Fórum dos leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S. Paulo

01 Setembro 2015 | 03h00

Orçamento com déficit

A manchete do Estadão de ontem, Sem CPMF, governo envia orçamento com déficit, nos soa como uma ameaça e é mais um jogo sujo desse desgoverno para tentar nos impingir mais um imposto! Ora, a dona presidente deveria fazer a parte dela, como diminuir despesas, cortando os enormes gastos com cartões corporativos e o número excessivo de ministérios e funcionários públicos, que fizeram inchar a máquina estatal sem nenhum retorno proveitoso para o crescimento do País. Poderia também trazer de volta o que foi surrupiado da Petrobrás, da Eletrobrás, do BNDES e outras empresas mantidas – lamentável e propositalmente – como estatais, dinheiro esse desviado para ditaduras africanas e latino-americanas, jamais para beneficiar o povo brasileiro. Por que só nós é que temos de pagar a conta? É esse o governo “do povo para o povo”? De qual povo é esse governo?

CARMELA TASSI CHAVES

tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

Fechamento de contas

As contas do País não fecham. E o povo brasileiro tem parcela de culpa: o voto errado. Mas não é por isso que o rombo da roubalheira tem de ficar por nossa conta. É só fazer as contas dos roubos nestes 12 anos e pedir o ressarcimento integral dos valores desviados. Não uma simples multa, mas os valores corrigidos. E os ladrões que se virem para pagar, com cumprimento integral da pena na cadeia e ainda com a impossibilidade de se elegerem para qualquer cargo enquanto viverem. Não vai acabar, mas com certeza vai inibir muito a roubalheira crônica no Brasil.

MÁRCIA ROSSI SOARES

marciarossi1@hotmail.com

São Paulo

E agora?

Estou tentando pagar minhas contas com “amor no coração”, mas não consigo. Alegando não ser essa a moeda vigente no Brasil, os credores só aceitam receber em reais. Malvados!

MARCIA MEIRELLES

marciambm@yahoo.com.br

São Paulo

PGR

Janot, o arquivador

Era uma questão de tempo, mas foi mais rápido do que se podia esperar. Nem bem o sr. procurador-geral da República foi aprovado por mais dois anos e já iniciou a blindagem do atual governo. Desqualificando o pedido do ministro Gilmar Mendes, vice-presidente do TSE, por uma investigação com a explicação de ser “inconveniente”, mostrou o sr. procurador o quanto suas explicações na sabatina a que foi submetido representam pouco o caminho que deverá seguir nos seus próximos dois anos de atuação. Parabéns aos srs. senadores pela brilhante aprovação.

MIGUEL GROSS

mgross509@gmail.com 

São Paulo

Inconveniente é esse cidadão, que para agradar a quem o indicou deixa de cumprir o dever que a lei lhe impõe. Como fiscal da lei, o Ministério Público não pode deixar de apurar nenhuma infração à lei!

LUIZ ANTÔNIO BELUZZI

luiz2812@icloud.com

Apiaí

De fato, nem bem foi indicado e Janot já mostra claramente a que veio. Gostaria de saber a quem ele se refere quando diz que a sociedade não quer que se perpetuem as controvérsias sobre as eleições. Será aos 7%?

CANDIDA ALMEIDA

almeida.candida@gmail.com

São Paulo

Explicado

Definitivamente, o governo conseguiu cooptar mais um para sua gangue, o sr. Rodrigo Janot. Na sabatina no Senado, questionado sobre acertos para preservar a presidente Dilma, negou qualquer tipo de “acordão”, pois para tal precisaria “combinar com os russos”. E foi o que ele fez, combinou com os russos e arquivou o pedido do ministro Gilmar Mendes para investigar as contas de campanha da presidente. Para fechar com chave de ouro, usou a frase tão utilizada pelo chefe da gangue, o Lulla: “Os eleitos devem poder usufruir das prerrogativas de seus cargos e os derrotados devem se preparar para o próximo pleito”. A sintonia está bem afinada. Fica muito clara a parcialidade do sr. Janot. Agora está explicada sua ânsia em denunciar de pronto o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, havendo tanta gente do PT citada anteriormente em delações. Estamos realmente caminhando para uma grande festa, com direito a pizzas e regada a vinho “Sangue do Povo”.

