Fórum dos leitores

PIXULECO & DILMENTIRA

O Estado de S.Paulo

27 Março 2016 | 03h00

Verdadeira dimensão

O coordenador do MTST, Guilherme Boulos, ameaçou incendiar o País se o impeachment da presidente fosse concretizado e Lula fosse preso. E prometeu reunir 50 mil manifestantes na última quinta-feira, às 17 horas, no Largo da Batata. Mas sua passeata não reuniu mais de 2 mil pessoas, segundo o UOL. O impeachment de um presidente da República decerto não é uma decisão simples, envolve todos os setores, principalmente a economia, com consequências para a população. Ao fazer ameaças de incendiar o País, ao sr. Boulos não importa saber se a decisão do impeachment está de acordo com a Constituição. Ele não quer e ponto. Mas o fracasso da passeata mostrou a exata dimensão da sua liderança.

GILBERTO PACINI

benetazzos@bol.com.br

São Paulo

De golpes

Nos governos Lula se deu um golpe de sorte, pois a economia mundial estava em alta. Aí deram o golpe do baú na viúva, culminando com o golpe de mestre na Petrobrás, tudo com o objetivo criminoso de perpetuação no poder. Agora especialistas na matéria voltam a falar em golpe. Chega! Não teremos mais golpes, mas apenas o impeachment e prisão para todos os envolvidos, que serão julgados, condenados e então, finalmente, teremos o golpe de misericórdia.

ALBERTO B. C. DE CARVALHO

albcc@ig.com.br

São Paulo

Nada melhor para esclarecimentos públicos que as manifestações dos ministros do STF Cármen Lúcia e Dias Toffoli sobre não ser o impeachment um golpe, como desejam dona Dilma e seus sectários. Se a Carta Magna prevê a aplicação do impedimento, tendo ele o seu rito e demais procedimentos estabelecidos, não há que falar em golpe. Aliás, golpe é a atuação do lulopetismo, que deseja permanecer no poder a qualquer custo, mesmo sobre um mar de lama a encobrir crimes de lesa-pátria. Ademais, 68% da Nação é favorável ao impedimento de dona Dilma, com o que se corrobora a aplicação legal do impedimento. E só com ele a Nação poderá levantar-se e caminhar, propiciando empregos e desenvolvimento em todos os seus setores vitais.

JOSÉ CARLOS DE C. CARNEIRO

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

Soninho bom

Para uma subalterna do Palácio do Planalto, Dilma saiu-se bem na entrevista a jornalistas estrangeiros, cumprindo o objetivo de defender o governo e, poderíamos acrescentar, seu criador. A criatura continua batendo nas mesmas teclas ridículas e patéticas de sempre: não vai ter golpe, dorme bem à noite e “daqui não saio, daqui ninguém me tira”! Será que a indigesta senhora pensa ser a imprensa estrangeira cega a ponto de ela poder enganá-la?

APARECIDA DILEIDE GAZIOLLA

aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

Com 10 milhões de desempregados, um déficit no Orçamento de R$ 96 bilhões, a inflação beirando os 10%, etc., ela diz que dorme bem. Que impressão ela pode ter passado aos jornalistas estrangeiros?

FABIO DUARTE DE ARAUJO

fabionyube@visualbyte.com.br

São Paulo

A presidente está dormindo bem à noite, mas tenho a certeza de que os 10 milhões de desempregados não estão.

JAIME SANCHES

jaime@carboroil.com.br

São Paulo

Freud mostrou como o mecanismo de projeção funciona para que uma pessoa se livre de aspectos intoleráveis de si mesma. “Não sou depressiva”, disse Dilma, que só dorme bem à noite porque projetou a sua depressão em 50 milhões de brasileiros que nela acreditaram e agora servem de lata de lixo onde ela, impávida, descarrega qualquer percepção de sua extrema incompetência, protegendo-se de uma depressão, quiçá, mortal. Quando esses brasileiros desistirem de ser recipientes dos dejetos da presidenta, eles retornarão e ela saberá o tormento que são noites insones!

SANDRA MARIA GONÇALVES

sandgon@terra.com.br

São Paulo

Números? Ora, números...

Na entrevista a jornalistas estrangeiros, Dilma afirmou também que somente 2% da população protestou no dia 13. Esqueceu o mais importante: esses 2% eram os representantes dos 140 milhões (70%) que querem vê-la no olho da rua!

MARIA HELENA ROCHA CABRAL

mellone45@icloud.com

São Paulo

Números não mentem

Com a grave crise econômica, política e fiscal, o Brasil teve queda da renda per capita e o primeiro aumento da desigualdade desde 1992. Aumentaram a concentração de renda e o fosso que separa ricos e pobres no País. Os números não mentem. São fatos. Parabéns à incompetente, despreparada e irresponsável presidente Dilma Rousseff (PT) por mais essa façanha negativa.

