Fórum dos Leitores

IMPEACHMENT

O Estado de S.Paulo

24 Março 2016 | 03h00

Golpe de Estado?

O PT chama tanto o impeachment de golpe de Estado que logo vai acreditar nisso. Convenientemente, eles ignoram que impeachment é um instrumento constitucional, com regras e ritos específicos para julgamento de eventuais desmandos do Poder Executivo. O que o PT quer é um golpe de Estado à Venezuela, para pôr seus desmandos acima da lei! Porque eles sabem muito bem o que é um golpe de Estado. Só não entendem direito o que é democracia.

VALTER CÉLIO BRANCO FONSECA

valtercelio@hotmail.com

São Paulo

Nazismo

O bordão “não vai ter golpe” é puro golpe petista, utilizando a filosofia de Joseph Goebbels: divulgue uma mentira mil vezes que ela se tornará verdade.

WALTER MENEZES

wm-menezes@uol.com.br

São Roque

Se não foi ela...

A dona Dilma afirma que não cometeu crime para merecer impeachment. Então, quem aprovou a compra de Pasadena? Quem enganou o povo garantindo que a economia estava sob controle, na campanha eleitoral? Quem aprovou as pedaladas fiscais, que são proibidas? Quem...? Esses, e outros, não são crimes?

MILTON BULACH

mbulach@gmail.com

Campinas

Crime de responsabilidade

Dilma merece mais um processo por incitar muitas pessoas a irem à luta (literalmente) para impedir um “golpe contra a democracia”. Continua enganando os incautos, o que pode levar a conflitos entre grupos pró e contra o impeachment. Até quando a Justiça permitirá esse tipo de manifestação criminosa, uma vez que ela de fato feriu a lei?

JOSÉ CARLOS THOMAZ

josecthomaz@gmail.com

São Paulo

Fala irresponsável

Agora o PT partiu para o tudo ou nada, vai investir maciçamente no confronto direto e na convulsão social. Dilma, em seus discursos irresponsáveis, prega a violência como instrumento “democrático” de manutenção do poder. Saia logo daí, perdeu!

LUIZ HENRIQUE F. C. PESTANA

luizhenriquefcpestana@gmail.com

São Paulo

Os arautos da violência

Esse grupo que se apossou do poder nos últimos 13 anos se vê no direito de mandar no País como se dele fosse dono exclusivo! A “presidenta” faz do palácio do governo um palanque para proferir impropérios, insuflando os ditos “movimentos sociais” a reagirem contra o “golpe” que a alijará do poder. O incendiário Guilherme Boulos, do MTST, afirma que “não haverá um dia de paz no Brasil” (23/2, A11), comprovando que a incitação teve o efeito esperado. No meu modesto entendimento de cidadão, ambas as declarações configuram crime, por incentivarem e provocarem a desordem pública e o descumprimento das leis. Com a palavra o Ministério Público.

JOÃO M. VENTURA

joaomv@terra.com.br

São Paulo

Agora vai

Com o MTST, o MST e alguns juristas dando-lhe apoio incondicional, nossa presidenta deve estar se sentindo imbatível e pronta para incendiar o País.

JOSÉ ROBERTO IGLESIAS

rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

‘Paredón’

Se numa democracia o ministro da Justiça e o dirigente do MTST falam o que falam, imaginem se já tivessem dominado tudo... Era paredón na certa!

TANIA TAVARES

taniatma@hotmail.com

São Paulo

MTST e MST

Nenhum juiz de coragem vai pedir a prisão preventiva de Guilherme Boulos e Gilmar Mauro? A Justiça vai ficar inerte, assistindo a esses facínoras fazerem ameaças públicas à Nação, sem tomar nenhuma providência?

FREDERICO D’AVILA

fredericobdavila@hotmail.com

São Paulo

No Poder ‘acovardado’

O golpe a que o PT, com seus juristas e tudo, tanto alude já foi posto em marcha. A gratidão tão reclamada por Lula já rendeu o primeiro fruto, com sua elevação ao status de “ingrampável”. Por isso não se sabe por que Lula tanto quer Sergio Moro longe dos seus calcanhares, nesse jogo do rato fugindo do gato. Afinal, é só reparar que os chefões do crime organizado continuam a dirigi-lo mesmo de dentro do cárcere. Assim, se a presidenta for mantida, ele continuará mandando e ela e seu séquito (dele, bem entendido), obedecendo. A não ser que o povo, nas ruas, impeça.

RICARDO HANNA

ricardohanna@bol.com.br

São Paulo

A decisão do ministro Teori Zavascki explica a euforia do atual advogado-geral da União durante a reunião com “juristas” – não sabia que havia tantos no Brasil – sobre a nova direção dos processos afetos a Lula e familiares. O futuro da vida realmente republicana do povo brasileiro está a depender, ao que parece, da maior ou menor “gratidão” dos ocupantes de elevados postos na República nomeados nos governos lulopetistas. Boulos já anuncia que não haverá um dia de paz no País se efetivado o impedimento presidencial. Se pretenderem que a pasta volte para dentro do tubo, que Deus tenha piedade do povo brasileiro.

