Fórum dos Leitores

CRIME DE RESPONSABILIDADE

O Estado de S.Paulo

03 Abril 2016 | 03h00

A presidente Dilma Rousseff, em discurso inflamado, disse que todos os governos anteriores ao dela praticaram crimes de responsabilidade fiscal. Mas desde quando, senhora presidente, existe a lei que tipifica como crime a irresponsabilidade fiscal? E desde quando, presidente Dilma, em não havendo o seu impedimento, o Brasil reencontraria a confiança e o caminho para poder deixar de se precipitar no abismo? Não queremos golpe, queremos opções de dignidade e sobrevivência. E a senhora, não?

Marcelo Gomes Jorge Feres marcelogferes@ig.com.br

Rio de Janeiro 

*

CASO DE POLÍCIA

Até quando a presidente da República vai promover atos irresponsáveis dentro do Palácio do Planalto? Os líderes do Movimento dos Sem Terra (MST) deviam ter saído de camburão do ato em favor da reforma agrária (“Vamos ocupar as propriedades, vamos incomodar as casas deles, as fazendas e as propriedades deles. Vai ter reforma agrária, vai ter luta e não vai ter golpe”). E mais: “O juiz Sérgio Moro, esse golpista, prendeu nossos companheiros há três anos sem justificativa”. E a presidente a tudo ouviu e calada ficou. Isso não é exercer o cargo mais importante do País. Isso é caso de polícia. Eles deveriam ter saído de lá presos, e ela, advertida duramente por permitir incitação à violência de dentro da casa que é de todos os brasileiros. A casa que não é vermelha, é verde e amarela. 

Luiz Gonzaga Tressoldi Saraiva lgtsaraiva@uol.com.br

São Paulo

*

DESEJO

A presidente Dilma, recebendo diariamente grupos de movimentos sociais, sindicatos, com discursos pesados e insistindo no “nós contra eles”, dá a impressão de que o golpe é o PT que quer dar, para se perpetuar no poder, seu maior desejo.

Silvio Leis silvioleis@hotmail.com

São Paulo

*

IMPEACHMENT

O jurista da Universidade de São Paulo Conrado Hübner Mendes, em entrevista ao “Estadão” (31/3), resumiu definitivamente a legalidade do impeachment da presidente da República atualmente em processo na Câmara dos Deputados. A interpretação da Constituição não é a simples aplicação de um algoritmo. E alguns defensores do impeachment deviam atentar para que no Brasil a Constituição não prevê “recall”. Eleito o candidato errado, somente em casos raros ele será passível de afastamento. E não se pode basear a acusação em jurisprudência não aplicada em casos idênticos, notadamente na chamada contabilidade criativa. 

Ademir Valezi adevale@gmail.com

São Paulo

*

SALVAÇÃO

É preciso base jurídica para salvar um povo? Salvar um país?

Elisabeth Migliavacca elisabeth448@gmail.com 

São Paulo

*

CARGOS POR VOTOS

Mercadejar cargos públicos em troca de votos no Congresso Nacional não seria também crime de responsabilidade?

 

Sergio Diamanty Lobo diamanty18@gmail.com

São Paulo

*

EXPLÍCITO

A maneira de governar por meio do toma lá dá cá tornou-se explícita e imoral. A moeda de troca do governo são os cargos; os 39 ministérios e seus segundo e terceiro escalões tornaram-se ouro vivo para pagar os votos necessários à implementação dos programas e projetos, objeto dos orçamentos da União. O desembarque do PMDB do governo Dilma exacerbou as negociações entre os Poderes Executivo e Legislativo e envolveram o Judiciário nas pendengas advindas desta prática; a compra de votos que podem interromper o processo do impeachment tornou-se tão imoral quanto as propinas que ocorreram durante a época do mensalão. A imoralidade do toma lá dá cá precisa acabar rapidamente, sob pena de encontrarmos um país desfalecido e sem capacidade de retomar a economia próspera e sadia.

 

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro 

*

PODE ISSO?

Já sabemos que a distribuição de cargos pela presidente em troca de votos contra o impeachment é imoral e antiética, porém, gostaria de saber se é lícito tal procedimento.

Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br 

São Bernardo do Campo 

*

QUEM DÁ MAIS?