RENATO KHAIR

renatokhair@uol.com.br

São Paulo

Populismo oportunista

Somente agora, depois de tantos anos, alguns foram perceber o real significado da frase “nunca antes na História deste país um partido tirou tantos milhões da pobreza”. Ingênuos... Achavam que os “milhões” se referiam a pessoas...

LUIZ HENRIQUE F. C. PESTANA

luizhenriquefcpestana@gmail.com

São Paulo

Vergonha alheia

A nervosa manifestação de Lula ao exortar líderes de movimentos sociais e sindicalistas, no sentido de exercerem pressão sobre a força-tarefa da Operação Lava Jato e o juiz Sergio Moro, sob a alegação de serem eles os responsáveis pelo travamento da economia, constituiu uma da cenas mais constrangedoras da História da República. Ao assim proceder, foi mal-intencionado, pois ignorou propositalmente que as dificuldades que hoje atormentam o trabalhador brasileiro, como desemprego e inflação, têm como principal origem a irrespirável atmosfera de corrupção de que ele e seu partido são os mais importantes protagonistas. Escancarou também ao restante do mundo o desagradável fato de que uma das outrora mais expressivas lideranças políticas do Brasil, além de agir de modo personalista e insano, simplesmente atropela a Justiça, fato inadmissível em qualquer sociedade regida pelo Estado Democrático de Direito. Ao assistir a essas cenas, o cidadão, estupefato, tem vontade de solicitar a parada para desembarque. Apesar de tudo isso, boa Páscoa para todos!

PAULO ROBERTO GOTAÇ

pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

TEMPO DE PENITÊNCIA

 

O Brasil vive um tempo de penitência, por ter colocado no poder pessoas descomprometidas com o povo. Esta Páscoa adquire, com toda sua simbologia, um sentido especial para todas as pessoas que sonham com um país melhor. Que o Brasil renasça mais forte dessa luta pela verdadeira democracia. Feliz Páscoa!

 

Elisabeth Migliavacca elisabeth448@gmail.com

São Paulo

 

*

CONSTRANGEDOR

 

A nervosa manifestação de Lula ao exortar os líderes de movimentos sociais e os sindicalistas no sentido de exercerem pressão sobre a força-tarefa da Operação Lava Jato e sobre o juiz Sérgio Moro, sob a alegação de serem eles os responsáveis pelo travamento da economia, constituiu uma das cenas mais constrangedoras da história da República. Ao assim proceder, foi mal intencionado, pois ignorou propositalmente o fato de que as dificuldades que hoje atormentam o trabalhador brasileiro, como o desemprego e a inflação, têm como principal origem a irrespirável atmosfera de corrupção, da qual ele e seu partido são os mais importantes protagonistas. Escancarou também ao resto do mundo o desagradável fato de que uma das outrora mais expressivas lideranças políticas do País, além de agir de modo personalista e insano, simplesmente atropela a justiça, fato inadmissível em qualquer sociedade orientada pelo Estado Democrático de Direito. Ao assistir às cenas, o cidadão, estupefato, tem vontade de solicitar a parada para desembarque. Apesar de tudo isso, boa Páscoa para todos!  

 

Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

TRAVESSIA

 

Com todo respeito que a data merece, bem que o Partido dos Trabalhadores (PT) e seus puxadinhos podiam aproveitar a Páscoa para antecipar, logo, a “travessia”, a passagem para a oposição. Quem sabe com a renúncia da presidente Dilma Rousseff, em horário nobre, hoje à noite? Certamente, o Brasil voltaria a crescer e ficar livre do maior e mais perigoso projeto criminoso de poder. 

 

João Direnna joao_direnna@hotmail.com

Quissamã (RJ)

 

*

HORA DE VAZAR

 

A conceituada revista semanal britânica “The Economist” põe Dilma Rousseff em sua capa com o título “Time to go”, que no popular significa “hora de vazar”. O magazine – publicado numa terra onde multa de trânsito faz cair o governo – parece ter perdido a paciência com os petistas ao constatar que “(...) a nomeação de Lula (para ministro de Dilma) configura uma tentativa grosseira de obstrução da Justiça”. Concluindo: “Ao agir assim, ela (Dilma) pôs os interesses estreitos de sua tribo política acima do império da lei. É sinal de que não tem mais condições de exercer a Presidência”. Quem diria, houve um tempo em que esta mesma publicação era só elogios à tal “tribo” do cacique Lula.  

