Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

09 Novembro 2016 | 05h09

GOVERNO TEMER

Desperdício do erário

O governo Temer está seguindo o velho ditado: faça o que eu digo, mas não o que eu faço. Absolutamente injustificável e ilegal a ocultação das despesas com os cartões corporativos, o uso injustificado de aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) por ministros e outros servidores, o aumento dos gastos com publicidade, o aumento de salários de alguns servidores. E agora ainda inventa de gastar, sem licitação, meio milhão de reais num show de samba, em plena segunda-feira, para 600 convidados, entre eles o próprio presidente e a primeira-dama. Michel Temer faz belos discursos dizendo que vai cortar na própria carne e que não chegou ao poder para perseguir trabalhador, mas a realidade tem demonstrado que o que ele fala não condiz com os fatos. O assalariado brasileiro espera um mínimo de humanidade e decência do governo, visto que eliminamos necessidades básicas da família, enquanto o governo desperdiça e faz festas com dinheiro público. Notadamente ninguém espera justiça neste país, visto que somente o juiz Sergio Moro teve coragem de enfrentar os poderosos corruptos. Assim só nos resta aguardar a implacável e infalível justiça divina.

DANIEL MARQUES

danielmarquesvgp@gmail.com

Virginópolis (MG)

Não pode ser verdade

Michel Temer, que vem fazendo um esforço hercúleo para que a PEC 241 seja aprovada, chegando a oferecer jantares palacianos para obter sucesso nas votações e equilibrar as contas do País, de uma hora para a outra e sem nenhuma urgência gasta mais de meio milhão de reais para homenagear o samba?! Ele que se cuide, pois quem pode “sambar” é o próprio, que nem se dignou a promover uma licitação pública para a festa. Cruz, credo!

JÚLIO ROBERTO AYRES BRISOLA

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

Farra do boi

O Brasil está como aquele boi lançado nas ruas, do qual todos tiram uma casquinha e no final acaba sucumbindo a tantas maldades a ele impostas. Assim fez o PT, que destruiu o País com suas falcatruas e incompetência. E agora, mesmo com o novo governo, que assumiu após a retirada do poder da sra. Dilma Rousseff, continuamos a saber que a farra segue em diversas áreas, como gastos com os cartões corporativos, viagens e mais viagens dos srs. ministros em jatinho da FAB simplesmente para irem para casa e voltarem para Brasília – no mais das vezes, locais para onde sabemos existir ponte aérea de hora em hora. O povo brasileiro deveria voltar às ruas para exigir que o governo acabe com essas bandalheiras de gastos. O Brasil está quebrado!

URIAS BORRASCA

urias@mercosulrefratarios.com.br

Sertãozinho

Revoada de ministros

Que tal queimar combustível em Tucanos de combate, para patrulhamento permanente das fronteiras secas e da mata amazônica, coibindo contrabando, em especial de armas e drogas, e desmatamento criminoso, em lugar de prosseguir com a nem sempre justificada, mas sempre onerosa revoada de ministros, denunciada pelo Estadão?

EDUARDO MENEZES SERRA NETTO

decimoserranetto@uol.com.br

São Paulo

Ajuste fiscal

O Brasil é o país dos direitos. Todos queremos preservar os nossos direitos adquiridos, mas não queremos nem saber quem pagará a conta, desde que não seja “eu”. Não se pensa que as gerações futuras herdarão um país arrasado, sem perspectiva de nada além da miséria e do populismo, que tanto mal já nos trouxe nestes últimos anos. Sem seriedade e responsabilidade jamais seremos o país do futuro, ou melhor, seremos eternamente o país do futuro sem que este jamais chegue. Esperamos que haja seriedade e serenidade na busca de novos caminhos, porque esses que experimentamos até agora não nos levaram a nada senão à miséria em todos os sentidos, mas principalmente moral.

PAULO ROBERTO M. BERTÃO

prbertão@gmail.com

Palmital

RECEITA FEDERAL

Cegueira seletiva

Em minha roda de amigos há vários que caíram na chamada malha fina da Receita Federal. E todos, sem exceção, por valores pequenos ou erros de lançamentos em suas declarações de renda. Há anos a Receita vem aprimorando seus controles, o que torna quase impossíveis a sonegação e os enganos sem que sejam imediatamente identificados e cobrados pelo órgão. Uma vez que tais ferramentas são utilizadas severamente contra os pequenos e médios contribuintes, levanta-se a questão: com todos os bilhões – sim, bilhões! – desviados, roubados, enviados para o exterior pelas quadrilhas de políticos e empresários, muitos deles envolvidos na Operação Lava Jato, além de outras falcatruas que provavelmente lesaram bancos estatais (o BNDES entre eles), a Receita nunca viu nada? Não teve a capacidade de identificar tais desvios? Difícil acreditar. Como cega ela não é, só resta a alternativa de ser seletiva.

HELEO POHLMANN BRAGA

heleo.braga@hotmail.com

Ribeirão Preto

PC DO B

Fator de instabilidade?

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), afirmou em entrevista ao Estado (7/11) que “a esquerda precisa parar de olhar para trás e começar a olhar para a frente”. Na sequência, qualificou a Lava Jato com fator de “instabilidade institucional”. De fato, esse pessoal parece não ter aprendido nada com as apurações do maior desvio de recursos públicos de que se tem notícia. Eles enxergam apenas seus interesses espúrios.

ELIAS MENEZES

elias.natal@hotmail.com

Belo Horizonte

Esquerda em frente

De onde menos se espera é que não sai nada mesmo. Desculpem a assertiva, mas foi o máximo que pude inferir da entrevista do governador do Maranhão e prócer do Partido Comunista do Brasil (PC do B), com a brilhante e antiquíssima ideia das esquerdas de atuarem em frente com todas as suas idiossincrasias. Marx, Lenin, Stalin e o “garoto” Gramsci pregavam isso no século passado. E acham que estão andando para a frente!

MARCO ANTONIO ESTEVES BALBI

mbalbi69@globo.com

Rio de Janeiro

JOÃO DORIA

Doação do salário

Para registro histórico: não é inédita a intenção do prefeito eleito de São Paulo, João Doria, de doar seus salários a entidades beneficentes. Na década de 1960, o prefeito de São Carlos, o industrial Antônio Adolpho Lobbe (avô, aliás, do deputado tucano Lobbe Neto), fez isso durante todo o seu mandato.

PAULO REALI NUNES

paulorealinunes@gmail.com

São Paulo

“E a farra continua. Trabalhem mais, brasileiros!”

