Fórum dos Leitores

OPERAÇÃO CUSTO BRASIL

O Estado de S.Paulo

24 Junho 2016 | 03h00

A vez de Paulo Bernardo

Como será que a senadora Gleisi “narizinho” Hoffmann (PT-PR) vai se portar agora, na defesa de Dilma Rousseff, depois que a Polícia Federal prendeu seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo, e vasculhou sua residência, na operação deflagrada ontem pela Polícia Federal? A arrogância e a ironia da petista na Comissão do Impeachment no Senado são irritantes. Somando a isso José Eduardo Cardozo, que arregimentou 40 testemunhas de defesa, a derrota da presidente afastada vai ser de goleada.

J. A. MULLER

josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

COMBATE À CORRUPÇÃO

Guerra à Lava Jato

O artigo de ontem do professor Modesto Carvalhosa (A declaração de guerra contra a Lava Jato, 23/6, A2) impõe ao presidente interino Michel Temer o dever de se manifestar expressa e inequivocamente reiterando o compromisso do seu governo em não permitir iniciativas de qualquer natureza, oriundas ou sob beneplácito de seus ministros ou de quaisquer outros auxiliares, que explícita ou subliminarmente ameacem a Operação Lava Jato. Diante das denúncias contidas no artigo mencionado, não cabem, apenas, desmentidos sutis ou duvidosos. O Brasil espera outra coisa, mais clara do que isso.

JOSÉ EDUARDO DIAS COLLAÇO

pasargada790@gmail.com

Santos

‘Piada de mau gosto’

Eu assinei, junto com mais de 2 milhões de pessoas em todo o Brasil, as 10 Medidas contra a Corrupção, projeto entregue pelo Ministério Público Federal (MPF) à Câmara dos Deputados no início do ano. Na quarta-feira, o procurador da República Deltan Dallagnol, que coordena as investigações da Operação Lava Jato, tornou-se a estrela no plenário da Câmara ao dizer que a punição dos crimes de corrupção no Brasil é “uma piada de mau gosto”. O motivo é que apenas 3% desses crimes são apurados no País. A corrupção é suprapartidária, é sorrateira, mata, destrói hospitais, estradas e gera pobreza. Eu e mais 2 milhões de cidadãos estamos esperando que o projeto do MPF saia do papel, pois o texto não prosperou com Eduardo Cunha na presidência da Casa e parece que está parado com o interino Waldir Maranhão. Ninguém merece!

MÁRIO NEGRÃO BORGONOVI

marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

Falando a condenados

O procurador Deltan Dallagnol defendendo as 10 Medidas contra a Corrupção na Câmara dos Deputados é a personificação da corda falando em casa de condenados à forca.

ELY WEINSTEIN

elyw@terra.com.br

São Paulo

Jabuticabas

É difícil de supor que alguém acredite serem verdadeiras as propostas do presidente do Senado, sr. Renan Calheiros (PMDB-AL), de enxertar três jabuticabas em projeto que tramita no Congresso Nacional, numa tentativa de amordaçar ou estancar a Operação Lava Jato e de silenciar a imprensa – seu objetivo é invalidar investigações cujas colaborações premiadas tenham sido noticiadas. Onde este deplorável político pensa estar? Na Terra de Ninguém? No seu Estado natal, Alagoas, onde manda e desmanda? O que nós, brasileiros de bem, podemos fazer para acabar de vez com as tentativas dos políticos corruptos de calar a Justiça e de manter e impor novas regras para a bandalheira geral na República? Estamos impotentes ou, por acaso, anestesiados diante de tantas barbaridades que estes bandidos cometem contra o Brasil? Podemos agir, devemos fazê-lo e temos uma forte arma nas mãos: voltemos com toda a nossa força para as ruas para exigir seriedade neste país. Não podemos permitir que ações dessa natureza ameacem a Operação Lava Jato e o caminho por ela aberto para o início do trabalho de moralização necessário ao País. Tentativas comprovadas de calar a imprensa deveriam ser enquadradas como crimes contra a sociedade. Estamos envergonhados diante da comunidade internacional e isso já é insuportável para os cidadãos de bem.

