Fórum dos Leitores

OPERAÇÃO LAVA JATO

O Estado de S.Paulo

07 Junho 2016 | 03h00

Odebrecht e os R$ 12 mi

Em delação premiada, Marcelo Bahia Odebrecht esclareceu que a presidente afastada Dilma Rousseff cobrou pessoalmente o acerto de R$ 12 milhões “por fora” para a campanha eleitoral de 2014. De acordo com as declarações de Marcelo, a operação criminosa consistia em utilizar o caixa 2 para pagamento do marqueteiro João Santana e do PMDB. Mônica Moura, esposa de João Santana, relatou aos procuradores federais que na campanha de 2014 pelo menos R$ 10 milhões foram utilizados para pagamento de empresas de comunicação sem terem sido contabilizados oficialmente. Portanto, Dilma Rousseff não só sabia de tudo, como também participou de operações ilícitas no âmbito do petrolão.

JOSÉ C. SARAIVA DA COSTA

jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

Quadrilha

Mês de junho é mês de dançar quadrilha, mas, com as delações de Marcelo Odebrecht e de Léo Pinheiro, a quadrilha do PT é quem vai dançar, não é mesmo, Lula, Dilma e Rui Falcão?

ANTÔNIO CARELLI FILHO

palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

CORRUPÇÃO

Transparência

Ministro vinculou Centrão a ‘corrupção’ e ‘safadeza’

(Estado, 4/6, A4). Enfim um ministro – Torquato Jardim, da Transparência, Fiscalização e Controle – com coragem suficiente de pôr os pontos nos is e falar sobre a corrupção e a safadeza de picaretas do Congresso, que pensam só em seus próprios interesses.

BEATRIX N. BEHN

beatrixbehn@yahoo.com

Curitiba

Vão trabalhar!

Deputados reagiram e cobraram explicações de Torquato Jardim, que disse que os partidos no Brasil são “um balcão de negócios”. E quem não sabia disso?! Vão trabalhar, senhores deputados, e deixem a fofoca de lado, porque 11 milhões de brasileiros estão à espera de soluções!

DIVA PEDROSA

diva.rodrigues@terra.com.br

São Paulo

Mudança de rumo

Se o ministro da Transparência não tem noção do que fazer para mudar a nossa triste sina de corrupção endêmica, poderia começar por mudar sua própria ideia sobre os acordos de leniência. O Brasil de nossos filhos agradeceria, ministro, se não nos desse o mesmo destino da italiana Operação Mãos Limpas, que é o destino que o seu odiado Centrão deseja para o País.

MARCUS VINÍCIUS TELLES FADEL

marcusvtf@gmail.com

Curitiba

Acordos de leniência

O professor Modesto Carvalhosa foi, mais uma vez, irretorquível (Os acordos de leniência perpetuam a corrupção, 4/6, A2). Acredito que a formalização de acordos de leniência com empresas envolvidas em corrupção na forma como vem sendo feita – a pretexto da preservação de empregos e da empresa –, além de ratificar a conduta criminosa e a impunidade, subestima o próprio poder intrínseco e orgânico do sistema capitalista, de competir e se adequar, modificar, criar, desenvolver e superar. Lembremos que empresas afastadas, quebradas, extintas ou pouco competitivas sempre darão lugar a outras, remanejando e criando empregos no sentido de promover e desenvolver a economia. Portanto, a forma com que os acordos de leniência vêm sendo firmados servirá apenas para manter o nosso perigoso e insustentável status quo.

DANIEL OSTRONOFF

d.ostronoff@romeirohermeto.com.br

São Paulo

Como as grandes empresas envolvidas na Operação Lava Jato lidam internamente com a corrupção de seus funcionários? É certo que especialmente aqueles cujos cargos envolvem compras de produtos e serviços sejam assediados por ávidos fornecedores que não vacilam em oferecer comissões para conquistar pedidos e contratos. Como estes funcionários, sabedores dos “procedimentos comerciais pouco republicanos” de seus patrões, lidam com o assédio e a possibilidade de embolsar uma comissão? Rechaçam os corruptores ou aproveitam a possibilidade de embolsar alguma coisa por fora, sem nenhum remorso? E, se apanhados, como essas empresas tratam o assunto? Relevam, entendendo que é algo normal, punem rigorosamente (com a sumária demissão) o funcionário que nada fez além de praticar a política comercial de seu empregador ou propõem um acordo de leniência?

