Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

25 Abril 2017 | 03h05

ELEIÇÃO NA FRANÇA

Macron x Marine

O segundo turno na França mostra duas faces irreconciliáveis na Europa. De um lado, Marine Le Pen encarna o nacionalismo anti-imigração, antiglobalização, eurocético, contra a moeda comum e que defende a saída do país da União Europeia e da Otan. A candidata da Frente Nacional defende a estatização da economia para enfrentar a desindustrialização e o desemprego. Do outro lado, Emmanuel Macron representa o cosmopolitismo, fronteiras europeias abertas (Espaço Schengen), globalização, europeísmo e o fortalecimento do euro como moeda comum. O candidato do movimento Em Marcha defende cortes estatais e busca de investimentos para estimular a retomada da economia. No curto prazo, tudo indica que Macron vai vencer o segundo turno da eleição de 2017. No longo prazo, Marine Le Pen se cacifa para ganhar o pleito presidencial em 2022, se não houver melhora da economia nos próximos cinco anos.

LUIZ ROBERTO DA COSTA JR.

lrcostajr@uol.com.br

Campinas

Novo rumo

Seja qual for o resultado do segundo turno das eleições, a França tomará outro rumo na política. Isso deveria ocorrer também aqui, no Brasil. Cansamos dos políticos de sempre, que nos roubam, enojam e só pensam neles e nos seus apaniguados.

CARLOS E. BARROS RODRIGUES

ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

Esquerda obsoleta

Não há dúvida de que a derrota fragorosa da esquerda no primeiro turno das eleições presidenciais na França é indicativo incontestável da necessidade de renovação dessa vertente ideológica naquele país, o que não deve tardar a ocorrer. Já a esquerda brasileira, considerando seu ainda velho e cansativo discurso, pelo visto não se conscientizou de que só sobreviverá se sair da obsolescência em que se encontra mergulhada há muito tempo.

LUCIANO HARARY

lharary@hotmail.com

São Paulo

LULOPETISMO

Reputações assassinadas

A empreiteira Odebrecht continua considerando Lula seu maior amigo. Ao acusar vários partidos e diferentes parlamentares por diversos desvios, a serem comprovados, fez tábula rasa nas delações. Com essa atitude procura desviar e diminuir o foco no PT e em Lula – como demonstram as últimas pesquisas de intenção de voto, seus principais competidores foram atingidos pelo velho sistema de assassinato de reputações e o Lula emergiu das profundezas. Só os cegos, analfabetos políticos e os fanáticos não enxergam.

JOSÉ PAULO CIPULLO

j.cipullo@terra.com.br

São José do Rio Preto

A máscara caiu

Excelente análise de Vera Magalhães no Estadão de domingo (Lula, o sócio oculto, A8): diante de tantas evidências, difícil supor que não haverá condenação.

RICARDO FIORAVANTE LORENZI

ricardo.lorenzi@gmail.com

São Paulo

Decepcionados

No polido e contido editorial A decepção dos ingênuos (24/4, A3), o sempre elegante Estadão observa que alguns intelectuais e integrantes da classe artística da “esquerda lulopetista” (vertente tupiniquim do bolivarianismo chavista) anunciaram sua decepção e a ruptura com o escatológico movimento conhecido como lulopetismo, a partir das delações dos proprietários e executivos da empreiteira baiana contratada pelos governos Lula e Dilma Rousseff para administrar o Brasil. O judicioso e civilizado editorial chega a enunciar algumas reações dos defensores do “nosso (deles) guia” diante dos escândalos de corrupção das gestões petistas: ruptura total com o lulopetismo por alguns poucos, discursos de salvação das aparências (principalmente na mídia e nas redes sociais) por outros e críticas acerbas por outros ainda, ressalvada a circunstância de que Lula foi “o melhor presidente” do País. O editorial deixou, porém, de apontar o “ensurdecedor silêncio” dos que se beneficiaram, cinicamente, dos governos petistas auferindo “benefícios” da Lei Rouanet e vantajosos contratos de anúncios comerciais de “empresas aliadas”, além dos midiáticos beneficiários do pagamento de “contribuições” a jornais, revistas, colunas e blogs ligados também ao lulopetismo. Só para lembrar e não deixar passar batido.

RUY TAPIOCA

ruytapioca@gmail.com

Rio de Janeiro

Assembleia-Geral da CNBB

“Precisamos ter honestidade de vida e pensar no bem comum”, declarou o arcebispo de Diamantina. Nessa linha, poderia a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil fazer uma revisão dos 15 anos em que apoiou os petistas (e seus governos corruptos e ineficientes). E já que os bispos católicos vão tratar de temas econômicos, como combater a reforma da Previdência, a reforma trabalhista, o lucro dos bancos e defender a taxação de grandes fortunas – dos aliados dos partidos de oposição –, poderiam aceitar a quebra da isenção tributária que hoje é dada à Igreja, a seus bens, a suas universidades tão lucrativas, etc. Isso, sim, demonstraria que “a convivência cristã não permite a desigualdade”...

