Fórum dos Leitores

O PEDIDO DE JANOT

O Estado de S.Paulo

13 Junho 2016 | 03h05

Quem se esqueceria?

Ao saber do seu pedido de prisão feito pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao Supremo Tribunal Federal (STF), disse José Sarney: “O Brasil conhece a minha trajetória, o meu cuidado no trato da coisa pública”. Concordo. Quem se esqueceria das tentativas de se apropriar do Convento das Mercês, em São Luís do Maranhão, e de transformá-lo num museu privativo? E quanto àquele trabalhador com traumatismo craniano e clavícula quebrada que agonizou até a morte por falta de transporte aéreo de emergência, enquanto Sarney desembarcava sua bagagem do helicóptero da Polícia Militar após passear pelo litoral maranhense a bordo da aeronave? E os atos secretos no Senado que revelaram a nomeação de parentes e amigos aos montes com um simples telefonema? E o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Maranhão, um dos piores do País, depois de mais de meio século de domínio do clã Sarney naquele Estado? Sarney também disse ter “verdadeira devoção à Justiça”. Será? Como explica, então, usar sua influência no Judiciário para barrar a Operação Boi Barrica? E a mordaça no Estadão, que está há 2.449 dias proibido de tocar no assunto?

SERGIO APARECIDO NARDELLI

saparecidonardelli@bol.com.br

São Paulo

Precedente

José Sarney se diz “perplexo, indignado e revoltado” e se julga merecedor de respeito, esquecendo-se de que a lei deveria ser igual para todo e qualquer cidadão brasileiro. Perplexos, indignados e revoltados estamos nós, cidadãos brasileiros, com a desfaçatez, a ousadia e a pretensão de impunidade destes maus políticos! Caso o STF conceda tratamento especial ao ex-presidente, estará abrindo um precedente perigoso, que certamente será invocado pelos advogados de outro notório ex-presidente.

FRANCISCO PAULO URAS

francisco.uras@uras.com.br

São Paulo

Revoltados

Perplexo, indignado e revoltado – e assim com total razão – é como todo morador do Estado do Maranhão, o segundo pior em IDH no Brasil após 50 anos do exercício da oligarquia da família Sarney, deveria se sentir convivendo com as mazelas cotidianas por que passam.

LUIZ NUSBAUM

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

A palavra do STF

A divulgação do pedido de prisão do poderoso trio peemedebista Romero Jucá, Renan Calheiros e José Sarney pode impactar no cenário político e jurídico do País. Segundo alguns especialistas em Direito, a prisão não pode ser concretizada baseada somente nos áudios vazados da delação premiada do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado. Já quanto ao pedido de prisão de Eduardo Cunha, a opinião jurídica e pública é unânime: cadeia nele. Para chegar a esse extremo, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, tem de estar calçado por provas contundentes, ainda não reveladas à população. Ou será que ele entrou num jogo arriscado, só para pressionar o Supremo Tribunal Federal, o ministro relator da Operação Lava Jato, Teori Zavascki, e inflamar a opinião pública? Qual será a decisão da Suprema Corte? Levará a cabo o pedido de Janot ou julgará em acordo com o princípio in dubio pro reo (na dúvida, a favor do réu)? Com a palavra, a mais alta instância do Poder Judiciário brasileiro.

SÉRGIO DAFRÉ

sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

Distração

Na minha opinião, o principal objetivo do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, é causar perplexidade, polêmica e desviar o foco do processo do impeachment de Dilma Rousseff. Agora só falta saber como isso ajudaria Dilma, PT e, principalmente, o ex-presidente e futuro presidiário Lula.

FABIO ORBITE

inforbite@yahoo.com.br

São Paulo

Timing errado

O sr. Rodrigo Janot criou a maior confusão em Brasília ao acusar os srs. Renan, Jucá e Sarney de atrapalharem a Operação Lava Jato. Não foi uma ocasião oportuna. Podia esperar até o impeachment de Dilma Rousseff ser resolvido. Positivamente, ele demonstrou que é um petista até debaixo d’água. Fez o que nem Lula nem o PT ainda conseguiram.

RONALD MARTINS DA CUNHA

ronaldcunha@hotmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

Pelo PT

Janot, “o probo”, atua com afinco para deixar o petista Jorge Viana na presidência do Senado.

