Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

03 Maio 2017 | 03h01

GOVERNO TEMER

Boas notícias

Estudo da Confederação Nacional do Comércio com base em dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) indica que o primeiro trimestre deste ano foi positivo para o emprego: dos 25 setores analisados, 13 saíram do negativo na contratação de funcionários. Essas contratações demonstram que o pessimismo está chegando à sua fase final, o que comprova a propriedade das reformas que estão sendo realizadas e servem de suporte para o aumento da confiança dos empreendedores. O governo está acertando o caminho, apesar das críticas.

JOSÉ CARLOS DE C. CARNEIRO

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

Para sair da crise

O PT, partidos aliados e militantes insistem em divulgar, mesmo com o desgaste dos escândalos de corrupção durante as administrações petistas e sendo responsáveis pela maior crise econômica do País, que a vida do trabalhador melhorou com medidas como Bolsa Família, Mais Médicos e Luz para Todos, entre outras. Ora, essas medidas não passaram de paliativos, não garantiram vida melhor ao trabalhador, mas desemprego em massa, salário indigno, aumento da taxa de juros e inflação alta. Agora, o governo Temer tenta corrigir os erros e a incompetência desses desgovernos para sair da crise, propondo reformas, e esses parasitas e demagogos, aos gritos de “golpista”, mentem ao povo para tentar obstruir as reformas da Previdência e trabalhista. Que deputados e senadores hesitantes pensem no Brasil ao votar as reformas, porque a nossa economia precisa delas.

JOSÉ WILSON DE LIMA COSTA

jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

Carreira ou aposentadoria?

Grande parte dos brasileiros hoje é contrária à reforma da Previdência. Então, parece que todas essas pessoas estão mais interessadas na aposentadoria do que em sua carreira, que será muito mais bem-sucedida se as contas públicas forem controladas e nossa economia desencalhar. É isso que o governo Temer tem de mostrar à população.

EUVALDO REBOUÇAS DE ALMEIDA

euvaldo@uol.com.br

São Paulo

MAIS GREVES

Contabilidade sindical

As centrais estão prometendo greve geral por dois dias. Na calculadora do Paulinho da Força serão então 80 milhões de participantes! Mais alguns dias de “greve geral” e toda a população do Brasil vai aderir, ou será prejudicada? Aliás, qual é a fórmula matemática que ele usou para “aferir” o número de participantes em 28 de abril?

JOÃO PAULO MENDES PARREIRA

jpmparreira@hotmail.com

São Caetano do Sul

Chantagem miúda

Se o deputado Paulo Pereira da Silva acha que tem vocação para a comédia, precisa praticar muito ainda. Não bastassem as declarações debochadas, regadas a escárnio, logo depois das delações premiadas dos ex-executivos da Odebrecht – entre outras, “quem não apareceu na lista está sem prestígio” –, o presidente da Força Sindical agora acha que só porque conseguiu impedir à força alguns trabalhadores de chegarem ao emprego na paralisação de 28 de abril, bloquear vias queimando pneus e destruir patrimônio público e privado pode ir ao Palácio do Planalto fazer chantagem pequena e rasteira para impedir a suspensão da contribuição sindical obrigatória. O deputado, alvo de inquérito autorizado pelo ministro Edson Fachin, deveria usar sua força criativa para convencer o trabalhador a contribuir espontaneamente para a manutenção dos sindicatos, o que, ele sabe muito bem, não será tarefa nada fácil.

LUCIANO HARARY

lharary@hotmail.com

São Paulo

Paulinho não está preocupado com os trabalhadores ao atacar as reformas necessárias. Sua revolta é só com o fim do imposto sindical, que paga suas mordomias e as dos outros pelegos.

SERGIO CORTEZ

cortez@lavoremoveis.com

São Paulo

Festança

Perguntar não ofende: se não houvesse prêmios, haveria tantos trabalhadores na festa da Força Sindical de 1.º de Maio?

MOISES GOLDSTEIN

mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

Badernaço

Em mais de 30 anos de serviço, participei de vários movimentos grevistas. Em pontos-chave havia piquetes, que tentavam numa boa persuadir os trabalhadores a aderirem ao movimento, sempre com respeito aos bens públicos e privados. Vendo as imagens desse pseudomovimento da semana passada, chego à conclusão de que não houve nenhuma greve, mas uma baderna generalizada, com destruição de bens públicos e privados. Com toda a certeza não eram trabalhadores, pois estes não usam máscaras, eles se apresentam de cara lavada e com respeito, o que não ocorre com esses baderneiros que empunham bandeiras vermelhas. É lamentável o que se vê desses pseudomovimentos num país onde o governo está sem bússola e continua sem saber o que deve ser feito, com urgência, para tentar amenizar os estragos feitos anteriormente.

