Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

22 Maio 2017 | 05h00

CRISE E CORRUPÇÃO

Armação ilimitada

Estou com 80 anos de idade e pensei já ter visto todas as canalhices perpetradas por nossos dirigentes, pelos políticos em geral e pelos chamados “empresários”. Estamos assistindo apenas a mais um ato desses imorais/amorais desde a entrada em cena da quadrilha liderada pelo Conselheiro de Garanhuns. Embora não se possa confiar nos dirigentes atuais, o que estamos assistindo, na verdade, é a uma armação revoltante. Como podemos reagir? Tapando o nariz? O único lenitivo que nos resta é acompanhar os editoriais do Estadão e seus esclarecidos colaboradores, que nos trazem a realidade e um alento, como em Um teste para o Brasil (20/5, A3). A cada instante que acompanho novas delações da JBS, mais revoltado fico com o cinismo e o sarcasmo nelas. Estão brincando e fazendo pouco da Nação. E esses delatores estão soltos, à vontade... Teriam de estar presos e confessando tudo!

Antonio C. Guimarães

acguima36@hotmail.com

Curitiba

O crime de fato compensa

Estamos revoltados com tudo isso que está aí. Não bastasse essa leva de ladrões que se elegem, enganando os incautos eleitores, com a estrita finalidade de se locupletar à custa dos nossos impostos, deixando um rastro de desgraças que atinge com maior intensidade os mais necessitados, somos obrigados a aguentar a desfaçatez do larápio-mor, que obtém das autoridades salvo-conduto para desfrutar nababescamente, em terras além-mar, o dinheiro roubado. Como pôde ser aceita pelas autoridades federais a lenga-lenga de uma ameaça de morte para permitirem que esses canalhas vivessem à tripa-forra nos EUA? Duvido que não tenham um exército de seguranças para lhes garantir certa tranquilidade em qualquer parte do mundo. Pior, pagos com o dinheiro que nos foi subtraído. Penso que a sociedade civil deve (ou deveria) ter recursos legais para corrigir essa aberração e mandá-los para a cadeia. E ainda exigir a indisponibilidade dos seus bens para cobrir o rombo que suas criminosas ações causaram às nossas finanças.

Antonio Carlos Gomes da Silva

acarlosgs9@gmail.com

São Paulo

‘Um teste para o Brasil’

A última gambiarra foi, na verdade, a manutenção dos direitos políticos de Dilma Rousseff. Ou seja, ainda muitas outras virão, a depender desses “baixos” políticos brasileiros.

Renato Micai Miranda

renatomiranda66@gmail.com

Itu

Situação invertida

Antigamente, nos filmes americanos, bandidos fugiam para o Rio. Hoje é o Brasil que manda seus bandidos para Nova York.

Candida L. Alves de Almeida

almeida.candida@gmail.com

São Paulo

A nossa Justiça pode ser classificada, no mínimo, como curiosa. Em vez de atuar para apurar e esclarecer o conteúdo de divulgações suspeitas, realizadas por empresários bandidos, procede na direção inversa e introduz elementos caóticos, confundindo mais a opinião pública.

Paulo Roberto Gotaç

prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

Chulices de bandido

É curioso o linguajar dos quadrilheiros Batista, Odebrecht e afins, bem como de seus sequazes e interlocutores, nas amostras de áudio que têm vindo a público. Entre eles usam palavreado mafioso, típico de gangues, repleto de palavrões. Nos depoimentos vazados ou divulgados, por força das circunstâncias, alguns são um pouco mais contidos e dá até para entendê-los sem o risco de grave ofensa à língua pátria, em que pesem os erros de sintaxe e as pronúncias exóticas. No entanto, em qualquer caso é fácil perceber o caráter criminoso e extremamente nocivo ao País desses áudios.

Renzo Galuppo

renzo.galuppo@gmail.com

São José dos Campos

Áudio editado

A esta altura, estou mais interessada em saber o que foi excluído do áudio da JBS do que o que foi mantido e divulgado. E, claro, quem excluiu e por quê.