PAULO JOSÉ DREYER M. DE SOUZA

pjosedreyer@gmail.com

Mogi das Cruzes

PROTESTO NA PAULISTA

De intolerância e ódio

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, em entrevista após ser hostilizado na Avenida Paulista, domingo, por manifestantes antigoverno, defendeu o direito de manifestação, mas se indignou com as ofensas pessoais, alegando ser a intolerância insuflada pela oposição. Mas, afinal, por que ele resolveu ir lá naquele horário, sabendo (todo o Brasil sabia!) da manifestação? Há mais de uma Livraria Cultura na cidade, ele poderia ter ido no sábado, sem a presença de hostilidades. Fica um gosto de provocação no ar. E os pró-governo que também lá foram tinham o intuito de confrontação. A intolerância, dessa vez, desculpe-me o sr. ministro, partiu do PT.

LUCIA HELENA FLAQUER

lucia.flaquer@gmail.com

São Paulo

Disse o ministro da Justiça: “O discurso de ódio e intolerância é assustador”. O ministro deve estar assistindo aos discursos de Ruy Falcão, Dilma Rousseff, Lula da Silva...

MARIO HELVIO MIOTTO

mariohmiotto@gmail.com

Piracicaba

Favor avisar ao também ministro Edinho Silva que o mentor e incentivador rasgático do ódio entre classes e partidos é seu chefinho Lulla, que em seus discursos, aos berros, prega essa orientação ao seus seguidores.

JORGE WISZNIEWIECKI

jatw@terra.com.br

São Paulo

PLANOS ECONÔMICOS

Esquecimento

Gostaria de saber como anda o processo das devoluções dos Planos Collor, Bresser, etc. No ano passado o STF ia julgar, mas como haveria eleições ficou para janeiro de 2015. Depois a Presidência tinha de indicar outro ministro, porque Joaquim Barbosa se aposentou. O novo ministro, para completar o número para o julgamento, foi nomeado, mas não se fala mais nada acerca disso. Só se fala em mensalão, petrolão, etc. O que estará acontecendo? Estão esperando todos os que têm para receber falecerem?

FARID NICOLAU LAUAND

manu.2211@hotmail.com

Araraquara

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadão.com

ORÇAMENTO COM DÉFICIT

Desculpem, mas orçamento com déficit não existe! Orçamento é matemática: se não tem arrecadação, a saída é cortar despesas. Qualquer administrador medíocre sabe como eliminar o déficit. Cortar despesas não é somente cortar investimentos, é cortar a máquina do governo, é cortar os repasses ao Congresso e ao Poder Judiciário. 

Amando Francisco Varella Filho amando.varella@uol.com.br

São Paulo

*

PROMESSAS DE DILMA

Presidenta Dilma, ponha um oftalmologista de plantão para que a senhora e os seus ministros enxerguem o que de real acontece no Brasil: desemprego, inflação em alta, empresas  fechando, corrupção sem precedentes e a sra. ainda queria reativar a CPMF: Contribuição Para Mais Falências!

Vidal dos Santos vidal.santos@yahoo.com.br

Vinhedo 

*

ECONOMIA VIROU CINZAS

Agora não restam mais dúvidas, decididamente a economia do País foi para o buraco. Mas não poderíamos esperar que fosse diferente, quando temos uma alguém que não entende de nada dando pitacos. Aliás, ela não entende nada do nada. Conseguiu falir uma loja de R$ 1,99 no início de segundo ano de funcionamento, o que só não aconteceu no primeiro ano talvez por receber incentivos fiscais. Imaginem essa administradora dirigindo uma loja de R$ 1.999.999.999,99 cheia de raposas e assessorada por Aloizio Mercadante, Miguel Rosseto e Artur Chioro, que agora aparece na função de corneteiro da corte.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo 

*

VACÂNCIA DA PRESIDÊNCIA

Há presidência no Brasil? Executivo tentou reinstituir a CPMF por meio de PEC. Na segunda-feira (31/8) foi anunciado que desistiu da medida porque sua aprovação pelo Legislativo era impossível, graças aos céus! No mesmo dia anunciaram que a nomeação de Paulo Bernardo, ex-ministro das Comunicações no primeiro mandato e marido da senadora do Paraná Gleisi Hoffman, para diretor da Itaipu binacional, foi suspensa porque a campanha dela teria recebido financiamento proveniente das propinas da Lava Jato e ele estaria envolvido. Pois bem, este é o Brasil de 2015, um país à deriva, flutuando ao sabor e direção das ondas e a pergunta que se impõe é esta: existe de fato Presidência da República no Brasil? É possível que continuemos até 2018 com esta ausência de um comando efetivo do País?

