Fórum dos leitores

MAIORIDADE PENAL

O Estado de S. Paulo

02 Julho 2015 | 03h00

Licença para matar

Realmente, cada povo tem o governo que merece. Após a votação da PEC da redução da maioridade penal para 16 anos, alguns deputados, dentre eles cinco do PSDB, optaram para que os menores continuem assaltando, estuprando, matando, etc. Agora têm “licença para matar” com o aval da Câmara dos Deputados. Nossos políticos só legislam em causa própria, o sofrido povo que pague a conta!

ARNALDO LUIZ DE OLIVEIRA FILHO

arluolf@hotmail.com

Itapeva

Contra a vontade do povo

Parabéns aos deputados federais que votaram contra a redução da maioridade penal, apesar da pesquisa que mostrou a vontade da imensa maioria do povo de reduzi-la. O PT votar contra era mais do que esperado. Mas cinco deputados do PSDB e dois do DEM, também? Mara Gabrilli, que decepção! Pena que minha família votou nela. A deputada que aproveite bem seu mandato até o fim, porque tenho a impressão de que será o último!

DEBORAH MARQUES ZOPPI

dmzoppi@uol.com.br

São Paulo

Mais uma vez a Câmara, pressionada por grupos ruidosos e na contramão da vontade popular – se houvesse plebiscito a redução da maioridade penal para 16 anos seria aprovada por larga margem de votos –, rejeitou essa desejada proposta de emenda constitucional. Culpa dos eleitores que votam mal e elegem representantes que verdadeiramente não os representam nem comungam suas ideias.

RONALDO GOMES FERRAZ

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

Menino prodígio

Há 50 anos eu era um menino de 15 anos e não sabia definir tecnicamente os crimes, por exemplo, roubo e homicídio, mas já tinha ciência de que matar, lesionar, subtrair objetos alheios, etc., era errado. Vivia eu numa pequena cidade no sul da Bahia onde não havia televisão e as comunicações eram precárias – internet, redes sociais, computador pessoal, telefone móvel, etc., não passavam de ficção. Atualmente os jovens têm todos os tipos de informações à disposição e os srs. deputados decidiram que eles não entendem o caráter criminoso dos delitos que praticam. Teria sido eu um menino prodígio ou os jovens de hoje são retardados? A realidade é que os “dimenó” continuarão na prática de crimes impunemente. E não reclamem os que apoiam bandidos com idade inferior a 18 anos se esses delinquentes começarem a ser linchados, pois a população não aguenta mais ver esses vagabundos saírem das delegacias sorrindo e zombando de suas vítimas.

ERALDO B. CIDREIRA REBOUÇAS

real742@yahoo.com.br

Poços de Caldas (MG)

Eles oPTaram

Finalmente os políticos decidiram de que lado estão. Se é para escolher entre a população e os criminosos menores, que se poupem os criminosos!

RUBENS SOUSA PINTO FILHO

rubanfilho@hotmail.com

São Paulo 

Com a rejeição da redução da maioridade penal a Câmara finalmente oficializa e legaliza a impunidade, os assassinatos, os estupros, os crimes hediondos e uma série de outras maldades e atrocidades praticadas pelos “di menor”. Mais um dia de festa para a criminalidade e de tristeza e lágrimas para as famílias e os cidadãos de bem deste país. 

DAVID NETO

dzneto@uol.com.br

São Paulo

40 mil barbarizando!

O ministro da Justiça, José Eduardo Martins Cardozo, declarou que se a lei de redução da maioridade fosse aprovada 40 mil menores iriam para a cadeia, por ano. Quer dizer, então, que está comprovado que pelo Brasil afora existem milhares de menores barbarizando e matando cidadãos de bem, e o governo insistia em esconder? É a primeira vez que os brasileiros têm acesso a esses números alarmantes. Um menor de idade é mais letal do que um maior, pela impunidade que dá àquele muito mais poder. Se quisermos uma democracia plena e saudável, precisamos retirar esse complexo de vira-latas que compõe as esquerdas/socialistas brasileiras. Melhor 40 mil menores trancafiados do que cometendo barbaridades contra a população que sustenta este país!

BEATRIZ CAMPOS

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo 

MUNDOS PARALELOS

Nossos ‘representantes’

Quando a esmagadora maioria da população é a favor da redução da maioridade penal, nossos políticos votam contra a redução. Quando cortes nos gastos governamentais são imprescindíveis, o Senado aprova um aumento de até 78% para os salários do Judiciário e a Câmara Municipal de São Paulo aprova o aumento do número de seus funcionários. Devemos estar vivendo em mundos paralelos, isso, sim, é nós e eles!

OSCAR SEEKLAR MULLER

oscarmuller2211@gmail.com

São Paulo

FINANÇAS PÚBLICAS

Decência

Pedaladas fazendo escola. Em plena recessão o presidente do STF postula e o Congresso aprova reajuste, a longo prazo, sabidamente um ingrediente na inflação. Decência, por favor!

