Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

04 Maio 2017 | 03h01

STF

Dirceu solto

Até ontem eu confiava em Deus e no Judiciário. Depois da autorização da soltura de José Dirceu, só confio em Deus. E se Deus soltar o Lula, passarei a ser ateu!

CARLOS ERNESTO C. DE MELLO

cabral.porto@uol.com.br

Jundiaí

Como continuar acreditando na Justiça, se as recentes decisões mostram claramente o sobrepeso partidário ante a ética?

IEDA T. N. VERRESCHI

ieda.verreschi@icloud.com

São Paulo

O crime compensa

Merece uma errata a manchete do Estadão de ontem: a soltura de José Dirceu não é outra derrota para a Operação Lava Jato, mas para os cidadãos de bem, que levam mais esse tapa na cara. Fica cada vez mais evidente que no Brasil político não vai preso, fica de castigo...

MARCO DULGHEROFF NOVAIS

marcodnovais@hotmail.com

São Paulo

Punhalada

Cada vez que a Justiça liberta quem dilapidou o Brasil, apunhala-se a esperança de tantos cidadãos de bem. Triste!

CELSO LUÍS GAGLIARDO

gagliardo.celsoluis@gmail.com

Americana

De confiabilidade

Não faz muito tempo o ministro Marco Aurélio Mello esteve no programa Roda Viva. Questionado por um dos entrevistadores sobre a ineficácia do STF no julgamento de crimes, em vez de responder, perguntou a seu arguidor se ele não confiava na sua Suprema Corte. A resposta foi um sonoro não. “Sou um homem de bem”, justificou o entrevistador, “mas se fosse um bandido adoraria ser julgado pelo STF.” Nessa ocasião, como muitos brasileiros de bem, senti-me de alma lavada. A atitude de Gilmar Mendes abonou a opinião do nobre jornalista sobre o tribunal. Para justificar o seu voto, o ministro decidiu criticar as atitudes dos procuradores da Lava Jato, que tão bem têm conduzido essa operação. Adjetivou-os com palavras menores. Mas será que, se o sr. ministro perguntasse à grande maioria dos brasileiros se eles confiam na Operação Lava Jato, a resposta não seria um sonoro sim?!

MANOEL SEBASTIÃO PEDROSA

link.pedrosa@gmail.com

São Paulo

Claro como água

“A sociedade compreenderá.” Que não se preocupe o ministro. Não só compreendemos, como já entendemos...

A. FERNANDES

standyball@hotmail.com

São Paulo

Lição ao Brasil

O ministro Gilmar Mendes, por intermédio do Supremo Tribunal, está dando uma lição ao Brasil, a de que o sujeito é condenado, continua roubando de dentro da prisão e ainda recebe habeas corpus! Ou seja, a lição é que neste país o crime compensa! Que país é esse?

RODRIGO AFFONSO ECHEVERRIA

rodecheverria73@hotmail.com

São Paulo

A julgar pela “lição ao Brasil” que o STF pretendeu dar-nos, o País continuará no imaginário cinematográfico sendo o lugar de refúgio preferido dos bandidos do mundo inteiro.

ROSSANA BAHARLIA

rbah44@yahoo.com.br

São Paulo

A lição que estão dando ao povo é de que para ser respeitado tem de incendiar ônibus, promover baderna, roubar muito, mas muito mesmo, oferecer bastante perigo à sociedade, nunca falar a verdade e confiar no STF.

CARLOS EDUARDO STAMATO

dadostamato@hotmail.com

Guaraci

Terror

Da cadeia, Dirceu defende mudança no PT e quer guinada à esquerda em 2018. Nem bem saiu da cadeia e já demonstra ser o terrorista que sempre foi. Ameaçando um país todo!

JOSÉ ROBERTO NIERO

jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul

Piada do ano

Roubar bilhões para guinar à esquerda não é golpe. Discordar e pôr ladrão na cadeia é golpismo!

