Fórum dos leitores

LULOPETISMO

O Estado de S. Paulo

10 Julho 2015 | 03h00

O Brasil no Brics

É perceptível o descrédito do Brasil e da presidente Dilma Rousseff na cúpula do Brics, onde se isenta da liderança, busca apoio e culpa uma suposta crise internacional pelo caos em que o Brasil mergulhou. Ela e seus assessores esquecem que os líderes mundiais estão cientes da gigantesca corrupção que assola o País e suga todas as riquezas, impedindo qualquer crescimento econômico e social. Caminhamos a passos largos para nos tornarmos outra Grécia, visto que ajustes paliativos buscando a redução da jornada de trabalho e dos salários já são feitos nas empresas com funcionários e fornecedores, a tributação real cresce diariamente, impulsionada pela inflação descontrolada, os juros da dívida pública consomem praticamente um estádio por dia, entre outras inúmeras mazelas. A sociedade está cansada desse conluio entre oposição e governo federal e cobra atitudes sérias e benéficas para a Nação, pois não só os pobres sofrem, mas também os grandes capitalistas e políticos serão prejudicados com o descontrole econômico.

DANIEL MARQUES

danielmarquesvgp@gmail.com

Virginópolis (MG)

Dilma e Calpúrnia

Há pessoas que têm a capacidade de alimentar previsões como se agissem como um ímã que atraísse tais eventos. Assim foi nos idos de março de 44 a.C., à véspera do assassinato do imperador Júlio César no Senado Romano. Sua terceira esposa, Calpúrnia, pediu-lhe que ele não fosse ao Senado, porque pressentia algo de funesto para seu marido. O imperador não lhe deu ouvidos. E deu no que deu. Dilma, sempre que fala na melancólica situação do País, argumenta que o Brasil sofre consequência de uma crise mundial que atinge a maioria dos países. Parece até uma praga da Cassandra dos trópicos. E não é que a China, responsável pela alavanca de progresso do mundo capitalista, começa a dar sinais de fadiga, com constantes quedas nas bolsas, o que levou 940 empresas a saírem dos pregões. Somente esta semana pelo menos 173 empresas suspenderam negociações, levando Xangai a cair 27% em 30 dias. Xangai e Shenzen em 30 dias acumularam queda de 27,4% e 35,6% respectivamente. Para o Brasil isso é preocupante, porque a China é parceiro importante no comércio exterior. Reflexo de imediato é a queda nos preços das commodities, como minério de ferro e petróleo – a China é a maior importadora de commodities do mundo. O que Dilma apregoava de forma mentirosa vai se tornar realidade. Se a economia da China entrar em queda livre, o Brasil vai a reboque no vácuo da queda. A China alavancou muitas economias e chegou a hora de elas se estruturarem e se equilibrarem nas próprias pernas.

JAIR GOMES COELHO

jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

Crise chinesa

Na minha opinião, a China cresce a uma velocidade incompatível com as suas reais condições. Lembra-me um penitente, com asma, que se propôs a subir correndo os 365 degraus da escadaria da Penha em busca de um milagre.

SERGIO S. DE OLIVEIRA

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

Desemprego

O desemprego no Brasil sobe para 8,1%, o maior nível em mais de três anos. Nenhuma surpresa: nunca antes na História deste país houve uma crise tão grande. É crise econômica, social, política, moral. Durante a campanha à reeleição da presidente Dilma, o então diretor do Ipea Herton Araújo foi impedido de divulgar dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad-IBGE), em que aparecia o aumento da extrema pobreza no Brasil. O PT, que se vangloriou de ter tirado 30 milhões de pessoas da pobreza, não podia em 2014 confessar que a pobreza estava aumentando. Depois de 13 anos no poder, o PT não só vai devolver as pessoas à pobreza, como deixar milhões de desempregados. Tudo por falta de competência na gestão e ganância pelo poder. O governo do PT perdeu o discurso enquanto cuidou de encher o bolso. A população que estava dormindo seu sono profundo parece acordar e viver um pesadelo. Eis o Brasil, um país de tolos que acreditaram nas promessas de campanha.

IZABEL AVALLONE

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

Tragédia

Quem não se lembra do comercial da campanha eleitoral que afirmava que Arminio Fraga tiraria alimento da mesa do pobre? O próprio marqueteiro João Santana se elogiou pela obra-prima. Mas, quem diria, o anúncio publicitário transformou-se em profecia realizada. O alimento anda escasso na mesa dos pobres por culpa do governo popular de Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores. Seria irônico se não fosse trágico.

