Fórum dos leitores

MOBILIDADE URBANA

O Estado de S. Paulo

20 Julho 2015 | 03h00

A velocidade nas Marginais

A nova medida impactante da Prefeitura de São Paulo, especialidade da casa, é reduzir o limite de velocidade nas Marginais Tietê e Pinheiros de 90 km/h para 70 km/h, na via expressa, e de 70 km/h para 50 km/h, na local. O objetivo, de acordo com a Prefeitura, é reduzir o número de atropelamentos ali. Grandes vias da cidade, como a Rua Domingos de Moraes, a Sena Madureira, a Avenida Jabaquara e outras, têm limite de 60 km/h e muito mais pedestres e trânsito doméstico. Se as Marginais foram criadas, entre as décadas de 1950 e 1970, para fazer fluir o trânsito da cidade, a medida que passa a valer hoje só vai congestioná-las e aumentar a fonte de arrecadação (multas). A cidade, mais uma vez, perde com isso.

CELSO DE CARVALHO MELLO

celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

Bom para o caixa

A diminuição da velocidade nas ruas e avenidas de São Paulo, além de debochar da inteligência dos paulistanos, vai servir, isso, sim, como covarde fonte de arrecadação para caixa de campanha. Pedestres que atravessam as vias em locais proibidos vão continuar a fazê-lo, confiando ainda mais, agora, na velocidade reduzida dos veículos.

FREDERICO FONTOURA LEINZ

fredy1943@gmail.com

São Paulo

Chega de demagogia

Há muita demagogia em torno da segurança das vias paulistanas. Convido o sr. prefeito Fernando Haddad a se juntar às esferas estadual e federal para verificar que muito deve ser feito para diminuir os acidentes no trânsito, tal como verdadeiras inspeções veiculares, que assegurem a devida manutenção dos veículos; o controle mais rigoroso na emissão de carteiras de habilitação; o incentivo à renovação das frotas; entre muitas outras medidas, antes de prejudicar a população com a baixa velocidade. Convido as nossas autoridades a irem à Alemanha para conhecerem os pórticos reguladores de velocidade mediante fluxo; e à Suíça ou a Los Angeles, para verificarem a organização do trânsito e de estacionamento. Intercâmbio de informações é mais que mandatário. Chega de demagogia! Intervenções urbanas carecem de interação com a comunidade. As próximas eleições dirão quem está com a razão.

OTAVIO MAGALHAES

otavio.magalhaes@oas.com

São Paulo

‘Para onde vai São Paulo’

Muito ilustrativa a foto de primeira página do Estadão de ontem (19/7). Traduz, sem palavras, o caos e a desorientação da administração do prefeito Fernando Haddad.

CARLOS ALBERTO ROXO

roxo_7@terra.com.br

São Paulo

Haja fôlego!

Fernando Haddad deveria convidar os superatletas do Tour de France para inaugurarem a ciclovia que liga a Rua Estados Unidos à Avenida Paulista. Com certeza, serão os únicos com preparo físico para tanto!

OSWALDO MELLONE

oswaldo@melloneassociados.com.br

São Paulo

POLÍTICA

E o interesse público?

