Fórum dos leitores

CICLOVIA TIM MAIA

O Estado de S.Paulo

23 Abril 2016 | 03h00

Chama o síndico!

Não foi somente uma onda de ressaca que causou o desmoronamento de parte da ciclovia, que, segundo o prefeito do Rio de Janeiro, seria mais um “legado das Olimpíadas”. Concorreu para isso também a onda de mediocridade que invadiu o Brasil nestes últimos tempos. Fazem um projeto idêntico ao malcheiroso produto que boia na Guanabara e quem paga o pato é o Tim Maia! Por que não puseram na ciclovia nomes como Viegas, Paes, Pezão, Garotinho, etc.?

NESTOR R. PEREIRA FILHO

rodrigues-nestor@ig.com.br

São Paulo

Obras inseguras

A queda de parte da ciclovia Tim Maia, inaugurada há pouco em São Conrado, é uma triste realidade nossa. Erros de projeto, imprevisão e construção apressada são fatores que podem ter levado ao acidente. Urge que todas as obras de engenharia, de qualquer porte, Brasil afora, sejam mais cuidadosamente acompanhadas e fiscalizadas pelos órgãos técnicos competentes. Esse tipo de acidente, infelizmente, faz parte da nossa triste tradição de riscos em obras urbanas.

JOSÉ DE ANCHIETA N. DE ALMEIDA

josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

Não temos terremotos, tsunamis, vulcões, mas, em compensação, temos as obras públicas...

MOISES GOLDSTEIN

mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

O legado da Olimpíada

As considerações relatadas por especialistas em reportagens nos jornais de ontem estão, a meu ver, bem direcionadas, mas são apenas considerações preliminares. Pareceres técnicos responsáveis devem (ou deveriam) balizar a busca pelos fatores determinantes que culminaram nessa tragédia e delimitar as responsabilidades por isso. O que gostaria de ressaltar aqui é que está presente nesta tragédia um fator quase onipresente nas definições de custos e prazos de projetos em obras públicas ou privadas. Especialmente em obras que terão grande repercussão e visibilidade pública. Trata-se da enorme pressão exercida pelos interesses, nem sempre nobres, de políticos ou proprietários em assuntos que deveriam ser resolvidos, sem concessões, pelas áreas técnicas responsáveis pelo projeto, execução e fiscalização da obra. Não é raro ver equipes, que têm capacitação técnica satisfatória (ou não) cederem (por fraqueza, conivência, corrupção ou outros interesses escusos) a essas pressões. Aí ficamos submetidos a tragédias anunciadas que acabam dando nisso que vemos agora e estamos cansados de ver. Não podemos aceitar que haja “alívio” para os responsáveis por esta tragédia. Certamente ouviremos muitas justificativas do tipo “não dava pra ser de outro jeito”, ou “sempre foi assim”, ou “sou, mas quem não é?”. Passe livre para que essas condutas nocivas prossigam e façam novas vítimas. Se outros agiram assim e não foram apanhados, paciência. Mas quem for apanhado na ação delituosa, conivente, permissiva ou irresponsável, deve pagar por seu erro. Sendo realista, sabemos que o receio da pena não eliminará totalmente as más condutas, mas com certeza contribuirá para reduzi-las significativamente.

HÉLIO A. FERREIRA

hafstruct@hotmail.com

São Paulo

Projetos ruins

O desmoronamento de parte da ciclovia na Avenida Niemeyer, no Rio, não deve ser encarado como um simples erro de projeto, que não levou em conta a força de baixo para cima representada pela onda enorme que derrubou o trecho; provavelmente outras falhas serão apontadas, tais como a verificação do espaço na cabeça do pilar, se era suficiente para a extensão da superestrutura. Mas o grande problema que está acontecendo é a qualidade dos projetos, que por culpa dos governos municipais, estaduais e federal está muito baixa. Tornou-se prática comum a contratação de execução de obras a partir de projetos básicos, que são estimativos, e não detalhados como um projeto final. A falta de planejamento da gestão pública tem levado ao açodamento na contratação de obras sem o devido suporte de um bom projeto, muitas vezes para colher dividendos eleitorais. O custo de um projeto de engenharia equivale a 3% ou 5% do valor da obra, dependendo de sua complexidade. Um projeto bem feito, sem apertos de prazo, bem remunerado, tem a consequência direta na redução dos custos da obra. Outro fator de risco da engenharia de projetos é a perda de sua independência, com essa prática nefasta de contratar obra e projeto ao mesmo tempo. É decepcionante para o projetista ter a sua criatividade cerceada pela ganância do empreiteiro, que o submete única e exclusivamente a desenhar alguma solução que aumente o seu lucro. O problema da Avenida Niemeyer é a prova mais recente das decisões equivocadas dos governantes.