VALTER J. DOS SANTOS RANGEL

vjsrangel@gmail.com

São Paulo

Roupa suja

Atualmente, com a Operação Lava Jato, está havendo uma outra lava, que é a da roupa suja deste país. Apenas que os envolvidos em corrupção, ou aqueles que sabem ser os próximos a enfrentar o juiz Sérgio Moro, estão fazendo todas as estripulias legais possíveis para que essa roupa suja (exposta nas delações premiadas) fique longe do primado da publicidade. Ou seja, como nos avisa Eugênio Bucci (Autoridades contra o jornalismo, 23/6, A2), existe até anteprojeto de lei que prevê a anulação da delação noticiada. Se essas pessoas não devem, por que, então, tamanha gana para modificar a legislação vigente? E tem mais: isso jamais seria possível no Brasil. Pelo nosso sistema jurídico, toda legislação ou ato normativo contrário à Constituição federal é nulo de pleno direito (adotamos o modelo norte-americano da nulidade, e não da “anulabilidade”). Assim, tenhamos em consideração o artigo 37, “caput”, da Constituição de 1988: “A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência”. A função desses princípios é dar unidade e coerência ao Direito Administrativo, controlando as atividades administrativas de todos os entes que integram a Federação brasileira (União, Estados, Distrito Federal e municípios). Impossível de excluir a imprensa de noticiar a roupa suja da Lava Jato. As delações e os acordos de leniência merecem ser conhecidos por aquele que escolhe, pelo soberano: o povo. Esse é o trabalho da imprensa, e qualquer medida tendente a dificultar ou impedir a sua ação é inconstitucional, é nula, e ponto final.

ANDREA METNE ARNAUT

andreaarnaut@uol.com.br

São Paulo

Vigilância

O Estadão vem prestando um excelente serviço com a publicação do Placar do Impeachment, primeiro durante a votação na Câmara dos Deputados e, agora, no Senado. Acho que esse mesmo procedimento deve ser adotado quando da votação de projetos que protegerão bandidos e tentarão censurar a imprensa, como o do deputado Wadih Damous (PT-RJ), que pretende alterar o procedimento de acordo de delação premiada, e outro, ainda idealizado pelo senador Renan Calheiros, como muito bem descreveu Eugênio Bucci. Parlamentares precisam se sentir vigiados e pressionados. Aliás, penso que, no momento em que projetos bandidos como estes entrarem na pauta do Congresso, temos de ir às ruas exercer essa pressão.

MARIO CELSO F. LACÔRTE

mclac@terra.com.br

Piracicaba

 

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA

O PT transformou o Brasil no país em que os jornais amanhecem velhos. Já se tornou recorrente acordar com notícias de líderes do partido sendo presos ou conduzidos coercitivamente, endereços sendo alvos de busca e apreensão, defesa se manifestando, coisa e tal. Ontem (23/6), a bola da vez foi Paulo Bernardo, ex-ministro dos governos Lula e Dilma (Planejamento e Comunicações) e marido da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR); além de dois tesoureiros, um secretário do prefeito Fernando Haddad (SP) e Carlos Gabas (ex-ministro da Aviação Civil). Até o início da noite de anteontem, o ex-tesoureiro do PT Paulo Ferreira era considerado foragido pela Polícia Federal (PF). Afinal, são ou não contornos característicos de uma organização criminosa? O que estão esperando para caçar o registro partidário do Partido dos Trabalhadores? É hora de fazer valer a Lei nº 9.096, de 19 de setembro de 1995. 

Elias Menezes Elias Natal elias.natal@hotmail.com

Nepomuceno-MG

*

O TIRO SAIU PELA CULATRA

A sra. Dilma Rousseff vibrava com a queda de 2 ou 3 membros do governo interino, ironicamente chegou a perguntar quem iria cair hoje? Deve se preocupar a partir de ontem, 23/6, com seus correligionários do PT que estão sendo presos às pencas. Vai refletir no âmbito federal e nas eleições de municípios de todo Brasil, agora em outubro. O PT levantou R$ 100 milhões, que arrecadaram nos últimos 10 anos em cima de crédito consignado de funcionários públicos. O partido dela e do Lulla está se esfacelando, este é o golpe que sofreram por eles mesmos.

Celso Mello celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

*

LAVA JATO

Que notícia boa, com a prisão do ex-ministro Bernardo e possivelmente de sua querida esposa Gleyse, a chapa começa a esquentar pro lado de Lula e isso é muito bom para o País.

José Roberto Iglesias  rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

A JUSTIÇA É CEGA, MAS NEM TANTO!