JONAS DE MATOS / SÃO PAULO, SOBRE OS VOOS DA FAB PARA ATENDER OS MINISTROS

jonas@jonasdematos.com.br

“... um marajá tem de escolher entre liderar seu povo e limpar o rastro de sujeira de seus elefantes”

ADILSON MENCARINI / GUARULHOS, SOBRE O GOVERNO DE MICHEL TEMER E SUAS VIAGENS NÃO EXPLICADAS

adilsonmencarini@uol.com.br

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

A MORTE DA ESQUERDA BOLIVARIANA

Em notícia de rodapé no jornal, há poucos dias, apareceu Lula, de boné do MST, prestando solidariedade ao Movimento dos Sem Terra em Guararema (SP). A proposta: costurar um amplo movimento nacional para restaurar a democracia. Restaurar o quê? Reunidos na Escola Nacional Florestan Fernandes, voltada para a formação de militantes (isso mesmo!), estavam representantes do PT, PCdoB, PSTU e PSOL, além de sindicalistas. Todos reclamaram do impeachment de Dilma Rousseff, "puro golpe", e da agenda de Michel Temer, é óbvio, desde que a mesma está fechando as torneiras das tetas que amamentavam todos eles. Para arrematar, Lula pincelou, com ares de Nicolás Maduro, dizendo que tudo o que está acontecendo no Brasil, na Argentina, na Venezuela, no Uruguai e na Bolívia é culpa dos Estados Unidos. Comemoremos, ouvimos só o ruído da sororoca da morte da esquerda bolivariana no Brasil. 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

DEMOCRACIA

O Congresso Nacional deveria fazer uma lei que proibissem PT, PSOL, PCdoB, Rede, PSTU, PCB, dissimuladamente socialistas e comunistas, de falar a palavra "democracia". Estes retrógados não sabem o que ela significa. E não tentem explicar, mediocridade não tem cura.

Benjamin Wolak bwolak@terra.com.br

São Paulo

*

LULA E A ESQUERDA

"Um comunista é aquela pessoa que sempre pensa ser o dono da verdade" (Lula, em 1979). Continua coerente até hoje: "Eu sou liberal, na política sou um pouco pragmático, sou muito realista entre o que eu sonho e o que é a política real" (Lula, 2016). Então Renato Janine Ribeiro comenta: "Um traço forte da esquerda é o suicídio! Por exemplo: muitos acadêmicos foram contra a conciliação de classes feita pelo Lula, porém a vida de acadêmicos é bem melhor que a vida real do trabalhador ou a do desempregado, ou seja, se Lula não tivesse feito as coalizões que fez, então os intelectuais e ideólogos de esquerda ficariam felizes, porém o povo mais pobre deste país, trabalhadores, não teria melhorado de vida, como melhorou com Lula".

Wellington Anselmo Martins am.wellington@hotmail.com

Bauru 

*

TRISTE FIM

Lula sem dúvida foi uma das figuras mais importantes da história recente do Brasil. O corajoso líder sindical que mudou a face da relação trabalho-capital fundou um partido, foi deputado e presidente. Devia ter saído da Presidência no auge da popularidade e ter ficado quieto. Entraria para a história como estadista. Mas não, resolveu chefiar a organização criminosa nazipetista, viu seus pares serem presos (e ainda muitos a serem) e seu partido definhar. Agora, faz discursos sem sentido. Agora, faz papel de idiota. Que pena. Triste fim.

André Coutinho arcouti@uol.com.br

Campinas

*

SALVAÇÃO DO PT

Está fácil salvar o PT da ruptura, basta convocar Zé Dirceu, Genoíno, Vaccari Neto, Delúbio e Dilma como estrategistas, João Santana e Mônica Teixeira na coordenação e Lula, o "grande", como presidente do partido.

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

O TRIO NA PRIMEIRA INSTÂNCIA

O ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha incluiu os nomes do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do atual presidente da República, Michel Temer, como suas testemunhas de defesa. Cunha mostrou que não está de brincadeira e que vai lutar com todas as armas para se defender das acusações de corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Cunha é acusado de ter recebido US$ 1,5 milhão numa conta na Suíça, entre outras denúncias. A 13.ª Vara Federal de Curitiba tem sido um tormento permanente na vida dos políticos brasileiros, nos últimos 30 meses.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

*

PALESTRAS

O povo brasileiro gostaria de saber do palestrante mais honesto do mundo, o sr. Luiz Inácio Lula da Silva, quantas palestras ele realizou nos últimos 12 meses, e, se possível, caso tenham ocorrido, os locais e os temas tratados. Parece que amigos em Curitiba resolveram aguardá-lo ansiosamente, a fim de que possam novamente curtir momentos únicos de ensinamentos e saber, inclusive o juiz Sérgio Moro.

Mario Miguel mmlimpeza@terra.com.br

Jundiaí

*

ESCOLAS INVADIDAS

Afinal, invadir, ocupar e interditar uma escola pública impedindo o direito constitucional dos estudantes de acesso à educação é crime ou não é crime? O Código do Processo Penal (CPP), em "Dos crimes contra a prestação de serviços públicos", descreve como crime de ocupação de prédio público, no artigo 359-A: "Ocupar, irregularmente, ainda que parcialmente, prédio ou instalações públicos, ou neles permanecer sem autorização, perturbando ou impedindo as atividades neles desenvolvidas". Define a pena: reclusão, de um a dois anos. Esta situação atual, de centenas de escolas ocupadas Brasil afora, tem de ser resolvida com urgência, sob pena de omissão e prevaricação do poder público. Milhares de estudantes estão aguardando uma atitude do poder público para ter garantido seu direito constitucional de acesso à educação (Constituição federal de 1988, artigo 205). A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho (artigo 206). O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios igualdade de condições para o acesso e permanência na escola.

Vagner Ricciardi vb.ricciardi@gmail.com

São Vicente 

*

EDUCAÇÃO ABANDONADA

A única coisa que os 13 anos de governo do PT ensinaram nas escolas foi como não estudar nem aprender, só politizar. 