JOSÉ FERNANDEZ RODRIGUEZ

rodriguez1941@gmail.com

Santos

Imposto sindical

Viram para que servem os R$ 3,5 bilhões pagos anualmente aos pelegos? Fazer greves inúteis, contra a vontade popular, patrocinar depredações e impedir quem quer trabalhar e produzir para o bem do País. Se o Congresso mudar a legislação, esse dinheirão daria para construir todos os anos 17.500 casas populares, a R$ 200 mil cada, que poderiam até ser doadas, sem ônus, aos brasileiros necessitados, em vez de ir para os pelegos.

BENONE AUGUSTO DE PAIVA

benonepaiva@gmail.com

São Paulo

NO RIO DE JANEIRO

Força Nacional

O Rio de Janeiro vive uma tempestade perfeita, de colossal corrupção e desgoverno inexcedível, que a cada dia evidencia a facilidade com que organizações criminosas mandam e desmandam no Estado. Caso de intervenção federal, aliás, já solicitada em relação ao Tribunal de Contas do Estado (TCE). A população, além de sofrer com péssimos ou inexistentes serviços públicos, não pode ficar reclusa, nem o turismo ser esmagado. É inadiável que as forças de segurança sejam deslocadas para as áreas de conflito e ali permaneçam para restabelecer a ordem, impedir badernas e arruaças e pôr os criminosos na cadeia. Se nada for feito pela União, a Cidade Maravilhosa corre o sério risco até de desaparecer do mapa.

CARLOS HENRIQUE ABRÃO

abraoc@uol.com.br

São Paulo

 

“Estamos sem segurança, sem governador, sem prefeito, sem TCE... Socorro, enviem reforços!”

RICARDO C. SIQUEIRA / NITERÓI (RJ), SOBRE A SITUAÇÃO CAÓTICA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

ricardocsiqueira@globo.com

“Apesar de tudo, uma boa notícia, estamos há muito carentes delas. Ontem cedinho o ‘Estadão’ reforçou nosso otimismo. Muito bom! Excelente!”

JOSÉ PERIN GARCIA / SANTO ANDRÉ, SOBRE A EXPORTAÇÃO E A RETOMADA DO EMPREGO

jperin@uol.com.br

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

COMO SERÁ O PLACAR DO PETROLÃO?

Balanço final do mensalão: todos os políticos apenados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) tiveram suas penas reduzidas e alguns, como José Dirceu, o escroque "guerreiro do povo brasileiro", recebeu o perdão da pena pelo STF. O único a amargar condenação de quase 40 anos de prisão foi o Marcos Valério, o operador do mensalão, que não abriu seu bico contando tudo o que sabia durante o processo porque o PT prometeu que o salvaria da condenação. O ingênuo abriu mão da delação premiada, confiou no lobo e, agora, não tem mais jeito. Placar: mensalão 10 x 0 povo. Agora no petrolão, periga acontecer o mesmo... Ontem, José Dirceu, condenado por novos crimes a 23 anos de prisão, foi solto graças a brecha legal usada preferencialmente pelo ministro Gilmar Mendes para favorecer bandidos muito caros ao PT e a Lula. Para evitar que tal despautério acontecesse e para que o povo não deixe de acreditar na Justiça, o Ministério Público encaminhou, ontem também, nova denúncia contra Dirceu e mais quatro, em razão da comprovação de crimes continuados. Dirceu só foi solto pelo STF porque a maioria dos ministros ignorou a nova denúncia contra este criminoso.

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

DECISÃO DO STF

Concessão de habeas corpus ao presidiário José Dirceu é mais um acinte e tapa na cara dos brasileiros ditos "comuns". Até quando?

Ricardo C. T. Martins rctmartins@gmail.com

São Paulo

*

O BRASIL EM PERIGO

Atenção, povo brasileiro, às 18h27 de 2 de maio de 2017 os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski concederam liberdade a José Dirceu e mandaram a justiça para as profundezas dos infernos. Intimidar a Operação Lava Jato é o mesmo que assassinar os seus defensores.

Leônidas Marques leo.marquesvr@gmail.com

Volta Redonda (RJ)

*

ENGANADORES

Nunca tantos brasileiros foram tapeados por tão poucos ministros do STF.

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

VERGONHA!

