Fórum dos Leitores

PIXULECO & DILMENTIRA

O Estado de S.Paulo

20 Março 2016 | 03h00

Há juízes em Brasília

Como esperado, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), seguiu a lei. Ele não é herói, é juiz idôneo e seguiu a lei. E pela lei Lula ainda pode recorrer ao plenário do STF. Batalha ganha, segue a guerra. Aliviou, por enquanto.

ELISABETH MIGLIAVACCA

elisabeth448@gmail.com

São Paulo

Eureka!

No olho do furacão, o Poder Judiciário brasileiro encampa o resgate da Pátria ultrajada.

SERGIO S. DE OLIVEIRA

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

Torpe e indigno

Aula magna sobre a força das palavras nos foi dada pelo ministro Celso de Melo, do STF (sobre o Supremo ‘acovardado’). Sem erguer a voz, sem usar baixo calão, sem estar sob a “proteção” de celular e, sobretudo, sem violentar o nosso idioma, ele publicamente levou às cordas o demiurgo de São Bernardo. Em resposta, a dita “cascavel”, assustada e acusando o golpe, produziu uma abjeta carta, sem “incendiar o País” e suave como um vagido de recém-nascido. É isso aí: quem tem argumentos e os usa pode falar com tranquilidade, pois se faz ouvir com a força de um trovão. E a força das palavras tornou ainda mais bonito o dia lá fora.

REGINA MARIA NORONHA PENA

reginapena.adv@hotmail.com

São Paulo

Jararaca vira ratinho

Lula age como um rato acuado, correndo de um lado para o outro, e quanto mais agitado, desesperado, mais armadilhas cria para si próprio. É a ratazana soberba que se achava a dona do pedaço e de repente vê seu “reino” ruir. Ainda exibe lampejos de arrogância e prepotência, mas o que mais sobressai é a covardia que o faz esconder-se junto à sua cria. E ao tentar burlar a Justiça de maneira imoral e suja, patina na própria sujeira, que o incrimina cada vez mais.

REINALDO F. MOTA JUNIOR

reinaldojr8@hotmail.com

Praia Grande

Quem tem culpa tem medo

Depois de mandar enfiar no #$%&*@§ o processo, ele respeita o Judiciário?! Eu, hein...

MOISES GOLDSTEIN

mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

Mr. Hyde/dr. Jekyll

Sr. Lula, o que o senhor fala em particular não corresponde à verdade dos seus pensamentos e conceitos?

LUIZ NUSBAUM

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

Desculpas ao STF

Não se dê ao trabalho, Lulla. Você é aquele sobre o qual já não resta a menor dúvida.

A. FERNANDES

standyball@hotmail.com

São Paulo

Fora do baralho

Lula já está condenado pela opinião pública brasileira. Independentemente do juiz Sergio Moro e do STF. O Brasil não o quer mais. Ele é carta fora do baralho para o futuro do País. Sejam quais forem as suas “grandes realizações”. Como se diz no popular, “ele cuspiu no prato em que comeu”!

VANDERLEI ZANETTI

São Paulo

Dentifrício

O teor da carta divulgada pelo Lulla referente às críticas que recebeu dos ministros do STF por causa das declarações captadas nas gravações feitas pela Polícia Federal nos faz lembrar a confusa metáfora proferida pela presidente Dilma a Barack Obama durante reunião do G-20. Resumindo, o que Lulla falou sobre o STF é a mesma coisa que o dentifrício que quando sai do tubo não volta mais para o tubo. Falou besteira, não tem conserto.

JOSÉ CARLOS DEGASPARE

degaspare@uol.com.br

São Paulo

De próprio punho

A carta do Lula diz em determinado ponto: “... tornem-se objetos de juízos derrogatórios sobre meu caráter”. E continua: “... não sou doutor, letrado, jurisconsulto”. Não resta a menor dúvida de que essa carta foi escrita pelo Lula, também conhecido como Luís... de Camões.

LUIZ G. TRESSOLDI SARAIVA

lgtsaraiva@uol.com.br

São Paulo

Não engana mais

Em nova tentativa desesperada de se safar, Lula vociferou na Paulista, como se ele e sua criatura não estivessem no poder nos últimos 13 anos. Requentando o “Lulinha paz e amor”, trama mais uma enganação, depois da recente carta aberta de seus advogados tentando consertar as lambanças da dupla perante a Justiça e da famigerada Carta ao Povo Brasileiro, com que seus marqueteiros, hoje na cadeia, ludibriaram um país inteiro.