MARCO CRUZ

mm.cruz23@gmail.com

São Paulo

GREVE GERAL

Feriadão

Se realmente vingar a anunciada greve geral na próxima sexta-feira, o que teremos é apenas um feriado prolongado.

MOISES GOLDSTEIN

mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

Essa greve que está sendo convocada não é contra as reformas nem contra o presidente Michel Temer, é contra o Brasil.

JORGE CARRANO

carrano.adv@gmail.com

Niterói (RJ)

ABUSO DE PODER

Estamos ligados

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado, usando mais uma vez da falta de tino e leviandade da maioria de seus membros, está armada para aprovar a ementa do PLS 280/2016, que define os crimes de abuso de autoridade. É voz corrente no País que o interesse na aprovação é aterrorizar os policiais que prendem os investigados, os procuradores que acusam e os juízes que julgam e condenam. A comissão é composta por 54 senadores, 53% deles delatados na Lava Jato. Dos restantes, poucos se salvam. Estamos de olhos abertos e atentos às atitudes de Renan, Jucá, Requião, Barbalho, Lindberg, Aécio, Cassio, Humberto Costa... Vamos ficar as 24 horas do dia ligados nos jornais, rádios e TVs.

LEÔNIDAS MARQUES

leo.marquesvr@gmail.com

Volta Redonda (RJ)

“Cuidado, senhores parlamentares, 2018 está vindo aí...”

NIVALDO RIBEIRO SANTOS / SÃO PAULO, SOBRE OS PROJETOS NO CONGRESSO NACIONAL SOBRE ABUSO DE AUTORIDADE

nivasan1928@gmail.com

“Lula 2018, mas sem a Odebrecht?”

ADALBERTO A. ALLEGRINI / BRAGANÇA PAULISTA, SOBRE AS PRETENSÕES ELEITORAIS DO MAIS HONESTO

adalberto.allegrini@gmail.com

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

O DEPOIMENTO DE LÉO PINHEIRO

Como já era esperado, o empreiteiro Léo Pinheiro confirmou aquilo que todos já desconfiavam: Lula era mesmo o dono do tríplex do Guarujá, imóvel recebido como parte de propina da construtora OAS. Para agravar a situação do acusado, o empreiteiro afirmou, ainda, que Lula mandou destruir eventuais evidências que o ligassem aos pagamentos de propina feitos por João Vaccari Neto ao PT. Atendo-se apenas a este ilícito, entre uma extensa coleção que tramita em outras varas da Justiça, o juiz Sérgio Moro poderia decretar a prisão preventiva do ex-presidente com base no artigo 312 do Código de Processo Penal (CPP), por obstrução da Justiça A pergunta é: será que algum juiz de tribunal superior revogaria a decisão do magistrado de Curitiba, mediante recurso, se fosse pedida a prisão do acusado mesmo que dentro do estrito dever legal, caso a defesa do réu recorresse ao Supremo Tribunal Federal (STF)? Ou V.Exas. confirmaram a sentença da primeira instância, apenas mediante recibo assinado pelo acusado?  

Paulo R. Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo

*

E AGORA, COMPANHEIRO?

Léo Pinheiro afirma: "Tríplex era do Lula".

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz 

*

COMO CHEGAMOS A ESTA CRISE?

Na matéria "O tríplex era do Lula" (21/4, A6), vimos seus "companheiros" entregando informações há tempos já esperadas pela população em geral. Afinal, a pergunta pode ser clichê a esta altura do campeonato, mas é pelo fato de a resposta ser tão óbvia que é sempre repetida: "Como não sabia de nada?" É um absurdo admitir ou aceitar que alguém ou um grupo de pessoas sob seu comando esteja desviando milhões e você nada saiba ou nada influa. Das duas uma: ou era conivente ou incompetente por omissão (negligente, imprudente ou imperito na gestão administrativa). Seja qual for a opção, de acordo com os princípios da administração pública, tal pessoa não pode ocupar espaço no comando da máquina pública ou sequer estar trabalhando em qualquer área dela. Cabe ressaltar, ainda, que estas são investigações referentes à Petrobrás, então, eis minha maior preocupação: e quando for a vez do BNDES ou da grande exceção que são as relações com Cuba? Finalmente, entenderemos como chegamos a tal recessão econômica? Embora todo o escândalo tenha eclodido na gestão de Dilma Rousseff, é bastante lógico supor que a manutenção de todo o esquema tenha sido sustentada desde antes de seu mandato.

