Fórum dos Leitores

LULOPETISMO

O Estado de S.Paulo

12 Março 2016 | 03h00

Premonição

Nos anos 1970/80 apareceu um sindicalista que, dizendo-se de alma pura, declarou: “No Brasil pobre que rouba vai preso e rico que rouba se torna ministro”. Em 2016, um ex-presidente que, ao que consta, está rico, proclamando-se alma honesta, pretende se tornar ministro. Por quê?

JOSÉ J. ROSA

jjrosa1945@yahoo.com.br

São Paulo

Top-top

Para fugir da Justiça o inominável portador da alma mais “honesta” do mundo cogita de integrar o governo como ministro. Se concretizado esse surreal ato de insanidade, ficará ainda mais evidente que o governo (?) petralha é um valhacouto de marginais, não tem nenhum respeito pela moralidade e se lixa para a opinião pública. Zomba de todas as instituições e leis do País, na certeza absoluta de que somos um povo de bananas e bolsistas que nada fará para mudar este estado de coisas. Aquele gesto de Marco Aurélio top-top Garcia nunca foi tão oportuno para demonstrar qual será nosso futuro.

RENATO OTTO ORTLEPP

renatotto@hotmail.com

São Paulo

STF no bolso

Dar um ministério ao Lulla para lhe garantir imunidade e fazê-lo ser julgado no Supremo Tribunal pelas denúncias que vêm por aí é dizer: temos todos os ministros do STF no bolso! Se isso se concretizar, cabe ao Supremo dar dura resposta a essa gente desonesta que tomou o Brasil dos brasileiros e o transformou num feudo a ser perpetuado!

ARMANDO FAVORETTO JUNIOR

armandofavoretto@gmail.com

São José do Rio Pardo

Confissão de culpa

O simples fato de o PT cogitar de dar a Lula um ministério para que ele tenha foro privilegiado já é uma confissão de culpa, ao mesmo tempo que dá razão ao Ministério Público de São Paulo, que solicitou sua prisão preventiva por tentar obstruir a Justiça. E ainda faz crer que no STF Lula terá eventual julgamento mais ameno, o que pode ser um tiro pela culatra, como bem sabem os condenados no mensalão.

CELSO NEVES DACCA

celsodacca@gmail.com

São Paulo

Menino sapeca

Nunca antes na História deste país um “mais honesto” se escondeu num ministério. Isso me lembra aquela criança que se esconde atrás da saia da mãe depois de ter aprontado.

MOISES GOLDSTEIN

mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

Grande ajuda

Ótimo que o Lula venha a ser ministro de qualquer coisa, fugindo da Lava Jato, pois participará da decomposição deste governo – e ele deve ter muito boas ideias... Será um grande colaborador!

ORLANDO CESAR DE O. BARRETTO

ocdobarr@usp.br

São Paulo

Se é para nomeá-lo ministro, que seja da Fazenda. Porque em finanças a jararaca é cobra.

JOSÉ ROBERTO IGLESIAS

rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

Pianista

O que será que outros povos entendem quando se divulga que a jararaca mais honesta do Brasil vai tocar piano?

JOSÉ ROBERTO SANT’ANA

jrsantana10@gmail.com

Rio Claro

Homem com H

Lula não esqueça que não está sozinho nessa roubada, portanto, melhor não aceitar nenhum cargo político para salvar a pele, enquanto sua mulher e seu filho estão desprotegidos de regalias e podem ser presos. Seja homem com H maiúsculo e aceite as denúncias sem ameaças, porque sabe muito bem que errou!

VALDIR SAYEG

valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

Como de costume

Que se cuidem a madame e o filhinho. Não custa nadinha o “cara”, sob proteção de imunidade, largá-los ao mar, pois eles “não são gente de sua confiança”. Primeiro eu, depois eu e sempre eu.

JOSÉ HORÁCIO CANCHERINI

josehoraciocafe@gmail.com

Itu

Fugindo da Justiça

Em resumo: Lula, o grande responsável pelo rombo criminoso na Petrobrás, não quer assumir a sua culpa!

EUGÊNIO JOSÉ ALATI

eugeniojalati@gmail.com

Campinas

Gatos-pingados

A manifestação pró-Lula programada para ontem no centro de São Paulo, com tão poucos manifestantes e com a chuva que caiu em cima deles, acabou se transformando numa passeata de meia dúzia de gatos-pingados.

