Fórum dos Leitores

O BRASIL NAS RUAS

O Estado de S.Paulo

15 Março 2016 | 04h00

Protesto histórico

Foi um dia histórico! O que vi na Avenida Paulista foi um ato de cidadania jamais visto na História do Brasil. A quantidade de famílias com suas crianças foi impressionante. Não ouvi discursos de ódio, apenas a indignação de um povo que se cansou de ser enganado e não suporta mais viver sob um partido que, em prol de seu projeto de permanência no poder, jogou na miséria aqueles que dizia defender. O PT dirá que ali estava a “elite branca”, numa tentativa de nos dividir. Bobagem. Vi brasileiros que, como eu, se decepcionaram com o partido que, quando almejava o poder, dizia não roubar nem deixar roubar, mas por ganância e incompetência nos jogou na maior crise em décadas. Um povo que se cansou da balela de que o PT tirou milhões da miséria. Basta ver as notícias sobre o estado da nossa saúde e educação. Basta ver como estão os que confiaram no marketing da campanha eleitoral, que mostrou um País que não existia. Aquele prato de comida que João Santana ardilosamente retirava da mesa dos pobres realmente sumiu com a volta da inflação e do desemprego. Aquele carro vendido em até 72 prestações ficou impagável. Os preços dos alimentos não permitem a ilusão, só não vê quem não quer. E a corrupção? Nunca partido algum ousou tanto! A certeza da impunidade era tanta que mesmo após o mensalão – que por omissão das oposições e a atuação de muitos ministros do STF teve um resultado pífio – a sanha prosseguiu. E Dilma Rousseff? Coração valente, para tantos petistas, mostrou-se de uma arrogância ímpar e de uma incompetência brutal! Foi embrulhada para presente como grande gestora e o resultado está aí, para quem quiser ver. Quanto a Lula – em quem um dia votei, como tantos outros que acreditaram que alguém que sofrera na pele as dificuldades a que os mais pobres eram submetidos faria de tudo para melhorar a vida das pessoas –, o que vimos? Um ser abjeto, picado pela mosca branca da vaidade! Lula mudou? Não, aquele Lula em quem votei nunca existiu, era, como Dilma, um produto de marketing. A ganância e o poder tiraram-lhe o verniz. E do estadista que passaria para a História sobrará apenas o delinquente comum, corrupto como aqueles a quem se aliou ao chegar ao poder. Hoje temos a chance de retomar nosso destino de país livre da militância paga, das bandeiras vermelhas, dessa gente que invade propriedades e manipula consciências. Domingo foi só o começo. O povo ordeiro e trabalhador, sim, passará à História como a brava gente brasileira que se recusou à servidão por uma causa que não era sua, pois nossa Bandeira jamais será vermelha!

ROSE L. GATTI

rose@brancanteseguros.com.br

São Paulo

Manifestação retumbante

Presidenta Dilma, respeitosamente, está esperando o quê?

MARCOS CATAP

marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

‘Veni, vidi, vici’

Ó Dilma, Lula e PT, viemos, vimos, vencemos, tchau!

CARLOS ALBERTO ROXO

roxo.sete@gmail.com

São Paulo

Pela culatra

Lula tentou se proteger dividindo a Nação entre “nós” e “eles” e a resposta veio de forma eloquente nas ruas, neste domingo. “Eles” se fizeram entender claramente e não será mais possível dizer: “Fomos absolvidos nas urnas”. Triste, mas bem merecido fim para o lulopetismo.

PAULO DE A. PRADO

pprado999@gmail.com

São Paulo

Pixuleco

Confesso que subestimei a capacidade de mobilização de Lula, quando de sua manifestação depois do depoimento na Polícia Federal. Domingo pude constatar a popularidade dele no Brasil e no exterior, bem como a unanimidade dos manifestantes pedindo a sua prisão e expondo o Pixuleco, vestido de presidiário.

WALTER SANT’ANNA ZEBINDEN

zebinden@terra.com.br

Campinas

Praga

Tal como o mosquito, o PT não é mais forte que a vontade da maior parte do povo brasileiro!

CELSO NEVES DACCA

celsodacca@gmail.com

São Paulo

Cegueira política

O ministro Jaques Wagner, da Casa Civil da Presidência, é um desses que sofrem de cegueira política, pois ele “não entendeu bem” o motivo da megamanifestação realizada no domingo em todo o Brasil. Não foi um fato isolado que levou as pessoas às ruas, mas sim o pacote completo do que o petismo fez com o Brasil, com uma corrupção absurda, incompetência geral e irrestrita e a falta de civilidade construída ao longo destes 13 anos. Esse ministro deveria abster-se de mencionar o juiz Sergio Moro, um homem honrado e patriota, cujo nome o sr. Wagner não é digno de pronunciar.

