Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

17 Novembro 2016 | 03h08

LULOPETISMO

O golpe já começou

Muito oportuno e esclarecedor o editorial O golpe de Lula da Silva (16/11, A3). Acrescentaria que Lulla, seus asseclas do PT e aliados já iniciaram o golpe, contando com jovens que se dizem estudantes a invadir numerosas escolas, trazendo enormes prejuízos ao ensino e à ordem pública. O governo não pode ficar refém de ameaças de terrorismo e pagar o resgate com impunidade (como sugeriu o presidente Michel Temer no Roda Vida). Para pôr o Brasil novamente nos eixos é preciso, de uma vez por todas, deixar bem claro quem são os culpados por essa enorme crise econômica e moral que atravessamos e acelerar todas as medidas para puni-los e dar um basta nessa situação. É o que os brasileiros mais querem.

LUIGI VERCESI

luigiapvercesi@gmail.com

Botucatu

CORRUPÇÃO

Prisão de Lula

A opinião do presidente Temer de que a prisão de Lula poderá causar instabilidade para o governo e para o País não alterará as decisões da Justiça. Os processos devem correr de forma independente, e não ficar sujeitos a pressões externas ou à possibilidade de ações de movimentos sociais ligados ao PT. Se Lula tiver de ser preso por algum motivo fundamentado na lei, assim o será, para o bem do Brasil.

MÁRIO NEGRÃO BORGONOVI

marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

Medo por quê?

Por que todo mundo (os políticos) está com medo de que o Lula seja preso? Se há motivos suficientes para prendê-lo, prendam-no sem dó, como qualquer criminoso. Se isso não for feito, ele vai sentir-se o único ser acima da lei e se fortalecer, depois, aguentem as consequências. Se querem que o Brasil seja tratado como país sério, é preciso cumprir a lei, não importa se for um ex-presidente ou ex-juiz do STF. Caso contrário, é melhor encerrar a Lava Jato e continuar como o país mais corrupto do mundo.

TOSHIO ICIZUCA

toshioicizuca@terra.com.br

Piracicaba

Brasil fazendo escola

Auspiciosamente é como vemos a notícia de que um ministro da Rússia foi preso por exigir propina de petroleira daquele país. A Lava Jato, por essa e outras, está mostrando ao mundo que a corrupção pode, sim, ser combatida. O Brasil, aos poucos, e em apenas três meses, deu uma guinada para melhor, a caminho do seu destino: gigante pela própria natureza. Agora só falta exterminar a organização criminosa disfarçada de partido de uma vez por todas, prendendo seu chefe bufão, para o País deslanchar.

CARLOS BENEDITO P. DA SILVA

carlosbpsilva@gmail.com

Rio Claro

SUPERSALÁRIOS

Jabuti em árvore

Renan Calheiros – braço direito de Collor, famoso caçador de marajás que não achou nenhum, e amigo de Lula, o caçador de maracujás que acabou virando marajá – vem de instalar no Senado comissão para analisar os altos salários nos três Poderes. Quem pôs o jabuti na árvore? Ninguém sabe, ninguém viu...

ELY WEINSTEIN

elyw@terra.com.br

São Paulo

de esclarecer as razões do “custo Senado”, de R$ 3 bilhões por ano, R$ 37 milhões por senador, além de manter 3 mil servidores igualmente com altos salários. Quanto ao encontro em sua residência oficial, é um escracho contra nós, em especial os milhões de desempregados, que tenhamos de pagar caipirinhas e feijoada para membros do Congresso, além de José Sarney, cujos atos ocultos quando presidente do Senado são do conhecimento geral. Igualmente inaceitável e amoral custearmos os comes e bebes do presidente da República, que nos convoca a fazer economia, além do presidente do Tribunal de Contas da União e alguns ministros desse órgão. Certamente não é com esses pseudopolíticos que nosso Brasil vai mudar. Precisamos reagir, mantendo vivo na memória de nossos familiares, amigos e colegas, até as próximas eleições, que estamos pagando eventos e outras mordomias para sanguessugas disfarçados de representantes do povo conspirarem contra a ordem pública. Afinal, somos 142 milhões de eleitores contra algumas centenas que estão longe de nos representar.

HONYLDO R. PEREIRA PINTO

honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto

In extremis

Buscar aval de Temer para promover ações de pente-fino contra o Poder Judiciário não é desespero de causa, é se autoproclamar réu confesso.

MARCOS CATAP

marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

Jeitinho brasileiro

Em que pese o passado não ético e o envolvimento em denúncias do presidente do Senado, Renan Calheiros, a iniciativa de instalar uma comissão especial para levantar os supersalários do Judiciário e do Ministério Público, que em alguns casos chegam a R$ 200 mil, deve ser plenamente apoiada, a despeito das reclamações dos envolvidos. Não é admissível que, havendo um teto de salários que não pode ser ultrapassado, existam vários exemplos desse “jeitinho brasileiro” para receber bem mais. Todos esses devem ser eliminados, doa a quem doer. E essa eliminação deve receber o apoio de todos os brasileiros!

WALDOMIRO B. DE CARVALHO

waldomiroxuca@globo.com

Itapetininga

Não se entende tanta hesitação em reduzir a R$ 33.763 o pagamento de valores maiores que esse a privilegiados servidores dos três Poderes da República. Sendo esse o atual teto constitucional, aplique-se tal limite sempre que houver a indicação de pagamentos a maior e deixem os que reclamarem ir à Justiça.