RONALDO GOMES FERRAZ

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

MULTAS DE TRÂNSITO

Coincidências demais

Recebi duas multas por trafegar em velocidade acima da permitida, uma na entrada do Túnel Airton Senna e outra ao entrar no acesso à Marginal do Tietê, na saída da Av. Tiradentes. “Coincidentemente”, em ambas fui fotografado a 58 km/h, foi aplicado um índice de redução e a velocidade real caiu para 51 km/h. Logo, multa por estar 1 km/h acima da velocidade permitida. Como não acredito em coincidências, conversei com vários familiares e amigos e quase todos foram autuados trafegando a 58 km/h e multados por estarem 1 km/h acima... Pergunta ao prefeito Malddad: os radares não estarão programados para fotografar os veículos a 58 km/h e multá-los por estarem 1 km/h acima da velocidade permitida? Como exemplo, o radar na entrada do Túnel Airton Senna está 50 metros após a saída da Av. 23 de Maio, onde a velocidade é de 60 km/h... O Ministério Público poderia requerer o registro computadorizado dos radares, escolhidos aleatoriamente, para verificar se minha teoria é real ou estou delirando. Outro detalhe interessante: fui autuado em local cujo limite era de 60 km/h trafegando a 68 km/h; foi aplicado o redutor, a velocidade caiu para 61 km/h e veio a multa... Matematicamente falando, o índice aplicado na redução de 68 para 61 km/h foi de 10,3% e na de 58 para 51 km/h, de 12,1%. Qual a razão desses índices diferentes? Se os 12,1% tivessem sido aplicados nos 68 km/h, a velocidade real cairia para 60 km/h e a multa não seria aplicada. Como estamos vivendo num país onde roubar se tornou o modus operandi de quase todas as atividades, fica aqui meu desabafo!

ANTONIO CARLOS MARTINS

acmartins@uol.com.br

São Paulo

 

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

MUITA CALMA NESTA HORA

Não comemorem, ainda, os que querem muito ver o ex-presidente Lula atrás das grades. Não lamentem, ainda, os que acreditam na sua inocência. A prisão, pedida pelo Ministério Público de São Paulo, precisa de autorização da juíza responsável. Para a condenação, ou não, há etapas que precisam ser cumpridas. Tanto num caso quanto no outro, recomenda-se: 1) aguardem o parecer da juíza, não vai demorar muito, mas, acredito, não sai antes deste domingo, dia 13; 2) aguardem o prosseguimento das investigações (em Curitiba e em São Paulo) e a divulgação de seus resultados; 3) aos que querem o impeachment, a condenação de políticos corruptos e fortalecer os que investigam, vão mostrar, na rua, pacificamente, sua vontade, amanhã, domingo; e 4) aos que têm opinião diferente disso, vão mostrar, na rua, pacificamente, sua vontade, em outra data que está sendo agendada. Aguardar, neste momento de premência de ações justas, rápidas e eficientes, pode parecer conformismo. Mas não é preciso que aguardemos passivamente. As manifestações públicas, organizadas e pacíficas, são ações que, por incrível que possa parecer, têm forte influência sobre as decisões a serem tomadas pelos Três Poderes e que determinam as mudanças de rumo do País.

Hélio A. Ferreira hafstruct@hotmail.com 

São Paulo

*

O CRIME COM ORIGEM NA BANCOOP

A entrevista coletiva dos promotores públicos de São Paulo à imprensa, na quinta-feira, esclarecendo aos jornalistas as acusações feitas contra “a alma mais honesta deste país”, mostrou quantas pessoas foram lesadas para que o “homi” ganhasse um tríplex no Guarujá, com base em golpes que a Cooperativa Habitacional de Bancários de São Paulo (Bancoop) e, posteriormente, sua sucessora na obra, a OAS, praticaram contra estes cooperados, que nunca receberam seu sonhado apartamento, visto que todo o dinheiro que pagavam era desviado para o PT. Um crime! Então, de todo este dinheiro desviado dessas pessoas, os promotores do Ministério Público de São Paulo pediram  a prisão preventiva “delle”, que  estava reunido num hotel,  no bairro dos Jardins, em São Paulo, com lideranças do MST, de sindicatos, com alguns parlamentares petistas e, pasmem, com o ministro da fazenda (minúsculas mesmo), Nelson Barbosa, que se deslocou de Brasília para discutir saídas para a grave crise econômica que estamos vivendo com um sujeito que não tem cargo algum no governo. Sua trupe e até a covarde oposição saíram em sua defesa, mostrando-se indignados com o pedido de prisão, já que ele virou uma divindade, inimputável.

Agnes Eckermann agneseck@gmail.com 

Porto Feliz 

*

UM SONHO DE VERÃO

Aqueles que seriam condôminos do Edifício Solaris, na Praia das Astúrias, no Guarujá, e sonhavam ter como vizinho um nobre (à época) ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, já devem estar informados de que o Ministério Público de São Paulo pediu a prisão preventiva de Lula por crime de lavagem de dinheiro e falsidade ideológica em razão de tentar ocultar como seu imóvel o tríplex 164-A. Estes dignos brasileiros, que colocaram boa parte de suas reservas financeiras na compra de apartamentos nesse edifício, já davam como certo que iriam conviver em harmonia com a família Silva, que gozariam até de mais segurança, tomariam uns drinques ou jogariam uma boa pelada com Lula na praia. É o que relataram, em 2011, aos procuradores públicos de São Paulo que investigam a Bancoop. Que desilusão! Agora, sem a presença de Lula, o mais provável é que os condôminos tenham de conviver com as aparições do japonês ou de seus colegas da Polícia Federal, porque o ex-presidente também é investigado pelo petrolão.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.coam

São Carlos

*

A JUSTIÇA DOS ‘MAIS IGUAIS’