É claro que esta segunda turma do STF foi formada, ao longo de um tempo mais lento, para discretamente ser a porta de saída dos políticos criminosos. Isso no momento delicado que estamos vivendo e poucos poderão destruir o desejo de justiça de todos. Azar do Estado brasileiro.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

BRASIL DE MEMÓRIA CURTA

Vamos refrescar nossa memória e fazer um exercício de resgate ao passado. Quem disse em 18/8/2016: "O mensalão não passou de 'processo de pequenas causas' perto dos desvios do dinheiro da Petrobrás". E, ainda, afirmou que os dois esquemas têm a mesma origem, refletem uma forma de governar e apontou, ainda, "a má qualidade de gente que compõe o governo"? Estas são palavras do ministro Gilmar Mendes. Por aí se pode ver a má qualidade de gente que compõe o governo. Esta mesma gente reconhece os bandidos e os livra da cadeia. Triste Brasil de memória curta.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

GILMAR MENDES E A LAVA JATO

O perigo de perpetuação da corrupção que atrasou o progresso do Brasil em algumas décadas parece ter ganhado um novo aliado, além da velha "ORCRIM" implantada pelo PT desde 2003. Pasmem: em recente declaração, o ministro Gilmar Mendes, do STF, afirmou em tom de crítica: "O juiz Sérgio Moro passou dos limites e o Supremo Tribunal Federal deixou isso claro ao conceder os habeas corpus a réus da Operação Lava Jato", em referência à soltura de (até então) dois réus "presos injustamente", segundo ele, um deles por ser avalista de empréstimo fraudulento usado para canalizar propina para o PT e o outro, por corrupção passiva e associação criminosa por ter participado do esquema que desviava recursos da Petrobrás. Indo além, o ministro cravou: "Fazer campanha, como esse pessoal de Curitiba está fazendo, contra a lei, não está nas suas funções". Com a devida vênia, fica a pergunta: diante do aumento descomunal do número de crimes que vêm sendo praticados contra o Estado e estatais desde o mensalão, quando V.Ex.ª o ministro foi chantageado por Lula para que não levasse adiante a Ação Penal 470, com provas inquestionáveis levantadas pela Operação Lava Jato, as prisões preventivas, rotuladas de "farra das prisões preventivas", não deveriam ser proporcionais ao volume de crimes praticados? Ou deveríamos ministrar aspirina em pacientes que padecem de uma agressiva metástase em estado de expansão?  

 

Paulo R. Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo

*

SOBRE PUNIÇÕES EXEMPLARES

Deputado tem o mandato cassado, senador fica inelegível, presidente da República sofre impeachment, mas e com ministro do STF, acontece o quê? 

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

JUSTIÇA?

Enquanto Gilmar Mendes, do STF, solta os amigos do rei, o sistema penitenciário do "probo" Geraldo Alckmim e do simpático Mágino Alves proíbe no CDP I de Osasco que as famílias entreguem cobertores aos seus presos, para compensar os trapos dados pelo Estado, sem contar que o SAP some nas transferências com pertences pessoais e livros dos presos, lembrando que em CDPs cumprem pena muitos réus primários cujos casos nem sequer transitaram em julgado, enquanto estes senhores desfilam em carros de luxo com motoristas, tudo pago por nós. Como falar em Estado de Direito e futuro para nossa sociedade?

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

O JULGAMENTO DOS QUADRILHEIROS

Ao ler, recentemente, a matéria "Maioria dos inquéritos no STF vai apurar 'achaque'" (17/4), fica-se sabendo que será um desafio definir culpados de crimes em contratos de obras pois a empresa alegará ter sido obrigada a entrar no esquema e os acusados alegarão que não sabiam de nada, como, aliás, já vêm fazendo. Ora, o enquadramento de achaques não representa, nem minimamente, a gravidade dos crimes praticados pelos quadrilheiros que praticaram tantos assaltos aos cofres públicos deste país. Não sou da área de Direito, mas a saída de dinheiro de uma empresa que presta serviços ao governo e igual entrada nas contas daqueles que o representavam, seja no Brasil ou em qualquer outro país, se comprovada, como a Odebrecht poderá fazê-lo, deveria ser suficiente para caracterizar o crime de corrupção, dentro da máxima de que não existe almoço grátis. O governo federal vem procurando implementar reformas, todas necessárias. A reforma da Previdência, da política e da trabalhista, mas nem pensar na reforma do Poder Judiciário. Ela vem sendo prometida há anos e mais uma vez ficará para as calendas gregas. Nas revelações das delações premiadas, que estão sendo exibidas pelos canais de televisão atualmente, pude perceber que os promotores de Justiça estão "explicando" aos réus que os recursos que foram desviados pelas suas quadrilhas fizeram falta, entre outros, na educação e na saúde públicas e, neste caso, sabemos todos, com resultados funestos. E por isso deveriam ser tratados como crimes hediondos. Só em pensar que estes facínoras poderão ser julgados só por achaques, como qualquer guarda de trânsito desonesto, me dá engulhos. Os que estão no Executivo e os parlamentares citados nas delações tentam se segurar no foro privilegiado, considerando que o seu julgamento pelo STF será sua tábua de salvação. Prevê-se que os julgamentos naquele tribunal levarão até dez anos, o que realmente é surreal. Só esse fato mostra que uma reforma no Judiciário é urgente. A começar pelo Supremo Tribunal Federal, que não pode receber tantos processos como vem recebendo, assim como não pode demorar uma eternidade para dar uma sentença. 

