Fórum dos leitores

Cartas e e-mails enviados pelos leitores do Estadão

O Estado de S.Paulo

24 Dezembro 2016 | 05h00

NATAL 2016

Humanidade

A tragédia sub-humana das tentativas quase sempre mortais de atravessar o Mar Mediterrâneo em busca de refúgio de conflitos; os atos terroristas frios e calculistas, praticados por jihadistas do Estado Islâmico; o holocausto sírio, perpetrado por um governante carrasco, acobertado por um outro de genética stalinista; a situação brasileira política e social desvirtuada das mais comezinhas necessidades do povo e dos empresários; tudo isso nos coloca lado a lado numa humanidade descaracterizada de princípios e de amor aos seus semelhantes. Neste oásis que precede a celebração do nascimento de Jesus, a luz que Ele irradia mexe com nossas emoções e sensibilidades, nossas esperanças tornam-se cada vez mais plausíveis e confiantes num mundo de sonhos desejáveis, que se vão transformando em realidades da vida humana, sem fantasias e artifícios, simplesmente iluminadas pela presença do Deus Menino. Que o clima do Natal restabeleça em nós a certeza de que somos seres humanos, imagens terrenas do Criador. Um feliz e santo Natal a todos! 

ALOISIO DE LUCCA

aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira 

*

EUROPA

Fronteiras porosas

O terrorista tunisiano que realizou o atentado numa feira de Natal em Berlim na segunda-feira deixou a Alemanha, passou pela França e entrou na Itália, onde foi abatido. Sua fuga mostra a fragilidade dos controles nas fronteiras europeias e a possibilidade de fanáticos agindo isoladamente praticarem atentados de grandes proporções. Pior ainda é que Anis Amri já vinha sendo vigiado pelas polícias da Itália e da Alemanha, e mesmo assim conseguiu circular livremente pelo continente. Os governos europeus precisam pôr as barbas de molho e endurecer os controles nas fronteiras.

HÉLIO DE LIMA CARVALHO

hlc.consult@uol.com.br

São Paulo

*

BRASIL

Presente de Natal

O presidente Michel Temer anunciou na quinta-feira um pacote de estímulo à economia com medidas na área trabalhista e a possibilidade de trabalhadores sacarem todo o valor do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) de contas que estavam inativas. Para completar esses incentivos - um presente de Natal -, que tal acabar com o imposto sindical compulsório, que afronta o direito de cada trabalhador ou empresário de filiar-se ao sindicato de sua preferência e dele se desligar? A contribuição sindical obrigatória fere declaração da Organização Internacional do Trabalho (OIT) que o Brasil está obrigado a respeitar. E mais: com mais de 15 mil sindicatos no País (um absurdo), estamos diante de uma enorme caixa-preta, sem nenhuma prestação de contas ou transparência. Até quando?

EDGARD GOBBI

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

Injeção na economia

Uma sugestão: se o dinheiro devido da revisão dos planos econômicos - caso que está sob análise do Supremo Tribunal Federal (STF) - fosse colocado em circulação, seria uma grande injeção de recursos na nossa economia. Como o valor deve ser muito alto, parte voltaria para os bancos de alguma forma.

ALVIO MALANDRINO

alvio@malandrino.com.br

São Paulo

*

Reforma trabalhista

O passo inicial para alterações necessárias nas retrógradas leis trabalhistas do País foi dado. Analistas, empresários e sindicatos elogiaram as primeiras propostas de Temer, mas a Central Única dos Trabalhadores (CUT) as criticou, dizendo que são ineficazes, inoportunas, autoritárias e que não vão resolver o problema do País. CUT, PT e seus simpatizantes são contra tudo o que é bom para o Brasil e seguem apostando na volta de Lula, que disse a uma TV turca que “faria tudo de novo e melhor”. É esperar para ver.

