Fórum dos leitores

PEDALADAS FISCAIS

O Estado de S. Paulo

27 Julho 2015 | 03h00

Só daqui pra frente

Para o PT, com respeito às pedaladas, o crime que tenha antecedentes deixa de ser crime. Só daqui pra frente!

Eugenio José Alati eugeniojalati@gmail.com

Campinas 

Chutando a meta fiscal

Quem prometeu R$ 66,3 bilhões, ou 1,1% do PIB como meta fiscal de 2015, não pode estar falando sério, quando altera esse objetivo para um superávit primário de 0,15%, ou R$ 8,7 bilhões. E ainda inova criando uma banda para a meta fiscal que pode até ser negativa em R$ 17,7 bilhões neste ano.  Na realidade, o Planalto, endoida de vez, e não fala coisa com coisa... Só há uma explicação para todo esse absurdo de enterrar de vez a meta fiscal. É a do governo Dilma, não estar abrindo mão em hipótese alguma de seus gastos improdutivos. E tenta ainda, em troca de apoio (difícil), garantir aos congressistas que não faltará recursos para suas emendas parlamentares. E assim quem sabe a presidente poderá justificar o que recém- afirmou: “Sem dúvida, nós estamos em um ano de travessia!”. Só faltou acrescentar, em águas turvas e sem a real possibilidade de recuperar a nossa economia!

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos 

Lula e a crise                                      

A marolinha de Lula transformou-se em onda para Dilma e tsunami para o povo. Até quando?

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

Fim da luta

Nelson Barbosa 1 versus  zero Joaquim Levy. O sonho acabou. Pobre Brasil!

J.S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

Leis e quadro impressionista

Se não fere a lei, (pedaladas) fere a integridade econômica do povo, leis são palavras e podem ser interpretadas de acordo com interesse de cada um. É o mesmo que tentar explicar um quadro impressionista, ou a mecânica quântica nem o próprio autor consegue. 

José Penteado Neto jsopnx@gmail.com

Araraquara

ÍNDICES ECONÔMICOS

Desemprego

Estamos muito perto de 1 milhão de desempregados. Por causa do mau governo Dilma, houve queda da atividade econômica, resultado do aumento dos impostos. Apesar da queda na arrecadação, o governo não demite ninguém e não diminui o número de Ministérios: tem de pagar o dízimo aos partidos "da base". E o povo que se lixe!

Mário A. Dente dente28@gmail.com 

São Paulo

Fora, Tombini!

Tendo sido formado pelas melhores universidades no Brasil e no exterior (Poli/USP e Universidade de Chicago) e tendo boa bagagem e experiência profissional e internacional, tenho enorme dificuldade em entender as taxas de juros estratosféricas sendo executadas pelo Banco Central (BC). Num ambiente altamente recessivo no varejo e no atacado, com câmbio ainda sobrevalorizado, com famílias hiper-endividadas, consequentemente com nenhuma inflação de demanda, etc. a única variável importante que restou foi a credibilidade do Banco Central do Brasil. Sim, a atual diretoria do BC ainda é a mesma que "tocou flauta" durante a gestão do ex-ministro Mantega. Ou seja, estamos pagando taxas de juros insanas para tentar recobrar a credibilidade dessa diretoria do BC. Fora, Tombini!

Oscar Thompson oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

Crisezinha?

Para Temer, temos uma crisezinha! Para Lulla, é uma marolinha! Para o capitão do Titanic, foi uma batidinha!

Albert Henry Hornett hornettalberto@hotmail.com

São Paulo 

Punição idêntica

A solução encontrada pelos políticos, para minimizar o crescente desemprego, é a diminuição dos salários dos trabalhadores brasileiros. A volumosa máquina do governo, que emprega milhões de trabalhadores, precisa ser reduzida, ou, no mínimo, ter os salários diminuídos, para se harmonizar com o restante da população, que é composta por contribuintes, que efetivamente pagam todos os salários dos servidores públicos. A punição deve valer para todos, de forma idêntica.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Rio de Janeiro

Programa desemprego

O governo federal publicou no Diário Oficial as regras para o “Programa Desemprego”, que visa a proteger o trabalhador das demissões. Com tantas regras, deveres e favores chegamos à conclusão de que o programa foi, sim, seletivo. E veio para “apoiar” apenas as grandes empresas, deixando de lado micro e pequenas, responsáveis por 75% dos empregos formais no Brasil. Esse governo Dilma não é mãe, e sim madrasta! 

Beatriz Campos  beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo 

EDUARDO CUNHA

Não me comprometa!

Segundo o noticiário, Eduardo Cunha tem divulgado mensagens de apoio que tem recebido de várias personalidades da política de Brasília e adjacências, após seu tempestuoso rompimento com o governo. Cá entre nós, caso o senhor Cunha ‘caia em desgraça’ quando da sua volta do recesso parlamentar  haverá quem negará três vezes o tal apoio. É só esperar para conferir!

Maria Elisa Amaral marilisa.amaral@bol.com.br

São Paulo

Questões de fundo

A indignação de Eduardo Cunha ao ser mencionado na Lava Jato não apaga as questões de fundo: ele foi acusado de delito e tem como seu defensor um ex-procurador geral da República. Enquanto não removermos essas questões de fundo, fica difícil sairmos das cinzas.

Honyldo Roberto Pereira Pinto honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto

Sem defesa

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, aprendeu rápido a receita do PT. Quando as evidências ficam claras e inquestionáveis, a melhor coisa a fazer é chamar de golpismo dos adversários.