RENZO GALUPPO

renzo.galuppo@gmail.com

São José dos Campos

Recado subliminar

Por que será que o ex-presidente prefere ser julgado pelo STF? Será que o juiz Sergio Moro não é honesto o suficiente? Se o ex é o homem mais honesto do planeta, não precisaria se preocupar, qualquer juiz acreditaria nele. Por que o Supremo?

WILSON MATIOTTA

loluvies@gmail.com

São Paulo

Acoito

Por que os políticos acham que o STF corresponde a uma rota de fuga?

MARIO ISSA

drmarioissa@yahoo.com.br

São Paulo

Pudor

Eu teria vergonha de ser ministro do STF quando suspeitos declaram ou escolhem descaradamente ser julgados por suas togas alugadas por favores.

FÁBIO CAIO DE CASTRO MISSIROLI

fabiomissiroli@yahoo.com.au

Ilhabela

Atenção

Ao Congresso Nacional e aos ministros do Supremo Tribunal Federal: está na hora de salvar o Brasil, e não os partidos políticos. Quem acha que deve favor a alguém não deve dar a Pátria como pagamento.

DIONYSIO VECCHIATTI

dio.vecchiatti@terra.com.br

Valinhos

Troca singela

Talvez tenha chegado a hora de substituir o “nunca antes” por “nunca mais”.

ALEXANDRU SOLOMON

alex101243@gmail.com

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

A CARTA ABERTA DE LULA

 

A carta aberta da “alma honesta”, divulgada na quinta-feira, é fria. Foi redigida por seus advogados e tem termos e expressões que ele nunca ouviu na vida. Ele, sua filha Lurian e sua esposa, Marisa Letícia, têm outro linguajar, usam muito o verbo “enfiar”, por exemplo. Luiz Inácio Lula da Silva está tentando se redimir dos insultos apurados nas gravações telefônicas em que ele ofende o Supremo Tribunal Federal (STF), o Superior Tribunal de Justiça (STJ), o presidente do Senado, Renan Calheiros, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, e o Congresso Nacional. Aquele é o Lula real. Não existe “Lulinha paz e amor”, ele é uma fraude completa, que acredita estar acima da lei. Uma vergonha perante o mundo termos tido um presidente deste quilate.

 

Celso de Carvalho Mello celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

 

*

O AUTOR AMIGO

 

Pelo teor e, principalmente, pela qualidade, esta carta aberta não foi redigida pelo remetente em hipótese alguma. Com certeza ela, assim como o sítio em Atibaia, o tríplex no Guarujá, o apartamento em São Bernardo do Campo e outros bens, não lhe pertence.

 

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul

 

*

CARTA ABERTA AO EX-PRESIDENTE

 