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

POLITIZAR SIM, PARTIDARIZAR NÃO

Quer dizer, então, que o governo federal decide fazer uma reforma curricular no ensino médio por meio de medida provisória, isto é, sem nenhuma discussão com a sociedade, e espera que as pessoas aceitem sem nem sequer questionar? Seria possível elaborar uma lista extensa destrinchando as razões para criticar de forma contundente a atitude do novo governo e apoiar as ocupações das escolas em curso em todo o Brasil. Inicialmente, uma mudança desta magnitude, com potencial de afetar gerações, deve, de partida, ser fruto de intenso e aprofundado debate com a sociedade, professores, estudantes e especialistas em educação. Os aspectos apontados pelo projeto governamental como cruciais para melhorar a educação estão longe de ser consenso. Em segundo lugar, ainda vivemos, ao menos teórica e oficialmente, numa democracia. Não há como descrever a postura do governo neste caso senão como, no mínimo, autoritária. Ademais, quem comanda a pasta da Educação é Mendonça Filho. Mendonça não deve perder de vista que o projeto político que ele representou nas últimas eleições gerais foi derrotado nas urnas. Com que legitimidade o ministro tenta, agora, empurrar uma reforma educacional goela abaixo, se ele não é nem mesmo legítimo representante da vontade da maioria dos brasileiros? Enquanto o governo não se mostrar aberto ao diálogo, as ocupações nas escolas constituem, sim, um movimento necessário para mostrar o descontentamento da sociedade civil em relação a medidas autoritárias de um gabinete, para muitos, ilegítimo. Há que tomar cuidado apenas para que não se partidarize um movimento que deve ser somente politizado. Qualquer tentativa de partidos de assumir, liderar ou controlar o movimento de ocupações só servirá ao jogo do governo de descaracterizar o real intento das reivindicações dos estudantes.

Jefferson Tavares jefftavaresjunior@gmail.com

Juazeiro do Norte (CE)

*

CRÍTICAS

As recentes manifestações de estudantes ocupando alguns estabelecimentos de ensino em várias Estados têm merecido críticas com as mais diferentes alegações. Mas não se observa nenhuma crítica aos motivos principais das manifestações, quais sejam, a má qualidade do ensino na área pública e a falta de planejamento e de investimentos na estruturação envolvendo o professorado e os demais funcionários. Para completar, as medidas que o atual governo está anunciando com a PEC 241 podem aumentar ainda mais as dificuldades nesta área, que é tão importante. Por que não são feitas autocríticas pelos mais diferentes setores da sociedade, cuja ação poderia influir para a melhoria do ensino?

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

VERDADES SONEGADAS

Boa parte da nossa imprensa tem sido desonesta ao informar e comentar a ocupação de prédios escolares em todo o País por estudantes secundaristas. Duas verdades básicas têm sido sonegadas à população, tanto pelos jornais da TV quanto pelos jornais impressos: a de que os ocupantes são uma minoria gritante dos alunos de cada escola; e a de que o movimento é liderado por estudantes militantes de partidos de esquerda, como PT, PCdoB, PSTU e PSOL. A presença deste pessoal é tão ostensiva que nos permite suspeitar de que a grita toda não passa de represália contra o impeachment de Dilma Rousseff e a Operação Lava Jato.

Euclides Rossignoli euclidesrossignoli@gmail.com

Avaré

*

ALIENADOS E MANIPULADOS

Perplexidade é a palavra correta para definir a ocupação dos estudantes das escolas públicas Brasil afora. Há cerca de 15 dias, quando os estudantes tomaram o centro de São Paulo, onde se situa a Escola Caetano de Campos, Praça da República, confluência com as Avenidas Ipiranga e São Luís, passei pelo local. Caos completo no já caótico trânsito de São Paulo. Estacionei nas proximidades, já que meu destino era a Rua da Consolação, próximo ao cemitério. Eu estava num bar, aguardando o descongestionamento dissipar, quando dois jovens de aproximadamente 16 anos, que participavam do movimento, entraram para comprar água. Então perguntei: Qual o motivo da paralisação? Eles, em uníssono, responderam: "Não sei não, mas o bom é que não estamos tendo aulas nem vamos ficar com faltas". Perguntar mais o quê? Depois dizem que o Enem foi difícil.

Carlos B. Pereira da Silva carlosbpsilva@gmail.com

Rio Claro

*

TIRO AO ALVO

Sugestão para uma nova matéria a ser ministrada para os estudantes que insistem em ocupar as dependências de suas próprias escolas: tiro ao alvo, para que ninguém perca o ano acidentado por atirar no próprio pé.

Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

PELEGOS

Os grandes responsáveis pelos prejuízos do Enem são os próprios estudantes que relegaram a direção de seus órgãos de classe a pelegos sem escrúpulos. 

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

COVARDIA

Sobre a ocupação das escolas, somente um governo tão pusilânime permite que tão poucos radicais inconsequentes prejudiquem tantos colegas, com tantos reflexos no longo prazo. 

 

Aléssio Ribeiro Souto souto49@yahoo.com

Brasília

*

A CORAGEM PASSA LONGE

Não é por falta de apoio da sociedade organizada, não é por falta de torcida - salvo de algumas quadrilhas do tipo PT, PCdoB e PSOL, que, perdidas por tudo, aderiram ao "quanto pior melhor". Michel Temer não governa o País com a coragem e a seriedade necessárias. O País está acéfalo, a baderna começa a se generalizar de Norte a Sul, de Leste a Oeste. As escolas públicas foram invadidas por um bando de idiotas úteis a serviço da bandidagem que perdeu a boquinha dos cofres públicos. O que se vê é uma minoria ditando as regras para uma maioria, isso para não falar dos transtornos causados a essa maioria, além do cerceamento aos direitos garantidos na Constituição. O jornal "O Estado de S. Paulo" trouxe no domingo uma importante revelação sob o título "Farra das passagens". A matéria está em página interna - na minha opinião, deveria ser matéria de primeira página. O ministério do presidente Temer tem 9 ministros envolvidos em roubalheira do dinheiro público. A Procuradoria Regional da República (PRR1) anunciou que vai enviar ao Supremo Tribunal Federal (STF) lista com nada mais, nada menos que 443 "políticos", parlamentares e ex-parlamentares, leia-se ladrões do erário com foro privilegiado, senadores, deputados, funcionários do Tribunal de Contas da União (TCU), governadores de Estado, uma excrescência nacional. Porém o que mais revolta e desanima o mais otimista cidadão com relação ao desempenho dependente do atual governo é a leitura da seguinte lista, em que oito ministros do governo Temer são investigados no caso: Eliseu Padilha (PMDB-RS/Casa Civil), que foi deputado federal (2003-2015), Bruno Araújo (PSDB-PE/Cidades), Leonardo Picciani (PMDB-RJ/Esporte), Maurício Quintella (PR-AL/Transportes), Fernando Coelho Filho (PSB-PE/Minas e Energia), Sarney Filho (PMDB-MA/Meio Ambiente), Ricardo Barros (PP-PR/Saúde), Mendonça Filho (DEM-PE/Educação) e Raul Jungmann (PPS-PE/Defesa). Os outros, mais de 400 denunciados, ocupam ou ocuparam a fossa chamada de Congresso Nacional, um verdadeiro esgoto no Planalto Central, que recebe gente sem caráter de todo o País, dá treinamento, analisa cuidadosamente o perfil de cada um e, em seguida, entrega a peça já polida ao Executivo para as suas respectivas podres funções. O Congresso Nacional hoje não passa de uma pós-graduação para corruptos. É de lá que saem 99% dos vermes que infestam o poder público. Essa organização criminosa comandada durante 13 anos pelo PT e pelo PMDB, e que ainda tem força num Estado por eles aparelhado, está destruindo o País, que hoje se vê diante de um verdadeiro caos resultado de um petismo corrupto e sindicalizado e de um peemedebismo fisiológico e não menos corrupto, que nos presenteou com uma inflação de dois dígitos, juros de 14,25% ao ano, déficit fiscal de R$ 170,5 bilhões, com previsão para um déficit de mais de R$ 200 bilhões no próximo ano, recessão de 3,8% em 2015, os mesmos 3,8% em 2016, ou mais, atualmente 12 milhões de desempregados e 25 milhões ocupando subempregos, caos total na área da saúde e escolas públicas que nada ensinam e são as piores do mundo. As empresas estatais estão quebradas, as instituições, desmoralizadas, e o País, descreditado no exterior.