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

CERVEJA COM LARANJA

O "Estadão" noticiou ontem (2/5, A4): "Cervejaria apontada como laranja doou a 81 políticos". Diz a reportagem que pelo menos 57 deles estão fora das investigações da Operação Lava Jato e podem ter recebido, por via indireta, recursos do esquema de caixa 2 da Odebrecht. E diz mais: que dita doação, que soma a quantia de cerca de R$ 5 milhões, foi distribuída como doação de campanha, entre 2010 e 2014, por empresas ligadas à Cervejaria Itaipava, apontada em delações como parceira da empreiteira na entrega de propina a agentes públicos, e que no total dita cervejaria fez doações oficiais a 81 candidatos. Ainda revelou o "Estadão" que, nos depoimentos, há indícios de que todas as doações da Itaipava foram, na verdade, repasses da Odebrecht. Tudo está comprovado indiretamente à saciedade pelo próprio Marcelo Odebrecht, ex-presidente da empreiteira, que confessou em depoimento à Justiça Eleitoral que sua empresa "usava a Itaipava como fachada para ocultar doações eleitorais a políticos". Espero que esta mistura politicamente inofensiva, esta fusão e aludidas doações não passem de uma simples e simbólica conjunção de "cerveja com laranja", e que elas também não passem de uma simples doação de campanha, como na verdade o é, sem qualquer intenção de futuro repasse.

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis 

    

*

COBRAS EM BRASÍLIA 

A TV mostrou, na manhã de feriado do Dia do Trabalho, matéria sobre a quantidade de cobras que aparecem em Brasília atualmente, algumas venenosas - e o motivo é a cidade ter crescido e estar próxima da parte de mata. O problema, não só para o brasiliense, mas para o Brasil em geral, não são estas cobras, mas as 594 que habitam o Cambalacho Nacional!

 

Laércio Zanini spettro@uol.com.br

Garça

*

'IGUAIS PERANTE A LEI'

Bastou um desmaio do presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), e já passou pelo Hospital Sírio-Libanês, um dos melhores hospitais do Brasil, para fazer um procedimento minucioso chamado pet-scan em todo o corpo. Imaginem se o mesmo acontecesse a um trabalhador na fila dos desempregados...

Suely Sabbag ssbbag@hotmail.com

São Paulo

*

CASO PERDIDO

14 milhões de desempregados; política corrompida em todos os seus níveis; empresas, bancos e fundos de pensões de estatais saqueados e transformados em fortunas pessoais; Judiciário, principalmente em sua instância maior, acovardado e servindo de escudo e capacho para bandidos quadrilheiros; degradação moral e ética; inversão total de valores; desprezo pela legalidade. Este é o retrato simplista do País após 13 anos de poder da corja que pretendia - e ainda pretende - se perpetuar no poder. E, depois de tudo isso, leio que o ergófobo chefe da quadrilha, mentor e maior beneficiário do esquema de corrupção e dilapidação do erário, tem numa pesquisa de intenção de votos nada mais, nada menos, do que 48%. Parafraseando Nelson Duque quando foi preso: Que país é este? Para mim, definitivamente, brasileiro não tem memória curta, brasileiro não tem é vergonha na cara. O Brasil é um caso perdido.

Renato Otto Ortlepp renatotto@hotmail.com

São Paulo

*

HERÓIS NACIONAIS

Há quem ainda se surpreenda com pesquisas eleitorais favoráveis a cidadãos frequentadores do noticiário policial, caso do atual líder (inconteste) da "esquerda tupiniquim", corrente ideológica que, quando esteve à frente do governo do País, por 13 (significativos) anos, distinguiu-se por adotar os mesmos princípios morais/éticos e métodos de gestão pública da "direita tabajara". Lembremos o grande personagem literário de Mário de Andrade, herói nacional que se distinguia pela absoluta falta de caráter e por uma notável preguiça para o trabalho. O culto escritor paulista, não por acaso, retratou com rara felicidade o tipo nacional mais encontradiço em nossas terras. A propósito, não faz muito tempo que afamado político, também paulista, eterno candidato a cargos públicos no País (ganhou a maioria dos cargos que disputou), sempre subia nas pesquisas eleitorais depois que a mídia noticiava suas falcatruas públicas e privadas. Portanto, não há mais razões (pelo menos sociológicas e literárias) para que surpresas sobre pesquisas eleitorais ainda existam no Brasil.