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

RECESSO

Diversão fora de hora

O País pegando fogo e nosso ilustríssimo vice-presidente passeando em Nova York com a sua digníssima família! Faça bom proveito, enquanto aqui nosso divertimento é reunir nossa família para equacionar nossas despesas para não quebrar a banca de vez.

Valdir Sayeg valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

SAÚDE

Omissão das agências reguladora

Recente depoimento do vice-presidente da Anatel em comissão da Câmara expressou que, segundo suas normas burocráticas, a agência nada tem a ver com o furto e roubo de milhares de celulares no País. O Brasil convive, por outro lado, com 19% de remédios falsificados, principalmente de hormônio de crescimento e oncológicos. O fato deveria ser tipificado como crime hediondo e a Anvisa, como se vê, pouco faz. A que vieram as agências reguladoras?

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

SÃO PAULO

Golpe de poste

O prefeito arrecada dos paulistanos para ajudar cobrir o roubo do governo federal! As multas, os aumentos, nada se reverte para a capital!

Roberto Moreira da Silva  rrobertoms@uol.com.br

São Paulo

Desacertos em São Paulo

Pela opinião pública, o pior prefeito que São Paulo está tendo de suportar é, de longe, Fernando Haddad. Tanto que, pela sua popularidade, jogou seu partido na lona nas eleições de 2014, quando Dilma e Padilha tiveram desempenhos medíocres. A cidade, na sua gestão, está emporcalhada por pichações e ciclofaixas improvisadas, algumas em estado miserável. O asfalto e as calçadas esburacados, além de criar uma indústria de multas de trânsito sem precedentes na nossa cidade. A data mais esperada dos paulistanos para consertar esses desacertos é 2 de outubro de 2016!

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

Mantra

Prece matinal de Haddad "para que melhorar, se eu posso piorar"?

Wilson Lino wiolino@yahoo.com.br

São Paulo

Obrigada, prefeito!    

"Senhor juiz, pare agora!" Quem não se lembra dessa música, aos domingos, na época da Jovem Guarda? Graças a Fernando Haddad voltei no tempo em tantas coisas. Pois é, senhor prefeito, cá estou eu lhe dizendo muito obrigada. Uma máquina do tempo não teria a sua capacidade de me fazer voltar a meio século atrás.

Marcia Meirelles marciambm@yahoo.com.br

São Paulo

Cidade sem prefeito

São Paulo não tem prefeito, a eleição foi vencida por um partido e desde então a cidade e seu orçamento são geridos pela cúpula desse partido. Não faz sentido, portanto, reclamar do Haddad, ele simplesmente não é nada!

João Pacheco imobiliaria.projeto@hotmail.com

Jaú

Trânsito

Pensando nos direitos e deveres de todos (inclusas as autoridades), sugiro Lei que só permita à Prefeitura que interfira em uma via quando, ao mesmo tempo, cumpra sua parte. Implantar ciclovia, redução de velocidade, faixa exclusiva? Contrapartida: recapeamento, sinalização, semáforo inteligente, faixa iluminada para pedestres! Não é para proteção a todos e redução dos acidentes? Fonte de recursos? Multas, mais tempo para negócios, portanto, mais impostos, menos uso dos sistemas de socorro e saúde e por aí vai. Menos acidentes, menos carros arrebentados pelos buracos, menos congestionamentos. Estamos combinados? Mãos à obra.

Paulo Seabra paulomoacir@icloud.com

São Paulo

O ovo de Colombo

Senhor prefeito: se quiser aumentar a sua popularidade, (por favor) não faça nada! A paulicéia agradece.

Marcos Catap marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

Em que po$$o atrapalhar?

Não é qualquer um que tem tanta criatividade como o prefeito da terceira maior cidade da América do Sul. Acertaram, é conhecido como ‘Malddad’ e daí vem o seu slogan: “Em que po$$o atrapalhar”? O pior é que está conseguindo atrapalhar e ninguém duvida. 

Fernando Silva lfd.dasilva@2me.com.br

São Paulo

Assunto sem fim

Já entendi, o prefeito Haddad quer limitar a velocidade dos carros até ficarem compatíveis com a velocidade das bicicletas. Aí talvez, para não voltar às carroças e charretes, aceitem a bicicleta.

Luíz Frid luiz.frid@globomail.com 

São Paulo

Velocidade reduzida

É inaceitável que o limite de velocidade na Avenida Nove de Julho, uma das mais movimentadas e importantes de São Paulo, tenha sido reduzido para absurdos 50 Km/h. Parece uma autêntica 'pegadinha' da CET e da PMSP com os motoristas. É mais um golpe da Indústria das Multas em que a CET se transformou.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

RIO DE JANEIRO

Lagoa Rodrigo de Freitas

Desde o século 16, a Lagoa Rodrigo de Freitas do Rio de Janeiro vem sofrendo degradações por aterros feitos em suas margens e dragagem no canal de acesso ao mar. As ilhas onde está o clube Caiçara foram criadas pelo material advindo das eternas dragagens do canal que ocorrem desde o século 19 o mesmo acontecendo com o Jockey Clube Brasileiro e Clube Naval. É uma vergonha a destruição paulatina da Lagoa. Urge uma solução técnica de engenharia ao menos para recompensar tantos males feitos pelo homem e retornar algum benefício a esta beleza cênica e ecológica da cidade.

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.