 

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

 

*

GOLPEADOS

 

A presidente Dilma Rousseff vive dizendo estar sendo vítima de uma tentativa de golpe. E todos os que votaram no PT, nas últimas eleições, e que foram enganados por promessas sabidamente falsas e mentirosas, como deveriam se sentir agora?

 

Marcelo Gomes Jorge Feres marcelogferes@ig.com.br 

Rio de Janeiro

 

*

O BORDÃO DO GOLPE

 

Permita-me o leitor uma adaptação livre do texto “O Bordão na Guerra”, de Karl Kraus, aquele jornalista austríaco que já anunciava uma Grande Guerra em 1913: desde que defensores do governo denunciam a democracia e defensores da democracia denunciam o governo, golpistas só podem calar... Quando, no lugar de fatos, há boatos, é ruim o bastante. Mas quando esses boatos ainda são usados onde os fatos já estão com os fatos, quando governo é uma paráfrase de governo e democracia um bordão de democracia, então um golpe é inevitável!

 

Pedro Paulo Devescovi Parreira ppdparreira@hotmail.com 

Heidelberg, Alemanha

 

*

PELA ÓTICA LULOPETISTA

 

Sugiro aos doutos “juristas” que apoiam Dilma Rousseff o retorno aos bancos acadêmicos, para melhor estudo da Lei Penal e compreensão exata dos crimes perpetrados pela quadrilha petista. Não o fazendo, abraçando a questão pela ótica lulopetista, fica claro que não passam de advogados de porta de cadeia. Doutores, menos vitrine e mais estudo.

 

Paulo Tarcisio Emm paulotarcisioemm@gmail.com

Ribeirão Preto

 

*

O OCASO DO PODER

 

No ocaso do poder, Lula e Dilma estão patéticos. Ele, debilitado fisicamente após sucessivas derrotas em seus planos maquiavélicos e aguardando a Papuda, esbraveja sua conhecida ladainha à plateia de sindicalistas. Ela, no alto de sua pequenez guerrilheira, agora incita seus aliados à luta, em comícios abjetos e totalmente descabidos, não condizentes com o papel de um chefe de governo, papel que, aliás, nunca desempenhou. Lula e Dilma, o xeque-mate já está dado, e todos os brasileiros de verdade estão só esperando a queda da peça no tabuleiro.

 

Paulo Cesar Feltrini pc.feltrini@hotmail.com 

São Paulo 

 

*

ATO FALHO

 

Talvez por tanto falar em golpe imaginário, a presidente da República fundamentou seu pedido ao Supremo Tribunal Federal (STF) referente ao sigilo das comunicações telefônicas na Lei 7.170/83 (Lei de Segurança Nacional), que recebeu do saudoso jurista Heleno Cláudio Fragoso as seguintes objurgatórias: “Há hoje consciência nacional da necessidade urgente de reelaborar a Lei de Segurança (...) A Lei de Segurança Nacional surgiu em momento de crise institucional, como expressão de um suposto direito penal revolucionário, inspirada por militares, que pretenderam incorporar na lei sua doutrina profundamente antidemocrática e totalitária. A Lei de Segurança Nacional aparece como uma excrescência, um corpo morto e fétido no novo ambiente que a Nação respira. A sociedade civil repele essa lei infame”. O ministro do STF Teori Zavascki deferiu liminar, mas fundamentada em lei adequada (9.296/96), que regula as interceptações telefônicas, a ser objeto de nova deliberação pelo plenário.  

 

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br 

São Paulo

 

*

ÁGUA FRIA

 

Em seus raivosos discursos para plateias compostas de militantes, políticos aliados e áulicos ensandecidos, a presidente Dilma Rousseff já gastou a tecla do chavão que criou para suavizar a sua angústia em contar os dias que se aproximam para se transformar em mais um presidente a ser defenestrado do Palácio do Planalto. Fala exaustivamente em golpe contra a democracia, quando não ignora que o impeachment está previsto na Carta de 1988 e que a tramitação segue o rito estabelecido pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O ministro Teori Zavascki não descartou os grampos da Operação Lava Jato, apenas criticou a sua divulgação, o que quer dizer que Dilma poderá ser investigada por obstrução à Justiça. Na verdade, se o doutor Sérgio Moro não tivesse divulgado os grampos, Lula já estaria instalado no quartel general da “criatura”. O ministro apenas adicionou um pouco de água fria na fervura política atual.

