Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO E JUDICIÁRIO

O Estado de S.Paulo

10 Julho 2016 | 05h00

Cachoeira e Cavendish soltos

Está comprovado que a Operação Lava Jato veio para alterar a maneira como a nova ordem jurídica enfrentará o crime organizado. Todavia o confronto entre aqueles que combatem o crime organizado e os Poderes contaminados por indicações políticas e pela corrupção parece não dar trégua. Advogados de criminosos milionários e parte dos ministros dos tribunais superiores, sob o manto desenfreado do “garantismo” e da paradoxal presunção de inocência ilimitada, parecem favorecer somente os acusados sob investigação, em detrimento da sociedade. O sistema de indicação e nomeação de ministros para os tribunais superiores chegou ao limite do absurdo ao menosprezarem o conceito de “ordem pública” e equipararem desvios de milhões de contribuições de brasileiros a crimes sem gravidade, reduzindo a aplicação do artigo 312 do Código de Processo Penal e do artigo 144 da Constituição do Brasil a meros artigos ilustrativos. Precisamos fortalecer os meios de defesa e prevenções sociais, hoje suprimidos por direitos individuais disponíveis só para criminosos de alto poder aquisitivo ou detentores de Poderes.

EDENILSON MEIRA

merojudas@hotmail.com

Itapetininga

Saqueadores

O ministro Nefi Cordeiro, do Superior Tribunal de Justiça, tem toda a razão em libertar os presos na Operação Saqueador. Afinal, seria muito constrangimento deixá-los num presídio, já que desviaram apenas R$ 370 milhões. Perto dos valores que estão roubando por aí, isso não passa de um trocado.

LUÍZ FRID

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

Lula e o Poder ‘acovardado’

Fiquei surpreso com a notícia STF pede informações a Moro sobre o caso Lula. Nosso órgão máximo do Judiciário, o Supremo Tribunal Federal (STF), representado por seu presidente, Ricardo Lewandowski, requisita ao juiz Sergio Moro informações sobre as investigações contra o ex-presidente. O parecer do magistrado será analisado antes de o ministro decidir sobre um pedido para suspender as investigações contra Lula na primeira instância. Como se vê, há muitos “Cunhas” neste Brasil. É necessário que o rigor contra Eduardo Cunha adotado pelo STF e pela Procuradoria-Geral da República seja equânime nos demais casos, principalmente no de Lula, causador de figuras como a presidente afastada e o ex-presidente da Câmara.

GILBERTO DE LIMA GARÓFALO

gilgarofalo@uol.com.br

São Paulo

E a blindagem continua

O presidente do STF, Ricardo Lewandowski, pedir explicações ao excelente juiz Sergio Moro sobre os grampos nas conversas de Lula... seria cômico, se não fosse trágico. Apesar de todas as delações e todos os malfeitos apontarem para o ex-presidente, como chefe da organização criminosa que tomou conta do País desde 2003, ele continua sendo blindado. E o que é pior: pela Corte máxima da Justiça brasileira. Mais uma vez, alguns ministros do Supremo demonstram, claramente, sua parcialidade e sua gratidão aos companheiros de partido. Recentemente, Dias Toffoli aliviou para o ex-ministro Paulo Bernardo, soltando-o após meses de investigação e inúmeras provas de seu envolvimento em fraude nos empréstimos consignados dos funcionários públicos federais. A cada dia que passa, novos fatos vão aparecendo, comprometendo ainda mais o ex-presidente e seus aliados. Entretanto, a blindagem em torno do nome dele continua, indignando e afrontando todos os cidadãos de bem deste país.

ELIAS SKAF

eskaf@hotmail.com

São Paulo

Os bons ‘cumpanheiros’

Lula pediu que o juiz Sergio Moro se declare em suspeição quanto ao seu julgamento. Sabemos que o sonho de consumo de Lula é ser julgado pelo “rábula” Dias Toffoli.