Caro ex-presidente da nossa República, eu também creio muito nestas instituições democráticas disponibilizadas para fazer valer o direito do povo, principalmente para que estas desempenhem a função pela qual foram criadas. Tenho esperanças. Isenção e firmeza para distribuir e garantir o cumprimento da lei dos membros do Poder Judiciário, isso realmente seria o melhor do mundo. Gostaria que neste momento isso estivesse acima de qualquer coisa, acima de qualquer ego, suborno ou troca de favores, para que não se instaure uma fragilidade e omissão. Tenho certeza de que estes magistrados têm o profundo saber nos critérios da impessoalidade, imparcialidade, principalmente por impessoalidade se tratar de não praticar atos visando aos interesses pessoais ou se subordinando à conveniência de qualquer indivíduo, mas, sim, direcionada a atender aos ditames legais e, essencialmente, aos interesses sociais. E esperançosa estou eu para que eles realmente se utilizem disso para fazer valer sua nobre missão de instituir a justiça. Creio que o senhor saiba do que quero dizer, aliás, está muito claro para todos nós, brasileiros. E gostaria de acrescentar mais um critério, que acredito que o senhor tenha se esquecido de mencionar: o da moralidade, que visa à obrigação de atuar com moral, ética, boa-fé e lealdade. Isso o senhor nunca deveria ter esquecido. E é muito claro, o senhor acredita na mesma instituição que chamou de “acovardada”. Acovardada talvez por ter de estar do lado da lei. Impressiona-me o total respeito que eu e milhões de brasileiros vimos apresentar por ela naquele singelo e puro telefonema; no meu entender, eu chamo isso de falsidade, incoerência de fatos ou até mesmo um “preciso salvar a minha vida”. A meu ver, até o momento há toda veracidade nessas escutas telefônicas direcionadas ao senhor, até mesmo a quem está à frente dos fatos. Não dá para fugir disso, não dá para criar uma utopia e fazer disso uma religião. Mas se o senhor, de certa forma, cobra uma mesma postura do Supremo Tribunal Federal (STF), ao relembrar toda essa história, tenha certeza de que o mesmo se fará valer das leis e das provas de maneira adequada. Violentado foi todo o povo de uma nação, fomos nós, brasileiros, com toda esta barbárie de acontecimentos inglórios, por todo ato de corrupção, a toda falta de moralidade praticada, uma podridão enraizada, poder monopolizado e um cinismo fétido. Não sei, talvez lhe falte um pouco de bom senso e percepção da clareza, estampada no que se refere a conversas pessoais. Minha inconformidade, e não só minha, mas da grande parte do povo brasileiro, é que tudo isso infringe nossa dignidade, porque antes de tudo somos seres humanos, e em defesa destes está reconhecida pela Constituição da República Federativa do Brasil a dignidade da pessoa humana. Pois eu também não me conformo com tantas coisas que vêm acontecendo, como exemplo, o seu “sim”, aceitar ser ministro da Casa Civil e aquela cerimônia de posse, na tentativa crucial de burlar as ações de pessoas que se prestam a defender o povo brasileiro na real forma da lei. Confesso que na noite da divulgação oficial eu chorei, chorei por mim, chorei pelo povo e até mesmo por aqueles que ainda lhe defendem. Senti uma impotência tão grande de justiça, de capacidade de agir, porque ali foi como “cuspir” na cara do povo, estampar na nossa face o quanto somos trouxas, foi ultrapassar o limite verdadeiro da aplicabilidade do poder podre. Segundo Sócrates, nenhum governante, seja qual for a natureza da sua autoridade, na medida em que é governante, não objetiva e não ordena a sua própria vantagem, mas a do indivíduo que governa e para quem exerce a sua arte; é com vista ao que é vantajoso e conveniente para esse indivíduo que diz tudo o que diz e faz tudo o que faz. Eu e o povo brasileiro também temos a capacidade de distinção entre o certo e o errado, e é por isso que estamos lutando, saindo às ruas, porque juntos somos mais, afinal, somos uma República democrática. Pare de se declarar como mártir perseguido. Estes tristes e vergonhosos episódios das últimas semanas, eu os chamo de ganância! Justiça também é o que espero, é o que o povo espera. Tenho ainda esperanças e não aprendi a me render. Se os princípios da administração pública estiverem presentes no Poder Judiciário, tenho certeza de que os ministros e ministras desempenharão bem o seu papel. Tenho esperança de que nem tudo está perdido. Justiça!

 

Karina Vieira Dias kvdias4@gmail.com

São Paulo

 

*

A INTERCEPTAÇÃO TELEFÔNICA

 

A presidente Dilma Rousseff, injuriada com a interceptação telefônica entre ela e o ex-presidente Lula, declarou que “em outros países quem grampeia o presidente vai preso”, todavia ignorou que a interceptação, legalmente autorizada, fora feita no aparelho usado por Lula e, pela relevância do assunto inerente ao momento, carecia de divulgação. Às vezes os países têm procedimentos diferentes no trato dos seus problemas, daí relembro que em alguns países, quando capturados, terroristas insurgentes ao regime vigente são fuzilados e, em outros, posteriormente, até se tornam heróis, recebem invejáveis indenizações e aposentadorias especiais.

 

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

 

*

GOVERNO

 

Declaradas as conversas telefônicas ocorridas entre dona Dilma e o sr. Lula, bem como entre o sr. Rui Falcão e o sr. Jaques Wagner, por que o empresário Oscar Maroni, dono de uma das maiores casas de diversão de São Paulo, foi preso quando caiu um avião em Congonhas?

 

Antônio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

 

*

A PELE DO CORDEIRO

 

A carapuça de cordeiro caiu, a face oculta do lobo se revelou agressiva e maligna.

 

Antonio dos Santos Ramos

Atibaia

 

*

JARGÃO DE LUPANAR

 

Mais do que o conteúdo, visto que os fatos são públicos, resta o baixo nível dos termos usados por nossas autoridades: jargão de lupanar (foi a palavra mais educada para definir o estado moral do Brasil em que eu consegui pensar). Não é suficiente denegrir autoridades, colocar membros do STF sob suspeição, demonstrar hipocrisia, os personagens gravados, além de tudo, demonstram total agressão ao idioma falado entre “nóis”, principalmente os “cumpanheiro”. Dá nojo o que assistimos atualmente, e o pior é que essa gente foi eleita (apesar das dúvidas que pairam sobre a honestidade das campanhas). Nossos políticos da “oposição”, muitos esperando ficar com os despojos do “pudê”, não estão muito acima desse nível. Vários aliados do governo agora devem mudar para a oposição “pelo bem do País”. Dona Marta já mudou, agora falta o sr. Maluf. Saudades do ministro Joaquim Barbosa, do senador amazonense Jefferson. Ainda restam alguns como o senador Cristóvão Buarque, provavelmente são poucos. Pobre Brasil.

