Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

31 Março 2016 | 03h00

O pós-PMDB

Com a saída do PMDB do governo, Dilma Rousseff já prepara uma reforma ministerial e a distribuição de cerca de 580 cargos que eram ocupados pelo antigo aliado. Isso, na tentativa de comprar apoio para barrar o impeachment, que parece inevitável. Será que ela vai conseguir amealhar 580 tolos em outros partidos para entrarem no caixão junto com ela, e por tão pouco tempo? Michel Temer assumindo a Presidência, mesmo que provisoriamente, vai ter de trocar tudo o que encontrar.

RONALDO GOMES FERRAZ

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

‘Praça de negócios’

Em face do “desembarque” do PMDB da base governista, qual foi a solução proposta pelo PT para tentar evitar o impeachment? Não foi a moralização da atividade política. Ao contrário, criticando a Operação Lava Jato, promoveu um descarado leilão de cargos, quiçá acompanhados de benesses e propinas, em troca de votos. Eis a forma republicana de governo! Disse o insuspeito Rui Barbosa: “O Parlamento do Império era uma escola de estadistas, o Congresso da República transformou-se numa praça de negócios”.

JOSÉ GUILHERME BECCARI

jgb.e@uol.com.br

São Paulo

Dona Xepa

Desembarcado o PMDB, dona Xepa faz as contas dos cargos que lhe sobraram para vender barato no varejão, antes que se acabe a feira. Que cenário imundo!

EDUARDO SPINOLA E CASTRO

3491esc@gmail.com

São Paulo

Escárnio político

Nós, brasileiros, não merecemos este escárnio político. Como se vê, o PMDB continua o mesmo. Desembarca do governo do PT aos gritos de “Fora PT!”, “Fora Dilma!”, “Fora Lula!” e “Temer Presidente!”, mas, minutos depois, após o governo declarar guerra ao vice-presidente Michel Temer e chamá-lo de “capitão do golpe”, vem o homem forte do partido, o deputado Jarbas Vasconcelos – que até hoje merece o meu respeito – dizer que “não pode definitivamente ser um governo do PMDB”, e sim “um governo que reúna os quadros mais capacitados dos demais partidos, inclusive do PT”. O PMDB, ao longo do tempo, buscou o poder de maneira desesperada, bateu no PT 24 horas por dia, às vezes até utilizando métodos poucos republicanos, e agora vai pedir arrego ao PT? Governo de coalizão, sim? Arrumadinho, jamais. O povo brasileiro já não suporta mais tanta safadeza. É bom que saibam – e disso tenho certeza – que o povo brasileiro ainda não perdeu a capacidade de se indignar! Portanto, senhores políticos, vamos trabalhar, agir de forma correta e legal, a fim de que saiamos deste grave impasse e que evitemos o caos. Pensem no País! Pensem no povo brasileiro! Não percamos essa oportunidade.

JOÃO CÂNCIO DA COSTA F. FILHO

jcancio2000@uol.com.br

Recife

Três minutos

A debandada do PMDB do desgoverno Dilma foi tão rápida quanto preparar um miojo.

GIOVANI LIMA MONTENEGRO

giovani.limamontenegro@gmail.com

São Paulo

Menos pior

O PMDB só sai do governo para ser governo. Na situação atual, talvez seja a solução “menos pior”, desde que consiga compor um ministério com gente séria e apoio dos principais partidos, sem o PT, é claro, e sem se vender aos nanicos de aluguel.

CÉSAR GARCIA

cfmgarcia@gmail.com

São Paulo

Michel Temer na Presidência tem tudo para dar certo. Além de constitucionalista consagrado, tem habilidade política e está rodeado de pessoas competentes que dificilmente repetirão os erros grosseiros do governo petista. Aguardemos.

JOUBER TUROLLA

j.turolla@hotmail.com

Rio Claro

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) afirmou ser Michel Temer vice-presidente de Dilma. Grande asneira para ser dita por um senador, mas, sendo do PT, está perdoado. Temer é vice-presidente da República!

ARY BRAGA PACHECO FILHO

ary.pacheco.filho@gmail.com

Brasília

Daqui eu não saio...

Dilma Rousseff cancelou a viagem que faria hoje aos EUA para evitar que Temer assuma a Presidência. Mas para que essa preocupação? O País não ficará sem um comandante, afinal, Lula já o é, faz tempo.

LUÍS LAGO

luislago2002@hotmail.com

São Paulo

O Brasil que espere

Ao cancelar a viagem que faria aos EUA para participar de uma conferência sobre segurança nuclear, assunto que pode ajudar o Brasil na pretensão de ocupar o Conselho de Segurança da ONU, Dilma dá um tapa na cara de todas as nossas instituições, mostrando descrença e desconfiança de todas elas.

JAIRO MACHADO

jairomachado55@hotmail.com

São Paulo

BANCOOP

Entre amigos

Além do tríplex de Lulla no Guarujá, saibam que Rosemary Noronha e parentes dela, o ex-ministro Carlos Gabas e Freud Godoi, ex-segurança de Lulla, todos têm apartamentos da Cooperativa Habitacional dos Bancários (Bancoop). Além deles, a Central Única dos Trabalhadores (CUT) tem quatro apartamentos da Bancoop e a cunhada de João Vaccari Neto, mais três imóveis da cooperativa. Só não sobrou nenhum para os verdadeiros cooperados. E aí, Ministério Público Federal?