ANA LÚCIA AMARAL

anamaral@uol.com.br

São Paulo

Por ter determinado ao juiz Sergio Moro o envio ao STF de todos os áudios e processos contra Lula no âmbito da Operação Lava Jato, concluo que Teori Zavascki aprecia um bom sanduíche de mortadela.

ROBERTO TWIASCHOR

rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

A “lei Teori’ cria cidadãos privilegiados: os amigos da corte.

OSWALDO COLOMBO FILHO

colomboconsult@gmail.com

São Paulo

Proteja-se o Judiciário

Conforme a cartilha de Gramsci, duas etapas já foram vencidas: o Executivo conquistado e o Legislativo desmoralizado. Agora é dado o início na tentativa de desmoralizar o Judiciário, o último baluarte na preservação do Estado de Direito e da democracia. Todo empenho na preservação da imparcialidade e da eficiência desse Poder da República é nosso dever e obrigação.

DINO ZAMMATARO

dzammataro@uol.com.br

São Paulo

 

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

RENAN E O IMPEACHMENT

O que terá Lula prometido a Renan Calheiros, quando estiveram reunidos durante a tarde de terça-feira, para que Renan saísse com esta declaração de que impeachment sem prova de crime de responsabilidade não é impeachment, tem outro nome? Com o “honesto” e “incorruptível” Renan fazendo publicamente um prejulgamento do processo de impeachment de Dilma Rousseff, certamente, aí tem coisa... Será que ele tirou essa conclusão daquela cópia da Constituição que ele deu ao Lula?

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com 

Rio de Janeiro 

*

O CONGRESSO E O CONSENSO NACIONAL

Tudo já foi tentado pelo governo, do aparelhamento à corrupção, à ameaça, artifícios processuais, sofismas jurídicos, mentiras com desfaçatez. Demonstrou-se incredulidade na resistência das percepções populares, das instituições informais e formais, no caráter de uma forma geral e mesmo de magistrados. Ficou patente o esforço abrangente da subversão sem nenhuma visão de bem comum. Entende-se, agora, que visões éticas de superação da pobreza foram articuladas de forma propagandística para cativar eleitores e se valer de desavisados numa manobra de subversão. Mas não conseguiram “enganar a todos o tempo todo”. O vaso quebrou. É um alívio. Gramsci foi superado. O Congresso Nacional não poderá se opor ao consenso nacional da sociedade. As consequências são inescapáveis. Fica uma lição para a vivência da democracia.

Harald Hellmuth hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

*

CRISE POLÍTICA

O sr. Guilherme Boulos, líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), diz que o Brasil será “incendiado por greves e ocupações” se houver impeachment. O sr. Boulos não precisa se preocupar em querer incendiar o País. A presidente Dilma Rousseff está se encarregando de fazê-lo, como deixou claro em um de seus pronunciamentos a plateias escolhidas para aplaudi-la. Permito lembrar o art. 142 da Constituição e a obrigação das Forças Armadas em manter a ordem pública. Cautela e caldo de galinha nunca fazem mal.

Mario Cobucci Junior maritocobucci@gmail.com 

São Paulo

*

DONOS DO BRASIL?

 

As falas recentes de dona Dilma Rousseff, do ministro da Justiça, Eugênio Aragão, e, agora, do líder do MTST, Guilherme Boulos nos assustam. São falas de ameaças de golpe, de destituir sem provas os integrantes da Polícia Federal e, no último caso, de intimidar a todos nós. Aqui, neste país, existe uma Suprema Corte, existe uma Procuradoria, existe um Ministério Público e outros órgãos, todos legais e não subordinados aos ditames de ameaças. Ou também estão? Existe o processo de impeachment e ele será exercido dentro dos ditames da Constituição e com provas. Então não tem de espernear nos ameaçando de incendiar o País! Há, na fala de Boulos, uma ameaça à paz e às ordem públicas. Acaso ele desconhece o artigo 286 do Código Penal: incitar, publicamente, a prática de crime? Com a palavra, a Justiça brasileira.

 

Tania Tavares taniatma@hotmail.com 

São Paulo

*

DISCURSO CRIMINOSO

Em vez de bradar ameaças aos quatro ventos, que não assustam ninguém, o sr. Guilherme Boulos, líder do MTST, faria melhor se explicasse aos integrantes do movimento o significado e o valor da palavra Constituição. E ensinasse que não existe nação sem leis e que incitação à violência é crime previsto em lei. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com 

São Paulo

*

MOVIMENTOS SOCIAIS

Agora deu para entende por que das alterações nas cláusulas da Lei Antiterrorismo... Se cuida, Brasil!