SÉRGIO BRUSCHINI

bruschini0207@gmail.com

São Paulo

O golpe

A discussão e votação das reformas trabalhista e previdenciária no Congresso Nacional, catalisando a opinião pública e desviando um pouco a atenção da sociedade do combate à corrupção, deu ao STF a oportunidade que muitos esperavam para cortar as asas da Lava Jato. Concedendo o habeas corpus a José Dirceu, pelo placar de 3 x 2, os ministros Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski sinalizaram uma jurisprudência que pode provocar mudanças na inclinação de outros presos no sentido da delação premiada. A meu ver, essa infeliz decisão objetiva evitar a delação de Antônio Palocci e vem como consequência de pressões monumentais de setores que seriam atingidos por suas revelações, principalmente o bancário. As insinuações de petistas a esse respeito parecem ter atingido a meta. Se isso vier a se confirmar, além de um golpe na Lava Jato, pode vir a ser também mais um golpe na já abalada credibilidade da mais alta instância da Justiça brasileira perante a opinião pública.

JORGE MANUEL DE OLIVEIRA

jmoliv11@hotmail.com

Guarulhos

Um jato de água fria na Lava Jato com o Dirceu free. Mas no Estado de Direito temos de aceitar a decisão da Suprema Corte, não há nada mais a fazer. Essa decisão aponta que outras vão seguir a mesma trilha, a de soltar alguns que recorrerem. E o Brasil segue impávido colosso e seu futuro espelha essa grandeza. Livre para voar, o ex-deputado agora vai ficar mais tranquilo.

REINNER CARLOS DE OLIVEIRA

reinnercarlos1970@gmail.com

Araçatuba

Vem chuva pela frente

O Zé vai para casa. Só não sabe por quanto tempo...

SÉRGIO ECKERMANN PASSOS

sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

CRIMINALIDADE

Polícia, um passo atrás

Um grande roubo de dinheiro no Paraguai. Um grande roubo de dinamite e um grande roubo de armas em São Paulo. Sou só eu ou mais gente pensa que um grande plano criminoso está em andamento?

VITORIO FELIPE MASSONI

suporte.eam@gmail.com

Catanduva

“Extraordinário, só falta agora o Estado brasileiro indenizá-lo pelo tempo que ficou preso... Um incentivo

à prática de crimes”

ALVARO SALVI / SANTO ANDRÉ, SOBRE A SOLTURA DO CONDENADO POR CORRUPÇÃO JOSÉ DIRCEU

alvarosalvi@hotmail.com

“A Justiça é cega mesmo”

OMAR EL SEOUD / SÃO PAULO, IDEM

elseoud.usp@gmail.com

“Desisto!”

CELITA RODRIGUES / AVARÉ, IDEM

celitar@icloud.com

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

A ÚLTIMA TRINCHEIRA

Com a perspectiva do fim do foro privilegiado e, em especial, quando Léo Pinheiro, Antonio Palocci e Renato Duque acenam a intenção de fazer delação premiada, recrudescem os esforços dos envolvidos na Lava Jato para prejudicar suas investigações. A ameaça maior àquela operação vem, agora, da segunda turma do Supremo Tribunal Federal (STF), que, em divergência ao entendimento das instâncias inferiores, concedeu por maioria de votos habeas corpus a José Dirceu, na esteira do que já decidira em relação ao amigo de Lula José Carlos Bumlai e ao ex-tesoureiro do PP João Claudio Genu. Os ministros Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski, que formam a maioria que vem dando provimento aos pedidos de habeas corpus, têm se notabilizado, no atual período conturbado pelo qual passa o País, por condutas peculiares - para dizer o mínimo. Do ministro Lewandowski, basta a lembrança de sua curiosa atuação na presidência do processo de impeachment de Dilma Rousseff. Já o ministro Dias Toffoli, que advogou para o PT e trabalhou subordinado a Dirceu na Casa Civil do governo Lula, surpreendeu a opinião pública e o meio jurídico quando atropelou as instâncias inferiores para livrar o ex-ministro petista Paulo Bernardo da cadeia. Por sua vez, o ministro Gilmar Mendes move cruzada pessoal contra a Lava Jato, criticando excessos que enxerga nas investigações, já tendo preconizado a anulação das delações premiadas em virtude de vazamentos pontuais de trechos de algumas delas, e criticado o que chama de continuísmo das prisões temporárias. Com a confirmação pelo STF de que condenados em segunda instância podem ser presos, o Tribunal Regional Federal (TRF) 4, que tem mantido ou reforçado quase todas as decisões do juiz Sérgio Moro, é, neste momento, a última trincheira da Lava Jato. A celeridade no julgamento por aquela Corte dos recursos dos condenados pela primeira instância em Curitiba é fundamental para permitir o prosseguimento da operação, cujo resultado final perseguido, mais ainda que a punição aos culpados, é a moralização das instituições brasileiras.