PAULO TUDE

petude@hotmail.com

São Paulo

Empreiteira de tragédias

Se o projeto era ruim, por que a Concremat construiu a ciclovia? Porque se trata de empreiteira antiética e antissocial. Já tivemos a Concremat atuando em São Paulo, na qualidade de pau-mandado do então prefeito Gilberto Kassab, liderando o Consórcio Nova Luz, de triste memória, criado para destruir a casa e o trabalho de mais de 100 mil famílias, em benefício da especulação imobiliária; e se nós, paulistanos, unidos, não os tivéssemos posto pra correr, com seu escabroso projeto, teríamos, nesta época de crise, a tragédia anunciada de 45 quadras arrasadas e abandonadas no centro da nossa cidade. O Ministério Público do Rio de Janeiro tem amplo campo para investigar a tragédia da ciclovia mal construída e, ainda, os elos políticos – no Rio (22/4, A13) e, por que não?, em São Paulo – da Concremat, empreiteira de tragédias.

SUELY MANDELBAUM, urbanista

suely.m@terra.com.br

São Paulo

Custos

Vendo a ciclovia do Rio que teve problemas, comparei os custos com os de São Paulo. Para aquela obra de grande complexidade foram gastos R$ 45 milhões. Em São Paulo, a Avenida Faria Lima custou R$ 54 milhões! E aqui não houve construção de toda aquela infraestrutura (parte caiu, é verdade). Salta à vista o custo da ciclovia do Haddad na Faria Lima. O Tribunal de Contas deveria analisar.

RUBENS SOUSA PINTO

rubanfilho@hotmail.com

São Paulo

DILMA EM NOVA YORK

Petrolão

Alô? É o meritíssimo juiz Jed Rakoff? Aqui é um brasileiro avisando que a Dilma está por aí. Que Dilma? Aquela presidenta do Conselho de Administração da Petrobrás que ferrou os investidores daí. Aproveite e pegue-a!

SERGIO S. DE OLIVEIRA

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

O DESABAMENTO DA CICLOVIA CARIOCA

 

Inaugurada festivamente em janeiro deste ano e com o custo de construção de R$ 44,7 milhões, desabou na manhã de quinta-feira a ciclovia Tim Maia, no Rio de Janeiro, deixando dois mortos e uma pessoa desaparecida. Mais uma tragédia para a extensa lista de obras mal feitas que, em vez de beneficiarem a população, a afetam da pior maneira. O mais inacreditável é que uma autoridade da Prefeitura declarou que o cálculo estrutural foi bem feito, só que não estava previsto um mar de ressaca tão forte, que causou o desabamento. João Bosco, autor de “O Bêbado e o Equilibrista”, poderia regravar a sua criação com outra letra: em vez de “caia a tarde feito um viaduto”, um “caia o dia feito a ciclovia”.

 

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro 

 

*

ACIDENTES NO RIO DE JANEIRO

 

O desabamento da ciclovia Tim Maia, localizada na Avenida Niemeyer, que liga o Leblon a São Conrado, é mais uma tragédia que entra para a coleção dos desastres que têm acontecido na cidade do Rio de Janeiro. Nos últimos tempos foram vários incêndios, enchentes, a queda de um edifício no centro da cidade, bueiros que explodiram e mataram cidadãos, e sabe-se lá Deus se haverá mais algum futuro desastre na linha 4 do metrô. Enfim, há um açodamento nas obras, talvez com vistas à realização da Olimpíada este ano. Em última análise, o prefeito Eduardo Paes é o principal responsável pelas obras realizadas na cidade e, também, pelo esquecimento de outras de deveriam ter sido implementadas. O desastre da ciclovia de R$ 50 milhões foi a causa de duas mortes – e ainda há uma pessoa desaparecida. Espera-se que a justiça seja feita e que se punam os incompetentes e irresponsáveis que a projetaram e também aqueles que aprovaram o projeto da ciclovia mais bonita do mundo, segundo S.Excia, o prefeito que queria ser presidente da República.