Paulo Afonso de Sampaio Amaral drpaulo@uol.com.br

São Paulo

*

RECESSÃO 

Agora é oficial: o Brasil está em recessão. Sei que não foi fácil, mas vocês conseguiram petralhada.

Guto Pacheco jam.pacheco@uol.com.br

São Paulo 

 *

SÓ POR MILAGRE!

Quem avisa amigo é! Dr. Levy, faça como o sapo da fábula: pegue sua viola ponha no saco e saia da roubada em que se meteu. Não há solução para os problemas da nossa desconjuntada economia, enquanto Dilma continuar achando que foi ela que descobriu os ditames da ciência econômica. Qualquer dona de casa, por mais simples que seja, sabe que, quando o dinheiro está curto, há de se cortar as despesas. Ela acha que o povo que já está à míngua e desempregado pode pagar mais impostos. Só por milagre!

Leila E. Leitão

São Paulo

*

A CULPA É DO POVO

Segundo o relator-geral do Orçamento de 2016, deputado Ricardo Barros (PP-PR), as agências de avaliação de risco podem antecipar a decisão e retirar o grau de investimento do País, porque a proposta de orçamento enviada ao Congresso prevê um déficit de aproximadamente R$ 30 bilhões, por causa da desistência da recriação da CPMF. Portanto, o governo federal já encontrou o culpado pela perda do grau de investimento do País: o povo, que não aceitou mais um imposto goela abaixo e berrou, até fazer a "incompetenta da nossa presidenta" voltar atrás e enterrar o fantasma da CPMF. Claro que a culpa não é do PP, PMDB e PT, que dilapidaram os cofres públicos, e sim do povo, que elegeu esses corruptos para governar o País.

Maria Carmen Del Bel Tunes Goulart carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana (SP)

*

IMPOSTO PARA OS AMIGOS

Para que a nossa presidenta não fique magoada com a rejeição do novo imposto, sugiro a sigla CISO: Contribuição Interfederativa da Saúde, opcional. Como se trata de um imposto personificado pelo CPF ou CNPJ, pagaria quem ainda acredita nesse governo e deseja ver estancada a hemorragia prevista pelo senador Aloysio Nunes. Inclusive poderíamos avaliar se realmente esses 8% aprovam o governo realmente ou na hora H não apreciam misturar economia com política.

Manoel Braga

São Paulo 

*

IMPOSTOS E MAIS IMPOSTOS

A última Contribuição Provisória sobre a Movimentação Financeira (CPMF), não tão provisória, na verdade, esteve em vigor por cerca de 11 anos (de 1996 até 2007).  E, ao contrário do que o governo demagogicamente afirma, não se trata de um imposto que atinge apenas os ricos, donos de polpudas contas bancárias, mas de um imposto em cascata, que incide em todas as fases da produção, refletindo nos preços finais dos produtos. Ademais, desde 1993, quando foi criada pela primeira vez, quase nada do valor arrecadado foi aplicado na saúde ou em programas sociais.  Além disso, já existem vários impostos (PIS, Cofins e CSSL), cujas arrecadações seriam destinadas às áreas sociais (saúde, Previdência, etc.), mas foram desviadas para cobrir os rombos provocados pelos gastos desenfreados dos governos.

Luiz Antônio Alves de Souza  zam@uol.com.br

São Paulo

*

ASSOMBRAÇÃO

O perverso plano do (des)governo  Dilma de reviver o fantasma da CPMF deu com os burros n’água. Diante da falta de apoio parlamentar e da acentuação do descontentamento que a medida traria, o Executivo teve de passar uma borracha e começar a fazer novos cálculos. A essa altura do campeonato arrisco dizer que o superávit não será alcançado nem com confiscos de poupança! É melhor nem tocar no assunto... Já deu para perceber que o segundo mandato de Dilma gosta de assombrar a população com os que já foram (a inflação, o desemprego, a alta do dólar, o mensalão, o presidenciável Lula, etc. e tal). É só brincadeira, Dilma!