Sergio Ridel sergiosridel@yahoo.com.br

São Paulo

*

PILANTRAGEM

Libertação do "guerreiro do povo brasileiro" pelo STF não é presunção de inocência, mas certeza de pilantragem. 

Luiz Henrique Penchiari lpenchiari@gmail.com

Vinhedo

*

'MISSÃO ITALIANO'

O enervante voto de minerva que o ministro Gilmar Mendes proferiu na segunda turma do STF a favor do famigerado Dirceu, revogando sua prisão preventiva, tem consequência nefasta, danosa para a Operação Lava Jato. Como destacou o "Estadão", "foi a 4.ª derrota da Lava Jato em uma semana". Esta operação não pode ser, mesmo que indiretamente, achincalhada, ridicularizada, como está sendo, uma vez que isso trará motivo para que outros corruptos envolvidos neste caso pleiteiem o mesmo injusto direito. Já se fala em "Missão Italiano", isto é, fazer com que Antonio Palocci também tenha sua prisão preventiva revogada, dando ensejo a que ele desista do acordo de delação premiada e se cale, livrando corruptos do Partido dos Trabalhadores (PT) de condenação legal. Senhor ministro Palocci, não desista da sua delação, pratique a máxima latina "sola nobilitas est virtus" (a única nobreza é a virtude), ponha à prova sua magnanimidade, que o Brasil lhe agradecerá.

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis

*

UM SINAL PARA PALOCCI

Dois juízes do Supremo Tribunal Federal (STF) ardorosos defensores do lulopetismo e outro, ligadíssimo ao atual governo, libertaram da cadeia José Dirceu, condenado por roubalheiras no mensalão e no petrolão. É óbvia a manobra destes ministros no intuito de evitar a suposta delação premiada de Antônio Palocci, que poderia causar a prisão de grandes empresários e do chefão da organização criminosa que tanto nos infelicita. Estes magistrados, arrogantes por natureza, falam, falam, falam, e só se comprometem cada vez mais com os brasileiros honestos e que lutam por um futuro melhor para seus filhos.

Leão Machado Neto lneto@uol.com.br

São Paulo

*

ITALIANO BOCA-ROTA

Com a desfaçatez que lhe é peculiar, Gilmar Mendes, mais uma vez, mostrou a que veio, acompanhado pelos seus pares Dias Toffoli e Lewandowski (estes dois, certamente, pagando com a toga os beneplácitos recebidos pelo lulopetismo), pautando suas polêmicas decisões em fatos políticos, e não jurídicos. Ou alguém acredita que, durante o período em que esteve preso preventivamente, José Dirceu tonou-se um "monge" e que cumprirá à risca a série de medidas cautelares, sem comunicação com coacusados e testemunhas? A esta altura já devem estar fazendo um churrasquinho em Vinhedo! A atitude da trinca da 2.ª turma do STF em conceder habeas corpus de baciada aos presos ilustres da Lava Jato, logo após o depoimento de Antonio Palocci, é, no mínimo, oportunista. Devem estar apavorados com a língua nada presa do "Italiano"!

 

Karla Sarquis karla@karlasarquis.com.br

São Paulo

*

À ESPERA DE PALOCCI

Os ministros vermelhos do STF soltaram o "guerreiro do povo brasileiro". Assim, o "inominável" fica mais distante do seu devido lugar, ou seja, a cadeia. Fale, Palocci, fale!

Guto Pacheco jam.pacheco@uol.com.br

São Paulo 

*

COVARDES

O ex-presidente Lula estava certo: o Judiciário se acovardou.

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

*

GATOS E RATOS

Resultado da disputa entre as diferentes instâncias do Judiciário: saem os gatos, espraiam-se os ratos.

Eduardo A. Delgado Filho e.delgadofilho@gmail.com

Campinas

*

A LIÇÃO DE GILMAR

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), acusa procuradores da Operação Lava Jato de serem juvenis e sem a experiência necessária. Também disse o ministro Gilmar Mendes que o STF está dando uma lição ao Brasil. Todavia, em face das últimas atitudes tomadas pelo ministro, não seria ele que está idoso demais para exercer o cargo que ocupa e totalmente desatualizado dos interesses do povo brasileiro, já que tem votado para libertar políticos e empresários condenados em primeira instância tão facilmente? Infelizmente, as últimas aceitações de habeas corpus dos envolvidos na Lava Jato por Gilmar Mendes, como lição, nos ensina unicamente que o crime no Brasil compensa.