JOSÉ A. MULLER

josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

As boas-festas de Lula

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva divulgou esta semana um vídeo de fim de ano pedindo alterações na política econômica do governo Michel Temer e afirmando, entre outras coisas: “É preciso que o povo volte a eleger um presidente pelo voto direto”. E que “o governo não pode só falar em corte. É preciso mudar o tom da música. O País está parado e vai continuar, se o governo não mudar a política econômica”. Pergunto ao cultíssimo ex-presidente, sem nenhum intuito polêmico, é claro: a eleição da chapa Dilma-Temer não terá sido pelo “voto direto” do povo brasileiro? Quando foi que o Congresso Nacional se reuniu para eleger a referida dupla? Uma segunda pergunta ao ex-presidente - um tanto quanto abstrusa como a primeira - é se ele acha que o ministro Henrique Meirelles, condutor da política econômica do governo Temer e presidente do Banco Central nos dois mandatos de Sua Excelência Lula, terá sido vítima de um declínio intelectual tão significativo a ponto de ter sido útil para ele e inútil para o presidente Temer. E, por fim, uma terceira pergunta à “alma mais honesta” do Brasil: o enorme estrago na economia nacional, atualmente, foi causado por alguns meses do governo Temer ou pelos cinco anos de governo de sua sábia escolha para suceder-lhe, Dilma Rousseff? 

NEWTON DE LUCCA

desnewtondelucca@gmail.com

São Paulo

*

Esqueceu-se?

Lula, quando abre a boca, só diz sandices. A última foi gravada em vídeo e divulgada esta semana. Do alto de sua sapiência, diz ele: “O País está parado e vai continuar, se o governo não mudar a política econômica”. O mais probo político brasileiro se esqueceu da sua própria catastrófica política econômica? Haja estômago!

EDUARDO A. DE CAMPOS PIRES

eacpires@gmail.com

São Paulo

*

Sonho

Lula disse que o povo brasileiro precisa voltar a sonhar. A verdade é que, enquanto o povo sonhava, eles quebraram o Brasil.

MOISÉS GOLDSTEIN

mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

*

NATAL 2016

Até o tradicional peru de Natal, este ano, foi substituído pelo frango, por ser mais barato. Esperamos que o Natal daqueles que estão sendo denunciados e serão julgados pela Operação Lava Jato, com suas mesas fartas, seja de medo da prisão. Pelo menos isso, já que depois da farra da corrupção endêmica que nos assolou nestes 13 anos, "como nunca antes", veio o desemprego "como nunca antes neste país", obrigando as famílias a trocar suas tradicionais comemorações de final de ano. Que em 2017 a Lava Jato continue dedetizando este Brasil de políticos que só pensam em suas carreiras, e não no povo que os elegeu.  

Beatriz Campos 

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

Nunca antes em sua história o País precisou tanto acreditar em Papai Noel. Feliz Natal, Brasil!

J. S. Decol 

decoljs@gmail.com

São Paulo

*

Neste Natal de 2016 ficaremos sem trenó, renas e presentes. Tudo indica que Papai Noel, ao visitar um apartamento sem dono em São Bernardo do Campo, viu desaparecer seu trenó, as oito renas e os presentes, levados por um mau velhinho de barba branca. O trenó foi parar num caixa forte do Banco do Brasil, como recordação do velhinho de barba branca que se nomeia o homem mais honesto do Brasil. Os presentes foram escondidos junto com aparelhos domésticos novinhos num tríplex, também sem dono, no Guarujá. As coitadas das renas Rodolfo, Dançarina, Empinadora e Cupido viraram churrasco num sítio, sem dono, em Atibaia. E as renas Corredora, Raposa, Trovão e Relâmpago estão sendo treinadas para, na hora certa, servirem aos quatro membros familiares da família do velhinho de barba branca que terão de voar rapidamente para fora do alcance da pena do juiz Sérgio Moro e mais outros juízes federais Brasil afora, além de ministros do STF. Provavelmente, vão para o Uruguai, para um imóvel suspeito na agradável cidade de Punta Del Leste. 

José R. de Macedo Soares

joserubens@jrmacedoadv.com.br

São Paulo 

*

Querido Papai Noel, este ano fui um idoso muito comportado, paguei todos os impostos em dia, as multas de trânsito dos radares escondidos, fiquei preso no trânsito durante as manifestações e não gritei nenhum palavrão. Papai Noel, esta sua roupa vermelha me assusta, confesso, mas mesmo assim tenho um pedido de Natal, um presente simples. Gostaria de ganhar de presente uns R$ 2 milhões perdidos em algum caixa 2. Pode ser de Partido político ou construtora, não tenho preferência. Obrigado.