ADEMAR MONTEIRO DE MORAES

ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

Jogo de palavras

Quero mandar um recado ao sr. jaques wagner (com minúsculas mesmo, coerentes com sua estatura moral): por favor, pare de fazer jogo de palavras, que só enganam os bobos de sempre. O juiz Sergio Moro não fez plano de criminalizar a política, ele fez plano de criminalizar os criminosos.

JOSÉ ROBERTO VIEIRA

jrdsvieira@gmail.com

São Paulo

Crenças do compositor

O sr. Jaques Wagner não acredita nas manifestações espontâneas... É mesmo? Em que acredita, então, o sr. compositor? Nas palavras de seu mentor Lula? Ótimo. Continue assim.

MARIA TEREZA MURRAY

terezamurray@hotmail.com

São Paulo

Primeira página

Estou sem palavras para elogiar e dizer da minha emoção ao ver a primeira página do Estadão desta segunda-feira. A Avenida Paulista tomada de verde e amarelo estava demais!

DINÁ DE CARVALHO PALMA

rcpalma@uol.com.br

São Manuel

Basta!

Quando uma imagem fala mais do que mil palavras... Ou melhor, fala por 1,4 milhão de pessoas que foram à Paulista (representadas simbolicamente na capa do Estadão de ontem) e às ruas por todo o Brasil, de forma democrática e pacífica. A mensagem que todos querem expressar é: chega de corrupção, chega de roubalheira e chega de desgoverno de mentiras! Basta! Parabéns a todos os que foram às ruas no domingo passar a sua mensagem. Queremos o nosso Brasil de volta!

GIOVANI LIMA MONTENEGRO

giovani.limamontenegro@gmail.com

São Paulo

 

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

UMA PÁGINA HISTÓRICA

Pela maravilhosa foto de primeira página do “Estadão” de ontem (14/3), deu para perceber a dimensão da indignação do povo paulistano com tudo o que vem acontecendo neste desgoverno do PT há 13 anos. Na foto não foram computadas as pessoas que se encontravam nas ruas transversais e que não conseguiram chegar à Avenida Paulista. A deputada do PCdoB Jandira Feghali, em vídeo, tentou desmerecer nossa passeata, dizendo que havia ali apenas brancos, e não negros, que são a maioria do povo brasileiro. Mas, como ela não compareceu ao ato, não pôde verificar “in loco” que havia pessoas de todas as raças e credos, que gritavam principalmente por “princípios éticos”, esquecidos pelo PT e agregados no poder. Vamos ver dia 18/3 quantos sairão às ruas em apoio ao PT. As últimas pesquisas de avaliação do governo – 10% de aprovação – mostram que o povo pode ser pobre, maioria de raça negra, mas tem noção do que é honestidade e dignidade. O primeiro caderno do “Estadão” de segunda-feira será para guardar para a posteridade. Parabéns.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br  

São Paulo

*

MEMORÁVEL

 

Memorável a primeira página do “Estadão” de 14/3/2016. Sem uma única palavra, disse tudo com a força da imagem. Genial. Silêncio ensurdecedor. 13/3/2016. Parabéns ao “Estadão”, parabéns ao Brasil.

  

Sansão José da Silva sansao@sansaojsilva.com.br

Uberlândia (MG)

*

FESTA DA CIVILIDADE

Parabéns ao “Estadão” pela foto de sua capa de 14/3, mostrando a festa de civilidade, em verde e amarelo, na Avenida Paulista!

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com 

São Caetano do Sul 

*

‘ESTADAO’, 14 DE MARÇO

O ínclito e sempre lembrado jornal “O Estado de S. Paulo”, como um dos mais patrióticos da imprensa brasileira, mais uma vez confirmou essa honraria ontem (14/3), com uma foto de página inteira no primeiro caderno, sem nenhuma manchete a não ser a data “13/03/2016”. A foto é da passeata da voz das ruas de um povo sofrido contra o atual governo. Realmente, a foto dos paulistas desfilando com “máscaras, cartazes, camisetas e faixas” na tradicional avenida do mesmo nome fala por si só. Ela é tão expressiva, tão autêntica no que representa que dispensa qualquer manifestação por escrito. Ela é o “grito de protesto” do povo paulista contra o atual governo, que, ancorado por um nefasto partido (PT) e seu criador, há mais de uma década vem comprometendo e infelicitando econômica e politicamente nosso Brasil e seu povo. Ditas manifestações também se deram em diversas capitais brasileiras e até mesmo fora do País. Elas também qualificaram merecidamente o juiz federal que preside na primeira instância a Operação Lava Jato, Sérgio Moro, como herói nacional. Cumprimento o “Estadão” por esta reportagem que irá fazer parte da história política do nosso “Estado”, como foi o movimento constitucionalista de 1932.