Com a prisão do ex ministro Paulo Bernardo, ocorrido ontem em Brasília, fica cada vez mais patente o envolvimento de Lula e de Dilma Rousseff no mega esquema de corrupção montado nas altas esferas do governo federal e adjacências. Só para dizer o mínimo!

 

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

ROUBANDO O TRABALHADOR

Inacreditável é o adjetivo apropriado para mais  este  ato de rapinagem  perpetrado pela quadrilha do PT, que empalmou o poder para, em conluio com outros marginais,  assaltar os cofres públicos. O Partido dos Trabalhadores rouba os trabalhadores. Realmente isso é incrível porque, se os roubos, já revelados,  poderiam dar a falsa impressão de que não prejudicavam as classes mais carentes,  o revelado ontem pela Operação  Custo Brasil  assalta  diretamente o bolso dos trabalhadores  mais necessitados, aqueles que mais precisam de um aporte financeiro num momento de extrema dificuldade.

Antonio Carlos Gomes da Silva acarlosgs9@gmail.com

São Paulo 

*

TRISTE FINAL

Estou esperando a revolta do PT com o desdobramento da Operação Lava-Jato afirmando que está sofrendo "golpe" da Polícia Federal. Ninguém em sã consciência poderia imaginar o tamanho da dilapidação do patrimônio brasileiro nestes mais de 13 anos de governo corrupto.

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

PRISÃO MAIS ÚTIL

A polícia e os legisladores podiam libertar Paulo Bernardo e prender Gleisi Hoffman, que, além de estar no mesmo crime, comete diariamente o crime de azucrinar quem assiste ao canal Senado. Ela ofende a inteligência mínima do brasileiro,  assim como seus comparsas Fátima Bezerra,  Vanessa Graziotin e Lindbergh Farias.

Roberto Moreira da Silva rrobertoms@uol.com.br

São Paulo 

*

GUERRA CONTRA A LAVA JATO

Às vezes é necessária a palavra de um experiente conhecedor da corrupção em nosso país, como Modesto Carvalhosa, ontem no Estadão (A2), para apresentar as dissimuladas (nem sempre) intenções do governo interino de Michel Temer. O artigo é claríssimo ao descrever as ações de Eliseu Padilha e Torquato Jardim, da Casa Civil, e da Transparência e Controle (ex-CGU) nesse sentido. E não adianta dizer que o povo está de olho, ou coisa parecida, porque na Itália isso também era dito, nem por isso alterações e interações políticas deixaram de levar a operação Mãos Limpas à breca. A própria força tarefa do Ministério Público vê os riscos crescerem, como já afirmaram.

Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo

*

ELISEU PADILHA

O presidente interino, Michel Temer, deve ler o artigo do jurista Modesto Carvalhosa  (26/6, A2) e refletir sobre as articulações de seu ministro Eliseu Padilha. As alegações  firmes e corajosas do jurista, de que o ministro declara guerra contra a Lava Jato, são preocupantes. Há necessidade de o presidente analisar com carinho as intenções de seu ministro petista, para evitar que tudo que foi alcançado até agora pela volte à estaca zero. 

Edson Baptista de Souza baptistaedson@ig.com.br

São Paulo

*

LAVA JATO

Merece destaque o oportuno e contundente artigo "A declaração de guerra conta a Lava Jato" (23/6, A2),do jurista Modesto Carvalhosa, como alerta contra o movimento que os malfeitores políticos tramam nos bastidores, para escapar impunes das condenações a que estão sujeitos pelos crimes de corrupção e malversação do dinheiro público em que estão envolvidos até o pescoço. Todo cuidado será pouco com essa corja de criminosos que tomou posse do bem público, como se privado fosse, metendo o País na mais severa e aguda crise econômica, política, ética e social de sua história. À Polícia Federal, ao Ministério Público e à Justiça Federal cabem a árdua, espinhosa e patriótica missão de sanear a Nação o quanto antes do mal que a aflige, procurando evitar a todo custo que se repita nestas plagas o lamentável resultado da congênere Operação Mani Pulite, da Itália. De uma vez por todas é chegada a hora de passar o Brasil a limpo. Basta!

J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

A FARRA CONTINUA...

O País atingiu tal grau de degradação moral que, em breve, veremos uma espécie de terceirização da corrupção, na qual empresas, instituições e Estados, em nome da crise, decretarão falência para obter vantagens orçamentárias. O pior é que ninguém consegue mais separar o joio do trigo, já que tudo parece estar cada vez mais junto e misturado.