 

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

CICLOVIA AO MAR...

 

Relato de uma testemunha do acidente: “As pessoas pararam na ciclovia, acharam bonito e ficaram tirando fotos das ondas. Eram enormes. Veio uma maior ainda, a ciclovia levantou e caiu um pedaço. Vi as pessoas caindo. É triste. Toda vez que o mar subir vai ter que interditar a ciclovia, faz parte da natureza. Para mim ela foi mal planejada”. Historicamente o mar em ressaca assola o paredão rochoso, inclusive com fatos inúmeros de pescadores arrastados. Uma estrutura no local deveria ser muito ponderada pelas autoridades e a engenharia. Já vimos este filme. Vamos criar uma comissão para apurar os fatos e punir os responsáveis. Acho perda de tempo. Claro que o culpado é o Rei dos mares Poseidon, também conhecido como Netuno para os romanos, ao enviar ondas gigantes à costa...

 

Márcio Mourão mmvip007@gmail.com

Rio de Janeiro

  

*

PROBLEMAS BÁSICOS

 

A queda da ciclovia em San Conrado no Rio de Janeiro mostra os problemas básicos do país. Há falta de informação, de planejamento e de gestão pública. A estrutura da ciclovia foi projetada sem levar em consideração a força das ondas do mar, pois provavelmente não houve simulação em computador sobre os efeitos da água como exige qualquer obra de engenharia.

 

Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

 

*

CICLOVIA DESABA

 

Se fosse nos EUA, o vão e as respectivas colunas de sustentação teriam sido construído em aço.

 

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

 

*

OLIMPÍADA

 

A imunda cidade do Rio de Janeiro está vendo que o amigão de Lula, Eduardo Paes, do PMDB, está mostrando que o negócio são obras e, de preferência, bem caras. A Olimpíada será uma vergonha para o Brasil.

 

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

Rio de Janeiro

 

*

LEGADO FUNESTO

 

Visivelmente frágil, ciclovia de R$ 44,7 milhões desaba no Rio. A primeira providência é contar mortos e feridos; a segunda é culpar o mar. 

 

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

 

*

QUEDA DA ARRECADAÇÃO

 

Segundo a Receita Federal, no primeiro trimestre deste ano, a queda da arrecadação foi de 8,19%. Com o fechamento de empresas e ausência de investimentos empresariais, com certeza, a tendência de queda da arrecadação será aumentar, o que dificultará sobremaneira o governo para o caso de Temer assumi-lo. Terá, pois, que fazer restrições e cortes nas despesas do Estado, se quiser que sua gestão seja pelo menos respeitada. Não será fácil sair do caos imposto pelo lulopetismo!

 

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

 

*

ARRECADAÇÃO E ECONOMIA NA UTI

 

Não é por culpa do provável impeachment da Dilma que a nossa economia esta em recessão! A arrecadação federal que infelizmente vem despencando, indica como divulgado pela Receita Federal, que no 1º trimestre deste ano teve uma queda brusca de 8,19%, atingindo no período R$ 313,014 bilhões.  Ou seja, pior resultado destes últimos 6 anos e R$ 27,923 bilhões, menor que no mesmo período de 2015.  Ora, se o déficit primário previsto pelo mercado para 2016 é da ordem de R$ 100 bilhões, confirmados mais três trimestres de queda da arrecadação na velocidade apresentada entre janeiro e março deste ano, vamos ter um rombo acumulado em 2016, em torno de R$ 112 bilhões. Fruto principalmente dos gastos excessivos e improdutivos do Planalto, seguidos das irresponsáveis desonerações fiscais, etc. Ou seja, no rol das expectativas estamos no pior dos mundos...