CARLOS JOSÉ MARCIÉRI

carlosjoseunb@gmail.com

Brasília

Desigualdades sociais

O Senado aprova aumento de 78% para funcionários do Judiciário, escalonado, que terá impacto de R$ 25 bilhões nas despesas. A presidente pode vetar. Aposentei-me há uns dez anos com 7,7 salários de referência do INSS e hoje recebo líquidos quase três salários mínimos. E o governo vetará o reajuste pelo mínimo para quem ganha acima deste, uma vez que o impacto nas contas da Previdência seria de R$ 9 bilhões. Este é o Brasil, com suas desigualdades sociais.

CELSO XAVIER DA ROSA

celsoxr@hotmail.com

Estiva (MG)

Culpados pelo déficit

E agora? São os aposentados da CLT, com aumentos pelo salário mínimo, ou os funcionários do Judiciário? Alguém pode explicar? Reajuste de 78%, não há adjetivo que possa descrever tamanha barbaridade.

RONALDO DE MORAES RUSSO

rdmrusso@gmail.com

São Paulo 

O BRAHMA

Dúvida

Apenas a título de curiosidade, no avião de quem elle foi dar expediente em Brasília?

GUTO PACHECO

jam.pacheco@uol.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL

Mais uma vez nossos parlamentares votam contra os interesses da maioria da população, derrubando a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 171, que previa a redução da maioridade penal apenas em casos de crimes hediondos. Faltaram apenas cinco votos e, por incrível que pareça, houve cinco deputados do PSDB, partido que propôs o substitutivo, que votaram contra a proposta e, portanto, são os responsáveis pela continuidade da impunidade destes criminosos “mirins”. Não seria o caso de expulsá-los do partido? Para este assunto não se trata de situação ou oposição, mas, sim, de atender à vontade da imensa maioria da sofrida população brasileira (90%), que está cansada de ter de enfrentar a violência diária de nossas cidades. Para o sr. ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, porém, a preocupação não era com a vida das pessoas de bem, mas com o abarrotamento dos presídios brasileiros. Este é nosso país e estes são os nossos políticos. Que Deus nos proteja!

 

Roberto Luiz Pinto e Silva robertolpsilva@hotmail.com  

São Paulo

*

MEDIDAS SOCIAIS

A derrota na Câmara dos Deputados do projeto dos defensores da redução da maioridade penal deveria servir para uma reflexão, não apenas deles, mas de tantos quantos têm efetiva preocupação com este sério problema. Sua solução não está restrita à mudança na lei penal. O que se fez efetivamente nos 20 anos de tramitação da proposição para controlar as atitudes de jovens que se deixam levar para o crime? E que fizeram suas famílias de forma a incentivar os filhos a agirem como seres humanos sérios e responsáveis? Que se busquem soluções por meio de medidas sociais e envolvimento dos jovens e de seus responsáveis.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br 

Santos

*

O ‘DIMENOR’ E O CRIME

Dada a decisão de “nossos” representantes (sic), a conclusão é que a sociedade tem de passar a mão na cabeça dos delinquentes “dimenor”, pois eles não tiveram formação para entender os princípios da sociedade e estruturar seus valores dentro da lei. Nascidos de famílias desestruturadas e sem um sistema educacional decente, morando em condições inadequadas, a conclusão é que, se a sociedade os penalizar, estará cometendo uma injustiça, devendo deixá-los livres (ou no máximo dar-lhes um “puxão de orelhas” ressocializante) para se redimir dos erros cometidos historicamente. Claro que a consequência é que eles vão poder continuar se drogando, roubando, estuprando, esquartejando, até que a sociedade permita que todos os cidadãos tenham condições de viver decentemente e haja um sistema educacional que forme cidadãos respeitadores da lei. É claro que esse ponto de vista vale até que estes criminosos completem 18 anos, pois, então, num passe de mágica, o problema deixa de ser da sociedade e passa a ser deles próprios: se não tiveram a estrutura devida para entender o certo e o errado, pelo menos tiveram tempo para sentir a realidade da vida, não é? E então, como já não vai doer na consciência da sociedade, eles poderão, afinal, ir para uma prisão cumprir pena pelos seus crimes futuros e se especializarem de acordo com sua vocação na escola, que é o atual sistema prisional (são adultos, ora!). Será que alguém realmente acredita num raciocínio desses? Será que nossos representantes não foram crianças e jovens e não aprenderam a diferença entre o certo e o errado e a gravidade de matar e estuprar antes dos 18 anos? O Brasil continua um gigante deitado em berço esplêndido, sem despertar para a realidade do mundo e do ser humano, perdido num sonho que impede, por onírico, o estabelecimento de uma sociedade consciente e responsável, com direitos e obrigações que lhe permitam amadurecer e cumprir seu destino.