 

Eldo A. Franchin eafranchin@uol.com.br

São Paulo

 

*

OBSESSÃO

 

Dias atrás o ex-presidente Lula foi visto em vídeo mandando o Ministério Público enfiar os processos contra ele no c... Esta semana foi divulgada gravação telefônica entre a ex-primeira-dama Marisa Leticia e um de seus filhos sugerindo que os batedores de panela que protestam contra o governo façam o mesmo (com as panelas). Seria interessante pedir explicações a um psicanalista do porquê do hábito obsessivo e pouco elegante da família Silva em solicitar a cidadãos a que enfiem coisas no c... E pensar que o casal nos representou por oito anos...

 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

 

*

EXPERIMENTOS

 

Nestes tempos em que Lula encaminha o processo, em conversa com Dilma e dona Marisa, em conversa com o filho, dá destino às panelas, que tal o prefeitinho Fernando Haddad experimentar?

 

Wellington Pinho wellington.pinho@me.com

São Paulo

 

*

LIÇÕES DA CENA POLÍTICA

 

O lado útil dos absurdos cometidos pelo governo petista e as cenas que protagoniza é o aprendizado de milhões de cidadãos do que não pode acontecer.  Trata-se de formação de instituição informal de apreço à democracia, só possível por experiência.  A experiência das consequências não é lecionável em sala de aula.

 

Harald Hellmuth hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

 

*

INSULTO À INTELIGÊNCIA

 

O Partido dos Trabalhadores (PT) insiste em nos insultar com suas interpretações! Enviar por portador um papel em branco para Lula assinar – o tal termo de posse – poderia ter sido feito por e-mail e Dilma nem teria de fazer questão de explicar por telefone o procedimento. Parafraseando Cicero: “Até quando, ó Catilina, abusarás da nossa paciência?”.

 

Antonio Leoncio Oliveira ant.leoncio@gmail.com

Presidente Prudente

 

*

FIRMA RECONHECIDA

 

Afinal, o tal papel com a assinatura tinha “firma reconhecida”?

 

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

 

*

TERMO DE POSSE

 

De duas uma: ou a mulher sapiens tem apenas dois neurônios, que não fazem sinapse, ou, realmente, julga-nos um bando de idiotas. Primeiro, disse, com todas as letras, na gravação, que o termo de posse que ela estava enviando por um portador era para ser usado em caso de necessidade. Depois que apanhada em flagrante delito – coautoria em obstrução da Justiça, combinada com autoria em apologia ao crime –, disse que o termo não estava assinado.  Ora, ora, pergunta o conselheiro Acácio, mas para que então haveria de servir uma folha de papel não assinada por ela? Ou acaso o destinatário, se necessitasse, já estaria previamente autorizado a apor uma assinatura como sendo dela – falsidade ideológica? Na cerimônia de posse, exibiu uma folha de papel na qual constava apenas a assinatura do então empossado, tentando, assim, provar que ela não havia assinado nada. Todavia, certamente na pressa, se esqueceram de observar que a folha de papel exibida não trazia qualquer timbre, muito menos o timbre da União, imprescindível para dar autenticidade ao documento, sob pena de qualquer pessoa poder fazer o mesmo sentada num banquinho de esquina. Consequentemente, a tal folha exibida ao distinto público foi forjada após a divulgação da gravação! Finalmente, há somente uma destinação para essa folha exibida na cerimônia, e é desnecessário dizer qual seja.

 

Arlete Pacheco arlpach@uol.com.br

Itanhaém

 

*

TRANSPLANTE

 

A presid(anta) Dilma Acéfala Rousseff conseguiu, finalmente, um transplante de cérebro doado por um homem grosseiro e mal educado que pretende eternizar a corrupção no Brasil. Fora Dilma!

 

Maria Helena Palatnik malicca18@gmail.com

São Paulo

 

*

PRESENTE DE PÁSCOA

 

O que poderíamos esperar de uma presidente como Dilma Rousseff, que disse que faria, e realmente fez e continua fazendo, “o diabo” para continuar no poder, desrespeitando a população que a elegeu? Um ovo podre de Páscoa goela abaixo de presente para todo o Brasil, tentando colocar Luiz Inácio no ministério da Casa Civil. Cara presidente, já que a senhora queria blindar Lula, não seria mais sensato colocá-lo numa cela blindada na Papuda? Ou, então, como ele se acha uma jararaca, por que não o Butantã?