Humberto de Luna F. Filho lunafreire@falandodebrasil.com.br

São Paulo

*

AS VIAGENS MINISTERIAIS

Sobre a matéria "Ministros ignoram normas em 238 viagens pela FAB" ("Estadão", 7/11, A4) - "titulares da Esplanada usaram aviões oficiais 781 vezes na gestão Temer; em quase 1/3 do total teriam descumprido lei e decreto que restringe a utilização" -, mais uma vez desponta a estrela do governo Temer: Alexandre de Moraes. Estranho o fato de a maior parte dos voos de Moraes terem como destino a capital São Paulo. Sim, pois ele está onde a mídia está. Em 13/6, Alexandre de Moraes participou de audiência para discutir combate à violência contra a mulher, no Ministério Público de São Paulo, pois o tema efervescente, então, era o estupro de uma adolescente por 33 homens no Rio de Janeiro. Em 21/6, o ministro foi a Curitiba encontrar-se com o juiz Sérgio Moro, procuradores e agentes da Polícia Federal integrantes da Operação Lava Jato. Em 5/7, a Lava Jato foi um pouco esquecida, pois Moraes agora se preocupava em estar no Rio de Janeiro, a fim de garantir pessoalmente a segurança durante a Olimpíada. Em 5/8, o secretário estadunidense John Kerry teve desfalcada a sua segurança, porque, de última hora, uma aeronave que transportaria os policiais de elite foi designada para o transporte VIP do ministro da Justiça, Alexandre de Moraes. Em setembro, foi para o interior de São Paulo. Mas um interior "dotado" de aeroporto, Ribeirão Preto, gravar vídeo pedindo votos a vereador do PSDB e vazar importante prisão oriunda da 35.ª fase da Operação Lava Jato, que então se veria, de Antonio Palocci. Sem mencionar a participação em congressos ou simpósios, pois o ministro também é professor de Direito Constitucional. E assim, além de suas idas e vindas "para casa", o ministro da Justiça parece estar em campanha eleitoral permanente. Usa dos recursos da administração como se, por serem "da União", são de ninguém. A "União" não pode reclamar. É mera pessoa jurídica de direito público sustentada pelo povo. E quanto ao povo? Ah, que se dane. E quanto a José Serra e Gilberto Kassab, repito a última afirmação acima pertinente ao abuso de bens que não lhes pertencem.

Andrea Metne Arnaut andreaarnaut@uol.com.br

São Paulo

*

VOOS DA ALEGRIA?

Criticamos duramente a ex-presidente Dilma Rousseff quando as aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB) eram usadas demasiadamente pelo seu governo. Abuso comprovado, Dilma assinou o Decreto n.º 8.432, que restringiu o uso desses aviões pelo primeiro escalão, para viagens a seus domicílios. Então não é justo ficar calado diante da notícia ("Estado", 6/11, A4) de que alguns dos atuais ministros ignoraram as normas em 238 viagens. O presidente da Comissão de Ética da Presidência da República, Mauro Menezes, disse: "Se houver denúncia, nós investigamos e podemos punir". Então não falta mais nada, a denúncia está aí e deve ser investigada. Os ministros negaram qualquer irregularidade e apresentaram seus argumentos; se comprovados, maravilha; se não, que sejam responsabilizados e a opinião pública, informada sobre suas punições. A austeridade imposta pelo governo tem de ser praticada para todos.   

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

*

FARRA AÉREA BRASILEIRA

Como se viu no levantamento feito pelo "Estado", 21 ministros (de 24) do governo Temer ignoram e driblam, sem ao menos corar, as normas de restrição ao uso de aeronaves da Força Aérea Brasileira em seus deslocamentos País afora, muitas vezes nem sequer apresentando justificativas convincentes. É preciso dar cabo a esses voos da alegria, uma verdadeira FAB - Farra Aérea Brasileira. Basta!

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

CORTAR NA CARNE

As declarações do presidente Michel Temer sobre cortar na carne as medidas visando ao controle dos gastos do País podem ter sido muito bem recebidas pelo mercado e pela população. Entretanto, não me parecem convincentes, já que o sentido da frase está incompleto. Cortar na carne, sr. presidente, é acabar com as mordomias dos poderes, enxugar a máquina acabando com os milhares de cargos de "aspones", cortar as despesas pela raiz, dos parlamentares, ministros e mais uma série de servidores que "nadam de braçada" no nosso dinheiro, acabar com os tais cartões corporativos, suspender aumento de salários dos "representantes do povo", etc. Cortar na carne, presidente Temer, é muito mais do que o sr. está anunciando. Tem muito ralo a ser fechado, e não apenas aquele que prejudica os trabalhadores, aposentados e a família brasileira. Tem muito dinheiro ainda sendo desperdiçado, sr. presidente. Faça um pente fino e verá o quanto ainda tem de gordura para ser cortada. A desaposentação foi barrada, presidente Temer, justamente aquela que faria justiça para aqueles que continuaram trabalhando e contribuindo compulsoriamente. Entretanto, o aumento dos salários dos "protegidos" pelas próprias leis foi aprovado e não vai "onerar" os cofres públicos? Deixe de hipocrisia, presidente Temer. Se o sr. quiser realmente sair como herói do País, enfrente isso com seriedade e corte as benesses que ainda grassam pelo País.