Política não é, nem nunca foi, uma área de ações individuais. Por mais que a existência de líderes fortes torne um movimento uno ou coeso, para ser movimento, a onda é sempre criada por um grupo. Nada disso é questionável, uma vez que a política é a esfera que agrega o interesse comum. Nenhum dos representantes sobe no pleito para representar a si, sua mãe ou seu amigo. No Brasil, escolhemos a democracia para que a parcela maior de nossos políticos fosse selecionada por nós enquanto povo, uma voz que, se não uníssona, soasse bem alto para representar a maioria. Depois de recuperar tais máximas (se não são, deveriam ser), pergunto-me se mais algum leitor recebeu com certo estranhamento as últimas notícias que anunciam as atitudes do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) após ser acusado, na investigação da Operação Lava Jato, de ter recebido US$ 5 milhões em propinas. Primeiro, sabemos que ele rompe com o governo Dilma. Depois, que está disposto a recuperar os pedidos de impeachment, pois, aparentemente com certas “correções”, ele os irá receber e auxiliar em seu andamento. E, não menos importante, descobrimos que ele autorizou a criação de cinco CPIs – entre elas a do BNDES e a dos fundos de pensão. Uma revolução em termos de decisão, posto que, aparentemente, Cunha trabalhou mais em um dia do que Kubitschek no plano dos “Cinquenta anos em cinco”. Todo esse movimento por quê? Porque ele foi acusado. Ele. Ou toda a verdade do Planalto foi revelada aos seus olhos numa iluminação rimbaudiana; ou suas propostas são todas ilegítimas, criadas num surto de “dor de cotovelo”; ou – aquela resposta em que deposito mais fichas – as ações em nome do povo só são executadas quando os interesses individuais dos novos políticos são atingidos. Em tempos em que o meio digital prolifera a extrema exposição pessoal, o compartilhamento de informações sigilosas aparentemente gera tanto interesse quanto o “mimimi” em torno do fim de um relacionamento. Resta saber onde está o interesse público em meio a todos esses jogos de poder. Pensando nisso, talvez o oráculo Zeca Pagodinho tenha uma resposta: “Nunca vi nem comi, eu só ouço falar”.

WINNIE WOUTERS

winniewou@gmail.com

São José do Rio Preto

MAD

Esse era o acrônimo utilizado durante a guerra fria para “destruição mutuamente assegurada” (mutually assured destruction), ou seja, uma estratégia de dissuasão que segurou o ímpeto dos dois lados do conflito de utilizarem armas nucleares. Mas mad, em inglês, também significa louco, enraivecido. Parece que o enraivecido Eduardo Cunha, certamente conhecedor de muitos segredos do governo federal, resolveu escalar o nível de ameaças ao Executivo. A questão, agora, é saber se essa história acaba como na crise dos mísseis de Cuba ou em destruição mútua.

OSCAR THOMPSON

oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

O futuro de Cunha

O ímpeto do esbravejamento de Eduardo Cunha ao “romper com o governo” (sic) leva a crer que os US$ 5 milhões são apenas o troco do montante da corrupção movimentada para ele se eleger, junto com a centena de asseclas que ainda lhe dão sustentação política. Pode ser que sobreviva aos desgostos de agosto – mês implacável na história política brasileira –, mas muito dificilmente passará a Proclamação da República como presidente da Câmara, ou mesmo como parlamentar. Parodiando o ditado, para o deputado há males que vêm também.

ADILSON ROBERTO GONÇALVES

prodomoarg@gmail.com

Lorena

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br 

ELES NEGAM TUDO

É curiosa a reação dos peixes grandes do governo, quando algum empreiteiro em delação premiada faz depoimentos contando quanto deram em dinheiro e para quem. Há quase um ano os brasileiros estão familiarizados com nomes como Paulo Roberto Costa, Renato Duque, Pedro Barusco, Milton Pascowitch, Alberto Youssef, Marcelo Odebrecht, Ricardo Pessoa, Julio Camargo entre outros. Enquanto estava tudo bem, empreiteiras sendo corrompidas pelo governo e corrompendo partidos e gente grande do Planalto doando dinheiro para campanhas e outros caixas, era só sorrisos e festas. Quando dizem a quem doaram e o valor, o sujeito logo diz     “eu nego”. José Dirceu é um deles. E para os advogados que defendem clientes que lavaram dinheiro e vão receber dinheiro sujo, alguma pena? 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

VERGONHA

Lula, Dilma, Cunha, Youssef, Cerveró, Collor, Zelada, Paulo Roberto Costa, Argôlo, André Vargas, Pedro Corrêa, Vaccari, Dirceu, dentre outros, não podem se considerar brasileiros, após todo o escândalo da Operação Lava Jato. Essa gente precisa arrumar outra nacionalidade.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

BANDIDO MODERNO

No âmbito social, corruptos nem de longe resvalam no clássico vilão de cinema. Ao contrário, são discretos, charmosos, gentis e inteligentes, e porque não dizer, sedutoramente abastados. Portanto, antes de confundi-los com anjos, convém verificar a origem do dinheiro.