CLAUDIO JUCHEM

cjuchem@gmail.com

São Paulo

‘Humor menencorico’

Lula diz que está melancólico, há dias em que nem sorri... Ora, ora, e queria sorrir de quê? Depois do que o PT fez no País, só falta dar a descarga. E logo, já cheira muito mal!

FERNANDO SILVA

lfd.silva1940@gmail.com

São Paulo

Cheiro de maracutaia

Essa história de os advogados de Lulla entrarem com pedido no STF para que o Lewandowski suspenda as investigações contra o “mais honesto” que estão na primeira instância (leia-se juiz Sergio Moro) está cheirando a maracutaia (quem não deve não treme, né, Lulla?).

JOSÉ ROBERTO IGLESIAS

rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

Incongruências

O Moro apresentou fatos que incriminam o Lula. Para que eu possa entender o jogo, será que o STF não deveria pedir explicações ao Lula, pelo que fez? Mas, pelo que vi, o questionamento foi feito ao Moro. Estou cada vez mais confuso. É assim que deve ser? Socorram-me.

VANDERLEY JORDÃO

vandjord@outlook.com

São João da Boa Vista

Ilegitimidade

Como o presidente do STF, ministro Lewandowski, aceita uma ação totalmente ilegítima, durante o recesso da Corte, mesmo que não tenha nenhum caráter emergencial? A solicitação do inquirido Lulla da Silva não tem o mínimo fundamento, uma vez que o ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo, já despachou os processos em que elle está envolvido para análise e prosseguimento pelo juiz Sergio Moro, no Paraná. Logicamente essa atitude de Lewandowski nada tem que ver com a íntima “amizade” dos velhos tempos de São Bernardo do Campo com Lulla da Silva... Nem no STF podemos confiar mais. Se cuida, Brasil!

ANTÔNIO CARELLI FILHO

palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

Será?

A Polícia Federal anda em ação de buscas em São Paulo, Santos e São Bernardo do Campo. Em São Bernardo do Campo, será que vão efetuar buscas onde estou pensando???

ARTUR TOPGIAN

topgian@terra.com.br

São Paulo

Tá chegando a hora...

Para quem está na dúvida, a Operação Lava Jato está na fase 35. Faltam apenas 16 para chegar à 51 e, aí, pôr na cadeia o ladrão-mor. Aguardem, falta pouco.

JOSE PEDRO VILARDI

vilardijp@ig.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

RENÚNCIA 

O até então presidente da Câmara dos Deputados renunciou ao cargo. E seu gesto tem uma interpretação, ou seja, o oportunismo de quem se julga uma grande liderança. Isto pode ser constatado inclusive no seu discurso de despedida, quando teceu elogios ao seu mandato presidencial e fez duras críticas ao seu substituto. O ponto positivo é que se abre agora uma oportunidade para que a Câmara, o segundo poder da República, exerça o seu papel, escolhendo um nome que não se julgue o dono do Legislativo. E que não deixe de cassar o mandato desse deputado, diante de tantas acusações que pesam contra ele. 

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

CUNHA CAI, NÃO CAI

Temos de reconhecer que o deputado federal Eduardo Cunha é carne de pescoço, deve conhecer o passado de sujeira da maioria dos colegas da Câmara que tanto o protegem. Se fossemos realmente um país sério, ele já estaria de tornozeleira eletrônica há muito tempo!

 

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

APELOS E PRESSÕES

E Eduardo Cunha, cedendo aos apelos e pressões, renunciou à presidência da Câmara. Sem dúvida, a sua atitude dará novo fôlego à instituição e restituirá a estabilidade da qual estava necessitada há muito, fundamental para o cumprimento do papel constitucional de representar o povo. Espera-se que os nobres deputados trabalhem com patriotismo e restabeleçam a normalidade por meio de escolha rápida de um sucessor que aceite o desafio de, durante o curto espaço de tempo de que disporá, conduzir os trabalhos neste momento de crise e indefinição. Uma pena que as forças políticas que podiam influenciar a presidente afastada Dilma Rousseff não tenham sido capazes de encontrar, no momento próprio, argumentos que a levassem a atitude semelhante, o que aliviaria o País da crise de confiança que hoje trava seu crescimento.