Brasília se tornou um gigantesco balcão de negócios, com mais de 600 cargos em leilão. Por enquanto, PP, PR e PSD são os mais interessados. São parlamentares que estão dando “uma banana” à voz das ruas e a seus eleitores. O que lhes interessa, mesmo, é a grana, o “money”, sua vaidade pessoal e suas benesses. Que tipo de gente é esta que não tem respeito por seu país e por si mesmo? É bom que os eleitores fiquem de olho nestes maus brasileiros e lhes deem uma resposta adequada na próxima vez que eles pedirem seu voto.

Elias Skaf eskaf@hotmail.com 

São Paulo

*

LIQUIDAÇÃO

Outlet Planalto liquida a preços indecentes! Com direito a X-Mortadela e cachaça à vontade. Só em dias de semana. Condução de graça saindo da Praça dos Desocupados e Cr$30,00 de vale brinde! Traga as Bolsas para enchê-las! Preços especiais para grandes clientes, principalmente na Praça dos Três Poderes! Enquanto eles trabalham, nós levamos vantagem! Nós podemos fazer, pois temos expertise de lojinha de R$ 1,99! 

Ricardo Hanna  ricardohanna@bol.com.br 

São Paulo

*

CONDIÇÃO

Após o desembarque do PMDB do governo, o Planalto dá o start ao feirão do toma lá dá cá, oferecendo dinheiro e cargos a eventuais interessados que ainda acreditam que o Titanic petista chegará a algum porto seguro. A pergunta é: será que Dilma, em sua caça a novos apoiadores, se dará ao cuidado de pelo menos exigir alguma qualificação técnica dos candidatos? Ou, como é de costume do PT, pertencendo ao partido, já se torna automaticamente um gênio da raça, apto a ocupar qualquer tipo de cargo ou pasta para o bem do Brasil? 

Peter Cazale pcazale@uol.com.br

São Paulo

*

ESCOLHAM

Deputados, vocês preferem os cargos ex-PMDB que Dilma distribuirá, ou os milhares de cargos ex-PT que vão sobrar depois do impeachment? Escolham.

Luiz R. Lima de Moraes luizroberto@thermoprat.com.br 

Jundiaí

*

FIM DE FEIRA

Governo corteja quem se disponha a participar de seu cortejo, fúnebre. Distribui cargos e resta ao povo a carga, tributária.

Haroldo Nader nader.haroldo@gmail.com 

Valinhos

*

DAQUI NÃO QUERO AVOAR

A “presidenta” está comprando partidos e políticos com o nosso dinheiro, para não ser retirada do poleiro. Não vai funcionar: vai comprar, pagar e não vão entregar. 

Mário A. Dente eticototal@gmail.com

São Paulo

*

REPACTUAÇÃO

O que os “rePacTuados” mais ouvirão do presidente sem voto, instalado no seu bunker num hotel de Brasília (quem está pagando?), é: “Vai querer CPF na nota fiscal?”.

 

Fábio Bertoncello fabertoncello@hotmail.com 

Jacareí 

*

PARCAS ESPERANÇAS

Acompanhar os acontecimentos políticos é perceber que o Brasil se tornou um balcão de negócios e que, unidas, as mais diversas “autoridades” brasileiras não se pejam em permitir que lhes saibam, abertamente, os preços para a base das barganhas. A nossa sensação é de enjoo de estômago, nojo, gosto amargo na boca, náuseas. Mas o País é deles, eles se fartam, enquanto nós vamos catando os cacos da nossa vida diante de tão parcas esperanças, pobres de nós.

  

Doca Ramos Mello ddramosmello@uol.com.br

São Sebastião

*

O BRASIL À VENDA

A sra. Brasília Política de Brasil está leiloando tudo, tipo “família vende tudo”, e salve-se quem puder!

Silvia M. Pinheiro Rezende silviapr54@hotmail.com

São Paulo

*

CHANTAGEM 

De novo o governo está com o discurso de que ele é a vítima, a oposição é a golpista e que, se a oposição chegar ao poder, todos os direitos adquiridos pela população serão suspensos. Isso nada mais é do que um terrorismo verbal, uma chantagem.

Larissa Benute Moreira laris.lalinha@hotmail.com

São Paulo

*

DECEPÇÃO

Decepcionado, estou desistindo do Brasil (não o deixo porque não tenho condições) diante de tantos absurdos desta presidente que, pelo que estou acompanhando, vai se livrar do impeachment, com uma “verdadeira cambada” de políticos corruptos que finge administrar o País. A cada dia uma decepção, e nos sentimos cada vez mais no fundo do poço – e estamos apenas no começo da crise. A situação deve, a continuar nesse ritmo, piorar, e muito. Imaginem a situação de um idoso, aposentado e diabético. Só me resta rezar. Minhas esperanças se esgotam a cada dia. Qual será o futuro de meus netos?