Elias Menezes elias.natal@hotmail.com

Nepomuceno (MG)

DIVÓRCIO POLÍTICO

Uma crise econômica e política jamais vista tomou conta do País, primeiro porque o poder foi tomado de assalto num pacto macabro, cuja moeda de troca foi o naufrágio da Nação. Os fins justificariam os meios. Assim já se passaram 13 anos, onde a fortuna fácil foi o apanágio de um partido que aparelhou todas as instituições, aliou-se a um bolivarianismo mequetrefe representado por repúblicas de tendências “esquerdopatas”. Uma outra crise se alimenta no seio do governo e parece estar mais forte a cada dia. Trata-se das divergências entre a presidente, Dilma Rousseff, e o vice-presidente, Michel Temer. A lua de mel acabou e Temer, raposa felpuda como ele só, diante da rejeição da presidente está tratando de tirar seu time de campo. Quando duas pessoas acham que uma está sabotando, à outra nada mais resta senão a separação.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

O POVO PAGA A CONTA

A rainha da Inglaterra/presidente do Brasil em raro momento de lucidez (?) ou percepção de fraqueza, desistiu da CPMF, que seu brilhante ministro da Saúde tentou recriar. É difícil a vida de um povo na mão de governantes desse naipe, seja um ministro da Fazenda “rei Sadim”, que acha que os pobres, seus clientes no banco, devem pagar a conta sozinhos, sejam outros que acham que um “impostinho” a mais não dói. A quem devemos ser gratos? Ao rei dos “pixulecos” não, é pois elle acha que nunca deveria ter sido extinto. Te cuida brasileiro que elle está de volta, mais sedento que nunca.

M. Mendes de Brito      voni.brito@gmail.com

Bertioga

*

NOVA GRÉCIA

Levy diz que sem impostos vamos ficar como a Grécia, em referência a estapafúrdia CPMF. E o que são: IPI, IOF, PIS, COFINS, IRPF, IRPJ. Itbi, IPTU, ISS, ICMS substituição tributária, cálculo por dentro, cálculo por fora, cara pálida? Com todos esses impostos teríamos de ser obrigatoriamente uma Noruega na América, nunca uma Grécia! Os petralhas te contaminam, Joaquinzão!

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul 

*

A VOLTA DA CORREÇÃO MONETÁRIA

Li no Estadão de domingo (30/8) sobre o rombo do orçamento 2016, que provavelmente será tapado com emissão de moeda. Sonhei com o economista e diplomata Roberto Campos que me assombrava dizendo: Volta correção monetária, volta! 

Luiz Henrique Penchiari luiz_penchiari@hotmail.com

Vinhedo 

*

JANOT DEU PRA TRÁS

O procurador-geral, Rodrigo Janot, depois de seu parecer favorável sobre as contas da Dilma, liberou geral no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Que vergonha! Este é o preço da indicação? 

Olavo Fortes Campos Rodrigues olavo_terceiro@hotmail.com

São Paulo

*

ARQUIVAMENTO DE INVESTIGAÇÃO

Lamentável e revoltante o procedimento do Dr. Janot. O problema não foi só o arquivamento, mas, principalmente, a justificativa dada. Como disse o ministro Gilmar Mendes, não cabe ao procurador atuar como advogado da presidente. Será que o cargo de procurador-geral vale a honra de pessoas honradas, que, se o fossem, saberiam que a honra pessoal não tem preço? Será que, depois deste lamentável episódio, pouco antes da sua indicação pela ré, podemos confiar na isenção deste renomado procurador?  

Carlos Coutinho cncoutinho@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

DECEPÇÃO COM JANOT

Está soando meio estranho esta decisão de o procurador Rodrigo Janot arquivar a investigação das contas da campanha de Dilma. Será que seria um agradecimento por continuar no seu cargo com o apoio da presidente? Será que vamos ter de ficar com um pé atrás com ele também? A maioria dos brasileiros se sente traída por ele. Acho que nos restou apenas Sergio Moro.