FRANCISCO JOSÉ SIDOTI

fransidoti@gmail.com

São Paulo

Voto de confiança

Depois que o procurador-geral da República pediu ao STF a prisão de Renan, Sarney, Jucá e também de Eduardo Cunha, muito se tem criticado essa sua decisão. Principalmente com relação aos pedidos de prisão do presidente do Senado, do ex-presidente Sarney e do senador Jucá, com a argumentação de que o teor das gravações feitas por Sérgio Machado, amplamente divulgadas pela imprensa, não seria motivo para Janot tomar decisão tão radical. Ora, vamos lembrar que até aqui o citado procurador tem conduzido suas decisões com relação aos envolvidos na Operação Lava Jato com muito acerto. E tem crédito por isso. Além disso, é sabido que todos os citados acima estão atolados até o pescoço em denúncias de práticas de corrupção – e, no entendimento do procurador-geral, estão tentando obstruir o trabalho do Judiciário. Se isso se confirmar, é gravíssimo. E, como o processo agora corre em segredo de Justiça, assim como muitos outros foram presos nessa condição, por que não damos um voto de confiança a Rodrigo Janot? Acredito que ele possa ter à sua disposição outras gravações do próprio delator Sérgio Machado em que se confirme a tentativa criminosa e inconstitucional destes citados de obstruir o trabalho da Justiça. Quanto a Eduardo Cunha, faria muito bem à Nação, pelas provas contundentes até aqui, que ele fosse preso e afastado definitivamente de suas intervenções na Câmera dos Deputados. Se o momento é de cautela, no quesito corrupção, nada melhor que os envolvidos sejam presos, porque com corruptos não se negocia.

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

Divisor de águas

O pedido de prisão para Renan, Jucá, Cunha e tornozeleiras para Sarney será um divisor de águas na Lava Jato, caso venha a ser executado.

MARCOS BARBOSA

micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

A FARRA COM O DINHEIRO PÚBLICO

O Brasil precisa fazer uma ampla auditoria em todos os órgãos públicos desde o menor município, passando pelos Estados, empresas estatais e demais órgãos, para apurar os desvios e a má aplicação de recursos do Tesouro. Vejamos um exemplo de desperdício e mau uso da verba pública! O Estádio Mané Garrincha, localizado em Brasília, construído para a Copa do Mundo custou mais de R$ 1,4 bilhão e são gastos mensalmente para sua manutenção R$ 600 mil! E faltam recursos para a construção de hospitais, escolas e outras obras públicas! É ou não é um despropósito este desperdício e má aplicação das verbas públicas?

Marcos Tito marcostitoadvogados@gmail.com

Belo Horizonte

*

IRRESPONSABILIDADE FISCAL

O grande segredo que causou essa crise financeira nos Estados brasileiros foram as irresponsáveis isenções tributárias dadas nos últimos anos. Sanar essa deficiência macroeconômica é como se abrir uma "caixa de pandora", que espalharia segredos inconfessáveis  nesse momento da Operação Lava Jato. 

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

CRISE ECONÔMICA

Quando a riqueza de um país é ficção e os juros altos mascaram uma inflação aparentemente baixa, temos os preços das mercadorias subindo e a economia brincando de estabilidade. Na verdade, a lei da oferta e da procura é verdadeira e a produção recessiva não permite preços baixos. Não há fartura! Há retração da demanda por meio de juros controlados. A crise existe, mas é mascarada e o valor de compra do real cai muito. Dez reais ontem não compram o mesmo que hoje. Produção, equilíbrio das finanças, economia solidária e luta contra a corrupção podem ajudar o Brasil.  

Paulo Roberto Girão Lessa paulinhogirao@gmail.com

Fortaleza 

*

CARGA TRIBUTÁRIA INJUSTA 

É estarrecedor o tamanho da carga tributária para pobres e ricos no Brasil, é algo quase emblemático, em 2016, por exemplo, os brasileiros trabalharão nada menos que 153 dias para pagar tributos. Mesmo sendo um país em desenvolvimento, onde 50% da população tem renda mensal menor do que três salários mínimos, ocupamos a oitava posição em um ranking que compara 27 países. Assim, 41,8% de todo o rendimento que ganharmos, em média, serão destinados a impostos para os governos municipais, estaduais e federal. A estimativa é do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação. O peso dos impostos cresceu nos últimos anos. Hoje se trabalha o dobro do que na década de 1970 para pagar a tributação, e o que recebemos em contra partida como educação, saúde e segurança? Quase nada já que temos de pagar em dobro. 