WILSON SCARPELLI

wiscar@terra.com.br

Cotia

SUPREMO TRIBUNAL

Pedido de vista demorado

Perguntar não ofende: quando é que o ministro Dias Toffoli vai devolver o processo de que pediu vista, paralisando o julgamento da ação que visa a proibir réus de fazer parte da linha sucessória da Presidência da República, no momento em que já havia até vitória no STF? O ministro precisa da minha ajuda? Pois não preciso de vista para decidir correta, certeira e inquestionavelmente, sem nenhuma dúvida. Por favor, tire isso de sua gaveta e libere já, para encerrar logo esse julgamento. A não ser que o ministro queira preservar o presidente do Senado, sr. Renan Calheiros.

WALTER LÚCIO LOPES

wll@uol.com.br

São Paulo

“Se Lula for preso, corremos o risco de ele chamar a sua turma? Justiça tem medo de criminoso? É essa a democracia praticada na República brasileira?”

LUIZ FRID / SÃO PAULO, SOBRE OS TEMORES DO PRESIDENTE TEMER

luiz.frid@globomail.com

“Se a retaliação for, de um lado, os supersalários e, de outro, o foro privilegiado, viva a retaliação!”

GUSTAVO GUIMARÃES DA VEIGA / SÃO PAULO, SOBRE AS CONSEQUÊNCIAS DO ‘PENTE-FINO’ DE RENAN CALHEIROS

ggveiga@outlook.com

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

CÂMARA INVADIDA

Não sou a favor da intervenção militar, assim como não concordo que o fim do foro privilegiado não seja votado no Congresso por falta de quórum. A invasão da Câmara dos Deputados ontem, por militantes favoráveis à intervenção militar, foi válida ou não? Não sei, a única coisa que sei é que tenho repulsa dos políticos que me representam e estou torcendo para que eles sejam eliminados em 2018, independentemente de sigla partidária. 

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

INVASÃO É INVASÃO

Militantes de movimentos ditos sociais, fantasiados de vermelho, invadem e depredam prédios públicos e privados dia sim, outro também e nada lhes acontece. Estudantes orientados por entidades estudantis puxadinhos de partidos de esquerda invadem escolas e privam demais estudantes (a maioria) de estudar. Profissionais da baderna causam tumulto nas comissões do Congresso Nacional e saem de lá abraçados a congressistas das inúmeras bancadas de partidos comunistas, de esquerda. Todos são "ocupantes", jamais "invasores", em especial para a imprensa brasileira. Bastou um grupo supostamente de direita ocupar o plenário da Câmara dos Deputados para serem considerados criminosos e tratados como tal. Aguardemos se teremos dois pesos e duas medidas. Invasão é invasão.

Marco Antonio Esteves Balbi mbalbi69@globo.com

Rio de Janeiro

*

A CRISE NO RIO DE JANEIRO

Muito triste ver a situação a que chegou o governo do Rio de Janeiro. O problema é que a lei é muito boazinha com os péssimos gestores e ladrões do dinheiro público. O povo tem de protestar mesmo, não é tolerável que a conta dos roubos seja debitada nas costas dos trabalhadores. Onde está o governador Sérgio Cabral, um dos responsáveis pela crise no Rio? Já que não há leis para punir os péssimos gestores, caberá aos eleitores fiscalizar e derrubar governos que não sabem usar o dinheiro público em prol da melhoria dos seus Estados.     

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

A PRISÃO DE GAROTINHO

E, então, a Polícia Federal prendeu ontem Anthony Garotinho, ao invés de Sérgio Cabral, que, junto com o PT, destruiu o Rio de Janeiro? É estranho.

Roberto Moreira da Silva  rrobertoms@uol.com.br

São Paulo

*

QUESTÃO DE SEMÂNTICA

Em flagrante respeito ao Estatuto do Menor, aprenderam o Garotinho.

Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

DESLIZAMENTO DE TERRA NO RIO

A repetição dos desastres que ocorrem todos os anos na região serrana do Estado do Rio de Janeiro é uma tragédia que já estamos cansados de ver exaradas nos jornais. O Estado está numa situação de catástrofe há muitos anos, trata-se de um território explorado por políticos que não pensam em longo prazo, que se aproveitam das belezas cênicas para atrair turistas, para realizar eventos que não deixam nenhum legado para as gerações futuras, que não usam políticas preventivas relacionadas às quedas de barreiras e, enfim, que são completamente despreparados para exercer as funções e cumprir os deveres ou obrigações inerentes aos cargos que ocupam. O resultado é óbvio: morte de inocentes e degradação dos municípios localizados em regiões montanhosas. Parece que as matérias peculiares à geografia de curso fundamental não são compreendidas pelos administradores públicos; parece que eles não associam o clima chuvoso de verão com a erosão das encostas em declive acentuado, não percebem o perigo que ameaça os moradores de casas plantadas em encostas íngremes. É uma tristeza recebermos estas notícias e não poder fazer nada.