Jorge Alves jorgersalves@2me.com.br

Jaú

*

DISCERNIMENTO E DOMÍNIO DA RAZÃO

Sobre a questão da maioridade x menoridade, há, é claro, pessoas que precisam ser tuteladas pelo Direito, pois nem todos estão qualificados e são capazes de exercer seus direitos e os atos da vida civil e criminal, que consistem na capacidade de fato – como no caso dos menores de idade, cujo discernimento é reduzido, ou no caso dos que por algum motivo temporário ou não não puderem exprimir sua vontade. Mas isso se justifica pela fragilidade e porque os menores não têm domínio sobre o exercício da razão, não sabem fazer uso dela pela falta de discernimento e, portanto, não têm capacidade para assumir a responsabilidade por seus atos. A maioridade é o momento em que a natureza confere maturidade ao corpo e à compreensão dos fatos e das ações. Um indivíduo pode ser considerado maior de idade quando se acha livre para agir de acordo com sua própria vontade, tendo a razão para guiá-lo e com ela compreende as coisas e fatos da vida e se autogoverna, numa conduta e postura de senhor de sua pessoa. Por esse motivo, acredito que o mesmo critério utilizado para emancipar um menor e torná-lo maior de idade ao casar-se antes dos 18 anos deveria ser utilizado quando ele comete um crime. O indivíduo deve ser considerado maior assim que passa a agir com liberdade. A liberdade pessoal, civil e criminal é que legitima o bem e o mal, pois um homem só é bom ou mal se for livre para sê-lo. Por isso nossas leis não consideram crimes atos cometidos por não responsáveis. Assim, é responsável por um ato aquele que escolheu praticá-lo, e/ou que tinha discernimento para fazê-lo e, portanto, estava apto a assumir as consequências de seus atos. Maior é quem sabe o que está fazendo, e duvido que alguém que mate não entenda que está matando.

Patrícia Lobo d’Eça patricia_lobo@terra.com.br

São Paulo

*

O TRABALHO DA CÂMARA

Reduzir o número de ministérios, de cargos de confiança e as bancadas de senadores, vereadores e deputados, isso ninguém propõe. Mas é mais fácil reduzir a maioridade penal. Tendo Eduardo Cunha como presidente da Câmara, sinto saudades do Severino Cavalcanti.

Marcelo Cioti marcelo.cioti@gmail.com 

Atibaia

*

ESPERTEZA

Os caudatários da organização criminosa petromensaleira queriam mesmo o quê? Simples: entupir a cadeia com crianças para, ao chegar a vez deles, lá, na Papuda, ouvirem com pompa e solenidade: “Não há vaga...”.

 

Ataíde Jorge de Oliveira ataidejorg@gmail.com 

Brasília

*

LULA EM BRASÍLIA

Lula aconselhava FHC a vestir o pijama e cuidar dos netos após deixar a Presidência. É o tipo do conselho que serve para os outros, mas ele próprio não o segue. Não só não faz isso, como se intromete com frequência. Louco por poder, Lula se aproveitou da ausência da presidente Dilma, que está em viagem ao exterior, para agir como se presidente ainda fosse. Em Brasília, reuniu-se com figuras públicas para discutir assuntos políticos, desrespeitando inclusive o vice-presidente e coordenador político do governo, Michel Temer. Definitivamente, ele não se dá conta de seus erros ou é falta de vergonha mesmo. Mais uma mancha negra em sua folha corrida.

Alvaro Salvi alvarosalvi@yahoo.com

Santo André 

*

EM BUSCA DE APOIO

O ex-presidente Lula, desesperado com a Operação Lava Jato, foi a Brasília esta semana cobrar dos aparelhados do PMDB apoio à sua cria, a incompetente presidente Dilma.

Wagner Monteiro wagnermon@ig.com.br 

São Paulo

*

O DESESPERO DO ‘BRAHMA’

Será o Benedito? Não consigo entender como um indivíduo autointitulado de metamorfose ambulante, cujas “excelsas” virtudes lhe valeram o apelido de Barba, no passado, e de Brahma, nos dias de hoje, pode pautar uma reunião com altos próceres do Legislativo, dizendo que “a (Operação) Lava Jato não pode pautar o País”? Seriam farinhas do mesmo saco? Mas, mesmo que sejam (ou até por isso), com a notícia de ontem – picos de rejeição (68%) e de aprovação (9%) de sua criatura, a presidente “mulher sapiens”, dona Dilma Rousseff –, parece que o caldo azedou de vez. Se tivesse evitado que o Petrolão corresse solto sob suas barbas e não tivesse tanta intimidade com o “Paulinho”, recebendo-o dias antes da decisão da compra da Refinaria de Pasadena, não precisaria estar correndo de um lado para o outro para tentar “melar” uma investigação conduzida por um juiz íntegro e cioso de seus deveres. Seria o mínimo que uma nação poderia esperar de um verdadeiro estadista. 

Antonio C. Gomes da Silva acarlosgs@uol.com.br 

São Paulo

*

PAUTA

O mínimo que posso dizer a respeito do boquirroto é que ele é indecente. O maior filho da pauta do País diz agora que a Lava Jato não pode pautar o País. E ainda dão ouvidos e espaço na mídia para essa execrável figura. Até quando? Até quando?

Renato Otto Ortlepp renatotto@hotmail.com 

São Paulo

*

REUNIÃO PT-PMDB

Na reunião entre petistas e peemedebistas esta semana, organizada pelo ex-presidente Lula na residência oficial do senador Renan Calheiros, todos os participantes foram obrigados e entregar seus celulares para que nada fosse gravado e servisse de testemunha. Aposto que saíram gatos e lagartos, com ferroadas e mordidas para todos os lados, saindo todos descabelados, mas fazendo cara de paisagem. Já vimos esse filme quando a Polícia Federal prendeu uma cúpula do PCC.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br   

São Paulo

*

CONFIDÊNCIAS

O que será que Lula confidencia ao sr. Renan?