SUELI CARAMELLO ULIANO

scaramellu@terra.com.br

São Paulo

Ladrões de galinha

Sabem o que me espanta? O preço baixo pelo qual se compram (e vendem) políticos brasileiros. Vários anos de luta na área empresarial, desfazendo-me de bens para pagar em dia os impostos (sem recorrer aos vergonhosos Refis), enfrentando processos trabalhistas fruto de conluio entre ex-funcionários desonestos, advogados idem e juízes descaradamente parciais, fiscais que não fiscalizam nada e apenas amedrontam para receber propinas, planos de incentivos a empresas via empréstimos com juros baixos que nunca estão disponíveis nos bancos, as propagandas do BNDES, que, na prática, exige garantias que comprometem todo o patrimônio pessoal do pequeno empresário, tudo isso – e certamente muito mais – me faz ver com clareza o erro de minha estratégia de negócios. Se, em vez de lutar, tivesse procurado algum político e oferecido uma merreca qualquer em troca de seu auxílio, certamente hoje estaria comemorando meu retumbante sucesso empresarial. A relação custo-benefício de pagar propina a políticos se mostra altamente vantajosa para quem paga, pois os benefícios auferidos são centenas ou milhares de vezes superiores à propina. O que depreendo de tudo o que acontece há tempos no Brasil é que sempre fomos governados e representados por engravatados ladrões de galinha. Nada além disso.

JORGE LUIZ DE ANDRADE

seugonca252@gmail.com

Jandira

Eterna colônia

O Brasil parece que continua colônia, agora dos poderosos e endinheirados que exploram o capital nacional. Não há limite, compromisso, nenhum olhar para o povo, a Constituição, nada.

ANDREA METNE ARNAUT

andreaarnaut@uol.com.br

São Paulo

Omissão, conivência...?

Afinal, quais o papel e as responsabilidades do Banco Central e da Comissão de Valores Mobiliários? Nada viram na Petrobrás, tampouco na JBS. Nenhum conselheiro dessas empresas foi punido, nem sequer processado, até o momento. As empresas de auditoria também nada viram. Malas e malas de dinheiro vivo circulando entre corruptos e corruptores e o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), nada. Onde quer que se mexa, fede. Ainda dá para confiar em alguém ou alguma instituição neste pobre Brasil?

ARIOVALDO MARQUES

arimarques.sp@gmail.com

São Paulo

A EMPREITADA DOS IRMÃOS JBS

Elementar, meu caro Watson! É só seguir as pistas deixadas pelos últimos acontecimentos que o mais novo crime perpetrado pelos malfeitores de sempre será facilmente desvendado. Vamos começar. Desde o início deste ano a situação do PT (criado pelo ex-presidente), de Dilma Rousseff (criatura do ex-presidente) e do próprio ex-presidente Lula estava ficando cada vez mais complicada. Principalmente depois das delações de um diretor (PT/Petrobrás), de um empresário (OAS) e da ameaça assustadora “da mãe de todas elas” prometida por um ex-ministro da Fazenda (PT). Foi quando os cérebros do Partido dos Trabalhadores, que não trabalham e só agitam – tipo “top-top” (lembram?) –, concluíram que precisavam tirar o foco de suas “estrelas cadentes” por meio de uma delação de mesma intensidade e sinal contrário, para neutralizar as ameaças que os atormentavam. Precisavam encontrar um (melhor dois, se possível) empresário(s) do mesmo calibre que o filhote de Emílio Odebrecht. Nesse ponto, surgiram os nomes dos irmãos Batista (JBS), que tinham uma dívida de gratidão de bilhões de reais para com o “Nine” e para com a “Iolanda” ou “Janete”, recursos amealhados no BNDES durante os 13 anos em que os “petralhas” permaneceram no poder. Alguns partidários tentaram argumentar que todos os delatores ou os que ainda podem vir a delatar se encontram presos, enquanto os irmãos JBS ainda estão sendo investigados e livres. Esse argumento não vingou e ficou resolvido encomendar aos dois empresários “açougueiros” obtenção de provas concretas para incriminar o atual governo, desde o presidente até políticos que o apoiam. Para obter sucesso nessa difícil e arriscada tarefa, os empresários (JBS), que já estavam sendo investigados, mas não tinham sido indiciados ou denunciados, se apresentaram voluntariamente à Procuradoria-Geral da República e à Polícia Federal oferecendo seus préstimos para juntar provas e incriminar alguns corruptos que conheciam em troca da redução de eventual pena a que viessem a ser condenados. Tiveram sucesso na empreitada criminosa e conseguiram, com isso, desfechar mais um golpe terrível na débil democracia brasileira. Sua ação inominável causou a desestabilização do atual governo, que, em apenas um ano no comando da Nação, começava a reverter a terrível situação socioeconômica em que nos encontramos. E, como prêmio por essa sua ação nefasta, os dois “açougueiros”, além de não serem presos pelos crimes de corrupção que cometeram (só devem pagar multa irrisória), foram liberados pela Justiça para deixar o País e se juntar à família alojada nababescamente nos Estados Unidos. Este é um caso em que o crime compensa! Elementar, meus caros!