Luiz Ress Erdei 

gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

2016 será marcado como ano de muita turbulência na política brasileira; e o "Estadão" seguiu sendo paradigma no combate ao arbítrio e à censura. Nesse aspecto, importante destacar que a censura deve ser combatida sem trégua, pois seus defensores, e aqueles por ela beneficiados, não descansam. Como triste e emblemático exemplo, seguimos sem saber o que de fato ocorreu no lamentavelmente famoso episódio da Operação Boi Barrica. Há anos faço votos para que no ano seguinte possamos conhecer os detalhes daquela operação. O clã Sarney, ao que tudo indica, caminha para a decadência. Ainda assim, talvez por seguirem atuando nos porões da política nacional, infelizmente o "Estadão" está há 2.644 dias sob censura! Ademais de meus votos já expressados, acrescento meu desejo de que, em 2017, nem o "Estadão" nem nós vivamos um dia sequer amordaçados. 

Andreas de Souza Fein 

andreas.fein@gmail.com

São Paulo

*

Hoje, dia 24 de dezembro, começa a contagem regressiva para o Natal, quando se comemora o nascimento de Jesus Cristo, aquele que sofreu para que nossos pecados fossem perdoados. Por que não aproveitar esta data para refletir sobre nossos erros, nosso nascimento para as coisas novas que a vida nos oferece e renascimento para as ilusões perdidas? Falar disso é falar de vida, movimento e ações. Época de crianças alegres, emoções bastante complexas, que evocam infância perdida, sonhos não realizados, dificuldades não ultrapassadas. O Natal também é época que propicia reencontros, lavar a sujeira acumulada, preparar o reboco da alma, fazendo com que o verdadeiro Natal faça sentido. A reunião familiar de 25 de dezembro dá trabalho, despesa, mas é importante que ocorra, pois para a árvore se manter ereta e forte tem de ter suas raízes alimentadas, irrigadas, boas ou ruins, completa ou incompleta, e a família é a nossa raiz. Ano-novo é de comemoração, pois que, queiramos ou não, a vida real é assim sem perfeição. E é aí que está o segredo: saber fazer do imperfeito o que nos enrique, e para isso precisamos de uma ferramenta muito pouco utilizada, a esperança. Esperança de que, por meio de novos tempos, de governantes irresponsáveis e omissos, foi sendo retirada da vida da gente, ficando equivocadamente ligada apenas à fantasia e à religião. Mas a esperança é concreta, ela tem cheiro, cor e resultados, basta que nós a coloquemos em prática, pois, apesar de tudo, continuamos amando, e este, apesar de tudo, cobre o infinito, como diz o filósofo Cioran. Vale treinar um olhar para dentro, ficar menos encantados com aquisições materiais e externas e nos habituarmos com a alegria e o gozo, perdendo o medo de vivenciar o acerto e o erro. Apesar da falta de grana, de emprego e de esperança, da perspectiva de um 2017 pior que 2016, da situação política e econômica do País e da crise ética, vivemos o amanhã com a esperança renovada. Apesar de todas as dores, de todos os desafios que temos pela frente, temos de encarar tudo com a alma aberta e um sorriso estampado no rosto. Portanto, vamos desejar... Este é o primeiro passo para realizar junto com amigos e familiares um Natal de paz e fraternidade e um ótimo ano-novo. 

                                      

Turíbio Liberatto 

turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

O Natal virou a festa que lembra o consumismo. O presépio e a lapinha ficaram no passado. A maioria só pensa em comprar presentes que esvaziam o coração. Natal não é dinheiro! Natal é espírito e é vida. O presente material vem no fim. A magia do Natal é o meio. É mais importante ser feliz no Natal que ter uma ceia farta e um belo e passageiro presente. Onde está a família! Onde estão o amor e a paz! Temos de salvar o Natal que ficou esquecido numa infância em que acreditávamos em Papai Noel. Hoje acreditamos muito pouco em tudo e vivemos como se o amor fosse periférico e o possuir coisas e pessoas como o centro. Vamos viver o amor como centro de nossa vida. Então, teremos Natal o ano todo.