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br 

São Paulo

*

CHEQUE EM BRANCO

Governo monta força-tarefa por votos contra impeachment. Sabem como é isso, não? Chama os deputados, um a um, e entrega a eles um cheque em branco assinado e dizem “pode por o valor que quiser, até sete dígitos”. Ou alguém acha que não é isso? Como o ex-presidente FHC conseguiu aprovar a reeleição? Naquela ocasião, eram seis dígitos, com a inflação e a seriedade do assunto, passa para sete.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

VALE QUANTO PESA

Temos pela frente, com a instauração do processo de impedimento de dona Dilma, os mesmos capítulos do processo de afastamento de Fernando Collor, quando as tropas de choque, seja em defesa do poder, seja pela troca de poder, foram buscar o confronto pela compra do voto, vencendo naquela época os votos a favor do impedimento e que, agora, vamos rever sem dúvida alguma, já que muito dinheiro vai rolar e, ao final, saberemos se cada voto vale quanto pesa, seja lá quem ganhar. Com a palavra, os representantes do povo brasileiro.

Dalton A. S. Gabardo dalton@gabardos.com.br 

Curitiba

*

‘MAPA DO IMPEACHMENT’

Após a inauguração do “Mapa do Impeachment”, ferramenta que permite à sociedade acompanhar o processo de perto, 87 parlamentares mudaram de lado e passaram a apoiar o impedimento. Deus voltou a ser brasileiro. Obrigado, Senhor!

Arcangelo Sforcin Filho arcangelosforcin@gmail.com  

São Paulo

*

FATIAMENTO

Usar apenas o que foi apresentado no pedido de impeachment de Dilma Rousseff à Câmara dos Deputados é o mesmo que fatiar a presidente como uma mortadela, comer só a primeira fatia e jogar fora as demais! Ignorar o que se ouviu nos telefonemas e nas delações é fechar os olhos à verdade! Julgar só o dedo que puxou o gatilho, ignorando a vontade e o cérebro, é uma hipocrisia e desrespeito inominável à inteligência do povo. Pasmem, isso é o que pretendeu a “base aliada”. Não passarão!

Décio Antônio Damin deciodamin@terra.com.br 

Porto Alegre

*

‘LUTAREI PARA NÃO SER VÍTIMA DE NOVO’

As palavras acima foram proferidas pela acuada presidente Dilma Rousseff em mais uma atividade político-partidária realizada no Palácio do Planalto, desta vez reunindo uma claque de juristas contrários ao impeachment, na terça-feira. Não foi a primeira vez que essa turma esteve no palácio. Mas, convenhamos, para comprovar que Dilma foi vítima de alguma coisa no passado, é necessário que o Superior Tribunal Militar libere os processos aos quais ela foi submetida por ter praticado atos contra a segurança de pessoas e instituições. Será que a família do sr. Kozel, morto no atentado perpetrado contra a guarda ao quartel pela organização à qual Dilma pertencia, concorda com essa vitimização? 

Marco Antonio Esteves Balbi mbalbi69@globo.com 

Rio de Janeiro

*

CARA DE RENÚNCIA

Presidente Dilma, atendendo à sua chamada, tenho observado sua cara nas fotos. E, sim, agora a senhora está com cara de quem vai renunciar. Parabéns pela sábia decisão. Não há outra alternativa sensata. É o melhor para o Brasil. E a saída menos ruim também para a senhora.

Jorge Alberto Nurkin chocoblank@icloud.com 

São Paulo

*

RENUNCIAR, NUNCA

Quanto mais a presidente ao cargo mostra apego, fica cada vez maior a cada dia o desemprego.

Eduardo Augusto Delgado Filho e.delgadofilho@gmail.com 

Campinas

*

INTERESSES

Dilma vai renunciar? Certamente que não, porque a sua vaidade/leviandade é muito maior que seu interesse pelo bem do Brasil.

Antônio Penteado Serra apserra@uol.com.br 

Santana de Parnaíba

*

LAMENTÁVEL

Lamentável o discurso da presidente do Brasil, Dilma Rousseff, na terça-feira, direcionado a uma centena de militantes de esquerda presentes no palácio presidencial. Pela segunda vez em menos de dez dias, ela dirige sua fala, sua raiva e suas “elucubrações” para justificar o injustificável. Discurso idêntico àqueles de outrora de Fidel Castro e de Hugo Chávez para seus comandados. Deplorável uma presidente de um país democrático e em pleno Estado de Direito se prestar a este ridículo, fazendo parecer que já estamos numa ditadura de esquerda.