O Sindicato dos Advogados de São Paulo decidiu na manhã de quarta-feira entrar com pedido de processo no Conselho Nacional de Justiça contra o juiz Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato. A representação disciplinar foi requerida por Roberto Teixeira, um dos advogados de Lula. Será corporativismo e este “estreito relacionamento” dos sindicatos com o PT o real motivo das investigações das denúncias dos crimes financeiros praticados pelos dirigentes da extinta Bancoop não terem chegado a qualquer conclusão após mais de dez anos de “investigações”? Talvez o interminável processo sobre a Bancoop também devesse ser transferido para a equipe do juiz Sérgio Moro, para que os bancários prejudicados pela diretoria da extinta Bancoop possam ser atendidos pela Justiça “para todos”. Todos são iguais perante a lei, porém no Brasil parece que alguns são “mais iguais”.

Vagner Ricciardi vb.ricciardi@gmail.com 

São Vicente 

*

REFÉNS

O sr. Lula “Jararaca” da Silva esbravejou que, se querem briga (devia referir-se à Justiça e à imprensa), ele iria para a briga e convocou, então, suas tropas do MST, da CUT, da UNE e a militância lulista. Na sequência das palavras de ordem lulistas, a turma da CUT e a militância trataram de distribuir sopapos em repórteres e operadores de câmera de TV, agrediram manifestantes contrários, mostraram o dedo do meio para jornalistas e passaram uma semana atarefadas nas redes sociais, ameaçando o juiz Sérgio Moro de morte, fato documentado e investigado pela Polícia Federal. Os que vão às ruas amanhã também sofreram ameaças e tentativas de intimidação, não só dos militantes e cutistas, como de ex-ministros e do líder do PT. A outra tropa, a do MST, esforçou-se para mostrar serviço, invadindo uma emissora da Rede Globo, destruindo mudas e incendiando galpões da Araucar, fazendo repórteres de reféns e ameaçando fechar as estradas do País. Uma semana depois do chamamento de Lula à baderna, o Ministério Público de São Paulo pediu sua prisão, para garantir a ordem pública. E, então, o que se ouviu? Supostos opositores, “analistas” e gente de jornalismo choramingaram que aquele pedido será um exagero, que não há motivos para tanto! Pois bem. O cidadão comum, aquele que está sendo ameaçado diariamente por esta turba, quer saber: o que é necessário, ao ver destes senhores, para que se justifique um pedido daqueles? Uma morte? Um grande quebra-quebra? Políticos andam com seguranças. Jornalistas têm atrás de si os veículos que os empregam e os holofotes que os iluminam, caso sejam agredidos. Nós não temos nada disso. Só temos a polícia e a lei. Se ela não pode ser aplicada porque Lula vai se fazer de vítima – como sempre – ou porque os petistas ameaçam atentar contra a ordem pública se ele for preso, só se pode concluir que estamos todos reféns de Lula. Qual seria o preço da nossa liberdade?

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com 

Florianópolis

*

PAULADA

A autodeterminação “jararaca” é perfeita para Lula. De “Lula paz e amor” ele não tem absolutamente nada. Era a cobra peçonhenta travestida de “alma mais honesta do Brasil” (para os inocentes que na época acreditaram). Acuada pelas evidências descobertas, a jararaca se revelou e, agora, morre de medo de levar uma paulada na cabeça, da Justiça e do povo brasileiro. A cobra está tão amedrontada que é capaz de aceitar o cargo de ministro oferecido por Dilma Rousseff para fugir da Justiça de São Paulo e da de Curitiba. Quer ficar em Brasília, de matas conhecidas e cheia de esconderijos políticos. Proteger-se na barra da saia de Dilma ou com o apoio de outros petistas inescrupulosos de nada adiantará. Cedo ou pouco mais tarde, a paulada na cabeça virá e a jararaca sucumbirá. O que não falta é brasileiro decente ávido por dar essa paulada. Inclusive eu.

Marco A. da Silva Finoti marco.finoti@gmail.com

São Paulo

*

UM MINISTÉRIO PARA LULA

Mais uma vez o ex-presidente autodenominado jararaca está querendo nos tratar como idiotas declarando que pode aceitar o cargo de ministro, para ajudar a presidente, que já não governa, e não como manobra para fugir da polícia. Tudo porque não tem como responder às acusações que se acumulam contra ele. A verdade  é que a maioria dos brasileiros não vai mais na lábia deste comprovado corrupto e ladrão do povo de quem ele se proclama defensor. Só há uma resposta: reunir as provas necessárias para enjaulá-lo.

Carlos Ney Millen Coutinho cncoutinho@uol.com.br 

Rio de Janeiro

*

UM BOM CARGO

Sugestão: Lula para o Ministério da Justiça! O cargo está vago, é a jararaca mais honesta do Brasil e poderá influenciar a Polícia Federal! É só a “presidenta” usar a caneta.