Elias Skaf eskaf@hotmail.com

São Paulo

*

MAIS DO MESMO

O governo Michel Temer, após seis meses de gestão, ainda não desaparelhou o Estado, não reduziu despesas, não demitiu cargos de confiança que diziam terem sido colocados pelo PT, não implantou nenhuma lei de combate eficaz à corrupção, não reduziu números de viagens ministeriais, enfim, um tremendo "mais do mesmo". Ainda por cima, torra verbas com publicidade para tentar convencer a população de que a reforma do ensino médio é melhor do que na verdade é, e todos já sabem. Prática muito comum nas gestões do PSDB ao longo dos últimos anos.    

  

Rafael Moia Filho rmoiaf@uol.com.br

Bauru

*

ABUSO DE AUTORIDADE

Viajar em avião da Força Aérea Brasileira (FAB) sem necessidade e muito menos justificativa, isso, sim, é um verdadeiro abuso de autoridade. Vejam a lista dos ministros do governo Temer que tiveram mais deslocamentos aéreos pela FAB sem justificativa no período de 12 de maio a 31 de outubro: 1) ministro Alexandre de Moraes, da Justiça, com 46 deslocamentos; 2) José Serra, ministro das Relações Exteriores, com 43 deslocamentos; 3) Gilberto Kassab, Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, com 21 deslocamentos; 4) Henrique Meirelles, ministro da Fazenda, com 19 deslocamentos; 5) Geddel Vieira Lima, Secretaria de Governo, com 19 deslocamentos; 6) Ricardo Barros, ministro da Saúde, com 16 deslocamentos; 7) Eliseu Padilha, da Casa Civil, com 16 deslocamentos; 8) Bruno Araújo, ministro das Cidades, com 13 deslocamentos; 9) Osmar Terra, Desenvolvimento Social e Agrário, com 9 deslocamentos; 10) Marcos Pereira, ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, com 7 deslocamentos; e 11) Fernando Bezerra Filho, ministro de Minas e Energia, com 7 deslocamentos. Mesmo sabendo que o Brasil está falido, estes ministros, desprovidos de qualquer sentimento cívico, nos dão este vergonhoso exemplo, verdadeira vergonha nacional. Acorda, Brasil, este mal precisa ser cortado pela raiz.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

*

POR QUE NÃO CONFIAMOS

O "Diário do Congresso" denunciou uso de passagens pagas pelo Congresso para familiares dos parlamentares viajarem no Brasil e no exterior em 2009. Tomara que cobrem. Se alguém não sabe por que o povo não cofia nos deputados e senadores, aí está um motivo. Esta é uma das menores safadezas dos senhores parlamentares. Grande parte deles tem processos por roubo do erário e outros "escorregões" que o Supremo Tribunal Federal esconde e não julga.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

VIAGENS SECRETAS

Parodiando o príncipe Hamlet (Shakespeare): "Há algo de podre no reino de Brasília". Por razões que a nossa vã filosofia não consegue alcançar, o deputado Jair Bolsonaro solicitou do Ministério da Defesa justificativas das viagens realizadas em aviões da FAB para Cuba e Venezuela. O que conseguiu?  Uma advertência séria e ainda poderá ser punido se divulgar o conteúdo da resposta, o que torna o assunto de caráter sigiloso. Bolsonaro foi o único deputado que exigiu explicações sobre voos de membros do governo Dilma para países como Cuba, Venezuela e Uruguai, onde ocorreram reuniões misteriosas e ultrassecretas. Seriam os financiamentos de grandes obras como o Porto de Mariel, em Cuba, onde houve transferência de recursos financeiros de forma velada e que exigem clareza para saber se houve danos ao nosso Tesouro. Revelações do ex-presidente uruguaio José Mujica envolvem diretamente a ex-presidente Dilma Rousseff, que teria utilizado informações secretas para convencer o então presidente do Uruguai, único país contrário à suspensão do Paraguai do Mercosul em 2012. São as seguintes as informações solicitadas pelo deputado: 1) relação dos voos realizados pela FAB nos últimos cinco anos nos trajetos Brasil-Cuba, Cuba-Brasil, Brasil-Venezuela, Venezuela-Brasil, Brasil-Uruguai e Uruguai-Brasil, com detalhamento das missões executadas nessas viagens, bem como o motivo do embarque de cada passageiro. O silêncio de Bolsonaro fica por conta de seu apoio à PEC 241, ou será que há gente do atual governo metida neste imbróglio?

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

HOMEM FORTE DA REPÚBLICA

Como é possível que nesta terra tupiniquim um político como Renan Calheiros (PMDB-AL), mesmo respondendo a 11 inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF), por suposto recebimento de propina de empreiteiras e de nossas estatais, ainda mande e desmande nesta República? Como presidente do Senado, Renan, por qualquer ameaça que se apresenta para acelerar as investigações que têm nas costas, deixa literalmente o Palácio do Planalto de cócoras. Assim foi quando a Polícia Federal, por justa razão, prendeu quatro guardas da Polícia do Senado e Renan fez um carnaval ofendendo autoridades e reagiu quando soube que a presidente do STF, Cármen Lúcia, colocaria na pauta da semana passada, como ocorreu, uma ação da Rede Sustentabilidade que poderia lhe comprometer até o cargo como presidente do Senado. Não só o Planalto se arvorou com as ameaças do alagoano, como também tentou buscar um possível adiamento deste julgamento. Porém, como não foi adiado, o ministro Dias Toffoli (ex-petista) fez o serviço para Renan: pediu vista do processo, quando cinco ministros já tinham apresentado seu voto (e, com o posterior de Celso de Mello, foram 6 a 0) a favor de que um réu na linha sucessória da Presidência da República não poderia assumir este cargo - e, pela interpretação de muitos, tampouco presidir uma das Casas do Congresso. Ou seja, o ministro Dias Toffoli atendeu ao clamor do Planalto para que o perigoso Renan Calheiros, "homem forte desta República", não fosse melindrado. Que país é este?

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

DIAS TOFFOLI

Pedindo vistas para quê? Tem ministro do STF que é "cego". 

 

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul 

*

JUDICIÁRIO

Os motivos de haver tantos crimes (políticos impunes, assassinatos, estupros, roubos, etc.) no Brasil são a legislação e o desempenho do Judiciário. O caso do ministro Toffoli - que pediu vista do processo que impede um réu ou suspeito de exercer cargos públicos de alto escalão, em que já havia 6 votos a favor, limitado a 11 votos - é um exemplo. Acho que os ganhos dos servidores do Judiciário deveriam ser pautados por casos resolvidos, além de acabar com os discursos na TV Justiça. A função do juiz é julgar, e não mostrar conhecimento - isso deveria ocorrer apenas ao prestar concurso. Se a Constituição diz que todos são iguais perante a lei, por que eles têm férias de 60 dias e recessos e por que não invalidam o foro privilegiado?