JÚLIO ROBERTO AYRES BRISOLA

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

EDUCAÇÃO EM SP

Bônus para professores

Sinto-me profundamente revoltada e enganada. Depois de um ano inteiro de dedicação e trabalho, nós, professores da rede estadual de ensino, recebemos um imenso golpe do governo Alckmin, que suspendeu o pagamento do bônus aos professores neste ano. Como se não bastasse, somos consultados sobre o que preferimos, se uma gratificação ou um irrisório aumento de 2,5% que ainda nem foi aprovado. Ou seja, o governo deixa a responsabilidade para os funcionários e não assume a própria responsabilidade. Nossa classe, já tão desvalorizada e até humilhada, sofre mais um duro golpe. Será que o governador trabalha por amor? Será que ele trabalha 16 horas por dia para ter um salário meia-boca? Eu trabalho!

LUCIANE LUTZ

lucianelutz@gmail.com

Nova Europa

 

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

O DIVÓRCIO PT-PMDB

Após a confirmação do fim do casamento do PMDB com o PT, a saída de Dilma Rousseff do governo antes do fim de seu mandato é uma questão de pouco tempo e pode acontecer com o impeachment ou com a sua renúncia. Mas a recuperação do prejuízo das finanças públicas causado pela reeleição de Dilma exigirá muito mais tempo. Por que será que empresários, banqueiros, investidores, Fiesp, OAB, oposição (PSDB, DEM e PPS), mídia e o PMDB demoraram tanto tempo para perceber que o governo Dilma era um desastre para o País? Agora vamos pagar a dolorosa conta deixada por ela. E ninguém ouviu e apoiou a ex-funcionária do Banco Santander Sinara Polycarpo Figueiredo, demitida por “ordem” de Lula, o “Pixuleco”. Diante de tanta desgraça, Sinara poderia estar rindo, pois ri melhor quem ri por último, mas com certeza ela está triste e torcendo por um Brasil melhor, como eu e como todos aqueles que foram para as ruas.

Maria C. Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br 

Americana

*

PURA CONVENIÊNCIA

Acabou o casamento que nunca existiu, pura conveniência. A herança maldita quem herdará será o povo brasileiro, que sofrerá as consequências por tempo indeterminado.

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com 

São Paulo

*

OPORTUNIDADE

Com a saída do PMDB do governo, a presidente Dilma  tem entre  500 e 600 cargos disponíveis. Com um déficit nas contas de R$ 25 bilhões em fevereiro, maior déficit para o mês desde 1997, não seria o momento de começar a cortar gastos na inchada máquina administrativa federal?

Edgard  Gobbi edgardgobbi@gmail.com 

Campinas 

*

O INFAME MERCADO

É desoladora a imagem que sobra em paralelo à crise política. O PMDB deixa o governo e a presidente Dilma e seus ministros se jogam de corpo e alma no oferecimento a outros partidos de cargos e liberação de emendas parlamentares em troca de votos que possam barrar o impeachment. De outro lado, o vice-presidente Michel Temer também oferece cargos em troca de apoio político e congressual. Infelizmente, essa é realidade. Oxalá o fisiologismo e o interesse de grupos não levem o País e o povo a mais uma derrota. Finda a atual tormenta, independentemente de quem dela sobreviva, é preciso trabalhar por uma nova ordem política, em que os eleitos sejam efetivamente levados a cumprir as obrigações inerentes aos seus postos e não tenham como fugir daquilo que prometem em campanha quando da conquista dos votos. Não podemos continuar com este presidencialismo irresponsável e contaminado por vertentes parlamentaristas, em que os governos não conseguem ser uma coisa nem outra. Há que se reformar a Constituição ou até fazer uma nova, em nome da verdadeira democracia. 

 

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

NA BASE DA MORTADELA

PT perdeu o apoio do PMDB, do PR, do PP e outros mais que virão. E se acabar a mortadela, como Lula fará os seus comícios?

Ronald Martins da Cunha ronaldcunha@hotmai.com

Monte Santo de Minas  (MG)

*

ABACAXIS

No fim da feira do PMDB, para Dilma só vai sobrar abacaxis podres.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

SOBREPREÇO

Na liquidação da birosca de Dilma, nem o gerente “Lulla” vale R$ 1,99...

A.Fernandes standyball@hotmail.com 

São Paulo

*

E SEGUE A CORRUPÇÃO

Está aberto oficialmente pelo Planalto o leilão para compra de votos entre os partidos aliados, oferecendo verbas e cargos em troca de votarem contra o impeachment. Simplesmente vergonhoso, ato que mostra que continua a prática da corrupção.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br 

São Paulo

*

LIQUIDAÇÃO

Dilma já marcou o dia do “Brechó” no Palácio da Alvorada?

  

Robert Haller robelisa1@terra.com.br 

São Paulo

*

BAIXO NÍVEL

A decisão do PMDB de romper com o governo federal é a demonstração de um baixo nível da classe política. Serão entregues os ministérios e os cargos de organismos públicos. Mas como fica a vice- presidência? Michel Temer também renuncia? Não será isso um prenúncio de tentativa de golpe? 