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br  

Assis

*

PRIMEIRA PÁGINA

Parabéns ao “Estadão” pela inventiva, antológica e impressionante capa de 14/3. Será que o governo, o PT e os que ainda acreditam nesse partido entenderam?

Luciano Harary lharary@hotmail.com  

São Paulo

*

O BRASIL EM CRISE

Se associarmos o editorial de domingo do “Estadão” (“Chegou a hora de dizer: basta!”, 13/3, A3) com as manifestações que vimos por todo o Brasil, o povo está dizendo também: basta!

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com  

São Paulo

*

PROTESTOS DE 13 DE MARÇO

Domingo, 13 de março de 2016, foi a maior demonstração cívica que vi em minha vida. Parabéns ao povo brasileiro, honesto, pacífico e trabalhador. Dias melhores hão de vir!

Níveo Aurélio Villa niveoavilla@terra.com.br 

Atibaia

*

‘ISTO É DEMOCRACIA’

O interessante texto “Isto é democracia” (14/3, A12), de autoria de Marcelo Rubens Paiva, “um cara de esquerda”. Parece ser a manifestação de uma mente que se quer aberta à nova realidade que se impõe em nosso país. De fato, no decorrer da leitura, vemos alguém “do outro lado” reconhecer e elogiar a natureza altamente democrática da manifestação popular de 13 de março. Mas essa postura se compromete no longo parágrafo (nono) que faz o “mea culpa” do PT ao nomear apenas pecados “menores” – prepotência, arrogância, incompetência do governo Dilma, violência contra a imprensa – e omitir totalmente seu pecado mortal, a corrupção!

 

Eduardo Pedro Paulillo eppaulillo@gmail.com 

São Paulo

*

UMA LUZ

Apesar de todo este mar de lamas em que Brasil se atolou, hoje vejo uma luz no fim do túnel, uma luz verde e amarela que me faz acreditar que dias melhores virão. As manifestações em diversas cidades do País foram de arrepiar, foram de dar nó na garganta, foram pacíficas e de calar a boca daqueles que apostavam na desordem e na pancadaria. O apoio ao juiz Sérgio Moro foi comovente, e temos mais “Moros” por aí, para desespero de Lula & cia., que como ratos cogitam de se esconder da Justiça atrás de ministérios. O brasileiro aprendeu a ir para as ruas protestar, e este é um caminho sem volta, caminho da cidadania, caminho da democracia real, e não esta de faz-de-conta com que estávamos acostumados. No domingo, dormi com orgulho de ser brasileira!

Dalila de Mello Cardoso Vieira dalilamelloc@hotmail.com

Alfenas (MG)

*

ARREPIO

As massas entupiram as ruas e avenidas de nossas cidades, mas as que mais nos arrepiaram foram as da Avenida Paulista e da orla carioca. O povo consciente e ordeiro deu o recado, agora só falta desenhar a situação para alguns petistas que não se conformam com a realidade dura e insofismável. Nós, os “eles”, os “coxinhas”, somos os que empregam, trabalham e pagam os impostos que sustentam o aparelhamento lulopetista nos governos federal, estaduais, municipais e nas autarquias. As boquinhas estão prestes a serem fechadas.

Aloisio De Lucca aloisiodelucca@yahoo.com.br 

Limeira

*

SABEDORIA PARA OUVIR

Emocionante a participação popular que irmanou a todos: velhos, jovens,  brancos, pretos, pardos, orientais, ricos, remediados e pobres destacando sua insatisfação com o governo do PT e exaltando o juiz Sérgio Moro no domingo que passou. Trata-se do reconhecimento do trabalho honesto contra a hipocrisia marqueteira que vende produto de baixa qualidade como se especialidade fosse. O povo entende que este processo findou. Que nossos políticos estão dissociados da realidade popular, vivendo uma vida de fausto e privilégios. Aliás, privilégios e benesses de toda ordem, dividindo a sociedade em castas de beneficiários. O povo manifestante pede honestidade, união e competência para nos tirar do atoleiro. Estamos pior, assim estabelecem os PIBs de 2015 e de 2016. É possível melhorar. Saber ouvir é uma prática recomendada a líderes. Que os poderes escutem o clamor das ruas, hoje mais sábio que os líderes que nos conduzem.

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br  

Indaiatuba

*

PRECISAMOS DESENHAR?

Qual parte do recado que o Brasil mandou para Dilma, Lula e todo o PT e seus apaniguados não foi entendida? Qual “Fora Dilma”, “Fora PT”, “Fora Lula”, “Fora Corrupção” eles não conseguem processar? Se estavam esperando a voz das ruas, agora já a ouviram. Não há divisão no País, é quase unanimidade a vontade do povo, dos cidadãos de bem que trabalham e que pagam impostos que foram roubados, assaltados e espoliados. A fala da presidente se dizendo temerosa de haver violência demonstrou o medo deles e tinha direção certa. Era para que o povo ficasse fora das manifestações. Portanto, o “FORA” para todos eles quer dizer “FORA”! Será que é preciso desenhar?