Ricardo Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

EXISTE ESPERANÇA

Aqui neste país tudo pode menos ser honesto. O desemprego violento afetando todas as classes sociais, freando a nossa econômica e sufocando o nosso país. Somos uma nação humilhada pela corrupção, que deixa uma cicatriz enorme na história. Deste governo incompetente, que só sabe aumentar impostos e não faz a lição de casa, cortando os seus gastos, é covarde, um desrespeito para nós cidadãos, toda esta sujeira. Fede e como fede. Mas ainda tenho esperança neste Brasil, que é maravilhoso e abençoado.

Augusto Toldo augusto@supermad.com.br

São Bernardo do Campo 

*

CHEGANDO LÁ

Lá no Olimpo, onde está instalado, Lula não fala mais por Lula, sua voz agora é o Instituto. Quem, todavia será investigado é Lula, ele mesmo, não o Instituto. Quem cairá será ele e de uma queda proporcional à altitude onde se instalou e marcado pelas "manchas" que também são só suas.

Eduardo Augusto Delgado Filho e.delgadofilho@gmail.com

Campinas

*

LULLA, DILLMA & POLÍTICOS

Que a punição de vocês, pelos "ditos malfeitos", seja aplicada logo pela Justiça, é o desejo do povo brasileiro, sofrido e espoliado. Tomara tenhamos um futuro mais promissor,  sem a participação de tantos corruptos e ladrões travestidos de políticos vestais e mentirosos.

Iracema Oliveira mandarino-oliveira@uol.com.br

Praia Grande  

*

QUEBRA DE SIGILO 

O Brasil está passando por um importantíssimo e salutar momento de combate à corrupção, entretanto, não podem ser admitidas e muito menos justificadas formas de investigação à margem da lei. Ao convocar para dar explicações as defensoras Beatriz Catta Preta (na CPI da Petrobras) e Dora Cavalcanti (na Polícia Federal), quebra-se um dos mais sagrados princípios jurídicos: a garantia de comunicação privilegiada, sigilo e confidencialidade nas relações cliente/advogado. Passar por cima desse princípio, mesmo que por uma suposta boa causa, é como querer justificar esquadrões da morte e tortura.

Luigi Petti pettirluigi@gmail.com

São Paulo

*

PROVA CABAL

O slogan dizia que "o melhor do Brasil é o brasileiro". A Lava Jato atesta!

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

MUDANDO DE PROFISSÃO

Sugiro a Collor que tente uma vaga como piloto de Fórmula um. Já tem os carros compatíveis para um bom desempenho. E acredito que não faltarão patrocinadores, aliás, os mesmos que o ajudaram a comprar os carrões. Porque como senador não está com nada!

Paulo Henrique Coimbra Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

*

O SILÊNCIO DE CERVERÓ

O gato comeu a língua do Nestor Cerveró, que não respondeu a nenhuma pergunta formulada por Sérgio Moro. O que Cerveró poderia dizer sobre as contas na Suíça, que foram alimentadas por Fernando Baiano? O ex-diretor da maior empresa do Brasil se acovardou perante o juiz. O temor está rondando vários ex-diretores da Petrobras, empreiteiros e políticos que não sabem explicar como afrontaram a população brasileira, omitindo tão numeroso volume de dinheiro em contas bancárias no exterior. Essa turma toda vai ter muito  o que explicar. E, o mais importante de tudo: terão de devolver o dinheiro furtado do povo brasileiro. Portanto Cerveró pode começar a falar e minimizar a angústia de todos, inclusive a do senhor.

