômeno psicológico, o prefeito está sobrecarregando os trabalhadores com multas, para apresentar obras politiqueiras e assim se perpetuar no poder. E o investimento na educação dos motoristas e pedestres? Quem recebeu alguma coisa a respeito? Ocorre que passaram dos limites e hoje a revolta é geral quando o nosso prefeito diz que visa somente à segurança, e não à arrecadação, que o valor arrecadado nada significa no orçamento do município. Se assim fosse, ele manteria a velocidade e aumentaria o numero de radares nas vias. Isso é fazer segurança. Mas, quando abaixa a velocidade, diminui desnecessariamente a pista de rolagem e aumenta o número de radares. Isso se chama arrecadação. A prova de sua intenção aí está, pela previsão das multas e tipo aplicadas: R$ 1,1 bilhão. O editorial "Autorretrato de Haddad", publicado na página A3 de 27 de fevereiro de 2016, diz tudo.

 

Jaime Vianna jaimevianna@terra.com.br 

São Paulo

 

*

PÉSSIMA MUDANÇA

 

O prefeito Haddad e a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) conseguiram o impossível. Com a mudança que introduziram na Avenida Brigadeiro Luiz Antonio, agora temos diariamente - até nos sábados - uma enorme fila de carros para subir a Avenida na faixa única a eles destinada, e praticamente nenhum carro descendo a avenida. E aí, prefeito? Vai ter a coerência de voltar atrás, conforme declarou na semana passada, se a mudança não desse bom resultado?

 

Miguel Roberto Jorge miguelrjorge@gmail.com 

São Paulo

 

*

MEDIDA ARBITRÁRIA

 

Maus uma da gestão Fernando Haddad: não fosse a absurda faixa exclusiva de ônibus implantada sem qualquer estudo de impacto e viabilidade na Avenida Giovani Groncchi, prejudicando milhares de munícipes ali residentes; agora a Prefeitura resolveu estender a faixa exclusiva para a minúscula Rua Marechal Hastimphilo de Moura, que desemboca na Giovanni Grobchi. Apesar dos insistentes pedidos dos moradores da região, nada foi apresentado pelos "gênios" da CET. Mais uma medida arbitrária, sem estudo de impacto e viabilidade, que prejudicará um número incontável de munícipes.

 

Ruy Martins Altenfelder Silva ruyaltenfelder@uol.com.br 

São Paulo

 

*

UM IDIOTA

 

Sinto-me um perfeito idiota ao trafegar pela Marginal Pinheiros a 50 km/h e ser ultrapassado pelos arrogantes e belicosos motoqueiros. Para estes não há limite de velocidade nem lei. Fazem o que querem impunemente, chegando às raias da delinquência. Há dias um espelho retrovisor do meu carro foi despedaçado e arrancado na Avenida 23 de Maio e tudo o que o delinquente fez foi ostentar o dedo médio em riste. Fui à oficina e lá encontrei uma senhora aos prantos cujo carro tinha sido atingido por um motoqueiro que tentara ultrapassar pelo lado direito numa curva. Casos como estes são incontáveis e nós, cidadãos, nada podemos fazer. Reclamar a quem? Aquele que poderia fazer alguma coisa queda-se inerte. O nosso prefeito "Malddad" só sabe mostrar a queda porcentual dos acidentes, mas nada faz contra os motoqueiros, os principais responsáveis. Até quando?

 

Augusto M. Dias Netto diasnetto@terra.com.br

São Paulo

 

*

HADDAD E O COMBATE À DENGUE

 

Imoral e rasteira a tentativa do prefeito Fernando Haddad de politizar as ações de combate ao mosquito da dengue. O prefeito atribui responsabilidade ao governador Geraldo Alckmin pela distribuição de caixas d'água a famílias carentes, que serviriam como potenciais focos de proliferação do mosquito. Ao aplicar este raciocínio o prefeito sabe muito bem que milhares de mosquitos nascem diariamente no lixo que emporcalha a cidade (muito mais do que em caixas d'água), cuja limpeza é de responsabilidade da Prefeitura. Ações de combate a epidemias devem ser suprapartidárias e colaborativas. Se Fernando Haddad já está em campanha eleitoral, que escolha outro tema para atacar seus adversários. 