Paulo Roberto Girão Lessa 

paulinhogirao@uol.com.br

Fortaleza 

*

BONDADES NATALINAS

O presidente Michel Temer liberou o saque total de contas inativas do FGTS e garantiu que os juros do cartão de crédito vão cair pela metade. Isso no café da manhã. Já pensou se fosse no happy hour?

Marcos Catap 

marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

*

OLHO VIVO

É bom ficar de olho neste saque de FGTS de contas inativas. A Caixa deve exigir dos cartórios, antes de cada pagamento, comprovação de que não há atestados de óbito em nome do titular da conta. Se isso não for feito, vai ter muito malandro sacando FGTS em nome de defunto. Afinal, se políticos vendem medidas provisórias, o que os impede de mais uma safadeza para usar dinheiro parado?

Jose Pedro Vilardi 

vilardijp@ig.com.br

São Paulo

*

A IMPORTÂNCIA DAS REFORMAS

A possibilidade dos saques ao FGTS até a somatória de 2015, na proporção de metade do depositado, trará ao mercado por volta de R$ 30 bilhões, montante que, sem dúvida, agitará a atividade comercial do País, inclusive gerando outras possibilidades para o caso daqueles que irão receber seus créditos em razão dos saques. De outro lado, a reforma trabalhista ataca um ponto de profunda importância e que levará o País à modernidade e à competição internacional nos mercados: é a legalidade e o respeito que se devem aos acordos entre empregados e empresários, sempre incertos até o momento, porque ficam à mercê dos olhares da Justiça do Trabalho. Pouco a pouco, o governo Temer vai assumindo as reformas mais importantes e que jamais seriam abraçadas por políticos interessados na carreira e em reeleições.

José C. de Carvalho Carneiro 

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

O ROSÁRIO DE TEMER

Com seu último pronunciamento e algumas aparições públicas supercontroladas para evitar manifestações contra seu governo, Michel Temer tenta mostrar segurança no cargo, ao mesmo tempo que procura agradar a população com medidas populistas. É o caso da liberação de saques do FGTS, fora dos padrões. Além disso, debocha de sua impopularidade, diz que não pensa em renunciar, que não demitirá ministros delatados na Lava Jato, como ele, que vai apelar ao STF se sua chapa com Dilma for cassada, mexerá nas leis do trabalho a pedido dos empresários e seguirá providencial conselho de tomar medidas impopulares enquanto impopular estiver. Um rosário de algo próximo ao cinismo que, além de convencer poucos, corre o risco de ameaçar a governabilidade ainda mais por fazer a população se sentir com cara de trouxa.

Ademir Valezi 

adevale@gmail.com

São Paulo 

*

SEGURANÇA

Michel Temer me passou segurança esta semana, espero que não renuncie. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) quer cassar a chapa Dilma/Temer. E por que ainda não cassaram o registro do PT? Os crimes do partido são muito mais graves.

Lourdes Migliavacca 

lourdesmigliavacca@yahoo.com

São Paulo

*

ARREPIADO

Quando disse que não tirará Eliseu Padilha da Casa Civil, que não renunciará e que, caso a chapa Dilma-Temer seja cassada, haverá recursos e mais recursos, o cabelo do presidente Temer arrepiou, como mostrou claramente a foto estampada na primeira página do "Estadão" de ontem.

Arnaldo de Almeida Dotoli 

arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

*

CRISE POLÍTICA

"Michel Temer tem dito a interlocutores que as cobranças para que demita seus ministros não vão cessar porque ele é o alvo. Nesse sentido, não é abrindo mão dos seus auxiliares que vai acalmar a crise política." Então, que morra abraçado aos amigos, irmãos sujos, corruptos e canalhas que pretende manter ao seu lado, para ver se tem alguma chance de passar ileso. Está com a faca e o queijo - ops, a caneta - na mão para fazer história, mas o lancetamento no abcesso purulento não é permitido, a não ser que comece por ele próprio.