 

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

BRASIL

Nenhum crime atinge Dilma, (será) filho do presidente do TCU envolvido em corrupção, ex presidente Collor novamente envolvido em trambiques, presidente do STF tem encontro suspeito com a presidenta em Portugal, as maiores empresas brasileiras envolvidas ate o pescoço em corrupção, senado e câmara dos deputados repleta de picaretas; ex presidente Lulla convocado pra depor; da pra esperar o que deste eterno país do futuro? 

Jose Roberto Iglesias rzeiglezias@gmail.com

São Paulo 

*

O FUTURO DO PETRÓLEO

Previsão para daqui a vinte anos, de acordo com as atuais providências da Petrobras: o Brasil terá uma das maiores reservas de petróleo do mundo, tanto pré-sal, inshore, offshore e xisto betuminoso, assim como gás. Mas totalmente protegidas e inexploradas.

 

Ulysses Fernandes Nunes Jr.Ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

*

LAVA JATO

Com a última deflagração da operação Lava Jato, políticos e empreiteiros já estão procurando por área de terreno à beira mar para a construção de presídio (5) cinco estrelas. Ofertas: favor enviar para o presidente do STJ.

Mauricio Tarandach mautaran@gmail.com

São Paulo

*

LADEIRA ABAIXO

Quase todos os comentários sobre o atual governo federal afirmam que ele está indo e levando o País ladeira abaixo, se não melhorar sua competência gerencial. Eu acho que, para resolver a situação do País, a única solução é prender todos os ladrões da Lava Jato.  

Mário A. Dente dente28@gmail.com

São Paulo

*

ESPERANÇA DE JUSTIÇA

Nossa esperança é de que, depois de Collor, a Justiça chegue finalmente a Lulla. Só isso ocorrendo vai nos levar a acreditar na Justiça do Brasil.

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

CORRUPÇÃO

Quantos Collors têm no Senado e na Câmara dos Deputados que merecem ter seus esconderijos invadidos e vasculhados. Lulla sabe, pode ter certeza! 

Jose Roberto Iglesias rzeiglezias@gmail.com

São Paulo

*

ESTILO COLLORIDO

O senador Fernando Collor divulga mensagem de repúdio veemente a uma operação aparatosa, invasiva, arbitrária e desnecessária, autorizada pelo próprio STF? Que moral, hein! Imunidade é bom e ele adora!

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

ARTISTA

Em qual teatro o ministro José Eduardo Cardozo

está em cartaz?

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

EDUCAÇÃO NA TERRA DE COLLOR

Será que nossos senadores, deputados e governadores teriam a coragem de se sentar dentro uma escola de barro? O que eles sentem ao ver escolas tão precárias? Este é um dos resultados da corrupção no Brasil.

Devanir Amâncio devaniramancio@hotmail.com

São Paulo

*

COLLOR & CIA

O cara possui Ferrari, Lamborghini, além de outras coisas. Sabe quanto custa tudo isso?!  Ele trabalhou para ganhar e comprar tudo? E ainda tem a cara de pau de falar besteiras a quem descobre suas podridões! 

José de Arimatéa de Andrade zearian@hotmail.com

São Paulo.

*

CASSAÇÃO

A pergunta do momento que não quer calar: Afinal,  quem vamos cassar?  Se continuar assim...

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava 

*

LEGADO LULA

Enquanto o presidente Obama deixa um legado intenso, ao aproximar-se de Cuba, costurar acordo nuclear com Irã, aqui continuamos a beber Brahma. 

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo  

*

DÚVIDA

Afinal, o que não foi sujo na campanha de Dilma? (A “gráfica fantasma” recebeu quase R$ 23 milhões da campanha de Dilma para intermediar a contratação de serviços de impressão de santinhos.)