 

Valdy Callado valdypinto@hotmail.com

São Paulo

 

*

NAS MÃOS DO CONGRESSO

 

Conforme evidenciado nos grampos da Operação Lava Jato, a presidente de direito (não mais de fato) enviou o termo de posse para Luiz Inácio Lula da Silva para que este fugisse da primeira instância da Justiça Federal (leia-se Sérgio Moro) e caísse nos braços do Supremo quando o cerco se fechasse. A movimentação de Dilma vai de encontro ao artigo 85 da Constituição, que prevê como crime de responsabilidade do presidente em exercício atentar contra “o livre exercício do Poder Legislativo, do Poder Judiciário, do Ministério Público e dos Poderes constitucionais das unidades da Federação”. É mais uma irregularidade para o já cheio balaio de justificativas do afastamento da presidente. Está confirmando o que já ficara evidente nas gravações de Delcídio Amaral e Aloizio Mercadante: o PT fez do STF seu puxadinho. Restaram a imprensa, o povo e o Legislativo. Como apenas o último tem real poder de mudança, o destino do País está nas mãos dos nossos ilustres e “ilibados” congressistas. Com a palavra, senadores e deputados... 

 

Elias Menezes elias.natal@hotmail.com

Nepomuceno (MG)

 

*

NOVA VENEZUELA

 

Ou nós, o povo, conseguimos apear Dilma e o PT do poder, recorrendo se necessário à greve geral até que obtenhamos sucesso, ou o Brasil poderá ser chamado de nova Venezuela. É evidente que não temos oposição política digna de liderar o movimento fora Dilma, precisamos que movimentos sociais deem as mãos e liderem a massa de brasileiros que, indignada pelos atos amorais e mentirosos de nossos dirigentes, não aguentam mais. Precisamos de uma reação urgente!

 

Oscar Seckler Müller oscarmuller2211@gmail.com

São Paulo

 

*

UM SERVIÇO AO PAÍS

 

Na sexta-feira, no “Fórum dos Leitores” do “Estadão”, duas cartas selecionadas para o portal me chamaram a atenção: a primeira, de um leitor assíduo, soltando todos os impropérios possíveis contra Sérgio Moro e, logo em seguida, outra, de uma servidora da Justiça Federal defendendo a atitude dele em divulgar as gravações. Eu não sou advogado, muito menos jurista, mas tenho certeza absoluta de uma coisa como patriota: Sérgio Moro prestou um grande serviço ao País ao divulgar as gravações, pois, embora sabendo que pudesse estar sendo grampeado, deu para conhecer um pouco a mais o ex-presidente e atual ministro macarrão instantâneo (só três minutos para não desandar) Lula, além de praticamente todo o seu vocabulário.

 

Alberto Souza Daneu curtasuasaude@uol.com.br

Osasco

 

*

LEGAL OU ILEGAL?

 

Para a opinião pública, o conteúdo das interceptações telefônicas é mais importante do que o viés legal.

 

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

 

*

AS DECISÕES DA LAVA JATO

 

A ciência jurídica tem seus sistemas, sua lógica. Mas, por ser voltada às ações humanas, acabam por trazer suas fraquezas. E, para preveni-las e/ou combatê-las, os princípios ajudam a dar parâmetros, evitando que vontades humanas desvirtuem o real objeto das regras destinadas a garantir a estabilidade da sociedade. Há um princípio, para a interpretação das normas, que diz que a interpretação cessa diante da clareza. Assim, a máxima “cada cabeça uma sentença” é a distorção tupiniquim das regras de interpretação do Direito. Frutos de tal distorção são alguns dos comentários de respeitáveis profissionais do Direito (edição do “Estadão” de 18/3/2016, página A10). Para quem já trabalhou em investigações com interceptação telefônica, que é aquela autorizada judicialmente – grampo é a escuta ilegal –, sabe que são necessárias várias conversas, muitas delas meio codificadas, para conseguir saber que manobras ilegais estão sendo urdidas, que comprovam a prática criminosa que se sabia pré-existente e acabando por descobrir outras. Nessas interceptações não é possível controlar quem irá telefonar para o número sob monitoramento, daí a expressão “encontro fortuito de provas”. Muito embora tenha sido flagrada conversa com a presidente da República, entre o despacho judicial pelo fim da interceptação de um certo terminal e a sua efetivação, que se dá longe do juízo e da Polícia Federal, dizer que tal conversa deveria ser ocultada, para ser levada ao Supremo Tribunal Federal (STF), onde deve ser processada eventual investigação sobre a conduta identificada naquela conversação, viola o princípio da publicidade, uma vez levantado o sigilo das investigações. O juiz federal Sérgio Moro não determinou nenhuma outra providência em função daquela conversa gravada. A “res publica” está acima da prerrogativa de foro, que é para o cargo, e não para a pessoa que ocupa o cargo.

