Fórum dos Leitores

OPERAÇÃO LAVA JATO

O Estado de S.Paulo

17 Junho 2016 | 03h00

A lista de Sérgio Machado

Em delação premiada, o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado envolveu Michel Temer e outros 24 políticos em esquema de propina. Infelizmente, não há virgens neste grande bordel que é a política no Brasil.

JOÃO MANUEL MAIO

clinicamaio@terra.com.br

São José dos Campos

Álbum

Pelo número de fotos de políticos delatados por Sérgio Machado que aparece na primeira página do Estadão (16/6), creio que o lançamento de um álbum de figurinhas da Lava Jato seria um sucesso imediato. Os candidatos a figurinhas carimbadas são conhecidos de todos.

LUIZ E. GARCEZ LEME

lueglem@me.com

São Paulo

‘Não fica um!’

A delação de Sérgio Machado, implicando 25 políticos de 7 partidos, lembra a frase mais conhecida dos brasileiros: “Se gritar pega ladrão, não sobra um, meu irmão!”.

VIDAL DOS SANTOS

vidal.santos@yahoo.com.br

Vinhedo

Seleção

Dos 25 delatados por Sérgio Machado, quem são os titulares e quem são os reservas? E a sujeira continua. Não vai parar nunca. Vergonha, vergonha!

ARIOVALDO J. GERAISSATE

ari.bebidas@terra.com.br

São Paulo

Baixo clero

Não nos basta receber a delação do sr. Sérgio Machado. É preciso que se traga à luz quem são os membros do segundo, do terceiro, do quarto escalões que operacionalizaram o desvio de verbas da Transpetro no Rio de Janeiro, sem os quais a roda não giraria. Todos sabem que os diretores corruptos não sobrevivem sem os operacionais subordinados, que são tanto ou mais responsáveis, por ação ou omissão, e devem ser pegos.

MICHEL AMIN KHOURI

michelkhouri99@gmail.com

Curitiba

Modelo falido

Estarrecedoras as revelações das delações premiadas envolvendo políticos em nível federal. Mas há, ainda, os governos estaduais e as prefeituras, que se valem do mesmo sistema. De que mais provas precisamos para alterar definitivamente este modelo político-partidário vexaminoso ao qual os brasileiros são obrigados a obedecer na hora de votar?

SERGIO HOLL LARA

jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

A onda maior

Se a delação de Sérgio Machado, da Transpetro, já causou este terremoto, ponho-me a pensar no tamanho do tsunami que causará a delação de Marcelo Bahia Odebrecht.

SÉRGIO ECKERMANN PASSOS

sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

ESTATAIS

Empresas corrompidas

Importante o destaque que o editorial Deplorável recuo (Estado, 16/6, A3) deu ao vergonhoso desmanche que se verificou nas empresas estatais brasileiras nos últimos tempos. Neste exame de desaparelhamento dessas empresas, há que distinguir empresas públicas (capital 100% do Estado) daquelas em que o capital particular participa com interesses empresariais (economia mista). Nestas, a solução é mais simples e o foco deve ser outro: basta que o Congresso Nacional fixe como máximo, em 49%, o número de ações ordinárias (com direito a voto) que o Estado teria na composição do seu capital. As importantes regras de idoneidade técnica e moral que ora se discutem no Congresso seriam dirigidas às empresas genuinamente públicas, cujo interesse social é totalmente diverso do daquelas empresas com a participação do capital privado. Nas empresas mistas, regidas pelo direito privado, bastam os dispositivos da Lei das S.As. Agradecerão os empregados de carreira dessas empresas, os acionistas minoritários, contribuintes e as finanças do País.

NILSON OTÁVIO DE OLIVEIRA

noo@uol.com.br

Valinhos

IMPEACHMENT

Bate-bocas na comissão

Levantando questões bizantinas e tentando contestar no grito, na Comissão do Impeachment do Senado, as acusações feitas à presidente afastada de irresponsabilidade fiscal e incompetência política e administrativa, que devastaram o País, os senadores Lindbergh Farias (PT-RJ), Fátima Bezerra (PT-RN), Gleisi Hoffmann (PT-PR), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e Humberto Costa (PT-PE) são hilários. Com todo respeito ao filme de Mario Monicelli, agem como o exército de Brancaleone. Cômico, se não fosse trágico.