Jonas de Matos jonas@jonasdematos.com.br

São Paulo

*

O TEMOR NO PT

Os telefones celulares dos parlamentares do Partido dos Trabalhadores foram recolhidos durante o encontro com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Portanto, os companheiros do mesmo partido não confiam mais uns nos outros. Tamanha desonra revela o temor que ronda o partido. Os petistas estão patrulhando uns aos outros. Essa prática é inédita no Brasil. O PT está desmoronando. Os petistas fracassaram de forma incontrolável.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br 

Rio de Janeiro

*

PARTIDO DESTRUÍDO

Algumas vezes acontece de pessoas e entidades não reconhecerem sua real situação. Já morreram, mas pensam que ainda estão vivos. Isso está-se dando com Lula, Dilma, “seu” partido político e companheiros. Cometeram suicídio político por seus desmandos, incompetência e seus malfeitos (denominação branda dos petistas para atentados contra a lei, a Justiça e a democracia). Já deixaram o mundo real, passando para o lado de lá, situando-se na erraticidade. Com mais de 12 anos de poder, destruíram a economia, a moral e outros valores, tudo por causa da incompetência, da mentira e da hipocrisia. Agora, com o comandante sorrateiramente a deixar o barco, largando-o à deriva com sua criatura perdida e desesperada, que passou a apelar para a transferência de suas funções a terceiros, critica-a para fingir que é oposição, insinuando que o partido deverá ser renovado com a participação de jovens e mudança de estilo. Com a acachapante atual posição da “presidenta” nas pesquisas, busca-se ressuscitar valendo-se, desta vez, de política ortodoxa com nítidos maléficos efeitos na sofrida vida dos cidadãos que não ocupam cargos públicos, notadamente aqueles ligados à política. Nem dá para dizer “durma-se com um barulho desses”, porque o povo não consegue nem piscar o olho, e, quando raramente isso se dá, não tem sonhos, mas assustadores pesadelos.

 

Antonio Claudio Canto acgcanto@uol.com.br 

São Paulo

*

QUE DIABOS!

É ultrajante e indecoroso como o ex-presidente Lula usa as circunstâncias ao seu bel prazer e segundo seus interesses mais ocultos. No seu governo, a Polícia Federal (PF) tinha autonomia para investigar, agora o ministro da Justiça não controla a PF. Mas que diabos o homem deseja? Ah, eu sei e muitos sabem, só os bolsistas não sabem. Que pena! Até quando?

Éden A. Santos edensantos@uol.com.br 

São Paulo

*

VOLTA POR CIMA

Lula cobrou reação e volta por cima do PT. Traduzindo: Lula quer que os ratos mordam.

Ottfried Kelbert okelbert@outlook.com    

Capão Bonito

*

SUJEIRA

Alguém precisa avisar ao “Brahma” que a sujeira do sujo PT não está mais debaixo do tapete, mas, sim, sobre os sofás, as camas, prateleiras e, especialmente, em suas fartas mesas de refeição, onde até a comida que os alimenta é produto de roubo.

  

José Horacio de Almeida Cancherini josehoraciocafe@gmail.com  

Itu

*

HAJA VOLUME MORTO!

Se o ex-presidente Lula for preso, tenho a impressão de que se comportará da mesma forma quando foi preso pelo regime militar, manso e cooperativo. Mais velho, talvez adira ao benefício da delação premiada com a condição de ficar em prisão domiciliar, ou no seu triplex do Guarujá, ou no seu sítio, recém-reformado, em Atibaia.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br  

Monte Santo de Minas (MG)

*

DELAÇÃO, SEGUNDO DILMA

“Não respeito delator”, disse Dilma Rousseff. Eu também não respeito delatores, Deus me livre! Acho que ninguém respeita os que traem companheiros, mas é bom que se respeite a Justiça brasileira e, sobretudo, o Supremo Tribunal Federal (STF), que, por meio do ministro Teori Zavascki, acolheu a delação premiada de Ricardo Pessoa, dono da construtora UTC, envolvida na corrupção na Petrobrás. Esse é um recurso judicial criado para que pessoas que tenham cometido crimes possam ajudar a Justiça na busca dos fatos e das provas que levem a coniventes, caso de muitos petistas. Ah, dona Dilma, como é fácil jogar com palavras para enganar o povo mais desinformado, tentando passar a ideia de que quem faz delação premiada está praticando o mesmo tipo de delação dos traidores. Cuidado, que a esperteza pode comer o dono ou, então, o feitiço virar contra o feiticeiro. Em tempo: corre à boca pequena que José Genoino, quando preso na guerrilha, delatou muitos companheiros. Viu, dona Dilma? Se isso foi verdade, está aí um bom mau exemplo de delação a que se referiu em seu indignado pronunciamento nos EUA.