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br 

Santos

*

SALVE-SE QUEM PUDER

Um viva ao PMDB! Sua saída do governo está, sem dúvida, nos salvando do PT. Em breve, com Dilma e os seus fora do governo, reinará absoluto Temer e os dele. Resta saber agora quem, logo mais, nos salvará do PMDB. Pobre Brasil.

Lazar Krym lkrym@terra.com.br 

São Paulo

*

O TREM DO IMPEACHMENT

Agora é oficial: levou só três minutos para o PMDB decidir deixar o governo. E os comandados de Michel Temer, finalmente, desembarcaram do Planalto e lotaram o trem do impeachment em direção à estação Muda Brasil. O objetivo, como o povo brasileiro aguarda ansiosamente, é que o PT seja escorraçado do poder desta República por meio do provável impeachment de Dilma Rousseff. Importante é a adesão não somente da oposição, mas também dos outros partidos hoje aliados do governo, que tomem também a decisão patriótica de se juntar ao PMDB e articular a montagem de um governo de coalizão que gere condições de recuperar a nossa recessiva economia. A família brasileira está desesperada e anseia por que sejam devolvidos os empregos dos quase 10 milhões de trabalhadores que estão ao relento. E que também transformem as expectativas do mercado e dos investidores a fim de recuperar os investimentos em infraestrutura, principalmente. Michel Temer, se assumir o Planalto, tem condições de reverter essas expectativas, hoje negativas, porque não é um político boçal como Lula e Dilma. Ele tem história, grande experiência parlamentar, inclusive como presidente da Câmara, e, diferentemente do atual governo, sabe dialogar com o Congresso. Temer pode ainda surpreender e realizar reformas constitucionais vitais para o futuro do País, como a da Previdência, a trabalhista, a tributária e até a política. Assim como também ocorreu no pós-impeachment de Collor, em que, mesmo desacreditado na época, o vice, Itamar Franco, montando um ministério qualificado, acelerou as reformas constitucionais, as privatizações, etc. E depois, na gestão de FHC, a introdução do Plano Real, domando a hiperinflação, criando a Lei de Responsabilidade Fiscal, o Bolsa-Escola, que hoje é o Bolsa-Família, etc. Eu estou otimista.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

EM BUSCA DE UM COELHINHO

Gostaria de saber como Dilma e Lula vão agir de agora em diante sem a sustentação até agora dada pelo PMDB ao seu desgoverno. Acabou a mamata deste bando que se apoderou do poder, e não adianta tentar inflamar seus asseclas do MST, da CUT, do MTST, etc. para porem fogo no Brasil, pois a população atenta a estes grupelhos de arruaceiros pagos por este governico não vai permitir de maneira alguma que o País se transforme numa chama só. Humberto Costa, que está na lista de investigados, há tempos incita seus asseclas a azucrinarem Michel Temer todos os dias, caso este venha a assumir o posto de presidente da República se Dilma for posta para fora de seu posto mediante impeachment. Ora bolas, isso é discurso de arruaceiro e baderneiro e Costa deveria sofrer processo de cassação imediatamente. Ridículo! Este senhor tem culpa no cartório por diversas falcatruas cometidas quando ministro da Saúde no governo de Lula (vide Labogen...), e não somente ele, como também Alexandre Padilha. Agora, sem a base de sustentação do PMDB, o PT de Lula, Dilma, Falcão, Costa, Berzoini, Vaccari, Dirceu, Paulo Teixeira, Gleisi Hoffmann e tantos outros desqualificados deverão ficar se entreolhando para ver de onde tirarão algum coelhinho da cartola para ainda tentarem fazer com que o próprio PT sobreviva como partido, pois, da maneira como as coisas estão se encaminhando, o PT já era. 

Boris Becker borisbecker@uol.com.br 

São Paulo

*

O DESEMBARQUE DO PMDB

Finalmente, o partido mais fisiológico de todos sai do governo, enfraquecendo de vez o combalido amontoado de corruptos que têm o poder nas mãos e são comandados por um líder, “Lulla”, que se desnudou perante a Nação. Lula mostrou sua verdadeira face, e o que os brasileiros viram não foi uma imagem nem um pouco boa de ver, mas um verdadeiro lobo na pele de cordeiro, açulando seus companheiros de partido e a militância, chamando-os para uma verdadeira guerra por meio de ameaças veladas, não respeitando o Estado Democrático de Direito. Basta ver as declarações e as ameaças feitas pelo presidente do partido, Rui Falcão, e por líderes dos chamados “movimentos sociais”, como Guilherme Boulos, “guru” do MTST. Gostaria de alertar essas pessoas de que este país tem leis e a Justiça funciona, e por isso deveriam tomar cuidado com as palavras. Fazendo ameaças e dando a entender que não aceitarão o impeachment legal, que faz parte da Constituição, pode ser que brevemente, dependendo das atitudes que tomem, possam se juntar aos inúmeros companheiros seus a quem chamam de “guerreiros do povo brasileiro”, hospedados à custa do Estado brasileiro. 

Henrique Schnaider hschnaider4@gmail.com 

São Paulo

*

O PMDB PASSA

Os presidentes passam e os peemedebistas ficam. E “la nave va”...