JORGE LUIZ DE ANDRADE

seugonca252@gmail.com

Jandira

DILMA ROUSSEFF

Voos restringidos

A estocadora de ventos, presidenta “mulher sapiens” Dilma Rousseff, não gostou de saber que, por não ter mais compromissos oficiais, não disporá livremente do uso de aviões da Força Aérea Brasileira (FAB), exceto no trecho Brasília-Porto Alegre-Brasília. Será que já não basta o cidadão contribuinte pagar sua comida, sua permanência no palácio, seus servidores e sua segurança pessoal?

ARLETE PACHECO

arlpach@uol.com.br

Itanhaém

CENSURA

‘Estadão’, 2.443 dias

É simplesmente estarrecedor abrir o jornal de nossa preferência, o Estadão, um baluarte na luta pela democracia e pela justiça neste país, e ver a nota nesta página A3, com fundo negro, em que todos os dias vemos acrescido mais um dia à censura que forças políticas moveram contra o maior jornal do País. Tudo em razão de fatos que o jornal teve a ousadia e a coragem de divulgar: a Operação Boi Barrica, que envolve figuras consideradas importantes do País (Sarney, seu clã e adjacências). Creio que nestes anos em que as verdades todas estão paulatinamente sendo postas na mesa, como também os áudios de tanta miséria moral neste país, o Estadão deveria recorrer, talvez até alicerçado nos novos moldes e paradigmas que a sociedade e jurisprudências afins impõem, para reverter esta tarja preta indesejável. O nosso Supremo Tribunal Federal (STF) hoje não é mais o de 2.443 dias atrás, e muitos ministros têm se manifestado de forma diferenciada ao ontem. E nós, como Nação, não aceitamos essa mordaça. Esperamos e confiamos em que o STF reverta essa situação, e que as forças ditas cultas e políticas deste país – senadores, deputados federais, governadores, ministros de todas as áreas e até o Poder Executivo – tomem posição quanto a esta estapafúrdia censura. O Estadão tem meu apoio, e podem ter certeza, senhores diretores, proprietários e outros do Grupo Estado, a nação brasileira como um todo reconhece os serviços que tem prestado ao País, sempre.

LUIZ EDGARD BUENO

luizedgbueno@uol.com.br

Londrina (PR)

 

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

MARCA HISTÓRICA

Vamos completar dois anos ininterruptos com notícias diárias de corrupção nos jornais. Se, ainda assim, os mais sábios dizem que só vimos  a ponta do iceberg, já deveríamos estar pensando numa forma de excluir, seja por voto nulo ou coisa que o valha, os bandidos políticos do nosso convívio. A outra opção é enxugar gelo eternamente...

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

DELAÇÃO DA ODEBRECHT

Por que será que Marcelo Odebrecht demorou tanto tempo para fazer delação premiada? Não precisa ser nem um Sherlock Holmes para descobrir os motivos. No começo achou que seu poder e influência resolveriam o enrosco . Acreditava que a “petralhada” conseguiria parar a Lava Jato, que Lula tinha nas mãos a maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), que era questão de tempo e sairia livre de todas as acusações. Seu exército de advogados e cúmplices políticos não contava com a determinação e seriedade de Sérgio Mouro e a implacável e necessária atuação de nossa imprensa, e o mais importante é que o povo cansou de tanta corrupção tanto descaso no comando do País. A corrupção não vai acabar, mas a esperança é de que, quando pego, o corrupto e o corruptor apodreçam na cadeia.

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

FORO PRIVILIGIADO?!

Pronto... nossos "políticos" devem mostrar sua honra e abrir mão dessa falcatrua que se chama  foro privilegiado!

Ricardo Luiz Ruivo Muniz ricmuniz45@me.com

ricmuniz45@gmail.com

*

PÁGINA SUJA DE NOSSA HISTÓRIA

As delações desmascarando Dilma, o Lula e todos os líderes do PT levantaram a tampa da fossa. Transformaram os petistas em idiotas, tolos e bocós. Revelaram um partido de mentirosos, patifes, covardes e ladrões da pátria. Viraram uma página suja da nossa história!

