Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

01 Novembro 2016 | 03h05

ELEIÇÕES MUNICIPAIS

Segundo turno

Na limpeza contra a corrupção, o povo fez a sua parte, esperamos agora que o STF faça a parte que lhe cabe, com celeridade.

JOSÉ GILBERTO SILVESTRINI

jgsilvestrini@gmail.com

Pirassununga

Nunca antes neste país houve tamanho consenso de repúdio ao PT em todo o território nacional, como o resultado destas eleições acaba de evidenciar.

ARY NISENBAUM

arynsb@gmail.com

São Paulo

E desta vez não foi o juiz Sergio Moro, foi o povo!

MARCOS CATAP

marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

Recados das urnas

Não é preciso ser analista político para entender claramente os dois recados dos eleitores no primeiro e no segundo turnos. O número de votos em branco e nulos, bem como o de abstenções, foi o maior até agora registrado em eleições e é um recado para o Congresso Nacional: o sistema político-partidário atual faliu. É urgente criar um novo, com base em outro modelo eleitoral, em nova Lei Orgânica dos Partidos Políticos, no voto facultativo, etc. O outro recado foi para a Justiça Eleitoral: o repúdio nacional ao PT indica que chegou o momento de aplicar as leis vigentes. O PT deve ter seu registro cassado, pois os processos da Lava Jato estão confirmando que ele não é um partido político, mas uma organização criminosa que atua contra a democracia. Se cada um cumprir o seu dever, o Brasil vai melhorar!

ELIAS DA COSTA LIMA

edacostalima@gmail.com

São Paulo

No Rio de Janeiro

Os votos nulos e em branco atingiram 20% e a abstenção, quase 27%. A eleição na cidade do Rio de Janeiro demonstrou que não adianta manter o voto obrigatório e fazer o eleitor escolher entre dois candidatos que não são os seus preferidos, no segundo turno, com o argumento de que se deve escolher o menos pior.

LUIZ ROBERTO DA COSTA JR.

lrcostajr@uol.com.br

Campinas

demais legendas de esquerda: se os resultados do primeiro turno deixaram esses partidos atordoados, os do segundo os levaram a nocaute, sem dó nem piedade. Clara e concreta demonstração de que os brasileiros estão cansados dessa esquerda populista, com seus discursos obsoletos e demagógicos. A não ser que surjam novos protagonistas e novas ideias, não haverá mais esquerda representativa no Brasil.

LUCIANO HARARY

lharary@hotmail.com

São Paulo

Derrocada petista

O castigo, que vinha a cavalo, chegou pelas urnas. A confirmação da derrocada do PT nas eleições deste ano, principalmente no segundo turno, quando a sigla não elegeu nenhum prefeito, demonstra que o brasileiro está farto de tantas falácias e mentiras – principalmente do sr. Lula da Silva, que nem sequer foi votar no último pleito – talvez por medo de ser achincalhado em nível nacional. Adeus, PT.

EDINEI MELO

edinei.melo@hotmail.com

Campinas

Subversão derrotada

O PT sofreu uma derrota acachapante, cuja extensão ainda terá de ser compreendida. Das manifestações públicas contra a corrupção resultaram o impeachment da presidente Dilma Rousseff e a prisão de grande número de lideranças petistas, ao lado de empreiteiros. As eleições provaram que não houve golpe, pois tais mudanças refletiram a vontade popular. Não foram influenciadas por doações de empresas. A Lava Jato e a PEC 241 saem fortalecidas. O PT perdeu todos os enganosos “argumentos de defesa”. Ficou sem propostas e sem nomes para as eleições de 2018. Se não tivesse acontecido de fato, seria inacreditável. Nenhum cientista político previu.

HARALD HELLMUTH

hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

Vendedor de ilusões

Meu amigo Kioyto Teraoka, com sua paciência oriental, organizou e me enviou há uns 15 dias uma pastinha com dezenas de cópias de textos, artigos, pensamentos e editoriais de jornais de tempos passados. Destaco o editorial do Estadão de uma quarta-feira, 8 de julho de 1998, sob título O vendedor de ilusões, que alertava claramente sobre os efeitos demagógicos da proposta do então perene candidato petista Luiz Inácio Lula da Silva. Acerca do programa petista, o Estadão dizia que “o documento promete o paraíso aos brasileiros e aí é que reside a irresponsabilidade maior de seus autores: ou estão deliberadamente tentando vender aos eleitores algo que jamais poderão entregar, ou acreditam piamente nos próprios poderes de redenção (...) o sr. Luiz Inácio promete o paraíso, mas não diz como financiará o empreendimento. Não faz a menor menção à crise fiscal e não sugere soluções para esse que é o mais agudo sintoma da crise do Estado brasileiro. Sintoma, é preciso que se diga, que o sr. Luiz Inácio Lula da Silva e os partidos que o apoiam ajudaram a agravar pela recusa sistemática de aprovar as reformas administrativa e previdenciária, negando ao governo os meios oportunos para um combate mais rápido e eficaz à crise fiscal”. Portanto, agora, passados 18 anos, por essas linhas do jornal entendemos um pouco mais sobre o triste desastre que vivemos hoje, suas reais causas e seus responsáveis.