 

Maria Tereza Murray terezamurray@hotmail.com

São Paulo

*

DIA HISTÓRICO

Confirmado: Lula, Dilma e o PT roubaram, sim, os sonhos dos brasileiros. Tentaram, mas não conseguiram, tomar para si a esperança nacional, mas a resposta foi dada no dia 13 de março. Quanto aos atos de “metimento da mão no alheio” e os casos de corrupção, o Ministério Público (Federal e Estadual), a Polícia Federal e o Judiciário decidirão.

Fábio Siqueira fabio.comendador@gmail.com 

Uberaba (MG)

*

O BOM COMBATE

Combatemos o bom combate, cumprimos o percurso e guardamos a fé, exatamente como reza uma das cartas do incansável apóstolo do cristãos. Neste momento difícil que atravessamos, com coragem, as palavras de Tancredo Neves, por ocasião da manifestação das Diretas Já, ainda ecoam em nossos ouvidos: “O poder emana do povo!”. Resta-nos saber se este desgoverno que aí está reconhece o que está acontecendo. Ou será preciso desenhar?

Ângela Aranha angela.aranha.arte@gmail.com 

São Carlos

*

NAS RUAS

O povo nas ruas, num grito uníssono, em alto e bom som: PT no olho da rua! Basta!

J. S. Decol decoljs@gmail.com 

São Paulo

*

VIVA O BRASIL

Senti o chamado, a força das ruas, não havia dúvidas, peguei minha bengala e fui para a Avenida Paulista. O sentimento foi maior, renasci, senti-me uma menina. Amo meu país. Viva o Brasil! Fora Dilma!

Mara Mendes maraherdade@gmail.com

São Paulo

*

NA AVENIDA PAULISTA

Por motivos profissionais, não moro mais na cidade de São Paulo. No domingo, vendo as manifestações na Avenida Paulista, mais uma vez senti orgulho de ser paulistano.

 

Pedro Ulysses Pedro pedroulysses@gmail.com

Campinas

*

SÃO PAULO

Paulistas e paulistanos, a favor da democracia e contra a corrupção. Avante, Brasil!

Hans Dieter Grandberg h.d.grandberg@terra.com.br 

Guarujá

*

DESTAQUE

Foi realmente linda a manifestação. São Paulo mostrou mais uma vez que não teme. Entre tudo o que vi estando lá, presente, uma coisa me chamou a atenção, pelo propósito. Tratava-se de uma foto ampliada de uma capa de carteira do trabalho, cujo portador falava em voz alta: “É a melhor arma a afastar o PT, eles fogem, do trabalho têm medo”.

Mario Cobucci Junior maritocobucci@gmail.com

São Paulo

*

CARRO-CHEFE

São Paulo, carro-chefe deste país, sempre esteve à frente para pôr nossa nação nos trilhos, e para isso fez a Revolução Constitucionalista de 1932, e com essa luta sofrida conseguimos alcançar os objetivos, apesar do fracasso no campo militar. Agora, São Paulo mais uma vez conseguirá, com sua força e sua gente trabalhadora (a classe média que a petista Marilena Chauí tanto odeia), tirar este desgoverno Dilma, Lula e de toda a tigrada petista do poder, para o bem da Nação.

Henrique Schnaider hschnaider4@gmail.com 

São Paulo

*

A ESTATÍSTICA DO DATAFOLHA

O Datafolha mente sem nenhum constrangimento. O jornal “Folha de S.Paulo” ontem afirmava que na Avenida Paulista, no domingo, havia 500 mil manifestantes, número maior do que o do comício das Diretas Já, em 1984. Mas quando se vai ao arquivo do jornal, vê-se que naquela época ele publicou que no comício das Diretas havia 1 milhão de pessoas. Está lá, no começo da matéria “Mais de 1 milhão de pessoas em silêncio, mãos entrelaçadas, braço para cima”. 

Grima Grimaldi grimagri@terra.com.br 

São Paulo

*

PESQUISAS

Curiosos os dados do Datafolha. Com números bem inferiores aos da Polícia Militar, que contabilizou 1,4 milhão de pessoas na Avenida Paulista. Mas mais curioso ainda foi dizer que a maioria dos manifestantes era da elite. Poderia muito bem ter colocado que eram os honestos contribuintes cansados de serem roubados, por exemplo. 