Francisco de Castro fcastro48@gmail.com 

São Paulo

*

NUMA ÚNICA CANETADA

Cenário surrealista que deve estar passando pela cabeça de nossa presidente, Dilma Rousseff: o titular do Ministério da Justiça renunciará ao cargo e, com a vacância, será nomeado o sr. Luiz Inácio, afinal, ele é o brasileiro de alma mais honesta que existe. Pena que seja só a alma. Com isso ela resolverá vários problemas com uma única canetada: vai dar ao padrinho foro privilegiado, livrando-o da justiça implacável do juiz Sérgio Moro; vai enquadrar a Polícia Federal, pois o homem pode colocar seu filho como novo superintendente; e, ao mesmo tempo, vai acalmar o povo, pois daí para a frente teremos a justiça em benefício exclusivamente do povo... “delles”. 

Roberto Luiz Tibiriçá rltibirica@yahoo.com.br 

Itu

*

FINAL MELANCÓLICO

Meu Deus, que final de carreira melancólico está tendo Lula da Silva, que teria tudo para ser um grande presidente, se honesto e idealista fosse e se realmente desejasse o bem do povo brasileiro, e não apenas o poder pelo poder, utilizando a máxima do vale-tudo para justificar seus interesses, os mais escusos, travestidos de ideológicos. Sinto tristeza, sim, porque, se Lula fosse uma pessoa de bem, hoje o Brasil seria respeitado e poderia estar entre os países mais desenvolvidos do mundo. Lula traiu o povo brasileiro e isso é algo que não se pode nem se deve perdoar. Que ele deixe logo a vida pública. Ele haverá de ouvir em alto e bom som o repúdio do povo, seu grito rouco entalado na garganta, nas ruas amanhã, dia 13 de março, em todo o território nacional. 

Eliana França Leme efleme@terra.com.br  

São Paulo

*

LAMBUZANÇA

Este sítio e apartamento usados como depósitos  de tal quantidade 

de containers, o mal explicado tríplex, as ricas amizades e palestras milionárias formam mesmo uma grande lambança, uma lambuzança!

Tharsis Silveira Barros  tharsissilveira@bol.com.br 

Araçariguama

*

O HONESTO

 

Lula agora não vai mais fazer palestras. Vai ficar ocupado todos os dias processando jornalistas.

Alessandro Lucchesi timtim.lucchesi@hotmail.com

Casa Branca

*

AS PALESTRAS DE LULA

Lula diz que cobra caro porque vale muito. Madre Teresa de Calcutá e Nelson Mandela nunca cobraram tanto por suas palestras, fizeram mil vezes mais obras para seus povos e hoje brilham no panteão da humanidade. Este sr. Lula quer enganar quem? Será que julga que somos 204 milhões de idiotas?

Carlos Ernesto Cabral de Mello cabral.porto@uol.com.br 

Jundiaí

*

PALESTRAS MILIONÁRIAS

Não sei como é em outras profissões, mas os médicos estrangeiros que vêm fazer palestras, participar de congressos ou difundir suas descobertas em São Paulo não recebem nada, exceto passagem de avião, transporte, cama e comida. Ficam hospedados em apartamento standard, em geral num hotel de 3 ou 4 estrelas, a menos que a reunião seja realizada num hotel de 5 estrelas. Só Lula recebe milhões para falar.

Jenner Cruz jenner_helga@uol.com.br 

São Paulo

*

NINGUÉM VIU

Segundo informações da Procuradoria federal, o sr. Lula recebeu valor acima de R$ 9 milhões referente a palestras realizadas; e, em razão delas, gostaria de saber quando, onde e qual o tema dessas palestras, que nunca foram anunciadas e ninguém nunca ouviu falar. 

Douglas Jorge douglasjorge@terra.com.br 

São Paulo

*

RENAN E A CONSTITUIÇÃO FEDERAL

Emblemática a imagem do impoluto Renan Calheiros oferecendo o texto completo da Constituição federal ao “alma mais honesta” do País, pois que esse triste senador jamais a respeitou, dado que enfrenta seis processos investigatórios, já teve de renunciar por improbidade e vendeu-se à competente Dilma e Lula. Talvez não saiba que seja inconstitucional utilizar jatinho oficial para fazer implante de cabelo ou mesmo sustentar um filho fora de seu casamento com dinheiro de empreiteiras, e por aí vai. Guardadas as devidas proporções, seria como oferecer uma “Bíblia” ao diabo. Senador, não nos faça pegar nojo.  

João Batista Pazinato Neto Pazinato51@hotmail.com

Barueri

*

PRESENTE ERRADO

Estou tentando entender a razão pela qual o presidente do Senado presenteou o sr. Luiz Inácio com o livro da Constituição do Brasil. Primeiro, porque é público e notório que Luiz não gosta de leitura. Segundo, foi deputado constituinte e presidente do País por oito anos e não conhece a Constituição? Terceiro, não adianta ler, pois não vai entender, porque é incapaz de interpretar um texto. Eu concordo e dou inteira razão a Luiz quando ele afirmou que na Câmara dos Deputados havia 300 picaretas, ele era um deles e, depois disso, só piorou, vive fugindo de tudo e de todos, só cria caso e faz apologia à guerrilha. Lamentável 

José Fernandez Rodriguez rodriguez1941@gmail.com

Santos

*

FAMILIARIDADE

Quando Lula recebeu de Renan uma cópia da Constituição federal, evidentemente, não familiarizado com ela, pensou tratar-se de uma história bibliográfica, por sinal muito rica, do seu time de coração. Agradeceu e disse “viva o Itaquerão!” e “vai Corinthians!”.