Arthur de Lucca 

arthurcaiolucca@gmail.com

Goiânia

*

'PINGUELA'

Foi de péssimo gosto e num momento bastante delicado o trocadilho do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso chamando de "pinguela" o programa do governo federal "Uma ponte para o futuro". Mas, ao não contestar de forma veemente, e galhardamente dizer que está acostumado a atravessar pinguelas, o presidente Michel Temer perdeu a oportunidade de defender um excelente slogan de governo. As medidas que anunciou na quinta-feira são um rascunho dessa ponte que precisa ser construída para que o Brasil, com mais de 200 milhões de habitantes, possa atravessar um imenso lamaçal, formado por mais de uma década de irresponsabilidades, incompetência e corrupção sistemática, rumo ao prometido futuro.  

Abel Pires Rodrigues 

abel@knn.com.br

Rio de Janeiro 

*

REFORMA TRABALHISTA

Não adianta, sindicalistas como os da CUT, que seguem as contestações do PT, não admitem quaisquer mudanças nas relações empresas- funcionários, como as primeiras propostas de reforma trabalhista anunciadas pelo governo esta semana. Querem que fique tudo igual, por mais que isso dificulte a modernidade aplicada em todo o mundo visando à melhor relação, exceto naqueles países que admiram, como a Venezuela e Cuba. Não mudam e continuam com a máxima "quanto pior, melhor". Para eles, marajás, que vivem à custa dos trabalhadores.

Mario Cobucci Junior 

maritocobucci@gmail.com

São Paulo

*

NÃO DEU PARA ENGOLIR

O que não deu para engolir nesta semana de Natal foi a liberdade total presenteada pelo governo aos sindicatos controlados pelas CUT, Força Sindical, UGT, NCST, CTB e CGTB, que entre 2008 e 2010 abocanharam do governo R$ 245,6 milhões para dar sustentação a 6.068 sindicatos filiados. Ao ver o presidente da República dando força maior para os sindicatos, confesso que senti saudades da ex-primeira-ministra do Reino Unido Margareth Thatcher, que assumiu o poder em 1979 determinada a coibir os sindicatos. Não engolimos, também, a ansiedade do governo na mudança da Lei Geral de Telecomunicações, que poderá dar R$ 87 bilhões para as operadoras, e a Oi, empresa denunciada por ilicitudes envolvendo o filho do ex-presidente Lula, tem tudo para ser a principal beneficiada. Presidente Temer, a pinguela ficou para trás, agora é ponte e, se ficar difícil de atravessá-la, "take the leap if it's worth the fall".

Leônidas Marques 

leo.marquesvr@gmail.com

Volta Redonda (RJ)

*

INTOCABILIDADE

Os abastados sindicatos, inaceitavelmente isentos de qualquer prestação de contas, em agradecimento aos seus padrinhos que oficializaram a sua intocabilidade e engordaram suas contas bancárias, são os mentores das predatórias badernas, agindo impunemente nas nefastas manifestações contra a Operação Lava Jato e o governo Michel Temer. Que tal agir com rigor às nocivas manifestações? Que tal disciplinar tais contribuições sindicais e o uso dos recursos pelos sindicatos? Que tal desobrigar os trabalhadores da contribuição sindical?

Humberto Schuwartz Soares 

hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

JUSTIÇA DO TRABALHO

A reforma trabalhista precisa ser também nos julgamentos das causas trabalhistas, em que os julgamentos são parciais e sempre com tendência para favorecer o empregado, em geral com suas falsas alegações. O empresário, aquele que oferece o emprego, nunca é ouvido atentamente, e a tendência é sempre terminar logo o processo favorecendo mesmo as mentiras do empregado. Por essa razão é que se pensa muito antes de ampliar as vagas de emprego, o problema aumenta muito na hora de possíveis demissões por justa causa ou para diminuir despesas em razão da crise, ou para sobrar dinheiro para pagar o excesso de impostos e a carga tributária. Justiça já, para as duas partes!