 

Luciano Harary lharary@hotmail.com 

São Paulo

 

*

DENGUE, ZICA E CHIKUGUNYA

 

Nos últimos dias temos ouvido falar muito a respeito de dengue, zika e febre chikungunya, doenças que têm nos aterrorizando a cada dia, pois os números de casos vêm subindo muito rapidamente, como têm divulgado as mídias, aí devemos nos perguntar se essas doenças são um problema meu, seu ou nosso. Ela na verdade é um problema da nossa sociedade em geral, nesta questão os mosquitos hospedeiros da doença não faz escolha de pessoas, seja ela rica, pobre, branca, negra, criança, jovem, adulta e idosa, eles só estão à procura de um criadouro e, depois, de alguém para levar a contaminação da doença, fazendo com que essa pessoa sofra as consequências, como dores pelo corpo, febre, mal estar geral e levando por vez até a morte, não se descobriu um remédio ou vacina para imunizar a população contra essa doença. Mas podemos, juntos, acabar com este mal, que nos traz preocupações e medo, se fizermos a nossa parte, como tem sido divulgado, como meio de prevenção para a eliminação dos mosquitos transmissores. Limpando nossos quintais com apenas dez minutos por semana, não jogando latas, sacolas, copos, entre outros objetor que acumulem água nas ruas, avenidas e em terrenos baldios, já estaremos colaborando e muito para a não proliferação destes mosquitos. Essa forma de prevenção já sabemos, e por que não a aplicamos? Falta conscientização da nossa sociedade em geral? Por acharmos que este trabalho de conscientização deva vir da Prefeitura, com as varreduras nos locais de acúmulo de lixo, somente com a união da Prefeitura e da sociedade é que poderemos reduzir os números de casos. Não vamos esperar que um dos nossos adoeça para começar a se mobilizar e fazer a nossa parte.

 

Elaine R. B. Oliveira, técnica de Enfermagem elaine_8457@hotmail.com 

São Paulo

 

*

FORÇAS ARMADAS E COMBATE À DENGUE

 

Caxias se revira no túmulo. Atualmente, os militares se dedicam às "nobres" atribuições de lutar na "guerra contra as mosquitas" e de comprar pedalinhos para os netos do ex-presidente, além de aceitar um comunista como ministro da Defesa. 

 

Cláudio Duarte claudio_duarte@hotmail.com 

Belo Horizonte

 

*

VAMOS ACREDITAR?

 

O nosso alcaide vai deixar uma tal gama de precatórios para o próximo prefeito que somente alguém do PT e do PCdoB vai se candidatar na próxima eleição. Trouxe para "casa" Alexandre Padilha e agora vai receber R$ 400 milhões do governo federal (que seguramente sairão) a fim de até novembro construir os quatro hospitais municipais, até novembro de 2016. Vamos acreditar?

 

Flavio Prada flavioprada39@gmail.com 

São Paulo

 

*

NA 'PÁTRIA EDUCADORA'

 

"Brasil, Pátria Educadora." Bonito, não? E qual é a realidade? Nas salas de aulas das escolas do Estado do Rio de Janeiro, quando chove, os alunos têm de assistir à aula com o guarda-chuva aberto e recolher a água que entra por tudo o que é canto, de rodo. É uma beleza. 

 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 

Rio de Janeiro

 

*

ALÉM DAS FRASES

 

"Lugar de criança é na escola." "Criança tem de estudar e brincar." "Trabalho infantil é crime." São frases propaladas na mídia pelo governo. Francamente, com o descaso governamental na educação, é melhor a criança trabalhar, em vez de zanzar pelas ruas, sujeita a desvios de conduta. A criança que trabalha amadurece prematuramente, valoriza o que tem e auxilia financeiramente os pais que, muitas vezes, têm dificuldades para sustentar a família. Trabalhar enobrece e é uma atividade honesta. Concordo que lugar de criança é na escola e tem de brincar. Que o governo, a exemplo da Inglaterra, disponibilize escola em tempo integral aonde a criança chega de manhã, tem as aulas regulares, refeições, professores disponíveis para dirimir dúvidas e atividades culturais e recreativas, retornando ao lar ao final da tarde com todos os "deveres de casa" feitos. Assim, sim, "lugar de criança é na escola".