Paulo Roberto Gotac prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

ALTRUÍSMO

Nunca vi tanto deputado disputando o cargo de presidente da Câmara para servir ao povo brasileiro...

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

ESCÂNDALOS EM SÉRIE, NUNCA MAIS

Está coberto de razão, a afirmação de Deltan Dallagnol,  procurador coordenador das investigações da Operação Lava Jato, de que a corrupção é uma assassina em série, que mata silenciosamente milhares de pessoas em estradas esburacadas, em hospitais sem remédios e ruas sem segurança. Tal dura e dramática conclusão está nas cabeças e mentes da população brasileira, que não aceitam mais tais desvios de conduta de grande parte de nossas lideranças políticas em conluio com setores da iniciativa privada.  A opinião pública exige agora, além da punição rigorosa dos envolvidos em tais manobras criminosas, que sejam implantadas reformas estruturantes que inibam daqui em diante que tais atitudes voltem a ser repetidas entre nós.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

CELSO DE MELLO

É decepcionante a decisão do decano Celso de Mello e sua concepção em desarmonia com a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de manter na prisão os condenados na segunda instância, mesmo que ainda possam impetrar recursos. Deltan Dallangnol, da Lava Jato, muito acertadamente alertou sobre o risco e como esta decisão afeta a luta contra a corrupção no País. O condenado, sabendo que pode haver uma opção melhor que a delação premiada, não optará por esta via. Como nossa Justiça é complicada e difícil! Mesmo quando a maioria da opinião pública visualiza o óbvio, os doutores da lei se prendem às minúcias e tecnicidades jurídicas para soltar o criminoso. Para que gastar dinheiro com Justiça se ela não funciona?

 

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro 

*

O BRASIL TEM JEITO

O Brasil só terá jeito quando deixar de ser o País da corrupção, do improviso e do jeitinho. 

J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

TORNOZELEIRAS

Fernando Cavendish e Carlinhos Cachoeira estão sentindo, na própria pele, o que a corrupção subtrai de todos. Estão presos em Bangu 8 por falta tornozeleiras eletrônicas que não estão disponíveis por falta de pagamento! Compensou a roubalheira? Com a palavra, os corruptos!

Deborah Marques Zoppi dmzoppi@uol.com.br

São Paulo 

*

O CIRCO BRASIL

De um lado do picadeiro, palhaças e palhaços bufões dando espetáculo de desonra, desonestidade, cobiça, imoralidade e vingança. De outro lado, alguns poucos paladinos com reputação intacta lutam contra esse escárnio.  A vitória de um dos lados depende da plateia, o povo brasileiro, que terá a chance de escolher se quer ser cúmplice ou vítima. Façam suas apostas!

Sandra Maria Gonçalves Sandra Gonçalves sandgon@terra.com.br

São Paulo

*

DÚVIDA

Qual a diferença entre as senhoras Monica Veloso, Rosemary Noronha e Viviane Rodrigues, todas elas recebendo vantagens pagas com o dinheiro ilegal ou do contribuinte?

Flavio Perpetuo fperpe@gmail.com

Florianópolis 

*

DESPREZO E DESCASO

Esperemos que o descaso e o desprezo desmedido dos nossos governantes e legisladores com o bem estar do povo, que só se preocupam com seus próprios interesses mesquinhos, não levem à exacerbação de ânimos contidos da população até agora ordeira e não deságue numa revolução à francesa, onde a justiça institucional percebida como falha, lenta e inoperante, seja substituída e exercitada pelas guilhotinas. A nossa Bastilha atende por Praça dos Três Poderes.