CLODER RIVAS MARTOS

sheinerivas@hotmail.com

São Paulo

Hipocrisia

A publicidade do governo em cima de uma eventual preocupação com o desemprego camufla o verdadeiro motivo da medida que permite a redução de 30% nos salários. Na realidade, fizeram as contas e concluíram que é melhor pagar 15% do salário do que pagar o seguro-desemprego, que cresce a cada dia. E digo mais: se o desemprego não é maior ainda, é porque as empresas em crise não têm caixa para arcar com as pesadas verbas rescisórias de uma demissão. Isso tem um lado bom, mas também pode quebrar a empresa, levando à demissão total. A redução dos salários pode até atender a algumas empresas gigantes, como as montadoras, mas não ajuda em nada as pequenas, que proporcionalmente ao faturamento empregam muito mais. Muitos empresários estão estressados e desanimados com a atividade e principalmente como são tratados pelas autoridades, pelos políticos, pelos sindicalistas e outros líderes sociais de araque. Para a empresa, tudo é mais caro: IPTU, água, luz, IPVA, etc. A empresa é usada como caixa de banco para cobrar dos empregados as taxas dos sindicatos, da Previdência, do FGTS, etc. Vários órgãos públicos cobram taxas a torto e a direito. Se o empresário consegue vencer na vida, é castigado novamente por causa dos bens que adquiriu, apesar de arcar com os serviços básicos que o governo deveria fornecer. O que esperar do futuro de um país que prestigia o vagabundo, o ladrão e o malandro?

JOÃO CARLOS A. MELO

jca.melo@yahoo.com.br

São Paulo

Não dá mais

Tenho lido que a saída da presidente seria traumática para o País. Ora, traumático é o drama que estamos vivendo, sem perspectivas até de longo prazo. Da diarista ao executivo, todos pedem sua saída. Novas eleições ou uma composição com o vice traria esperança de reverter tudo o que ela fez de mal ao Brasil.

FRANCISCO DA COSTA OLIVEIRA

fcoxav@gmail.com

São Paulo

JOAQUIM LEVY, CADÊ VOCÊ?

Dilma Rousseff partiu para a Rússia sem o seu ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Será que ele está novamente “gripado” ou está digerindo o Plano de Proteção ao Emprego e seu impacto sobre o ajuste fiscal? Eu acho que ele renuncia antes de Dilma.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

GOVERNO DO POVO

Dilma deu mais uma prova de que governa para o povo, concedendo “benefício”, no Plano de Proteção ao Emprego, para a indústria automobilística. Perfeito, na atual situação, com o povo passando até fome, é fundamental obter privilégios para adquirir um automóvel! Mais um ato esdrúxulo deste governo insano.

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

ÀS FAVAS

Não dá para entender o comportamento da indústria automobilística brasileira. Anos e anos de pujança; lucros fantásticos; pleno emprego; remessas de lucros para as matrizes; benesses governamentais; executivos nadando em dinheiro. Aí vem uma crisezinha e a indústria ameaça demitir. E as reservas de lucros? Não é a primeira vez que isso acontece. É um fenômeno cíclico. Querem vender? Baixem os preços. Estes só aumentaram nos últimos tempos, e em torno de 20%, superior à inflação. Às favas a Anfavea! Só querem mamar.

Paulo H. Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com  

Rio de Janeiro

*

ALERTA AOS CONSUMIDORES

Todos devem se atentar para a maquiagem que as indústrias de praticamente todos os segmentos vêm praticando contra os consumidores. Trata-se de diminuir as quantidades nominais de seus produtos, sem nenhum alerta sobre a redução de suas quantidades nominais tradicionais. Isso se deve à falta de padronização da indicação quantidade dos produtos pelos órgãos competentes, que deveriam coibir esses abusos. Desde a implantação do Mercosul, o Brasil tinha a maioria dos seus produtos padronizados. O País teve de revogar diversas portarias de padronização, pois os países que formaram o Mercosul não tinham legislação que padronizasse seus produtos. Portanto, para que os produtos desses países pudessem ser comercializados no Brasil, tivemos de retroceder de um patamar mais avançado igual ao dos países desenvolvidos, como Alemanha, Japão e Estados Unidos, para os padrões de nações como Paraguai, Argentina, entre outros. Isso deixou brecha para os empresários gananciosos reduzirem as quantidades de seus produtos sem infringir a legislação em vigor, da maneira mais rentável para suas indústrias, deixando o consumidor sem proteção. Os consumidores devem sempre comparar as quantidades (peso, volume, unidades) indicadas nas embalagens, verificando a relação quantidade-preço, para não ser apanhado nas armadilhas de marketing ou maquiagem que os empresários utilizam para aumentar seus lucros.