José Claudio Marmo Rizzo

jcmrizzo@uol.com.br

São Paulo

*

LIGAÇÃO ESPÚRIA

O corrupto-delator Joesley Batista, que adotou e tornou o filho de Lula um rico megaempresário, resolveu, como manda a cartilha da “tigrada” petista, sacramentar o “quanto pior, melhor”. Com certeza, atendeu pedido de quem já está encrencado perante o juiz Sérgio Moro e que em épocas passadas determinou que o BNDES lhe concedesse megaempréstimos a juros de pai para filho, alavancando, assim, o seu patrimônio em mais de 20 vezes. Ora, como Lula não tem saída pelos crimes que cometeu, deve ter agradecido. Afinal, uma mão lava a outra, não é mesmo?

Júlio Roberto Ayres Brisola

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

DELAÇÃO MAL EXPLICADA

Os irmãos Batista, donos da JBS, não são menos bandidos que os da Odebrecht, OAS e outros, atualmente presos, em regime fechado ou aberto, após acordo de colaboração premiada. É inadmissível que Wesley e Joesley estejam confortáveis em seus apartamentos em Nova York após terem enriquecido ilicitamente, mancomunados com o Estado – corrupção esta iniciada em pleno governo petista. O Ministério Público precisa vir a público explicar em que termos foi acordada esta delação e o porquê do privilégio. A história da ameaça de morte é conversa.

Luciano Harary

lharary@hotmail.com

São Paulo

*

CAMPEÕES NACIONAIS

Odebrecht, OAS, Grupo X, Grupo Petrópolis-Itaipava, JBS-Friboi, entre tantos outros, são os verdadeiros “campeões nacionais” da corrupção. Vergonha!