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

CRUZEMOS OS DEDOS

 

Levando talvez longe demais a analogia que, no entanto, serve para desenhar uma espécie de caricatura construtiva do momento atual, pode-se afirmar que o grande problema da caída no poço da economia, em curso no país, é que a aceleração da gravidade, supondo que ela também aí atue, o que é provável, faz aumentar sempre a velocidade de queda, o que significa que, quanto mais distante estiver o fundo, maior será a destruição do corpo por impacto. É claro que o afastamento da presidente Dilma não alterará a aceleração do movimento descendente mas propiciará a colocação, no lugar da parada rígida, de uma cama elástica que, com um pouco de sorte, poderá resistir e amortecer a colisão e, se Deus for realmente brasileiro, até recuperar a massa da economia de volta sem ou com poucos danos. Cruzemos os dedos.  

 

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

 

*

QUEDA DA BOL$A

 

Pouco tempo antes de Dilma iniciar seu primeiro mandato, em 2011, o valor somado das empresas de capital aberto na Bolsa de Valores era de R$1,474 trilhão de dólares. Desde então, com a economia ladeira abaixo em marcha à ré e o consequente sumiço dos investidores ressabiados, a Bolsa despencou ao seu menor patamar em sete anos, com o valor das empresas reduzido a US$ 451 bilhões de dólares, representando uma perda de inacreditáveis 70%! Como se vê, não há governo que possa sustentar-se com números desta magnitude. Diante do caos exposto, é evidente que o País não pode continuar desgovernado à deriva, assistindo passivamente o capital das empresas evaporar-se como se água fosse. Muda, Brasil!

 

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

 

*

ESPECULAÇÃO

 

O Brasil vive um momento difícil. Isto se reflete nas cotações das ações em Bolsa. Lógica? Nenhuma. Pura especulação. Verdadeiro cassino. Quem está ganhando? Bancos e grandes especuladores. Quem perde? O povinho otário que em décadas ainda não aprendeu. E os fundos de pensões geridos e manipulados por políticos e governantes inescrupulosos. Compra sempre na alta e vende sempre na baixa. Eternos perdedores. Exceções raras. Tipo prêmio de loteria. Benefícios para o País? Nenhum. Resumindo: muita roubalheira. Maior que petrolão e mensalão juntos. E benefício zero para o País. Nem imposto pagam adequadamente.

 

Paulo H. Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

INJÚRIA

 

Dilma aduziu e divulgou nas redes sociais que Michel Temer, se assumir o cargo de presidente, cortará programas sociais como o Bolsa Família e o Minha Casa Minha Vida. Se eu fosse Temer, já teria entrado com uma ação de calúnia, difamação e injúria. Fica aqui a sugestão.

 

Roberto Twiaschor  rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

 

*

DE NOVO COM AS MENTIRAS?

 

É uma desfaçatez ver a presidente fracassada, Dilma tentando iludir mais uma vez a cabeça dos pobres sobre o fim do Bolsa Família. Todos sabem que o Bolsa Família jamais vai acabar, o que se quer é aperfeiçoar o programa que se tornou um bolsa voto para o PT. Aperfeiçoar significa dar mais transparência aos repasses e permitir que se acompanhe a evolução das famílias, que podem nem precisar, e assim darão lugar a outros. Mas o governo Dilma foi tão irresponsável que deixou milhões desempregados, mais pessoas voltaram  a experimentar uma vida de miséria. É importante cada cidadão observar que se sua vida piorou foi graças à incompetência do governo do PT. De um lado eles cuidaram de suas fortunas, do outro, continuam fazendo os pobres reféns de programas sociais que são  cortados quando gastam dinheiro demais. Dona Dilma dar a vara e ensinar a pescar ainda é o melhor ensinamento que temos. A senhora como péssima gestora destruiu a economia deste país. Jogou no lixo os direitos dos trabalhadores e agora vem com mentiras? Basta de teatro. Ninguém mais confia em sua conversa mole.