Marcelo Trautwein trautwein@bol.com.br 

Londrina (PR)

*

A PEDRA FILOSOFAL DO GOVERNO

Esta semana, em reunião dos “desgovernantes” do Brasil, foi tratado com certa euforia o recente plano do governo que reduz a jornada e o salário na indústria automobilística. A economia está ladeira abaixo, as demissões devem continuar, porque nessas ocasiões é uma defesa do empresário. Aí, então, os mágicos de cartola furada do Planalto, como se inventassem a pedra filosofal, mandam que as empresas reduzam a jornada e o salário. Na reunião no Planalto não faltaram empresários que elogiassem o plano e que dissessem que assim seria estancada a demissão dos empregados. Essa deveria ser contada para o senhor Manuel Tamancas, português personagem de um programa matinal na Rádio Tupy, do Rio. Mas eis que “O Globo”, em sua primeira página de quarta-feira (8/7), informou que há resistências de empresas e sindicatos. Como admitir que, com uma inflação crescendo e o ganho salarial minguando, reduzir salário é a solução? Não há nenhum sinal de recuperação da economia e, por isso, as demissões vão continuar. Enquanto isso, Dilma cantarola debaixo do chuveiro: “Daqui não saio, daqui ninguém me tira, o Aécio vai ter de esperar...”.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com 

Vassouras (RJ)

*

FALTA DE SINTONIA

O Brasil perdeu US$ 4,7 bilhões em junho em virtude da saída de investimentos estrangeiros no País, remessas de lucros e pagamento de juros. A inflação no primeiro semestre fechou em 6,17%. Em 12 meses, o indicador acumula alta de 8,89%. O dólar atingiu o valor de R$ 3,23. O presidente do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), Antonio Gustavo Rodrigues, informou na CPI da Petrobrás que enviou relatórios sobre movimentações financeiras atípicas à Operação Lava Jato, que somam R$ 51,9 bilhões. Antes de embarcar para a Rússia, Dilma Rousseff afirmou que “está lutando incansavelmente para superar um momento bastante difícil na vida do País”. Disse, também, que “o Brasil merece que a gente apure coisas irregulares”. Sustentou que “até o final do ano vou ‘fazer o diabo’ para fazer a menor recessão possível”. O discurso da presidente Dilma Rousseff está em desacordo com os indicadores econômicos.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

HERANÇA MALDITA

Os saques na poupança no Brasil têm sido frequentes. Muitas pessoas estão assustadas, com medo de um confisco. Os ricos estão enviando seu dinheiro para fora. O Banco do Brasil que o diga. Com relação aos pobres, estes estão sacando suas economias para complementar a renda dos parcos salários e outros estão sacando as reservas porque estão desempregados. Este é o custo Brasil, um governo que sempre disse que os pobres eram sua prioridade, faz uma política austera, com juros altíssimos e a poupança perdendo para a inflação, que já chegou aos dois dígitos. O trabalhador está sentindo na pele a recessão. A presidente, que disse governar para os pobres, cortou benefícios trabalhistas e reduziu o Fies, o Pronatec, o PAC. A mãe Dilma tornou-se a madrasta do povo brasileiro. Ter 9% de aprovação no seu governo é muito, se considerarmos o arrocho no bolso dos trabalhadores. De fato, Lula deve estar orgulhoso, pois sua pupila, tão reconhecida por seus dotes em economia, lhe deu a chance de contar nos seus dedos das mãos a quantas anda a sua popularidade. Graças a Lula, ao PT e à própria Dilma, o Brasil está afundando e levando muitas famílias ao desespero. Essa é a verdadeira herança maldita petista, que os brasileiros estão recebendo por não saberem escolher seus representantes.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

O CANASTRÃO

Só está faltando o ex-presidente Lula dizer que a crise econômica que se instalou no Brasil é decorrente da crise na economia da Grécia!

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

REUNIÃO DO BRICS

Mais uma vez, em plena crise política e econômica, a sra. presidenta Dilma, como gosta de ser chamada, está fora do Brasil. O que sabemos é que ela foi para mais uma reunião do Brics. Com certeza, irão fazer uma vaquinha e injetar dinheiro na Grécia, como fez o sr. Lula, que distribuiu uma montanha de dinheiro dos brasileiros a diversos países. A Grécia é igual ao Brasil, sendo governada pelo sr. Alexis Tsipras, que é da mesma casta dos governantes brasileiros. Com sua administração socialista, levou a Grécia para o caos em que hoje se encontra. Vamos ficar atentos, pois já doaram dinheiro demais do meu país.