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

ELEIÇÕES

Senhores políticos, ouçam as ruas, do contrário, as eleições deste ano e as de 2018 já têm um vencedor: o voto nulo.

Reinaldo Cammarosano tatocammarosano@hotmail.com 

Santos 

*

DESAFIO

Na atual conjuntura, sou totalmente favorável ao impeachment da presidente Dilma, porém, se ela aproveitar a debandada do PMDB e exonerar todos os ocupantes de cargos públicos indicados por todos os partidos políticos, extinguindo a maior parte deles, enxugando a máquina pública ao mínimo possível e profissionalizando-a. Então declaro que darei meu apoio a ela e irei às ruas defender seu mandato. 

Celso Neves Dacca celsodacca@gmail.com 

São Paulo 

*

O PODER FÁCIL

O PMDB, como sempre, aposta apenas no poder fácil. Aposta, mesmo com a perda de ministérios e de alguns milhares de cargos no segundo e no terceiro escalões, que a recuperação virá logo, e com grande lucro, em eventual governo Michel Temer. Arriscam perder meia dúzia para ganhar dúzia e meia. Após mamarem na gorda teta por muito tempo, querem, neste fim de feira, sem o desgaste de terem sido oposição, comer o seio da República. São mesmo xifópagos (irmãos siameses) PMDB/PT, unidos pelos mesmos intestinos. Mas podem, ambos, morrer na separação.

Adriles Ulhoa Filho adrilesfilho@uol.com.br 

Belo Horizonte

*

A CONFERIR

Renan Calheiros e Jader Barbalho criticaram a saída do PMDB da base do governo. São sem dúvida opiniões relevantes e que foram emitidas por parlamentares, queiram ou não, muito experientes em matéria de conhecimento a respeito da opinião de seus pares no Parlamento. Vamos conferir! 

Jose Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com 

Avanhandava

*

A RAZÃO DE SER DO PT

Não há no Brasil partido que entenda de como fazer oposição aguerrida melhor do que o PT. Afinal, eles sabem perfeitamente sobre quem participou do que e sobre o que cada um sonha fazer. Temer e o PMDB no poder darão ao PT sua razão de ser e um novo rumo para sua atuação. Vide as manifestações de quinta-feira, 31 de março. 

Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com 

São Paulo

*

OPORTUNISMO

As manifestações dos novos aliados do vice Michel Temer mostram o estilo oportunista de fazer política. O ex-presidente FHC alega que o impeachment é o melhor remédio e o atual presidente do PSDB chega ao desplante de afirmar que a gestão Temer deve ter gente qualificada. Essa “gente” será escolhida entre os atuais seis ministros do PMDB, mais os 600 ocupantes de cargos de confiança? Ou nos cargos eles não tinham nenhuma responsabilidade administrativa, era apenas a cota política? A que ponto chegamos, num país da importância do nosso!

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br 

Santos

*

CORRIDA DESASTROSA

Pelo visto, o vice-presidente Michel Temer queimou na largada e agora irá precisar de muita sorte para parar na caixa de brita.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com 

Jandaia do Sul (PR)

*

SISTEMA POLÍTICO

Das palavras ditas pelo ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), aos alunos da Fundação Lemann, cabe realçar trecho de preocupante significado: “A política morreu, porque nosso sistema político que não tem um mínimo de legitimidade democrática deu uma centralidade imensa ao dinheiro e à necessidade de financiamento e se tornou um espaço de corrupção generalizada. Há um distanciamento entre eleitores e eleitos. É um sistema em que o eleitor não tem de quem cobrar e o eleito não tem a quem prestar contas”. Com efeito, é chegada a hora de repensar todo o sistema que governa (ou desgoverna) o País nos últimos tempos. Do jeito que está não pode continuar. Muda, Brasil!

J. S. Decol decoljs@gmail.com  

São Paulo

*

SANTA OBSERVAÇÃO

O ministro Luís Roberto Barroso, do STF, observando o nível de nossos governantes, expressou com desânimo: “Meu Deus do céu! Essa é nossa alternativa de poder”. Infelizmente, é o que pensam todos os brasileiros conscientes. Será que Deus ouviu e vai nos ajudar?

 

Silvano Corrêa scorrea@uol.com.br

São Paulo 

*

DEUS DO CÉU!