Antonio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

*

ESCLARECIMENTOS AO MINISTRO

O ministro Gilmar Mendes precisa ser esclarecido de que os procuradores aos quais atribuiu "uma brincadeira juvenil", por apresentarem nova denúncia contra o meliante José Dirceu na terça-feira, entraram no serviço público por meio de concursos públicos, e não porque foram assessores jurídicos de presidente da República, caso do ministro; por pedido de dono de restaurante, como ocorreu com Ricardo Lewandowski; ou por terem sido advogados do PT, como foi com Dias Toffoli. Estes três ministros, os responsáveis pelos votos que deram maioria pela soltura de um dos principais responsáveis pelo caos que o País vive, inclusive ignorando a possibilidade de este interferir nas investigações em andamento. Por fim, não é função do STF dar "uma lição ao Brasil", conforme também afirma Mendes. Melhor seria, numa atitude juvenil, rever suas repetidas e espalhafatosas declarações, agindo na contramão do recato exigido para os membros desta Corte.  

Honyldo Roberto Pereira Pinto honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto

*

'ANÃO MORAL'

"Estes meninos" de Curitiba têm maior estatura moral e cívica do que aquele que tentou depreciá-los chamando-os de "meninos". Soltar da cadeia um criminoso contumaz, ao arrepio da lei e contrariando jurisprudência do próprio STF, desejando mostrar poder, é ação de um "anão moral", embora de idade avançada.

Fernando Monte-Serrat monteserrat@terra.com.br

Califórnia, Estados Unidos

*

PARA QUEM ELES ATUAM

Os procuradores são juvenis, mais estudados e atualizados com a teologia do Direito do que a ultrapassada e provinciana turma do STF composta quase na integralidade por indicados políticos que nunca enfrentaram um concurso público. O jovem Dallagnol calou a boca do "ultrapassado" Gilmar Mendes em apontar a diferença de decisão da mesma turma em manter preso preventivamente um prefeito do Nordeste e libertar José Dirceu em situações iguais, demonstrando claramente para quem Gilmar, Toffoli e Lewandowski estão atuando.

Edenilson Meira merojudas@hotmail.com

Itapetininga

*

'PETRALHAS'

Dirceu foi solto pela segunda turma do STF. Deve ser a "Turma dos Petralhas". Salve-se quem puder!

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

DR. SILVANA

Os "três" soltaram o Dr. Silvana. Só os mais velhos sabem de quem se trata!

Gustavo Guimarães da Veiga ggveiga@outlook.com

São Paulo

*

DEPOIS DE LISBOA

De Lewandowski e Toffoli não se esperava outra atitude, mas Gilmar Mendes? Seria sua decisão fruto daquela conversa reservada com o deputado Arlindo Chinaglia, do PT, num hotel em Lisboa, há alguns dias? Pobre Brasil.

Godofredo Soares godofredocaetanosoares@gmail.com

São Paulo

*

E O PLENÁRIO?

O único juiz do Supremo indicado por Fernando Henrique Cardoso (em quem votei duas vezes para presidente!), não conseguindo anular as delações por causa de vazamentos, agora resolveu libertar implicados na Lava Jato. E o plenário do Supremo não pode se manifestar?

Lilia Maria Fontana Hoffmann liliahoffmann@yahoo.com.br

São Paulo

*

É BRINCADEIRA?

Será que a presidente do STF, Cármen Lúcia, não pode chamar ao plenário da Corte esta discussão viciada sobre a prisão preventiva? Toffoli votando pela liberdade de seu ex-chefe José Dirceu?! Seria brincadeira, não fosse uma tragédia para o Brasil.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

A PORTA ABERTA

Estou indignado, estarrecido e envergonhado das decisões de Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes, da segunda turma do STF, que votaram pela libertação de José Dirceu. No momento em que enfrentamos uma profunda crise econômica, de segurança, de saúde e moral, estes senhores poderiam dar aos brasileiros um fio de esperança para a nossa recuperação moral, pelo menos. Mas não, eles dão o recado para o povo de que vale a pena corromper e roubar, pois terá a certeza da impunidade, principalmente se for político e rico, pois o crime prevalece sobre o senso de justiça. Abriu-se a porta para que outros criminosos que comprovadamente cometeram delitos, mas que não foram julgados em segunda instância, sejam soltos. Está tudo errado neste nosso país. Sinceramente, não tenho mais esperança de dias melhores.