Antônio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com

Taubaté 

*

DESALENTADOR

O inflamado discurso, recorrentemente interrompido, com aclamação, pela plateia domada, proferido pela presidente Dilma, no qual reafirma que jamais renunciará e repete o já cansativo e gramaticalmente duvidoso “não vai ter golpe”, é duplamente desalentador. Primeiramente, pela citação de um número excessivo de “eu’s”, personalistas, cheirando a salvamento da própria pele, como se todo um país, seu povo sofrendo com o desemprego e a inflação decorrentes dos desatinos na economia cometidos no seu mandato anterior, em nome de uma reeleição em que se fez “o diabo”, simplesmente não existisse. Quanto ao mote golpista, é importante ressaltar que todo o procedimento para afastá-la por meio do impeachment está sendo conduzido de acordo com as determinações do Supremo Tribunal Federal (STF) e dentro dos limites constitucionais, o que descaracteriza qualquer conotação de solução fora da lei. O que, por exemplo, não ocorreu rigorosamente  dentro da inspiração da lei magna e da ética, foi a nomeação ministerial de um ex-presidente investigado e o encaminhamento apressado de um papel que deveria ser assinado caso houvesse necessidade. Por que não reconhecer a responsabilidade pela aflitiva situação do país, esquecer um pouco os “eu’s” e cogitar, sim, da renúncia? Por outro lado é bom a presidente Dilma parar de subestimar a população brasileira à qual não engana mais e que sabe perfeitamente onde se localiza o golpe.

Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com 

Rio de Janeiro

*

DILMA D’ARC

As regras democráticas são legais quando permitiram a chegada do PT ao poder e são “golpistas” quando o povo quer democraticamente remover uma presidente desrespeitosa às leis e cujo desempenho está além de desastroso?

Omar El Seoud ElSeoud.USP@gmail.com

São Paulo

*

QUE PAÍS É ESTE?

 

Uma presidente arrogante, autoritária e totalmente desprestigiada pela população e seus pares políticos. Um Congresso Nacional com centenas de membros sub judice, a começar pelos presidentes das duas Casas. Um ex-presidente boquirroto que, descoberto milionário sob a fantasia de sua falsa pobreza, covardemente tenta esconder-se num ministério, buscando o salvo-conduto desta aberração chamada “foro privilegiado”. Como consequência disso tudo, pagamos um custo social com a piora dos serviços públicos, cujo esbanjamento da receita pública no pagamento de pessoal não está mais cabendo no Orçamento da União, de Estados e de municípios. Na esteira da recessão que se forma, sofremos com o ascendente desemprego que assola a Nação. E, enquanto vivemos uma grave crise, o Supremo Tribunal Federal (STF) entra em recesso de Semana Santa, embora sejamos um país laico, adiando decisões fundamentais à harmonia nacional. No meio da baderna em que se transformou o Brasil, olho o caos à volta e pergunto: que País é este? Certamente não é aquele que desejei para meus descendentes.

 

Honyldo Roberto Pereira Pinto honyldo@gmail.com 

Ribeirão Preto

*

‘VERGONHA NA CARA’

Não conheço a sra. Luiza Nagib Eluf pessoalmente, mas leio com atenção suas colaborações esporádicas na mídia. Acabo de ler seu artigo “Vergonha na cara” (“Estadão”, 22/3, A2) e fiquei abismado! Neste turbilhão de fatos contristadores que nos atingem a todo momento, é animador ver alguém colocar de forma muito clara, sucinta e exata aquilo que vai nos corações daqueles que almejam algo melhor para o Brasil. Essa “crônica do absurdo” tem como pior consequência, penso, o envenenamento de nossa juventude e mocidade. E vemos com espantosa velocidade o aumento da quantidade de parentes e amigos jovens que desistem do Brasil e vão construir sua vida em algum país onde a dignidade e a honestidade sejam valores respeitados e promovidos. Fiquei muito esperançoso com as palavras da sra. Eluf, que ecoam o que vai nas ruas e mostram nossa missão de batalhar por um país mais justo e “com vergonha na cara”. Só não concordo com o final do artigo: “Pena não sermos o Japão”. Já pensou? Seria uma mortandade exponencial!

Nelson Penteado de Castro pentecas@uol.com.br

São Paulo

*

SENSO DO RIDÍCULO

A presidente Dilma Rousseff perdeu o senso do ridículo com seus argumentos cada vez mais patéticos em seus discursos. Não vai ter golpe algum, presidente Dilma, o País vai apenas afastar do poder o governo mais corrupto e incompetente de todos os tempos. A presidente Dilma cometeu tantos crimes que não há espaço para citá-los aqui. O último foi o crime de obstrução à Justiça com a patética tentativa de nomear Lula ministro. A presidente Dilma poderá se vingar de seus algozes depois de ser deposta e presa aderindo ao programa de colaboração premiada da Polícia Federal. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br 

São Paulo

*

O IMPASSE NO CASO LULA

Disse manchete do “Estadão” de terça-feira (22/3): “Impasse jurídico prossegue e PT teme prisão de Lula”. Isso me fez pensar no ditado popular: “quem não deve não teme!”. 