Ely Weinstein elyw@terra.com.br

São Paulo

*

FARINHA DO MESMO SACO

Depois de saber que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao STF parecer para perdoar a pena imposta  a José Dirceu, condenado no Mensalão; depois de ver o ministro do STF Dias Tóffoli, determinar que Paulo Bernardo, investigado sobre desvios nos governos Lula/Dilma, seja libertado; depois de ver o desembargador  Antonio Ivan Athiê do Tribunal Regional Federal (TRF), investigado em 2013 por formação de quadrilha e estelionato, justificando a transferência dos presos da Operação Saqueador para prisão domiciliar, só me resta dizer:  "Vou-me embora pra Passárgada, lá não tem PGR, STF e TRF.

Leônidas Marques  leo.marquesvr@gmail.com

Volta Redonda (RJ)

*

INJUSTIÇA

Continua a repercutir a decisão do ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), que concedeu habeas corpus a um empresário mineiro condenado por homicídio e ocultação de cadáver. No início deste ano, por sete votos contra quatro, os ministros decidiram que o condenado em segunda instância, é o caso desse réu, que a pena fosse cumprida logo após a confirmação da sentença. A decisão do decano causou estranheza jurídica e jogou um balde de água fria na opinião pública, que, a partir do entendimento da Suprema Corte, tinha esperança na agilidade da Justiça.   Ontem, um amigo oriundo das Minas Gerais em tom de gozação indagou: Uai, sô, será que, se o nome do réu não tivesse a poderosa palavra "empresário" e se ele fosse um simples pé-rapado, o benefício seria concedido? Meu caro, o lema: "a Justiça tarda, mas não falha" aqui entre nós está muito longe de ser alcançado.  

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

  

*

LULISMO

O Brasil foi destruído pelo PT e Dilma terminou o trabalho. Agora é inimaginável a volta desta desgovernante. Os senadores que tenham um mínimo de responsabilidade com a Nação não podem votar pela volta dela.

Roberto Moreira da Silva  rrobertoms@uol.com.br

São Paulo 

*

A FARSA

Dilma em seu controverso governo se utilizou da farsa para iludir ao povo: desde a tentativa de se passar por quem não era (titularização acadêmica posteriormente desmentida), boa gestora (depois descobrimos quantos se locupletaram sob sua administração) e finalmente as práticas farsantes que levaram sua eleição. Acreditava que a mentira, repetida incansavelmente a marqueteiro regiamente recompensado, teria o poder de transformá-la em verdade permanente. Ledo engano, o tiro saiu pela culatra. Fim de festa. Enquanto se lastima por sofrer do mal que seguidamente nos aplicou, seu mentor se esfalfa em tentativas para mantê-la no poder, utilizando promessas para um publico a elas já acostumado. Mérito maior seria utilizar seu tempo livre, que agora deve ser muito, com toda a equipe que lhe acompanha e paga pelo contribuinte e executar atividades de apoio aos desvalidos que seu governo deixou na mão.

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba 

*

PERPLEXIDADE COM A CORRUPÇÃO

Os valores astronômicos divulgados pelas apurações judiciais da corrupção no Brasil são assustadoras. A população perplexa não consegue atinar como tais desvios criminosos ocorreram, sem que se percebesse na época ditas falcatruas. Urge agora confiar nas instituições que estão apurando e punindo os responsáveis por tais mazelas e, paralelamente, pressionarmos nossas lideranças para que implementem um urgente e fundamental reforma política - a mãe de todas as reformas -, que permitirá que entremos num novo processo de desenvolvimento sustentado, deixando para trás esses tempos tenebrosos  de nossa história da gestão pública, que tanto engessou  a Nação Brasileira.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

A ESCOLHA

Não adianta tentar barrar por meio de lei as investigações contra o esquema de corrupção implantado com tanta eficiência no País. A nossa Constituição garante a liberdade de expressão e ela sempre será denunciada, aqui e lá fora. Os corruptos precisam aprender que o crime compensa apenas temporariamente e não dura para a vida toda. Corrupção é uma praga que mata milhões de pessoas e precisamos não só da firme atuação da Polícia Federal e do Ministério Público, como também do apoio da população e principalmente da posição correta dos juízes. Amigos, amigos, deveres à parte, não adianta choro nem vela, mas de uma fita amarela para colocar no funeral dos sonhos impossíveis. Infelizmente, nossos políticos, com raras exceções, mergulham de corpo e alma nesse lamaçal que chamamos de corrupção. Existe a escolha entre o bem e mal, façam suas escolhas e aguentem as consequências!