Turibio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

ACORDO BILIONÁRIO

Para pagar o que deve aos poupadores que foram "tungados" nos planos econômicos, o Bradesco do sr. Trabuco alegou em liminar engavetada há mais de três anos pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Dias Toffoli que não tinha dinheiro e que tal fato iria causar graves problemas para a economia nacional. Mas para comprar o HSBC por R$ 5,2 bilhões tem!?

Jose Gilberto Silvestrini jgsilvestrini@gmail.com

Pirassununga 

*

LÁ E CÁ

Olhem o que é povo cônscio e responsável. Os suíços rejeitaram uma proposta de renda mínima para toda a população. Seriam R$ 9 mil por adulto e R$ 2.350 a menor de 18 anos. Rejeitaram porque não sabiam de onde sairia este dinheiro para os pagamentos. Qual seria a fonte desses recursos? Simples, não? Fizeram muito bem. Provavelmente este benefício acabaria estourando no bolso deles. Já no Brasil... deixa pra lá!

Panayotis Poulis  ppoulis46@gmail.com

Rio Janeiro

*

INCERTEZAS 

Perfeito o exemplo do Peru e de seu povo. Os políticos, cada com suas correntes, provocam incertezas eleitorais. Entretanto, a economia caminha segura, com um crescimento de 4% neste ano. Nós, brasileiros e brasileiras, caminhamos para esse mesmo numero, 4%. Merecemos? O cavalo passou encilhado por aqui, era montar e trotar. Será que ele volta?

J. Perin Garcia  jperin@uol.com.br

São Paulo

*

VINTE E SETE ANOS

Parece que o assunto virou tabu. Ninguém fala. Há mais de 27 anos foi editado pelo governo Sarney o Plano Verão, que pretendia debelar a inflação da época com a introdução de uma nova moeda, o cruzado novo. Na passagem de uma moeda para outra, os bancos teriam tungado os aplicadores da Caderneta de Poupança. Poupadores e banqueiros foram à Justiça buscar seus direitos, mas esta, até hoje, não deu uma resposta definitiva. Os mais impacientes e os menos medrosos dizem que isto é uma esculhambação. Dá para discordar?  

Euclides Rossignoli  euclidesrossignoli@gmail.com

Avaré

*

SEM PERSPECTIVAS

No momento só existe uma certeza. Nunca antes neste país houve uma crise tão grande, tanto econômica como política. Qual a expectativa?

 

Ulysses Fernandes Nunes ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

*

BC E AS PEDALADAS

No esclarecimento prestado por testemunha de acusação no processo de "impeachment" ficou evidenciado que a atitude, nada inocente, do Banco Central ao esconder as famosas pedaladas foi crucial para que passassem despercebidas por longo tempo aos auditores  da Controladoria Geral da União (CGU).  Pergunto se o presidente desse banco também não deveria ser chamado à sua responsabilidade, em vez de ser simplesmente transferido para outro importante cargo no novo governo.

Níveo Aurélio Villa niveoavilla@terra.com.br

Atibaia 

*

MENTIRA 

O  termo "pedaladas" criado pelo PT não tem nada a ver com  a realidade dos fatos. O crime praticado foi apresentar uma situação falsa das contas públicas  (falsificar o balanço contábil do Brasil), apresentando um saldo positivo, escondendo  um vultoso saldo negativo.  A "presidenta" mentiu para o povo brasileiro. 

Marius Rathsam mariusrathsam@hotmail.com

São Paulo

*

LIMPEZA NO BNDES

A sra. Maria Silvia, atual presidente do BNDES, afirmou que não fará uma caça às bruxas no tal banco, que é um esgoto sem ralo, por onde escorre o dinheiro do brasileiro, em negociatas, corrupção e "empréstimos secretos", cuja maior cliente destes empréstimos é a filha do ditador de Angola, país este que mais recebeu visita de políticos brasileiros nos últimos anos. O pior é que pretendem usar o nosso dinheiro nesse banco para financiar as privatizações, ou seja, compram-se uma empresa brasileira com nosso dinheiro e tchau, até nuca mais! Dona Maria, este banco não é seu; você tem sim a obrigação de promover uma limpeza neste antro de imundice. 

Nélio Alves Gomes raytomonelio@hotmail.com

Curitiba 

*

DÚVIDAS

Perguntas que não querem e não podem calar: 1. senadores: Vocês querem mudar ou querem se aproveitar? 2. Estados: Se podem reduzir as despesas de custeio, por que não    aproveitar para reduzir as dívidas com o Tesouro?