Angela Maria de Souza Bichi angela_bichi@hotmail.com

Santo André 

*

NA GAVETA

O “acórdão” entre os Três Poderes em Brasília (representados por Dilma, Renan Calheiros e Rodrigo Janot) enfim mostra a que veio. Com a reconciliação entre os presidentes da República e do Senado, ficou a garantia de que o último ganharia apoio entre os ministros do Tribunal de Contas da União (TCU) responsáveis pelo julgamento das contas de 2014. Por fora, Renan ainda liderou a recondução de Rodrigo Janot à Procuradoria-Geral da República. Fui um tanto quanto ingênuo ao acreditar que tinha acabado por aí. Domingo (30/8) pela manhã, ao abrir o Estadão, eis que leio a manchete atentando para o engavetamento da investigação do TSE contra a presidente Dilma. Quem foi o responsável? O procurador Rodrigo Janot! Curioso ou não? Enquanto a população se manifesta pacífica e democraticamente nas ruas, as instituições vão sendo golpeadas com “acordões” como esses.

Elias Menezes elias.natal@hotmail.com

Nepomuceno (MG)

*

RESPOSTA ABSURDA

Estou escrevendo para vocês porque estou muito indignada com a resposta cínica que o  Dr. Rodrigo Janot, procurador da República, deu ao ministro Gilmar Mendes e vice-presidente do TSE sobre a investigação das contas de campanha da Sra. Dilma Rousseff. Quem se tornou agora protagonista exagerado do espetáculo da democracia foi exatamente o senhor Janot! É uma vergonha a resposta dele a Mendes. Poderia ter sido pelo menos mais elegante. Mas, como come na mão do PT, nem disfarçou!Como brasileira me sinto ultrajada! Todo mundo está cansado de saber da vergonha das contas de campanha da Sra. Dilma Rousseff! Não há quem não o saiba! O pior cego é aquele que não quer ver!

Maria Alexandrina nevesreis@terra.com.br

São Paulo

*

INCONVENIÊNCIA DE JANOT

Em recado a Gilmar Mendes, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, critica a inconveniência da Justiça Eleitoral e do Ministério Público Estadual (MPE), dizendo que eles são protagonistas exagerados da Democracia, na condução da análise das contas eleitorais da nossa presidente. Interessante que, em minha humilde opinião, isso é uma virtude e não um defeito. Na verdade, não passa pela cabeça de Janot abrir inquérito contra a presidente, Dilma Rousseff, muito embora as irregularidades de suas contas estejam evidentes. Para ser gentil, diria que o procurador é um protagonista muito moderado da Democracia.

Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.br]

São Paulo

*

JÁ COMEÇOU

Nem bem reeleito à chefia da Procuradoria-Geral da República (PGR), o procurador Rodrigo Janot já deu sinais de agradecimento ao apoio presidencial e de seus representantes no Senado Federal. Rejeita o pedido, solicitado pelo ministro Gilmar Mendes, da Justiça Eleitoral, de investigar a campanha de Dilma alegando inconveniência! É inacreditável a PGR não querer a investigação sobre o caso da gráfica, mais uma empresa prestadora de serviços, com todas as características de ter atuado como "lavanderia" dos notórios e escusos interesses do PT. O Sr. Janot poderia pelo menos esperar mais um pouco, sob o risco de admitir acordo a sua recondução ao cargo.

Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

*

SACRIFÍCIOS E DESMANDOS

Concordo com tudo que escreveu o almirante Mario Cesar Flores em A Crise e o poder político (29/8, A2), porém pergunto: que porcentual da população está disposto a fazer os sacrifícios necessários? Depois de tantos avisos, tantos desmandos, o PT não alterou em nada seu projeto de poder. Agora, com a vaca  indo a passos largos para o brejo, fazemos a parceria "caracú". Não fosse o núcleo judicial de Curitiba e a Polícia Federal - a depender do núcleo de Brasília, pouco ou quase nada teria sido feito até agora! 