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

LARANJAL DAS PROPINAS

A Operação Lava-Jato está mais para uma estação de trem tronco com ramificações de corrupção por todo o País.  E a Operação Turbulência, da Polícia Federal, descobre uma fraude que pode ter desviado mais de R$ 600 milhões das nossas estatais desde 2010! E que ainda pode ter financiado a campanha eleitoral do já falecido Eduardo Campos (PCB) e até de sua substituta, Marina Silva (Rede). Estas investigações tiveram seu início logo após a queda do avião que vitimou o candidato do PSB.  E, como resultado desta operação, a PF prendeu quatro pessoas envolvidas em esquema de lavagem de dinheiro, que até criaram várias empresas de fachadas usando laranjas... Na realidade a Operação Lava Jato deveria ser permanente, porque este novelo da corrupção no País parece não ter fim...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

ESCÂNDALOS EM SÉRIE

Emílio Odebrecht, o patriarca da megaempresa, está em desespero ao ver seu filho, Marcelo, sucessor no colossal império nas celas da Lava Jato, enquanto reluta em revelar o que sabe sobre as atividades ilegais de Lula e Dilma. A força-tarefa já tem informações dadas por ordem do próprio Emílio sobre o tráfico de influência que Lula fazia em benefício do grupo. Claro, a Odebrecht fazia doações legais e ilegais às campanhas do PT a pedido de Lula e Dilma. Os executivos da empresa revelam que de fato a presidente Dilma nomeou um procurador, Navarro Ribeiro Dantas, para o Superior Tribunal de Justiça (STJ) com a missão única de libertar Marcelo e Otávio Azevedo, ex-presidente da Andrade Gutierrez. No julgamento, Ribeiro Dantas foi o único dos cinco do STJ a votar pelo sim. Sua atuação está sendo examinada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), por ter sido citado na delação de Delcídio Amaral. A tropa de choque de Dilma na Comissão parece mais fazer um ritual kamikaze, tais as repetitivas e violentas manifestações, com argumentações que não resistem a mais leve lufada dos fatos. 

Jair Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

MAIS ROUBOS

A notícia de que uma grande empreiteira, que presta serviços públicos e atua no exterior em grandes contratos, tem envolvimento com a corrupção é um fato muito grave. Ao que consta, o grupo  adquiriu um banco, onde movimentou  mais de  US$ 1,6 bilhão em suas trapaças com figuras ligadas à política e a área pública. Alguns membros dessa empresa estão presos. Mas o dinheiro será devolvido? E desde quando ela agia de forma irregular?

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

ARNALDO JABOR E NOSSO TRISTE BRASIL

Frio, contundente e dilacerante o artigo de Arnaldo Jabor de 21/6. Ele expõe as mazelas da sociedade "Somos uns miseráveis cercados de miseráveis por todos os lados". Imperdível!

Cecília Bueno Tonon cbton@hotmail.com

Bauru

*

FICHAS SUJAS

Concordo com a coluna de Arnaldo Jabor, não há fichas limpas, o País destroçado segue derrubando a cada dia mais um na lama que toma conta do País desde então, mas o que faz o nome de José Serra na limpeza de Jabor, já que este já foi citado mais de uma vez nas traficâncias da lava jato?

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

São Paulo

*

ESSA FOI DEMAIS!

Mendonça Filho (Educação), suspeito de ter recebido R$ 100 mil em vantagem indevida disfarçada de doação eleitoral da construtora UTC na campanha de 2014, quando concorreu à vaga para  deputado federal informa que “foi procurado por interlocutores da UTC, que ofereceram tal doação, portanto legal” ... Ora, sr. ministro, essa foi demais! Nem uma criança de 7 anos acreditaria nesta versão!

José Carlos Alves jcalves@jcalves.net

São Paulo

*

GIGOLÔS

Comparando o Brasil atual com uma daquelas casas com luz vermelha na porta, a semelhança é total. Os  membros dos poderes Executivo e Legislativo - federais, estaduais e municipais -  parecem uma sociedade de gigolôs - os cidadãos "trabalham", mas quem fica com 48% do "faturamento" (impostos) são os gigolôs - os que não trabalham, mas lucram com os "esforços" dos  outros.

Mário A. Dente eticototal@gmail.com

São Paulo

*

ONDE ESTÁ O NORTE?