CELSO LUÍS GAGLIARDO

gagliardo.celsoluis@gmail.com

Americana

Com o resultado destas eleições municipais, o Brasil volta a ser um país sério e normal. O PT foi um ponto fora da curva.

LOURDES MIGLIAVACCA

São Paulo

Resumo do pleito

Das 54 cidades que tiveram segundo turno, sendo 18 capitais, o PT concorreu em oito e perdeu em todas. Aécio Neves também perdeu: seu candidato a prefeito de Belo Horizonte foi derrotado. Já o PSDB conquistou mais cinco capitais, entre elas, Porto Alegre, pela primeira vez. E também venceu em quatro importantes cidades paulistas: Jundiaí, Ribeirão Preto, Santo André e São Bernardo do Campo – o que, com certeza, deixou o Lula verde de inveja do governador Geraldo Alckmin. Para 2018 resta saber se o PSDB vai saber aproveitar todas essas vitórias ou jogar tudo fora, como nas últimas quatro eleições presidenciais. Mas antes de pensarmos em 2018 devemos acompanhar os desdobramentos da Lava Jato, que promete fortes emoções.

MARIA CARMEN DEL BEL TUNES

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

“No segundo turno, a confirmação: o PT praticamente foi varrido do mapa. Cadê o golpe?”

MILTON CÓRDOVA JUNIOR / VICENTE PIRES (DF), SOBRE 

O RESULTADO DAS ELEIÇÕES

milton.cordova@gmail.com

“Perdeu o PT. Ganhou o Brasil!”

A. FERNANDES / SÃO PAULO, IDEM

standyball@hotmail.com

“PonTo final”

HÉLIO DE LIMA CARVALHO / SÃO PAULO, IDEM

hlc.consult@uol.com.br

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

BARCO A PIQUE

Os ex-presidentes Lula e Dilma não compareceram para votar em São Bernardo do Campo e em Porto Alegre no segundo turno da eleição de domingo (30/10). O primeiro alegou que tinha 70 anos e, por isso, estaria desobrigado de votar; e a ex-presidente justificou sua ausência por motivo de viagem a Belo Horizonte. Muito estranho, porque, quando um navio começa a afundar, os primeiros a abandonar o barco são os ratos e os covardes. Ficam o capitão e sua fiel tripulação entre os últimos a se salvarem, ou perecem junto com a embarcação.

Luiz Antônio Alves de Souza  zam@uol.com.br

São Paulo

*

PARTIDO DESORIENTADO

O fato de Lula e Dilma não terem votado no domingo é só mais um exemplo não só do atual estilo de liderança política do PT, como também do estado de caos e desorientação em que se encontra o partido. Com Lula ainda solto e líder de pesquisas de intenção de voto para 2018, o partido terá imensas dificuldades em tentar se reorganizar e se modernizar, adotando um discurso mais pragmático e amadurecido pelo ciclo de poder exercido por 14 anos. Os liberais agradecem. 

Oscar Thompson oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

*

A TERCEIRA IDADE DE LULA

Lula não foi votar. Sua criatura, Dilma, resolveu visitar a mãe enferma no dia do sufrágio. Já Lula, o criador, de repente perdeu todo aquele ímpeto, aquela gana de poder, e tornou-se um senhor de terceira idade, a quem o voto é facultativo. Como assim? O homem que desde as indústrias metalúrgicas exaltava à ação, agora, sabendo-se vencido, deixou de "demonstrar civismo", nas palavras de David Fleischer, cientista político da UnB ("Estadão", "Pela primeira vez, PT fica sem prefeituras no ABC", 31/10, A7). Na verdade, não quis olhar o espelho, que deixou de ser espelho. Agora é azul a cor que aparece no horizonte. A população, rancorosa, deu as costas ao passado. O cinturão agora é azul, e não mais vermelho. E, no berço onde nasceu, cresceu e se fez "o Lula", não teve dignidade de votar. Se está velho para votar, como, então, não está ao ser votado. Mais uma atitude licenciosa, deste que já foi amado por 87% da população brasileira, quando entregou o governo a Dilma Rousseff, quando nenhum de nós imaginava as orgias entre governantes e empreiteiros. E agora, o que esperar deste homem de terceira idade que já nos tomou a confiança, a moralidade e a probidade administrativas, e, pior, a esperança?

Andrea Metne Arnaut andreaarnaut@uol.com.br

São Paulo

*

DESPEITO

Não comparecendo para votar no segundo turno, Lula dá clara demonstração de desrespeito à democracia. Ele se esqueceu muito rapidamente de que até ontem era o líder político mais "honesto", mais respeitado e mais combativo do Brasil. A desculpa de ter 71 anos está cheirando a despeito: no ABC, o PT perdeu de 7 a 0.

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

O PT FORA DA DISPUTA

Esta é a "democracia" petralha: só interessa se estiveram no poder.