Eugenio José Alati eugeniojalati@gmail.com

Campinas

*

LIGUANDO OS PONTOS

Na semana em que o advogado Geral da União ajuizou ação para cobrar R$ 12 bilhões das empreiteiras do Petrolão, a imprensa dá uma matéria o difamando. Fábio Osório Medina foi à Curitiba acertar os ponteiros da ação da Advocacia Geral da União (AGU) com a Lava Jato. Liguem os pontos!

M.Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis 

*

FICHA LIMPA    

Só quando a operação Lava Jato encerrar suas investigações, saberemos de fato quantos políticos não estavam envolvidos.

Virgilio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

LAVA JATO

Se a Lava Jato não mudar a paisagem e o conteúdo dos políticos brasileiros, todo o esforço terá sido em vão!

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

LENIÊNCIA CORROMPE

O novo ministro da antiga Controladoria Geral da União, CGU - cuja denominação jamais deveria ter sido injustificadamente alterado por Michel Temer - deveria pelo menos ler o artigo do professor e jurista Modesto Carvalhosa (Os acordos de leniência perpetuam a corrupção, 4/6, A2). O que o ministro parece defender ingenuamente é a volta dos empregos na construção civil pesada, o mesmíssimo argumento tolo de Dilma Rousseff, que queria livrar da cadeia os empreiteiros, mais que tudo. Construtoras menores ou estrangeiras - se tiverem oportunidade de contratar com o setor público em condições equitativas - dispensem a recontratação de todas essas empreiteiras de famílias corruptas envolvidas na Lava Jato. 

Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo 

*

E AGORA, JOSÉ?

Em fase preliminar de delação, Marcelo Odebrecht relata a extorsão que sofreu e sua proximidade com Dilma Rousseff. Contrabalanceando as peças chegamos às gravações feitas por Sérgio Machado! Vai continuar insistindo na anexação?

Arnaldo Ravacci. arnaldoravacci05@gmail.com

Sorocaba

*

CORRUPTOS

“O corrupto está tão fechado e satisfeito em alimentar sua autossuficiência que não se deixa se questionar por nada e por ninguém: passa a vida buscando os atalhos do oportunismo, ao preço de sua dignidade e dos outros. O corrupto tem sempre a cara de quem diz: "não fui eu". Não vê nenhum problema em aproveitar a sua posição para exigir pagamento de propinas”. (Papa Francisco)

Lourdes Migliavacca lourdesmigliavacca@yahoo.com

São Paulo

*

ANISTIA DAS EMPREITEIRAS

Excelente sugestão no Fórum deste domingo (5/6, A2 e A3) do leitor Sérgio Brochini, além, da sugestão de construir dois presídios por cada empreiteira, permito-me acrescentar: dois hospitais públicos e transformar o sítio de Atibaia em casa de repouso para artistas sem condições dignas de sobrevivência, que não mamaram das tetas do governo petista.

Wilson Linowiolino@yahoo.com.br

São Paulo

*

PARLAMENTARISMO

Com efeito, se quem tem a palavra final e decisiva na condução do governo, de fato, é o Congresso, então está definitivamente implantado o regime parlamentarista no País, pois não?

Js Ðecol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

FUNDO DO POÇO

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, disse que “o Congresso chegou ao fundo do poço”. Errado, Excelência, o que chegou ao fundo do poço, potencializado pela corrupção, péssima gestão, incapacidade, desonestidade, etc., foi o governo petelulista todo, comandado por Lula e Dilma. Com uma agravante: levaram a população toda junto.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

PARAFRASEANDO LULA

Tem gente parafraseando Lulla. Que diga a família Cunha que nunca sabe de nada. 

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

*

PRIMEIRO ATRITO

O atrito ocorreu uma semana depois do aumento aprovado? Isto não é notícia plantada? Está mais parecendo “engana trouxa”, porém a “batata” está assando da mesma forma, em fogo brando, mas contínuo.