Fábio Reiff Biraghi frbiraghi@gmail.com

Jaboticabal

*

CLÍNICA PARA VÍTIMAS DO PT  

Aproveitando que o governo federal está prevendo aumento nas verbas para atendimento em clínicas de apoio às “vítimas da ditadura de militar” (de 1964 a 1985), gostaria de sugerir que Dilma incluísse no Orçamento de 2016 a criação de outra clínica, desta vez para atendimento de todos os “torturados” pelo desgoverno do PT (de 2003 a 2015). Só que desta vez é para um grande volume de verdadeiros brasileiros (os 70% que desaprovam seu governo) e não para os poucos companheiros revolucionários e anarquistas da época dela.

Sergio Motta de Carvalho Sergio.motta@superig.com.br

São Paulo

*

QUE HONRA?

Em entrevista à CBN, José Eduardo Cardozo criticou o protesto na Avenida Paulista, pois acredita que o boneco vestido com roupa de presidiário fere a honra do ex-presidente Lula. Hein?! Honra - dignidade, probidade, retidão, entre outras definições.  Perguntamos: que honra pode ter quem mente - o uso de bravatas para ganhar eleições? Que honra pode ter alguém que dissemina ódio entre as classes ou entre irmãos? Que honra pode ter quem usa os humildes para se promover, dando bolsas? Que honra pode ter alguém que promove conflitos, quando chama o exército do Stedile, chefe de arruaceiros, para se contrapor a quem clama contra a corrupção? O protesto, nobre excelência, é a manifestação pacífica de quem trabalha arduamente e vê os extorsivos impostos sendo jogados no ralo da corrupção ou distribuídos para amigos ditadores assassinos. De quem não aguenta mais a desfaçatez dessa “honrada” figura!  

Aparecida Dileide Gaziolla aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul 

*

ASSUSTA MESMO

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso, tem todo o direito de passear pela Avenida Paulista, de comprar CD do companheiro Chico Buarque (que anda sumido) e de testar como anda a sua popularidade. Também tem todo o direito de repudiar os insultos que sofreu, mas dizer que ficou assustado com o "discurso de ódio e intolerância" (31/8, A7) é mais assustador ainda! Na entrevista ele aponta líderes sociais, lideres de partidos políticos, como sendo os incentivadores de tal prática. Não dá os nomes, mas disse ser fácil identificar. Provavelmente não quis ficar "sujo" com os companheiros, mas podemos ajudá-lo. Alguém irresponsavelmente disseminou o ódio e a intolerância mais do que  Lulla? O Sr. ministro nunca ouviu o famigerado bordão "nois e eles"? E a pérola do ex-ministro Zé Dirceu: “Vamos ganhar nas urnas e no cacete também!”. E o aparelhamento da UNE, que provavelmente o ministro, nos seus tempos de acadêmico teve orgulho em pertencer, mas que hoje é um mero apêndice de partido corrupto? Parece ser dever de ofício ministro advogar para causas suspeitas deste desgoverno e a Justiça ser aplicada só para os que estão cansados de tantos desmandos. É assustador!

Rogério Amir  rizzomoreno@superig.com.br

São Paulo

*

PIMENTA NO OLHO DO OUTRO

Os PeTralhas são tão arrogantes e egoístas que gostam de criticar os outros achando que tudo que fazem é normal e ético. Para lembrar: Há alguns anos atacaram o governador Mário Covas, inclusive fisicamente. O quadrilheiro Zé Dirceu achou correto e prometeu bater nas urnas e na rua. Na semana passada, outra PeTralha atacou, com faca, o boneco inflável 13-171 que lembra o bocudo Lula. Ontem o ministro da Justiça foi hostilizado na rua e achou que tudo é objeto de ódio e intolerância, o que  prejudica a democracia. Ora, cara-pálida deixa de ser dissimulado, acabou o refresco e está sobrando pimenta! 