Pedro R. Chocair pedrochocair@yahoo.com.br

São Paulo

*

A TEORIA E A PRÁTICA

A decisão do ministro Teori Zavascki, avocando o caso de Lula para o STF, demonstra que a prática vai e irá contra a teoria de Teori, porque o magistrado Sérgio Moro sempre pautou as investigações realizadas pela força-tarefa com Justiça e justeza, inclusive no caso de Lula. E, se não tivesse liberado as gravações questionadas, o povo nunca saberia qual seria a verdadeira face do ex-presidente. A sua fala nas gravações demonstra o seu caráter, aliás, imprestável para o exercício da Presidência da República. Assim, o ministro Teori Zavascki assume perante a nação brasileira uma posição que será analisada e verificada pelo povo brasileiro, que não abre mão de saber tudo sobre aqueles que o governam ou o governaram. Escondidinho de Lula não virá para a mesa do povo.

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br 

Rio Claro

*

STF X SÉRGIO MORO

Não foi preciso o ex-presidente Lula assumir o governo; Teori Zavascki satisfez seu desejo e requisitou-o ao Supremo Tribunal Federal; determinou que Moro enviasse ao STF a investigação sobre o ex-presidente, e, de certa forma, assumiu a verdade que não quer calar: a Suprema Corte é complacente e leniente com Lula, motivo pelo qual o governo desejava que a sua investigação ficasse em Brasília. Agora, Lula poderá exercer seu poder pessoal e aglutinar forças contra o impeachment, embora informalmente; o ex tem um verdadeiro descaso com leis, formalidades, e age ao arrepio das regras porque se acha acima delas. É lamentável que estejamos diante de uma luta política de baixo nível, inclusive com o linguajar chulo, com palavras de baixo calão de um ex-presidente que se diz estadista. 

 

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com 

Rio de Janeiro

*

FORO PRIVILEGIADO

O juiz Teori critica o juiz Moro. Em seguida, ele chama para o STF o processo do cidadão Luiz Inácio Lula da Silva, que, ao que me consta, é hoje cidadão comum, portanto sujeito às mesmas leis dos demais mortais. Pergunta de um leigo: é prerrogativa de juiz do STF, em decisão individual, conceder foro privilegiado a um cidadão comum?

 

Abel Cabral abelcabral@uol.com.br 

Campinas

*

PLANO B

Dilma já tem um plano B para Lula. Só pode ser de faxineiro no Ministério da Casa Civil.

Valdir Sayeg valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

*

OPORTUNIDADE

O sr. Luiz Inácio Lula da Silva deveria aproveitar a oportunidade que está tendo e não obstaculizar o Judiciário, o Ministério Público nem a Polícia Federal, pois, como alma mais honesta de Garanhuns e do Brasil, não tem nada que temer e poderá usar sua inocência para promover sua honestidade, e, quem sabe, se tornar um mártir. Ou está escondendo algo?

Everson Rogério Pavani roger.advog@gmail.com 

São Paulo 

*

ABRIR MÃO

Quem não deve não teme. Lula deve renunciar voluntariamente ao cargo de ministro e do foro privilegiado.

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.bR

São Paulo

*

INTERESSE NACIONAL

Pela vontade dos petistas, os áudios com as conversas de Lula ao telefone deveriam ter sido censurados. Mas aí os brasileiros não teriam tido a oportunidade de conhecer mais de perto nosso ex-presidente e saber o que ele é capaz de fazer!

Euclides Rossignoli euclidesrossignoli@gmail.com 

Avaré

*

ALO? DESCULPE, ENGANO

Desde a revelação dos grampos do seu telefone, Lula recebeu apenas duas ligações e ambas eram engano. Uma disse que era engano e pediu desculpas; a outra pessoa, ao reconhecer a voz, simplesmente desligou. Este mês a conta vai ser baixinha, baixinha...

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com 

São Paulo 

*

O BOEING DE LULA

O avião de Lula implodiu! Entre os destroços foram encontradas garrafas de cachaça, faqueiros, um molho de chaves com a identificação do sítio Santa Bárbara, de um apartamento tríplex, pedalinhos, uma bandeira vermelha do PT, toalhas, colchas, vários tubos de cosméticos, um contrato de compra e venda sem assinaturas, um termo de posse, uma foto do juiz Sérgio Moro e outras quinquilharias. Os investigadores acharam a caixa preta e, feita a degravação, ouviram-se impropérios chulos gritados pelo piloto, e as palavras arrastadas denotavam que o mesmo estava sob o efeito de álcool. Ouviu-se também uma passageira gritando para que os investigadores enfiassem a caixa preta em local pouco adequado...