 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

 

*

POUPANÇA

 

Se os usuários do Bolsa Família vão usar o dinheiro recebido para colocar na poupança (conforme propaganda da Caixa Econômica veiculada nos diversos canais, por que, então, eles precisam do Bolsa Família?

 

Carlos R. Gomes Fernandes crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos 

 

*

AJUSTE FISCAL

 

Um dos possíveis ministros do Temer, se este assumir a Presidência, dá uma declaração muito sintomática. Alega ele que “talvez seja necessário aumentar os impostos”. Como ficarão os adversários da atual presidente, que na Câmara e Senado sempre dificultaram a tramitação de projetos que visavam ao aumento de impostos? Ou seja, a intenção dessa gente sempre foi a de derrubá-la, o que, pelo visto, estão conseguindo.

 

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos 

 

*

CALMA, MINHA GENTE

 

O processo de impeachment da presidente Dilma ainda está em tramitação, agora no Senado, com provável resultado favorável a milhões de brasileiros que não suportam mais esse desgoverno até 2018. Entretanto, penso que o vice Michel Temer está bastante afoito quando anuncia possíveis elementos para formação de um novo ministério e demais composições de seu staff. Aquiles foi castigado por Zeus por ter tripudiado sobre o cadáver de Heitor (“A Guerra de Troia”), Homero. Outro exemplo de afoiteza está sendo dado pelo vice Michel Temer que não deveria posar como presidente lembrando-se de 1985 quando Fernando Henrique Cardoso, candidato à prefeitura de São Paulo posou para fotógrafos sentado na cadeira do prefeito. No dia da posse Jânio Quadros, vencedor da eleição chamou a imprensa para assistir o prefeito eleito desinfetar a cadeira. Mesmo com Dilma nos estertores do fim, é de bom alvitre que se espere o fim.

 

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

 

*

COCHILO DA TARTARUGA 

 

Na corrida do impeachment, Dilma se mostra cada vez mais inepta e retardatária, derrapando aqui e acolá. Ao definir a reedição do mensalão como tática de barrar o processo de impeachment na Câmara, iniciou a venda de cargos e promessas de emendas parlamentares a poucos dias da votação; adotou certo tom conciliador e ensaiou um governo de união nacional e diálogo com a oposição apenas quando a matemática já jogava (fortemente) contra seu time; agora, na segunda feira de ressaca pós-votação (18/4), afirmou que é apenas “o início da luta que será longa e demorada”. A depender da promiscuidade presente na relação entre Renan Calheiros e o Planalto, poderia, sim, ser relativamente procrastinada. Felizmente, há prazos para serem cumpridos sob a vigilância da oposição, da imprensa e, através desta, da sociedade civil. Lembram-se da fábula da lebre e da tartaruga? Pois é, dessa vez quem dormiu no percurso foi a tartaruga (leia-se “presidenta”)... Ademais, pegou o atalho errado e, sem perceber, está descendo a rampa do Planalto. 

 

Elias Menezes elias.natal@hotmail.com

Nepomuceno (MG)

 

*

TRANSGRESSÕES

 

Mesmo consumando faltas graves, a presidente Dilma teima em repetir que o impeachment é golpe, de que não praticou nenhum crime, de que é inocente. Cometera estelionato eleitoral para ser reeleita (mentir sobre a situação econômica do país), transgredir a Lei de Responsabilidade Fiscal (condenada pelo Tribunal de Contas da União devido às pedaladas fiscais) e obstruir a justiça (ao tentar nomear Lula ministro para protegê-lo), mesmo assim persiste em dizer que é inocente. Caro leitor, sugiro que pessoalmente confirme. Vá à penitenciária mais próxima da sua casa e entreviste um preso, qualquer um, e ele, categoricamente, afirmará que é inocente, que é um injustiçado... A presidente também age assim.

 

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

 

*

IRREGULARIDADE

 

A senhora Dilma Alega não ter nenhuma irregularidade. Até pode ser, só o tempo dirá, mas seu impedimento se deu por não saber fazer a sua defesa e por ter reconhecida incompetência – isto é uma grande irregularidade, falar em golpe, injustiça, não ter crime, basta!