O presidente interino, Michel Temer, não explicou para a Nação os planos de ação para tirar o Brasil da lama. Em seus pronunciamentos, Temer ainda não estabeleceu quais providências serão tomadas para controlar a inflação, promover a retomada dos grandes empreendimentos paralisados. Também precisa renegociar dívida que corrói os cofres públicos com bilionários juros. Os valores devolvidos pelos corruptos investigados pela Operação Lava Jato não totalizam nem de longe todo o prejuízo herdado pelo País.  

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte 

*

JUSTIÇA PARCIAL

Dilma ainda estava no Planalto e bem na sua frente Aristides Santos (Contag) convocou seu bando para retaliar os parlamentares favoráveis ao impeachment. A CUT não deixou por menos e seu presidente, Vagner Feitas, também convocou o que "eles" chamam de militância e nós, de bandoleiros, para ir às ruas armados, se "tentassem derrubar a presidente". Termos uma lista imensa de representantes da esquerda imorais, que cometeram toda espécie de desrespeito, incluindo o chefão Lula, que sempre teve um comportamento preconceituoso em relação às mulheres e aos homossexuais. Fazemos uma pergunta inocente aos membros do STF: todos os citados serão réus por incitação ao preconceito, à violência, apologia ao crime ou calúnia? Ou Jair Bolsonaro vai pagar o pato e continuaremos tendo o desprazer de uma Justiça parcial, que não nos representa?

Carmela Tassi Chaves tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

*

O ATAQUE A JAIR BOLSONARO

Novamente me causa espanto a agilidade da “Justiça” para julgar uma denúncia. Acusações profusamente provadas contra figurões da Câmara e do Senado dormem nas gavetas dos senhores ministros do STF, como o caso de Renan Calheiros e do líder do governo, André Moura, suspeito de homicídio. No entanto, a ação ajuizada e terrivelmente deturpada contra Jair Bolsonaro já está pronta para ter a sua sentença condenatória pronunciada por severos juízes. 

Lizete Galves Maturana lizete.galves@gmail.com

Jundiaí 

*

A MELHOR COMÉDIA DO ANO

É de dar risada essa pesquisa do Ibope sobre a eleição municipal. É tentar chamar todos nós de idiotas. Qualquer paulistano, por mais desavisado que seja, repudia e dá risada dessa bestialidade. Um é com aquele com contas a acertar na Justiça e que na eleição anterior queria cobrar mais caro a condução dos mais necessitados que moram mais longe (sic). E o outro é inquestionavelmente o pior prefeito que São Paulo teve até hoje, também às voltas com a Justiça pelo alto custo dos "borrões vermelhos" que emporcalhou toda a cidade e ele chama de ciclovias. É ou não é pra rir de mais essa palhaçada financiada por um PT desesperado pelo seu futuro, o qual esperamos que seja o melhor para o Brasil, que rode com as enchentes da cidade e com seu conteúdo altamente corrosivo.

Leonidas Ronconi ronconileonidas@gmail.com

São Paulo

*

UNICAMP

Cenas de selvageria de estudantes. Ridículo o que acontece na Unicamp com a "greve" de alunos. Quem são eles? Um bando de vagabundo toma a universidade e impede que estudantes decentes assistam às aulas e que os bons professores exerçam seu trabalho. Isso por si só já caracteriza dois crimes. Esses alunos têm de ser punidos. A única coisa que conseguiram é prejudicar alunos, ofender professores e manchar a imagem da universidade, uma das melhores do País. Por que a reitoria e os diretores não tomam medidas enérgicas, para garantir a operação normal da universidade? 

André Coutinho arcouti@uol.com.br

Campinas 

*

GREVES

USP, Unesp e Unicamp não podem confundir autoritarismo com autoridade, e não agir em prol dos que querem estudar!

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

OLIMPÍADA

Quanto mais se aproxima a data do início da Olimpíada, mais aumenta a minha preocupação. A continuar nesse ritmo, sua realização está propensa a ser uma "piada". A situação do Rio de Janeiro está calamitosa. Não apresenta estrutura ideal para sua realização. Não tem a segurança necessária, os espaços para a realização dos jogos estão, em parte, incompletos, um detalhe ou outro está pendente. Tenho informações de que, pela falta de segurança, muitos venderão seus ingressos. Entre esses, um de meus filhos.  

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

AMIGOS DA ONÇA

Estou revoltado com o sacrifício cruel e injustificado da onça que acompanhou a tocha olímpica no Amazonas. 

Arsonval Mazzucco Muniz arsonval.muniz@superig.com.br

São Paulo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.