J. S. Decol decoljs@gmail.com 

São Paulo

*

DIAS CINZAS E ESCUROS

 

Ocorre o impeachment da presidente Dilma e assume o vice, Michel Temer, corresponsável pela situação social e econômica atual. A Câmara continuará sob a presidência de Eduardo Cunha, réu da Operação Lava Jato e diuturnamente demonstrando do que é capaz para fugir de suas responsabilidades, ladeado por centenas de seus pares envolvidos em atos que não gostaríamos de ver nossos filhos fazendo. Mesma situação vive o Senado, que manterá Renan Calheiros, de conturbado histórico e cheio de suspeitas, liderando dezenas de senadores também envolvidos em situações distantes da decência mínima. A dita oposição, apática, inoperante e igualmente desmoralizada pelas recentes revelações, está mais preocupada em marcar gols para sua plateia, via catimba, sem apresentar qualquer proposta de reformas. Essa é a situação que se apresenta em seguida à remoção da atual presidente. O que precisamos é de que estes pseudolegisladores tomem vergonha na cara e honrem nossos votos, promovendo uma reforma política em que efetivamente sejamos representados, ou deixando que nós a façamos, via Constituinte. Caso contrário, os dias cinzas da atualidade serão escuros no futuro imediato.

 

Honyldo Roberto Pereira Pinto honyldo@gmail.com 

Ribeirão Preto

*

TEMER NÃO É ITAMAR

Será uma temeridade, mas Michel Temer perpetrará o “golpe” de “michelicórdia”. Trocadilho sem-gracinha à parte, Temer não é Itamar. Temer é árabe. Itamar era mineiro. Itamar não foi golpista. E não tinha “votos” no impeachment. E o ministério itamarano não foi a “Pior Mercadoria Deste Brasil”. O PT e Dilma Rousseff erraram. E muito. A corrupção (termo genérico para a decomposição moral) é tão difusa e generalizada no Brasil que os sucessores de Dilma não completarão seus mandatos. No fim, teremos na Presidência da República o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF). Ou Dilma permanece na Presidência da República até 31/12/2018 ou devemos cassar também os mandatos de Temer, de Cunha e de Renan. 

Ney José Pereira neyjosepereira@yahoo.com.br 

São Paulo

*

VÍNCULOS

Associar Michel Temer a um “golpe” é o mesmo que vincular Gandhi ao belicismo e Stalin ao pacifismo.

Frederico d’Avila fredericobdavila@hotmail.com 

São Paulo

*

QUEM COM FERRO FERE...

 

Pelos menos não se mostrem surpresos. Vocês foram eleitos com um discurso de que eram diferentes de tudo o que havia na política. Prometeram honestidade e competência, mas se cercaram do que havia de pior na política brasileira, como Sarney, Renan, Collor, entre tantos outros, em nome da tal governabilidade. Hoje, causam nojo e vergonha tentando “comprar” apoio a qualquer preço. Quanto ao PMDB, de quem já traiu uma vez, abandonou o barco à deriva e afundando, como ratazanas, mamou enquanto tinha leite, usou e abusou do clientelismo e do loteamento de empresas não se poderia esperar nada diferente. E, pior, age como se nada tivesse que ver com o estado de coisas. 

 

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

IMPORTÂNCIA

Já que os partidos aliados do governo Dilma estão desembarcando da tal coalizão, o ex-presidente Lula servirá exatamente para quê?

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com 

São Paulo

*

O PSDB RACHADO

Deu no “Estadão” esta semana que, quanto mais aumenta a crise em que estamos todos metidos, mais e mais o PSDB fica rachado. Um partido fraco em termos de oposição e com mais caciques do que índios acaba nisso mesmo. Justamente tudo o que o PMDB, desembarcado, neste momento, quer e deseja.

Jose Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com  

Avanhandava

*

PEDIDO DE DESCULPAS

O juiz federal Sérgio Moro enviou carta ao Supremo Tribunal Federal (STF) se desculpando pela divulgação das conversas entre Dilma e “Lulla”, o que achei muito estranho. Se não se divulgassem as conversas, “Lulla” hoje seria ministro e, apesar de todas as falcatruas em que está envolvido, ficaria para trás. Qual o poder que este cara tem de afrontar os ministros do Supremo e nada acontecer com ele? O que está por trás desta blindagem à pessoa mais asquerosa que já houve na história da politica brasileira? 

José Saez jsaez2007@gmail.com

Curitiba

*

PEGOS NO GRAMPO

O juiz Sérgio Moro  pediu desculpas pelo vazamento de conversas  gravadas na Operação Lava Jato  ao seu superior hierárquico, Teori Zavascki, após levar um puxão de orelhas dele. Só que o pedido de desculpas deveriam ser feito aos ofendidos, no caso, Lula e Dilma.

Arnaldo Luiz de Oliveira Filho arluolf@hotmail.com 

Itapeva

*

INTERCEPTAÇÕES TELEFÔNICAS

A possibilidade cada vez mais próxima e concreta do impeachment da presidente Dilma não pode e não deve ofuscar e relegar a segundo plano o impacto devastador do conteúdo das diversas conversas gravadas – por grampo autorizado judicialmente – envolvendo o ex-presidente Lula, a própria presidente, membros do governo e lideranças petistas. A justiça, seja de qual instância, não pode fechar olhos e ouvidos para o teor estarrecedor dessas conversas que demonstram claramente a existência de verdadeira quadrilha que não mede esforços para se manter no poder e, consequentemente, despreza limites morais, éticos e legais para atingir seu objetivo. Ignorar tais fatos, isso, sim, seria ignomínia.