 

Ruy Tapioca ruytapioca@gmail.com

Rio de Janeiro

*

AMNÉSIA MORAL

A melhor das definições até aqui sobre a conduta da desastrosa ex-presidente Dilma Rousseff, que quebrou o Brasil, veio de seu marqueteiro e atual delator da Operação Lava Jato, João Santana. Em depoimento à Justiça Eleitoral, Santana afirmou que Dilma sofre de "amnésia moral", porque, mesmo tendo tratado com este seu marqueteiro a utilização de caixa 2, nega que sabia do uso de verbas ilícitas em suas campanhas de 2010 e 2014. Dilma Rousseff, que provavelmente deverá perder seus direitos políticos em julgamento no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), caminha a passos largos, como cúmplice da corrupção petista, para uma condenação mais humilhante: fazer companha para Lula em algum presídio do País... Com as delações cabeludas dos dirigentes da Odebrecht e as prováveis, também, de Antônio Palocci e Renato Duque, nós vamos conhecer a verdadeira face moral de Dilma Rousseff.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

SEM REMORSO

A amnésia, mal atribuída à ex-presidente, é recorrente na classe política. Sobressai nos que exercem função executiva. Se, antes, sabiam de tudo, pegos em flagrantes deslizes, passam a desconhecer tudo. A pergunta que se faz é: como poderiam estar tão mal informados? A possibilidade de isso acontecer não requer muita reflexão, por ser mais do que remota. Desta forma, se não se beneficiaram diretamente, fosse simplesmente pela vaidade de ocupar o cargo ou pelos benefícios dele advindos, foram lenientes, coniventes com um sistema nefasto que prejudica a Nação. Temos de falar no presente, pois a corrupção ainda só está em fase de julgamento, não acabou. Trata-se de amnésia seletiva, que lhes servirá para encarar a sociedade que traíram. Não sentem remorso, já que suas cartilhas são reguladas pela lei de Gerson, segundo a qual só a esperteza vence e na qual por vezes até o diabo é invocado.

Sergio Holl Lara  jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

*

DILMA ROUSSEFF

João Santana acusa a ex-presidente Dilma de "amnésia moral". Ela, que é sobejamente conhecida por sua "diarreia verbal".

Eduardo A. Delgado Filho e.delgadofilho@gmail.com

Campinas

*

'O PT SE DESMANCHA'

Se até defuntos constam da lista de militantes do PT ("Estado", 2/5, A3), na próxima eleição teremos zonas eleitorais nos cemitérios! 

 

Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo

*

INCOMPETÊNCIA EXTREMA

É chocante a incompetência política dos membros de toda a atual situação. A oposição, liderada pelos petistas, usa o "demiurgo e apedeuta do partido" numa inserção de 30 segundos, se tanto, em horário nobre da TV, para atribuir todos os problemas que os brasileiros sofrem no momento aos poucos meses do governo federal atual, e não aos 13 anos em que estiveram no poder. Usando sua tática conhecida de mentir, enrolar e enganar à exaustão, o "desonesto mais honesto do País" diz que o desemprego, a perda de direitos trabalhistas e previdenciários e a retirada das conquistas sociais tipo Bolsa Família são de responsabilidade do atual ocupante do Palácio do Planalto. Até aí, tudo bem. Os lulopetistas sempre foram diversionistas, embusteiros, trapaceiros, imorais, desonestos e antiéticos. O que não dá para entender é por que os partidos que apoiam o atual governo não patrocinam uma inserção na TV de maior intensidade e sentido contrário, imediatamente após o ex-presidente enrolador acabar sua rápida apresentação para desmentir, uma a uma, as deslavadas falsidades proferidas. 