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul 

*

UNIFICAÇÃO

Uma coisa se deve ao PT: conseguiu unificar os eleitores no País. Ou se é petista, ou não se é. Conseguiu-se que sumissem os comunistas, os democratas, os socialistas, etc. Hoje só existem "petistas e não petistas", estes, uma minoria em via de extinção.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

PAPELÃO

Mesmo tendo quase oito décadas de vida, aproveito ao máximo minhas prerrogativas de votar sigilosamente. Votar é um dever, antes de tudo, cívico. Dilma e Lula não votaram nesta última eleição: ela justificou que foi visitar a mãe doente fora de seu município e ele justificou que, com mais de 70 anos, não tem mais essa obrigatoriedade. Desculpas esfarrapadas para quem está simplesmente fugindo da realidade das vaias. Se seus candidatos estivessem na disputa, com certeza iriam votar. Grande demonstração de falta de patriotismo vinda de pessoas que já ocuparam o mais alto cargo da Nação. Um papelão. Mais um.

 

Leila E. Leitão

São Paulo 

*

DILMA E LULA NÃO VOTARAM

Escaparam de uma grande vaia!

  

Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo 

*

PROTESTO

Lula e Dilma resolveram protestar e não votaram no segundo turno. Protestam contra o quê? Contra a corrupção, a burrice, a mentira? Não dá para entender. É um contrassenso: fizeram a apologia do voto, e o PT se foi nesta eleição.

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

MESTRE

O mestre quer ensinar política aos jovens, mas não vai votar. Que exemplo é este?

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

*

MARCO

O dia 30 de outubro de 2016 ficará na história como o dia da "Descanonização de Lula" e, consequentemente, do sepultamento da era petista.

Frederico d'Avila fredericobdavila@hotmail.com

São Paulo

*

QUEM FOI O VENCEDOR?

É claro que o vencedor nestas eleições foi a democracia. Num clima de festa democrática, domingo, por volta das 22 horas, o Brasil conhecia o resultado das eleições em segundo turno nas 57 cidades de 20 Estados (14 no Estado de São Paulo, 4 no ABC). A grande São Paulo, ou região metropolitana de São Paulo, é composta por 39 municípios. A nova rodada de segundo turno ocorreu em sete delas. Em Diadema, o atual prefeito foi reeleito contra adversário do PRB. Em Guarulhos, teve candidato do PSB e postulante do DEM. Em São Bernardo do Campo, o PSDB de Orlando Morando levou a melhor, vencendo Alex Manente, do PPS. Em Santo André, o confronto foi entre o atual prefeito Carlos Grana (PT) e o tucano Paulo Serra, que venceu o petista. Em Osasco, a disputa foi entre o prefeito do PDT e o adversário do PTN, que saiu vencedor. Em Suzano, a disputa teve candidatos do PR e do PTB. E, por fim, em Mauá, o PT perdeu para o PSB, do deputado estadual Atila Jacomussi, deixando o PT sem nenhum representante no Executivo das sete cidades do ABC, região onde nasceu o Partido dos Trabalhadores (PT) e onde reside seu maior cacique, Lula da Silva. O foco da grande imprensa na capital parece ter ignorado a derrota acachapante do partido de Lula no ABC, sem se dar conta da importância desses municípios no cenário nacional e para o PT. A sensação que se teve destas eleições municipais é o sentimento de que estamos a escolher entre o ruim e o menos pior. Por mais deprimente que isso possa parecer, então que os escolhidos sejam os menos piores. Ademais, é essencial que os vencedores façam uma reflexão sobre os números recordes nesta eleição de votos brancos, nulos e de abstenção. Algo está errado nesta relação entre os políticos e os eleitores. Não se faz política sem os políticos, como alguns candidatos quiseram fazer crer. Uma parcela dos eleitores acredita nisso, mas é uma balela. Precisamos de novos políticos para mudar a gestão das cidades, dos Estados e do Brasil. Mas isso só conseguiremos fazer participando, sendo conscientes e responsáveis na hora do voto. Nós somos os patrões dos políticos e temos de fiscalizá-los diuturnamente durante os quatro anos de sua gestão.

                                      

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

RECADO DAS URNAS

Das urnas ao PT, Lula e Dilma Rousseff, que sabiamente não foram votar: pode-se enganar a todos por algum tempo; enganar alguns por todo o tempo; mas não se pode enganar a todos todo o tempo. 

Omar El Seoud ElSeoud.USP@gmail.com

São Paulo

*

SEGUNDO TURNO

Acabou! Acabou! O PT acabou!

Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

PASSANDO A LIMPO

Depois de 13 nefastos anos, o País começa a ser passado a limpo, expurgando do poder aqueles que dilapidaram a esperança do povo, por meio da mentira. 

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul 

*

FORA PT

Concluído o segundo turno das eleições municipais. Resultado: Fora PT

Guto Pacheco jam.pacheco@uol.com.br

São Paulo

*

MORTE ANUNCIADA

O depoimento de Gilson Menezes ("Estado", 30/10, A8) encarna a melancolia de líderes carismáticos oriundos do proletariado que soçobraram, em razão do "jeito petista de governar", imprudentemente e sem observância de limites legais e éticos. Primeiro prefeito do PT, em Diadema, no ABCD, de imediato "estatizou" o transporte coletivo, sem previamente constituir uma empresa de transporte, de modo que a féria diária permanecia em sacos de dinheiro nas dependências da Prefeitura, por falta de uma conta bancária. Foi dispensada licitação para aquisição de merenda escolar, sob alegação de urgência. Constatei tais fatos, entre outros, como advogado de Comissão Especial de Inquérito então instaurada pela respectiva Câmara de Vereadores. Em suma, a morte do PT foi anunciada desde seu nascimento. 