Luciano Harary lharary@hotmail.com 

São Paulo

*

JANOT ‘ASSIMILOU’ BEM!

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, assimilou bem o “pito” que recebeu de “Lulla” nas conversas telefônicas gravadas com Sigmaringa Seixas, que o considerou ingrato, mesmo guindado ao cargo pelo governo. Janot, rapidamente, “assimilou o pito” e deu parecer favorável para “Lulla” assumir o Ministério da Casa Civil, mas sugerindo que ele seja julgado por Sérgio Moro... Pretende Janot mudar a Constituição federal do País para que seu algoz tome posse e, mesmo assim, seja julgado por Moro? Hein?  

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br 

São Paulo                                                              

*

MÃOS LIMPAS

Li Donatella Della Porta (“Veja” 30/3), estudiosa da Operação Mãos Limpas, ocorrida na Itália, com objetivo semelhante à nossa Lava Jato. Uma das forças dessa operação, como está sendo com a nossa Lava Jato, foi o imenso apoio popular. Não fosse isso, os políticos e a Justiça (forçada por políticos) já teriam acabado com ela. Um dos motivos da manutenção desse apoio é a expectativa da prisão de Lula, que todos sabemos o mal que fez ao País. Enquanto ela não ocorrer, fica a força do apoio que, comparando com a Itália, pode ser diminuída após essa prisão. Aparentemente, a Lava Jato está visando preliminarmente a todos os “bandidos” da República – políticos parlamentares e do Executivo como governadores, secretários e ministros. Antes de Lula ser preso, a maioria dos ladrões brasileiros estará devidamente fichada e indiciada na Justiça.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br  

São Paulo

*

O CIDADÃO MÉDIO

Para o cidadão de inteligência média o governo do PT acabou quando se tornou público o esquema do mensalão. A paciência do brasileiro médio vem sendo testada até o limite com tudo que aconteceu depois do mensalão. A reeleição de Lula quando até as sombras das árvores já sabiam que seu governo era corrupto, a eleição da sucessora poste com passado criminoso, envolvida em todos os esquemas de corrupção do governo. Ai veio o petrolão e mais uma avalanche de casos de corrupção, afastamento de praticamente todos os ministros do governo Dilma por corrupção, mesmo assim ela se reelege e finalmente afunda o país na pior recessão de todos os tempos. A saída da crise oferece ao cidadão médio a visão de Michel Temer, abraçado com Renan Calheiros e Eduardo Cunha, posando de paladino da moral e dos bons costumes. As instituições brasileiras estão abusando da paciência do cidadão médio, assim como Luis XV e Maria Antonieta abusaram da paciência do povo francês, o resultado desse abuso pode levar a história a se repetir. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br  

São Paulo

*

AS PRÓXIMAS SEMANAS

“Se cair num buraco negro, não se renda”, disse Stephen Hawking, “pode ser uma passagem a um universo alternativo”. Assim, quando o PMDB deixou o governo e quando tudo ao redor de Dilma estiver implodindo, não há por que deixar-se abater. Nem ao observar sua passagem pelo, assim chamado, “horizonte dos eventos”. No universo paralelo, o STF aprovará a nomeação de Lula para a Casa Civil e cancelará todas as investigações da Lava Jato, inclusive as delações premiadas. Exceto, obviamente, no que se refere a Eduardo Cunha. Os documentos e gravações obtidos pela Polícia Federal serão incinerados. Sérgio Moro será preso e a República de Curitiba, desativada. Os demais partidos preencherão as vagas deixadas pelo PMDB com grande vantagem e o impeachment será rechaçado no plenário da Câmara. Lula, sempre fiel e submisso, trabalhará dia e noite pelo sucesso de Dilma. Depois disso, vai se aposentar. Ele mudará novamente de ideia e ficará com o tríplex do Guarujá e com o sítio de Atibaia para si. Este último, o mesmo converterá num renomado centro de palestras. No indulto deste Natal, Dilma perdoará todos os políticos, funcionários e empresários envolvidos no petrolão como forma de pacificar o País. O povo ficará revoltado com as inverdades inventadas pela mídia, especialmente pela Rede Globo. Todos sairão de vermelho nas ruas cantando “O-mê, o-mê, o-má, Dilmá, Dilmá”, e o PT lançará uma campanha bem-sucedida para a extensão de mais quatro anos para o seu segundo mandato. 

Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com  

São Paulo

*

A BANCOOP DE VOLTA À CENA

O Ministério Público em São Paulo descobriu que no Edifício Solaris, onde está o tríplex supostamente de Lula, e em outros imóveis da Cooperativa Habitacional de Bancários (Bancoop) existe um verdadeiro festival de proprietários do PT e aliados. A famosa Rosemary Noronha tem um apartamento e sua filha, Mireille, e o irmão, Eduardo, têm outros dois. Carlos Gabas, ex-ministro (é aquele que levava Dilma para passear de moto) e o ex-segurança de Lula, Freud Godoy, também têm apartamentos da Bancoop. Outro ex-assessor do ex-presidente, Rogério Aurélio Pimentel, que cuidou da reforma do sítio em Atibaia, é o proprietário de mais um e a CUT tem quatro apartamentos. Também a cunhada de João Vaccari Neto, Marice, tem três, além de Ana Maria Ernica, ex-diretora da cooperativa, um. Pelo jeito, o PT adora dar uma de Robin Hood só com a “cumpanheirada”. Tira dos verdadeiros donos, os cooperados, e dá aos amigos do partido. 

Alice Baruk alicebaruk@bol.com.br 

São Paulo

*

MIMOS DIVERSOS

É até divertido ler sobre os mimos adquiridos pelos investigados de tudo isto que está aí. Dior e Chanel para cá, sítios e tríplex para lá... Lembrando que não é crime ter tais posses, desde que adquiridas com dinheiro lícito do próprio trabalho. O caso começa a ficar sério quando tudo é fruto de propina, que, em última instância, é dinheiro roubado do povo brasileiro. Mas sério, sério mesmo, seriíssimo é quando vemos que os detentores dos bens de maior valor fazem das tripas coração para serem julgados pela mais alta Corte de Justiça do País. Será porque, naquela casa, a exemplo do que aconteceu no mensalão, o dono – ou dona – de uma bolsa de marca costuma ter pena maior do que aquela aplicada ao dono – ou dona – de um tríplex de frente para o mar?

Marcia Meirelles marciambm@yahoo.com.br 

São Paulo

*

A PLANILHA INDIGESTA

A planilha encontrada pela Operação Lava Jato na casa de um diretor da Odebrecht recentemente relaciona pagamentos a 229 políticos ligados a 24 partidos. Alguns entrevistados afirmaram que os pagamentos estão todos legalizados no TSE. Se as doações estão nos conformes, contabilizadas e aprovadas pelo TSE, como justificar, então, os codinomes encontrados? O juiz federal Sérgio Moro e o Ministério Público, se o ministro Teori Zavascki deixar, vão desvendar, com certeza, mais este escárnio. Enquanto isso, nos plenários do Congresso, o tratamento às suas excelências será deveras interessante. Pela ordem, senhor presidente caranguejo, ou o digníssimo “Atleta”. Será concedida a palavra por ordem de inscrição a Sua Excelência, “Lindinho”, e em seguida usarão da tribuna “Drácula”, “Cacique” e “Viagra”. E o papo informal no cafezinho então? “Bom dia, Viagra, como estão as coisas lá, no Recife, tudo em cima?” “Por lá, tudo bem, Drácula, e por aqui, a sangria do governo, como vai?” “Vige, tá difícil de estancar, nem Padim Ciço consegue.” “E aí, Cacique, como vai a tribo, continua em pé de guerra?” “Não tá fácil, continua dividida e a vaidade é nosso maior problema.” Neste momento, chega o presidente caranguejo e a conversa é marcada para outro dia. Seria cômico, se não fosse trágico.

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com 

Jundiaí

*

OS ‘GENTE FINA’ E O CAIXA DOIS

Se na lista da Odebrecht são citados 316 políticos de 24 partidos, pergunta-se: onde estão os “ficha limpa”?

Marcos Catap marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

*

CODINOMES

Com a divulgação da lista da Odebrecht, creio que o nobre deputado Jarbas Vasconcelos Filho (PMDB), chamado de “Viagra” pelos “contribuintes empreiteiros”, terá grandes problemas em fazer subir, levantar ou erguer sua próxima candidatura. Já o igualmente nobre deputado Eduardo Cunha, filiado também a esse sério partido que sempre primou pela coerência, o PMDB, e conhecido como “Caranguejo”, verá que voltará a ser um homem comum, sem os privilégios de deputado, assim que tiver seu mandato cassado, confirmando que caranguejo é um bicho que anda para trás.

 

Alberto Souza Daneu curtasuasaude@uol.com.br 

Osasco

*

IMPEACHMENT

O PT diz que impeachment sem crime é golpe. O Brasil diz que crime sem punição é omissão ou conluio.

Ely Weinstein elyw@terra.com.br 

São Paulo

*

TELEGRAMAS ‘ITAMARATIANOS’

No editorial “Limites da Boçalidade” (25/3, A3), o “Estadão” acertou em cheio quando supõe ingerência do sinistro top-top do Planalto na criação “antigolpista” dos espúrios telegramas. Além do Ministério das Relações Exteriores, temos no Brasil, infelizmente, um “Sinistério dos Conchavos Bolivarianos”.