Mario N. Ito marionoboru@yahoo.com.br

Rio Claro

*

JUSTIÇA BRASILEIRA

É, soltaram o José Dirceu, mas o papagaio da senhora idosa continua preso no poleiro!

 

Pedro Paulo Prado pedropauloprado@instale.eng.br

São Paulo

*

COLARINHOS BRANCOS

Para que precisamos de Justiça, se temos Gilmar Mendes e Cia. Ltda. protegendo só os colarinhos brancos?

Milton Bulach mbulach@gmail.com

Campinas

*

FUTURO INCERTO

Depois da decisão do STF de soltar José Dirceu, não existe mais futuro confiável para o Brasil, "o último que sair apaga a luz!"

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

A SAÍDA É O AEROPORTO

Roubaram escolas, estradas, hospitais, o trabalho e até a esperança. Parece que vão continuar impunes. Tantas leis, muitos recursos, poucos juízes. O alento é que, se não os encontramos em Brasília, em Berlim ainda os há...

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

EXTREMOS OPOSTOS

Enquanto o STF Ltda. libera Dirceu, o ministro da Justiça pede reforço à Força Nacional para o Rio de Janeiro. Extremos opostos.

Ricardo C. T. Martins rctmartins@gmail.com

São Paulo

*

ESPERANÇA

O STF encheu de esperanças os corruptos. 

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

Campinas 

*

ARGUMENTOS CONTRA O PAÍS

Infelizmente, acabamos de ver membros do STF ("Suprema Tranquilidade dos Fraudadores") decidir que os meliantes devem ser soltos com base em conceitos jurídicos válidos tecnicamente, mas não aplicáveis aos casos. A ver: temos um juiz boquirroto que usa falar fora dos autos, cuja mulher atua em escritório que patrocina o acusado beneficiário de sua decisão, é promíscuo com os acusados e com o sistema deles e cria teses defensivas para aqueles que são objeto da acusação pública inconteste. Este é Gilmar Mendes. Aí temos um ex-pelego do PT, que na maioria dos casos que julga se revela faccioso, embora embase seus julgamentos em brechas abertas pelos legisladores, que sempre o fazem em seu proveito próprio. Este é Dias Toffoli. Em complemento, temos um Lewandowski, que traduz a filosofia da maioria dos políticos brasileiros, de que "só Lewandowski é que se ganha".

Luiz Lucas C. Branco whitecastel.castellobranco@gmail.com

São Paulo

*

TIRO DE CANHÃO

Nossos "preclaros" e "ilustríssimos" ministros do STF Dias Toffoli (ex-advogado do PT de Lula, José Dirceu e outros tais), Ricardo Lewandowski e o notório Gilmar "Eike" Mendes votaram pela soltura de José Dirceu, dando um tiro de canhão Berta na Operação Lava Jato. Acredito que todo brasileiro de bom senso, a esta altura do jogo, está se questionando para que servem estes ministros do STF que julgam sempre em favor daqueles que dispõem de altas quantias em dinheiro em caixa para pagarem seus respectivos advogados e poderem contar com a ajuda destes questionáveis ministros do STF. Enquanto temos cerca de 14,2 milhões de desempregados no Brasil, temos de nos deparar com este tipo de atitude disparatada tomada de maneira totalmente questionável, que nos afronta de maneira tão agressiva quanto se nos dessem um tiro à queima-roupa. Acredito que nós, meros mortais, devemos nos manifestar contra tais absurdos impondo a estes ministros o pedido, via judicial, de seus respectivos impeachments, para que possamos colocar em seu lugar juristas de ilibada conduta, no intuito de podermos ter uma Justiça de fato, e não de enganação.

Boris Becker borisbecker@uol.com.br

São Paulo

*

O STF DANDO AS CARAS

Na Itália os políticos acabaram com a operação Mani Pulite. Aqui, não terão esse problema, o próprio STF se encarregará de pôr um fim na Lava Jato. Gilmar Mendes é o nome da hora. Tudo por pura inveja do trabalho "amador" dos "meninos" procuradores. 