Aline Emanuelle Borges emanuelleab@hotmail.com

Campinas

*

A FARSA DESNUDADA

Assisti ao depoimento do sr. Léo Pinheiro, ex-presidente da Construtora OAS, ao juiz Sérgio Moro, e tive pena. Diferentemente de Marcelo Odebrecht, uma águia ligeira e certeira, Léo Pinheiro parecia o bobo da corte na amizade que desenvolveu com Lula e família. Ele confessou que ia pessoalmente resolver os problemas do sítio em Atibaia e do tríplex no Guarujá, sempre um lacaio a serviço do "rei". E era esperada uma contrapartida, que nem sempre vinha. Assim, Léo Pinheiro foi usado por Lula e seus asseclas por muito tempo. Agora, que a cadeia o ameaça e lhe tira o sono, fala com a mesma simplicidade com que agiu em nome de uma amizade que cultivava por Lula, enquanto era usado por Vaccari, Paulo Okamotto e pelo próprio "Brahma". Vai passar a ser "persona non grata", pois da mesma forma com que fez as benesses que descreveu ao juiz será visto como um traidor, ao desnudar a farsa do amigo. A defesa de Lula estava ensandecida com as declarações de Léo Pinheiro. Lula não é um perseguido, como quer sua defesa fazer parecer, é um réu, e, como tal, deve explicações. A conferir em 10 de maio. 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

APENAS MAROLINHAS

Como o advogado de Lula mostrou documentos que provam que o apartamento do Guarujá não é de Lula, pois está no plano de recuperação judicial da OAS, como o sítio de Atibaia está provado no registro de imóveis não pertencer a Lula e uma juíza de São Paulo arquivou ação que absolve Vaccari no caso Bancoop, está-se desmontando a farsa dos que tentam criar provas que nunca aparecem para justificar perseguição e conseguir condenação antecipada de Lula pela mídia e tentar inviabilizá-lo. Dos acusadores aparecem ondas de contas e provas, mas de Lula, nada, só marolinhas. Por isso ele cresce nas pesquisas.

Wilson R. de Oliveira wilsoncidadaocuritibano@gmail.com

Curitiba 

*

LUNÁTICOS

É simples, caro leitor sr. Elias Avelar ("O apartamento estava nos ativos da OAS quando pediu recuperação judicial e foi aceita pelo juízo. Como, então, é do Lula?", "Estadão", 21/4, A3). O apartamento notoriamente sempre foi de Lula, mas ficou em nome da OAS porque estavam viabilizando mais um laranja para assumir mais esta para o esperto ex-presidente. Claro que a empresa, então, incluiu o apartamento na recuperação judicial, por direito de fato. Espero que a explicação atenda à dúvida do leitor, para que ele não seja excluído na "cambada de lunáticos" que sempre defenderão o ex-presidente, mencionada na carta logo acima, do leitor sr. Hilder Henrique.

Abel Pires Rodrigues abel@knn.com.br

Rio de Janeiro 

*

PRECISA DESENHAR?

O advogado de defesa de Lula, Cristiano Zanin Martins, parece não ter ouvido direito as afirmações de Léo Pinheiro no testemunho que deu em 20/4 ao juiz Sérgio Moro, quando o causídico cita um documento assinado pelo próprio Léo Pinheiro, "sob as penas da lei", no qual a OAS diz ser a dona do imóvel do Guarujá. Ocorre que Léo Pinheiro jamais negou que a OAS era dona do imóvel, mas afirmou com todas as letras que o tríplex estava reservado para Lula e família e que não seria negociado ou comercializado em hipótese alguma. Dr. Cristiano Zanim Martins, entendeu, ou vai precisar desenhar?

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

DEUS E O CAPETA NA TERRA DO DIABO

Acordei hoje pensando no advogado de Lula, o dr. Zanin. Com tantos bons advogados por aí, Lula contratou o genro de Roberto Teixeira (sem comentários) e, agora, vê-se que o que mamãe dizia, que a mentira tem perna curta, é "vero". Com este novelo de mentiras que se desenrola agora, ao fazer suas perguntas, consegue prejudicar seu cliente da vida e ajuda a elucidar ainda mais os fatos. Um verdadeiro advogado do capeta, mas usado pelo papai do céu.

Elisabeth Migliavacca

São Paulo

*

O INCHADO RABO DA JARARACA

Após ter sido conduzido coercitivamente pela Polícia Federal para depor numa sala no Aeroporto de Congonhas, em 4 de março de 2016, o ex-presidente Lula da Silva discursou à sua costumeira plateia de fanáticos. Falastrão como sempre, desta feita banhou-se em lágrimas e finalizou dizendo que "tentaram matar a jararaca, mas não acertaram na cabeça, acertaram no rabo". Hoje, após as delações de seus ex-patrões Emílio Odebrecht e Léo Pinheiro, reconhecemos que Lula, acostumado às mentiras, nunca foi tão verdadeiro em sua assertiva: acertaram-lhe o rabo, sim! E a pancada foi de tal monta que ele vai necessitar de um bom emplastro ao se sentar, muito em breve, diante do juiz Sérgio Moro. 