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro 

*

MICHEL TEMER NO 'RODA VIVA'

Uma das coisas mais patéticas da política brasileira nos últimos tempos foi a entrevista do presidente Michel Temer no programa "Roda Viva", da TV Cultura, na segunda-feira. Em relação à economia, por exemplo, ele se vangloriou de que hoje ninguém mais fala na CPMF, ou seja, no aumento de impostos. Será que está convencido de que as finanças públicas estão melhores do que estavam quando assumiu o governo? Não percebe que apenas gasta sem ter os recursos e cria o famoso déficit de R$ 170,5 bilhões? E o que isso acarreta? Se o dinheiro não sai dos impostos, simplesmente aumenta da dívida pública, ou seja, o governo emite títulos para conseguir caixa, pagando mais juros, e os coloca nos bancos que lucram mais ainda com isso. Temer já empenhou 2017 nisso, com uma previsão de quase R$ 150 bilhões de déficit. E diz sorrindo que os aumentos salariais absurdos concedidos a algumas categorias do funcionalismo "estão dentro do Orçamento". Estão dentro do déficit de arrecadação e excesso de gastos, deveria dizer. Quanto às tentativas de destruição da Operação Lava Jato, para ele este é um problema do Congresso no qual ele não se pode meter. Os parlamentares façam o que quiserem em relação, por exemplo, ao perdão ao caixa 2, que possivelmente será criminalizado a partir de uma nova lei. O passado é passado. Absurdo não se manifestar claramente contra isso. Não desmereço o esforço da equipe econômica de tentar transmitir confiança aos agentes, mas há enormes incoerências nos gastos, agora aumentados com socorro aos Estados. Mas poderiam ter feito e fazer mais cortando custos. Falta legitimidade, parece.

Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo

*

A VELHA POLÍTICA

Quem não assistiu ao "Roda Viva" esta semana perdeu a mesmice da velha política encenada pelo - graças ao impeachment - presidente do Brasil. De onde Temer tirou que "a prisão de Lula causará instabilidade no País"? Provavelmente, do medo da delação dos executivos da Odebrecht, de Delcídio do Amaral e do próprio comprometimento que mal conseguiu dissimular no programa televisivo. Ora, instabilidade são os mais de 12 milhões de desempregados e o endividamento generalizado no País, graças a Lula e a Dilma! Tome tento, Michel. Já tivemos o Fora Dilma, e nada nos custa partirmos para o Fora Temer também!

Carmela Tassi Chaves tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

*

INSTABILIDADE

O bicho pegou para muitos no "Roda Viva", quando Temer falou que a prisão de Lula pode causar instabilidade ao País - o que não deixa de ser uma verdade. Os movimentos sociais e os vermelhinhos irão tumultuar bastante. Eu só acho que Temer deveria ter completado a resposta dizendo que, se isso ocorrer, será mais uma fase da Operação Lava Jato a ser superada, e, assim, ficar de fora. Infelizmente pareceu que por ele seria melhor não mexer neste vespeiro. Com isso, perdeu uma boa oportunidade de mostrar de que lado está.

Miguel Pellicciari mptenggci@uol.com.br

Jundiaí 

*

APENAS INCOERÊNCIA?

Em entrevista recente, o presidente Michel Temer declarou preocupação com a possibilidade de o juiz Sérgio Moro decretar a prisão cautelar de Lula (temporária ou preventiva). O motivo do receio, segundo o presidente, seria a reação dos "movimentos sociais", algo que poderia trazer "instabilidade" ao País. Ao fazer tal afirmação, Temer não só se intromete de modo irresponsável no Judiciário, como também insinua que Lula não deve ser alvo de detenção cautelar, ainda que haja uma penca de motivos, o que configura uma tentativa evidente de intimidar as autoridades que conduzem o processo que envolve o ex-presidente. Em contrapartida, ao ser indagado sobre a lei que confere anistia a congressistas que cometeram crime de caixa 2, Temer preferiu lavar as mãos, dizendo que, como presidente, não pode interferir no Legislativo. Quanta incoerência, não é mesmo? Para defender Lula, Temer tenta influenciar o Judiciário. Mas, quando o assunto é uma lei que garante a impunidade de congressistas larápios (muitos dos quais pertencentes ao seu partido), Temer julga ser inapropriado falar de algo que tramita no Legislativo. Seria essa apenas uma infeliz e não intencional demonstração de incoerência sobre a postura de independência que o presidente deve manter diante dos demais Poderes? Ou seria uma expressão de desejo de manter a sua base aliada longe do alcance da Lava Jato e, pior ainda, sinal de medo de que Lula seja apenas o primeiro de uma fila de ex-presidentes a ter de acertas as contas com a Justiça? Um recado a Michel Temer: o Brasil já está cansado de bandidos/defensores de bandidos ocupando a Presidência da República. 

Henrique Brigatte hbrigatte@yahoo.com.br

Pindamonhangaba

*

DECLARAÇÃO INFELIZ

A infeliz declaração do presidente Michel Temer de que a prisão de Lula traria instabilidade ao País soou como uma traição aos brasileiros que estão apostando na sua gestão diante dos destinos do Brasil e seu apoio à Operação Lava Jato. O senhor Temer está muito enganado. Certamente, os brasileiros e inúmeros investidores estrangeiros sérios aguardam ansiosamente este momento, para dar mais uma chance ao Brasil. Quem está apreensivo e com sua instabilidade emocional abalada são aqueles que, de certa maneira, estão ligados à corrupção no País. O Brasil sério, honesto, decente e ético, sr. presidente Temer, vai comemorar este dia. Causa-nos espanto e indignação esta sua afirmação esdrúxula e infeliz. Estamos todos aplaudindo o juiz federal Sérgio Moro, os procuradores da República, a Polícia Federal e todos aqueles empenhados nesta operação. Quem vai se instabilizar, sr. presidente? Ora, tenha paciência...