 

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com 

Vassouras (RJ)

 

*

PENA

 

É vergonhoso termos de assistir a um bando de safados tomando conta do País e, quando chega alguém para moralizar isso tudo (Sérgio Moro), os ministros nomeados começam a agradecer suas nomeações protegendo quem os indicou, nomeou e deu posse. Nestes últimos 13 anos de PT, o que se vê é que os ministros nomeados ou eram advogados do PT ou faziam parte de sua lavra. Que pena, senhores ministros do Supremo. Que adianta tanto saber jurídico, tanto estudo, para, na hora de aplicarem a sabedoria e a eficiência em prol da Pátria, usam-nas para fins obtusos a favor de quem não presta.

 

Jose Pedro Vilardi vilardijp@ig.com.br 

São Paulo

 

*

AINDA TEMOS JUÍZES EM BRASÍLIA

 

O que Dilma Rousseff e seu protoditador de estimação, “Brahma”, pretendem ao invocar o Estado de Defesa e criar um fato que justifique a supressão de direitos constitucionais. Os “petralhas” estão seguindo a cartilha bolivariana usada por Hugo Chávez e, agora, pelo insano e decadente aprendiz de ditador Nicolás Maduro, que levou a Venezuela ao caos, criando, conforme relatou o senador Ronaldo Caiado, um clima de conflito e tensão para decretar uma medida excepcional que, entre outras coisas, prolongaria o mandato presidencial “ad infinitum”, restringindo o direito a reuniões, ainda que exercida no seio das associações, com a quebra de sigilo de correspondências tanto telegráfica quanto telefônicas, ao melhor modelo cubano-soviético. Trata-se de uma manobra para tentar promover uma suposta insurgência para desestabilizar o País, advertiu o senador de Goiás. Resumindo: não, sra. Dilma e sr. Lula, aqui não é e nunca será aquele país com excesso de democracia, onde os juízes foram reduzidos a meros carimbadores dos desejos do presidente. Ainda temos juízes no STF do quilate de Gilmar Mendes e de Cármen Lúcia, que recentemente asseverou que o impeachment não é golpe e está na Constituição. Golpe é tentarem transformar o Brasil numa republica bolivariana. Fora Dilma!

 

Peter Cazale pcazale@uol.com.br

São Paulo

 

*

CONFUSOS

 

Ao contrário de que disse a Exma. ministra Cármen Lúcia, a “presidenta” não se confundiu, ela é confusa, ela está confusa, assim como confusos foram e estão quase todos os petistas. É vergonhoso a nosso país.

 

Manuel José Falcão Pires manuel-falcao@ig.com.br 

São Paulo

 

*

MENTE DOENTIA

 

Quando Lula cobra “lealdade” de membros do STF, do Superior Tribunal de Justiça, do Ministério Público e da Polícia Federal, pois foram todos nomeados por si ou por Dilma, mostra que está doente. Necessita de tratamento. Doente psiquiátrico não reconhece sua doença.

 

Jose Wilson Gambier Costa jwilsonlencois@hotmail.com 

Lençóis Paulista

 

*

ENTULHO AUTORITÁRIO

 

A recente decisão singular do ministro Teori Zavascki requisitando, a pedido de ene advogados, o acervo do procedimento investigatório envolvendo o ex-presidente Lula, cidadão comum, igual a todos, impondo sigilo ao conteúdo, tirando do ilustre juiz Sérgio Moro a direção do processo, reavivou em minha memória a figura da “avocatória”, medida excepcional inserida no mundo jurídico brasileiro por meio da Emenda Constitucional n.º 7 de 1977, que incluiu a letra “o”, no artigo 119, inciso I, da “Constituição federal de 1969”. Com efeito, o Supremo, por solicitação do procurador-geral da República (PGR), podia avocar toda e qualquer ação, em tramite em qualquer foro, fosse qual fosse o estágio processual, tornando sem efeito todos os atos até então praticados, decidindo conforme bem lhe aprouvesse, em sigilo e em sessão secreta do plenário, usando como mote o perigo de grave lesão à ordem e à segurança públicas, para garantir “a estabilidade do Estado Democrático de Direito”. Tive a oportunidade de atuar nos anos 1980 em prol dos ferroviários paulistas, nos autos da Avocatória n.º 4-5, solicitada pelo PGR Firmino Ferreira, a pedido do então governador Paulo Maluf (esse mesmo, perseguido pela Interpol e aliadíssimo da sra. Dilma Rousseff), estando em plena atividade o governo militar. A matéria envolvida era diferente. Entretanto, o objetivo era o mesmo, idêntica a essência e a finalidade daquela avocatória. Foi relator do feito o honrado ministro Djaci Falcão, que repeliu com veemência altaneira a tentativa autoritária de desfazer as decisões proferidas, tendo sido acompanhado por todos os demais ministros do pretório excelso, o que pode ser conferido nos anais da Corte Superior. Muitos dos doutos juristas que hoje aplaudem efusivamente a intervenção do relator da Lava Jato no STF, naquela época execravam com veemência ímpar o instituto da avocatória, rotulando-o de excrescência jurídica, insuportável entulho autoritário dos golpistas de outrora!