 

Celso de Carvalho Mello celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

 

*

A DÚVIDA

 

Uma filha comete um roubo e seu pai a põem para fora de casa, mas se ele tivesse concordado com o roubo, ele não poderia colocá-la para fora. A presidente fez em préstimos sem autorização do Congresso e está sendo posta para fora. Mas se o Congresso tivesse concordado com os empréstimos, ela não poderia ter sido posta para fora. Acontece que não sabemos, e nunca poderemos saber, se o Congresso teria ou não concordado com os empréstimos. Neste caso há uma dúvida a favor da denunciada, a presidente, pois o Congresso poderia ter autorizado os empréstimos.

 

Domiciano Dias domicianodias@hotmail.com

Brasília

 

*

O BRASIL VISTO DO MUNDO

 

Vendo a intensa campanha feita pela presidente junto à imprensa mundial e vendo a facilidade com que os correspondentes aceitam a fraca argumentação da presidente, tenho a vontade enorme de colocar uma pergunta para os repórteres: “Se em países com democracia avançada, um presidente for pego fraudando a contabilidade pública para esconder um buraco de 100 bi R$ = USD 30 bi e usando dessa fraude para fins eleitorais, seria isso um “detalhe” tratado com benevolência?”

 

Daniel Druwe Araujo ddruwe@uol.com.br

São José dos Campos

 

*

SIMPLIFICANDO

 

Ridículo e má-fé se misturam quando se tenta assimilar o instituto do impeachment a um golpe. A aritmética não o permite. Para que o impeachment se concretize são necessários 2/3 dos votos da Câmara e 2/3 dos votos do Senado. Que prova mais será preciso para que o presidente da República entregue o cargo sem chiar? Já que não temos o parlamentarismo, onde o chefe do governo é removido com mais facilidade, devíamos aperfeiçoar o instituto que temos de modo a acabar com a necessidade desnecessária de haver crime de responsabilidade para deflagrar o processo.

 

Euclides Rossignoli euclidesrossignoli@gmail.com

Avaré

 

*

LENGA-LENGA

 

O “lenga lenga” de que sofre um golpe citado exaustivamente pela presidente falta ainda um forte ingrediente em que ela esta esquecendo ou se fazendo de esquecida que seu partido, o PT,  fez exatamente o mesmo com Sarney depois com Collor depois com Itamar Franco e depois com Fernando Henrique Cardoso. Essa turma que nos desgoverna esqueceu da historia e agora se faz de vitima. Poupe- nos, presidente, disso, pois essa cantilena já cansou. 

 

Jose Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

 

*

O VERDADEIRO GOLPE

 

O PT agora diz que vai propor eleições gerais... Isso, sim, é golpe! Isso, sim, não está previsto na Constituição e ela terá de ser emendada por 3/5 da Câmara e do Senado em duas votações em cada Casa. Tudo isso para tentar nos enfiar, novamente, Lula goela abaixo. Isso, sim, é golpe!

 

Carlos R. Barreto Barsotti cbarsotti1@hotmail.com

São Paulo

 

*

SACRIFÍCIO

 

O único órgão humano que não pode ser doado é o cérebro. Além das dificuldades técnico-fisiológicas, a maioria não tem qualidade. Exemplo disso é o que estamos observando de nossos líderes políticos. São, na maioria, anencéfalos emocionais, culturais e sociais. E é por quem o povo é comandado. Precisamos sacrificar todos esses indivíduos, para o bem do Brasil.

 

Jose Valdai de Souza cjvaldai@terra.com.br 

Porto Alegre

 

*

NO TSE

 

A imprensa noticia que o Tribunal Superior Eleitoral começa a produção de provas para cassar a chapa Dilma-Temer. Alguém sabe por que não começou antes e para quê serve esse julgamento nesse caríssimo tribunal? Vai adiantar o quê cassar Dilma quando ela já estiver fora do poder.  E quanto a Temer, quando será decidida a separação de suas contas de campanha, como certamente será feito?