José Claudio Marmo Rizzo jcmrizzo@uol.com.br

São Paulo

*

O DEBOCHE DO GRUPO DO RIO

Os depoimentos do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral, seus assessores e respectivas esposas, foi de um cinismo e deboche de dar raiva. E o juiz não pode fazer nada. É o Código Penal que temos. Proteção total ao bandido. O ex-governador reconhece o erro de caixa 2, disse ter usado as sobras de campanha. Assumiu um erro, e o de menor pena. Caixa 2 não é o pior dos delitos. Cinco anos, no máximo. Quanto ao depoimento da ex-primeira-dama, Adriana Ancelmo, chega a ser ridículo e patético. Fez o juizado de palhaço. Perguntada sobre se sabia da origem de tanto dinheiro para pagar tantos gastos, disse que não se envolvia na parte financeira do ex-governador. Inocente. Nunca desconfiou de nada? Nunca desconfiou de que, com o salário de governador, não dava para fazer as despesas que fazia? Merecia ter recebido voz de prisão na hora. E a esposa do sr. Wilson Carlos também foi pelo mesmo caminho. Claro, não sabia de onde vinha o dinheiro para pagar as despesas do casal - pagas em espécie -, destacando que ele usava uma calça jeans e guardava o dinheiro no bolso. Este pessoal quebrou o Estado do Rio e ainda debocha. Que falta faz uma prisão perpétua.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

CARA DE PAU

Neste momento de forte afirmação da igualdade entre homens e mulheres, uma mulher moderna, advogada, principal sócia de importante escritório de advocacia, com grandes empresas e pessoas ilustres como clientes, resolve se colocar numa posição que existia apenas no começo do século passado, a de dona de casa ignorante da situação financeira do marido, em quem jura confiar cegamente, para justificar um desconhecimento da origem ilícita do dinheiro usado em gastos milionários feitos pelo casal e tentar escapar da Justiça. Esta é Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral. É muita cara de pau!

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

CUMPRINDO O SCRIPT

Em seu depoimento ao juiz Sérgio Moro, Adriana Anselmo, mulher do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral, preso em Bangu, foi acometida de uma amnésia lacunar temporária, mais parecendo uma inocente religiosa diante de sua superiora. Mas não contava com a astúcia de sua ex-secretária Michele Thomaz, que participava dos pagamentos do casal com dinheiro da propina. Diz que um pendrive e um caderno de anotações sumiram de sua bolsa.  Dissimulação, cinismo, traição. São apenas apátridas a serviço de um poder "ad aeternum" acompanhado do enriquecimento fácil de amigos e familiares. O que poderia ser a data do trabalhador transformou-se em a data da vingança com destruição de patrimônios, uma quebradeira geral, mais parecendo uma guerra do Sindicato do Crime em defesa de suas benesses perdidas. Estamos sentindo lufadas de vento que insistem em reforçar o mês de março, dedicado ao deus da guerra, no ano de 1964. Diz o ditado: "Quem tem vara curta não catuca onça".

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

O DRAMA VENEZUELANO

Estamos todos muito preocupados com a Lava Jato, com os vagabundos corruptos, com delatores, com greves, manifestações, etc. Mas nos esquecemos, por um tempo, do drama crudelíssimo vivido pelos venezuelanos. Meninas venezuelanas de 14 ou 15 anos se prostituem em Roraima como consequência do bolivarianismo chavista de quinta categoria. E isso também ocorre na Cuba dos paspalhos ditadores Castro. São crianças que entregam sua integridade para sobreviver, para ter o que comer. Esse é o grande legado desta praga horrenda que Fidel Castro e Hugo Chávez criaram.

Leão Machado Neto lneto@uol.com.br

São Paulo

*

ADESÃO À GREVE NO BRASIL

Adesão de 40 milhões de trabalhadores na greve de sexta-feira (28/4)...? Só se incluírem toda a Venezuela!

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

NOVA CONVOCAÇÃO

Paulinho da Força, deputado federal (SD-SP) e líder sindical, diz ter apoio de 100% para a realização de uma nova greve geral, caso o governo não aceite negociar os pontos negativos das reformas propostas ao Congresso Nacional. Agora, a pergunta que não quer calar: pois bem, eu até acredito, desde que me falem quantos outros carros serão sorteados e quais artistas farão um novo show para atrair tantos manifestantes?

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

*

SINDICATOS E EMPRESÁRIOS

O deputado Paulinho da Força, aquele que, ao criar seu partido político, plagiou o Solidariedade polonês de Lech Walesa e que está na lista do ministro Fachin, enrolado na questão da fazenda Ceres de Piraju, é o parlamentar mais preocupado com o fim da fortuna arrecadada com o imposto sindical e um crítico ferrenho da reforma trabalhista, que, segundo ele, só vai favorecer o empresariado e os banqueiros. Em 1.º de maio, o nobre deputado sorteou entre seus milhares de sindicalizados automóveis, chocolates e prêmios variados cedidos por empresários e banqueiros. E aí, Paulinho, como explicar tal situação?