Mário A. Dente eticototal@gmail.com

São Paulo

*

ASSOMBRO

É um assombro! Pedir vista do processo sobre a linha sucessória presidencial não ser ocupada por réus, que é de clareza meridiana. Permita-me invocar o Pilar de Ferro: "Quosque tandem abutere, Toffoli, patientia nostra?" "Ó tempora! Ó mores!" "Domine, libera nos a malo!" Em tempo, cantou Olavo Bilac: "Pátria (...), Tu golpeada e insultada, eu tremerei, sepulto; E os meus ossos no chão, como as tuas raízes, se estorcerão de dor, sofrendo o golpe e o insulto". 

Fernando Silveira Picheth fernandopicheth@bol.com.br

Curitiba

*

DIFERENÇAS NO SUPREMO

 

Ocorreu em Porto Seguro um encontro de juízes do qual uma das patrocinadoras é uma empresa "modelo" de irregularidades e que responde por um leque de ações de todos os naipes. Em sua fala de abertura, o ministro Ricardo Lewandowski "instigou" os colegas juízes a não terem medo de pedir aumento salarial, mesmo que afronte o esforço hercúleo do governo federal de equilibrar as contas do País. Já, por outro lado, a clássica e altaneira presidente daquela Casa, a ministra Cármen Lúcia, declinou do convite para fazer o encerramento do encontro, especialmente em face da patrocinadora irresponsável. Ou seja, mais uma vez a ministra deixou claro que não pactua e repudia corrupção e corruptos. Muda, Brasil!

  

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

A ELEIÇÃO E O JUDICIÁRIO

Com todo respeito, mas o certo é que as autoridades deste país deveriam respeitar o povo, que é, afinal, quem trabalha e lhes paga os salários que recebem. Parem com estes jogos de cena, parem de criar leis para combater a corrupção se não cumprem as existentes. Há certos momentos em que ficamos com a impressão de que elas querem que a impunidade permaneça. Há políticos espalhados por todo o território nacional que disputam eleições seguidas mediante a obtenção de liminares, com a consequente protelação dos julgamentos até a prescrição. A recente Lei da Ficha Limpa é descumprida de ponta a ponta em todo o Brasil. Milhares de candidatos a vereador e centenas a prefeito disputaram as eleições recém- realizadas com simples liminares. Até mesmo vereadores e prefeitos condenados em segunda instância ou com as contas rejeitadas pelos Tribunais de Contas e confirmadas pelas respectivas câmaras municipais disputaram normalmente as eleições, afrontando acintosa e vergonhosamente o artigo 31 da Constituição federal. Não adianta bravatear, como fez recentemente o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, ao afirmar, bem ao seu estilo pomposo, que a Lei da Ficha Limpa é inócua no caso das prestações de contas, e sim o citado artigo da Constituição. Por que Sua Excelência, agora como presidente do TSE, não procura apressar o julgamento destes processos de prestações de contas, cujos infratores continuam rindo na cara do povo, só porque com o dinheiro roubado contrataram os melhores advogados? Quantos processos sob a rejeição de contas não estarão parados no Superior Tribunal de Justiça? A verdade é que temos muita gente jogando contra o povo. Só Deus pode nos salvar de tantos males!

 

Mateus Salinas Peres msalinasperes@yahoo.com

Botucatu

*

DILMA NO URUGUAI

Dilma Rousseff sabotou o Brasil no exterior. "Um político brasileiro, seja ele um vereador ou o presidente da República, que fala mal de seu próprio país no exterior, não pode e não merece viver nele. Muito menos usufruir do dinheiro público com assessores, transporte e segurança, como vive um ex-presidente da República, enquanto o povo que elegeu Dilma sofre o dia a dia do desemprego e da queda na produção." Este é um trecho do editorial do "Jornal do Brasil" de domingo (6/11), tradicional jornal petista - sim, isso mesmo, jornal petista -, sobre as bravatas de Dilma Vana Rousseff proferidas no Uruguai, contra o Brasil, em sua primeira viagem ao exterior após o impeachment. Não votei na referida senhora, mas quero sua expulsão do País urgentemente. E, por favor, se o trâmite da expulsão for parar no STF, que se desconsiderem Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski como julgadores.

Carmela Tassi Chaves tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

*

CRISE NO RIO DE JANEIRO

O povo, como sempre, paga a conta. O banquete é deles. A conta daquela farra no melhor restaurante francês na época do governador Sérgio Cabral - com aquelas fotos de secretários e assessores com guardanapos na cabeça - está sendo apresentada agora ao povo do Rio de Janeiro. A conta, naquele dia, foi paga pelo sr. Fernando Cavendish, da Delta Engenharia, mas a reciprocidade custou caro. E, agora, apresentam a conta para o servidor ativo e inativo do Estado. Não é só por causa daquela farra. Outros desmandos e irresponsabilidades levaram o Estado do Rio ao caos. Por que só os servidores do Executivo é que serão taxados? Por que os servidores do Legislativo e do Judiciário não estão incluídos no pacote de medidas apresentadas pelo governo para cobrir o rombo da previdência? O rombo da previdência é culpa dos servidores ativos e inativos? A má gestão temerária do governo Cabral e Pezão provocou a falência do Estado do Rio, e o servidor público é que vai pagar a conta? Ao povo não está sendo pedido sacrifício. O aumento do ICMS sobre energia, telefones, bebidas, combustíveis, etc. pouco vai afetar a população. Estudo feito aponta que uma conta de celular pré-pago de R$ 100 passará a custar R$ 102,00. O que são R$ 2,00? Um cafezinho? O governo acredita que vai arrecadar o que espera com o aumento da alíquota do ICMS? O País está em recessão. O PIB deste ano deve ficar em -4%, não há emprego, as famílias não têm renda, não há consumo e o governo acha que vai arrecadar mais aumentando a alíquota do ICMS? Devem ser uns gênios. Nas justificativas apresentadas pelo governo para o pacote de medidas, faltou dizer por que o servidor público é que tem de pagar a conta. Por que não explicaram isso? 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

INSOLVÊNCIA CARIOCA

A escolha foi dos eleitores. Não protestem. Assumam! Chegou a conta. Paguem...

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

SITUAÇÃO DE CALAMIDADE

É possível que a situação financeira dramática do Rio de Janeiro seja só a ponta do iceberg, anunciando dias piores para muitos outros Estados e suas populações. Em se tratando de uma "calamidade pública", várias frentes precisam ser enfrentadas para superar este quadro. Uma delas, urgente, é a questão dos juros pagos na rolagem da dívida pública. São mais de R$ 500 bilhões gastos por ano pelo poder público para girar essa dívida. Não há como amortizar essa dívida, evitando a sangria? Alguns economistas dizem que sim, mas que isso atingiria interesses específicos e fortíssimos. E nada é feito a respeito. É preciso qualificar o debate e ter homens públicos corajosos para tomar todas as medidas necessárias, e não apenas aquelas que afetam a base da pirâmide social. 