Elias Skaf eskaf@hotmail.com

São Paulo

*

PREVARICAÇÃO

Não existe outra expressão que defina melhor a fala do presidente Michel Temer durante entrevista a uma emissora de televisão na última segunda-feira, quando disse que uma possível prisão do ex-presidente Lula poderia causar instabilidade. Ora, presidente, instabilidade onde? Só se for no âmbito do seu governo. Até onde se sabe, as autoridades competentes têm plenas condições de aplacar qualquer que seja a instabilidade. Ou não? Fala sério!

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

PARA QUE SERVE A POLÍCIA?

O presidente Michel Temer disse no "Roda Viva" que a prisão do ex-presidente Lula pode causar instabilidade no País. Então de que servem as polícias do Brasil? Que presidente é este que dá uma declaração dessa? Presidente Temer, o sr. é indigno do cargo que exerce. Assumiu uma posição covarde. Então, por causa disso, não se prende? Mesmo que haja motivos e razões? Que país é este que se curva dessa maneira? Ah, com receio dos movimentos sociais, instabilidade, deixa solto? Então é bom este país repensar sua existência como país. 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

LULA PRESO

Presidente Temer, o inominável na cadeia não "traria instabilidade ao País". Traria justiça.

Guto Pacheco jam.pacheco@uol.com.br

São Paulo 

*

TEMER TEME

Parece que Temer teme que a prisão de Lula crie um clima de agitação no País. Quem não tem coragem é natural temer. Só os fortes não temem. O fato de ser um presidente provisório não justifica o temor de Temer. Não nos esqueçamos de que "quem não tem competência não se estabelece". Estávamos mal e continuamos de mal a pior. Será que o Brasil merece os políticos que temos e que temem?

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br

Campinas

*

TEMOR DE PROTESTOS

É inadmissível que um presidente da República reconheça publicamente ter medo de alguma coisa, mesmo os que ocupam o cargo de maneira fortuita: legal, mas moralmente discutível. Muito menos do temor infundado ou exagerado do que aconteceria no caso da prisão de Lula, um homem indiciado em três processos e em vias de sê-lo em outros tantos mais. Todos sabemos que haverá protestos aqui ou acolá, mas nada que pare o País, pois os 10% da população "descontente" já mostraram não ser capazes de tal proeza. Além de demonstração de extrema tibieza, forçaria uma comparação desnecessária, pois, invertidos os papéis e fosse ele o ameaçado de prisão, não haveria o que temer, pois o atual presidente tem certeza de que isso não levaria a choro nem a ranger de dentes: a reação popular seria 100% de júbilo.

José C. Vendramini Fleury zkfleury@uol.com.br

São Paulo

*

UM PRESIDENTE INSEGURO

Após ter lido e acompanhado por tantos anos cartas extensas, bem como ter tomado conhecimento das palavras do presidente Michel Temer de que, se Lula for preso, o governo será abalado e as entidades que o apoiam reagiriam e supostamente fariam badernas, nós, que vivemos o período durante e após 1964, quando o governo militar começou forte e o povo com toda esperança de que haveria uma limpeza, o que fazem as Forças Armadas, que estão aquarteladas? Ora, se o ilustre sr. Lula da Silva pode continuar a falar bobagens, a desafiar as autoridades, a desrespeitar todos e todas as instituições, a previsão mais segura será de que chegaremos a uma Sodoma e Gomorra. E com certeza é a expectativa de milhões de brasileiros decentes, sensatos e cumpridores de seus deveres e com filosofia de vida que levará à conclusão de que cada povo tem o governo que merece.

                                                                     Apparecido Moreira Lopes sallailopes@gmail.com

Atibaia

*

COVARDIA

Quer dizer que a Justiça não poderá condenar e mandar prender o ex-presidente Lula porque o País terá problemas com os movimentos sociais? Não somos todos iguais perante as leis? Poupe-nos, presidente Temer, a população honesta deste país não deixará que os oportunistas de plantão baguncem ainda mais o Brasil.

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

QUANDO?

A declaração do presidente Temer de que a prisão de Lula poderia causar instabilidade no País é covarde, infeliz e ofensiva aos brasileiros. Depois de 13 anos catastróficos de PT e 6 meses vacilantes e covardes de Temer, quando é que teremos um governo que acabe de vez com a corrupção e faça o Brasil voltar a crescer?

Fernando Fenerich ffenerich@gmail.com

São Paulo 

*

A AUTORIDADE DE TEMER

Como o presidente pode fazer esta afirmação sobre eventual prisão de Lula tendo o comando das Forças Armadas? Além disso, presidente, não vê que é Lula quem está comandando estes grupos baderneiros? Se não deixar prenderem Lula, o grupo vai se fortalecendo mais e fará mais exigências? Com isso V. Excia. está beneficiando um bandido e deixando a população em risco! O senhor vai melhorar o Brasil ou vai deixar este bandido e os outros que povoam o Congresso e o Judiciário fazerem o que desejam? Presidente tem de exercer sua autoridade. 