Claudio A. S. Baptista clabap45@gmail.com

São Paulo

*

LEITURA

Renan Calheiros ofereceu a Lula uma cópia da Constituição federal. Agora, só falta encontrar uma pessoa que leia para ele.

Attilio Cerino attiliocerino@yahoo.com.br

São Paulo

*

UMA CONSTITUIÇÃO PARA LULA

O Renan está 13 anos atrasado. E o presente deveria ser em CD.

Ademar Birches Lopes ademarblopes@hotmail.com 

Ribeirão  Preto

*

‘A INTENÇÃO DO CARNAVAL’

Sou leitor e admirador do “Estado de S. Paulo” desde 1985. Lá se vão mais de 30 anos. Sempre admirei o estilo, a isenção e a seriedade do jornalismo praticado pelo “Estadão” e seus articulistas. Gostaria de expressar minha manifestação de surpresa e até aborrecimento com seu articulista, o sr. Luis Fernando Veríssimo, no artigo de quinta-feira, “A intenção do carnaval” (10/3, C10). Há tempos tenho notado um viés anti-PSDB e totalmente favorável ao Partido dos Trabalhadores (PT) nos artigos deste senhor. De uns tempos para cá, porém, essa linha tem-se intensificado e culminou no artigo acima mencionado, desqualificando o digníssimo juiz Sérgio Moro, a Polícia Federal e o Ministério Público na ação de condução coercitiva do ex-presidente Lula na última sexta-feira. Acredito que o sr. Luis Fernando esteja prestando um desserviço ao País e aos leitores com estes artigos de visão estreita, tendenciosos e recheados de opiniões que, na maior parte das vezes, carecem de embasamento razoável. Imagino que ele esteja padecendo do mesmo mal de muitos simpatizantes do PT, de Lula e de seus companheiros. Estão hoje cegos à bandalheira que tomou conta da economia, da política e da moral deste país. Estão cegos e negam o tempo todo, tentando defender o indefensável. Imagino que, com a evolução das investigações da Operação Lava Jato e de outras, com o indiciamento e a prisão de muitos envolvidos nas negociatas e falcatruas – sendo boa parte advinda das hostes petistas –, o sr. Luis Fernando passará a escrever com maior virulência suas opiniões parciais e dissonantes da realidade. O artigo de quinta-feira me lembrou o chamamento de Lula após sair do depoimento à Polícia Federal, das suas tropas ao ataque.

Ricardo Ruhland ricardoruhland@terra.com.br

São Paulo

*

RADICALIZOU

Sabemos da simpatia que o sr. Luis Fernando Veríssimo tem pelo sr. Lula, o que é perfeitamente natural numa democracia. Mas criticar o juiz federal Sérgio Moro pela Operação Aletheia (“em busca da verdade”) é radicalizar, como o sr. Lula gosta de fazer. A ação deveu-se – conforme noticiado – pela recusa do sr. Lula em sair para prestar depoimento em outro local por segurança. O que a meu ver foi acertado, pois existiam manifestantes até com guarda-sóis vermelhos na frente do prédio do ex-presidente, indicando saberem com antecedência da operação. O sr. que faz a comparação pensou em qual seria a atitude do FHC naquela situação?

Neuza Novelli Bianchini anbianchini@uol.com.br 

Santo André

*

O HERÓI ERRADO

Oh, Veríssimo, deveria ler o jornal em que trabalhas. Lula sistematicamente dava um jeito, com seus advogados, de não depor. E, depois, não foi algemado. Podias escolher outro herói.

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com 

São Paulo

*

FÉ CEGA

Sr. Veríssimo, para o seu “A intenção do carnaval” e para entrar no ritmo, lembrei-me da música que diz “tanto riso, óh, quanta alegria, mais de mil (lhões) palhaços no salão (Brasil)!”. Respeito a gente tem por quem se faz respeitar, o que não é o caso do ex- torneiro mecânico que se acha o intocável e, se contrariado, fala palavrão desrespeitando a todos, principalmente sua história. Acorde!

Tania Tavares taniatma@hotmail.com 

São Paulo

*

SINTO MUITO

É inacreditável que Veríssimo “filho”, com tanto talento, pudesse escrever tal coisa (10/3, C10). O pior é que não é apenas um pensamento, é uma publicação indelével, que fica para sempre. Parece incrível que ele não possa ter imaginado que poderia estar defendendo o indefensável. O amanhã poderá mostrar uma incomensurável ingenuidade, para não imaginar o pior. É lamentável que Veríssimo “pai” não esteja mais aí, para poder pajear o filho. Respeito opiniões, mas sinto muito.