Mario Issa drmarioissa@yahoo.com.br 

São Paulo

*

OS ASTROS

Nas previsões astrológicas de Barbara Abramo, da edição da “Folha” de domingo (13/3), se dependesse dos astros, ninguém teria saído de casa. As recomendações iam desde “silêncio, calmaria e meditação”, para os arianos, até “redescobrir o calor do próprio lar”, para os agitados sagitarianos, e “curtir um cineminha”, para os piscianos, entre outras. Isso num clima em que Vênus e Marte prenunciavam “conflitos em dia delicado”. Então, no dia seguinte, lia-se na primeira página do mesmo jornal que, enquanto o maior ato político na história deste país teria atraído cerca de 1,4 milhão de inconformados com Dilma, o PT e Lula (segundo a Polícia Militar de São Paulo e o MBL), o Datafolha contabilizava pouco mais de 1/3 disso na Avenida Paulista. Definitivamente, há algo nos céus da “Folha de S.Paulo” além dos drones e dos astros do zodíaco.

João Manuel F. S. C. Maio clinicamaio@terra.com.br

São Paulo

*

ALCKMIN E AÉCIO NA PAULISTA

Geraldo Alckmin e o senador Aécio Neves, ambos do PSDB, foram hostilizados na Avenida Paulista no domingo, quando participavam no ato pró-impeachment da presidente Dilma. Pelo visto, nossa população está começando a acordar.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com 

Jandaia do Sul (PR)

*

LIÇÃO PARA A OPOSIÇÃO

A lição de domingo, 13/3, é esta: quer fazer oposição? Então faça na hora certa! Esta “oposição tucaniquim” não entendeu? O povo nas ruas explica: estamos de saco cheio de políticos oportunistas, principalmente daqueles que estão com seus nomes citados na Operação Lava Jato. A regra, agora, é a seguinte: Moro antiofídico em todas as jararacas!

Patrycia Klavdianos patryciaklav@gmail.com 

Brasília

*

NA PAULISTA, NÃO!

Voto no partido que, apesar de tudo, ainda me representa. O partido de Mário Covas, de Serjão, aquele PSDB que se confundia com o MDB de Ulysses e Franco Montoro, apesar de ele ter nascido como dissidência. Hoje acanhado e envergonhado, assume ares de oportunista. Incapaz de desempenhar o papel que seria o seu, de oposição contundente e firme. Votei (como todos que conheço) a contragosto em Aécio Neves, por ser ele o candidato do partido à Presidência. Votarei (cada vez mais a contragosto) se vier a ser ele novamente o candidato.

Mas aguentá-lo na Avenida Paulista já é demais! Por que ele não foi mostrar a cara em Copacabana, em paragens de sua preferência e frequentação assídua? Não abuse, senador. Aqui, não. Penso que a reação de domingo à presença do senador na Paulista demonstra nosso estado de espírito para com suas mineirices. São Paulo não se esqueceu de sua dúbia posição em tempos de Lula na Presidência; tampouco se esqueceu da falta de posição clara quando Minas Gerais se insurgiu em manchetes de jornal, e não só, contra o que classificou de “ingerência paulista”. Fiquem, pois, com seus complexos e deixem São Paulo em paz. Estamos fartos de tapinha no ombro e faca nas costas. E queremos explicações sobre as denúncias de Delcídio Amaral. Atos criminosos são característica do partido organizado em forma de quadrilha. Como bem disse Covas, “político não é tudo igual, não. Eu não sou melhor que ninguém; mas muitos são piores que eu”.

Marly N. Peres marly.lexis@gmail.com 

São Paulo 

*

ALCKMIN HOSTILIZADO?

Ao contrário do que foi noticiado, não foi o governador Geraldo Alckmin hostilizado por um pequeno grupo na Avenida Paulista, e, sim, o senador Aécio Neves, que estava ao seu lado. As palavras de ordem eram: “Oportunista!”, no singular, e “volta pra Minas!”. Eu estava próximo e ouvi.

Eduardo San Martin esanmartin@uol.com.br 

São Paulo

*

LIDERANÇA

E agora, quem vai liderar esse povo, que em massa foi às ruas, pacificamente? Quem?

Elisabeth Migliavacca elisabeth448@gmail.com 

São Paulo

*

RECADO DADO

Será que agora, depois das megamanifestações Brasil afora contra o governo federal, aquela ala do PMDB capitaneada pelo deputado Leonardo Picciani e o senador Renan Calheiros entendeu o que o povo quer? Ou será necessária uma China em protesto rodeando Brasília?

José E. Zambon Elias zambonelias@hotmail.com 

Marília

*

A FIDELIDADE DO PMDB

As tremendas manifestações em todo o País contra Dilma, Lula e o PT sinalizam que o fim deles está próximo. Assim, percebendo o fortalecimento da oposição, com certeza, o PMDB, que aguardava os acontecimentos para decidir a quem dar seu apoio, vai abandoná-los, pois o PMDB só é fiel ao seu lema: “Hay gobierno? Soy a favor”.