Jose E. Bandeira de Mello jbandeiramello@bol.com.br  

São Paulo

*

CONAR POLÍTICO

Assim como já temos um Conar para julgar e tirar do ar propaganda enganosa de qualquer produto ou serviço, temos de ter um Conar Político para cercear estelionatários travestidos de marqueteiros políticos – como um conhecido casal de presidiários que mereceriam prisão perpétua, se houvesse, por seus feitos contra o Brasil. Aliás, quem é o novo “marqueteiro” que está assessorando Lula e seus “petralhas” para engabelar a imprensa internacional? Conar Político neles!

Suely Mandelbaum suely.m@terra.com.br

São Paulo

*

INDIGNAÇÃO CHAMEJANTE

Transparência é um requisito fundamental de qualquer governo que se queira democrático. Quando se quer reprimir aqueles que expõem a verdade ao povo, para onde se caminha? Quando se vê um homem de mente autocrática – para usar as palavras do ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF) –, não obstante todas as evidências de crime, usar de todos os meios, incluindo os ilícitos (que o fazem ainda mais criminoso) para encobrir suas fraudes, sua ocultação de patrimônio, seu tráfico de influência e, ainda, querer fugir... ah, sim, no Brasil isso parece possível, fugir para um cargo no governo. Será isso democracia? O povo, legitimamente indignado, foi às ruas e aguarda a prisão deste sujeito, de seus comparsas e de todos os corruptos que lesam os brasileiros e impedem o Brasil de progredir. Indignação que está ainda chamejando no coração dos brasileiros, com o grito na garganta, pronto a voltar às ruas, se necessário, até ver a Justiça feita e os bandidos, na cadeia.

Reinaldo Ferreira Mota Junior reinaldojr8@hotmail.com  

Praia Grande 

*

O MINISTRO E A OPERAÇÃO LAVA JATO

O ilustre ministro da Justiça, Eugênio Aragão, disse que bastou sentir o cheiro de qualquer vazamento na Operação Lava Jato que ele irá interferir imediatamente na equipe, ainda que sem provas. Cheirar, de repente, virou excelente critério para chegar à verdade. Meu cachorro também pensa assim.

Regina Ulhôa Cintra reginaulhoa13@outlook.com 

São Paulo

*

CONFUSÃO

Mexer na Polícia Federal nesta altura do campeonato vai dar confusão. Oxalá isso não aconteça!

Jose Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com 

Avanhandava

*

JUSTIÇA PELO CHEIRO

O ministro da Justiça, “Pit-Bull” Aragão, vai agir pelo cheiro no caso da Polícia Federal, o que indica que de justiça ele não entende nada. Que o chefe dele está podre de rico não foi pelo cheiro que se descobriu, e, sim, por indícios e provas. 

M. Mendes de Brito voni.brito@gmail.com 

Bertioga

*

CHEIRO RUIM

A Constituição brasileira é bem clara no que diz respeito à autonomia funcional de que goza a Polícia Federal em seu exaustivo e meticuloso trabalho de investigação de crimes que lhe competem, independentemente de sua subordinação hierárquica ao ministro da Justiça, a quem cabe apenas determinar as diretrizes e o orçamento das operações policiais. Isso posto, espera-se que o novo ministro da Justiça, Eugênio Aragão, não se deixe levar pelo nariz...

J. S. Decol decoljs@gmail.com 

São Paulo

*

O PROCURADOR ARAGÃO

Ora, Eugênio Aragão já entrou no ministério com uma missão. Esperemos que falhe, claro. Mas a questão anterior é como ele pôde entrar, e por que não deveria sair imediatamente do ministério. Ele é tão procurador quanto o seu antecessor, que teve de sair. A alegação de que ele poderia ficar por ter entrado antes da Constituição de 1988 é ridícula. Ele não tem direito adquirido para exercer quaisquer funções que lhe são vetadas pela Constituição. O direito adquirido se aplica a direitos pessoais, como regime de salários, férias, etc. Não a exercer cargos que são vetados a gente de sua profissão.

 

Roberto Mello Barbieri rmbarbi@uol.com.br

São Paulo

*

‘O CHEIRO COMO MÉTODO’

Gostaria de cumprimentar o editorial “O cheiro como método” (“Estadão”, 22/3, A3) sobre o nosso ministro da justiça, Eugênio Aragão. Este não foi nada original e, antes, foi tema explorado no livro “O Perfume”, romance escrito pelo alemão Patrick Süskind em 1985. Deste famoso romance foi feito o filme com o mesmo título em 2006. O personagem deste livro era Grenouille, que tinha olfato apuradíssimo e era capaz de perceber (e se encantar) com cheiros imperceptíveis pela maioria das pessoas. Na nossa história republicana deve ser lembrada a declaração do presidente Figueiredo dizendo que gostava mais do cheiro do cavalo do que de gente.

Pedro Thadeu Galvão Vianna ptgv@me.com 

Botucatu

*

CIÚMES

Alguns membros do Judiciário têm demostrado certo ciúme do juiz Sérgio Moro. Deveriam, isso, sim, ter a sua coragem.