Odiléa Mignon cardosomignon@gmail.com

Rio de Janeiro

*

DESÂNIMO

Lulla está desanimado e não sorri mais. Reclama que não tem dado "conferências remuneradas" e que os políticos e os empresários não o procuram mais para ouvir seus conselhos. Ora, nada é eterno. O ex usou e abusou do direito de mentir e prejudicar o País e deve se contentar por não ter sido, ainda, alvo de Sergio Moro.  

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

VOZ CORRENTE EM TODO BRASIL… 

Quando o maior corrupto será preso? Corra, Lava Jato, senão elle corre primeiro!

Ricardo Guilherme ricardoguilherme88@gmail.com

Monte Alegre do Sul 

*

ELLE ESTÁ (QUASE) CERTO

Cada dia somos brindados com novos desfalques do Erário. Assistimos a inúmeras prisões de vários implicados nestes desvios. Isto me faz concluir que, quando o ex-presidente sr. Lula afirma ser o homem mais honesto do Brasil, ele não deixa de ter certa razão. Neste meio onde boa parte dos políticos estão implicados nos  desvios de milhões, o sítio em Atibaia e o apartamento em Guarujá são troco de botequim. Analisando por esta ótica, posso concluir que o ex-presidente Lula é "quase" um santo. 

Jorge Eduardo Nudel jorgenudel@hotmail.com

São Paulo

*

ENVOLVIDOS NA LAVA JATO

Nós, brasileiros, já estamos cansados de ouvir a mesma coisa de sempre dos acusados dos grandes escândalos de corrupção levantados pela Operação Lava Jato dizendo que são inocentes (tudo muda quando vem a delação premiada, para desgosto dos advogados, aí todo mundo assume as falcatruas que fez. Desse jeito vou chegar à conclusão de que aqui no Brasil estamos no Paraíso, afinal, só tem santo.

Henrique Schnaider hschnaider4@gmail.com

São Paulo 

*

FORO PRIVILEGIADO

O deputado Jair Bolsonaro alega que tem cobertura legal e não pode ser processado por suas declarações estapafúrdias recentes contra uma colega parlamentar e de seus elogios feitos a um dos carrascos da ditadura. Com isso, ele confirma seu baixo nível e o reacionarismo no comportamento político. 

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

'QI' PARA AS ESTATAIS

 

São 1.806 cargos comissionados e de livre nomeação dos políticos. Assim, pela falta de necessidade de concurso público, os políticos podem levar seus apaniguados para o preenchimento deles. Até quem que não preenche condições técnicas para o exercício do cargo pode assumir importantes postos de direção. Mais uma vez, neste País, o "quem indica" é mais importante do que o conhecimento e capacidade do indicado. E ainda querem ficar livres da Lava Jato?

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.b

Rio Claro

*

APETITE INSACIÁVEL

Privatizando tudo se extingue o apetite dos políticos insaciáveis, não vão mais querer se eleger porque não terão mais as ricas boquinhas para repor caixa de campanha e/ou andar de jatinho, vício político incurável, tanto dos abastados como dos pobretões.