Miguel Pellicciari mptengci@uol.com.br

Jundiaí

*

CHEIO DE FOME

O nosso brilhante STF livrou temporariamente da cadeia um bandido muito perigoso. Zé Dirceu vai aprontar muito, sairá da cadeia com uma fome imensa de transgredir e de se vingar. Sabemos que no Brasil cadeia não recupera ninguém, mas o discurso inflamado do ministro Gilmar Mendes para justificar seu voto não me comoveu nem me convenceu.

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

LIBERDADE A DIRCEU

Os trechos da sentença de Gilmar Mendes, que ouvi no "Jornal Nacional" de 3/5/2017, reforçam meu entendimento de ele ser prepotente, vaidoso, desprovido de qualquer respeito aos brasileiros que pagam seu salário e suas mordomias. Não era uma "questão de lei". Era uma mesquinha inveja da juventude que honra o Brasil em Curitiba. Pobre STF! Pobre Brasil! Pobre povo trabalhador, pacífico e honesto! No Brasil, o crime compensa - e muito!

Joao P. de Oliveira Lepper jp@seculovinteum.com.br

Rio de Janeiro

*

HC

Gilmar Mendes está tendo seus 15 minutos de fama, ou é por paúra mesmo!

Tania Tavares taniatma7@gmail.com

São Paulo

*

DESCONFORTÁVEL

Há algum tempo o ministro Gilmar Mendes vem paulatinamente revelando seu desconforto com a Lava Jato e, particularmente, com o juiz Sérgio Moro. Aparentemente, o destaque e o apoio incondicional da maioria dos brasileiros que o juiz Moro conquistou incomodou a clara vaidade, o desejo de aparecer e o gosto pelas câmeras e manchetes demonstrados pelo ministro ao longo de sua carreira. Logo que a Lava Jato ganhou o apoio da sociedade, o ministro tentou surfar na onda, apoiando-a com vigor. Mas logo percebeu que jamais conseguiria superar o juiz Moro, e isso o incomodou, como ficou evidente nas primeiras críticas e insinuações que deixou escapar na mídia. Mas não tinha o apoio de mais ninguém no STF, o que, aparentemente, conseguiu agora, ao cooptar os ministros petistas, ambos suspeitíssimos por terem laços profundos com o PT e com José Dirceu. Dias Toffoli foi advogado de Dirceu. Assim Mendes angariou votos para soltar o pior dos capangas de Lula, que sempre menosprezou a Justiça e os brasileiros ao continuar sua atividade criminosa mesmo após a condenação no mensalão. Incrivelmente, ninguém arguiu a suspeição dos dois ministros petistas, cujos votos jamais poderiam ser computados. Com esta estranha aliança de um ministro com reconhecido saber jurídico e dois outros com nenhum dos conhecimentos e/ou atributos exigidos pela Constituição, conseguiram não só desmoralizar a Justiça, como afrontar todos os brasileiros, que desejam a punição exemplar aos responsáveis pelo maior crime já praticado contra a Nação.  

Carlos Ney Millen Coutinho cncoutinho@uol.com.br

Rio de Janeiro 

*

JOSÉ DIRCEU

Um Brasil que tem este STF nos faz pensar que ser corrupto, ladrão e assassino vale a pena no Brasil! Pobres de nós, brasileiros! Nossa Pátria está perdida!

Angela M. de Souza Bichi angela_bichi@hotmail.com

Santo André

*

CALEM-SE!

Mais uma vez, a voz do povo foi jogada no lixo.

Sérgio Bruschini bruschini0207@gmail.com

São Paulo

*

NOSSA TRAGÉDIA

A manchete "STF solta Dirceu, na 4.ª derrota da Lava Jato em um semana" ("Estadão", 3/5) é magistralmente completada com a foto do saque perpetrado por "cidadãos" que se aproveitam da ação incontrastável do crime organizado. É a impunidade, garantida pela mais alta Corte do País, a estimular a criminalidade de todos os matizes. Afinal, são todos inocentes, porque as decisões condenatórias não transitam em julgado, porque o Poder Judiciário é lerdo.