José A. Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

AS REFORMAS E A GREVE

Sobre a greve de sexta-feira: 1) será muita desfaçatez de políticos votarem contra ou se absterem de votar a favor da reforma da Previdência por causa de uma "greve" não apoiada pela sociedade, ou seja, pelo contingente sensato da sociedade. 2) Depredadores encapuzados cometem crime premeditado contra propriedades e fechamento de vias não são recurso de greve por alguma reivindicação. Estes fulanos haveriam de ser presos, julgados e as identidades, publicadas. Trata-se de um dever não cumprido das forças de segurança com a sociedade, pela qual são pagas e autorizadas.

Harald Hellmuth hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

*

ESCOLAS FECHADAS

Com a condenável e irresponsável adesão à greve organizada pelo PT e pela CUT na última sexta-feira, as instituições de ensino públicas e privadas que não abriram as classes, em apoio aos seus corpos docentes, deram inequívoca e clara demonstração de que não são verdadeiramente "escolas sem partido", pois não?

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

VIOLÊNCIA POLICIAL

Impressionam, infelizmente, o olhar de ódio e os dentes cerrados do capitão Augusto Sampaio de Oliveira Neto, ao desferir um traiçoeiro golpe contra o estudante, na sexta-feira, durante a greve, em Goiânia. Dessa polícia quero distância.

Guilherme Salgado Rocha guilhermesalgadorocha3@gmail.com

Piracaia

*

QUEM PAGA A CONTA?

Uma greve sem sentido contra as reformas na legislação trabalhista e na Previdência. Não adianta ser contra só por ser contra. Sem as reformas, o Brasil quebra. Quanto à baderna generalizada promovida pela CUT e seus filiados, quero cumprimentar o prefeito João Doria pela corajosa atitude de mandar contabilizar os prejuízos causados ao patrimônio público e mandar a conta para estas entidades sindicais irresponsáveis. O mesmo deveriam fazer todos os que tiveram seu patrimônio destruído por esta corja de desocupados.

Carlos dos Reis Carvalho bigcharles020@gmail.com

Avaré 

*

QUE DESELEGANTE!

Muito feia a atitude do prefeito João Doria, que atirou pela janela do seu carro um buquê de flores ofertado com todo carinho por uma cidadã com as melhores das intenções - em homenagem aos mortos nas Marginais Tietê e Pinheiros. Sempre julguei que este senhor fosse uma gentleman. Enganei-me!

 

Maria Elisa Amaral marilisa.amaral@bol.com.br

São Paulo

*

DORIA E AS FLORES

O gestor João Doria, ao jogar no chão as flores de uma boa causa, ainda tem muito a aprender como político. O Brasil precisa de bons políticos.

Elisabeth Migliavacca

São Paulo

*

ELEIÇÃO 2018

O Instituto Datafolha mostrou que à frente das pesquisas de intenção de voto para as eleições presidenciais de 2018 encontram-se um deputado federal misógino, partidário de ideias fascistoides deploráveis e outro, ex-presidente, afogado em denúncias múltiplas de corrupção e enriquecimento ilícito. Será falta de opção ou nivelamento por baixo?

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

PESQUISA

O lado positivo da pesquisa de intenção de voto para presidente da República divulgada pela Datafolha, com Lula na frente e Jair Bolsonaro em segundo, é que ela dá chance aos outros possíveis candidatos analisarem o que vem causando a carência de votos, tais como: não saber aparecer na mídia, estar no listão dos corruptos e na tribuna, aprender a falar somente o que o povo gostaria de ouvir, mesmo que fosse mentira (esse item é especialidade de Lula), porém o que falta aos partidos é um sério programa de governo, com metas realizáveis.

Jose Millei millei.jose@gmail.com

São Paulo 

*

APOIO A BOLSONARO

Não me espanto com o apoio do jogador Felipe Melo ao candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro. Ambos são agressivos, preconceituosos, limitados intelectualmente e acreditam na violência como saída.

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

BANHEIROS DO IBIRAPUERA

Como milhares de paulistanos, frequento há anos o Parque do Ibirapuera, e nas raras vezes em que precisei usar um dos banheiros públicos, situados no interior do parque, a decepção foi sempre enorme por causa da falta de higiene, do mau cheiro, das instalações precaríssimas. No sábado 29/4, por volta das 17h30, tomei a decisão de usar um dos banheiros, e qual não foi a surpresa! Banheiro muito limpo, iluminado, com sabonete líquido disponível, toalhas de papel e um aroma de limpeza que raras vezes se sente em locais desse tipo, principalmente no Brasil. Para alguns, pode ser uma coincidência, pura sorte passageira, um detalhe. Acredito que há um cheiro diferente nos ares do Brasil. Vamos respirar fundo, acreditar e fazer cada um o seu melhor. 