 

Luís Lago luis_lago1990@outlook.com

São Paulo

*

O ROMPIMENTO TARDIO DE BOFF COM LULA 

Depois de longos invernos de negação, o teólogo Leonardo Boff, pseudônimo de Genézio Darci Boff, rompeu com o seu ídolo de "pés de barro" Lula, ao afirmar que "mais do que os crimes a que responde, feriu de golpe a esquerda no Brasil... Se embebedou com o poder. Arvorou-se da defesa dos pobres como álibi para deixar tudo correr solto e deixou-se cegar. Martelou o discurso de ricos contra pobres, mas tinha seu bilionário de estimação". Boff é apenas mais um teórico da esquerda que se curva diante da dura realidade: os governos lulopetistas, conduzidos por Lula e Dilma, foram um grande engodo como governantes, em termos político, econômico e ético. Observa-se, diante do fato, que o sistema político do País está podre e fede muito, até os apoiares ideológicos mais radicais tentam saltar para fora do barco, em busca de salvação. Esse rompimento, no entanto, não deve ser comemorado, pois chega de forma tardia. Os pretensos governos de "esquerda", apoiados com tanta ênfase por bucaneiros dos cofres públicos travestidos de políticos, empresários e apoiadores oportunistas, bem como por inúmeros intelectuais e religiosos, incluindo o próprio Boff, transformaram o Brasil em terra arrasada e a vida de milhões de brasileiros, notadamente os trabalhadores e desempregados, num verdadeiro pesadelo.

José Matias Pereira matiaspereira51@gmail.com

Brasília

*

INCALCULÁVEL

Mesmo a continuar neste ritmo, a fortuna desviada (roubada) por Lula não irá acabar mesmo diante dos gastos com a equipe de advogados contratados por ele. Bem que seu sítio em Atibaia e o tríplex do Guarujá, que alega não possuir, poderiam ir para o saco.

Laert Pinto Barbosa  laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

A LEI DE OMERTÀ

Atenção, Lula, Dilma, PT e os demais corruptos: o "italiano" pode abandonar a lei de Omertà. Embora não saiba de nada, porque não participou de coisa alguma, indicou que pode oferecer informações sensíveis tais como "nomes, endereços, operações realizadas e coisas que vão ser, certamente, do interesse da Operação Lava Jato". Ou seja, quer oferecer algo que "faz bem ao Brasil". Oferta cínica e muito tardia, não?

Omar El Seoud ElSeoud.USP@gmail.com

São Paulo

*

MENTIRA

Eu quase cheguei às lágrimas diante da sinceridade do ex-ministro Antônio Palocci em seu depoimento diante do juiz Sérgio Moro. Só não cheguei às lágrimas de fato porque Palocci afirmou que, enquanto ministro da Fazenda, jamais transgrediu a lei ou manipulou caixa 2. E aquelas malas e pacotes de dinheiro em 2003, quando recebeu uma romaria de donos de bingo na sala ao lado do seu gabinete, promessa de campanha caso Lula fosse eleito? Essa notícia corria solta em Brasília. O PT tentou muito aprovar essa lei dos "jogos de azar", mas azar mesmo levaram os donos dos bingos, que pagaram e não receberam. Isso aconteceu enquanto Palocci era ministro. Que feio! Já vai começar a delação mentindo pelo bem do Brasil?

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

PALOCCI QUER FALAR

Um mentiroso consumado resolvendo "falar a verdade" parece mais alguma coisa para inglês ver.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

A DELAÇÃO DO MINISTRO

Dá para acreditar, o ex-ministro, ex-braço direito de Lula e Dilma, Antonio Palocci diz que tem "um caminho que fará bem ao Brasil". Este cara, junto com seus coleguinhas, deve ficar preso o resto da vida, mais três dias, afinal ele ajudou a colocar o País neste estado em que nos encontramos. Ora, esse tipo de informação todo cidadão de bem deve prestar sem querer nada em troca. É muita cara de pau.