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com 

São Paulo

*

DOIS PESOS E DUAS MEDIDAS

Eu queria entender: Aloizio Mercadante cometeu o mesmo crime de Delcídio Amaral (tentativa de obstrução da Justiça), e não foi preso. Ele também não foi exonerado pela presidente do Ministério da Educação, o que permite concluir que ela não só estava a par da movimentação dele, como, muito provavelmente, foi ela a mandante. E não vai acontecer nada?

José Roberto dos Santos Vieira jrdsvieira@gmail.com 

São Paulo

*

A NOVA COMISSÃO DA VERDADE

O PT, agora, quer que se apurem os crimes graves cometidos contra o Estado brasileiro por todos os partidos, e não somente os seus, que são a quase totalidade. Parece lógico, mas quando “eles” instituíram a tal Comissão da Verdade (CV), perdoaram-se, de antemão. A CV deles é a Lava Jato.

Roberto Maciel rvms@oi.com.br 

Salvador

*

ONDE?

Embora entenda que haja (também) outros partidos com lama até o pescoço, ainda não consegui identificar a correlação entre corrupção sistêmica, mentiras deslavadas de uma presidente, enriquecimento dos Lula da Silva e os pretensos ideais do PT, quais sejam: fazer justiça social e promover a igualdade de classes.

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com 

Niterói (RJ)

*

AOS LADRÕES, A CADEIA

Não importa a cor, branco ou negro, vermelha ou verde-amarela, não importa o status, se pobre ou rico, não importa a religião, católicos, evangélicos ou espíritas, não importa se corintianos ou palmeirenses, não importa o partido, PT, PMDB, PSDB e os outros. Nada importa! Para ladrões, a cadeia! A liberdade deve ser desfrutada para o trabalhador honesto que é usurpado por impostos e não tem um digno sistema de saúde, educação, estradas, transportes e aposentadoria digna. A liberdade é para o brasileiro que, hoje, infelizmente, é considerado, para o resto do mundo, um cidadão de segunda ou terceira categoria, e são 204 milhões.

Walter Duarte duartecont@globo.com 

São Caetano do Sul

*

O PREJUÍZO DA PETROBRÁS

A maior estatal brasileira, a Petrobrás, teve um prejuízo de R$ 35 bilhões. Isso se deve a má gestão e corrupção, mas o presidente da estatal, Aldemir Bendine, não será cobrado em nada. Coisa do governo, todo mundo mete a mão, mas ninguém fiscaliza. Em qualquer empresa privada, um resultado deste colocaria na rua seu presidente. No Brasil, os responsáveis pela estatal culpam o preço do petróleo e o aumento do dólar, mas não confessam que fizeram diversos investimentos caros atrelados ao dólar. O resultado é desastroso. A cada prejuízo da estatal, fica mais evidente que, se ela tivesse sido privatizada, o Brasil não estaria em situação difícil. Mas o PT precisava dela.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com 

São Paulo

*

A ESTATAL DETONADA

Gostaria muito que os éticos petistas, em geral cegos, se pronunciassem sobre o megaprejuízo da Petrobrás, que eles nunca quiseram privatizar legalmente, mas que privatizaram ilegalmente. Nunca antes uma empresa que só deu lucro e alegria a seus acionistas agora está detonada e afundada. É uma vergonha internacional. Eu mesmo estou perdendo tudo o que apliquei na Petrobrás com meu suado FGTS. Isso eles não falam.

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br 

Rio de Janeiro

*

ESTATAIS, PRIVATIZAR TODAS 

Na revista “Veja” desta semana, Delcídio Amaral denuncia um monte de políticos por usarem dinheiro de empresas estatais, que são do Brasil, e não do PT, para forrar suas campanhas eleitorais e bolsos. Além da Petrobrás, menciona Eletrobrás, Furnas, BNDES e outras. Lula e o PT sempre foram contra o que eles chamam de “privataria” de FHC, por ter este privatizado a Vale e a Embraer; só que, nestes casos, os valores foram para o Tesouro, e não para os bolsos de FHC e do PSDB, ao contrário do que faz o PT com as empresas denunciadas por Delcídio. 

Mário A. Dente eticototal@gmail.com

São Paulo

*

PREVARICAÇÃO

Na entrevista que concedeu à revista “Veja”, Delcídio Amaral diz: “Lula tinha certeza de que Dilma e José Eduardo Cardozo tinham um acordo cujo objetivo era brindá-la. A condenação dele seria a redenção dela, que poderia, então, posar de defensora intransigente do combate à corrupção”. Além de expor uma atitude sórdida contra seu mentor, dona Dilma demonstra, mais uma vez, sua falta de percepção dos fatos que ocorrem à sua volta, pois quem foi presidente do Conselho da Petrobrás, chefe da Casa Civil e presidente da República teve protagonismo e tempo suficientes para sentir o odor fétido da lama que corria sob seu nariz. Portanto, repito: no mínimo, prevaricou, e prevaricação é crime.