Paulo M. B. de Araujo pmbapb@gmail.com  

Rio de Janeiro

*

VALE A PENA VER DE NOVO

No dia 29 de setembro de 1992, a Câmara dos Deputados aprovava a perda do cargo do presidente Fernando Collor de Melo. Lembro-me do dia em que a dupla Collor/Rosane saiu definitivamente do Palácio do Planalto, ostentando duas carantonhas que só destilavam ódio. O impeachment da presidente Dilma deverá ocorrer nos trâmites normais e dentro de pouco tempo teremos um “vale a pena verde novo” na saída do Palácio do Planalto, tendo a presidente Dilma como protagonista. Collor saiu acompanhado de sua mulher, Rosane. Dilma está separada do marido. Ora, direis, se ela é a criatura, ninguém melhor do que o criador para acompanhá-la. Enfim, o povo brasileiro não ouvirá mais o “não vai ter golpe” e o execrável e odioso vocábulo “presidenta”.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com 

Vassouras (RJ)

*

VAMOS MAL TAMBÉM NO FUTEBOL

Incrível! Em que draga nos encontramos, Meu Deus! Pelas eliminatórias da Copa do Mundo da Rússia, empatamos com a seleção de futebol do Paraguai, nosso velho freguês, e o “técnico” Dunga, empolgado, elogia o sistema que criou na seleção brasileira e os (milionários) jogadores brasileiros? Quanta mediocridade!

J. Perin Garcia jperin@uol.com.br

São Paulo

*

REJEIÇÃO

A rejeição a Dunga está igual à rejeição à nossa presidente. Parabéns aos dois! 

Ariovaldo J. Geraissate ari.bebidas@terra.com.br

São Paulo

*

IMPEACHMENT

É possível o “impeachment” de Dunga?

Mauro Lacerda de Ávila lacerdaavila@uol.com.br 

São Paulo

*

A MESMA LADAINHA

 

Discurso-padrão do governador Geraldo Alckmin (PSDB) após crimes praticados em São Paulo: “Os fatos serão apurados com rigor e os responsáveis serão severamente punidos. É ir pra cima de criminoso. Polícia nas ruas e criminoso na cadeia”. Enquanto isso, o nariz vai crescendo, crescendo, crescendo...

 

Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

*

AVISO AOS CANDIDATOS

Atenção, candidatos para as próximas eleições: não contem muito papo durante a propaganda, enganando seus eleitores. Vocês poderão acabar na Papuda.

Vidal dos Santos vidal.santos@yahoo.com.br 

Vinhedo

*

ELEIÇÕES 2016 EM SP

Desde que tirei meu título de eleitor, no século passado, votei nos candidatos inicialmente do MDB, do PMDB e, atualmente, do PSDB, além do que em todas as eleições para todos os níveis, cabalar votos para os candidatos desse partido que acredito mereçam um voto consciente. Com relação à próxima eleição para prefeito da capital, infelizmente o candidato do PSDB não vai sequer passar para o segundo turno. E o governador Geraldo Alckmin chega a ser patético ao coordenar essas articulações, supondo que será o futuro presidente do Brasil.

 

Genésio Lucone Filho g.lucone@ig.com.br 

São Paulo

*

BICO QUEBRADO

Geraldo Alckmin conseguiu o que o PT e outros adversários não lograram fazer: quebrar o bico tucano em São Paulo, ao chutar Andrea Matarazzo da candidatura à Prefeitura. Se ele pensa estar com a bola toda para nos empurrar João Doria Jr., enganou-se. Melhor parar com seu esgar de sorriso, que não engana ninguém.

Laércio Zannini spettro@uol.com.br 

São Paulo

*

HADDAD FAZ PROPAGANDA PARA DILMA

Na Ponte Cidade Jardim, em São Paulo, funcionários a serviço da Prefeitura estão colocando placas “Democracia Sim, Golpe Não”. Além de estar desobedecendo a uma lei que prezamos, a Lei da Cidade Limpa, está fazendo propaganda a favor do governo Dilma, que não prezamos, com o nosso dinheiro. Isso, sim, é golpe, e deve estar sendo cometido em outros logradouros da cidade. É caso de chamar a Polícia Militar, pois não adianta denunciar para as subprefeituras, que estão todas mancomunadas com o prefeito petista. Chega da maneira PT de governar, chega! (Para quem quiser comprovar com o vídeo, acessar http://www.facebook.com/MovimentoJuntospeloBrasil/videos/968082306615530/).

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

LEI E REALIDADE

Certa vez, um prefeito enviou projeto de lei à Câmara proibindo enchentes no município. Foi motivo de chacota, mas argumentou que era a única resposta imediata que poderia dar, por estar sendo pressionado a agir e não tinha recursos para realizar as devidas obras. Quando há regulamentações que envolvem bases científicas, já há grande controvérsia, pois o legislador não é cientista, mesmo tendo uma assessoria, o que resulta em ações impraticáveis. Leis que tratam das relações humanas estão longe de serem consensuais na origem e muito menos na aplicação e interpretação. O momento atual é incerto quanto ao equilíbrio entre desejo e a legalidade, mas exemplos não muito antigos mostram que decisões políticas equivocadas levam a erros difíceis de corrigir. 