 

Ana Lúcia Amaral anamaral@uol.com.br

São Paulo

 

*

SEM AMEAÇAS

 

Em dois anos de Operação Lava Jato, o juiz Sérgio Moro foi extremamente cauteloso em preservar todas as pessoas mencionadas que, por um ou outro motivo, são titulares de foro privilegiado no STF por prerrogativa de função. Bem o sabe o ministro Teori Zavascki. Neste caso, que se transformou numa borrasca, dada a fértil imaginação, servil a todos os acusados dos atos criminosos que depauperaram nosso país, nosso Estado de Direito Democrático está sendo ameaçado. Estudantes e docentes de Direito ganharam uma incurial oportunidade de demonstrar seus conhecimentos e sua pureza e fé na democracia que ganharam de presente pela luta heroica de gerações passadas. Não houve nenhuma ameaça às instituições democráticas, a oitiva recaiu sobre telefone de quem estava sob sua jurisdição e, tão logo se apresentou na fita a presidente, determinou sua interrupção, que não dá para ser automática e imediata. A divulgação pode ter sido excessiva, mas a contradição dialética estava em se manter na obscuridade ou dar ciência ao povo brasileiro de um grave crime praticado pela presidente: obstrução de competência jurisdicional. O tema, para o bem da Nação, clama por um pronunciamento do colegiado pleno do STF.

 

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br  

São Paulo

 

*

INVERSÃO TOTAL DE VALORES

 

Os petistas chegaram à culminância do descaramento: querem que o juiz Sérgio Moro seja preso!

 

Eugênio José Alati eugeniojalati@gmail.com

Campinas

 

*

UM HOMEM DE SORTE

 

Aloizio Mercadante é um homem de sorte. A divulgação da gravação da sua proposta indecente para Delcídio Amaral acabou sendo abafada pelas inacreditáveis gravações de Lula. Deixou de ser notícia. Enquanto isso, ele continua quietinho no Ministério da Educação.

 

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

 

*

O QUE DILMA PENSA DE MERCADANTE?

 

Dona Dilma alegou em nota oficial que Mercadante, seu ministro, que sempre alegou desfrutar da sua intimidade, como verdadeira eminência parda, agiu por iniciativa pessoal. Pois bem, por mais pessoal que seja, o que tem a dizer à população brasileira sobre a atuação do seu ministro?

 

Pedro Luís de Campos Vergueiro pedrover@matrix.com.br

São Paulo

 

*

O MINISTRO DA ‘PÁTRIA EDUCADORA’

 

Atualmente a grande imprensa dá destaque a mais uma figura ilustre da marginalidade petista. Foi a vez do ministro da Educação. Vocês tiveram a oportunidade de conhecer melhor esse marginal, que se esconde atrás de um imenso bigode. Aliás, aproveitando a oportunidade, quero diz para os mais novos que, segundo meu pai e meu avô, bigode era sinal de honra para um homem. A assinatura de um compromisso assumido era restrita a um fio de bigode do contratante, que seria guardado pelo credor, geralmente dentro de um livro, até o dia do vencimento estabelecido, para que fosse saldado o compromisso assumido. Esse canalha desmoralizou o costume e tentou obstruir a Justiça, portanto deveria ser preso imediatamente, a exemplo do que aconteceu com o semelhante caso do senador Delcídio do Amaral, obstrução à Justiça, uma vez que ofereceu proteção e dinheiro para que o senador desistisse de uma delação premiada. Dá nojo ouvir o diálogo gravado entre o excelentíssimo senhor ministro da “Educação” e o assessor do senador Delcídio que envolve também o Supremo Tribunal Federal (STF) na pessoa do seu presidente. Uma sugestiva frase dita pelo nosso educador dá uma clara ideia sobre o modus operandi dessa quadrilha que nos governa: “Em política tudo pode”. Só na política do Partido dos Trabalhadores, porque nem entre a delinquência comum não se pode tudo. Que o digam Fernandinho Beira-Mar, Marcola e outros marginais com mais dignidade do que o nosso ministro. Alguma dúvida de que o PT é uma organização criminosa? É verdade que eles não inventaram a corrupção, nem teriam inteligência para isso, mas a institucionalizaram e passaram a fazer proveito dela. Acho que atingimos o limite extremo da degradação ética, moral, econômica e política. Concluindo, o ministro da “Pátria Educadora” foi rifado pela anta planaltina.

 

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

 

*

NÍVEL

 

Se este é o nível do ministro da Educação, como seria se aqui não fosse o que Dilma chama de “Pátria Educadora”? Pobres crianças brasileiras...