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

'TEMERÁRIO'

O acobertamento de Temer a Lula é, no fundo, uma tentativa de direcionar as coisas para o lado da impunidade dos políticos, independentemente de partido. Temer procura defender previamente a si próprio e a sua base aliada, diante do terremoto que se anuncia com as delações da Odebrecht e quetais. Antes que os gritos de "Fora Temer" comecem a sair de todas as gargantas, e não apenas das esquerdistas, o presidente precisa atentar para o decoro de seu cargo, que não observou na feijoada na casa de Renan Calheiros, como bem mostrou José Nêumanne Pinto em "Temer tem sido menos do mesmo de Dilma?" (16/11, A2), nem tampouco na entrevista ao programa "Roda Viva", ao proferir esta enormidade sobre a prisão de Lula. Talvez esteja na hora de voltarmos às ruas para defender a Lava Jato. Sugiro o nome de "Temerário" para o boneco que certamente acompanhará as manifestações. Alô, MBL! Alô, Vem Pra Rua!

Jorge Manuel de Oliveira jmoliv11@hotmail.com

Guarulhos

*

PUNIÇÃO AOS CORRUPTOS

Lamentável a fala do sr. Temer no "Roda Viva". Gostaria de sugerir que não houvesse mais prisões de corruptos, delatores e políticos. Todos deveriam cumprir pena em liberdade, sendo obrigados a cumprir alguns requisitos: 1) morar em apartamentos do Minha Casa, Minha Vida; 2) obrigação de trabalhar com salário fixado em um salário mínimo; 3) os filhos deverão frequentar escolas públicas; 4) todo atendimento médico deverá ser pelo SUS; 5) entregar ao Estado todo o patrimônio existente em seu nome e no de familiares.

João B. Vieira joaobvieira@yahoo.com.br

Sertãozinho

*

SUSPEITO

Depois da entrevista no "Roda Viva", só dá para dizer uma coisa: Temer, o presidente suspeito.

André Coutinho arcouti@uol.com.br

Campinas 

*

INOPORTUNO

Tão extemporânea quanto as iniciativas do encalacrado presidente do Senado em pautar projetos que, pela urgência dada, visam claramente a bloquear as instituições que atualmente combatem a corrupção no Brasil foi a declaração de Sua Excelência o presidente da República dada no programa "Roda Viva" da última segunda-feira, quando disse que a prisão de Lula pode causar "problemas" ao País. O que quis dizer Sua Excelência com essa declaração? Que para evitar "problemas" ao País o sr. Luiz Inácio deve ter tratamento diferente de todos os outros cidadãos brasileiros? Certo que, se ele for preso, os movimentos sociais "profissionais" ligados ao PT vão fazer muito barulho nas ruas com suas "manifestações pagas", mas serão muito menos sonoras do que o grito de comemoração que o restante da população vai proferir com "alma lavada" por ver condenado e adequadamente apenado o até hoje "réu perfeito", ou aquele que não deixa pistas. Até hoje.

José Claudio Marmo Rizzo jcmrizzo@uol.com.br

São Paulo

*

O DESESPERO DE RENAN CALHEIROS

Renan Calheiros está desesperado porque o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Edson Fachin aceitou para julgamento a denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra Renan. A investigação tramita na Corte desde 2007 e a acusação foi formalizada em 2013. Caso o plenário do STF aceite a denúncia da PGR, Renan Calheiros se tornará réu e responderá a uma ação penal por peculato, falsidade ideológica e uso de documento falso. Na denúncia oferecida ao STF, a PGR considerou que Renan recebeu propina da construtora Mendes Júnior para apresentar emendas que beneficiariam a empreiteira. Em troca, o peemedebista teria as despesas pessoais da jornalista Monica Veloso, com quem mantinha relacionamento extraconjugal, pagas pela empresa. A data da análise da denúncia pelo plenário do STF será definida pela presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, que é responsável por definir a pauta de julgamento de cada sessão. Este julgamento poderá acontecer dentro de poucos dias. Se condenado, perderá o mandato de senador. Renan, valendo-se do seu cargo, faz todos os esforços possíveis para que isso não venha a acontecer, por isso no almoço que aconteceu há poucos dias no Palácio do Planalto com a presença do presidente Temer, propôs aos líderes do PMDB que não se mexam com os "supersalários" dos servidores do Judiciário nem do Ministério Publico e pediu apoio para o Projeto de Lei de Abuso de Autoridade e tudo o mais que possa vir a beneficiá-lo. Renan está aflitíssimo, porque justamente, para sua desgraça, agora a presidente do STF é Carmen Lúcia, não mais Lewandoswski, e com isso presume que lhe vai acontecer. Com a perda de mandato, Renan tem pavor de ter de enfrentar o juiz Sérgio Moro. A Lava Jato tem de lavar toda a podridão política que imunda o nosso país.

José Carlos de Castro Rios jc.rios@globo.com

São Paulo

 

*

DESCONFIANÇA

Por que será que Lula e Renan Calheiros, apesar de seus processos, não têm medo de afrontar a Justiça? Por acaso sabem de algo que não sabemos?