Eliana França Leme efleme@terra.com.br 

São Paulo

*

ABANDONADOS

É interessante que os “cumpanheiros empreiteiros” entendam o recado da presidente: foram abandonados pelos comparsas petralhas! É um motivo a mais para contarem tudo.

Ricardo C. T. Martins rctmartins@gmail.com 

São Paulo 

*

DILMA E A OMERTÀ

De nada adiantou Dilma deixar no País seus auxiliares alvos de denúncias para evitar que o vazamento da delação premiada do empreiteiro Ricardo Pessoa respingasse em sua visita aos EUA. Ela própria incumbiu-se de levar a crise de sobrepeso ao dar declarações celebrando (!) a Ometà – lei máxima da Máfia, que se traduz num voto de silêncio inquebrantável – no momento em que disse à imprensa que “não respeita delatores”. Al Capone, se vivo fosse, ficaria orgulhoso ao saber que a lei do silêncio, pedra de toque de sua organização criminosa, é celebrada pela mandatária da 7.ª maior economia mundial – a mesma que chora a execução de traficantes de narcóticos na Indonésia e propõe “diálogo” com cortadores de pescoços de infiéis ocidentais. Não contente, S. Exª procurou um esdrúxulo paralelo com a traição na Conjuração Mineira, o que terminou piorando ainda mais as coisas porque, sem querer, identificou  o delator da Lava Jato como um “inconfidente”, alguém do círculo íntimo do governo que traiu o grupo – tal qual fez Joaquim Silvério dos Reis  na cidade mineira de vila Rica em 1789.  Dilma, enfim, não consegue dar uma dentro! Não admira que amargue aprovação de pífios 9% de desavisados contra uma rejeição de 68%, conforme a última pesquisa Ibope. Tudo na vida tem uma razão de ser.

 

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com 

São Paulo

*

OMERTÀ?

Dilma afirma que não respeita delator. E nem poderia ser diferente, pois impera a lei do silêncio, do fui traído e do nada sei.

 

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

DILMA ARREPENDIDA

Dilma Rousseff já queimou as mãos ao defender o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto. Agora diz que não respeita delator, referindo-se a Ricardo Pessoa, dono da UTC. Para quem não sabe, foi a própria presidente Dilma quem sancionou a lei da delação premiada. Fica, portanto, meio sem sentido não respeitá-la agora, vocês não acham?

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmal.com

São Paulo

*

É PRECISO ESCLARECER

Uma sugestão ao senhor Edinho Silva, chefe de plantão da Comunicação deste desgoverno Dilma: por uma questão de dignidade ao cargo que o senhor ocupa e que nós lhe pagamos com os nossos tributos, informe a sociedade brasileira de que a sua patroa e o seu companheiro de mentirosos esclarecimentos havidos no fim da semana passado foram aqueles que sancionaram e mandaram publicar a lei da “delação premiada” (n.º 12.850, de 2 de agosto de 2013). Ficou claro, ou precisa de desenho?

Ruy de Jesus Marçal Carneiro ruycar88@uol.com.br

Londrina (PR)

*

PARA AMERICANO VER

A presidente Dilma foi perguntada, durante entrevista à imprensa em Nova York, sobre a doação, para sua campanha de reeleição, de R$ 7,5 milhões feita por Ricardo Pessoa, da UTC, por temer prejuízos em seus negócios com a Petrobrás. Indignada, respondeu que não respeita delator. Custa acreditar que uma pessoa experiente nos “jeitinhos” de negócios com a Petrobrás faz acusações levianas, sem provas, contra ela e outros políticos do PT e sua base aliada. Deixando de lado que sua reação é compreensível, ainda mais no exterior, somos nós que devemos ficar indignados por sustentar seu (des)governo, corrupto e ineficiente. Acontece que a inflação, os juros e o desemprego estão em alta, a economia está encolhendo, enquanto o governo e PT só pensam “naquilo”, ou seja, em permanecer no poder após 2018, com direito a reeleição, como quer Lula. E, para manter o ânimo, vem aí mais um “ajustinho” de 40,4% na conta de luz dos consumidores da Eletropaulo, considerando reajuste extraordinário e bandeira tarifária vermelha (para variar)!

Omar El Seoud ElSeoud.USP@gmail.com

São Paulo

*

SE NÃO FOSSEM OS DELATORES...

Esta senhora que ocupa a Presidência acaba de demonstrar publicamente sua aversão às leis ao afirmar que não respeita delator. Terrorista que não respeitava as leis, continua a não respeitar todo o povo brasileiro quando, enquanto presidente do Conselho da Petrobrás, afundou a empresa e, agora, repudia um instrumento legal de delação premiada? Se não respeita, mudem as leis. Muita máscara ainda por cair!

Fernando Figueiredo figurados@hotmail.com

São Paulo

*

DILMA E O DELATOR LULA 

Nossa sra. presidenta, como sempre, abre a boca para falar bobagens. Ora, ao desprezar delatores no Petrolão, deveria lembra-se de que, no livro de Romeu Tuma Junior, o autor expressamente acusa Lula de “dedo duro”, ou seja, um delator! E não consta que Lula tenha interpelado, refutado ou negado a acusação – ou seja, como sabe que Tuminha detém provas, optou pelo silêncio e pelo esquecimento. Nossa presidenta deveria confiar menos em seu criador. Ademais, delator, em democracia, sem tortura, é bem diferente dos delatores de uma ditadura, ou será que ela acredita que o Brasil está vivendo uma nova era ditatorial?  