Por que será que, quando assistimos às sessões do STF, usamos sempre a mesma expressão: “Meu Deus do céu! Essa é a nossa alternativa de poder”?

Newton Luciano Luccianno@uol.com.br

São Paulo

*

IMPOPULARIDADE

As pesquisas sobre a impopularidade do governo deveriam ser mais amplas e, neste caso, teríamos índices de desaprovação mais ou menos assim: PT, 70%; PMDB, 60%; PSDB, DEM e nanicos, 50%; e Congresso Nacional, 60%. Diante de tanto descrédito, só eleições gerais com voto facultativo devolveriam a esperança ao povo brasileiro. Se o voto obrigatório continuar, voltaremos ao mesmo, pois aquele que só vota por obrigação é o eleitor manipulável e comprável que os políticos corruptos tanto adoram.

João Carlos A. Melo jca.melo@yahoo.com.br 

São Paulo

*

E SEGUEM AS INVESTIGAÇÕES

Não devemos nos esquecer de que as investigações não devem para quando um novo governo assumir. É extremamente urgente “investigar e extinguir”, abolir mesmo, o BNDES, investigar os negócios, investimentos e empréstimos do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal (CEF), e retirar da CEF a exclusividade em depósitos do FGTS, pois que este dinheiro, a priori, do trabalhador, só beneficia este, quando não tem pilantras a serem beneficiados, e ainda, investigar as loterias deste possível grande cassino-lavanderia.

Nélio Alves Gomes raytomonelio@hotmail.com

Curitiba

*

OPERAÇÃO LAVA JATO

A Operação Lava Jato não está ensinando nada aos poderes instituídos? O que já foi revelado até o momento, sobre o uso da corrupção como política de governo, por meio da denominada Operação Lava Jato, parece não chocar e/ou intimidar os integrantes dos três Poderes da República: o Poder Executivo declara que todo mundo fez e faz; o Poder Legislativo, que por muitos de seus integrantes já retiraram o seu quinhão do esquema criminoso revelado, pretendem tirar o que for possível da presidente da República, que não governa mais faz tempo; enquanto que a cúpula do Poder Judiciário parece mais incomodado em ser comparada com um magistrado de primeira instância, que ao fim e ao cabo, permitiu que o povo brasileiro soubesse como se pretendia afetar a evolução das investigações com a atuação das mais altas autoridades do País. Invoca-se princípios e formas jurídicas em prol da proteção de autoridades com prerrogativa de foro, via processos judiciais sigilosos. No entanto, não encontram uma norma em todo o ordenamento jurídico em prol da sociedade que sofre com a falta de serviços públicos essenciais, inflação e desemprego.  Também não choca os tais formadores de opinião, sejam intelectuais, jornalistas, juristas, artistas que identificam “ódio e intolerância” por parte da sociedade que está chocada e indignada com a criminalidade que se apossou da estrutura estatal. O argumento deles, que falha pela falta de lógica e honestidade, é que todo mundo é desonesto, então se esqueça tudo! Ou o PMDB vai acabar com a Lava Jato! Lula e Dilma são do PMDB?

Ana Lúcia Amaral anamaral@uol.com.br

São Paulo

*

LULA NO STF

Quando o Supremo Tribunal Federal (STF) julga e leva a investigação sobre o ex-presidente Lula à Suprema Corte, junto com a 24.ª fase da Lava Jato, com envolvidos de foro privilegiado ou não, mostrara por que os ministros foram indicados como ministros. Isso inclui tudo o que o ex-presidente Lula queria, porque nesta fase está envolvida também sua família. Com certeza, as investigações ficarão engavetadas e só serão investigados de acordo com os interesses dos ministros. Quem tem um STF conivente como esse precisa de mais? Uma coisa é certa: as gravações autorizadas pelo juiz Sérgio Moro deram o tom, com cobranças de Lula aos ministros do STF e à Procuradoria-Geral da República (PGR), como se fosse dono do Brasil. Foi assim que a Venezuela perdeu sua democracia. Impeachment já, antes que seja tarde.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br 