 

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

ELEIÇÕES 2018

Com o resultado das eleições municipais, já se pode dizer com firmeza a Lula e a sua tigrada: "Tchau queridos"!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

O JULGAMENTO DO POVO

Para mim, estas eleições municipais enterram em definitivo a tese de golpe. O julgamento foi feito pelo povo, o mais legítimo julgador. O povo deu sua resposta, seu veredito. Se achasse que foi golpe, o povo impingiria a derrota que impingiu ao PT, principalmente, e aos outros partidos de esquerda? Continuar batendo nesta tecla é de uma obtusidade sem tamanho. Não escrevo na cartilha do presidente Michel Temer, mas, ante as leis, está legitimamente no poder.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

EXPRESSÃO DAS URNAS

O resultado das urnas no segundo turno, além de expressar que a voz do povo é a voz de Deus, sepulta de vez a tese dos oportunistas de plantão - Ciro Gomes, em particular - de que o impeachment de Dilma foi golpe. Tchau, queridos!

Carmela Tassi Chaves tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

*

'NÃO É NADA DISSO'

"Não é nada disso." Essa é a frase com a qual o laureado escritor peruano de 80 anos, Mario Vargas Llosa, Prêmio Nobel de Literatura em 2010, encerra um dos parágrafos de seu excelente artigo "O cidadão raivoso" ("Estadão", 30/10, A23). A frase se aplica tanto ao parágrafo em questão quanto ao cerne do seu comentário, resumido pelo "Estadão" na primeira página dessa edição: "Progresso não é combater a riqueza. O inimigo é a pobreza e a riqueza mal ganha". Com sua lucidez, atinge em cheio a esquerda raivosa mundo afora e, em particular, a do Brasil, ao dizer no mencionado parágrafo: "A meu juízo, tem havido uma interpretação interessada e falsa da defenestração de Dilma Rousseff da Presidência. Esse fato foi apresentado como uma conspiração da extrema direita para acabar com um governo progressista e, sobretudo, impedir a volta de Lula ao poder. Não é nada disso". Quanta verdade!

Antonio Carlos Gomes da Silva acarlosgs9@gmail.com

São Paulo

*

NÃO HÁ O QUE TEMER?

Não há o que temer? Foram eleitos candidatos da "direita". Serão todos homens direitos? Pelo menos algum?

Celso da Costa Carvalho Vidigal celsovidigal@uol.com.br

São Paulo

*

A RESPOSTA DOS BRASILEIROS

Ao varrer o PT das prefeituras, os eleitores brasileiros confirmam seu apoio à Operação Lava Jato, ao juiz Sérgio Moro e às ações da Polícia Federal no combate à corrupção e no desmantelamento da maior organização criminosa do País. Apesar de o PMDB também fazer parte dessa corja, houve uma perda significativa de poder direto em muitos municípios de grande porte. O brasileiro dá a resposta e mostra que quer um país livre de bandidos, independentemente se são políticos, funcionários públicos ou autoridades. Queremos emprego, paz e competência.

André Coutinho arcouti@uol.com.br

Campinas

     

*

VITÓRIA DA LAVA JATO

O resultado das eleições para escolha de vereadores e prefeitos foi uma vitória de goleada da Lava Jato contra os governos petistas, que promoveram a corrupção em larga escala e crimes de lesa-Pátria. O povo, com a força do voto, deu um basta nesse adversário.

 

Luiz Bianchi luizbianchi@uol.com.br

São Paulo

*

ALERTA NECESSÁRIO

A "bagunça" instalou-se no Brasil. O Brasil não merece caminhar nesta vereda insidiosa. As famílias sérias e de boa vontade, por certo, reclamam algo como: reflexão, análise crítica, revisão e explicação deste momento histórico e momento cultural. O País está a mergulhar num abismo inalcançável e insondável. Está na hora, e já se faz tarde, de retomar o velho pensamento do magnânimo General Osório, que disse: "É fácil a missão de comandar homens livres, basta para isso ensinar-lhes o caminho do dever". A Justiça Federal, a Polícia Federal e o Ministério Público Federal estão a exercer as suas funções com coragem, discernimento, dignidade e firmeza às obrigações que lhe dizem respeito. Visualizam e visibilizam as necessidades da Nação. O momento é crítico. A classe civil está pávida e não tem como reagir. Urge, e é importante, imperioso e indeclinável que as honradas e salvadoras Forças Armadas, com seu arraigado senso de amor à Pátria, usem de seu digno, de seu pedagógico e de seu seguro mister, para tirar o Brasil desta humilhante situação.  

Fernando Silveira Picheth fernandopicheth@bol.com.br

Curitiba

*

GUINADA CONSERVADORA

Já era mais do que esperada a vitória de Marcelo Crivella (PRB) no Rio de Janeiro. É preocupante que o sobrinho de Edir Macedo e membro da Igreja Universal do Reino de Deus seja o novo prefeito da Cidade Maravilhosa. Graças à Copa do Mundo e, principalmente, à Olimpíada, o Rio recebeu bilhões de reais, se modernizou e teve transformações muito positivas na última década. Como Crivella representa o que há de mais retrógrado e obtuso, fica o temor de que a cidade caia e ande para trás. Aliás, esta eleição reflete bem a guinada conservadora e reacionária que o País sofreu nos últimos tempos.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

FREIXO

Marcelo Freixo (PSOL), democraticamente derrotado pelo voto do povo, se negou a cumprimentar o adversário, Marcelo Crivella. É aquela velha história que conhecemos: comunista, quando não mostra o seu caráter radical na entrada, mostra na saída. 