MILTON L. DIAS FILHO

roseli-serra@bol.com.br

São Paulo

Não é sério...

São cinco os senadores que defendem, na Comissão do Impeachment, a presidenta Dilma Rousseff. A performance deles, porém, tem se caracterizado por alto nível de hilaridade e histrionice, que chega a alcançar, em termos de humor televisivo, o que poderia ser classificado como novo “estado da arte” na modalidade comic show.

RUY TAPIOCA

ruytapioca@gmail.com

Rio de Janeiro

A defesa que atrapalha

A presidenta Dilma vê cada vez mais longe seu desejo de voltar ao cargo e acabar de vez com o Brasil. Principalmente pelo irritante deboche e os ataques apopléticos de seus senadores defensores e pela redundância procrastinadora de seu advogado de defesa na comissão no Senado. Nem com boa vontade dá para aguentar essa gente.

GERALDO SIFFERT JUNIOR

siffert18140@uol.com.br

Rio de Janeiro

Haja paciência!

Numa tentativa de agilizar o andamento da Comissão do Impeachment, algumas das 48 testemunhas inicialmente arroladas pela defesa foram dispensadas, gerando confusão na sessão – e outras confusões vieram depois desta. Mas tudo isso poderia ser evitado se 17 senadores saíssem de cima do muro e assumissem publicamente seu voto a favor do impeachment, como já fizeram 37 senadores. Nobres indecisos, vocês nos envergonham.

MARIA CARMEN DEL BEL TUNES

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

40 testemunhas

Testemunhas devem falar a verdade, para evitar contradições, certo?

RICARDO FIORAVANTE LORENZI

Ricardo.lorenzi@gmail.com

São Paulo

 

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

‘TIME’ NA CAPA

Quando vi a capa do Estadão de ontem (16/6), a princípio pensei que se tratava da nova seleção de Tite. Mas descobri que se tratava dos 25 políticos que estão na mira da Lava Jato.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

MAIS UMA VERGONHA NACIONAL

Uma imagem vergonhosa do País mostrada para o mundo na capa de um dos principais jornais do Brasil. Uma coletânea de fotos que mais parece o arquivo do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic). Faltou só o ângulo de perfil. Abaixo de cada cara estão escritos os nomes dos respectivos marginais e as facções a que pertencem. Só falta prendê-los para o bem do povo. 

Humberto de Luna Freire hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

DELAÇÃO PREMIADA

A resposta padrão dos acusados em delações premiadas é de que o acusador mente e não tem provas contra eles. A maioria admite que recebeu "doações", mas dentro da lei. Ora, o dinheiro veio de propina paga por empresas que prestavam serviços a Petrobrás e a outras estatais. É óbvio que a Lava Jato corre enorme risco de ser descontinuada, pois: há um grande número de políticos envolvidos com influência no Congresso e na Presidência da República; a qualquer momento alterações legislativas e providências maliciosas podem influenciar no andamento de processos; e há pouca disposição de o Supremo Tribunal Federal dar andamento aos casos. A leniência (palavra em voga) na verdade mora na Corte Suprema, nem é preciso esforço para constatar a exasperante lentidão que caracteriza as providências em todos os casos, alguns relegados há anos.

Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo  

*

DECEPÇÃO GERAL

Mais uma delação do sr. Sérgio Machado. Desta vez envolvendo o nome do presidente interino, Michel Temer, de ter pedido propina para a campanha do Gabriel Chalita à Prefeitura de São Paulo em 2012. Nem adianta discutir ou entrar neste ou naquele detalhe. A verdade é uma só: ninguém presta. Todos os políticos, integrantes do governo, sem exceção, não prestam. E isto em todos os níveis. Federal, estadual e municipal. Até no agreste, caatinga, ninguém escapa. A esperança, pelo menos para mim, é o Judiciário fazer sua parte, condenando quem deve condenar, impedindo que se candidatem, para que apareçam outros nomes como opção para o eleitor, porque os atuais apodreceram a República. Está fétida. Estão há anos no poder. O povo já sabe quem são e já se cansou deles. Torçamos para que a Justiça aja com os olhos vendados, tal qual a estátua que a simboliza, porque não tem sido assim, em alguns casos. O prato da balança não tem ficado equilibrado nem os olhos, vendados.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

BATEU LEVOU

Excelente a manifestação do presidente Temer  refugando as insinuações de um bandido delator, que,  não se sabe a mando de quem, tentando atingir não só a pessoa, mas principalmente o representante de nossa República. As respostas devem ser dadas  assim: Na hora. Nada de reuniões privadas ou com militantes para continuar enganando o povo.

José Luiz Tedesco tedescoporto@hotmail.com Presidente Epitácio

*

ATAQUE A TEMER 

O ataque direto ao presidente interino Michel Temer é grave, gravíssimo. Mais grave ainda é o fato de não ter de responder por nada que tenha feito antes de tomar posse. Todas as leis que têm como objetivo obstruir a Justiça e proteger os criminosos deveriam ser suspensas, diante da enormidade dos esquemas de corrupção que estão sendo desbaratados.  O Brasil caminha para uma enorme ruptura institucional sem precedentes em nossa história, com nada menos que 4 ex-presidentes da República acusados de envolvimento em ações criminosas: Dilma, Lula, Collor e Sarney. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo 

*

QUADRILHA

Em nome do combate à corrupção, Michel Temer instala algo semelhante a uma quadrilha para governar o País.

Emanuel Cancella emanuelcancella@uol.com.br

São Paulo

*

SURTINDO EFEITO 

Os votos decisivos dados por Tia Eron (PRB-BA) e Wladimir Costa (SD-PA) – este era um defensor ferrenho do presidente afastado até os últimos instantes – evidenciam o poder que a opinião pública pode exercer sobre seus representantes. Eduardo Cunha (PMDB-RJ) detém notória habilidade em praticar política da pior espécie. Qualidade (?) que o levou a liderar o “centrão” na Câmara dos Deputados, bloco informal, cujos votos chegam a cerca de 220, mas que, ante a pressão popular, não foi capaz de evitar a aprovação do parecer de Marcos Rogério (DEM-RO) no Conselho de Ética por 11 votos a 9 e certamente não será capaz de barrar a cassação em definitivo. Novamente a sociedade civil, organizada e sem orientação partidária de qualquer espécie, ditou os rumos do Congresso Nacional, assim como ocorreu no processo de impeachment. Não obstante a essa realidade, o Parlamento tem mitigado e até mesmo barrado pautas importantes para o País, como a Lei de Responsabilidade das Estatais, o limite para os gastos públicos, proposto pelo Ministério da Fazenda, e a discussão sobre a reforma da Previdência. A mesma mão invisível que está expurgando, com o apoio à Lava Jato, a escória da política brasileira poderá impulsionar a agenda de votação? Voto distrital, transição para o parlamentarismo, 10 medidas contra a corrupção (de autoria do Ministério Público), cláusula de barreira... Ainda há muito pelo que reivindicar. 

Elias Natal Menezes elias.natal@hotmail.com

Nepomuceno (MG)

*

COMISSÃO SEM ÉTICA

A Comissão de Ética da Câmara dos Deputados aprovou um parecer pela cassação do deputado Eduardo Cunha. O resultado pegou muita gente de surpresa, um fato preocupante! Afinal, as acusações contra ele são muito graves e devidamente comprovadas. A votação deixou em má situação alguns dirigentes partidários, que até o último momento tentaram manipular o resultado, com a troca de deputados na Comissão, para garantir votos pelo arquivamento do processo. Uma atitude que comprova o baixo nível do Congresso.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

FIM DA LINHA

Eduardo Cunha acabou, fim da linha! Só não acabou ainda para seus inúmeros aliados que não tiveram, e não terão, a mínima vergonha na cara de apoiá-lo até seu último suspiro como deputado. É imperativo que estes parlamentares sejam lembrados e repudiados nas próximas eleições. São tão deletérios para o futuro do Brasil quanto ele. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

PLANALTO TEME REAÇÃO DE CUNHA

Planalto está a tremer! 

Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com

São Paulo 

*

EDUARDO CUNHA

Cunha ainda não caiu, mas está bem encaminhado para que, no Plenário da Câmara, os nobres deputados ratifiquem a decisão da votação do Conselho de Ética. O voto da Tia Eron acabou não sendo decisivo, mas serviu para ela ter os dez minutos de fama! Agora todos conhecem a Tia Eron. Pobre Brasil! 

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo 

*

ROUSSEFF E TEMER

 

Dilma de direito foi a nossa presidente, mas de fato não o foi, pois deu continuidade à desgovernança do seu antecessor, seguindo com fiel obediência tudo que seu mestre, Lula, determinava em suas constantes consultas, embora, para tal, dispusesse de mais de três dúzias de ministros. Além dos justos motivos constitucionais para substituí-la por Michel Temer, ainda há a possibilidade de que retorne à Presidência, por causa da dissidência de alguns senadores que foram favoráveis ao impeachment, mas se tal acontecer o Brasil vai, de vez, para o fundo do poço. Dilma já teve seus quinze minutos de desadministração e seu retorno será o caos. Queiramos ou não, democraticamente, Michel Temer é a nossa tábua de salvação.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES) 

*

LULA NA MÃO DE MORO

O ex-presidente Luiz Inácio "Lula" da Silva; está desesperado para que o juiz Sergio Moro, de Curitiba, não o julgue como no Tribunal Criminal do Estado de São Paulo, localizado no bairro da Barra Funda, o fez sobre o tríplex no Guarujá, etc... Será que viverei para ver uma futura Nação brasileira sem corrupção política?

Vanderlei Pereira de Jesus pvanderlei@hotmail.com

São Paulo

*

PREPOTÊNCIA

Onipotência + prepotência = oniprepotência.  Este é o adjetivo para o todo poderoso Lulinha, quando o mesmo se refere à República de Curitiba, dizendo que, a partir de um juiz de primeira Instância tudo pode acontecer neste País... Sim,  principalmente para quem faz coisas erradas! É uma pena que não tenhamos mais “Sergios Moro” neste país. 

Carlos Roberto Fernandes crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos

*

PEDRO MALAN

Um sopro de esperança a análise de Pedro Malan (A2, 12/6): “Heranças e Futuros: modos de usar”. “...gente boa é capaz de atrair e reter gente boa, de dentro e de fora do setor público”. Vamos esperar e continuar fazendo nossa parte, levando nosso dia a dia com fé e honestidade!

Lais Amaral Rezende de Andrade lais@amaraldeandrade.com.br

São Paulo 

*

DIFERENTES SIM, DISTINTOS JAMAIS!

O juiz Moro vai receber dois "donativos" totalmente diferentes. O Cunha já teve seus cambalachos revelados e vai entregar um monte de políticos sujos aos Moro via Supremo Tribunal Federal (STF). Vem aí uma avalanche de delações. Já no caso do ex-presidente Lula, a alma mais honesta da galáxia vai  trancar a boca porque, como capo de tutti i capi, não pode alegar que não sabia, pois era ele quem mandava trambicar. O Cunha tem contas na Suíça, já o ex deve ter em a, b, c, etc. etc.  

Mário A. Dente eticototal@gmail.com

São Paulo

*

RENAN E JANOT

Agora será a vez de tentar a derrubada do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, por parte do presidente do Senado, Renan Calheiros, mais uma conspiração desse bando de larápios envolvidos até o pescoço na Operação Lava Jato. Caso venha a acontecer este intento por parte dos políticos que tentam a todo custo o esvaziamento da Operação Lava Jato, fica corroborado o pedido de prisão feito pelo procurador, mas que foi recusado pelo ministro Teori.