 

Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo

*

DICA AO PT

Apesar de as eleições estarem longe, já tenho algumas dicas a dar ao PT pelo que tem acontecido, quando alguns ditos petistas de carteirinha pretendem abandonar o partido, na busca de seus interesses. Quando começarem a fazer a propaganda política é só dizer que tudo que está acontecendo com o PT foi culpa do FHC. Acho que o povo brasileiro vai acreditar, afinal, o PT tem mais crédito na praça que as Casas Bahia.

Alberto Fumace Baruthy afumaaabaruty@bol.com.br

São Paulo

*

PEDALADAS

 

Dizem os PeTralhas que as "pedaladas" vem desde FHC, todavia, não conseguem apresentar nenhuma prova concreta. Ora, ainda não sabem eles que "alegar e não provar é o mesmo que não alegar"? (“allegare nihil, et allegatum non probare, paria sunt”)

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

CRISES E SOLUÇÕES                                                          

Em meio a esse furacão de crises econômicas, políticas, éticas e morais que vivemos, avulta uma realidade positiva que não podemos esquecer. As grandes instituições nacionais que zelam pela moralização da gestão pública entre nós estão funcionando adequadamente, possibilitando que em breve saiamos desses momentos tormentosos que estamos atravessando e, assim, possamos trilhar novas situações onde teremos uma melhor qualidade de vida para a maioria de nossa imensa e batalhadora população. 

 

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

O BRASIL NO SEU DEVIDO LUGAR

As agências de classificação de risco deveriam pôr o Brasil em seu devido lugar, com as ditaduras africanas que têm presidentes e ex-presidentes corruptos, que andam de Ferrari, enquanto o povo vive na miséria. É inacreditável que essas agências continuem concedendo o grau de investimento para um país que tem o governo mais corrupto e incompetente da histórica. Alguém em sã consciência entregaria seu patrimônio para ser administrado pela Dilma ou pelo Renan?! 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo 

*

PEDIDO DE CLEMÊNCIA

Quem diria que o todo poderoso guerrilheiro José Dirceu pediria para não ser preso!

Iria de Sa Dodde iriadodde@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

CAMINHO SIMPLES!

Num apelo patético, dizendo não aguentar mais a situação, o ex-ministro José Dirceu recorreu ao juiz Sérgio Moro pedindo para não ser preso.  Ora, sr. Dirceu, o   ponto  não é esse,  ocorre  que  as evidências  indicam que  crimes foram  cometidos e o único caminho é o do  presídio da Papuda,  pura e simples!

 

 

Luis Fernando Santos siul.odnanref@bol.com.br

Laguna (SC)

*

DE VOLTA À PAPUDA

O sr. José Dirceu "não aguenta mais a situação"?!!  Escorrem-me as lágrimas de tanta pena... Tanta pena quanto esses ex-guerrilheiros hipócritas, que encheram as burras de dinheiro e tomaram conta do País, tiveram e têm do exaurido povo brasileiro. O povo, este sim, é que não aguenta mais a situação: perde o emprego, perde a casa e o carrinho comprados a perder de vista, perde o sono e a saúde (o plano de saúde é impagável e o SUS... Deus nos poupe!), perde a vida nas mãos de assaltantes meninos que nem sabem direito o que fazem (tal o desleixo governamental com a escola, família e a criança), deixa de pagar contas de luz, água, gás, e outros itens necessários, para poder alimentar a família mais ou menos e isso sem falar nos absolutamente miseráveis. Que o sr. Dirceu deixe de se lamentar aqui fora ou, estabelecidas as provas do crime, lamente-se trancado na Papuda...mais uma vez. 

                                                                                   Edméa Ramos da Silva paulameia@terra.com.br

Santos

*

DE OLHO NA TAXA DE OCUPAÇÃO

Consta que José Dirceu e agora também Lula passaram a monitorar a taxa de ocupação da carceragem da detenção da Polícia Federal, em Curitiba. Se houver liberação de alguns presos provisórios ou se alguns forem transferidos para o complexo penal de Curitiba o pânico será geral. 