 

Eduardo Britto britto@znnalinha.com.br

São Paulo

*

AJUSTE FISCAL

Otimista o sr. Fabio Klein em sua análise no "Estadão" de sábado (5/11, B5), sob o título "O Rio de hoje pode ser o Brasil de amanhã", porque, mantidos os privilégios das aposentadorias do setor público, isso deixa de ser uma conjectura para ser uma certeza.

 

Oscar Seeklar Muller oscarmuller2211@gmail.com

São Paulo

*

BONS SINAIS

Bons sinais: Correios farão Programa de Demissão Voluntária (PDV) para conseguir a adesão de 8 mil, de 117,4 mil, funcionários. Governo promove uma limpeza de benefícios irregulares no Bolsa Família. Governo anuncia que vai retomar 1.120 obras de saneamento, creches e reformas de aeroportos. Conteúdo, forma e repercussão de entrevista de Sérgio Moro.  Ajustes na Petrobrás. Leilão de linhas de transmissão. Esperada aprovação da PEC 241.

Harald Hellmuth hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

*

ONDE JÁ SE VIU?!

Estão comemorando a queda fictícia da inflação, sob a alegação da redução dos preços do feijão e do leite e seus derivados. Isso não é queda, é voltar ao patamar real de onde nunca deveriam ter saído e de quando já sofríamos com seus efeitos. Dois itens fundamentais e básicos da alimentação dos brasileiros, onde já se viu 1 kg de feijão atingir R$ 14,00 e 1 litro de leite de má qualidade custar R$ 5,00? Absurdo, indecente e vergonhoso!

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

'A LUTA CONTRA A BUROCRACIA'

"A luta contra a burocracia" ("Estadão", 6/11, A16-A17) é uma luta muito necessária e que deve ser iniciada pela eliminação do loteamento político das organizações do Estado, administração direta e indireta: a busca da eficácia e eficiência das organizações exige profissionais competentes que não são tolerados pelo loteamento político, que exige "jogo de cintura" que profissionais não admitem. O exemplo das grandes empresas privadas no Brasil está à nossa disposição para estudo, que também exige profissionais competentes. Se nós, da sociedade civil (sindicatos, associações de profissionais e de empresários, associações de empresas, organizações religiosas, etc.), não participarmos ativamente exigindo mudanças que resultem na eliminação do loteamento político, continuaremos falando contra a burocracia e a necessidade da antiquíssima dita prioridade para a educação.

Darcy Andrade de Almeida dalmeida1@uol.com.br

São Paulo

*

'BURROCRACIA'

Num país onde impera a corrupção, a burocracia é seu braço direito. Quem tem ou teve um comércio, empresa, etc. sabe muito bem como a coisa funciona. Para desativar a burocracia, só um "Moro" teria autoridade e força para enfrentar a máfia que se alimenta dela, que a transformou numa "burrocracia", emperrando o País e a livre iniciativa. Quem se habilitará? 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

NUNCA SERÁ FEITO

A eterna e inútil luta contra a burocracia poderia começar com a unificação dos documentos pessoas. Já existe há muito tempo tecnologia para que se coloquem num chip todas as informações sobre uma pessoa: CPF, RG, título de eleitor, certificado do serviço militar, CNH e muito mais, tipo sanguíneo, doador de órgãos ou não e muitas outras informações, tudo num único cartão, igual aos cartões de crédito. Isso nunca será feito porque burocratas gostam mesmo é de uma boa burocracia. 

Mario Barilá Filho mariobarilafilho@me.com

São Paulo

*

JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO

A reintegração do perímetro legal do Jardim Botânico do Rio de Janeiro é justa e foi cumprimento de decisão judicial proferida em processo ajuizado pela União na década de 1980, cujo trânsito em julgado ocorreu há quase dois anos. Os descendentes dos invasores precisam entender que eles não estão acima das leis e que o território que eles ocuparam não lhes pertence, mas, sim, à União, portanto, é propriedade de todo o povo brasileiro. O Jardim é um espaço destinado à pesquisa científica, à proteção da fauna e da flora, à locação de coleções de plantas de todo o planeta e ao lazer de quem queira visitá-lo. A sua beleza é incomensurável e indescritível. Não pode ser maculada por uma minoria de cidadãos que se arvora a crer que tem o direito de ali estar, à revelia da lei e da história. Trata-se de um dos mais belos lugares da cidade do Rio de Janeiro, com sua concepção datada do início do século 19, fundado por Dom João VI e visitado por pessoas e cientistas de todo o mundo. O perímetro de seu território deve ser preservado e as pessoas que lá estavam devem ser alocadas em outros locais, a cargo do poder público.

 

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

*

CIRCO DE HORRORES

Inobstante a torpe e vil chacina perpetrada contra cinco jovens de Ribeirão Pires, cujos corpos foram localizados em Mogi das Cruzes, Robson era um cadeirante, tinha prótese na coluna e utilizava fralda geriátrica. Um perigosíssimo delinquente... Um dos corpos estava sem cabeça. O governador do Estado, o secretário de Segurança Pública e os deputados estaduais não devem poupar esforços no sentido de forçar a comprovação dos autores dessa monstruosidade e puni-los com o maior rigor possível. Em princípio, os suspeitos são policiais militares, neste Brasil dantesco, que somente nos envergonha. Sabe-se que o combativo e douto Ministério Público Estadual (MPE) cumprirá seus deveres. 

 

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

LEGÍTIMA DEFESA

Em São Paulo, um policial e motorista do aplicativo Uber reagiu a um assalto e matou três bandidos que se passavam por passageiros. As circunstâncias da dramática situação exigia apenas uma alternativa. Em jogo, a vida do motorista, trabalhador e pai de família, ou a dos três meliantes. A meu ver, o motorista agiu certo. O timeco dos hipócritas, demagogos e desocupados vai estrilar. Problema deles. Seguramente, queriam que o motorista, sob a mira de três armas, oferecesse flores e chocolates aos delinquentes. Pimenta nos olhos dos outros é refresco.  