Arcangelo Sforcin Filho 

arcangelosforcin@gmail.com

São Paulo

*

CHEIRINHO DE INCOERÊNCIA

Em ácida carta aberta ao promotor Deltan Dallagnol, o ex-ministro da Justiça Eugênio Aragão desanca seu colega e a força-tarefa da Operação Lava Jato. Embora a figura do ilustre missivista não me caia bem - e reconheço que isso nada significa para ele -, admito que a dita missiva abriga tópicos bem defensáveis, até elogiáveis, como o reconhecimento da vida confortável que o Estado proporciona à classe dos promotores. Há, porém, asserções com as quais não se pode concordar, e enumerá-las aqui certamente faria a argumentação descambar para o campo ideológico, que não é a intenção deste escrevinhador. Quero destacar, isso, sim, o trecho em que Aragão, pouco antes do irônico "forte abraço" do fecho da carta, aconselha Dallagnol a que "baixe a bola" e "respeite a presunção de inocência". Ora, creio que aqui o ex-ministro se ferroou, para usar termo próximo do "ferroado" de sua lavra. Sim, porque em março, poucos dias após sua investidura como ministro da Justiça, completamente alheio à questão de presunção de inocência, declarou em tom autoritário: "Cheirou vazamento de investigação por agente nosso, a equipe será trocada, toda. Não preciso ter prova".  É isso.

Joaquim Quintino Filho 

jqf@terra.com.br

Pirassununga 

 

*

BAIXO NÍVEL

Esta carta de Aragão atacando Dallagnol é de tão baixo nível, tão ressentida e invejosa, que causa espanto, asco e revolta. O jornal errou ao dar espaço a essa pessoa equivocada, a dois dias do Natal! Estamos com os procuradores de Curitiba até o fim! Até que todos estes corruptos e seus asseclas em cargos públicos sejam devidamente extirpados para sempre da vida pública.

Elisabeth Migliavacca

São Paulo 

*

DESCOBRIRAM O BRASIL

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos descobriu o que o Brasil inteiro já sabe faz tempo: o governo de Lula e Dilma é uma organização criminosa. O presidente da República, Michel Temer, é um importante membro dessa organização criminosa, participando dos mesmos esquemas de desvios de dinheiro que seus parceiros Lula e Dilma. O Brasil deve receber severas sanções dos organismos internacionais pelo uso sistemático de propina nos negócios do governo. Boa parte do governo, inclusive e principalmente o presidente da República, deve pensar muito bem antes de sair do País, pois logo mais haverá ordem de prisão contra eles lá fora também. As conclusões do Departamento de Justiça americano são uma bofetada na cara do sistema judiciário brasileiro, que já deveria ter chegado às mesmas conclusões no dia em que a palavra mensalão foi adicionada aos dicionários brasileiros. 

Mário Barilá Filho 

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

DON EMILIO

A Odebrecht, na realidade o "seu" Emilio e família, devem estar rindo à toa. O.k., Marcelinho continuará na cadeia por mais alguns meses. Mas, como qualquer participante de uma organização criminosa, sairá do seu período de reclusão saudado como herói pela família e agregados (inclusive de negócios e políticos). "Seu" Emilio, o amigo de Lula (e certamente de todos os ex-presidentes vivos), vai passear com um pesinho (agora nem mais percebido) no tornozelo durante um tempo. Alguém poderia dizer: poxa, tem a multa de quase R$ 7 bilhões. Desculpem-me, mas R$ 7 bilhões a serem pagos em 20 anos pelo Grupo Odebrecht são uma palhaçada. Para um grupo do tamanho do Grupo Odebrecht, R$ 350 milhões por ano - desculpem a falta de educação - "saem no mijo"! Se formos tomar os resultados do grupo de 2014 (os últimos resultados consolidados publicados), R$ 7 bilhões são só seis meses de geração de caixa anual. Olhando sob outro ângulo, para uma empresa que pagou um pouco mais de R$ 3,5 bilhões em impostos em 2014, seria o equivalente a um aumento de 10% na sua carga total de impostos. Só para efeito de comparação, os bancos (os grandes vilões de sempre da economia brasileira) saíram de uma alíquota de 34% para 40% de Imposto de Renda e CSLL, um aumento de quase 20%, e ninguém piou. Ou seja, a tal da megamulta é na realidade uma palmadinha no bumbum, deixando claro que não só o crime compensa, como também fica óbvio que "seu" Emilio é, na realidade, "Don" Emilio, o "capo di tutti capi". Lula e todos os outros políticos são só instrumentos de poder do Don. 