José Rubens Macedo Soares joserubens@federmacedoadv.com.br 

São Paulo 

*

ALHOS E BUGALHOS

Ao comparar o delator atual aos delatores da ditadura passada e da inconfidência mineira, a presidente Dilma equipara heróis de outrora a corruptos do presente. Pior, iguala a Justiça e o Estado que deveria representar à tirania portuguesa e ao regime militar.

Haroldo Nader nader.haroldo@gmail.com 

Valinhos

*

CONFUSÃO MENTAL

Burrice tem limite. A presidente da República, ao comparar o delator da UTC ao delator de Tiradentes, e confundir alhos com bugalhos, das duas, uma: ou ela desconhece a história ou são os últimos recursos, antes da sua iminente saída pela porta dos fundos do Palácio da Alvorada.

  

Olavo Fortes Campos Rodrigues olavo_terceiro@hotmail.com 

São Paulo

*

CONFIANÇA

Dilma diz que não respeita delator. Então por que deu tanto poder e confiança a José Genoino, delator do Araguaia?

  

Moyses Cheid Junior jr.cheid@gmail.com  

São Bernardo do Campo

*

ESQUIZOFRENIA

A senhora “presidenta” não respeita delatores, mas defende o diálogo com degoladores de cabeças. Com razão, afinal a degola ocorre bem distante daqui...

 

Doca Ramos Mello ddramosmello@uol.com.br

São Sebastião

*

NINGUÉM ENTENDE

Dilma não aceita delatores, mas pede que suas delações sejam investigadas. As incongruências dos pronunciamentos da presidente são tão frequentes que parece que ela é bipolar. Como é possível alguém não aceitar e não respeitar delatores, se essa pessoa pede para investigar suas delações? Realmente, a presidente tem um discurso ininteligível.

 

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com 

Rio de Janeiro 

*

VERDADE OU MENTIRA

Durante a ditadura ela não se tornou uma delatora, porém passou a ser a maior mentirosa deste país!

  

Robert Haller robelisa1@terra.com.br 

São Paulo

*

PALAVRAS VÃS

 

Dilma, nos EUA, diz que não respeita delator, referindo-se ao empresário Ricardo Pessoa, da UTC. Perguntamos, então: ela respeitou o povo brasileiro ao ser leniente com tanta corrupção e outros desmandos que levaram o nosso país  ao caos em que se encontra? Sabe ela que quem mentir na delação premiada poderá ter penas mais severas? Cautela com o que fala, senhora presidente.   

  

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br 

São Paulo

*

‘MULHER HABILIS’

Dilma definitivamente não é uma “mulher sapiens”, mas poderia se esforçar para ser pelo menos uma “mulher habilis”.

Silvano Antonio Roxo bap3010@terra.com.br 

Santana de Parnaíba  

*

VAI TER DE EXPLICAR

Na vã tentativa de se fazer de vítima, muito ao gosto de seu criador, Dilma tenta colocar o processo penal atual no mesmo patamar do que ocorria nos tempos de exceção. Se bem que a tal tortura sofrida tenha controvérsias... Depois de dizer que “faz investigações” e deixa investigar, chegando “nelles” a conversa mudou. Pode até dizer que não respeita quem faz delação – demonstrando que não vê o bem que está fazendo ao País –, mas terá de explicar o din-din que veio da empresa do delator. Espero que o STF consiga atender à necessidade de legalidade e licitude tão reclamadas pelos cidadãos comuns, mas honestos.

 

Ana Lúcia Amaral anamaral@uol.com.br  

São Paulo

*

DEIXA ROLAR?

É de um cinismo ímpar a afirmação da presidente Dilma de não respeitar delator. Dessa forma, ela categoricamente atribui ao ato de delatar um grau de imoralidade muito maior do que o conteúdo propriamente dito da delação, no caso, a corrupção sistêmica que envolve a Petrobrás, partidos, políticos e ministros de governo. Quer dizer, presidente, que é melhor ficar quieto e deixar rolar a corrupção para não ser tachado de delator? A presidente carece de princípios fundamentais de moral e ética. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com 

São Paulo

*

MERECEMOS MAIS

Mentirosa, hipócrita, cínica e farsante foram os primeiros adjetivos que me vieram à mente ao ler que Dilma teria dito “não respeito delator”. Ela deveria ter acrescentado: “não respeito delator...” quando delata contra mim e os meus. Isso porque ela respeitou profundamente quando Edward Snowden delatou a espionagem da NSA e do governo americano, por exemplo. Aliás, fez muito mais do que respeitar: acreditou piamente, sem fazer nenhuma investigação, cancelou viagem aos EUA, descarrilou as conversações com a Boeing para dar preferência a caças europeus, exigiu desculpas de Barack Obama e por aí vai. Quando a delação atinge aqueles que estão no espectro contrário ao dos ideários esquerdistas, são reais, verdadeiras e louváveis. Por outro lado, se a atingem e a seus iguais, então não se respeita, não se dá importância, não se deve divulgar e a denúncia deve ser desconstruída e o denunciante, execrado. Que pena. Espera-se uma postura mais elegante e coerente de alguém que se propõe a governar um país...