Urias Borrasca urias@mercosulrefratarios.com.br

Sertãozinho

*

UM PAÍS DE TODOS?

Dilma nunca viaja ao exterior com sua comitiva em aviões de carreira. Sempre se utiliza do luxuoso Aerolula, hospeda-se em hotéis caríssimos, todos de primeira linha. Os congressistas, logo ao assumirem seus novos mandatos, de imediato trataram de reajustar seus honorários e outras benesses das quais são apaniguados. Mas, quando chega a vez dos trabalhadores, aí a coisa pega. Nunca há dinheiro para quaisquer melhorias que possam beneficiá-los. A presidente logo afirma que irá vetar a extensão da valorização do salário mínimo para aposentados, alegando que tal medida, já aprovada pelo Congresso, causará um rombo de mais R$ 9 bilhões nas contas da Previdência. Perguntamos, então: é o Brasil um país de todos ou de alguns?

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

PECADO FAVORITO

O simples fato de que os gregos chegaram à reunião com a “troika” (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional) sem uma proposta mostra, mais uma vez, a falta de maturidade desta equipe de governo e como ela está entorpecida (e alucinada) com o resultado de um referendo cujo único beneficiário foi o ego do primeiro-ministro grego. Como diz o diabo no filme “O advogado do diabo”: “vaidade, meu pecado favorito!”.

Oscar Thompson oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

*

O CREPÚSCULO DO DESGOVERNO

O desgoverno Dilma Rousseff já admite derrota no Tribunal de Contas da União (TCU), ou seja, a reprovação das contas de 2014 do governo. Só agora se deram conta da irregularidade e da irresponsabilidade causadas pelas “pedaladas fiscais”? Que ingenuidade! Será que o desgoverno vai “ga$tar” mais para tentar reverter a decisão? Ainda pretendem mobilizar os aliados? Serão poucos. É melhor aceitar a decisão, é o mínimo que devem fazer... É a lógica e é mais elegante, trará menos problemas ao País. Renuncie da sua arrogância e da sua incompetência, presidente. Até que enfim chegou o crepúsculo do desgoverno medíocre, para felicidade dos brasileiros!

Fernando Silva lfd.dasilva@2me.com.br

São Paulo

*

DESALENTO

Ouvir do advogado-geral da União que, antes da quadrilha petista assumir o poder, já se praticavam as “pedaladas fiscais” seria o mesmo que os religiosos alegarem que já nos tempos bíblicos Caim matou Abel e, portanto, o fratricídio é coisa normal e não merece repúdio nem punição. Além de defenderem o indefensável, os senhores Nelson Barbosa, do Planejamento, e o senhor Luiz Inácio Adams, da AGU, aparecem sorrindo alvar e cinicamente em foto à página A6 deste jornal em 8/7. A que ponto de degradação e insensibilidade moral chegaram os senhores que nos (des)governam! Ou o Brasil se livra dessa gente ou estamos todos perdidos.

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br 

Campinas

*

PEDALADAS FISCAIS

Ao ter de explicar as “pedaladas fiscais” ao TCU, o PT justifica essa irregularidade da mesma forma que sempre usa para minimizar seus malfeitos: dizer que os outros (partidos, políticos e administradores públicos) já cometeram o mesmo “pecado”. Nesta linha de raciocínio, pode ser justificada qualquer barbaridade, afinal não foi o PT que inventou o “pecado original”. O único detalhe que o PT esquece é que, do ponto de vista jurídico, esse raciocínio não tem a menor validade, já que crimes alheios não diminuem a culpabilidade do infrator.

Luigi Petti luigirpetti@gmail.com

São Paulo

*

INSENSATEZ

Vivemos momentos de completa insensatez no País. O período de tortura passado por Dilma Rousseff durante a ditadura militar só se justifica ser lembrado em solenidades de comemoração do retorno à normalidade democrática, nunca para justificar ou afrontar o exame das pedaladas e dos desvios nas contas da gestão da presidente, que ocorrem em análise no TCU e no TSE, respectivamente. Por outro lado, a oposição, comandada pelo senador Aécio Neves, deveria aguardar democraticamente as decisões, sem sentar em cadeira ocupada e sem abrir mão da condição de oposição, no sentido de mostrar para a sociedade o que está sendo julgado nos dois independentes órgãos de Estado.

Abel Pires Rodrigues abel@knn.com.br                                     

Rio de Janeiro

*

TSE E TCU

Nesta quadra grave da história política, econômica, social e moral do País, que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e o TCU honrem a confiança dos brasileiros e façam história. Impeachment já!