Sérgio Barbosa sergiobarbosa@megasinal.com.br

Batatais 

*

ORIGEM DA INTOLERÂNCIA

Tenho muito respeito pelo atual ministro da Justiça, sr. Cardozo. Mas lamento que ele esteja no partido político errado. Li sua entrevista do Estadão de ontem (31/8) e concordo que devemos ter um comportamento mais sensato em relação às pessoas, não obstante possamos ter opiniões divergentes. Entretanto, vale ressaltar que o clima de intolerância e provocação partiu do líder maior do seu PT, ajudado por declarações do indigesto presidente do PT, e ainda pelo comportamento silencioso da atual presidente do Brasil, que assistiu ao presidente da CUT discursar em pleno Palácio do Planalto dizendo pegar em armas contra quem discordasse do atual governo. Cabia, isto sim, a Dilma imediatamente declarar sua discordância sobre a manifesta ameaça daquele pobre coitado sindicalista. Entretanto, ela se omitiu, achando que aquilo era uma posição aceitável de apoio. Portanto, sr. Cardozo, a intolerância presente foi propiciada pelos incompetentes e desajustados simpatizantes do seu partido e deste governo, que não sabe medir as consequencias dos seus desatinos.

Adib Hannaa adib.hanna@bol.com.br

São Paulo

*

QUEM DE FATO PREGA O ÓDIO

Gostaria de refrescar a memória do ministro da Justiça e pedir-lhe que observasse quem tem falado como um cão raivoso em todos os palanques por onde tem passado. Quem falou em convocar o exército do Stedile, recepcionou as brigadas do PT às portas do Instituto Lula, assistiu (representado pela presidente) impassível às declarações do presidente da CUT, falando em pegar em armas, em pleno Palácio da Alvorada, e também é responsável pelo caos moral, político e econômico que se encontra o País.  Mais do que de ódio, o clima é de paciência esgotada, para não usar termo chulo. Diante de tantos desmandos, só a Justiça, se houver, e isso é atribuição do ministro Cardoso, devolverá o convívio pacifico à sociedade.

Eduardo Augusto Delgado Filho e.delgadofilho@gmail.com

Campinas

*

LULA, DILMA E A TV

Lula e Dilma estão tentando incendiar o País. Eles vão para as quebradas, juntam uns gatos pingados e, com um monte de mentiras e ameaças tentam jogar os baderneiros contra a população indignada com os desmandos. Isso não teria maiores consequências não fosse a TV dar eco às baboseiras da bandidagem, repetindo exaustivamente nos noticiários (estranhamente patrocinados pelo governo), dando a impressão de que as instituições são golpistas. Já passou da hora de acabar com essa bandalheira. Até quando vamos continuar afundando neste lamaçal? 

Carlos Eduardo Stamato dadostamato@hotmail.com

São Paulo

*

SAÚDE DE FERRO

Após ter sido esfaqueado em pleno Viaduto do Chá, na sexta feira, reapareceu todo pimpão na Avenida Paulista, no domingo. Recuperação rápida, ao que parece, no Sírio Libanês.

Nelson Penteado de Castro pentecas@uol.com.br

São Paulo 

*

O BONECO DO CHEFE

Recomendação aos lulistas: não furem mais o boneco do chefe. Furado, ele mostra que nada existe dentro dele a não ser o ar que o sustenta.

José Etuley Barbosa Gonçalves etuley@uol.com.br

Ribeirão Preto

*

JOSÉ MUJICA E LULA

Nem sempre nos decepcionamos profundamente com nossos amigos. Parece que a ficha ainda não caiu para José Mujica, sobrevivente de cinco balaços e da sedução afrodisíaca do poder, algo raríssimo entre os homens públicos. O líder uruguaio deveria procurar conhecer a verdadeira história de Lula e do lulopetismo, que enterrou as utopias da esquerda mundial com muito mais eficiência que as ditaduras de direita mais ferozes. 

 

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

MORTE DE REFUGIADOS

Comover-se com a absurda morte de mulheres, homens e crianças que buscam refúgio na Europa é uma atitude que não ajuda a solucionar o problema. O lúcido artigo de Adriana Carranca (Memória curta, 29/8, A15) mostra como os europeus se esqueceram que eles também fugiram da fome e das perseguições religiosas vindo para as Américas, onde refizeram suas vidas e construíram novos países. Se os vendedores de armas continuarem a armar países da África e do Oriente alimentando suas guerras, os refugiados continuarão a morrer no mar e sufocados em caminhões sem ar.

Eva Blay eblay@usp.br

São Paulo

            

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.