Renato Nóbrega Centola mrs5@uol.com.br

São Paulo

*

PALOCCI NO CENTRO

Assisti pela internet ao depoimento do ex-ministro Antonio Palocci. Não há dúvidas, tratando-se de pessoa inteligente e habilidosa, a ponto de procurar induzir perguntas com esclarecimentos posteriores e adicionais. Por outro lado, procura reduzir seu envolvimento nos pedidos e liberações para as campanhas de Lula e Dilma, o que é inadmissível diante de sua posição no centro dessas campanhas eleitorais e da necessidade de tanto dinheiro, como ele sabia, e como temos sabido nas delações presentes. Procurou proteger ambos os ex-presidentes, como se Lula e Dilma vivessem em outro mundo, ignorando o que ocorria nos porões do poder, com o partido dos próprios e com pessoas de sua confiança. Significativo, seu declarado "não" envolvimento nas benesses promovidas pelo petismo - registrando o próprio não ser dos exaltados, o que significa que não procurou evitar o sangramento das contas públicas, começando com o BNDES, nos financiamentos, entre outros, a Angola e Cuba, para o Porto de Mariel, enquanto os nossos exigiam investimentos. Se, como o interrogado diz não ter sido agente nas bandalheiras, em especial com a Odebrecht, pecou seriamente por omissão, tendo tido conhecimento das ocorrências, ao não confrontar e publicamente com empresários gatunos e outros do partido, ladrões e irresponsáveis, que nos trouxeram à presente situação, e ainda procuram por ideologia dificultar mudanças necessárias que deram causa. 

Mario Cobucci Junior maritocobucci@gmail.com

São Paulo

*

EMPREITEIRAS BRASILEIRAS NO EXTERIOR

O que mais chama a atenção é que todas as obras feitas no exterior, seja o Metrô de Caracas, ou o Porto de Mariel, em Cuba, as hidrelétricas na África ou mesmo o gasoduto no Uruguai, todas financiadas com o dinheiro do BNDES na era PT, foram concluídas. Já as nossas obras, mesmo superfaturadas e sucessivamente aditivadas, ficam com seus esqueletos pelo meio do caminho, sejam hospitais, metrôs, rodovias, ferrovias, etc. A única conclusão óbvia é que são abandonadas de propósito, para gerarem aditivos e também para os próximos governos  iniciarem outras, já devidamente turbinadas por sobrepreços e propinas.

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo 

*

BOI DE PIRANHA

Palocci, já encarcerado, está temendo ter o mesmo destino final de José Dirceu, José Genoino e Delúbio Soares, que livraram Lula no processo do mensalão. "Eminência parda" no escandaloso suborno (então eufemisticamente batizado de caixa 2, não contabilizado) de alguns dos "300 picaretas" do Congresso Nacional da época, o ex-presidente, amparado por seu ministro da Justiça, não moveu uma palha para defendê-los. Por se sentir em risco de se tornar mais um "boi de piranha" do "mais honesto" de todos os brasileiros, Palocci declarou: "Posso apresentar fatos de interesse da Lava Jato" (21/4, A1). Provavelmente, a delação premiada do ex-ministro será mais um caudaloso rio de prevaricações a alimentar o mar de lama em que, a duras penas, ainda navega nosso país. O PT, seus ex-aliados e demais partidos políticos devem estar de cabelo em pé.

Arnaldo A. Ferreira Filho amado1930@gmail.com

São Paulo

*

O BEM DO BRASIL

O ex-ministro Antonio Palocci terminou seu depoimento ao juiz Sérgio Moro dizendo que teria informações importantes de interesse da Lava Jato e que fariam "bem ao Brasil". É preciso ficar claro que o bem do Brasil nunca esteve no foco dos 13 anos de governo petista, e, sim, um projeto indecente de perpetuação de poder, regado a corrupção e enriquecimentos ilícitos. Não é no bem do Brasil que o ex-ministro está pensando, mas em salvar o que resta da própria pele.

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

FORA DA RETA

Agora é o Silvério dos Reis Palocci, tirando o dele da reta. Parabéns, Lula, a forca taí.

 

José Luiz Tedesco tedescoporto@hotmail.com

Presidente Epitácio 

*

O VENTO

O leitor sr. Jose Roberto Sant'Ana especula (22/4, A3), e eu também, para que lado soprará o vento caso Palocci  resolva abrir o bico sobre o que sabe sobre o sistema bancário. Só espero que não sopre para o mesmo lado de Adriana Ancelmo quando ela ameaçou entregar o Judiciário.

Marisa Bodenstorfer

Lenting, Alemanha 

*

ÁGUA BARRENTA

Os ex-ministros Guido Mantega, Antônio Palocci e Paulo Bernardo podem complicar mais ainda a vida dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Palocci falou claramente ao juiz federal Sérgio Moro que poderá acrescentar mais um ano de trabalho à equipe da Polícia Federal. Se Mantega e Bernardo seguirem o mesmo caminho no futuro, então muita água barrenta vai rolar por debaixo desta instável ponte. O Partido dos Trabalhadores pode se despedir desde já das eleições de 2018. Se ainda existir alguma sustentação para o partido, somente nas eleições de 2020 o PT terá uma remota chance.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

*

IDENTIDADES

As delações dão conta do tamanho da bandidagem e, diante de tanta roubalheira, é impossível distinguir  entre ladrões quem é empreiteiro e quem é político.