 

Ulisses Nutti Moreira ulissesnutti@uol.com.br

Jundiaí 

 

*

OS HOLOFOTES E O MINISTRO TEORI

 

O ministro Teori deveria saber que os holofotes se voltam sempre para aqueles que adotam medidas firmes e dentro da lei, como o fez recentemente com o caso da Operação Lava Jato. Daí eles estarem atualmente voltados para ele.

 

Thomaz Oscar Marcondes de Souza Netto marcondesnetto@yahoo.com.br

São Paulo 

 

*

BANHO DE ÁGUA FRIA

 

Quando a gente começa a acreditar na Justiça do Brasil, graças à Lava Jato, aparece um Teori para acabar com tudo.

 

Ronald Martins da Cunha ronaldcunha@hotmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

 

*

FICOU MAIS FÁCIL

 

Agora, se o procurador-geral da República Rodrigo Janot apresentar denúncia contra Dilma Rousseff, não precisa nem buscar documentos para envio ao STF. Zavascki já os mandou buscar. 

 

Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com 

São Paulo

 

*

BASTA DE TEORIAS

 

Justiça? O que significa mais este rouco discurso de Lula contra a Lava Jato? Basta de teorias. Ou se prende Lula ou libertem todos os presos do Brasil!

 

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo  

 

*

COVARDIA E FUGA

 

Quem é o “acovardado”? O homem com a alma mais pura e honesta do Brasil mostra a verdadeira baixeza de seu caráter e procura se refugiar sob o manto da impunidade que lhe seria conferida caso fosse nomeado ministro-chefe da Casa Civil, ostentando foro privilegiado. Apoio a determinação do juiz do Supremo Gilmar Mendes em suspender essa nomeação irregular, que envergonha todo brasileiro de bem que só quer o progresso e a justiça neste país, que por tantos sofrimentos tem passado nestes últimos anos. A solução para os nossos problemas é a expulsão de Lula, Dilma e do PT da nossa vida política.

 

Filip Riwczes filipriw@gmail.com 

São Paulo

 

*

O QUE SE ESPERA

 

Com decisão do ministro Gilmar Mendes, do STF, Lula perdeu a posse de duas horas exercida no ministério da Casa Civil, valendo o decisório a imposição de verdadeiro desespero para o ex-presidente, porque continua sob a jurisdição de Sérgio Moro. Na realidade, fez-se justiça, porque o cargo era ambicionado por Lula para poder contar com foro privilegiado, fugindo das investigações da Lava Jato e decisões de Sérgio Moro. Certamente que o Brasil não merece tanta destruição com dona Dilma e Lula, devendo ambos serem extirpados da governança nacional. Espera-se que o pleno do STF acompanhe Gilmar Mendes e que o Congresso Nacional decrete o impedimento da presidente.

 

José C. de Carvalho Carneiro carneiro.jcc@uol.com.br 

Rio Claro

 

*

ASPONE

 

O ex-ministro Lula será nomeado assessor da “presidenta” para o cargo com o pomposo nome e conhecida sigla Aspone, Assessor de P... (como ele gosta) Nenhuma!

 

José Antonio Garbino ja.garbino@gmail.com 

Bauru

 

*

FATOS E ARGUMENTOS

 

A esta altura pouco importa a discussão da legalidade dos grampos contra Luiz Inácio Lula da Silva. Os conteúdos das gravações são cada vez mais estarrecedores e demonstram que estamos sendo (des)governados e (mal) administrados por uma organização imoral, criminosa. Contra fatos não há argumentos. Contra a imoralidade, menos ainda. 

 

Luciano Harary lharary@hotmail.com 

São Paulo

 

*

RECONTANDO A NOSSA HISTÓRIA

 

O mesmo país que se mobilizou no sentido de derrubar a obrigatoriedade de autorização do biografado para a publicação de sua biografia, sob alegação de que do contrário nossa história não seria contada, agora questiona a publicidade de escutas telefônicas devidamente autorizadas judicialmente. Se o biografado, geralmente alguém de incontestável valor, que se destacou na sua área de atuação, pode ter sua intimidade sumariamente defasada, por que um cidadão suspeito, investigado pela Justiça, não pode? É claro que existem revelações que podem atrapalhar a continuidade das investigações, ou até pôr em risco a segurança nacional, outras que se escondem atrás da excrecência do foro privilegiado, este, sim, impedindo que nossa história seja contada em toda sua veracidade. De nada adianta acabar com a corrupção, se continuarmos a cultuar a hipocrisia, pois ela é o meio em que a corrupção se propaga. Daí a necessidade de reformular o Judiciário, para que, se alguém tiver de ter algum privilégio neste país, que ao menos seja por merecimento, alguém cuja biografia conte um pouco da história de todos nós. 