 

Anna Carolina Meirelles annacmeirelles@gmail.com

São Paulo

 

*

QUE TRISTEZA!

 

Meu amado país tem uma presidente incompetente, que nem se fazer entender quando fala consegue, um ex-semialfabetizado que só consegue falar palavrão e um ministro da Educação que nada conhece da Língua Portuguesa. Pelo amor de Deus, dr. Sérgio Moro, tire-nos desta!

 

Leonidas Ronconi ronconileonidas@gmail.com

São Paulo

 

*

O MÍNIMO

 

O ministro Aloizio Mercadante deveria ser sumariamente demitido e expulso do PT. É o mínimo que se espera do governo, que diz desconhecer as ações criminosas de Mercadante para tirar o companheiro Delcídio Amaral da cadeia.

 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

DESCASO

 

A conversa do prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, com Lula demonstra o descaso dos políticos com a pobreza, incluindo a classe média, pois considerou o sítio em Atibaia “coisa de pobre”. Entretanto, o sr. Eduardo Paes está errado, o sr. Lula tem muito mais que o tríplex e o sítio, só que tudo está blindado, por exemplo, quem seria o detentor da conta em que Rosemary Noronha depositou os 25 milhões de euros no Banco Espirito Santo, em dinheiro vivo, utilizando de passaporte diplomático,  e mais, o crescimento do patrimônio dos familiares? Será que tudo está em nome de amigos? Bem, falando em amigos, o nepotismo e o favorecimento aos “cumpanheiros” em geral são absurdos, pessoas incompetentes, ou até fantasmas, que são indicados em empresas ou órgãos do governo, que recebem quantias mensais que um trabalhador levaria anos e anos para ganhar, ressaltando que esses cabides geralmente estão amparados em fundos de pensão com privilégios inimagináveis. Temos mais uma vez condição de mudar os rumos de nosso país, passar o Brasil a limpo. E temos de encontrar pessoas capazes de utilizar os recursos públicos para o desenvolvimento do País e seu povo, e não para seu próprio bolso. Parabéns, dr. Sérgio Moro e equipe.

 

Waldir Cassapula waldir.cassapula@gmail.com

São Paulo

 

*

EM NOME DE TERCEIROS

 

Tal qual o tríplex, o sítio, o jatinho e a cobertura em SBC, o cargo que Lula de fato exerceria no governo está em nome de uma amiga.

 

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

 

*

CASA CIVIL

 

Frase na internet: “Copanhero Moro, posso provar que essa Casa Civil não é minha”...

 

Luiz C. Bissoli lcbissoli46@gmail.com

São Paulo

 

*

DEVOTOS

 

Por curiosa coincidência, os nomes do sítio de Atibaia e de uma das maiores fazendas pecuaristas do País, localizada no Estado do Pará, são em homenagem a Santa Bárbara. Apesar de os referidos imóveis certamente não estarem em nome da família Lula da Silva, mostra fortes “indícios” da grande devoção que a família tem pela santa.

 

Domingos de Souza Medeiros dymanche@terra.com.br

Dourados (MS)

 

*

VAI QUE...

 

Depois de roubar um faqueiro de ouro, presente da rainha Elisabeth em 1968, acho que poderiam achar a taça Jules Rimet em alguma propriedade dos seus amigos...

 

Sylvio Foz Junior fozjunior@uol.com.br

São Paulo

 

*

‘JE SUIS COXINHA’

 

Na sexta-feira eu ouvia o resultado de pesquisa de rua realizada num subúrbio do Rio de Janeiro, como parte de programa radiofônico de grande audiência. A repórter escolhia aleatoriamente transeuntes que se dirigiam aos locais de trabalhos e indagava deles se a nomeação de Lula para ocupar o Ministério da Casa Civil da presidente Dilma era, segundo sua opinião, benéfica, indiferente ou uma afronta. A totalidade (repito: a totalidade) deles afirmou que considerava o ato uma afronta e cada um justificava com veemência a resposta, com argumentos que iam desde o fato de que, pelos resultados das últimas investigações sobre corrupção e favorecimento, o ex-presidente não merecia exercer o cargo até a convicção inegável de que a intenção do governo era livrá-lo das garras da vara de justiça encarregada dos processos que passariam, pelo decorrente foro privilegiado, para a alçada da Suprema Corte. Padrão idêntico se verificou entre os ouvintes que se manifestaram por e-mail sobre o assunto. Depreende-se, então, que, não só para a “zelite”, mas também para grande parte da população, vale o “je suis coxinha”.