Diva Azevedo Andrade Mazbouh diva.am@uol.com.br 

São Paulo

*

O PMDB JOGA POR UMA BOLA

Ou o partidão mais oportunista deste país, o PMDB, cai junto com Dilma Rousseff, que pode ser cassada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ou fica confortavelmente com o comando do Planalto, até 2018, pelas mãos do vice Michel Temer, desde que apoie de corpo e alma, com o respaldo da oposição, o impeachment da presidente. E Temer, em seu discurso na convenção do partido realizada no sábado, como se já fosse presidente da República, disse que “não é hora para dividir o País”. Contrapondo lógico ao PT de Lula, do “nós contra eles”. Neste circo de horrores, próprio da nossa classe política, a cúpula do PMDB decidiu proibir que seus membros aceitem qualquer cargo no governo federal pelos próximos 30 dias. Como se fosse uma eternidade e o PMDB tivesse poucos ministérios nas mãos. Difícil foi ver Marta Suplicy, recém-chegada ao PMDB, criticando o mesmo PT, e Dilma. Marta, que por três décadas por lá literalmente se lambuzou na cúpula do partido corrupto. De qualquer forma, melhor para nossa sociedade, neste momento, é ter um novo governo – com possibilidade de renovar as expectativas do mercado, mesmo que seja composto com as velhas raposas do PMDB – do que ter o PT, de Lula e Dilma, no poder.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

CONVERSA FIADA

Pode ser que me engane, mas essa história de o PMDB desembarcar do governo Dilma Rousseff é pura conversa fiada. Desde que me conheço por gente, e isso já faz um bom tempo, esse partido jamais deixou de mamar nas a tetas dos governos que por aqui passaram. Não vai ser nesta administração desastrada, equivocada e vulnerável a qualquer negociata que isso vai acontecer. Com certeza, vão se aproveitar da fragilidade da presidente Dilma para extorquir mais alguns ministérios. Leonardo Picciani, líder do partido na Câmara dos Deputados, já usou desse recurso com sucesso e pendurou sete de seus correligionários nas glândulas mamárias do governo, quando ainda existia uma luz no fundo do túnel. Calculem agora, que é só escuridão. A cúpula da legenda decidiu que o divórcio não será já, e estabeleceu uma espécie de “aviso prévio” para que o governo decida em um mês se agracia ou não os “chupins” com mais um ministério: a Secretaria de Aviação Civil. Fácil a conclusão: permanecerão no governo mais uma temporada.  

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com 

Jundiaí

*

ALTÍSSIMA PICARETAGEM

Já foi o tempo de o PSDB ficava “em cima do muro”. Agora, é a vez do PMDB de esperar por longos “30 dias” para decidir alguma coisa a respeito de qualquer coisa. Coisas de políticos ladinos. Só existe ladino porque existe trouxa. Me engana que eu gosto, altíssima picaretagem!

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com 

Avanhandava

*

DESQUITE ANUNCIADO

O quadro desenhado da situação PT e PMDB se assemelha muito ao do marido que, chegando em casa,  diz: “Maria vou me desquitar de você daqui a 30 dias”. Isso nos dá a certeza de que o impeachment é consensual, até o guardião da desgraça (Renan) já está bambeando.

Ivan Bertazzo bertazzo@nusa.com.br

São Paulo

*

ENTRE A CRUZ E A ESPADA

O Brasil está entre a cruz e a espada, pois, se Dilma tiver seu impedimento acolhido, o presidente será Michel Temer, filiado a esta irmandade chamada PMDB, a grande prostituta da política nacional, que sempre pulou de cama em cama em apoio aos poderosos da hora, não por patriotismo, mas, sim, com a finalidade de desfrutar o que de bom o poder oferece. Se Dilma e Temer tiverem seus mandatos cassados, hipótese bem provável também diante de todo o dinheiro da Petrobrás (como noticiado quase que diariamente) usado na campanha dos dois, teremos o nobre e probo deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) como supremo mandatário. No fim das contas, com Eduardo Cunha, Dilma ou Temer, o Brasil só tem o que temer, então a melhor situação seria termos já em outubro uma nova eleição para presidente.

 

Alberto Souza Daneu curtasuasaude@uol.com.br 

Osasco

*

A EXTREMA UNÇÃO

Com as manifestações de 13/3 o governo recebeu a extrema unção... Dilma ainda pode se salvar, mas seu governo, não. Para sua salvação, ela tem de renunciar a este governo que nunca lhe pertenceu, que lhe foi emprestado e que Lula quer de volta. Pois então que dê a ele um ministério e renuncie. Temer o exonerará rapidinho e ela estará livre, com sua honra preservada. E o Brasil lhe agradecerá pela coragem e desapego. Corra, Dilma!