 

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br 

Vila Velha (ES)

 

*

O MEC E O ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA

 

Não são apenas sandices que o Ministério da Educação vem propondo com referência ao ensino da História. A Base Nacional Comum Curricular do MEC para o ensino fundamental e médio para a Língua Portuguesa corre o risco de ser aprovada deixando importantes e irrecuperáveis lacunas. A multidisciplinaridade apresentada logo na primeira página do site do MEC, sob a designação "Área de Linguagens" e suas inúmeras expressões: linguagem verbal, musical, visual e corporal, mencionando-se também o ensino de línguas orais africanas e ameríndias, além de regionalismos, ideologia, cidadania, antropologia, etc. constituem utopia com referência à educação básica. Trata-se de um currículo muito extenso e desarticulado, que foge do essencial: ler, falar e escrever português corretamente, atividades que, como é sabido, são deficientes para a maioria do povo brasileiro. Não podemos esquecer que os africanos vieram ajudar a construir o Brasil, assim como o papel que os indígenas tiveram na formação do povo brasileiro. Porém, o estudo da Língua Portuguesa deve ter peso maior por sua beleza e riqueza expressiva, independentemente de ideologias e formas de poder. Ela une o País de norte a sul, de leste a oeste, confere identidade nacional e unidade ao território, além de ter valor internacional, pois é a terceira língua mais falada do Ocidente. São cerca de 260 milhões que a falam, sendo também a quinta do mundo, compondo o denominado mundo lusófono. A gramática, a padronização da ortografia e o ensino da literatura brasileira e da portuguesa permitem a continuidade da unificação da língua, constituindo a segunda, a fonte para nossos autores quanto à inspiração, modelo e forma. O prazo para receber opiniões pelo site basenacionalcomum.mec.gov.br,  se encerra no próximo dia 15 do mês corrente, terça-feira. 

 

Maria Cecília Naclério Homem, professora de Português e escritora mcecilianh@gmail.com

São Paulo

 

*

TRANSPORTE NO RIO DE JANEIRO

 

Várias cidades da Europa e dos Estados Unidos mantiveram os bondes em suas cidades. Aqui, no Brasil, houve uma espécie de febre para acabar com estes veículos. Muitas cidades de norte a sul do País os liquidaram e abandonaram seus trilhos sob o asfalto de má qualidade. Os motivos eram o transtorno no trânsito e a falta de espaço para os automóveis e ônibus. Passadas algumas décadas, o trânsito não melhorou nada, ao contrário, piorou. As ruas ficaram entupidas de carros, ônibus ociosos, caminhões, etc. Agora, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, resolveu implantar o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), o bonde moderno com ar condicionado em ruas importantes do centro da cidade. De fato, uma nova esperança para os pedestres e uma exceção nas obras do prefeito. Apoio a iniciativa favorável aos transportes coletivos, desde que os trabalhos sejam rápidos e concluídos antes do final de seu mandato, para evitar mais implementações intermináveis, a exemplo do metrô.

 

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com 

Rio de Janeiro

 

*

VIVER SEM CRIMES

 

Fiquei maravilhado e com inveja, não tenho vergonha de admitir, com relação ao fato e às fotos publicados pelo "Estadão" sobre as 20 cidades do Estado de São Paulo que estão sem assassinatos desde 2001. Para nós, que vivemos na capital e em cidades vizinhas, fica muito difícil de imaginar ser possível sair à noite com a família, andando despreocupadamente, sentindo a vida passar sem pressa.

 

Alberto Souza Daneu curtasuasaude@uol.com.br 

São Paulo

 

*

BONS EXEMPLOS A COPIAR

 

O mundo civilizado já resolveu o problema do esgoto e do lixo, e o Brasil poderia simplesmente copiar as soluções dos países desenvolvidos. Há décadas as garrafas e latas de bebidas valem US$ 0,10 e são coletadas e recicladas nos Estados Unidos, onde muita gente vive dessa atividade. Aqui, no Brasil, latas e garrafas são sempre vistas aos montes nas cenas de enchentes e lixões, a coleta e a reciclagem estão longe de ser praticadas com a mesma intensidade dos países desenvolvidos. Os principais rios da Europa já foram muito poluídos por esgoto, mas isso já foi equacionado e resolvido, e hoje quase todos os rios e lagos europeus estão limpos e são intensamente usados para navegação e lazer. Mais uma vez bastaria ao Brasil copiar as soluções que deram certo no Primeiro Mundo. Que o enorme vexame da poluição que já envergonha o País na Olimpíada do Rio sirva para que o Brasil crie vergonha na cara e deixe de ser um dos países mais imundos do planeta.  

 

Mário Barilá Filho  mariobarila@yahoo.com.br 

São Paulo 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.