 

Ricardo Daunt De Campos Salles dauntsalles@uol.com.br 

Espírito Santo do Pinhal

 

*

A $UPERPLANILHA

 

A recém-divulgada “$uperplanilha” da Odebrecht, contendo 279 nomes de políticos brasileiros ligados a 24 partidos que receberam pagamentos da empreiteira envolvida na Operação Lava Jato, traz à luz alguns notórios e seus codinomes “de guerra”: Renan Calheiros (PMDB-AL) é o “atleta”; José Sarney (PMDB-MA) é o “escritor”; Eduardo Cunha (PMDB-RJ) é o “caranguejo”; Eduardo Paes (PMDB-RJ) é o “nervosinho”; Romero Jucá (PMDB-RR) é “cacique”; Jarbas Vasconcelos Filho (PMDB-PE) é o “viagra”; Manuela D’Ávila (PCdoB-RS) é o “avião”. Estes, entre tantos outros. Diante do exposto na gigantesca lista de beneficiados e dos respectivos valores “doados”, cabe apenas ressaltar, com tristeza e grande preocupação, que é nas mãos desta gente que o País e nosso presente e futuro estão. Muda, Brasil!

 

J. S. Decol decoljs@gmail.com   

São Paulo

 

*

PALESTRAS

 

Será que as palestras que Lula deu à Odebrecht tiveram como tema “Obras, governo, governantes, políticos e partidos políticos, sem riscos”? Se foi, deu errado.

 

José Carlos Alves jcalves@jcalves.net 

São Paulo 

 

*

CHACRINHA

 

Ele estava certo, no mundo, nada se cria, tudo se copia. Adivinhem o que dirão os políticos na tabela da Odebrecht: tudo foi feito dentro da lei e registrado na Justiça Eleitoral.

 

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br 

São Paulo

 

*

DEPOIS DA LISTA DA ODEBRECHT...

 

Um “acordão” a esta altura do campeonato nos faria regredir 30 anos de vida em termos de desenvolvimento social e um século de maturidade política. Uma ampla e irrestrita mobilização de nossa sociedade terá de ser feita para que tal fato, o “acordão”, não aconteça. 

 

Jose Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com 

Avanhandava

 

*

DELENDA EST BRASÍLIA!

 

A famosa frase do senador romano Catão simboliza que os dardos foram lançados, e lançados não há quem mais os segure. Cartago será destruída. Foi tomada a decisão. A corrupção imensa, dissoluta, sórdida é a nossa atual Cartago, que está sob mira dos dardos da Justiça. Da maneira como se aparelharam os fatos, gravíssimos, estarrecedores, não tem mais volta. Os políticos, entre eles, com maior nota, Dilma e Lula, subestimaram o poder do povo. Subestimaram o dogma fundante da Constituição Federal da República Federativa do Brasil: “todo o poder emana do povo”. Nunca acreditaram que o povo brasileiro tinha esse grau de bravura, de enxotá-los. Ai de ti, corrupto, sejas de que partido fores, que caístes na ira sagrada do povo, até então ludibriado e saqueado. Quando Dilma afirmou que se abraçaria com “o diabo” para ganhar as eleições (!), mal sabia ela que quem tem o diabo por comparsa, num primeiro momento, sorri-se aos afagos da fortuna fácil; só não sabia que a via asfaltada da corrupção terminaria, logo à frente, num portal, a porta do inferno em que Dante Alighieri cravou o seguinte lembrete, logo na entrada: “Lasciate ogni speranza voi ch’entrate”. Ao passar pelo portal do impeachment, ali morrem e secam todas as esperanças. Quem semeia ventos colhe tempestades. E elas chegaram para não deixar pedra sobre pedra. “Delenda est corruptio.”

 

Antonio Bonival Camargo bonival@camargoecamargo.adv.br

São Paulo

 

*

AOS RESPONSÁVEIS PELO BRASIL

 

Protegei o povo que acreditou no patriotismo dos nossos governantes; na determinação deles de melhorar o País mantendo o emprego, a qualidade de vida, o poder de compra e nas condições mínimas de bem-estar social. Ajudem a consertar este nosso país com pessoas realmente comprometidas e envolvidas a fim de que todos possamos nos orgulhar de sermos brasileiros. Nosso país, enfim, não merece tanta degradação por falsos governantes que, pelo poder,  só usufruem dele e não o honram verdadeiramente. Ajudem o Brasil.