Adilson Roberto Gonçalves prodomoarg@gmail.com 

Campinas

*

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

É de estarrecer saber que o rombo da Previdência Pública para 980 mil aposentados é igual ao de 32 milhões de aposentados da iniciativa privada. E, se não bastasse isso, que mostra que alguns poucos cidadãos brasileiros são mais filhos que os demais, temos ainda a aposentadoria rural. Aquela que acontece nos bastidores dos pequenos municípios, cuja população rural hoje deixou de ser um problema, porque a maioria vive na zona urbana e, mesmo assim, quando alcança a idade de 55 anos, no caso das mulheres, e de 60 anos, no dos homens, todos sem nunca terem contribuído são aposentados com um salário “mínimo real”. Isso mostra que a reforma da Previdência precisa ser integral e irrestrita. Ouvi falar de pessoas que, pagando a “agentes do INSS no interior”, forjam identidade, domicílio, transferem documentos e tudo, para serem aposentados rurais, mesmo vivendo em cidade grande, tendo casa própria e outras de aluguel. Alguém está sendo corrupto, recebendo propina ou semelhante para aposentar quem nunca contribuiu. Estes são os chamados “grupos sociais” que sempre se locupletaram da aposentadoria privada. Se vai haver reforma da Previdência, precisa ser de cabo a rabo, e cadeia para agentes corruptos. Se não, quem sofre são os que contribuem durante 30 anos e precisam dividir com quem nunca contribuiu.  Reforma da Previdência real e irrestrita já, porque não é justo que a maioria sofra consequências por uma minoria privilegiada.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br 

São Paulo

*

O ROMBO NO INSS

Agora está explicada outra incompetência dos desgovernos que provocaram e são motivos do rombo no INSS. Era fácil culpar os aposentados. Em 13/2, constou no “Fórum dos Leitores” do “Estadão” comentário por mim escrito sob o título “As isenções e a Previdência”, estas que causaram o prejuízo de janeiro a novembro de 2015 de R$ 38,1 bilhões, equivalente à metade do rombo da Previdência. E, quando perguntava o que propiciava o restante do rombo, finalmente o atual desgoverno me informa o grande absurdo, conforme notícia do “Estadão” de 25/3: “O gasto com 980 mil servidores é igual ao de todo o INSS”, barbaridade? São os conhecidos eleitores militantes do Partido dos Trabalhadores, o que explica uma pequena parte da enorme crise econômica causada pelo “cabide de emprego” dos servidores públicos – são os únicos que ainda votam no PT, comprovando o maior estelionato eleitoral do Brasil. Será preciso explicar melhor? E o povo brasileiro é quem paga os inúmeros rombos do desgoverno federal. Até quando suportaremos? 

 

Luiz Dias lfd.silva@uol.com.br

São Paulo

*

A FONTE DOS DESEQUILÍBRIOS

“Estabilidade no emprego é a fonte dos desequilíbrios” (“Estadão”, 27/3, E1). Muito simplista a fundamentação da opinião do economista Marcos Mendes (27/3, E1) sobre as greves dos funcionários com estabilidade versus os sem estabilidade quando compara a greve dos professores que durou 90 dias com a dos bancários, que logo voltaram ao trabalho. Explico: 1) bancário, 21 dias de greve resultaram em 10% de aumento mais 14% no vale refeição; professores estaduais de São Paulo, 90 dias de greve resultaram em 10% de aumento para algumas categorias. 2) Bancário, piso de salário caixa 30 horas semanais igual a aproximadamente R$ 2.200,00  mais plano de saúde; professor, salário base em São Paulo para 40 horas semanais igual a aproximadamente R$ 2.400,00. Licenciatura exigida. Acrescento ainda que o salário de um enfermeiro, na ocasião da greve, girava em torno de R$ 5 mil. Em outros Estados, o salário de professores se aproximava a quase     R$ 4 mil. Em 2015, o salário médio da população com nível superior em São Paulo era de R$ 4.500,00. Em minha opinião, este assunto não pode ser analisado de forma superficial. Em resumo, a fonte dos desequilíbrios parece estar em outro lugar.

Meyer Izbicki meyer.epm@gmail.com 

São Paulo

*

REALIDADE INAFASTÁVEL

Meus parabéns ao economista Marcos Mendes pela lucidez e coragem com que expôs uma realidade inafastável: as excessivas benesses ao funcionalismo público geram injustiça, não apenas social (na medida em que devoram fundos que deveriam ser destinados a outras contas), mas comportamental. A blindagem que protege emprego, renda e status desses funcionários lhes dá salvo conduto para a baixa produtividade, absenteísmo e a arrogância que permeia nosso funcionalismo. E como ficam os demais, trabalhadores da iniciativa privada, que geram renda e pagam impostos, mas são tratados como de segunda classe? Onde está a isonomia do artigo 5.º da Constituição?

Maria Júlia Pacheco de Castro juliapcastro@gmail.com 

São Paulo

*

CRISE ECONÔMICA

Segundo o “Estado” desta semana, grande quantidade de empresas estão fechando as portas em razão da crise econômica. Virão mais ainda. Espero que a nossa não seja a próxima. Sugiro que os “petralhas” as encampem, façam sua administração e gerência. Isso seria uma forma de socializar (ou comunizar) nosso Brasil, bandeira tão defendida por eles. Gostaria de ver estes “petralhas” na lide diária, lembrando que nossa jornada chega às vezes a 13, 13 horas de trabalho diário. Mas isso eles não querem. Só sabem agitar, mas trabalhar, que é bom, nada. A “dama de ferro” inglesa tinha razão, o socialismo só dura enquanto durar o dinheiro (ou o trabalho) dos outros.

Benedito Atonio Turssi turssi@ecoxim.com.br 

Ibaté

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.