J. S. Decol decoljs@globo.com  

São Paulo

*

TSE

Lavou... Tá novo!

Ataíde Jorge de Oliveira ataidejorg@gmail.com

Brasília

*

COM UNHAS E DENTES

Faz todo sentido nossa líder, a “mulher sapiens”, avisar a quem interessar possa que defenderá sua posição de mando “com unhas e dentes”, recurso cediço nos primórdios quando a comida era da mão para a boca e nossa espécie vivia sem saber o dia de amanhã. Infelizmente, os “Marxistropus Neanderthalis” (que assumiram o mando há algum tempo), dado seu primitivismo e por desconhecer a Matemática, terminaram estropiando as contas do lugar e impondo muitos embaraços aos gentios, alguns dos quais demonstram dificuldade até em fazer fogo, dado o preço do gás. O recurso às “unhas e dentes” nessas circunstâncias – poder-se-ia dizer – combina com a tanga em que estão os nativos, há anos amargando recessão, inflação, desemprego e toda sorte de incertezas, como no tempo das cavernas. Do jeito que se passam as coisas nesse lugar primitivo em que o bom senso há muito foi extinto, a solução de curto prazo é... falar grosso e brandir o tacape para que a aldeia, acostumada a engodos e pajelanças e sem uma liderança alternativa que agrade plenamente ao povo do lugar, se conforme com a situação e desista da ideia de substituir a “chefa” da tribo.

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

DEFESA

Dilma, “mulher sapiens”, nova espécie supostamente racional, deveria defender-se com a razão, e não com unhas e dentes, como se defendem os animais irracionais.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

IRRACIONAL

Usar unhas e dentes para se defender é inaceitável para qualquer ser humano, que tem o privilégio de poder pensar, falar, dialogar e, em muitos casos, até de exercer um alto cargo de comando.

Carlos Rolim Affonso profrolim@globo.com

São Paulo

*

É GOLPE!

Era só o que nos faltava: a “mulher sapiens” agora sofre de “latrinoamericanismo” e vê golpe em qualquer posicionamento da oposição ao seu governo. Teria sido influência de Nicolás Maduro, Rafael Correa ou Hugo Chávez? Lamentável! Haja paciência, brasileiros!

M. Mendes de Brito voni.brito@gmail.com

Bertioga

*

RENÚNCIA

Lamentável, dona Dilma. Suas bravatas são apropriadas na promoção de uma contenda de boxe ou de qualquer outro tipo de luta. Jamais para um chefe de Estado. Confirmam, mais uma vez, seu despreparo para tão importante cargo. Por estas e por outras, o Brasil chegou ao estágio moribundo. Se até o seu irresponsável criador já reconheceu que ele, a senhora e o PT estão “no volume morto”, conclui-se de maneira inequívoca que nenhum dos três tem as mínimas condições de governar o País. Portanto, tenha uma atitude corajosa, de desprendimento, em favor do Brasil e do seu povo: renuncie.  Descontentaria apenas a 9% dos brasileiros.

Antonio C. Gomes da Silva acarlosgs@uol.com.br

São Paulo

*

CALVIN E DILMA

O governo do PT agora nos quadrinhos! Calvin disse, no quadrinho de ontem (“Estadão”, página C4): “O segredo para arranjar doações é mostrar quem discorda de você como inimigo. Aí você explica que ele vem sistematicamente destruindo tudo que você mais gosta... nossa esperança é um bem fundamentado antagonismo... precisamos do seu dinheiro para continuar a luta!”. E o tigre: “Que cínico!”.

Sandra Maria Gonçalves sandgon@terra.com.br

São Paulo

*

DEFENDENDO O MANDATO

1) Dilma Rousseff, chega de lamentos. Contra fatos não há argumentos. 2) Foto da presidente no “Estadão” (8/7, A4), pisando duro, queixo erguido, caminhando sozinha para o embarque. Por acaso será a imagem do futuro AGORA?

Eduardo A. Delgado Filho e.delgadofilho@gmail.com

Campinas

*

EM PÉ

Por mim é indiferente se Dilma Rousseff cair ou não cair. Quem tem de continuar de pé é o Brasil. Ambos de pé (Dilma e o Brasil) é o melhor para o povo brasileiro. Mas o povo brasileiro não pode cair por causa da permanência de Dilma.