 

Antonio Carlos Gomes da Silva acarlosgs9@gmail.com 

São Paulo

*

PAÍS CORRUPTO SÓ REGRIDE

O Brasil, como legado petista, é considerado hoje um dos países mais corruptos do mundo. Pelos cálculos da Polícia Federal, nesta Operação Lava Jato, foram desviados das nossas estatais US$ 13,9 bilhões, ou R$ 50 bilhões. Somente em bancos suíços foram bloqueados US$ 800 milhões, de contas de brasileiros políticos, empresários, etc., envolvidos na Operação Lava Jato. Esses recursos alavancariam investimentos importantes em pesquisas de ciência e tecnologia, em escolas profissionalizantes, saneamento básico, saúde, educação, etc. Ou seja, áreas determinantes para o aumento da produtividade e do bem-estar social. Além da criação de milhares de empregos... Em recente artigo da economista Maria Cristina Pinotti, no “Estadão”, com o título “Consequências econômicas da corrupção”, ela cita dois bons exemplos de investimentos em infraestrutura em dois países: um corrupto, como a Itália, e outro, a França, que combate esse mal pela raiz. Na Itália, a construção de 125 km de linha de trem de alta velocidade entre Milão e Turim, iniciada em 2002 e concluída em 2009, custou € 7,8 bilhões, ou € 62 milhões por km. Já na França, para a construção de 300 km de um trem também de alta velocidade ligando Paris à Alsácia, com início também em 2002 e entregue dois anos antes do prometido, custou aos cofres públicos € 5 bilhões, e o km construído saiu por apenas € 16,6 milhões. Ou seja, enquanto os franceses, pela boa e responsável governança, além do percurso ser maior em 175 km, zelaram pelos recursos dos contribuintes, o projeto entregue com atraso na Itália, custou por um percurso bem menor € 4,9 bilhões a mais, ou R$ 20 bilhões que dos franceses! Isso posto, assim como na Itália, onde a sua economia só regride, o Brasil vem perdendo muito também nesta era petista, como nos superfaturamentos nas obras públicas, na recessão econômica com PIBs negativos, na inflação alta, no desemprego em massa, nos pífios índices de investimento em infraestrutura, etc. Isso porque, infelizmente, Lula e seus camaradas optaram pela corrupção...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

TUDO A VER

Os europeus têm o Estado Islâmico nos seus calcanhares; nós, aqui, temos o PT. É só uma questão de semântica ou modo de ação?

Aloisio A. De Lucca aloisiodelucca@yahoo.com.br 

Limeira

*

A OLIMPÍADA E O SUS

Enquanto este desgoverno gasta irresponsavelmente R$ 38 bilhões para fazer uma simples Olimpíada mal organizada e em águas sujas da Baía de Guanabara, para sustentar os corruptos encarregados de repassar essa grana, o Sistema Único de Saúde (SUS) – SUSto? – e os hospitais públicos não têm recursos para atender a demanda dos beneficiários públicos, ocorrendo até parto de senhoras na rua, em frente a hospitais, por falta de capacidade de atendimento, além de muitos outros cidadãos ficarem jogados pelos corredores dos hospitais neste imenso Brasil mal administrado. Isso é uma realidade do governo petista.

Benone Augustro de Paiva benonepaiva@gmail.com 

São Paulo

*

TERRORISMO NA BÉLGICA

A tragédia em Bruxelas chocou o mundo. Uma violência gratuita e destituída de qualquer justificativa. Atingiu um simpático país, escolhido como sede da União Europeia. A sua população, dividida em dois grupos de língua e cultura distintas, é um exemplo de convivência e respeito mútuo. Mas o passado colonialista belga, ainda em pleno século 20, é mantido inexplicavelmente sob um manto de esquecimento. Leopoldo II, “le Roi des Belges”, e sua administração cometeram um espantoso genocídio no Congo. A população local, reduzida à condição de trabalhadores escravos nas plantações de seringueiras, era submetida a castigos inimagináveis. Os recalcitrantes ao trabalho tinham mãos ou pés amputados como exemplo aos demais. O assassinato sem qualquer critério era sistemático: calcula-se que entre cinco e dez milhões dos infelizes habitantes daquela região africana tenham perecido nas mãos dos seus ocupantes europeus. Os contemporâneos de outras nações, chocados, manifestaram-se através de publicações em grande número. As fotografias da época atestam o horror da situação. O escritor americano Mark Twain chegou mesmo a publicar um livro-denúncia a respeito. Parece que o ser humano, infelizmente, não consegue se livrar da sua carga agressiva. 

Horst Wever horst@ortopediahorst.com.br 

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.