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

JUÍZES NA MIRA DE RENAN

O alagoano Renan Calheiros é um cabra sem limites. Como presidente do Senado, talvez seja o politico brasileiro investigado pela Polícia Federal, com mais inquéritos cabeludos no STF (10 no total). Muito preocupado, e antes que seja condenado pelo Supremo, quer deixar sua marca de cabra-macho, mirando contra juízes desta terra tupiniquim que, no entender de Renan, recebem salários de até R$ 200 mil, ou bem acima do teto estabelecido pela Constituição. Mas, sendo real esse abuso dos soldos ilícitos dos magistrados, certamente o senador terá apoio da população brasileira para esta sua empreitada moralizadora. Porém, Renan deveria demonstrar que não é por vingança que mira reduzir os salários supostamente abusivos os juízes. Para tal, justo e republicano seria também se o presidente do Senado incluísse neste seu projeto normas que visam a reduzir os gastos públicos!  Por exemplo, a redução drástica das verbas parlamentares, do números de assessores e de outras inúmeras regalias excrescentes que há muito indignam a nossa sociedade. Mas, como Renan Calheiros não tem peito de enfrentar o Judiciário sozinho, como informa a imprensa, quer nesta empreitada arriscada o aval do presidente Michel Temer, para viabilizar este seu vingativo jogo contra os magistrados.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

RENAN PODE VIR QUENTE...

Renan Calheiros quer conversar com o presidente Temer para combinar como calar a Operação Lava Jato, antes que "suas vacas" se atolem no brejo da corrupção. Só que Renan se esqueceu de combinar com o povo brasileiro, que voltará às ruas, e desta vez para retirá-lo da vida pública para sempre. O cara ainda não percebeu que o Brasil não é quintal das "Alagoas", onde ele e sua corriola mandam e desmandam? Depois que nós, brasileiros, descobrimos a corrupção endêmica e como ela prejudica nosso país, Renan pode vir quente, que o povo já está fervendo.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

IMORALIDADE E MAU-CARATISMO

Renan Calheiros é uma pústula exposta que envergonha o Senado e o País. Saber que o presidente não pode "melindrar" o coronel para não pôr a perder seja lá o que for ofende os brasileiros de bem. E este sujeito, com 11 processos na Justiça, tem a cara de pau de pretender enquadrar o juiz Sérgio Moro, discutir abuso de autoridade, falar grosso com a Nação?! Não é desfaçatez, não é audácia, é a deslavada imoralidade de que somos eternas vítimas. Quando vamos sepultar esta vergonha, quando vai acabar o império do mau-caratismo?

Doca Ramos Mello ddramosmello@uol.com.br

São Sebastião

*

HORA DE VOLTAR ÀS RUAS

Sérios movimentos por trás (e até na frente) dos bastidores estão em pleno andamento em Brasília com o objetivo de enfraquecer a Lava Jato e de livrar já declarados e possíveis culpados responsáveis pela calamitosa situação em que se encontra nosso país. Só mesmo a população para brecar este danoso processo. Os movimentos do ano passado e do início deste ano precisam voltar urgentemente, antes que o fato seja consumado.

Euclides Soares eucsoa@gmail.com

São Paulo

*

SEMPRE ALERTA

Desta vez não vamos nos esquecer. Vamos acompanhar, registrar e guardar os nomes dos congressistas que votarem pela limitação das competências atribuídas hoje - pela legislação pertinente - à Polícia, ao Ministério Público e aos juízes. Quer sejam federais ou estaduais. Ou pela anistia com efeito retroativo relativamente ao caixa 2. E responder à altura nas próximas eleições. Não vamos permitir que continuem nos enganando como se fôssemos tolos e acovardados.

José Etuley Barbosa Gonçalves etuley@uol.com.br

Ribeirão Preto

*

REPÚBLICA DE BANANAS

Desde o golpe de 15 de novembro de 1889 não mais pensamos na próxima geração, no máximo na próxima eleição; não mais planejamos e edificamos, no máximo improvisamos; não mais agimos, no máximo reagimos. Trocamos a forma de governo mais republicana que já tivemos por 30 moedas de ilusões. E, no final, perdemos tudo. História reescrita, memórias roubadas, grandes nomes desprezados, alicerces quebrados, identidade desfigurada, autoestima destruída: até hoje este continente chamado Brasil paga pelo erro cometido há 127 anos. Até quando aceitaremos resignados o mito de que somos uma nação irremediavelmente corrupta e definitivamente condenada ao fracasso? Até quando sufocaremos, castrado e sob a forma de uma medíocre e instável "República de bananas", um inevitável Império? Até quando suportaremos ser exilados em nossa própria terra? Até quando deixaremos perdida a nossa pátria tão bela?

Gustavo Luís Dória Costa doriacosta@terra.com.br

Santos 

*

BRASIL REPUBLICANO

Terça-feira tivemos mais um dia inútil de feriado: Proclamação da República! Êta país dos feriados! Trocamos um estadista como Dom Pedro II por um Deodoro, que virou Floriano, que alguns republicanos depois virou Getúlio e sua ditadura, mais tarde tivemos Jânio Quadros, João Goulart, 20 anos de militares, Sarney, Collor, Lula, Dilma... Às vezes me pergunto se foi bom derrubarmos a monarquia...