Ana Lúcia Amaral anamaral@uol.com.br

São Paulo

*

MOTO-PERPÉTUO

O "prende e solta", moto-perpétuo em voga no STF executado sob a batuta de Gilmar Mendes "et caterva", está ficando mais famoso que a mais  conhecida composição de Niccolò Paganini.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

FIANÇA

Sérgio Moro põe tornozeleira em Zé Dirceu. Caro juiz Moro, peça também uma fiança, talvez de R$ 520 milhões (a de Eike Batista é de R$ 52 milhões). Assim se corrige este erro absurdo da segunda turma do STF. Nem uma "vaquinha" dos "cumpanheros" para salvar este "herói do povo brasileiro" conseguirá chegar a esta singela quantia.

 

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul 

*

AMEAÇA DE GREVE

Hoje em dia tem sido comum delatados da Lava Jato, com pinta de idôneos, convocar greve e invasão em Brasília, se o presidente Michel Temer não mudar as reformas trabalhista e da Previdência. Paulinho da Força, notório sindicalista que recebeu milhões da Odebrecht, com dinheiro surrupiado do povo brasileiro para não fazer greve, está acintosamente ameaçando o Brasil com mais uma "greve geral". O que querem? Que tudo continue na mesma, com os cofres públicos escancarados? Que o imposto sindical continue jorrando nas mãos de sindicalistas espertalhões? Quando a Justiça finalmente fará seu papel, colocando na cadeia esta turma de aproveitadores do dinheiro público? Será que algum trabalhador ainda acredita na sinceridade desta classe de sindicalistas? Enquanto os "Paulinhos da Força" da vida gritam palavras de ordem, os investidores continuarão fugindo do País. 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

MINIRREFORMA

A reforma trabalhista patrocinada pelo governo Temer pode muito bem ser considerada uma minirreforma, visto que, pondo de lado o mérito de extinguir o malfadado imposto sindical (e, espera-se, também as contribuições assistencial e confederativa) e o de instituir alguma flexibilidade nas relações entre patrões e empregados, deixa de tocar em alguns pontos cruciais. O primeiro e mais importante deles é a multa por demissão "imotivada", de cuja parte o governo se apropria. Ora, não existe demissão imotivada, os empregadores despedem funcionários por uma série de motivos justos, como queda nas vendas, modernização do mercado de trabalho, ineficiência do funcionário. Entretanto, na prática, essa multa torna-se motivo para o empregado fazer corpo mole e adotar uma série de atitudes visando à sua demissão "imotivada". O contrato de trabalho, no caso de países mais produtivos, tem prazo certo, findo o qual se extingue a relação trabalhista sem quaisquer multas. Além disso, as férias de 21 dias úteis são longas, se comparadas aos 6 dias no México e aos 8 no caso do Japão. Vai sem dizer que nessas nações não existe a miríade de feriados e pontes que há no Brasil. Completando o quadro que autoriza considerar esta uma minirreforma, temos os encargos trabalhistas, categoria na qual o Brasil, como não poderia deixar de ser, é campeão, com 71%, seguido de 42% na China e, pasmem, 9% nos EUA. Assim, seguimos um tantinho aliviados em relação ao anacronismo da CLT, mas ainda na rabeira quando se considera o mercado mundial de trabalho. Quem paga a conta são os milhões de desempregados, que continuarão enfrentando grandes dificuldades para conseguir uma vaga.

Luiz M. Leitão da Cunha luizmleitao@gmail.com

São Paulo

*

BABEL

Sem dúvida há necessidade, urgente, de reformar as regras da Previdência e trabalhistas, todavia, algumas reflexões deveriam preceder essas mudanças. Ora, quase 8 mil grandes empresas não cumprem com suas obrigações previdenciárias e o governo federal não tem intenção de exigir o repasse à Previdência desses descontos já aplicados aos holerites, o que é crime. Por outro lado, a Central única dos Trabalhadores (CUT), que sempre foi contrária à Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), agora se mostra contra a sua reforma, especialmente em itens em que sempre tiveram interesse, tais como férias fracionadas, redução do horário para refeição e descanso, fim do imposto sindical, entre outras. Tudo isso mais parece uma "Torre de Babel", ou seja, "quanto pior melhor", e ninguém pretende ceder! Quanta hipocrisia! Muda, Brasil!

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

A VERDADE DE CADA UM

É verdade que o governo impõe uma reforma da Previdência a toque de caixa, sem a devida maturação, mas também é fato que o Brasil virou um emaranhado de associações, sindicatos, movimentos online e ONGs que, na maioria das vezes, não vêm nem para explicar nem para entender. As reivindicações são radicais, não avançam, apenas acirram a dissensão. Conclusão: ninguém se entende e o País não anda.