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo 

*

EM QUE TIME ELE ESTÁ?

 

Quando o ministro Lewandovski vem a publico e declara que os problemas atuais do Brasil são decorrentes de fatores externos e cita a bolha nos Estados Unidos, em 2008, demonstra mais uma vez em que time ele atua. A sua pasta não deveria agir com independência? Cabe a um ministro do Supremo  defender o Poder Executivo ?

 

Jorge Eduardo Nudel jorgenudel@hotmail.com

São Paulo 

*

LEWANDOVSKI SE ESCONDE

Aos poucos o petista vai se mostrando o pelego que é. Como o sindicato que forjou Lula e o PT.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

CUMPRINDO AS METAS

Haddad faz um governo que não pode ser criticado pelo seu partido, o PT, pois cumpriu fielmente a doutrina do partido, segundo relatório da Prefeitura de São Paulo. Cumpriu somente 30% das metas fixadas para este período. As piores e que menos receberam recursos e atenção do prefeito foram educação e saúde. O PT não considera “vantajoso” investimento em educação, pois o povo menos culto é menos oposição. Cidadãos com boa educação saberão identificar falhas na administração. A falta de atenção e investimentos em saúde faz com que o cidadão fique mais dependente do governo e seus programas. Felizmente este é um dos prefeitos do PT que provavelmente não serão reeleitos. 

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

INDO PARA TRÁS

Ao invés de o governo federal do PT imitar o governo do governador Geraldo Alckmin de São Paulo, que eu acho 100% bom, e muitos paulistas também, lamentavelmente ocorreu o contrário. Alckmin ao diminuir o valor de retorno do imposto paulista (Nota Fiscal Paulista) mostra que estamos indo para trás.

 

Roberto Moreira da Silva rrobertoms@uol.com.br

São Paulo

*

5 MIL CNHS FALSAS

Precisou um jogador do Corinthians  ter   declarado   a   facilidade   com   que   conseguiu a carteira de habilitação, para que o Departamento Estadual de Trânsito (Detran) descobrisse a emissão de mais de 5 mil  carteiras falsas, um esquema que movimentou mais de R$ 10 milhões. Seriam mesmo apenas 5 mil carteiras falsas ou será que este número é apenas a ponta do iceberg?

Arnaldo de Almeida Dotoli  arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

SACOLINHAS

Que tal algum nobre vereador apresentar um projeto de lei proibindo a impressão de logo de marcas e propagandas do estabelecimento, nas sacolinhas que são vendidas ao público? Já que nós, consumidores, pagamos pelas tais sacolinhas, não é justo que façamos "merchandising" para eles. Fica a dica. 

Jorge Demberi jgember@gmail.com

São Paulo 

*

EXEMPLO

Está de parabéns o coronel da reserva da PM que denunciou o irmão pelo crime cometido na estação do Metrô há poucos dias, e resumiu tudo numa simples frase que há muito tempo está abandonada: "O cara não roubou uma galinha, matou um homem." Está dito tudo. Se voltarem a pensar assim as coisas começam a melhorar. 

Panayotis Poulis  ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

RACIONAMENTO DE ÁGUA

 

Nas férias de julho, poucos são os que se lembram da escassez de água. Mas a verdade é que, aqui no Ceará, temos os principais açudes secos ou quase secos. Senhor governador, quais as medidas que tomaremos diante da seca? Não é construindo aquário que teremos água para a população. Ações emergenciais como cavar poços profundos, organizações de carros pipas e principalmente a conscientização da população para a economia de água. A companhia de água e esgoto sabe que talvez seja necessário racionar a água. Não vamos deixar para a última hora as ações que poderiam ser planejadas e executadas logo. Prevenir é melhor que remediar!

 

Paulo Roberto Girão Lessa paulinhogirao@gmail.com 

Fortaleza (CE)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.