Marcos L. Susskind eulerei@estadao.com.br 

São Paulo

*

ROUPA SUJA

Em abril de 2004, no auge da crise do mensalão, o presidente Lula, até então silencioso sobre o tema, decidiu dar uma entrevista à TV Portuguesa a fim de esclarecer o Brasil e, provavelmente, o mundo sobre o assunto. O mesmo repete Dilma, em entrevista nos EUA sobre o esquema Lava Jato, até então também silenciosa sobre o assunto. Declarações fora do País minimizam a culpa ou a responsabilidade? Tem mais validade do que se dirigir à nação brasileira e prestar os devidos esclarecimentos aqui? Induz incautos estrangeiros a acreditarem nos declarantes? Falta bom senso ser convidada para uma visita oficial e ficar se justificando sobre assuntos internos. Roupa suja se lava em casa.

Manoel Braga manoelbraga@mecpar.com 

Matão 

*

CHORORÔ

O PT e o governo Dilma estão nocauteados e desesperados. Prova disso é como ambos vêm se comportando nos últimos tempos diante das adversidades. Na reta final da campanha presidencial do ano passado, por exemplo, em meio a um festival de mentiras sobre as propostas do adversário tucano e dados irreais acerca do primeiro mandato da presidente, alguns dos principais argumentos apresentados por Dilma e Lula a fim de criticar Aécio Neves eram basicamente baixarias e difamações: segundo os petistas, o senador mineiro seria um “playboy”, “agressivo com mulheres” e dirigiria seu carro “sob efeito de álcool e drogas”. Nada de discussão madura e séria sobre os rumos do País; este caminho mais frutífero para o processo decisório da população durante o segundo turno da eleição foi tentado unicamente por Aécio. Agora, no contexto das revelações da Operação Lava Jato, brilhantemente conduzida pelo juiz Sergio Moro, agentes da Polícia Federal e procuradores do Ministério Público – pessoas realmente preocupadas com os destinos do Brasil –, qual é a maneira que o PT escolhe para se defender das acusações trazidas à tona pelas investigações? Resposta: culpar a imprensa malvada e “golpista” por “perseguir” o partido, levantar suspeitas sobre as doações recebidas pelos tucanos (enveredando pela lógica nefasta de que o eventual erro dos adversários inocentaria os petistas pelos seus próprios erros – “se todos roubam, por que eu não posso?”) e a declaração ridícula e infantil de Dilma de que “não respeita delator”, discorrendo sobre as denúncias explosivas de Ricardo Pessoa quanto às verbas de sua campanha de 2014. Resumindo: o PT se defende basicamente apelando ao chororô. Ora, quem é realmente inocente não lança mão de expedientes tão patéticos a fim de preservar sua reputação. Quem não tem culpa no cartório trata de apresentar, o mais rapidamente possível, números e informações concretas que seriam suficientes para contradizer de modo definitivo as palavras dos acusadores. Mas o PT parece não se esforçar muito para isso. Por que será?

Henrique Brigatte hbrigatte@yahoo.com.br 

Pindamonhangaba

*

OPOSIÇÃO FRACA

Uma oposição fraca, sem atitudes contundentes. É isso o que o povo brasileiro está vendo neste quadro vergonhoso da política brasileira. Um país sério já estaria livre destes crápulas que infestaram o Brasil  em corrupção e malfeitos por todos os setores da República.

Valdir Sayeg valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

*

DELAÇÕES EM ALTA

Destaques nos jornais desta semana: 1) “PT por baixo, Lula cobra reação”. E por que não devolução do dinheiro desviado? 2) Dilmandioca:  não respeito e nego delator; 3) Governo tenta limpar imagem da (sua suja financiadora) Petrobrás (se quiser privatizar, ninguém vai querer) 4) Lobista que pagou imóvel de Dirceu vira delator. Depois que o desgoverno Lula/PT tomou “posse”, o País vem caindo: pibinho, inflação, desemprego, ações na Bolsa de Valores despencando, empresas públicas e governos sendo roubados, etc., etc. A única coisa que está em alta são as delações. Quer mais? É só esperar.

Mário A. Dente dente28@gmail.com 

São Paulo

*

UM ‘JUMP’ NO ZÉ

O lobista Milton Pascowicht, da JAMP, que pagou um imóvel para José Dirceu, acaba de assinar delação premiada. Acho que dará um JUMP no Zé Dirceu. E, por tabela, no “Lulla”, visto que Zé Dirceu disse que não cairia sozinho. É uma questão de tempo.

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com 

São Paulo

*

VISITA DE ESTADO

Depois de receber Dilma Rousseff e sua comitiva, que mais parece Noé subindo à arca, agora só falta Barack Obama receber Kim Jong-Un e Nicolás Maduro para complementar o rol de “notáveis líderes” internacionais. O alento é saber os debilitados se reconhecem, já que ambos estão com alta desaprovação e que, no caso dos EUA, muito provavelmente os americanos darão “bye bye” à administração populista e medíocre dos Democratas, logo no ano que vem. Já por aqui, depois das declarações de Ricardo Pessoa, acho que o povo brasileiro terá a sorte de não ser obrigado a aguentar a incompetência de Dilma até 2018.