Manoel Mendes Brito voni.brito@gmail.com

Bertioga

*

AUMENTO DO FUNCIONALISMO

Tudo indica que os reajustes salariais para os servidores foram resultado de um acordo nos bastidores entre o presidente em exercício, Michel Temer, e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, a fim de desarmar uma "bomba-relógio" deixada pela presidente afastada, Dilma Rousseff.

José Millei millei.jose@gmail.com

São Paulo  

*

DESPROPOSITAL

A política traçada pelo Ministério da Fazenda tem como um dos principais objetivos reduzir drasticamente os gastos públicos, além dos problemas atinentes à Previdência Social. Entretanto, o presidente interino Michel Temer, estimulado pelos caciques do PMDB, sinaliza para o aumento de bilhões ao funcionalismo público, cujo posicionamento sempre foi melhor que o dos empregados na iniciativa privada, desde que contam com estabilidade, além de outras vantagens. Ressalte-se que temos ainda mais de 11 milhões de desempregados. Assim, esse aumento de bilhões lança a semente da discórdia no seio do governo e é sério motivo para  desconfiança popular.

   

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

TAPA NA CARA DOS TRABALHADORES

Governo Temer diz que a criação de 50 mil novos cargos não aumentará a despesa. Primeiro dão aumento em cascata a todos os funcionários públicos. Uma tapa na cara dos quase 12 milhões de desempregados. Agora criam 50 mil novos cargos, quando deveriam cortar o mesmo número de cargos comissionados e reduzir as despesas do Estado.  E nós os trabalhadores pagaremos a conta. 

Jair Nisio jair@smartwood.com.br

Curitiba

*

NA TERRA DA MALANDRAGEM

Todo político tem de ser malandro. Se não o for, não é eleito e é mal visto pelos comparsas. O presidente Temer sabe como ninguém disso, então tenta ter a malandragem por perto para ver se consegue emplacar suas teorias. Mas a Lava Jato é implacável e sempre acha malfeitos notáveis. Daí estar sempre caindo do galho algum notável em malandragem. A diferença em relação à Dilma é que o entorno de Temer é bem mais qualificado que os pés-rapados que a cercavam. 

Joubert Treffis jotatreffis@outlook.com

Teresópolis (RJ)

*

DELAÇÃO PREMIADA

Se o próprio presidente do Senado da República, Renan Calheiros, pede o fim da ‘delação premiada’, para evitar que seja necessário cercar o Congresso brasileiro com grades. O que ficaria muito feio... Só por I$$o? Chegamos ao fundo do poço... O que dirão os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF)? O que mais cercar?

 

Luiz Dias lfd.silva@uol.com.br

São Paulo

 *

CINISMO E HIPOCRISIA

A Executiva Nacional do PT disse pretendendo contribuir para a defesa prévia da presidenta afastada: “Tudo confirma que uma das faces do golpe é a interrupção do combate à corrupção, processo que avançou enormemente com as medidas implantadas durante os governos Lula e Dilma”. É muita ironia. Lutaram ferozmente para deter o avanço de dificultar cada passo da Lava Jato e agora se apresentam com pretensas “medidas implementadas”, como as responsáveis pelo avanço do processo para debelar a corrupção institucionalizada por esses dois malsinados governos.

Mario Helvio Miotto mariohmiotto@gmail.com

Piracicaba 

*

IRRESPONSABILIDADE

Uma questão que é fundamental para quem exerce um cargo público é a comprovação de sua responsabilidade no acompanhamento no que diz respeito à sua atividade. Como aceitar então que o presidente interino alegue desconhecimento da crise que atingia o Brasil? Como ocupante do cargo de vice há seis anos e com ministros indicados pelo seu grupo aliado, ele não participava dos encaminhamentos governamentais? Dá para acreditar?

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

MAIS DO MESMO

Ou Michel Temer confia no povo brasileiro e se afasta dos bandidos de sempre, ou seu governo não vai passar de uma Dilma 2.

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

O BRASIL PEDE SOCORRO

Gente,  já deu dessa irresponsabilidade destruindo o Brasil,  espero sinceramente que Romário e Cristovam Buarque não sejam bobos.  O Brasil não pode, nem em pesadelo,  permitir o retorno de Dilma nem do PT,  ao menos por uns anos...