 

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

 

*

O PLANO QUE NÃO FUNCIONOU

 

Quem perde ministério três vezes pode pedir música no “Fantástico”? Pode também concorrer a uma passagem gratuita para Curitiba, com o privilégio de escolta da Polícia Federal?

 

João Vitola jvitola1@gmail.com

São Paulo

 

*

UMA SOMBRA

 

Lula hoje não passa de uma sombra do que já foi. Pior que isso, ele passou a ser fator de constrangimento para o PT e para si mesmo. Sua imagem derreteu em nível mundial. Tudo isso causado por ele mesmo... cada ato, cada escolha, cada decisão, cada palavra emitida, cada rompante. Não há como voltar atrás, graças a Deus!

 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

 

*

E A MÁSCARA CAIU

 

Que provérbio maravilhoso! “Deus escreve certo por linhas tortas.” Visíveis a olhos nus, os brasileiros estão sobejamente cientes da má conduta que vem praticando o PT desde o seu início com o Lula em 2002. Mesmo apesar de todas as suas insistências em teimar que não há irregularidades e tudo transcorre na mais perfeita harmonia, vem o flagrante público da vontade do povo brasileiro demonstrado nas ruas com as manifestações numa maioria esmagadora contra este governo destruidor do patrimônio nacional, da ordem, do respeito as nossas leis, da justiça e, principalmente, da Pátria. E, para coroar essa demonstração maciça popular, houve a quebra de sigilo das gravações entre Lula e a presidente Dilma sobre a enorme baixaria de suas conversas amplamente divulgadas pela mídia nacional e internacional. Enquanto o povo brasileiro espontaneamente num ato de solidariedade e patriotismo mostrou o seu descontentamento com esse péssimo governo, comparecendo maciçamente a todos os locais de manifestações espalhados pelo Brasil, os governistas vão às ruas alimentados por lanches de mortadela e um cachê de R$ 30,00 pagos aos escolhidos a dedo para comparecer, de preferência os “negros e pardos” arregimentados nas periferias.

 

Benone Augusto de Paiva benonepaiva@gmail.com

São Paulo

 

*

JUS SPERNEANDI

 

Refere-se ao direito do esperneio, de reclamar, quando não há nada mais a se fazer, ou seja, quando alguém perde uma causa e apela para motivos toscos, irrelevantes, sem nenhuma profundidade. Petistas e simpatizantes fazem uso desse artifício porque sabem muito bem que nada mais há o que fazer e não encontram meios de se defender. Toda a estrutura político-partidária está contaminada e sem crédito diante dos brasileiros e até da comunidade internacional. Portanto, “enquanto a caravana passa, os cães ladram”. Ponto final.

 

Clênio Falcão Lins Caldas clenio.caldas@gmail.com

São Paulo

 

*

QUE PAÍS É ESTE?

 

Perdemos a moral, perdemos a compostura, aceitamos tudo o que não presta pacificamente. Pessoas riem da situação, escarnecem nossas leis e autoridades, fazem-se de vítimas, sendo réus, depreciam todas as nossas autoridades e parece que todos dizem amém a essa imoralidade. Será que ficamos todos insanos? O Brasil não é vermelho. Nunca foi. Até aqui, eu tinha o maior orgulho em ser brasileiro. Desde ontem, só pressinto o caos neste país abandonado por todos os que deveriam nos defender, mas dão-nos as costas. Estamos nas mãos de uma quadrilha vermelha organizada, onde deitam e rolam sobre os pobres e anônimos, ao arrepio de todas as leis. Que pena! Este país teria tudo de bom em mãos certas. Infelizmente, parece que todos se encolheram a um poder maior, nefasto. Pobre Brasil!

 

Alfredo Terenciano Netto alfredoterenciano@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

PALAVRAS DE ORDEM

 

Vocês repararam que os que apoiam o governo só têm um slogan e uma palavra de ordem: o tal de “não vai ter golpe”, embora o golpe já tenha sido dado pela própria ex-presidente, querendo entregar o governo a Lula? E os que apoiam a sua saída oficial têm uma dezena de palavras para usar, por exemplo “fora Dilma”, “fora PT”, “Lula ladrão” e por aí vai? É desproporcional.

 

Fabio Orbite inforbite@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

MANIFESTAÇÕES

 

Os fabricantes de mortadela devem estar eufóricos: se tivermos uma manifestação por semana, fecharão o ano com 10% de crescimento.

 

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

 

*

FINAL FELIZ

 

No ar, em todo o País, ao vivo e em cores, os capítulos finais e imperdíveis do “Lulagate” e “Dilmagate” na “República Federativa do PT”. Que tenha um final feliz para o Brasil!

 

J. S. Decol  decoljs@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.