João Manuel Maio clinicamaio@terra.com.br

São José dos Campos 

*

MOROSIDADE NA JUSTIÇA

O "Estadão" de 16/11 trouxe o editorial "Justiça emperrada", dando conta da morosidade com que feitos importantes são julgador pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Citou a fala de vários ministros do STF, expondo suas versões, e trouxe também a informação publicada pela "Folha de S.Paulo" segundo a qual há um processo movido em face de Paulo Maluf que há 15 anos aguarda julgamento do STF. É espantoso. Os operadores do Direito sabem como um processo em pauta pode não ser chamado a julgamento, e ficar assim, por prazo indeterminado, e alguns checam com o gabinete do ministro relator se o processo será mesmo chamado a julgamento, pois advogados de todo o Brasil se mobilizam até Brasília para acompanhar o julgamento ou fazer sustentação oral, quando cabível. E, não raro, pagam a passagem de volta ao Estado de origem ou pernoitam na Capital Federal acreditando que, na próxima sessão da turma ou do plenário (dependendo da ação), o processo será julgado. E então, após o voto do relator, o advogado faz sua sustentação e sai vitorioso, pois após a sua fala algum dos ministros pede vista. E, então, a despeito do artigo 940 e parágrafos do novo Código de Processo Civil, que determina o prazo máximo de 20 dias para o ministro apresentar seu voto vista, um estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV) mostrou que apenas 1 em cada 5 processos interrompidos por pedido de vistas dos ministros do Supremo Tribunal Federal voltou a ser julgado dentro do prazo, vale dizer, apenas 20% dos pedidos. Os que o ultrapassam duram, em média, 443 dias. E, se assim é, por que os prazos, para a magistratura são chamados "prazos impróprios", que são aqueles fixados na lei apenas como parâmetro para a prática do ato, sendo que seu desatendimento não dá azo a qualquer admoestação para quem o descumpriu, mas apenas sanções disciplinares (nunca infligidas, ao menos no STF).

Ademais, mesmo (1) com a possibilidade de o processo pautado não ser chamado a julgamento, e (2) do pedido de vista "ad aeternum", o processo pode simplesmente, por questões de conveniência e oportunidade, (3) ser retirado de pauta. Enfim, são tantas as causas da violação à garantia constitucional da celeridade processual (5.º LXXVIII da Constituição federal). E, apesar de o artigo 53 do Regimento Interno do STF, conferir ao procurador-geral da República, representante máximo do Ministério Público, o direito de pedir preferência de processo em pauta, pouco se vê isso acontecer. Compreensível a "correria" para que Lula, tornando-se ministro de Estado, com o termo de posse firmado "em branco" por Dilma, ganhasse "foro privilegiado"?

Andrea Metne Arnaut andreaarnaut@uol.com.br

São Paulo

*

PRESCRIÇÃO DE PROCESSOS 

A Associação dos Juízes Federais (Ajufe) se diz contrária ao foro privilegiado, inclusive para os próprios juízes. Ora, no sistema atual, somente o Supremo Tribunal Federal é competente para julgar os "agraciados com esse benefício". Essa é a razão para que políticos corruptos e contumazes façam de tudo para serem julgados por aquela Corte Suprema, pois, no mínimo, um terço dos processos afetos ao STF acabam prescritos por total falta de estrutura. Que essa providência seja incluída juntamente com as outras "10 Medidas Contra a Corrupção" que se encontram em andamento. Brasil, basta de tramoias!   

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

CAOS NO JUDICIÁRIO

Tanto o STF quanto a Procuradoria-Geral da República são muito, mas muito mesmo morosos. Enquanto a criminalidade praticada por políticos no Brasil sobe de elevador, a Suprema Corte e a Procuradoria-Geral da República sobem pela escada. Como se não bastasse a morosidade, soma-se a ela uma enxurrada de brechas jurídicas brilhantemente utilizadas por nossos advogados. Isso feito, emperra-se a Justiça e tem-se o caos no Judiciário.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

*

'PRESERVAR O STJ'

Sobre o editorial "Preservar o STJ" (15/11, A3), a Lei n.º 11.418/2006 (repercussão geral) filtrou recursos ao STF, principalmente precatórios contra a União, Estados e municípios. A redução de recursos na Corte é ilusória e não resolve a celeridade processual. Há morosidade no STF, porquanto os autos sobrestados mofam nos tribunais inferiores. Basta conferir o processo n.º 594.435, que entrou no STF em 17/10/2008. Sensibilizado com a aflição de seus jurisdicionados, o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) 2, Juízo de Execução da Vara VASP, solicitou prioridade no julgamento. Em 7/1/2015 determinou-se sua inclusão em pauta. No entanto, permanece inerte. Contamos com a ministra Cármen Lúcia para equacionar essa anomalia.

Arnaldo Ravacci arnaldoravacci05@gmail.com

Sorocaba

*

PROTESTO DE CERTIDÕES DE DÍVIDA ATIVA

Mais uma decisão equivocada do STF (7 votos a 3) vai provocar ondas de falência e consequente demissão de milhões de empregados no País, isso porque vai impedir acesso aos bancos e também aquisição de mercadorias a prazo. Outra decisão danosa foi a de 11/10/2006 sobre a continuidade do contrato de trabalho após aposentadoria, pois, com ganho duplo de salário e sem preocupação de demissão, por causa da multa de 50%, caiu a produtividade, cresceu o desinteresse pela melhoria do trabalho, impedem-se novas contratações, etc., causando enorme prejuízo a empregadores.