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

ERRO DE INTERPRETAÇÃO

Vejo muitas matérias e comentários sobre a força de Geraldo Alckmin nestas eleições, mas acho que isso é um erro de interpretação. A verdadeira leitura do resultado nas urnas da cidade de São Paulo e em outras cidades é o descontentamento do povo com o que está aí há tempos. Então, sr. João Dória, não seja um fantoche de Alckmin, mas faça a vontade daqueles que o elegeram.

Luiz Claudio Zabatiero zabasim@outlook.com

São Paulo

*

O DESINTERESSE DO ELEITOR

 

A soma da abstenção e dos votos nulos e brancos é de 32,8% do eleitorado registrado nas 57 cidades que tiveram segundo turno. No Rio de Janeiro e em Mauá (SP), passou dos 41%, e em São Bernardo do Campo (SP) foi de 42,3%. Nessas localidades, a soma dos votos desperdiçados é maior do que a votação dos vencedores do pleito. Joga por terra o argumento que lastreia o segundo turno de que com esse mecanismo o eleito é mais representativo porque recebeu a maioria absoluta dos votos. Os porcentuais que se contabiliza são dos votos válidos. Se incluísse como universo a totalidade do eleitorado, o maior volume seria de abstenção, brancos e nulos. A eleição de 30 de outubro traz uma série de indicativos que, bem analisados, poderão contribuir para a reforma político-eleitoral. A reeleição já acabou para prefeito e precisa também ser extinta para presidente da República e governador de Estado. A conveniência do segundo turno é outra questão a discutir. Além destas, há que pensar muito na utilidade do voto obrigatório. Melhor do que obrigar o eleitor a votar contrariado seria criar um clima positivo para que ele tivesse interesse em comparecer e eleger o candidato de sua preferência. Isso faria muito bem ao Brasil.

 

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

PETISTAS NÃO VOTARAM

A abstenção às urnas cresceu mais ainda em relação ao primeiro turno porque os petistas se recusaram a votar! Quer dizer: se e onde o PT não concorre, petista não vai às urnas? Sabe-se que até o ex-presidente Lula não quis votar. Que expressão de consciência mais antidemocrática!

Mara Montezuma Assaf Montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

RECADASTRAMENTO

Muito se tem falado sobre a crescente ausência dos eleitores nas eleições, entretanto, há um fator, agora comprovado, que é a atualização da situação por morte e que não ocorre, ou seja, o eleitor não comparece porque morreu. Com a obrigatoriedade do recadastramento para a isometria, foi constatado isso.

Guilherme H. Filho guilherme.hernandez@amcham.com.br

Santos 

                                                                                                     

*

QUADRO CONFUSO

Encerradas as eleições municipais, os especialistas devem estar com grande dificuldade para encontrar explicações para o novo quadro político. E não se podem levar em consideração apenas os votos válidos. Os votos nulos e brancos, somados à abstenção, mostram que houve um decréscimo no nível político e, o mais grave, na base, no município. Mas fica clara uma questão, que os pretensos candidatos ao cargo maior, tanto governadores como a Presidência, se preocupem, pois o quadro está efetivamente muito confuso. Os próximos meses vai mostrar a realidade.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

ESCOLAS OCUPADAS

Alunos ocupam escolas pelo País protestando contra a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 241 e contra a reforma do ensino médio. As manifestações são livres e fazem parte da democracia, desde que não interfiram nos direitos daqueles que pensam de modo contrário. A PEC 241, que prevê um teto para os gastos públicos, já foi aprovada em dois turnos na Câmara dos Deputados e, certamente, para o bem do Brasil, será sacramentada no Senado. O ensino médio, que precisa ser urgentemente modificado para se tornar mais atrativo, sofrerá mudança salutar a partir de 2018. Portanto, ocupar escolas é simplesmente um ato de rebeldia de estudantes manipulados por determinados partidos políticos e por entidades de professores esquerdistas.

José A. Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

RIGOR CONTRA OS INVASORES

O Brasil assiste calado às ocupações das escolas estaduais no Paraná. Onde está o Ministério Público, que não toma uma atitude? Essa conta deveria ser debitada para a União Nacional dos Estudantes (UNE) e demais sindicatos que apoiam tal invasão. Não é possível o povo pagar por um gasto que não fez. Punição exemplar aos desordeiros que destroem as escolas, perda do ano letivo, proibição de participação no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e cobrança do vandalismo aos familiares desses jovens. Se querem protestar, que protestem, mas não destruam o patrimônio público nem prejudiquem quem quer estudar. Em país sério estes vândalos iriam conhecer o rigor das leis.    