Roberto Moreira da Silva rrobertoms@uol.com.br 

São Paulo

*

PÁGINA EM BRANCO

Espero que a primeira página em branco do Estadão de hoje (6/6) não seja uma alusão ao livro memórias e realizações do governo Lula da Silva.

Marcos Catap marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

*

MESQUITA NETO

Na data em que se registra o aniversário do falecimento do doutor Júlio de Mesquita Neto, desejo consignar a minha mais sincera solidariedade a Júlio Ferreira de Mesquita Filho, aos seus familiares e a este jornal. O doutor Júlio realmente faz falta! 

João Mellão Neto joaomellao2009@gmail.com

São Paulo

*

20 ANOS DE MORTE DE JÚLIO NETO

Tenho hoje a obrigação de reverenciar a memória e a coragem de Júlio de Mesquita Neto, no 20.º aniversário de sua morte. Em novembro de 1971, fui preso na antessala da redação de o Estado, ainda na Rua Major Quedinho pelos meganhas do Esquadrão da Morte, que era comandado pelo sinistro Sérgio Paranhos Fleury. Numa sessão de tortura, esses assassinos começaram a perguntar sobre as atitudes políticas de Júlio de Mesquita Neto e, furioso, um dos meganhas gritou: “Quem pensa que ele é ao pedir notícias de você? Nós é que podemos trazê-lo para cá”. Soube mais tarde que, de forma corajosa, Júlio pressionara os ministros e generais da ditadura para garantir minha vida e segurança. Homens como ele fazem falta hoje no Brasil.

Antônio Tadeu Afonso ataf61@gmail.com

São Paulo

*

EXOTISMO

Renomado jornalista de uma grande mídia nacional declarou que os Jogos Olímpicos serão uma oportunidade para o Brasil entrar no rol dos destinos turísticos internacionais exóticos. O Brasil já é um país exótico faz muito tempo. Presenteará aos atletas olímpicos de especialidades aquáticas a praticar suas modalidades numa baía e numa lagoa que são verdadeiros esgotos. E á grande possibilidade de seus atletas serem assaltados em pontos turísticos e mesmo na rua. A miséria e a violência serão explicitamente divulgadas, fora a vergonha da corrupção, que é a maior do mundo. Não citarei mais mazelas, pois encheria provavelmente uma página inteira do jornal. Tenho a impressão que o nobre jornalista cometeu um ligeiro equívoco.

Iria de Sa Dodde iriadodde@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

VIOLÊNCIA DA TORCIDA ORGANIZADA

No intervalo do jogo Palmeiras x Flamengo em Brasília, uma torcida organizada do time paulista aprontou uma confusão que obrigou a polícia a usar gás pimenta e  causou efeito em muitas crianças que estavam no estádio. Daí a pergunta: Como punir torcedores que nunca ficam presos? Melhor forma de punição seria fazer o Palmeiras jogar até o fim do Brasileiro sem a presença de torcidas organizadas, não importa onde nem a facção. O mesmo tipo de medida deve ser  aplicada a  todas as torcidas organizadas e, se conseguirem meios de entrar nos estádios, fazer a equipe jogar sem qualquer  presença de  torcedores. 

Laércio Zanini spettro@uol.com.br

São Paulo

*

FUTEBOL BRASILEIRO

Por que insistir em tocar o hino nacional antes das partidas, se os torcedores não têm educação, cultura, muito menos respeito? Melhor não tocar, ao menos não passamos vergonha!

Mario Aldo Jose Barnabe mariobarnabe@hotmail.com

São Paulo

*

GRUPOS ANTIOCUPAÇÃO

Felizmente um grupo de alunos da Unicamp e da Unesp decidiram se opor às paralisações, às invasões de Reitorias e  dos trancamentos de salas de aula, impedindo o funcionamento das faculdades e prejudicando o calendário escolar. Estamos cansados dessa baderna! Uma minoria sem representatividade, sempre com o apoio de partidos de esquerda como PSOL e PSTU, usa sempre da violência e da intimidação para bloquear o acesso às dependências das faculdades! As nossas universidades não pertencem aos sindicatos! 

Cleo Aidar cleoaidar@hotmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.