Massatoshi Sakurada masak@uol.com.br

Guarulhos

*

A RESERVA DE MERCADO NA SAÚDE

 

Dezenas de ações tramitam pela Justiça brasileira nas quais médicos contestam o direito de farmacêuticos e biomédicos atenderem pacientes em suas respectivas áreas de atuação. É a luta de classe e de reserva de mercado sobrepondo-se ao interesse da sociedade e do paciente, que acaba sem poder ser atendido num e sem vaga no outro. Hoje temos 83% dos atendimentos nos prontos-socorros de pacientes com transtornos menores, que poderiam ser atendidos em farmácias ou pequenas clínicas. Nos países desenvolvidos existe um fluxograma no sistema de saúde que obedece à lógica da capilaridade, sendo o primeiro atendimento nas farmácias, na sequência em pequenas clínicas, prontos-socorros e hospitais. Estamos praticando o inverso, temos aproximadamente 80 mil farmácias no País, a farmácia é hoje o último elo da cadeia da saúde, basicamente faz a dispensação do medicamento, do outro lado temos 6.667 hospitais segundo o CNS 2010, e estes dão o mesmo atendimento aos transtornos menores e aos maiores, o que provoca improdutividade em todo o processo de atendimento e acesso à saúde por parte do paciente. É preciso acabar com a guerra. Melhor do que dividir, o ideal é somar esforços para obter a melhor prestação de serviços.

  

Dirceu Cardoso Gonçalves cardosodirceu34@gmail.com

São Paulo

*

ELEIÇÃO NOS EUA

O primoroso artigo de Arnaldo Jabor "O suicídio da América" (15/11, C6) sintetiza com perfeição o acontecido: "Como era tudo inimaginável, quase um filme de terror, os democratas se despreocuparam, a mídia ficou ingênua e ninguém viu que, na sociedade do espetáculo, a longa exposição na TV podia eleger o elemento. Donald Trump ficou um ano no ar. Virou um show. Virou um hábito". E deu no que deu. No que dará, por Deus...

 

Eduardo Britto britto@znnalinha.com.br

São Paulo

*

'O SUICÍDIO DA AMÉRICA'

A América não cometeu um suicídio, como diz Arnaldo Jabor (15/11, C6). Mostrou que está viva! Eu gostava mais de Jabor criticando Lula. Ele, sim, era e é o nosso problema, não Donald Trump. Quem elegeu Trump foram os americanos genuínos, que construíram os EUA e que estão infelizes. Jabor os critica porque vão abandonar o mundo, que hoje depende deles. Depende deles, mas Jabor quer que desapareçam, preferindo a tirania das minorias, do politicamente correto e da globalização sem fronteiras... Quer que eles continuem tutelando o mundo. Pois chegou a hora do desmame, do cada um por si e Deus por todos. Gostando ou não, "only the strong survive"!

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

NÚMERO DE VOTOS E REPRESENTATIVIDADE

Muito se diz sobre o fato de que Trump ganhou a eleição apesar de ter menos votos que Hillary Clinton. Isso também acontece no Brasil, na composição da Câmara dos Deputados, e essa anomalia é devida a uma medida unilateral imposta pelo regime militar. Para dar maioria a setores do País majoritariamente eleitores da Arena, o governo de então limitou o número de eleitores de Estados majoritariamente favoráveis ao oposicionista MDB. Para isso, o governo fixou o mínimo de 8 e o máximo de 70 deputados por Estado. Assim fazendo, tornou um voto de Estados com menos população valendo muito mais que um voto de eleitor de Estado mais populoso. Com população de 40 milhões de habitantes, São Paulo tem 70 deputados, ou seja, 1 para cada 570 mil habitantes. Com 20 milhões de habitantes, Minas tem 53 deputados, ou seja, 1 para cada 360 mil habitantes. Os Estados do Nordeste têm 1 deputado para 240 a 380 mil habitantes. Os Estados do Norte têm 1 para cada 220 mil habitantes. Os Estados do Sul e do Centro-Oeste têm 1 deputado para cada 320 a 350 mil habitantes. É hora de rever essa distribuição, tornando-a mais compatível à realidade, evitando exageradas sub-representações.

Wilson Scarpelli wiscar@terra.com.br

Cotia

*

A ELEIÇÃO DE TRUMP

É difícil de acreditar na palavra democracia quando ela está na boca da esquerda. Vê-se um ódio pela eleição de um presidente pelas vias legais, pelo fato de o mesmo ser dito "de direita". O resultado da eleição nos EUA, até prova em contrário, foi legítimo, e a maioria escolheu o que achava ser melhor para si. As ditas minorias, que se dizem democratas, não aceitam o resultado. No Brasil, há a volatilidade do dólar, mas em grande parte pelos especuladores no mercado futuro, que ganham milhões com este vaivém da moeda americana. Até brasileiro que mora nos Estados Unidos se manifesta com repúdio, sendo que muitos deles são ilegais e vivem lá de subempregos. Está na hora de deixarmos de ser hipócritas e deixar Trump fazer seu governo. Aí, sim, caso haja distorções, poderá ser criticado. Está na hora de as minorias respeitarem os direitos das maiorias, pois são elas que ganharam as eleições. E não venha comparar com o Brasil, pois aqui o que houve é de conhecimento de todos, mesmo que alguns se façam de desentendidos.

Marcos de Carvalho Costa marcos.50@uol.com.br

Sarapuí 

*

BRASIL 2 X 0 PERU

O Brasil assiste com alegria e entusiasmo incontidos ao renascimento de sua seleção canarinho pentacampeã do mundo, ora brilhantemente conduzida pelo talentoso e vitorioso técnico Tite. Viva!

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.