Oscar Thompson 

oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

*

NOVOS TEMPOS

O Natal desta vez vai ser diferente. O Brasil vive um momento que muitos não esperavam, com a descoberta das falcatruas de muitos que faz tempo sempre manipularam o uso das verbas públicas. E sempre gozaram de impunidade. Os tempos mudaram e as investigações estão mostrando que as falcatruas não se limitaram aos últimos 13 anos. Será essa uma das razões pelas quais não se convocam manifestações públicas? Onde está a coerência dos organizadores?

Uriel Villas Boas 

urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

NÃO SEI DE NADA?

Na narrativa da Odebrecht para a Lava Jato, o Itaquerão era para ser um estádio menor. O pedido do ex-presidente Lula para a companhia era por uma arena com capacidade para 30 mil pessoas, metade na arquibancada e a outra acomodada na geral. Lula era o que do comitê da Copa do Mundo? Lula era o que do Corinthians? Na verdade, Lula se metia em tudo porque queria meter uma gana legal no bolso dele e da "cumpanheirada", achando que isso nunca iria ser descoberto. E ainda tem otário ou cego que acredita nele? Só podem estar de brincadeira.

Antonio Jose Gomes Marques 

a.jose@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

'O CARA'

Por que agora Lula não vai à ONU dizer que também a Justiça americana o persegue?

Marieta Barugo 

mbarugo@bol.com.br

São Paulo

*

AS VIAGENS DE CABRAL

As três viagens internacionais por mês que o ex-governador Sérgio Cabral e a esposa faziam ("Estadão", 23/12) são uma das causas pelas quais os servidores públicos do Estado do Rio de Janeiro estão recebendo cestas básicas de alimentos, além dos salários de novembro parcelados a partir de janeiro de 2017. Saudades da época em que recebíamos o décimo terceiro salário em dezembro, além de cestas de Natal. Éramos felizes e não sabíamos.

Luiz Felipe Schittini 

fschittini@gmail.com

Rio de Janeiro

*

NO XILINDRÓ

Onde vai passar o Natal o casal Cabral, do Rio de Janeiro, por exemplo? Londres, Paris ou Nova York? Merecidamente, no xilindró, comendo picadinho de carne de segunda.

José Roberto Iglesias 

rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

CRISE CARIOCA - BOAS FESTAS!

Lindbergh Farias, Jandira Feghali, Piccianis, Molon, Chico Alencar, Sergio Cabral, Pezão, Eduardo Paes, Eduardo Cunha, Dornelles e muitos outros garantiram o Natal; Marcelo Crivella garante o ano novo. Nenhum carioca tem o direito de reclamar...

A. Fernandes 

standyball@hotmail.com

São Paulo

*

A MARCA DOS 100 MILHÕES NA INTERNET

Somos 100 milhões de brasileiros conectados à internet ("Estado", 23/12). Desde a sua popularização no Brasil, ao redor do ano 2000, a internet só cresceu, abriu novas possibilidades e acabou por atrair praticamente todos os segmentos de serviços públicos e privados que, com a ampliação e confiabilidade da rede, passaram a por ela disponibilizar os as suas atividades. Com um serviço tão eclético na ponta dos dedos, mudam-se os hábitos e a prestação de serviços. Buscamos na rede aquilo que necessitamos e só nos locomovemos ao fornecedor, quando este não está "online". Trabalhamos, cumprimos nossas obrigações fiscais, pagamos contas, estudamos, ministramos aulas, assistimos filmes, ouvimos músicas, recebemos informações, compramos desde o simples sanduíche até o automóvel, sem sair de casa, evitando congestionamentos, consumo de combustíveis, poluição e outros problemas urbanos e ambientais. Os órgãos normativos e as operadoras não podem descuidar na adoção de métodos e tecnologias e que a população seja treinada para fazer o melhor uso possível do recurso colocado à sua disposição. Afinal, internet hoje não é apenas mais um serviço banal ou facultativo. É o agregador de centenas, talvez milhares de atividades fundamentais à sociedade. É artigo de primeira necessidade...

Dirceu Cardoso Gonçalves 

aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

TRAGÉDIA

O governo sírio comemora a reconquista da cidade de Aleppo. Desde quando ruínas, terras arrasadas e milhares de mortos podem ser chamados de cidade?

Luiz Frid 

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.