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

São Paulo

*

COMPRA DE AGASALHOS

Anda fazendo um frio danado e logo agora o abaianado Jaques Wagner vai passar o inverno em Curitiba!

Roberto Maciel rvms@oi.com.br

Salvador 

*

A VEZ DE LULA

Todo mentiroso se torna tão convicto que acha que as suas mentiras são verdades. Não é à toa que Maluf era "consultor" de Lula e do PT. Ajudou a montar a farsa mentirosa do PT no governo.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

CIDADÃO DESANIMADO

Nota-se um desânimo no cidadão brasileiro com a próxima realização das Olimpíadas no Brasil, a única esperança, o futebol, que poderia trazer alegria, acabou sendo engolido pelo Peru. O "impeachment" de Dunga foi rápido, bem que os políticos em Brasília poderiam adotar o mesmo sistema.

José Millei millei.jose@gmail.com

São Paulo

*

INSENSIBILIDADE

São Paulo tem 15 mil moradores de rua. Já morreram cinco por causa do frio. E o nosso truculento prefeito Haddad disse que mandou retirar os papelões onde eles dormem, por motivos estéticos. Sensibilidade petista com o povo pobre.

Elisabeth Migliavacca 

São Paulo

*

CONFISCO DE COLCHÕES

O prefeito Fernando Haddad continua defendendo o confisco de cobertores e colchões contra a "refavelização das praças públicas", enquanto seis moradores de rua já morreram com o frio. Primeira coisa, os cobertores e colchões eram dos moradores, propriedade privada, ninguém tem o direito de tomar seus bens mesmo se estivessem dormindo em local não permitido. Segundo, se seus amigos de partido não tivessem destruído a economia, não teríamos tantas pessoas em dificuldade. Prefeito, essas seis pessoas não significam nada para você? Seria porque seus heróis comunistas mataram mais de 200 milhões de pessoas de frio, fome e crimes não cometidos desde 1922? Coloque essas seis pessoas na sua conta, prefeito, e se sinta mais próximo dos seus heróis (que diz tanto estudar) e durma bem no seu colchão quentinho. Se Vossa Excelência admira tanto o comunismo, porque não começa socializando sua cama? Por que não abrir as portas do seu apartamento na Vila Mariana? Pensando bem eu compreendo, pois assim como os seus heróis, prefere confiscar bens alheios e manter só a sua propriedade privada, enquanto lê Karl Marx e brinca de ditador do conforto do seu sofá quentinho.

Leticia Catel leticiacatel@gmail.com

São Paulo

*

CBF & DUNGA - SOB NOVA DIREÇÃO

Como de resto, no futebol falta vergonha. Exauriram a mina e demitiram o anão...

Ademir Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

 

MENOS POLUIÇÃO

Duas razões: Dunga/Dilma fora do ambiente!

  

Luiz Edgard Bueno luizedgbueno@uol.com.br

Londrina (PR)

 

PERU DERROTOU ‘NO BRAÇO’  A SELEÇÃO 

Não há discussão sobre o escandaloso  gol de braço feito pelo boleiro peruano, causador da derrota e eliminação  da seleção brasileira da Copa América. Pior foi para aqueles que esperavam algo dos badaladíssimos Lucas Lima,  Gabigol  e Ganso, que o “Zunga” nem experimentou. Decepção total! Quem reclama hoje do gol escandaloso dos peruanos, esquece  do  legítimo anulado do time do Equador, que salvou a pele do Alisson. Um  “frangaço” que ainda deve  estar engasgado nele!  

Laércio Zanini spettro@uol.com.br

Garça 

*

CBF

A CBF deveria decretar "doping" coletivo e fechar para balanço. Insistir com o quadro atual é querer acertar pedra na lua.

Ricardo Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.