 

Ulysses Fernandes Nunes Jr Ulyssesfn@terra.com.br 

São Paulo

*

NINGUÉM ESTÁ ACIMA DA LEI

Em sua crônica “A intenção do carnaval” (“O Estado de S. Paulo”, 10/3, C10), Luis Fernando Veríssimo afirma que “a condução coercitiva determinada pelo Moro foi, mais do que um circo desnecessário, uma ilegalidade. Pela lei, a condução coercitiva é usada quando uma intimação não é atendida. Não foi o caso de Lula, que já havia prestado depoimento três vezes, sem necessidade de força”. Não foi bem assim, caríssimo Veríssimo. O nosso mesmo “Estadão”, em sua edição de 29/2, publicou que “Para evitar audiência com promotor, Lula entrega sua versão por escrito sobre tríplex no Guarujá”. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva protocolou na segunda-feira, 29/2, documento no Ministério Público do Estado de São Paulo por meio do qual apresenta sua versão sobre o tríplex 164/A do Condomínio Solaris, no Guarujá, que ele nega ser o proprietário. Ainda naquela segunda-feira, 29/2, a defesa de Lula impetrou habeas corpus no Tribunal de Justiça de São Paulo pedindo liminar para que ele não seja conduzido coercitivamente à Promotoria. O pedido dos advogados do petista ainda não foi distribuído na Corte. Com essa estratégia – “explicações escritas” –, o petista busca esclarecer dúvidas sobre o imóvel levantadas na investigação conduzida pelo promotor de Justiça Cássio Conserino, que intimou Lula para depor na quinta-feira, 3/3. O promotor também intimou a ex-primeira-dama Marisa Letícia e o filho mais velho do casal, Fábio Luiz. Em nota, o Instituto Lula destacou que o ex-presidente e Marisa Letícia “prestarão todos os esclarecimentos por escrito, e não em audiência”. Conserino já havia intimado uma primeira vez o ex-presidente para depor no dia 17 de fevereiro. Mas uma liminar obtida pela defesa do petista no Conselho Nacional do Ministério Público barrou o depoimento de Lula. Na semana passada, o Conselho, por unanimidade, autorizou a continuação das investigações no âmbito da Promotoria paulista. Na sexta-feira, 26/2, Conserino reintimou o ex-presidente. Na segunda, 29/2, o Instituto Lula divulgou nota em que afirmava que “os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de sua esposa, Marisa Letícia, protocolaram junto ao Ministério Público de São Paulo as explicações escritas a respeito da investigação sobre o apartamento tríplex, no Guarujá”. “Os esclarecimentos foram enviados em decorrência de novo depoimento marcado pelo promotor de justiça Cassio Conserino, para o próximo dia 3.” Segundo o documento protocolado, Lula e Marisa prestariam todos os esclarecimentos por escrito, e não em audiência. A defesa apresenta três alegações: 1) houve infração da norma do promotor natural. O artigo 103, XIII, §2.º, da Lei Orgânica do Ministério Público do Estado de São Paulo prevê a necessidade de distribuição de representação criminal a um dos promotores de Justiça da área. No caso concreto não houve essa distribuição, como reconheceu o Conselho Nacional do Ministério Público em julgamento realizado no dia 23 de fevereiro de 2016. Os advogados do ex-presidente Lula e de dona Marisa farão o questionamento judicial sobre esse aspecto, o que é cabível segundo a própria manifestação do CNMP naquela oportunidade; 2) houve prejulgamento ou antecipação de juízo de valor. Em entrevista à revista “Veja” de 22 de janeiro de 2016 o promotor de Justiça Cássio Roberto Conserino afirmou, de forma incisiva e peremptória, que iria denunciar o ex-presidente Lula e dona Marisa, embora o procedimento investigatório não estivesse concluído e não tivesse sido dada a eles a oportunidade de manifestação. A nova audiência consiste num mero formalismo, verdadeiro contraditório burocrático; 3) faculdade e não obrigação. O artigo 7.º, da resolução Conselho Nacional do Ministério Público n.º 13/06 estabelece em seu artigo 9.º uma faculdade ao investigado de prestar informações e essas informações já foram prestadas pelo ex-presidente Lula e por dona Marisa de forma escrita e acompanhada de documentos ao promotor de Justiça Cassio Roberto Conserino. “O ex-presidente e sua esposa manifestaram, ainda, o desejo de prestar depoimento à ‘autoridade imparcial e dotada de atribuição, que respeite os princípios do promotor natural’, segundo consta no documento protocolado”, finaliza a nota divulgada pelo Instituto Lula”. Informações tiradas do jornal “O Estado de S. Paulo de 29/2. Se não foi por bem, foi por mal. Daí o carnaval.

Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

*

QUEM ERROU?

Leitor assíduo do “Estadão”, estranhei o texto de Luis Fernando Veríssimo de 10/3, sobre a condução coercitiva de Lula. “(...) Já havia prestado depoimento três vezes sem necessidade de força (...).” Ou a mídia anda me enganando ou o sr. Veríssimo anda desatualizado.

José A. Biral biralja@hotmail.com  

Lençóis Paulista

*

SE NADA DEVE...