 

Edmar Atik edmaratik@uol.com.br 

São Paulo

 

*

O JULGAMENTO DE SÉRGIO MORO

 

Tem gente no Judiciário com vergonha do que o juiz Sérgio Moro desnudou para a nação brasileira. Como foi possível deixar escândalos desse porte acontecerem no País sem que ninguém tenha detectado em tantos anos? Claro que acham que ele          “extrapolou”. Deveriam ter vergonha em censurá-lo. Ele resgatou nossa dignidade.

 

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com 

São Paulo

 

*

OS ‘INCENDIÁRIOS’ QUE PAGAMOS

 

O coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e da Frente Povo sem Medo, Guilherme Boulos, disse que, se o impeachment da presidente Dilma Rousseff for efetivado e o ex-presidente Lula for preso, o Brasil será “incendiado por greves, ocupações e mobilizações”. E que “não haverá um dia de paz do Brasil”. Será esta a “democracia” (sic) tão alardeada pelos petistas? O pior é que estão usando nosso dinheiro, distribuído a mancheia pelo governo lulopetista sem nenhuma prestação de contas, para nos ameaçarem. Que nossas Forças Armadas fiquem de prontidão para cortar na raiz esses grupos incendiários! 

 

Silvano Corrêa scorrea@uol.com.br

São Paulo

 

*

BOULOS E A INCITAÇÃO AO CRIME

 

Se Guilherme Boulos, aquela criatura do MTST, afirma categoricamente que, caso Dilma sofra impeachment, eles incendiarão o Brasil e sairão armados às ruas. Isso não pode/deve ser levado como uma afronta à União, às instituições e à sociedade civil? Não é o caso de utilizar a Lei de Segurança Nacional e prender este facínora vermelho?

 

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br 

Porto Feliz 

 

*

A LEI COMO SALVAGUARDA

 

O sr. Guilherme Boulos, um agitador que se utiliza do MTST como plataforma, ameaçou o País com greves, ocupações, mobilizações estimulado pelo discurso da presidente, com certeza. O sr. Boulos ameaça os brasileiros com ações de terrorista, colocando-se acima da Constituição e das leis. Em suas palavras, ou todos obedecem à sua vontade ou o País vai viver dias infernais. Essas ameaças estão diretamente ligadas à possibilidade de haver um impeachment da presidente. Ou seja, ou o País faz o que eles acham, ou todos vão sofrer graves consequências. Os brasileiros já disseram nas manifestações o que querem: Dilma e o PT fora da Presidência, Lula preso e a Lava Jato funcionando a todo vapor, isto é, gatunos encarcerados. Dilma e seus apaniguados fazem o que as esquerdas sempre fizeram: esquecem seus próprios crimes e os atribuem aos outros, inventando uma tese de perseguição da extrema direita e do fascismo. Foi o que ela fez em seu discurso de terça-feira, em que, sem resposta para a roubalheira desenfreada, acusou todos de golpe. Não toleramos mais esse tipo de pessoas. Se preciso, acredito que a sociedade brasileira enfrentará Boulos e sua trupe. Mas não será pelo conflito físico, e, sim, pela lei.

 

Maria Tereza Murray terezamurray@hotmail.com

São Paulo

 

*

NÃO VAI TER GOLPE

 

O agitador Guilherme Boulos está convocando movimentos radicais e sindicatos para o confronto em caso de impeachment! Incitar a convulsão social é manobra para acusar os patriotas de que haverá um golpe! Não vai haver golpe, Dilma será afastada segundo a Constituição. Cadeia para quem incita a população à violência!

 

Jose E. Bandeira de Mello josedumello@bol.com.br 

São Paulo

 

*

CÚMPLICES

 

Os juristas que participaram da cerimônia do palácio nos últimos dias devem morar em outro país, do contrário, a lista dos presentes deve ser publicada, pois, se houver sangue e confronto entre os de bem que trabalham, pagam impostos e os Boulos que habitam o PT, eles serão cúmplices e terão de arcar com as consequências de apoiar bandidos e corruptos.