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

BENTO RODRIGUES, A POMPEIA DO BRASIL

No ano de 79 d.C., o vulcão Vesúvio entrou em erupção e soterrou a cidade de Pompeia, próxima a Nápoles, matando todos os seus habitantes. Soterrada permaneceu, até ser reencontrada em 1748, e hoje é considerada patrimônio mundial pela Unesco. É uma das atrações turísticas mais populares da Itália. Diferentemente de Pompeia, a localidade de Bento Rodrigues (MG) foi soterrada por um mar de lama, há exatamente um ano, em razão do desprezo pela vida humana dos diretores da mineradora Samarco e de suas controladoras. Estes criminosos, hoje denunciados à Justiça, não só foram responsáveis pelo desaparecimento de Bento Rodrigues, como também causaram estragos gigantescos ao longo da bacia do Rio Doce e no Oceano Atlântico, alterando por definitivo a existência de inúmeros moradores das localidades banhadas pelo rio. Muitas décadas se passarão até a natureza conseguir recompor o que foi destruído. Pois bem, apesar disso, nada aconteceu àquela empresa, a não ser pagar módicas compensações monetárias que nem de longe compensam os danos causados. Muito pelo contrário, agora, sob o falso argumento de que pretende aumentar a segurança do que restou de sua barragem, a Samarco conseguiu, pasmem, a autorização do governador de Minas Gerais, o petista Fernando Pimentel, para construir um novo dique que ocupará parte do que foi um dia a localidade de Bento Rodrigues. Assim não será nem mais possível visitar aquelas ruínas - como é feito em Pompéia -, já que esse pavoroso crime será agora encoberto. A população de Mariana e o próprio prefeito anseiam para que a mineradora volte às suas atividades, para gerar emprego e recursos para a cidade. Mas, como disse uma moradora de Bento Rodrigues, "a nossa localidade existia há 300 anos e vivíamos muito bem, enquanto a Samarco só tem 40 anos". Não é mais possível que tais absurdos ocorram em nosso país, em pleno século 21, e seus autores continuem a se comportar como se fossem senhores feudais, de uma terra que não é deles. O governo federal já deveria ter desapropriado a empresa e tomado a sua direção. Seus acionistas que aguardassem pacientemente o seu precatório, como ocorre com a população desapropriada. E os seus diretores, que sabiam das condições precárias da barragem, já deveriam estar presos.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

SAMARCO

A irresponsabilidade desta empresa ainda vai causar mais estragos. Deveria pagar pelo que fez e deixa de fazer para evitar novas tragédias.

Elisabeth Migliavacca 

São Paulo

*

QUEM SE IMPORTA?

O desastre em Mariana (MG) é um retrato do Brasil. Um ano depois, o quadro permanece inalterado, para perplexidade do mundo. Com tanta impunidade, adivinhem o que vai acontecer no futuro? Outra tragédia, e assim sucessivamente...

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

'ILUMINADOR DA HISTÓRIA'

Cumprimento o mestre Carlos Alberto Di Franco pelo brilhante artigo "Iluminador da história" (7/11, A2). Seu diagnóstico é certeiro. Certos jornais brasileiros - e não só eles - tornaram-se notórios pela manipulação ideológica da notícia, pelo falso pluralismo. Não falo, por óbvio, do "Estadão", que procura manter a redação arejada, por mais difícil que seja, num país onde a formação do jornalista é pautada na doutrinação de esquerda, como se sabe. Um conhecido jornal paulista, todavia, usa daqueles métodos deliberadamente e, ao que parece, como política da empresa. Se o cidadão é branco, heterossexual, da classe média ou, pior ainda, rico, cristão ou judeu e não comunga dos ideais esquerdistas, a chance de ser transformado em algoz em todas as situações é grande. Por outra, se for negro, pobre, homossexual e esquerdista, ou, nos últimos tempos, muçulmano, terá, automaticamente, a simpatia daquele jornal. O cômico é que os profissionais daquele jornal passam o tempo gritando "preconceito!" para tudo e todos, sem dar-se conta de que eles, sim, são o retrato acabado da discriminação. Não fazem reportagem, mas, sim, pregação ideológica. Não apuram, apenas procuram elementos para desqualificar seus desafetos ou glorificar seus "protegidos". Um cidadão pobre que atropela e mata outro com seu carrinho fabricado em 1985 jamais será notícia. Um empresário bem-sucedido, com seu Land Rover, que faça o mesmo ganhará as páginas do jornal como assassino cruel. Um negro que atire num branco sempre terá razão, sobretudo razão social. O branco que atira num negro é apenas racista e mau. Um evangélico será sempre visto como um malandro, e um judeu, tomado como dissimulado e violento, enquanto um islâmico é, pela definição atualizada, um perseguido, uma vítima de preconceito religioso. Sessenta mil pessoas são assassinadas por ano, no Brasil, sem que isso chame a atenção. Mas as manchetes daquele jornal falarão do absurdo de terem sido mortos três centenas de homossexuais no mesmo período, como se apenas eles fossem importantes. Um político "de direita" dá uma declaração mais ácida ou mais franca, e logo as manchetes as tratarão ao pé da letra e ele será cobrado, até se desculpar ou ser demitido de algum posto. Já o político de esquerda pode falar o que quiser, pois tem "foro privilegiado" nos tribunais da redação. Se o que disse for demais, é simples: não se fala nisso. Um policial militar é sempre um psicopata que sai de casa com a ideia de matar pobres ou bater em jovens manifestantes. Um ladrão pego em flagrante delito ou um homicida detido diante do cadáver de sua vítima, com uma faca ensanguentada na mão, será sempre um mero "suspeito". Tudo isso é ridículo e absolutamente primário. O resultado é que esse tipo de "jornalismo" acabou desmascarado e visto pelo que é, e o leitor, hoje, sente a cada dia mais desprezo por ele. Ninguém aguenta tanto preconceito precariamente dissimulado! É uma boa notícia. Quem sabe os novos profissionais de imprensa e aqueles já formados, que têm princípios éticos e inteligência para perceberem a beirada do abismo quando estão diante dele, corrijam seu rumo e o jornalismo volte aos trilhos. O papel do jornalismo é informar, contar a historia, e não promover justiçamentos ou doutrinação ideológica. Para isso, já temos os partidos de esquerda, os sindicatos e os chamados "movimentos socais". Basta. 

Maria C. Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

ZONA AZUL DIGITAL

Pergunto aos srs. secretário de Transportes e ao sr. prefeito de São Paulo, ou a quem eles possam indicar: para poder utilizar os espaços destinados à zona azul para estacionar veículos, terei de adquirir um telefone celular e instalar o aplicativo? Se assim for, existe algum plano da Prefeitura para subsidiar a aquisição? Ou existirá outra modalidade de zona azul para não estar excluído do sistema a partir de 20/11/2016?

  

Adib Hanna adib.hanna@bol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.