São Paulo

*

BLINDAGEM PERFEITA

Com a decisão do STF, Lula conseguiu exatamente o que desejava: que seu processo fosse parar nas mãos daqueles que julgam os que têm o famigerado “foro especial”, essa barbaridade que, no mínimo, atrasa toda e qualquer decisão judicial. Isso sem que ele possua qualquer cargo que a justifique. O ministro Gilmar Mendes deixou-o à mercê de Moro e Zavascki protegeu-o alegando que as tais gravações eram ilegais. Agora o STF manda que todo o processo seja enviado a eles. Blindagem perfeita! E não venham com a alegação que é pior para Lula, pois não terá como recorrer. Mas, convenhamos: o PT e seus parceiros sabem utilizar todos os instrumentos que têm à disposição. Dilma vociferando suas bobagens no Planalto como se estivesse em palanque; a claque composta de “artistas e juristas”, além de sindicatos e os chamados “grupos sociais”; as manifestações das ruas a favor do (des)governo ocorrendo justamente na semana crítica para o impeachment; sua propaganda trabalhando a todo vapor com slogans, desculpas, justificativas distorcidas; funcionário do Itamaraty enviando mensagens pró-governo a todas as embaixadas é “admoestado” por seus superiores como se tivesse agido por conta própria, sem instruções superiores; e  por aí vai. E a oposição? O que faz? Onde está? Reconheçamos que, se os papéis fossem invertidos e quem estivesse na berlinda fosse outro presidente, que não um petista, Lula e seus asseclas estariam pondo fogo nas ruas e na mídia, criando factoides de todos os tipos através de seu departamento de propaganda. Nós, da hoje chamada “oposição”, somos incompetentes, essa é a triste verdade. Somos uma massa composta por 70% da população descontente com esta situação desastrosa em que o País foi lançado, mas não temos revolta. Mesmo com toda a safadeza que tem vindo à tona através da chamada Operação Lava Jato, não conseguimos nos preparar e reagir a cada notícia que surge. Continuamos acovardados, recolhidos e sem reação. Aquele senhor sabia muito bem o que dizia quando falou “(...) eles têm de ter medo”. É verdade, temos medo.

Heleo Pohlmann Braga heleo.braga@hotmail.com 

Ribeirão Preto 

*

SERVOS FIÉIS

Lula disse apenas toda a verdade nas conversas “entre as comadres” que o Brasil e o mundo ouviram, sobre a Justiça do alto escalão e o mal agradecido representante da PGR. Ministros que se autodenominam probos referendaram decisão de Teori Zavascki, aquele que já mandou soltar por duas vezes o hoje condenado Renato Duque, de manter na Corte investigações da Lava Jato que envolvam Lula. O Supremo enviou categórico e cristalino recado aos brasileiros: “Estamos aqui para bem servi-lo, senhor presidente Lula!”. 

 

Glória Anaruma gloria.anaruma@gmail.com

Jundiaí 

*

SERÁ?

O ministro Teori declarou que será difícil confirmar a validade dos grampos em que Lula conversa com a presidente Dilma Rousseff. Precisa confirmar algo que a própria Dilma já confirmou publicamente várias vezes, inclusive mencionando que ela havia sido grampeada? Será que as filigranas jurídicas vão voltar ao STF e começar a serem invocadas para absolver responsáveis e beneficiários notórios das corrupções já largamente comprovadas pela Lava Jato?

Francisco Paulo Uras francisco.uras@uras.com.br 

São Paulo

*

O MINISTRO

E aí, Teori? Aceitou as desculpas do juiz Sérgio Moro? Tá feliz? V. Excia. é o máximo!

Carlos Alberto Roxo roxo.sete@gmail.com 

São Paulo

*

PADRÕES MACUNAÍMICOS

Sérgio Moro é sério e competente demais para os padrões macunaímicos do stf (em minúsculas absolutamente). Vergonha.

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br 

Campinas

*

SÉRGIO MORO

Calma, foi só um puxão de orelha.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br 

Monte Santo de Minas (MG)

*

REFUGIADOS DE DILMA

Dilma Rousseff afirma que o governo brasileiro está disposto a receber refugiados sírios oriundos da Alemanha. Claro que não é de graça. Seu governo quer dinheiro para abrir as portas. Pergunto-me o que devem oferecer a esta gente, que tipo de propaganda que fazem. Será a mesma da campanha de 2014? Do Brasil sólido e forte; inquebrável? Se Dilma mentiu para nós, brasileiros, por que seria verdadeira com os estrangeiros? O que de bom o Brasil tem a lhes oferecer? Nada. Não há emprego. Não há estabilidade, não há investimento. Nem para os brasileiros. Que dirá para os estrangeiros? Mais gente sem emprego pode resultar em aumento da criminalidade. E, num país cuja segurança e a inteligência são uma piada, abrir as portas de modo indiscriminado pode dar passaporte ao terrorismo, que já fez tantas vítimas na Europa.

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br 

Porto Feliz 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.