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

CONCLUSÃO

Ouvindo as explicações dos citados nas delações da Odebrecht, chega-se à conclusão de que hoje no Brasil só há duas categorias de pessoas: os cínicos (todos os políticos) e os imbecis (nós, o restante da população).

Mario Miguel mmlimpeza@terra.com.br

Jundiaí

*

ENQUANTO ISSO

Todos nós deveríamos parar para pensar que, enquanto Lula deliciava-se com cachaças milionárias e Emílio Odebrecht banhava-se em banheira de ouro, à nossa custa, milhares de brasileiros morriam e ainda morrem nas filas do SUS!

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

PERVERSÃO

Fernando Gabeira, em seu artigo no "Estadão" (21/4, A2), nos falou a respeito das mudanças no País que possibilitaram as atuais revelações sobre a corrupção. Sempre foram de alguma forma sabidas, mas nunca denunciadas por algumas limitações da mídia, e isso fez com que muitos personagens desta história macabra perdessem a noção dos limites, acreditando que eram intocáveis, invencíveis e inimputáveis. Em vista disso, achei interessante um pensamento oriental que Gabeira usou para finalizar suas considerações, que serve para nos lembrar a todos de que nada é fixo e permanente: "Emílio poderia aprender com o escândalo uma lição mais valiosa que sua fortuna: a impermanência de tudo, o constante processo de mudança". De que adiantam, então, os milhões de Emílio, de Lula e de outros envolvidos? Valem zero! Será que aprenderão essa lição tão básica que qualquer criança conhece intuitivamente, que se refere a viver o presente de forma simples, sem nem sequer imaginar que se possa ser feliz e livre apenas pelo gosto de acumular e acumular à custa dos demais seres sobre a Terra? Quanta perversão desenvolvida na mente dessas criaturas há por trás de toda essa podridão! Para isso não há cura, resta afastá-las do convívio social. Serão sempre incapazes de conviver humanamente com o próximo.

Eliana França Leme efleme@gmail.com

São Paulo

*

QUEDA DE BRAÇO

Esta semana deverá ser votada a malsinada lei de Abuso de Autoridade. Os corruptos, Renan Calheiros, Rodrigo Maia e Eunício Oliveira, estão ansiosos para saber se conseguirão barrar as futuras investigações naquelas duas Casas. Já Roberto Requião anda fazendo o que pode para punir juiz que decretar a prisão preventiva em desacordo com a lei e, até mesmo, fotografar ou filmar qualquer corrupto sem autorização do meliante! Que conversa fiada. Muda, Brasil!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

ABUSO DE AUTORIDADE

Por favor, por favor, por favor,  convoquem o povo todo. Não podemos deixar passar esta lei que quer só beneficiar os corruptos nossos conhecidos e fazer calar a Lava Jato, nossa última esperança de que o Brasil possa melhorar. Estamos velhinhos, 88 e 89 anos, e doentes, mas, se for necessário, iremos às ruas para apoiar a Lava Jato. É preciso que todos nós procuremos nos manifestar. Tentemos ao menos salvar o Brasil.

Maria H. Silva Dutra de Oliveira mhsdoliveira@yahoo.com.br

Ribeirão Preto

*

NÃO AMEAÇA

Dei-me ao trabalho de ler os 45 artigos do Projeto de Lei do Senado n.º 280, de 2016, e, sinceramente, apesar de não ser advogado, não vi nenhum artigo que possa "ameaçar" a Operação Lava Jato ou punir juízes, promotores e delegados pelo simples exercício de sua profissão na estrita observância das leis. Acredito que a maioria das pessoas que está opinando sobre o assunto não se deu ao trabalho de ler o projeto de lei. Para os que se deram a esse trabalho, gostaria que me apontassem, objetivamente, quais são os artigos que estão causando tanta celeuma e o porquê, pois para mim, em minha leiga opinião, eventuais tentativas de cerceamento do Judiciário passaram desapercebidas.

Vinicius Torraque Novaes vtorraque@gmail.com

Campos do Jordão

*

A LAVA JATO COMO DESCULPA

Quem tem medo da lei de Abuso de Autoridade somente poderá ser aquele que  transgride as leis e a Constituição federal, e o faz no exercício de seu poder de decisão sobre o direito de ir e vir de  um indivíduo. Não há como aceitar que a Lei de Abuso de Autoridade só possa valer para delegados. Decididamente, não. Todos aqueles que têm as prerrogativas de suprimir a liberdade de outrem devem se submeter aos rigores da lei de Abuso de Autoridade como meio de prevenir abusos tais como nos tempos da ditadura militar e nos regimes ditatoriais como o nazismo de Adolf Hitler, quando até o HC foi revogado. Seria muito cômodo decidir diuturnamente sobre questões cruciais que interferem na liberdade de ir e vir da pessoa (bem inalienável) sem a contrapartida de prestar contas sobre suas autuações perante a Lei de Abuso de Autoridade, o que, no jargão popular, estar-se-ia concedendo uma carta branca perigosíssima  àqueles que detêm o poder de mitigar a liberdade do indivíduo. Usam, portanto, a desculpa da Lava Jato para camuflar interesses pessoais tais como os ganhos surreais para os padrões brasileiros que passam fome, catando restos de comida nos lixões, competindo com os abutres.