 

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com 

São Paulo

 

*

AS RUÍNAS DO PT

 

O Brasil vive dias recheados de idiotices promovidas pelo ridículo governo de dona Dilma. O novo ministro da Justiça, Eugênio Aragão – sim, aquele que de gênio não tem nada, mas é dotado de um extraordinário faro, capaz de fazer inveja a qualquer cão farejador –, determinou que a Polícia Federal investigue ameaças e eventual instigação à violência oriundas de grupos que pedem o impeachment da presidente Dilma. Provavelmente, ele sentiu algum cheiro estranho na maior manifestação pública da história do País, ocorrida no dia 13 de março, sem o registro de um único incidente. Porém o eu do “gênio” não percebeu nenhum cheiro de podre nas declarações do coronel Boulos ao afirmar: “Este país vai ser incendiado por greves, por ocupações, mobilizações, travamentos. Se forem até as últimas consequências nisso, não haverá um dia de paz no Brasil”. Para os leitores que não acompanharam o noticiário nos últimos dias, esclareço que esse picareta líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) estava se referindo ao impeachment da governanta. A esta altura, pergunto: quem é este indivíduo para ameaçar 3.400.000 brasileiros que pacificamente foram às ruas protestar contra a destruição do País? E quanto está recebendo “por fora” esse novo pau-mandado, empoleirado no Ministério da Justiça? A República petista vai desmoronar, espero que ele não fique preso nos escombros do ministério e possa farejar as ruínas do Palácio do Planalto à procura da chefe. Escatológico.

 

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com 

São Paulo

 

*

OS DOIS PESOS DE VERÍSSIMO

 

Li na quinta-feira, como de hábito, a crônica do sr. Luis Fernando Veríssimo, que tratava de um cartaz que o referido cronista viu numa das manifestações contrárias ao governo petista que aflige este país há mais de 13 anos, e do qual o escritor gaúcho é xiitamente defensor. Concordo que o manifestante flagrado pelo filho de Erico Veríssimo (de quem o cronista aparentemente herdou esta anacrônica predileção por regimes totalitários de esquerda) de fato exagerou em seu protesto. Isso posto, aguardo agora que o sr. Veríssimo critique com a mesma intensidade a manifestação do, possivelmente, futuro ministro Guilherme Boulos, que prometeu “incendiar este país, que não terá mais um dia de paz” caso o regime petolulista seja impedido de prosseguir eternamente no poder. Isso é o que ocorre em outras supostas “democracias” de esquerda, como Venezuela, Cuba e Coreia do Norte, que também devem merecer o aplauso e irrestrito apoio do homem de letras Veríssimo. É inegável que o cartaz (mesmo que graficamente bem produzido) de um manifestante anônimo é muito menos criminoso que a entrevista de uma figura tristemente pública como é o sr. Boulos, que, como agravante, se autodenomina líder do MTST, um verdadeiro exército de “hunos urbanos”, associado à outra organização igualmente avessa à ordem institucional, qual seja o MST (estes, os “hunos rurais”). Ou será que, na visão do experiente escritor, atentados da esquerda devem ser incentivados, enquanto sugestões retóricas da direita devem ser punidas? Por fim, parece-me que o sr. Veríssimo é um excelente “cronista de costumes”, mas não passa de um patético comentarista político “chapa branca-avermelhada”.

 

João Alfredo Branco jmartinsbranco@gmail.com 

São Paulo

 

*

CENSURA NÃO

 

Chico Buarque, faça como o “Estadão”, que não censura o articulista Veríssimo. Independentemente de vossas posições políticas, continuo lendo e ouvindo e, quase sempre, gostando de vossos trabalhos.

 

Carlos Alberto Roxo roxo.sete@gmail.com 

São Paulo

 

*

‘VAI PASSAR’

 

E como já disse Chico (neo censor da República): “Dormia a nossa pátria mãe tão distraída, sem perceber que era subtraída em tenebrosas transações. Seu filhos erravam cegos pelo continente (...)”  (“Vai Passar”).  

 

André Coutinho arcouti@uol.com.br

Campinas 

 

*

TERRORISMO

 

Os ministros do Interior e da Justiça da Bélgica apresentaram pedido de renúncia após os ataques a Bruxelas. Aqui, o PT quebra a Petrobrás, instala a corrupção, paralisa a economia, desemprega quase 10 milhões de trabalhadores, fecha estabelecimentos comerciais e industriais, quebra o sistema de saúde pública, pessoas morrem nas filas para atendimento, mas ninguém apresenta renúncia. Para eles está tudo bem, a ponto de a senadora Gleisi Hoffmann dizer que a situação não está tão ruim assim. Claro, com salário de uns R$ 100 mil por mês, como é que ela vai dizer que está ruim? Em qual mundo ela vive?

 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 

Rio de Janeiro

 

*

PRISIONEIROS

 

Os covardes atentados em Bruxelas reafirmam que estamos caminhando, a passos largos, para um cerceamento irrefreável e definitivo da liberdade cidadã no mundo.

 

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com 

Niterói (RJ)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.