Ney José Pereira neyjosepereira@yahoo.com.br

São Paulo

*

BRASIL HOJE

O Planalto aparelhou o País. Propinas desde a Petrobrás até o Ministério da Pesca. Pedaladas fiscais traduzidas em “13” irregularidades apontadas pelo TCU. Inflação de 8,89%, recorde desde 2003. Desemprego recorde. A ética despudorada. Falta de moralidade pública. Economia abandonada. E, o pior de tudo, sem uma oposição eficaz. Mas ainda tem coragem de, “com unhas e dentes, fazer o diabo para não cair”? Dilma, peça para sair. E todos dirão: “Já vai, Graças a Deus!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

AÉCIO NEVES

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) mostrou sua frustração pela perda da eleição para a Presidência da República em 2014. Ao se declarar presidente do Brasil numa manifestação após a convenção do seu partido, mostrou as razões pelas quais não age como oposição, mas como agressor permanente de quem ocupa o cargo que ele e outros gostariam de estar ocupando. E não apontam sugestões para os vários problemas que estamos enfrentando.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

A CARTILHA DO PODER

Enquanto alguns se deliciam com as dificuldades do sr. José Dirceu em se explicar, outros se regozijam dos apuros da presidente Dilma Rousseff. Porém poucos sabem que, quando Lula critica o PT e a presidente, ele está seguindo cartilha do poder: “Nominas odiosa sunt”, ou seja, não importa o homem nem o nome, o que importa é o sonho.

Jorge Eduardo Nudel jorgenudel@hotmail.com

São Paulo

*

JOSÉ DIRCEU E A LAVA JATO

A título de sugestão à minha crédula e boa gente do PT que se cotizou para pagar a multa de José Dirceu no episódio vergonhoso do mensalão e estabelecida em juízo pelo Supremo Tribunal Federal (STF): surge a hora de pedir a devolução, com juros e correção, da grana que vocês deram ao Zé. Pois, conforme a delação de Milton Pascowitch, Dirceu embolsou gorda e polpuda propina oriunda da Petrobrás e congêneres. Portanto, além de ele meter a não nos cofres brasileiros, ele também assaltou o salário minguado desses bons petistas.

Fabio Porchat fabioporchat@gmail.com

São Paulo

*

RUÍNA

José Dirceu se queixou de que arruinaram o negócio dele, isto é, que estão acabando com a corrupção. Coitadinho!

Eugênio José Alati eugeniojalati@gmail.com

Campinas

*

CORRUPÇÃO NO FUTEBOL

Engraçado que, poucos anos atrás, quando José Maria Marin foi indicado à presidência da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), ficamos sabendo que ele estava quebrado e que ficou devendo anos o condomínio do apartamento em que morava. Agora ele espera pagar R$ 22 milhões para ficar em prisão domiciliar nos EUA? Como é que a Receita Federal, aquela que corre atrás de centavos do assalariado, não viu o enriquecimento ilícito de Marin? Será que temos uma Receita Federal para pobres e assalariados e outra para ricos e sonegadores? A conferir...

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

PROGRAMA DO LEITE EM SP

Cumprimento a Defensoria Pública de São Paulo, a imprensa livre e investigativa e os cidadãos que protestaram e agiram de pronto contra a redução do Programa do Leite para crianças carentes no Estado de São Paulo. O governador Geraldo Alckmin (PSDB) deve ter sentido o desgaste político e que pegou muito mal reduzir o programa, prejudicando cerca de 37 mil crianças carentes no Estado mais rico e populoso da Federação. Foi obrigado a voltar atrás e, agora, parece que irá até mesmo ampliá-lo. Vitória da Defensoria, da sociedade e da democracia. Só com lutas é que se conseguem as coisas no Brasil. Vale o ditado popular que diz “quem não chora não mama”. Vamos seguir firmes nesta luta, por justiça, cidadania e direitos humanos.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

UM CRIME HEDIONDO

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) enviou em 2013 para a Assembleia Legislativa de São Paulo um projeto de lei para aumentar a taxa judiciária nas ações judiciais. Este recebeu o número 112/2013 e tinha por finalidade aprimorar os serviços do Ministério Público e do próprio tribunal. No dia 9/6/2015, na calada da noite, os deputados do PSDB e demais deputados da base aliada do governador Geraldo Alckmin elaboraram um substitutivo que foi relatado pela deputada Mara Gabrilli, favorável ao substitutivo, e que foi aprovado em regime de urgência. Só que, pasmem, resolveram os “nobres deputados” que as despesas decorrentes desse substitutivo, no montante de 4%, deverão ser tiradas da arrecadação mensal bruta da Carteira das Serventias Extrajudiciais do Estado de São Paulo. Diga-se de passagem, o próprio presidente do Tribunal de Justiça reclamou da alteração feita pelos “deputados”, hoje Lei 15.855 de 2/7/2015. E, o pior, apesar de o Instituto de Pagamentos Especiais de São Paulo (Ipesp) ter apresentado estudo feito sobre o impacto da referida lei na situação financeira da carteira, constata que dentro de três anos a três anos e meio os aposentados e pensionistas da carteira não terão mais recursos financeiros para receber seus proventos. Esta lei, sancionada pelo sr. governador, comete um verdadeiro crime hediondo, pois tira dos aposentados e pensionistas o direito à sobrevivência. São todos idosos com mais de 65 anos. O PSDB e seus aliados se igualaram aos petralhas. 