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

A FACE DA JUVENTUDE ESTUDANTIL DO PAÍS

Estarrecido (aprendi a me estarrecer ouvindo os discursos bestialógicos de dona Dilma Rousseff) com a foto estampada na primeira página do "Estadão" de sábado (29/10), de alunos secundaristas do Paraná, todos mascarados e fantasiados de black blocs, Jason e Darth Vader, entre outros heróis idiotas e imbecilizados dos tempos que correm, a posarem de revolucionários-petralhas-esquerdopatas-revolucionários-do-caos, a "fazer segurança" do colégio Guido Arzua, após tentativa de estudantes inimigos (talvez  por eles considerados como milicianos-secundaristas-destropatas-reacionários) de reocupação daquela escola invadida, dardejando olhares furiosos para a câmara fotográfica. Este é o resultado do estado de galhofa e de fancaria a que chegou o nosso país, após 13 anos de dois desgovernos (o primeiro, liderado por um sindicalista semianalfabeto; e o segundo, por uma sociopata destrambelhada), ambos padecentes de insidiosa moléstia tupiniquim: a esquerdopatia-petralha-septicêmica, também conhecida como socialismo-revolucionário-de-galinheiro. Não deveria mais me "estarrecer" com essas carantonhas, tendo em vista já ter aprendido a conviver com as fácies (sem máscaras) de Michel Temer, Renan Calheiros, Rodrigo Maia, Eduardo Cunha, Antonio Palocci, José Dirceu, Lula, Dilma, João Vaccari Neto, Delúbio Soares, Ideli Salvatti, Gleisi Hoffmann "et caterva". Só tenho mesmo é de lamentar a injustiça que fizeram com o antropólogo e criminologista italiano Cesare Lombroso (1835-1909), adepto da fisiognomia (a arte de conhecer o caráter dos indivíduos a partir de suas feições), cientista do século 20 que teve rejeitadas pela academia, por preconceituosas, suas teses sobre os indivíduos lombrosianos. Fosse o Brasil um país justo, homenagearia Cesare Lombroso com uma estátua na Praça dos Três Poderes, em Brasília.

Ruy Tapioca ruytapioca@gmail.com

Rio de Janeiro

*

O FUTURO DA NAÇÃO

No sábado, 29/10, resolvi fazer algo diferente, que eu nunca tivesse feito: comprei um jornal. Deparei-me com a primeira página de "O Estado de S. Paulo" e a foto que mostrava indivíduos encapuzados. Logo pensei que se tratava de uma notícia sobre o Oriente Médio, mas me enganei, era sobre as ocupações nas escolas de Curitiba. Os alunos estão tentando trazer melhorias para a educação, logo, concordo com os atos deles. Na História, conseguimos perceber que mudanças ocorrem com atitudes ousadas. Os estudantes são o futuro do País. Devemos nos orgulhar da atitude deles, pois nos mostra que o futuro da Nação está em boas mãos.

Ícaro M. dos Santos icaro_martins98@hotmail.com

São Paulo

*

DEPOIS DE LUCAS EDUARDO ARAÚJO MOTA

Uma juventude que permanece impassível diante da morte representa a juventude hitlerista, dominada por seus falsos líderes. Assim começou o nazismo.

José Paulo Cipullo j.cipullo@terra.com.br

São José do Rio Preto

*

'PELO IMPÉRIO DA LEI'

Caso aprovada a nova lei de abuso de poder, defendida em editorial do "Estadão" de sábado (29/10), há de se exigir que a primeira providência a ser tomada com base nela seja a extinção da Polícia do Senado, uma excrescência típica de autoridades autoritárias que parasitam nosso país. Uma milícia, como muito bem colocou o jurista e brilhante professor Modesto Carvalhosa em artigo publicado também no sábado no "Estadão".

Tiago Ferrentini tamf@referenciagrafica.com.br

São Paulo

*

ABUSOS DE PODER

Brilhantes os comentários de Modesto Carvalhosa ("A milícia de Calheiros e o abuso de poder") e de Rubens Figueiredo ("Enfrentemos as bandeiras vermelhas"), no "Estadão" de 29/10. Colocam de forma cabal do que as pessoas de bem e desejosas de um Brasil melhor para todos devem comungar. São os abusos de poder, tanto do Legislativo quanto do Judiciário (lembram-se do recente caso do fatiamento da decisão do afastamento definitivo da "gerentona", quando o sr. então presidente do Supremo induziu os senadores ao resultado?). As palavras de ambos colocam de maneira clara o que não deva ser praticado pelos mandantes de plantão dos poderes. Ainda temos esperança de melhores dias quando vimos pensamentos como estes. Salvem o Brasil, nossos filhos e netos agradecerão.

Pedro L. Sanches pedrolojusan@gmail.com

Limeira

*

A MILÍCIA DE RENAN

Modesto Carvalhosa, em seu artigo no "Estadão" de sábado, além de nomear a polícia particular de Renan Calheiros no Senado de "milícia", dá uma aula de Constituição que deveria deixar os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) envergonhados. Cita a Constituição de 1988, que proíbe em qualquer parte do território nacional que se crie uma polícia própria, como acontece no "Senado de Renan Calheiros". Se os ministros do STF fizessem uma autoavaliação, voltariam às salas de aula para lembrar que cabe a eles julgar e salvaguardar nossa Constituição, não adaptá-la ao governo e aos políticos da vez. Eu estaria envergonhada e entregaria minha toga impoluta, mas como eles se julgam acima de tudo e todos...