 

Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo 

 

*

O TSE E O BRASIL

 

Se o Tribunal Superior Eleitoral cassasse de imediato os diplomas de Dilma + Temer, Renan Calheiros, Eduardo Cunha et caterva, com base nas ações que já foram protocoladas contra eles, por desonestidade de campanha, estaria fazendo a alegria dos brasileiros e salvando o Brasil da bancarrota em que está e acabaria com essa palhaçada da novela de impeachment.

 

Raul Moreira raulmoreira@mpc.com.br

Campinas

 

*

CUNHA PRESIDENTE

 

Demorou: antes mesmo de o cadáver – Dilma – ter esfriado e sido enterrado (falta o Senado), Eduardo Cunha, o réu e presidente da Câmara, já está de olho, pasmem, a cobiça humana voa, na cadeira de presidente, caso Michel Temer, que foi mencionado na Lava Jato, seja também posto da rua. Que desfecho brilhante para nosso país: Eduardo Cunha presidente.

 

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

 

*

EDUARDO CUNHA

 

Uma coisa não se pode negar: sem Eduardo Cunha no comando da Câmara, este processo de impeachment não chegaria a este momento histórico tão importante para nós brasileiros que foi o acolhimento pelos senhores deputados do afastamento legal da presidente Dilma e o inicio da queda do poder de Dilma, Lula e toda tigrada do PT, porque Cunha conhece os meandros das regras e o rito a ser seguido como ninguém mais e para enfrentar as jogadas não muito corretas de Lula e sua turma para livrar Dilma e manter o poder em suas mãos, só outro grande jogador trapaceiro que jogue no mesmo nível. Parabéns, Eduardo Cunha, nós, brasileiros, agradecemos. E, quanto às denúncias que pesam contra ele, cabe aos seus pares decidir o que fazer a respeito e no STF, onde é réu terá de pagar por aquilo que fez fora da lei.  

 

Henrique Schnaider hschnaider4@gmail.com

São Paulo

 

*

‘ANISTIA’ PARA CUNHA

 

No último domingo, assistimos a um Congresso proferindo palavras de honestidade aos quatro ventos, posando de salvadores da pátria ao aprovar o afastamento da presidenta e as suas manobras orçamentárias, passando o País a limpo. Boa parte deste mesmo Congresso agora articula a blindagem e a anistia do presidente da Casa, cuja honestidade é um tema bastante controverso, conforme reportagem da página A12 da edição de 19/4. Gostaria que estes mesmos deputados tivessem a coragem de subir ao microfone e por dez segundos, ou um pouco mais, em rede nacional, bradassem: “Por Deus, pela minha família, pelos meus filhos, pela minha querida cidade, voto SIM para a anistia do sr. Eduardo Cunha”. 

 

Sergio F. Ximenes sfximenes1@gmail.com

São Paulo 

 

*

CONVERSA DE BOTEQUIM

 

Eduardo Cunha: “Não tenho conta no exterior, mas vendi carne na África!”; Dilma Rousseff: “Sou presidente há mais de cinco anos, mas sou honesta!”; Dama da Noite: “Sou da noite há 50 anos, mas ainda sou virgem!”.

 

Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net 

São Paulo

 

*

VOCÊ CONFIA NA SUPREMA CORTE?

 