Walter Simões waltersimoesdx@hotmail.com

Santos

*

A VELOCIDADE NAS MARGINAIS

Totalmente pasmada ao ler no “Estadão” de terça-feira (7/7) sobre a aberração da resolução de redução da velocidade nas Marginais Pinheiros e Tietê de 70 km/h para 50 km/h. Só queria entender a justificativa, de que em 2014 um total de 60 pessoas morreram por atropelamento nessas vias. Não há dúvida, são acidentes. Mas eu questiono: como um ser humano com bom senso e equilíbrio pensa em andar a pé por essas vias, se nem calçadas elas possuem, pelo fato de serem expressamente para veículos? Não podemos nos basear nisso. Já imaginaram? Se hoje temos congestionamentos imensos, imaginem os senhores esta redução, o que irá gerar? Quanto tempo teremos de gastar a mais (inutilmente) para chegar ao nosso destino de trabalho, sem contar a angústia que tudo isso gerará a esta grande produtiva de cidadãos que cumprem seus deveres de excelentes pagadores de impostos? Se há atropelamentos, como querem justificar, que se use o bom senso e que haja atitude realmente correta para sanar esse problema, que se construam mais passarelas, em locais realmente adequados,  cobertas e fechadas, bem iluminadas e com segurança plena para os usuários. Os impostos são para isso e a Prefeitura, com toda certeza, tem condições para tal. Dinheiro não falta! Isso não é utopia, isso é viável. Não aceitamos sermos tachados de “alienados” engolindo qualquer atitude insensata de nossos governantes (que administram o nosso dinheiro). Em outras palavras: não aceitamos o aumento substancial desse tipo de arrecadação (multas), porque é isso o que realmente vai acontecer!

Maria Luisa Kuntz Lima marialuisa@jcpasserini.com.br

São Paulo

*

SEM SENTIDO

Esta nova determinação – de reduzir o limite de velocidade de 70 km/h para 50 km/h, nas faixas locais das Marginais; e de 70 km/h para 60 km/h, nas centrais; e de 90 km/h para 70 km/h, nas expressas – é absurda, sem lógica, sem sentido e, muito menos, bom senso. Sem dúvidas tal decisão é uma forma para a Prefeitura aumentar o faturamento da sua indústria de multas, que já é um roubo. Basta ver como se escondem para nos surpreender.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

CHEGAREMOS LÁ

Mais um pouco de redução de velocidade imposta pelo prefeito Fernando Haddad na cidade e, para não sermos multados, chegaremos à realidade de hoje: só conseguimos trafegar de 2 km/h ou 3 km/h...

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

A DESTRUIÇÃO DE SÃO PAULO

A mais nova invenção do sr. prefeito Fernando Haddad e seu escudeiro Jilmar Tatto, secretário dos Transportes, é a implantação, nas ciclofaixas, de obstáculos de plástico para evitar sua invasão por motoristas que não respeitam as normas e a sinalização do trânsito, como se todos os condutores de veículos automotores fossem infratores de regras. É mais um desperdício do dinheiro público, porque as ciclofaixas são custeadas pela população que contribui com pesados tributos para a manutenção da máquina administrativa, inclusive de motoristas de várias categorias, sem ter a devida contrapartida do poder público, a não ser transitar por pistas de rolamento esburacadas e cheias de imperfeições outras que danificam seus veículos. Positivamente, a atual administração paulistana chefiada por Fernando Haddad, o mais novo “filhote” de Lula, está mudando a fisionomia da cidade, mas para muito pior, porque São Paulo já não é mais a mesma. Só quem não enxerga não vê a destruição desta outrora pujante urbe.

Ronaldo de Souza Júnior ronaldojradv@aasp.org.br

São Paulo

*

SEM AVISAR

Foi inacreditável o que aconteceu no dia 7/7. O governo não deu nem uma divulgação antecipada para o contribuinte que tem de pagar o INSS referente aos empregados domésticos. O governo simplesmente mudou para o dia 7 a data de pagamento, sem informar nada. Isso foi o maior absurdo da Previdência.