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

A POLÍCIA E A CONSTITUIÇÃO

O advogado Modesto Carvalhosa foi muito feliz ao definir em seu artigo publicado no "Estadão" que os quatro membros da polícia legislativa que foram presos pela Polícia Federal na Operação Métis fazem parte da "milícia" do presidente do Senado, Renan Calheiros. Isso porque, ao autorizar esta polícia do Senado a fazer varreduras de supostos grampos instalados nas residências de senadores, inclusive do ex-senador José Sarney, como bem afirma o citado articulista, Renan comete "abuso de poder". E exatamente sobre essa matéria Renan quer colocar em votação no Congresso uma nova lei, como retaliação, para penalizar agentes do Ministério Público Federal e da Polícia Federal. O objetivo único é intimidar investigações como a Lava Jato, em que inclusive o próprio Renan é investigado e está muito próximo de se tornar réu. Para confirmar a ilegalidade de atuação desta polícia legislativa fora das dependências do Senado, Carvalhosa cita a Constituição de 1988, em que "somente podem compor o organograma da segurança pública constitucional a Polícia Federal (incluindo a Rodoviária e a Ferroviária) e as Polícias Civis e Militares, dos Estados, incluindo o Corpo de Bombeiros". Ou seja, o presidente do Senado, que já tem 11 inquéritos contra si aguardando julgamento no STF, deveria também responder por abuso de poder.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

'A MILÍCIA DE CALHEIROS E O ABUSO DE PODER'

Qualquer elogio é "modesto", porque o artigo é de uma solidez "carvalhosa". Não sou um perito, apenas um leitor do "Estado", e posso dizer que é um legítimo e autêntico Modesto Carvalhosa. É mais do que um artigo, é uma grife com as digitais de Modesto Carvalhosa. Grafo! Grave! Grife! É um artigo que melhora o jornal "Estado", que melhora o nosso Estado de ânimo, que melhora o Estado de Direito e, finalmente, melhora o Estado brasileiro.

Enéias Florêncio Domingues eneiasflorencio@hotmail.com

São Paulo

*

SENADORES SOB O IMPÉRIO DA LEI

Tem toda a razão o professor Modesto Carvalhosa em seu artigo publicado no "Estadão" do dia 29/10. A milícia a serviço dos senadores investigados, e até de ex-senadores igualmente sob investigação, funciona à margem da Constituição e constitui-se hoje em verdadeira organização criminosa, a ocultar e destruir provas de interesse de investigações legalmente conduzidas pelo Poder Judiciário, por provocação igualmente legítima do Ministério Público, e conduzidas, ao amparo da lei, pela Polícia Federal. De Renan Calheiros nada mais nos surpreende, desde a pensão alimentícia paga por empreiteiros e a renúncia ao mandato para escapar à cassação. Chocante, porém, é que um ministro do STF dê guarida aos esperneios de senadores desesperados por se verem submetidos ao império da lei. Como disse o professor Carvalhosa, "que vexame, que vergonha!"

Eduardo Spinola e Castro  3491esc@gmail.com

São Paulo

*

CUMPRIMENTOS

Meus cumprimentos aos leitores do "Estadão" que, na edição de ontem (31/10), elogiaram o primoroso artigo do jurista e professor Modesto Carvalhosa ("A milícia de Calheiros e o abuso de poder", de 29/10, A2), especialmente a carta do também jurista e professor sr. Adilson Dallari, comentando a entrevista de Conrado Hübner. Espera-se, enfim, que a ministra Cármen Lúcia recoloque a nossa mais alta Corte de Justiça no elevado patamar onde ainda palpita viva a esperança da nação brasileira. 

Newton De Lucca desnewtondelucca@gmail.com

São Paulo

*

MUDANÇAS TRABALHISTAS

A respeito das sugestões de alteração na legislação trabalhista que vêm sendo defendidas por especialistas e que foram abordadas pelo "Estadão" de domingo (30/10), é importante destacar que muitas propostas vão de encontro ao texto constitucional e violam direitos fundamentais dos trabalhadores previstos no art. 7.º da Constituição da República. Como exemplo, pode-se citar o direito dos empregados em receber adicional por trabalho em condições insalubres e periculosas, indenização pela dispensa imotivada, jornada de trabalho máxima de 44 horas semanais e 8 diárias, prazo prescricional para ajuizar demandas trabalhistas, etc. Não se discute que as leis trabalhistas no Brasil precisam ser revistas e modernizadas, porém não se pode esquecer, de igual sorte, que as mudanças precisam observar a Carta Magna do País, sob a pena de haver um desvirtuamento completo da ordem constitucional. Perder tempo discutindo projetos de lei que sabidamente afrontam o disposto no art. 7.º da Constituição federal, com a máxima vênia, não parece ser a solução correta para resolver as questões trabalhistas no País. Além disso, temas como a prevalência do "negociado" sobre o "legislado" e jornada de trabalho especial no sistema 12 x 36 não necessitam de alteração legislativa, posto que já consagrados em nosso ordenamento jurídico (art. 7.º, XXVI, da Constituição, e Súmula 444 do TST, respectivamente). Bastaria, nestes casos, que os magistrados trabalhistas passassem a aplicar a lei e a observar a jurisprudência dominante dos Tribunais Superiores. 