Na sexta-feira em que Lula prestou depoimento à Operação Lava Jato, aquele que antes se intitulava a alma viva mais honesta deste país e, depois, se declarou a “jararaca” que continuava viva, em arenga para a militância, discorreu sobre sua mágoa por ter sido submetido à humilhação de ter sido conduzido “sob vara”. Em sua coluna de quinta-feira, que ocupava 1/5 de página do “Caderno 2”, Luís Fernando Veríssimo afirma que “o Lula, pela sua história, pelo que ele representa, deveria ter outras considerações além da pequena regalia de não precisar usar algemas. Ou, talvez, a intensão do carnaval fosse esta mesmo, a de mostrar para esta gentinha metida a grande coisa que só porque foi presidente, o ex-torneiro mecânico que idolatram, com sua adega de vinhos caros e os pedalinhos pras crianças, mereça algum respeito” (sic). Não sei por que a referência à gentinha metida a grande, aliás, é dele, Veríssimo, a opinião. Corrijo ambos, Veríssimo e Lula. Veríssimo, para lembrar que quem se diz possuidor de uma biografia respeitável deveria, antes de qualquer ato menos nobre, avaliá-lo e privar-se de praticá-lo. A biografia obriga à grandeza de dispensar regalias, e não de exigi-las. A Lula, lembrar que, se nada deve, nada pode alquebrar seu amor próprio, nada pode lhe causar mágoa. Ele não passou por um corredor polonês, ao sair de seu lar para o veículo que o conduziria a Congonhas, nem ao deixá-la para dirigir-se à sala vip onde prestou depoimento. Se nada deve, o sentimento que a biografia lhe provoca deve ser de altivez, de altaneria.

Carlos Rodrigues Lourenço carlosrlpericias@hotmail.com 

Santos

*

A INDIGNAÇÃO DE VERÍSSIMO

Luis Fernando Veríssimo não perde o cacoete de sutilmente defender estes governantes e atacar os governos militares. Como uma pessoa culta, viajada, excelente escritor, pertencente à mais alta “elite”  deste país – pelos seus artigos, imagino que viaje muito pelo mundo –, não percebeu ainda que o socialismo/comunismo não deram certo em lugar nenhum do mundo? Considerar que um cidadão, por maiores cargos que tenha exercido ou por mais empregos e riquezas que tenha gerado (não é o caso de nosso ex-presidente), não pode ser intimado a depor ou prestar depoimentos, é como se fosse verdade que este procedimento é contra a lei. Em que lei ele se baseou? Por que não se indignou quando outros o foram? E querer achar que algumas medidas tomadas que deram certo em seu infeliz governo sejam alvará para livrá-lo de todo roubo, desvio e malversação de recursos, doação de recursos para outros países, é simplesmente um absurdo. O abuso que o sr. Lula da Silva praticou contra a população deste país, estando envolvido, segundo as investigações publicadas pela imprensa, em todos os desvios, roubos, favorecimentos ilícitos,  além de suspeitas de ocultação de patrimônio, recebimento de vantagens (parece que sua família em grande parte mora em imóveis “emprestados” de amigos), o qualificam para ser intimado, e, caso se negue, como aconteceu, tendo pedido vários adiamentos e negativas, que tenha sido conduzido  coercitivamente, pois, caso contrário, provavelmente não iria mesmo. Continuaria rindo da população honesta.

Rubens Sousa Pinto rubanfilho@hotmail.com 

São Paulo

*

TRISTE

Para quem sonha com um Brasil mais decente, é triste ver uma pessoa estudada e culta como Luis Fernando Veríssimo diminuir o juiz Sérgio Moro para defender Lula. A comparação entre os casos Lula e FHC em “A intenção do carnaval” (10/3, C10) só é boa para confundir o leitor.

Euclides Rossignoli euclidesrossignoli@gmail.com 

Avaré

*

A DEFESA DO ‘BRAHMA’

É compreensível que alienados e comprometidos continuem idolatrando o “Brahma”. Agora, o que é difícil de compreender é o sr. Veríssimo, brilhante escritor, culto e inteligente, insistir na defesa deste  nefasto cidadão.

Sergio Cortez cortez@lavoremoveis.com 

São Paulo

*

O ARGUTO ARTICULISTA

Será que nenhuma das mentiras de Lula, ditas ao longo de toda a sua trajetória política e que enganou tanta gente a ponto de conseguir ser eleito por duas vezes presidente da República, foi notada pelo arguto Luis Fernando Veríssimo? Ou é mais uma de suas piadas dizer que “a condução coercitiva determinada pelo Moro foi, mais do que um circo desnecessário, uma ilegalidade”?

 

Roberto Bruzadin bobbruza@terra.com.br 

São Paulo

*

VERÍSSIMO

Os comentários da coluna de Veríssimo de quinta-feira deram um pouco de dignidade ao “Estadão”.