Manoel Braga manoelbraga@mecpar.com

São Paulo

*

ISSO É GOLPE 

O ministro Levy, quando assumiu o Ministério da Fazenda, tinha por objetivo economizar durante 2015 R$ 15 bilhões. Porém, no final de 2014, um pleito do Judiciário aprovado e cujos efeitos consumiriam R$ 19 bilhões pôs a perder todo o esforço fiscal. Nos estertores do governo Dilma, a Câmara, de forma irresponsável e atendendo a um apelo do mesmo Judiciário,  propôs em regime de urgência um novo aumento ao Judiciário em porcentuais absurdos. Meirelles deve ficar atento, pois o efeito cascata deste aumento é tão devastador quanto o de 2015.  Sou da opinião de que esse aumento deve ser vetado até o final de 2018. Eles são os servidores mais bem pagos e os menos eficientes. Isto sim é golpe!

Paulo Henrique Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

*

AGIOTAGEM DE LUXO

Acabei de assistir agora a num noticiário dizendo que os juros dos cartão de crédito chegaram a 447%. Eu fico estupefato com essa "agiotagem de luxo". E o governo federal assiste a tudo com complacência. Está na hora de o Banco Central começar a regular esta bagunça dos cartões de crédito e do cheque especial. Até parece conluio entre os "parasitas" (banqueiros) e o governo. Tem "gente de bem" que se enfiou no maldito cartão de crédito e não consegue mais sair do "atoleiro". Está na hora de tomarmos uma atitude. Fica registrado meu repúdio a este sistema de "roubalheira" legalizada.

César Roberto Alves Moreira caesar.joi@terra.com.br

Joinville (SC)

*

DÉFICIT FISCAL PARA 2017

Não será de R$ 170,5 bilhões, como desejava o bloco político do governo, mas prevaleceu felizmente o que a equipe econômica, comandada pelo ministro Henrique Meirelles, determinou, diga-se, com apoio irrestrito do presidente interino Michel Temer. Ou seja, de um déficit fiscal de R$ 139 bilhões, ou menos R$ 31,5 bilhões do projetado para 2016, de R$ 170,5 bilhões.  É relevante lembrar que esse déficit divulgado para 2017 não contará com o aumento de impostos. E se o anúncio desta medida pelas especulações estava até estressando o mercado, esse número anunciado por Meirelles certamente deverá gerar um maior apoio ao governo Temer. Já que, mesmo dentro da complexidade dos números negativos das nossas contas públicas, esta projeção de déficit para 2017 demonstra que a equipe econômica está determinada a racionalizar e a diminuir os gastos públicos, com o objetivo de recuperar já em 2017 o crescimento econômico, pois em 2016, infelizmente, o PIB será negativo em torno de 3,5%. 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

APOSENTADOS NA BERLINDA 

Não é surpresa para ninguém que o desemprego está aí deixando os milhares de trabalhadores em pânico. São mais de 11,4 milhões de trabalhadores sem ocupação no País, penalizando, principalmente, os jovens, que têm de adiar, por tempo indeterminado, seus planos e o sonho do início de uma carreira promissora. Mas outro segmento, o dos aposentados e pensionistas brasileiros, que apesar de já sofrerem com o descaso com que sempre foram tratados pelos nossos governantes e com os baixos benefícios, ainda sofre com o desemprego - são cerca de 20 milhões de beneficiários do INSS recebendo o equivalente a um salário-mínimo, R$ 880 por mês. Muitos perguntarão como o desemprego pode afetar quem não mais está no mercado de trabalho. Porém não custa lembrar que muitos aposentados no País com este benefício mantêm o sustento dos familiares. E não poucas vezes são a única fonte de renda da família. Como sustentar os seus e atender às suas próprias necessidades, como, por exemplo, o uso de medicamentos de uso contínuo e em muitas vezes de alto custo? Simples: retornando ao mercado, fazendo bico e voltando a trabalhar formalmente. O irônico é que dinheiro não falta, principalmente para corruptos e corruptores dos cofres públicos!                      

                                  

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

CUSTE O QUE CUSTAR

Independentemente da Olimpíada, o que esperam nossos dirigentes para baixar um decreto de caráter emergencial, abrangente, implacável, inegociável, capaz de conter a violência generalizada que assola o País?  

Ricardo Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.