Marcelo Marinho de Magalhães marcelom26@globo.com

São Paulo

*

9 DE JULHO DE 1932

Ontem, 9 de julho, comemoramos a Revolução Constitucionalista de 1932, em que tentamos separar São Paulo da União corrompida e o Brasil não respeitava São Paulo. Naquele dia São Paulo não venceu a revolução, mas tudo mudou a partir dali. São Paulo ganhou perdendo e os ideais de 1932 são muito atuais, São Paulo totalmente em desacordo com a União desde 2008 e os mais exaltados e incentivados pelo ex-presidente Lula culpam elites imaginarias, culpam preconceitos em São Paulo. A cidade mais cosmopolita do mundo preconceituosa? Faz-me rir, isso só pode existir numa cabeça maquiavélica que quer dominar seus idólatras, o ex-presidente Lula usa e abusa de seu poder e carisma para criar ódio, e vemos uma multidão de “adoradores” de Lula querendo impor a São Paulo - como faz o Estado Islâmico – que devemos todos adorar Lula, enquanto São Paulo apenas o acha um ex-presidente. E o erro dos paulistas, qual é? É não adorá-lo com idolatria. Lamento, Brasil, para alegria geral da Nação, peçam para São Paulo sair da Federação. Será bom para todos, e aí seremos todos amigos. De repente São Paulo lança um principado independente e liberta o Brasil de tanto mal.

Roberto Moreira da Silva rrobertoms@uol.com.br

São Paulo

*

DATA HISTÓRICA DO ESTADO DE SÃO PAULO

A morte dos quatro estudantes Martins, Miragaia, Drausio e Camargo num confronto com a polícia, quando se manifestavam contra a ditadura de Getúlio Vargas em 23 de maio de 1932, foi o estopim da revolta paulista a favor de uma Constituição que viria a eclodir em 9 de julho de 1932, com o nome de Revolução Constitucionalista de 1932. Após 87 dias de combates, em 3 de outubro de 1932, as tropas paulistas acabaram se rendendo diante da superioridade das forças federais de Getúlio, porém a Constituição viria a ser promulgada em 1934.  Parabéns ao meu querido e batalhador Estado de São Paulo, pelos 83 anos desta data histórica.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com  

Campinas

*

‘BRIO E DIGNIDADE’

Quero manifestar meus cumprimentos pela bela exposição do leitor sr. Pedro Paulo Penna Trindade, na seção “Fórum dos Leitores” do “Estado” de ontem, a respeito da Revolução Constitucionalista de 1932. Embora ainda não nascido à época, mas me orgulho de ser paulista e da luta desbravada por nossos contemporâneos em busca da clareza política e, sobretudo, da democracia no nosso país carente na gestão getulista. Como o sr. Penna bem disse, fomos derrotados nas armas, porém ficou um legado de evolução política, social e econômica nos anos que se seguiram. Oxalá muitos brasileiros de hoje, paulistas ou não, tivessem em mente os mesmos ideais que fizessem ecoar pelos palácios do Planalto Central e dos nossos Estados e municípios, Câmaras e todos os órgãos públicos, colocando-se a serviço por idealismo, honestidade, visando a um Brasil de crescimento social, econômico, politicamente correto e, assim, elevando a qualidade de vida dos seus cidadãos. A situação do nosso país, mormente nos últimos 12/13 anos, só nos traz desalento e muita, mas muita preocupação com os destinos de nossos filhos, netos, do nosso povo em geral, chegando-nos diariamente uma avalanche de escândalos de corrupção em todos os setores públicos (e, por que não, nos privados também). Para quem crê, em Deus colocamos a esperança de que surjam a curtíssimo prazo homens e mulheres com o sangue dos nossos heróis paulistas de 1932, não em suas veias propriamente, mas em suas mentes sadias, evolutivas e idealistas para o bem do nosso país.

João Manoel Jodas joao.jodas@terra.com.br

Santo André

*

‘1932 – A VITÓRIA DA DERROTA’

De forma elegante e concisa, Antonio Penteado Mendonça (9/7, A16) esclareceu com brilhantismo o que realmente foi 1932: uma derrota vitoriosa.

Domício Pacheco e Silva domicio@pachecoesilva.com.br

São Paulo

*

CENSURA

Uma grande oportunidade de a Justiça fazer Justiça teria sido acabar com esta censura que já dura mais de 2 mil dias e dar este presente ao “Estadão” neste dia 9 de julho, tão importante. Será que isso não é importante?

José Claudio Canato jccanato@yahoo.com.br

Porto Ferreira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.