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br 

São Paulo

*

DIREITO

Após as manifestações de domingo, certamente a presidente Dilma Rousseff sofrerá sua deposição, porém será tirado mais uma vez o direito do cidadão de escolher o seu presidente, pois deveria a chapa ser retirada e ser dado aos cidadãos o direito de escolher seu novo presidente.

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com 

Casa Branca

  

*

‘EU NÃO ME RENUNCIO’

 

Mais uma das pérolas de Dilma Rousseff, dizendo que ela “não se renuncia”. Além disso, afirmou que foi legitimamente eleita pelo povo. Só se esqueceu de que Fernando Collor também foi eleito legitimamente e deu no que deu. 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

A RENÚNCIA DA PRESIDENTE

A presidente Dilma está absolutamente certa, afinal, uma pessoa incompetente, prepotente e desprovida de quaisquer resquícios de bom senso e autocrítica, realmente, não deve ter “cara de quem vai renunciar”.  

Luiz Antônio Alves de Souza zam@uol.com.br 

São Paulo

  

*

NO PÉ DA MONTANHA

Estamos vivendo um momento periclitante da história do nosso Brasil. Um país que tinha tudo para crescer acabou sendo destruído nos últimos 13 anos por um partido incompetente no poder, onde imperaram as formas mais espúrias e atrasadas, cerceando seu crescimento. Em toda a história da humanidade, nunca houve um país no mundo que conseguisse progredir com um governo totalitário. Há milênios essa forma de governo já era maligna. Por vezes, o totalitarismo era bom somente no início, mas, posteriormente, por ganância de poder, todos esses países caíam em desgraça, num grande retrocesso, que levava várias gerações para que estes países fossem saneados. Eram governantes que mantinham, por exemplo, o atraso da tecnologia apenas para manter empregos e subserviência, esquecendo-se de que novas tecnologias também geram empregos e melhor qualidade de vida. Hoje, os países que ainda mantêm governos totalitários estão praticamente quebrados. O PT, que tentou implantar a ditadura operária, conseguiu quebrar o nosso Brasil em apenas 13 anos. Desesperados, estão tentando de tudo para se manterem no poder, e não vão conseguir. Levaremos mais de 20 anos para consertarmos o nosso Brasil. As expressões da face de Lula já dizem tudo. Ele, que teve tudo para continuar um belo trabalho iniciado pós-Collor, perdeu essa chance e está desesperado agora. Só resta a ele repetir uma frase de Richard Nixon, logo após a sua renúncia à Presidência dos EUA: “Agora, que estou no pé da montanha, sei o quanto foi bom ter estado lá em cima”.

Antonio Carlos Srougé acsrouge@uol.com.br                                    

São Paulo

*

A ÚLTIMA BANDEIRA

Dilma Rousseff, ao convidar o acusado Lula para participar de seu ministério, abdica da bandeira de “faxina” na qual ainda se segurava. 

Jorge Alberto Nurkin chocoblank@icloud.com  

São Paulo

*

LULA NO GOVERNO DILMA

A “mulher sapiens” convidou o “homo sapiens” para participar oficialmente do seu governo, ocupando um ministério. Já ele estava “sapiando” por aí. Ó tempora, ó Moro!

Dionysio Vecchiatti Dio.vecchiatti@terra.com.br

Valinhos 

*

PIOR É IMPOSSÍVEL

A maré de Lula está tão baixa e suja que até o seu grande amigo José Carlos Bumlai, “homem de bem, honesto e exemplar”, como o define o próprio ex-presidente, desistiu de convocá-lo como testemunha. Ao que tudo indica, não lhe restará nem um fiapo de vento para espalhar os arrotos de sua costumeira fanfarrice. 

Luís Lago luislago2002@hotmail.com

São Paulo

*

JARALECO

Com o pequeno número de manifestantes pró-Lula em São Bernardo, se a Justiça aprovar, talvez consigam elegê-lo vereador.

Roberto Hungria cardosohungria@gmail.com  

Itapetininga

*

O DIA DO JARARACA

Aqui vai uma sugestão para ser incluída no calendário comemorativo brasileiro: dia 13 de março, Dia da Caça à Jararaca.

José A. Muller josealcidesmuller@hotmail.com  

Avaré

*

LULA AINDA É DEUS?