Todos os países democráticos têm como sistema de governo o presidencialismo ou parlamentarismo. Existe a Suprema Corte, que é a guardiã da Constituição de cada país, isto quer dizer que nada existe acima, é a força normativa que está na Carta Magna, referendada pelos legisladores que em assembleia a promulgou, acatando o anseio popular, para que seus direitos e deveres sejam respeitados e que todos os cidadãos sejam iguais perante a lei. Assim teria que ser, mas no Brasil as coisas não são bem assim, o nosso STF que é a nossa Suprema Corte, deixa muito a desejar, pois na realidade não cumpre o verdadeiro papel na República Federativa do Brasil, isto porque a demora e a imparcialidade que não deveria existir, parece ser ignorada por alguns ministros que compõe o STF. Estes ministros são indicados pelo poder executivo, são na realidade escolhidos, sem ter mérito, apenas a vontade do Presidente da República. Não deveria ser assim, o executivo também comete crimes. O STF seus ministros deveriam sim, ser escolhidos por outras prerrogativas, como pelos próprios membros dos poderes dos Tribunais de Justiça de cada Estado, os mais ilibados, os mais corretos. Ser julgado pelo STF teria que temer e não ter esta Suprema Corte como protetora. Foro privilegiado, esconder atrás de seus mandatos, para ser julgado pelo STF, sabendo que nunca serão condenados. Como exemplo: Lava Jato mais de 70 pessoas condenadas, por um Juiz Federal Sergio Moro e nenhum foi condenado por 11 juízes do STF, apenas soltaram quem já havia sido condenado no mensalão. Falam em reforma política, mas na realidade o que o Brasil precisa é uma reforma drástica do judiciário brasileiro, para que as leis sejam respeitadas, para que a justiça seja igual a todos, não para apenas os descamisados. Um país em que a justiça é omissa, tendenciosa, morosa, ela pune mais a vítima do que aquele que comete delitos. É interessante para muitos que tem foro privilegiado que o STF continue como está hoje, sabem da impunidade.  Há poucos dias um ex-presidente quis se tornar ministro para fugir da justiça federal. Um ministro do STF questionou uma pessoa: “Você acredita na nossa Suprema Corte? A resposta foi imediata. Não, senhor ministro. Se fizer uma pesquisa, noventa por cento da população veem o STF como um órgão não confiável e que seus ministros gostam na realidade é de holofotes ao invés de cumprirem os seus verdadeiros papeis como julgadores. Se existe três poderes, eles têm que ser independentes, um presidente não pode indicar membros do STF, STJ e procurador da Republica.

 

Amyn Daher Jr. amyndaherjr90@gmail.com

São Paulo

 

*

O STF E O FORO PRIVILEGIADO

 

O STF deverá tomar providências urgentes para criar condições de conseguir julgar os muitos políticos com foro privilegiado que foram indiciados pela Lava-Jato. De origem, um tribunal constitucional e não criminal, o STF com certeza não terá fôlego para tratar de forma eficiente todos os casos que para lá forem encaminhados. Corremos o risco de ficar anos e anos a tratar desses processos gerando uma enorme frustração em toda a população que anseia por uma justiça tempestiva e igualitária.

 

Antonio Carlos Mesquita emaildomesquita@gmail.com

São Paulo

 

*

SUGESTÃO

 

Saber no STF quantos deputados, senadores, governadores e todos que têm foro privilegiado estão no STF, data da entrada e o andamento, cobrar do STF o julgamento ou andamento ou todos vão ficar impunes?

 

Roberto Ruiz robertoruizvix@hotmail.com

São Paulo

 

*

TOLOS IGUAIS PERANTE A LEI

 

A Constituição diz que todos São iguais perante a lei. Os políticos puseram um remendo criando a foro privilegiado para livrarem os seus da reta e transformaram a lei em “tolos são iguais perante a lei”.

 

Mário A.Dente eticototal@gmail.com 

São Paulo

 

*

A MÁFIA DA MERENDA

 

Há dez anos que todas as CPIs ou não foram instaladas, ou viraram pizza, no governo federal. Sempre havia uma tropa de choque para inviabilizá-las. Agora com a Lava Jato, ficamos sabendo que houve até pagamento de propina com dinheiro do petrolão para que elas não tivessem continuidade. Por isso é de desconfiar que em São Paulo, esteja acontecendo a mesma coisa com a CPI da Merenda Escolar. Não conseguem quórum para instala-la há vários dias. O governador Alckmin, precisa mostrar que seu governo não é igual ao do governo federal do PT, notadamente corrupto. Se existe diferença, não estava na hora dele pressionar sua bancada para instalar a CPI da Merenda Escolar? Porque quem rouba merenda escolar, não merece continuar no poder.

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

 

*

FRAUDE

 

Inacreditável que a Assembleia paulista não deu quórum para analisar a fraude da merenda. Vergonha! Claro que os filhos deles não dependiam deste alimento para saciar a fome.

 

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.