Gilberto Cavicchioli gprofissionalsa@gmail.com

São Paulo

*

CRISE NO HOSPITAL SÃO PAULO

Não seria de admirar que a crise no Hospital São Paulo - referência em atendimento ao SUS - se deva ao aumento nos atendimentos. Porque, em São Paulo, com mais de 2,5 milhões de desempregados, que provavelmente perderam direito aos planos de saúde das empresas, só resta recorrer aos hospitais públicos. Com aumento de atendimento e verba de menos, não existe mágica que feche as contas. Se a imprensa fizer um levantamento em todos os hospitais da capital, perceberá que, além dos desempregados e daqueles que por causa da crise deixaram de pagar plano de saúde, São Paulo também ainda recebe doentes do Brasil inteiro. Em breve, outros hospitais entrarão em falência também, podem apostar.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

BELCHIOR 1946-2017

Belchior morreu aos 70 anos, especula-se que de tristeza. Minha geração privilegiada vai e deixa o mundo muito pior. Convivi com a natureza no sítio do papai em cerrado mantido e conservado, com água pura, leve e gelada correndo sob a mata no Triângulo Mineiro... Lá, ainda criança, tive experiência de comprar, com economias, uma égua que gerou potros. Ficava solta numa área de 150 hectares, mas, quando eu ia ao sítio pelo menos uma vez ao mês e ia procurá-la, ela, possuidora do instinto animal que perdemos, de repente relinchava atrás de mim e do meu pai. Quando demorava a procurá-la enquanto estava no sítio, ela ia nos visitar, empurrando com a cabeça a porta e entrando no nosso rancho de madeira com vãos e piso batido de terra mesmo. Infelizmente, meu pai, comigo, não conseguia afastar todos os caçadores nem controlar os caseiros que por lá passaram e acabaram não só com a colheita, mas principalmente com pássaros como emas (o maior pássaro da América Latina e apenas para lhe tirar as penas e vender para fábricas de espanadores), seriemas, o desconhecido até hoje pássaro preto soldado que superava todos pelo seu tamanho, beleza e canto maravilhoso; muitas vezes pensei em visitar o local que o papai teve de vender para pagar contas, mas pelo Google Maps vejo que é uma grande plantação de algodoeiro, o que matará o cerrado. Nasci e vivi onde atuou Chico Xavier, fenômeno que dissertava sobre qualquer assunto e convencia juízes em seus julgamentos; conheci grandes compositores da MPB e da Bossa Nova, como Chico Buarque, Caetano Veloso, Tom Jobim, Vinícius de Moraes e tantos outros; lutei pela democracia, iludido como tantos que bastaria para a solução (seria se fosse para voltar como era antes); assisti à curta e única revolução dos cravos em Portugal, que valeu uma bela música de Chico Buarque, a do Chile com o mesmo destino. Cheguei perto da Segunda Guerra Mundial, muito mal explicada e desvirtuada também pela máquina de calúnias (apelo que assistam e reflitam o filme documentário brasileiro "Senta a Pua" com os oficiais aviadores que lutaram e retornaram da guerra então depondo). O rock de Elvis e, principalmente, dos Beatles, o Brasil do acolhimento e da tolerância racial e social, cuja falsa doutrina protecionista das cotas aguça uma rivalidade que não existia no meu mundo; uma ditadura que infelizmente cumpriu seu determinado objetivo de trazer a alienação extinção literal dos genes do idealismo então presente na maioria dos jovens, ignorância, trocou o subsídio do clube do cinema para filmes culturais aplaudidos nas salas de cinema de Roma e Paris pelo incentivo à pornografia da pior espécie; a prática de cartéis, corrupção, desrespeito aos pais e professores, uma politização negativa da Justiça e da polícia; percebo, agora, incapacitado de agir pais com médicos assassinando pais por uma cristaleira e joias. Finalmente, eu que estive no limiar da morte no ano passado, só posso concluir que o homem não é descendente de nenhuma espécie da Terra, que vivia o equilíbrio até o ser humano surgir e destruir, sendo o animal mais deplorável do universo, o único a destruir o próprio habitat. Arrogante, procura "vida inteligente" em outros planetas, não reconhecendo as vidas inteligentes do nosso planeta por não falarem inglês, mas terem formas muito mais avançadas de comunicação, que nossas limitações não conseguem entender.

Luiz Fernando Pegorer eng.pegorer@gmail.com

Santos

*

IRREPARÁVEL

Num país que está sendo devastado culturalmente, onde porcaria, principalmente o funk, é chamada de música e tem espaço na mídia, a perda de um talento como Belchior é irreparável!

  

Alberto Souza Daneu curtasuasaude@uol.com.br

Osasco 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.