Faço parte do grupo “Por Um Brasil Melhor”, não partidário, mas focado no combate à corrupção – e, portanto, o maior alvo de nossas críticas enviadas às seções de leitores dos jornais sempre foi o PT, por estar no poder há 15 anos e se especializar em todo tipo de maracutaia. Hoje, tal fato está escancarado, mas há alguns anos poucos o enxergavam, apesar do mensalão. Pois bem, numa das reuniões do grupo, um deputado da oposição estava presente e fez críticas duras a Lula, ainda presidente. Fiquei impressionada com o discurso, pois, diante das câmeras, Lula era tratado até com benevolência, e perguntei o porquê de tamanha discrepância. A resposta me deixou chocada: “Lula, para o povo, é uma espécie de deus, e em deus não se bate”. Exatamente essa foi a resposta. Por que requentei essa passagem? Porque, diante do pedido que o Ministério Público de São Paulo fez de prisão preventiva para Lula, pedido coerente, justo, bem embasado com provas documentais e testemunhais, deputados de oposição rapidamente se fizeram ouvir pela mídia, criticando tal pedido, achando um absurdo!  Pelo visto, Lula ainda é deus, inclusive na visão desses políticos, por mais sujeiras que tenha escondido debaixo de seu imenso tapete. Revoltante! Guardem bem o posicionamento desses deputados, para que nas urnas sejam rejeitados!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com 

São Paulo

*

POUCO IMPORTA A PROPRIEDADE

Uma falácia jurídica tomou conta das questões alusivas ao apartamento do Guarujá e ao sítio de Atibaia. Safo, Lula nela embarcou. É irrelevante que seja titular do domínio (proprietário) de ambos. A fruição constante do sítio (exercício de posse) e a tentativa relacionada ao apartamento, se melhorada por benfeitorias advindas da “generosidade” de empresas que confessadamente aportaram gordas propinas para conquistar contratos da Petrobrás, em seu governo, dá no mesmo. Obteve vantagem ilícita graças ao exercício do mais elevado cargo da República. Corrupção.

  

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br 

São Paulo

*

O TESOURO DE LULA

Diz o texto do Código de Conduta da Alta Administração federal, disponível no site da Comissão de Ética Pública da Presidência da República, atualizado em 2015: “A Comissão de Ética Pública, com fundamento no art. 2º, inciso V, do Decreto de 26 de maio de 1999, e considerando que: Art. 9º, parágrafo único, 6. se o valor do brinde ultrapassar a R$ 100,00 (cem reais), será ele tratado como presente, aplicando-se-lhe a norma prevista no item 3. A saber: Não sendo viável a recusa ou a devolução imediata de presente cuja aceitação é vedada, a autoridade deverá adotar uma das seguintes providências, em razão da natureza do bem: I – tratando-se de bem de valor histórico, cultural ou artístico, destiná-lo ao acervo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional-IPHAN para que este lhe dê o destino legal adequado. 7. Havendo dúvida se o brinde tem valor comercial de até R$ 100,00 (cem reais), a autoridade determinará sua avaliação junto ao comércio, podendo ainda, se julgar conveniente, dar-lhe desde logo o tratamento de presente. E ainda: (É vedado) k) retirar da repartição pública, sem estar legalmente autorizado, qualquer documento, livro ou bem pertencente ao patrimônio público”. Assim, torna-se claro que o “tesouro de Lula”, guardado num cofre do Banco do Brasil, pertence ao povo brasileiro.

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com 

Florianópolis

*

A SOLIDARIEDADE DE DILMA ROUSSEFF

Para visitar o pessoal de Mariana (MG), dona Dilma Rousseff só viu o local atingido pelo estouro da barragem da Samarco do helicóptero e levou uma semana para fazê-lo. Pôr o pé na lama, jamais! Para visitar os desabrigados pelas chuvas dos últimos dias em São Paulo, nem pensar! Pôr o pé n’água, jamais! Mas, para visitar Lula em São Bernardo do Campo, um dia após sua condução coercitiva para depor à Polícia Federal, além de um pronunciamento no ato, foi de helicóptero, pago por nós, e ainda lhe ofereceu um jantar no Palácio, pago por nós. E não é que dona Dilma diz que governa para o povo? Acho melhor ela dizer que governa, e mal, com o dinheiro do povo!

Milton Bulach mbulach@gmail.com 

Campinas

*

PÉ NA LAMA

Em vez de ficar dentro de um helicóptero apreciando  o desastre  que a enchente ocasionou na grande São Paulo, o verdadeiro homem público  põe os pés na lama e vai até as vítimas, consola-las com abraços e  prometer e cumprir  com uma ajuda monetária. Nestas horas é que se espera um ombro amigo, para, mesmo que seja por um momento, amenizar sua dor. Esta mensagem serve para o governador Geraldo Alckmin e para a presidente Dilma Rousseff.

Valdir Sayeg valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

*

A TRAGÉDIA DAS CHUVAS

As chuvas de verão têm alterado o seu padrão normal de distribuição nos últimos anos, pois tem havido uma diminuição de frequência, mas um aumento de intensidade, com efeitos devastadores. A falta de planejamento urbano, como também de investimento em saneamento pelos poderes públicos, acaba por agravar ainda mais a situação, com dezenas de mortos, uma enorme destruição e um grande prejuízo para o País.

Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br 

Campinas

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.