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

QUESTÃO DE HUMANIDADE

A equipe econômica, do governo provisório do presidente Temer optou, emergencialmente, por salvar o Brasil, eu optaria, primeiro, por salvar os brasileiros.

Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

A FICHA AINDA NÃO CAIU

Apesar das contínuas advertências do nosso ministro da Fazenda, parece que os brasileiros ainda não se deram conta do que está em jogo na questão previdenciária. E não são só os patrícios das classes mais baixas da população que "ainda não se tocaram". Grande parte das "zelites" também. No início da semana, a mídia em geral e a classe política em particular ficaram alvoroçadas com uma pesquisa feita pelo Datafolha com resultado óbvio: mais de 70% dos brasileiros são contra a reforma da Previdência. Essa pesquisa não serviu para nada. Seria o mesmo se fosse feita outra pesquisa no mesmo universo de pesquisados para saber "se o entrevistado gostaria de se submeter a um tratamento de quimioterapia". Com certeza, quase 100% responderia que não gostaria. Apesar disso, se um indivíduo tiver um câncer com metástase, vai ter de fazer quimio, goste ou não. O pior é que a pesquisa feita pelo Datafolha tende a induzir os nossos congressistas, "patriotas" como sempre e temendo desgaste junto a seus eleitores, a votar contra a reforma. A ficha que ainda não caiu, como o referido ministro já disse várias vezes, é que a questão não é ser contra ou a favor, gostar ou não. Ele repete com insistência que não é uma questão de preferência, mas uma necessidade absoluta para não afundar cada vez mais o nosso pobre país. E ninguém parece ouvir. O fato é que, se a reforma do sistema previdenciário não for aprovada, só vai nos restar como únicas saídas as encontradas em nossos aeroportos internacionais. Bye, bye, Brazil!

José Claudio Marmo Rizzo jcmrizzo@uol.com.br

São Paulo

*

MIOPIA

A esquerda brasileira é míope ou não quer ver que a Previdência atual é concentradora de renda para todo o funcionalismo público e militares. Deveriam clamar por uma Previdência igual para todos, sem exceção, e não simplesmente ser contra a reforma da Previdência. A consequência seria um sacrifício menor para grande maioria dos trabalhadores do Brasil. E deveria lembrar que o equilíbrio fiscal permitirá mais recursos para educação, saúde, saneamento básico e gastos menores com juros da dívida pública.

Young Kyu Kim youngkkim@uol.com.br

São Paulo

*

'O TESOURO E O RALO DO INSS'

Meus cumprimentos ao "Estadão" pelo fulminante editorial "O Tesouro e o ralo do INSS" (1/5, A3). Divulguei-o perante o sr. procurador-geral da Fazenda Nacional, dr. Fabricio da Soller; o sr. presidente do Sindicato Nacional dos Procuradores da Fazenda Nacional (Sinprofaz), dr. Achilles Linhares de Campos Frias; e a corporação dos advogados públicos federais, a saber: procuradores federais, advogados da União, procuradores da Fazenda Nacional e procuradores do Banco Central do Brasil.

Eduardo Sergio Carvalho da Silva, procurador da Fazenda Nacional de São Paulo interguga@yahoo.com.br

São Paulo

*

O ROMBO DO INSS

 

Realmente, o INSS representa o maior ralo da República, porque todos os cortes de gastos públicos que se fizer serão ineficazes diante do constante déficit da Previdência. Com mais de R$ 40 bilhões de déficit, o INSS bateu a arrecadação do Tesouro e do Banco Central, por volta de R$ 29 bilhões. Na verdade, o editorial do "Estadão" de 1/5 "O Tesouro e o ralo do INSS" retratou a realidade amarga da situação, apontando, como asseveram também dezenas de técnicos, a reforma previdenciária como única forma capaz de colocar a casa em ordem. Certamente que, em pouco tempo, a Previdência não terá condições de pagar os benefícios já conquistados por milhões de brasileiros. Aí, então, será o caos. Assim, a demagogia que se fizer agora terá seu preço, no futuro, cobrado em lágrimas e sofrimento. Então, o governo Temer está certo, mesmo enfrentando um índice bastante elevado de impopularidade!

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.