Marcelo Lellis marcelo.lellis@gmail.com 

São Paulo

*

ÉTICA NO CONGRESSO

Depois do que tem acontecido no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, na apreciação do processo da cassação do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e, principalmente, pelo que aconteceu na reunião em que houve suspeita de assinatura de deputado não ser a própria, não é hora de pensar em acabar com os Conselhos de Ética e as Corregedorias do Congresso? O circo que se faz e se forma já justifica isso. Corregedorias e Conselhos de Ética do Congresso têm de ser compostos por membros da sociedade civil. Têm de ser por membros que não têm nenhum compromisso com os deputados e senadores, pelo contrário, eles é que têm, e seria mais justo, afinal, os que os elegeram os julgariam.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 

Rio de Janeiro

*

TEMER X CUNHA

É inacreditável que o PMDB de Michel Temer continue dando apoio e cobertura a Eduardo Cunha. A morosidade da Justiça não pode ser usada para explicar por que até agora Eduardo Cunha não sofreu qualquer punição ou questionamento de seu partido. Mesmo com a estarrecedora avalanche de evidências, provas e a confissão de culpa de Cunha, que além de responder a três inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF), já admitiu que tem dinheiro não declarado em contas secretas na Suíça, apresenta sinais de riqueza completamente incompatível com a renda declarada, Cunha continua sendo prestigiado e aparecendo com destaque na propaganda política do PMDB. A única explicação possível é que Cunha deve saber de algo muito comprometedor contra Temer e o PMDB e já avisou que não cairá sozinho. O futuro do País é sinistro no cenário pós impeachment com Temer e Cunha no poder. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br 

São Paulo

*

OPERAÇÃO LAVA JATO

O empreiteiro Marcelo Odebrecht foi condenado a 19 anos de prisão por corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa. Também foram sentenciados pelos mesmos crimes, outros atores da mesma organização criminosa (9/3). Esse pessoal pertence à periferia, mas e o núcleo da organização que tomou de assalto a Nação brasileira? Existem, sim, empresas que oferecem vantagens para conseguir contratos com o governo, porém, na maioria das vezes, atendem a pedidos. Nesta situação atual, Marcelo Odebrecht devia pensar seriamente na sua empresa, na sua família, afinal, se cumprir os 19 anos de prisão, será uma perda irreparável de convívio familiar e, então, vestir a roupagem de bom brasileiro, de patriota e convidar os seus pares de outras empreiteiras para colocar um ponto final na corrupção que se tornou um câncer a corroer o nosso país. Marcelo, fale, a verdade salva, senão da sua condenação, pelo menos da sua alma, pense em seus familiares que, provavelmente, nunca aceitaram esse estado de coisas. Fale.

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

NOVO NOME

Atualmente, a “Lava Jato” já deveria ter mudado o nome para “Limpa Fossa”.

Fernando de Mattos Barretto fmbar@terra.com.br

São Paulo

*

‘A CRISE DO RESPEITO À LEI’

Finalmente, leio uma equilibrada descrição da sociedade brasileira escrita pelo almirante Mario Cesar Flores (“A crise do respeito à lei”, 10/3, A2). Ele foi feliz ao sair do lugar comum nos textos da página 2 do “Estadão”. Rotineiramente, os autores nesta coluna usam floreados, citações rebuscadas para vociferar contra partidos e pessoas oponentes. Lendo, eles me lembram as disputas infantis: “quem pisar primeiro na risca xinga a mãe do outro”. Agora, o almirante Flores conseguiu o resumo virtuoso de nossa realidade atual, mostrando o dedo de cada um remexendo essa panela de desacerto da atualidade brasileira. A descrição da situação é o primeiro passo para nos orientarmos e, sabendo o destino desejado, para organizar nossas prioridades e trabalhos. O artigo deve servir de pauta ao debate através do jornalismo de qualidade.

 

Fabio Gino Francescutti fabiogino565@gmail.com  

Rio de Janeiro

*

O TIRO DE GERALDO ALCKMIN

Parece que as derrotas nas últimas eleições presidenciais não serviram para demonstrar ao governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP) que ninguém chega a lugar algum sem união e comunhão de pensamentos. Não bastasse a briga fratricida no seu partido para a escolha do candidato a prefeito de São Paulo, o governador tem se aproximado dos bandalheiros do MST e agora posa ao lado de Paulo Maluf. Mais do que decepção, é muito tiro no pé ao mesmo tempo.

  

Domingos Cesar Tucci d.ctucci@globo.com 

São Paulo 

*

QUE CANDIDATO É ESTE?

O que esperar do nosso futuro, se um dos possíveis candidatos à Presidência, sr. Geraldo Alckmin, com o intuito de marketing pessoal, declarar, de forma irresponsável, o fim da crise da água, crise esta provocada pelo governo dele, por causa de total falta de planejamento? Que candidato é este que pipocou no assunto Petrobrás em 2006, quando tinha tudo para ganhar as eleições, quando foi questionado pelo “grande Lula”? Que candidato é este que não defendeu o legado de Fernando Henrique? Que candidato é este que em 2004 teve o apoio de Garotinho e hoje tem o apoio de Maluf? Que candidato é este que não consegue gerir o Metrô e a CPTM, sempre com problemas, quando deviam funcionar, em termos de manutenção, como aviões? Que candidato é este que abandona obras que foram contratadas junto das empreiteiras da Lava Jato, que já receberam o principal? Pobre país o nosso, por temos estes políticos como perspectiva.

JF Herbabuena jfherbabuena@gmail.com 

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.