Jose Baeta Neves Filho drjosebaeta@gmail.com

São Paulo

*

PECADO ORIGINAL

O projeto de lei sobre o abuso de autoridade é um gritante e clamoroso errro, sim, com 3 erres, pois que nasce do pecado original de Renan Calheiros, passa pelas mãos sujas de Romero Jucá e encontra abrigo no destrambelhado arremedo de Roberto Requião. Muito bem se percebe que todos eles não têm a necessária neutralidade e desejável imparcialidade, em plena tempestade perfeita, para reformar a lei ao abrigo de criminalizar as autoridades judiciárias e o esforço incomum para acabarmos com a bandidagem e a corrupção que desgraçadamente levou à falência o Estado e exterminou milhares de empregos.

Carlos Henrique Abrao abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

OPERAÇÃO LAVA JATO

"Judiciário brasileiro não é a vara de Curitiba", diz Gilmar Mendes, ministro do STF. Pergunta que não quer calar: por que tantas críticas deste senhor à Operação Lava Jato? Talvez um dia venhamos a entender.

José Carlos Alves jcalves@jcalves.net

São Paulo

*

ENCONTRO EM LISBOA

Gilmar Mendes, que de vez em quando atua como ministro no Supremo Tribunal Federal (STF) e que ora trata de assuntos de seu interesse em Lisboa, foi visto em conversa animada no lobby do Hotel Tivoli com o denunciado na Lava Jato Arlindo Chinaglia. Inacreditável a desfaçatez com a moralidade na coisa pública.

Oswaldo C. Filho colomboconsult@gmail.com

São Paulo

*

SOBRE O QUE FALAVAM?

Perguntar não ofende: o que faziam Gilmar Mendes e Arlindo Chinaglia reunidos, no dia 21 de abril, no Hotel Tivoli em Lisboa? A foto foi exaustivamente exibida nas redes sociais e, especialmente, no Facebook.

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

NÃO BASTA O 'EXAME CLÍNICO'

Hoje, ainda que muito eficientes o exame clínico e a anamnese feitos no paciente, existe toda uma gama tecnológica que indica ou define o diagnóstico. Digo isso porque, conforme trouxe o editorial "Os efeitos da demagogia" ("Estadão", 21/4, A3), toda a publicidade em torno dos benefícios sociais "concedidos" aos necessitados durante o período de governo lulopetista (Bolsa Família, auxílio-reclusão, seguro-desemprego, política de cotas na educação, Prouni, Pronatec, Enem, etc., etc.), instituídos com o fito de minimizar as diferenças socioeconômicas entre ricos e pobres, e que talvez passassem numa avaliação clínica, mostrou-se nefasta na radiografia do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), que permaneceu inalterado, fato que não ocorria desde 2004. Isso implica concluir que o "exame clínico" não estava correto (para os 87% que apoiavam a pessoa do governante Lula e 80% que aprovavam seu governo). A "radiografia" - o IDH - mostrou que o Brasil está em 79.º lugar no ranking mundial. No entanto, se tomados os critérios desigualdade de renda, de saúde e de educação, ou seja, os mais importantes indicadores de desenvolvimento, o Brasil cai 19 posições e aparece como o 10.º país mais desigual entre 143 países. Contra o "exame de imagem", o diagnóstico médico não fecha. Noutras palavras, balela toda a publicidade enganosa feita pelo governo lulopetista, que, aliás, teve a conta bastante cara paga por nós. O artigo 1.º do Estatuto do Partido dos Trabalhadores diz acolher a "luta pela democracia, pluralidade, solidariedade, transformações políticas, sociais, institucionais, econômicas, jurídicas e culturais, destinadas a eliminar a exploração, a dominação, a opressão, a desigualdade, a injustiça, e a miséria, com objetivo de construir o socialismo democrático". Que socialismo democrático é este?