Harald Hellmuth hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

*

GASTOS DOS ESTADOS

 

Vários Estados, nos últimos anos, deram vultosos reajustes a seus servidores, notadamente aos policiais militares - mesmo os Estados mais pobres. Alguns se valeram de royalties de petróleo, numa época em que o Barril estava a U$S 125 e hoje custa menos de US$ 40. Há Estados onde um coronel PM pode ganhar R$ 28 mil, enquanto um general-de-exército hoje percebe R$ 19 mil (brutos). Há  que chegam a pagar a um guarda municipal, o mesmo que ganha um soldado da PM.

  

Heitor Vianna P. Filho bob@intnet.com.br

Araruama (RJ)

 

*

GASTOS COM DINHEIRO PÚBLICO

Claudia Cruz declarou em sua defesa que não conhece Eduardo Cunha, não tem nenhuma filha, nunca usou sapatos, pois adora andar descalça, detesta bolsas, nunca saiu do Rio de Janeiro e continua trabalhando como maquiadora na Rede Globo. Garante que a pessoa acusada de gastos astronômicos no exterior com hotéis, peças de vestuário e contas na Suíça é apenas um clone, mal copiado.

Ely Weinstein  elyw@terra.com.br

São Paulo

*

SEMELHANÇAS

A afirmação do deputado Eduardo Cunha de que não tem contas no exterior e que são de propriedade de trusts, não guarda alguma semelhança com aquela declaração do deputado João Alves de que teria ganho 15 vezes na Loteria Federal?

Mauro Lacerda de Ávila lacerdaavila@uol.com.br

São Paulo

*

JUSTIÇA SOFISTICADA

Segundo o procurador da Lava Jato, Deltan Dallagnol, os criminosos antigos ocultavam os bens por meio de laranjas, porém os mais modernos e sofisticados usam os trusts. As coisas estão mudando e se modernizando; a justiça brasileira utilizou-se do conceito do domínio do fato, concebido em por Hans Weizel em 1939,  para condenar José Dirceu; agora utiliza a teoria da cegueira deliberada que teve sua origem na Suprema Corte dos Estados Unidos, desta vez para tornar ré a sra. Claudia Cruz, mulher de Eduardo Cunha. Os advogados medalhões dos políticos e empresários estão precisando estudar e atualizar seus conceitos; não conseguirão livrar seus clientes dos moderníssimos e jovens procuradores da Lava Jato. Diante disto, conclui-se que o ex-presidente Lula está anacrônico e antigo, pois ainda se utiliza dos laranjas para ocultar o apartamento do Guarujá e o sítio de Atibaia. 

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

*

MANOBRA A FAVOR DE CUNHA

Com as manobras de Eduardo Cunha e de seus aliados na Câmara dos Deputados, a absolvição é certa. Infelizmente os malfeitores vão vencer os bons. A podridão vai prevalecer no nosso meio político. Será que o Supremo Tribunal Federal não vai fazer nada? Estamos acéfalos, órfãos? Sem pai nem mãe? Em nome da honra de todo o País, a prisão deste deputado tem de sair logo! É a única saída! Ou será que o guardião da carta magna e da moralidade do País está sem moral?

João Coelho Vítola jvitola1@gmail.com

Brasília

*

SONHO BOM

Tive um sonho bacana: pousou uma imensa nave espacial na frente do Congresso, depois parou em frente do Senado, depois no STF, deu uma passadinha no Alvorada, e a última parada foi em São Bernardo. Pegou todos eles. Já estava decolando, quando retornou para pegar Tia Eron, que tinha faltado na votação. Finalmente, partiu para universo ignorado. Que delícia de sonho!

Elisabeth Migliavacca elisabeth448@gmail.com

São Paulo

*

REFORMA POLÍTICA

A reeleição e o financiamento de campanha enriquecem políticos que se perpetuam no poder à custa das classes menos favorecidas.

Marcos Abrão m.abrao@terra.com.br

São Paulo

*

PROCESSO CONTRA LULA

Excelentíssimo ministro relator Teori Zavaski, o senhor acabou de receber um aumento generoso no salário. Que tal fazer jus a ele? Quase quatro semanas passadas do afastamento de Dilma Rousseff, nada justifica que o processo de Lula da Silva não tenha sido enviado ao juiz Sergio Moro e permaneça parado em suas mãos. Nada mesmo!

M. Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

JUDICIÁRIO SELETIVO

O STF liberou nova sentença a Eduardo Cunha, que liderou o impeachment de Dilma. Entrementes estão sentados sobre os casos do Renam, Lula etc. etc.  

Mário A. Dente eticototal@gmail.com

São Paulo

*

DILEMA JURÍDICO

A divulgação do pedido de prisão do poderoso trio peemedebista Romero Jucá, Renan Calheiros e José Sarney pode impactar o cenário político e jurídico brasileiro. Segundo alguns especialistas em Direito, a prisão não pode ser concretizada baseada somente nos áudios vazados da delação premiada do ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado. Já quanto à prisão de Eduardo Cunha, a opinião jurídica e pública é unânime, cadeia nele.  Para se chegar a esse extremo, o procurador geral da República, Rodrigo Janot, tem de estar calçado por provas contundentes, ainda não reveladas à população. Qual será a decisão da Suprema Corte? Levará a cabo o pedido de Janot ou julgará em acordo com a lei; "in dubio pro reo"? Com a palavra a mais alta instância do poder Judiciário brasileiro!

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí 

*

VAZAMENTO DOS GRAMPOS

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, foi categórico ao afirmar que não saiu dele os grampos que pedia a prisão dos senadores Jucá, Renan e do ex-presidente Sarney. Mas também não dá para duvidar que tenha saído da Procuradoria Geral da República (PGR), já que estava sob segredo de Justiça, dentro do próprio órgão. Porque para os 70% da população brasileira que desaprovam o governo do PT, com certeza o "vazamento" foi para deixar alguns senadores "indecisos" com relação ao impeachment da presidentA gerentA incompetentA Dillma. Se não foi ele, precisa encontrar dentro da PGR quem foi e demitir. Simples assim!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo 

*

SONHO PETISTA

O sonho dos petistas é o presidente do STF, Ricardo Lewandowski, "empurrar" o processo de impeachment da Dilma Rousseff até 2018...

Luíz Frid  luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

O JARDIM DAS DECLARAÇÕES

O ministro da Transparência, Torquato Jardim, asseverou que a Operação Lava Jato não vai resolver o problema da corrupção. Atacou os partidos políticos, dizendo que são "balcão de negócios" e atingiu o centrão, que é integrado por 225 deputados, de 13 legendas, alegando que foi montado em nome da "corrupção e da safadeza". Então, doravante, teremos a oportunidade de conhecer as declarações de seu ministério sobre as atuações dos deputados corruptos. Porque a sua transparência não pode ser diferente daquela que o povo quer e que precisa existir em nome da clareza de propósitos. Ou será um ministério de mentirinha?

José Carlos de Carvalho Carneiro carneiro.jcc@uol.com.br

Rio Claro

*

DESCASO DA PREFEITURA 

Já faz cinco meses que solicitei à Prefeitura a instalação de uma papeleira/lixeira na rua em que moro, em Pinheiros. Fui ao menos 6 vezes pessoalmente até a Regional de Pinheiros para pedir a instalação e nada foi feito. Só recebi evasivas, desculpas e promessas não cumpridas. Pagamos um alto e caro IPTU e a Prefeitura é incapaz de instalar uma simples papeleira num poste de rua, algo que irá contribuir para a limpeza do espaço público. Inaceitável o descaso e a falta de respeito para com os cidadãos.

 

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

PEDRA NO CAMINHO

Enquanto Hillary Clinton precisa focar seus esforços para combater a sua própria rejeição e enfrentar o sombrio Donald Trump, Bernie Sanders - já matematicamente vencido - teima em continuar na corrida pela disputa da indicação Democrata à Casa Branca. Sua intifada socialista, sem pé nem cabeça, ilude multidões com propostas sem fundamento, dá brechas à Trump (que já não possui concorrentes no lado Republicano) e tumultua a vida de Hillary. Minha mensagem ao "candidato a candidato" é: "Bernie, get out of the way".

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz 

*

ATENTADO EM TEL AVIV

Mais uma vez "heróis" islâmicos atacam inocentes - desta vez dentro de um mercado bastante frequentado em Tel Aviv. Mais uma vez crianças ficam órfãs, casais choram seus pares numa sequência infindável de atos de barbárie que se repetem - França, Espanha, Bélgica, Turquia, Inglaterra, Argentina, Índia - só para citar alguns poucos países atacados recentemente. O que é necessário para que se cobre de forma veemente para que autoridades com influência sobre estes monstros os acalmem e exijam respeito aos seres humanos?

Marcos Susskind mlsusskind@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.