Gabriel Henrique Santoro santoro.gabriel@uol.com.br

São Paulo

*

PARCIALIDADE TRABALHISTA

A confissão do presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST) sobre pender a Justiça Trabalhista para os empregados (30/10, B1 e B3) é difícil de assimilar, não é?

José C. de Carvalho Carneiro carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro

*

JUSTIÇA DO TABALHO

Os trabalhadores receberam R$ 8 bilhões nas homologações, mas o governo (contribuintes) gastou R$ 17 bilhões. Se o governo assumisse os pagamentos, economizaria R$ 9 bilhões e os empregadores, os R$ 8 bilhões. É inadmissível manter uma estrutura dessa. Haja PEC.

Odomires Mendes de Paula odomires@abrampe.com.br

Uberlândia (MG)

                

*

A 'CIDADÃ'

A Constituição federal foi intitulada de "cidadã" pelos seus arquitetos em 1988, ano da promulgação. Com somente 28 anos de sua vigência, o Brasil vive uma situação de crise em vários setores da vida nacional e a sociedade implora por reformas de natureza política, econômica, fiscal, tributária, trabalhista, da Previdência e de controle de gastos públicos, todas necessitando da aprovação de Propostas de Emenda Constitucional (PECs), processo paquidérmico e dispendioso, uma vez que precisa tramitar pelo Congresso, um dos mais caros do mundo. Onde foi que se errou na elaboração do documento? Revelou-se engessante? Populista, na medida em que procurou atender aos interesses de grupos em detrimento dos da sociedade como um todo? O fato é que o País se mostra quase ingovernável, com as ambiguidades e conceitos arcaicos de sua Carta Magna. Urge que a "cidadã" atenda com mais eficiência aos anseios dos cidadãos.

Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

*

A TRAGÉDIA DE MARIANA

Faz um ano que uma sequência de equívocos levou o Brasil a sofrer o pior desastre ambiental de sua história: o rompimento da barragem de rejeitos da Samarco na cidade de Mariana (MG). 19 pessoas mortas e o Rio Doce irremediavelmente contaminado pela lama tóxica que era armazenada na tal barragem. Os equívocos começaram quando alguém achou que poderia armazenar lixo tóxico em quantidades cada vez maiores até o dia do juízo final. Pior que isso é que as agências que deveriam cuidar do meio ambiente autorizaram a construção de uma barragem precária para conter milhões de toneladas de lixo tóxico - quando a barragem encher, faz-se um puxadinho e continua-se a jogar lama tóxica ali, tudo devidamente autorizado pelo Ibama e por demais órgãos reguladores. É intolerável que este modelo fracassado esteja se repetindo, com a construção de novas barragens em Mariana. Ninguém parou para pensar, buscar alguma alternativa, tratar os rejeitos, separar os metais pesados da lama, utilizar a lama de alguma forma, a única coisa que se enxerga é como ganhar o máximo de dinheiro gastando o mínimo, e o meio ambiente que se dane. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

A TUMBA DE JESUS

A tumba de Jesus é aberta após 461 anos. É um projeto de restauração da Igreja do Santo Sepulcro que conta com apoio de líderes das três denominações religiosas que têm controle sobre o local, o rei da Jordânia Abdullah II, que doou cerca de US$ 1,3 milhão para o projeto. Trata-se de um projeto ousado de US$ 3,4 milhões. Mas o túmulo precisa de reformas há muitos anos, sofreu danos após um terremoto em 1927. Sem dúvida, um projeto como este causa comoção entre os fiéis, embora não se tenha a certeza concreta de que seria aquele o local onde o corpo de Cristo esteve durante três dias, pois lá mesmo em Israel há uma gruta que denominam o local onde fora sepultado Jesus, o Cristo, e na parede há uma inscrição em hebraico que diz: "Ele não está mais aqui!", pois a gruta é aberta ao público de modo que todos possam entrar, e há séculos há essa inscrição, justamente para barrar qualquer tipo de idolatria que poderia surgir, ou qualquer tipo de peregrinação. Há quem diga que o tesouro inestimável que a Igreja guarda nem é um túmulo. Além da reforma, haverá um documentário gravado, pois o de 2012 gerou muita polêmica, e talvez acreditem que isso servirá para aumentar a fé e o carisma dos fiéis cristãos.

Reinaldo Torres torres.reinaldo@hotmail.com

Cosmópolis

*

MAIOR AQUÁRIO DA AMÉRICA LATINA

Sobre a matéria "Tubarão é 'mimado' no futuro AquaRio" (30/10, A29), mais um dos contrastes típicos que ocorrem em nosso país: vários animais do tradicional zoológico do Rio de Janeiro, carentes de assistência e vitimados pela fome, foram roubados, e, ao que parece, nada tem sido feito de forma concreta - para não falar no claro desrespeito às leis de proteção aos animais. Sabemos que  este aquário é de propriedade particular, mas a pergunta que fica é: ele será fiscalizado da mesma maneira que o zoo o foi?

Vera Bertolucci veravailati@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.