Frederico d’Avila fredericobdavila@hotmail.com 

São Paulo

*

DILMA NOS EUA

Grande feito de Dilma foi “negociar” com Obama a entrada do Brasil no Global Entry já vigente por lá. Claro que o americano continuará reticente sabendo que grandes viajantes são de fato os doleiros, políticos e empresários corruptos (está aí o sr. Maluf, que, se entrar nos EUA, não sai mais de lá), traficantes e vai por aí afora. Como Dilma se comprometeu com isso, só Deus sabe, talvez foi um assunto a portas fechadas. É preciso entender que Obama tem se mostrado um maritaca apenas melhor articulado do que Lula (“o cara”) e Dilma (o poste).

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

ESQUECIMENTO

Em discurso na Casa Branca, repleto de esperança, a presidente Dilma mencionou a óbvia ocorrência, ao longo da História, de crises recorrentes em todos os países do mundo e chegou até a citar a americana, surgida em 2008, parabenizando o presidente Obama pela aparente superação e reafirmando a forte expectativa de que o Brasil venha a contornar a sua também. Tudo muito correto e apropriado, mas esqueceu-se a nossa mandatária de acrescentar aos presentes, até para enriquecer os dados sobre as projeções futuras, que se achavam diante do responsável direto pela situação aflitiva para a qual o seu país foi arrastado, consequência indiscutível do descontrole das contas nacionais na ensandecida busca pelo poder a qualquer custo que sempre marcou a estratégia de seu partido, desde que assumiu o poder.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

DILMA E BARACK

Em coletiva ao lado do sorridente e hilário presidente Barack Obama, a presidente Dilma Rousseff confundiu nossa história, misturou ditadura com democracia, explicou nossa crise interna como reflexo da crise internacional de sete anos atrás, atacou insanamente delatores e defendeu com o fígado corruptos de seu governo e partido, fatos facilmente desmascaráveis por qualquer brasileiro minimamente informado. Imagine, então, pelo antenado Obama, que vigiava (se é que não continua vigiando) o governo brasileiro, inclusive a própria colega ao seu lado.

Abel Pires Rodrigues abel@knn.com.br                                     

Rio de Janeiro 

*

INVEJA DA GRÉCIA

O ex-técnico de informática da CIA Edward Snowden vazou informações sigilosas “não premiadas” de segurança dos EUA, revelando detalhadamente alguns programas de monitoramento de vigilância do seu país para espionar os americanos, o mundo e até gente menos importante, como Dilma Rousseff, em conversações com sua assessoria. E não é que nessas “delações” a rainha da mandioca acredita? Foi de pires na mão tentar umas migalhas àquele horrível país imperialista e falar as costumeiras abobrinhas, desrespeitando a inteligência de todos os que conseguem ouvi-la. Enquanto isso, os brasileiros são desrespeitados diuturnamente com as falácias do PT e de seu eterno embromador, no ataque e sempre com os mesmos discursos de palanque de 1980! Dá inveja da Grécia...

Carmela Tassi Chaves tassichaves@yahoo.com.br 

São Paulo

*

ELOGIO A KISSINGER

Difícil de acreditar que a presidente Dilma Rousseff (PT) tenha visitado e elogiado nos EUA o ex-secretário de Estado Henry Kissinger. Trata-se de uma figura nefasta, responsável direto por inúmeros golpes militares e derrubada de governos democraticamente eleitos na América Latina, nos anos 60/70. Kissinger representa o que há de pior e mais conservador nos EUA e no mundo. Dilma fez mais um gol contra e cada vez mais ela depõe contra o seu passado de militante de esquerda e contra a imagem do Brasil no mundo.

 

Renato Khair renatokhair@uol.com.br  

São Paulo

*

MEMORIAL

Memoriais servem para relembrar feitos notáveis de personalidades de um país. Martin Luther King foi sem dúvida alguém que mereceu a homenagem prestada. Se hoje há um presidente negro nos EUA, deve-se em grande parte ao seu ativismo. Dilma Rousseff certamente terá o seu, postumamente, por ter sido a primeira “mulher sapiens” a governar o Brasil. Terá aos seus pés uma emblemática plantação de mandiocas. Possíveis frases para a posteridade: “A culpa é dele”; “não sei de nada”; e “inclui e desinclui”.

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br 

Indaiatuba 

*

CHAVISMO LANÇA OFENSIVA

O problema de alimentos na Venezuela de Maduro é muito grave. Um membro deste governo esteve no Brasil e visitou a fábrica de remédios Hyper Marcas e o frigorífico JBS. Com certeza, deve ter pedido financiamento pelo BNDES com juros a perder de vista e, daqui a meses, possivelmente, aplicar o calote com o beneplácito da presidente Dilma.

Arlindo Oscar Araújo Gomes da Costa araujodacosta@gmail.com 

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.