Andrea Metne Arnaut andreaarnaut@uol.com.br

São Paulo

*

CRISE NO RIO DE JANEIRO

O Rio de Janeiro vai demorar pelo menos dez anos para se recuperar da crise que já levou à prisão o ex-governador, secretários e conselheiros do Tribunal de Contas do Estado ("Estadão", 23/4). É bom lembrar que outras 14 unidades da Federação também dão sinais de exaustão, e, além do Rio, Minas Gerais e Rio Grande do Sul já decretaram calamidade financeira. Com a derrocada dos Estados, seus municípios também entram em declínio, pois dependem de repasses das instâncias superiores. Os governos militares, à guisa de combater a corrupção, chamaram para a União o grosso da arrecadação, e ela devolve parte do arrecadado por meio do conta-gotas do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e de cotas do ICMS arrecadado pelos Estados. Os recursos de informática e comunicação hoje disponíveis jogam por terra os argumentos de controle que levaram à centralização. Está na hora de o governo, em vez de tentar a impopular reforma da Previdência e a lei trabalhista, promover uma ampla revisão tributária. Devolver aos municípios o poder de arrecadar e fiscalizar o que cada um faz com o arrecadado. Sem isso, a crise seguirá cada dia mais profunda e, com certeza, assolará todas as unidades federadas.  

 

Dirceu Cardoso Gonçalves  aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

ESTADO FALIDO

É absolutamente inacreditável e inaceitável o que os contínuos desgovernos fizeram com o Rio de Janeiro, até deixá-lo na situação pré-falimentar em que se encontra. Segundo previsão da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), mesmo com o plano de recuperação fiscal, o Estado voltará a arrecadar mais do que gasta somente em 2019, e apenas em 2038 será capaz de pagar, integralmente, os juros e amortizações da dívida com a União. A que ponto chegamos!

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

QUEM VIVER VERÁ

Se o Estado do Rio de Janeiro pagará integralmente a dívida em 2038, perguntar não ofende: Sérgio Cabral ainda vai estar preso?

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

*

ATRASOS VERGONHOSOS

Tudo indica que o governo federal não está nem um pouco preocupado com a situação caótica e falimentar em que se encontra o Rio de Janeiro. Caso contrário, já deveria estar estudando a possibilidade de fazer uma intervenção. Onde já se viu obrigar aposentados e pensionistas, como também servidores, a terem de pedir esmola para poder comprar algo para comer, por não estarem recebendo seus direitos mínimos a que fazem jus? Fosse o governo honesto, com bom senso, com vergonha e humanitário, poderia muito bem intervir para, pelo menos, quitar os atrasos vergonhosos.

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

ANISTIA NÃO

O prefeito Marcelo Crivella vai enviar uma proposta à Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro anistiando os juros das dívidas de IPTU e ISS. A anistia nos juros pode chegar a 80%. Volta e meia aparece uma medida como esta. É uma falta de respeito com o contribuinte que pagou em dia, às vezes até com dificuldade, os seus impostos. Os devedores têm anistia e os que pagam em dia não têm nada. É fazer o bom pagador de palhaço. Não deveriam anistiar, não. Quando muito, parcelar e ainda cobrar juros sobre o parcelamento. 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro 

*

VETO À LEI DE MIGRAÇÃO

O presidente Temer está prestes a sancionar medida que joga por terra todas as suas medidas de austeridade, incluindo a reforma da Previdência: a nova Lei de Migração. Isso porque a nova lei, a pretexto de acolher imigrantes e refugiados, irá sobrecarregar nossos combalidos serviços públicos, especialmente saúde e previdência, sem que estes estrangeiros contribuam para tanto, como faz o resto do povo brasileiro. É preciso vetar esta lei, eis que o Brasil não pode assumir tanta responsabilidade perante o mundo!

Luiz A. Módolo de Paula luaump@yahoo.com.br

São Paulo

*

O 'PACOTE DO VENENO'

O governo Temer, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), juntamente com representantes das indústrias de agrotóxicos, fazendeiros e grandes produtores elaboraram uma proposta de Medida Provisória (MP), conhecida como "pacote do veneno", que altera a Lei 7.802 de 1989, para permitir no Brasil o uso de agrotóxicos proibidos nos EUA, na União Europeia e na China e classificados como carcinogênicas, teratogênicos (causadores de má formação de fetos) e mutagênicos. O Brasil já é o maior consumidor mundial de agrotóxicos e cada brasileiro consome em média 5 litros de veneno por ano. É óbvio que os lucros dos produtores, do governo e das empresas no curto prazo não compensarão os prejuízos que o uso desses agrotóxicos trará futuramente. Os custos para os tratamentos de saúde, auxílios-doença ou as aposentadorias por invalidez nunca compensarão todos esses riscos, pois, se fossem seguros, estariam liberados em outros países. Ministério Público, Anvisa, entidades civis e religiosas, ruralistas e consumidores devem unir forças para impedir essas mudanças que trarão prejuízos incalculáveis para a nação brasileira e ecossistemas.

Daniel Marques danielmarquesvgp@gmail.com

Virginópolis (MG)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.