J. S. Decol

decoljs@gmail.com

São Paulo

*

O SUCESSO DOS IRMÃOS BATISTA

O sr. Joesley e irmão tiveram crescimento vertiginoso nos seus frigoríficos utilizando-se de métodos ilícitos, subornando os poderes, órgãos de fiscalização em todas as esferas, BNDES, etc. Com certeza, causando prejuízos ao erário (nosso dinheiro) e atingindo também de forma direta os frigoríficos concorrentes, que, além de sofrerem pelo monopólio, não contavam com as mesmas benesses, notadamente do BNDES, e os pecuaristas que por sua vez também tinham de se submeter ao gigante, que corrompeu mais de 1.490 instituições/pessoas. Quantas empresas e pessoas físicas devem ter quebrado em decorrência desse monopólio? Então, de forma muito estranha, arquitetam uma armadilha para desmascarar, principalmente, Michel Temer e Aécio Neves, que agora deverão responder pelos seus atos, caso comprovados. Mas os irmãos Batista estão livres e despreocupados, em suntuoso apartamento em Nova York, em troca da delação premiada e de uma multa que vai ser paga com recursos que ganharam no mercado futuro de moeda, em data sincronizada com a da divulgação da delação, já que eles sabiam dos movimentos previsíveis que causariam no mercado, ou seja, tudo previamente organizado. Então, aumentam as suspeitas de que Lula seria um dos proprietários do Grupo J&F, por meio de seu filho. Não seria o momento de o BNDES ter uma administração de mercado, e não política, e, na qualidade de maior credor do grupo, tomar posse de todos os negócios do Grupo J&F, de forma estratégica e paulatina, colocando também na administração executivos capacitados de mercado e supervisionados? Não é admissível que num país com tantas agruras, por causa de má gestão governamental, estes irmãos e outros responsáveis não sejam penalizados e não tenham seus bens expropriados. O Grupo J&F (a empresa) deve continuar, mas as pessoas não deveriam responder pelos crimes nas formas da lei, e do bom senso? Bom senso, algo esquecido no nosso querido Brasil...

Waldir Cassapula

waldir.cassapula@uol.com.br

São Paulo

*

SUBSÍDIOS

O Grupo JBS vem na prática recebendo enormes subsídios do governo brasileiro – durante os governos petistas e ainda de seus admiradores remanescentes. Tais verdadeiros subsídios incluem os R$ 8 bilhões de empréstimos de pai para filho do BNDES e a minúscula multa judicial de R$ 250 milhões, inicialmente. Enquanto isso, o restante do setor de carnes trabalha duramente para servir aos mercados interno e externo e é submetido às mesmas agruras reservadas à maioria das empresas brasileiras. Ora, a Organização Mundial do Comércio (OMC) pune duramente subsídios em todos os formatos. Cadê a OMC, que ainda não proibiu ao Grupo JBS o privilégio de atuar no mercado internacional?

Suely Mandelbaum

suely.m@terra.com.br

São Paulo

*

SÃO OUTROS TEMPOS

Talvez os açougueiros não saibam, mas eles agora já seriam presuntos.

Sérgio Barbosa

sergiobarbosa19@gmail.com

Batatais

*

BOM NEGÓCIO

O melhor negócio hoje, no Brasil, é ser delator. Joesley e Wesley Batista confessaram a autoria de vários crimes: a compra de juiz e de seu substituto, das informações de um procurador, que foi demitido. E o Ministério Público Federal, ao invés de prendê-los no ato, faz acordo prevendo imunidade total para eles e se comprometeu a nem sequer abrir um processo pelos crimes que eles relataram. Até a repórter Eliane Cantanhêde disse: “A Odebrecht vai ficar com ciúmes”. Lembraremos que seu presidente, pelo mesmo motivo, está preso há quase dois anos.

Waldomiro Benedito de Carvalho

waldomiroxuca@globo.com

Itapetininga

*

INCENDEIAM O BRASIL E VÃO PARA NY

Parece que a sensatez deu lugar ao sensacionalismo na imprensa brasileira. Será que ninguém se dá conta de que estes canalhas dos irmãos Batista, Wesley e Joesley, incendiaram o Brasil e, agora, estão numa boa em Nova York? Depois de dois anos e meio de recessão e da pior crise do País em décadas, no momento em que as coisas começavam a entrar nos trilhos, estes cretinos da JBS, que pegaram bilhões do BNDES, comentem um crime de lesa-pátria e vão sair ilesos, talvez até como heróis. Estes dois irmãos deveriam ser condenados à prisão perpétua, mas, pelo visto, serão beneficiados com a impunidade da delação premiada. O Brasil virou o país dos corruptos de dedos-duros, que terminam numa boa na Quinta Avenida de Nova York, com suas belas esposas gastando milhões em lojas de grife na terra do Tio Sam. Enquanto isso, Lula e Dilma estão soltos e o Brasil vai incendiar no abismo. Vencem os que desejam o “quanto pior, melhor”.

Sandro Ferreira

sandroferreira94@hotmail.com

Ponta Grossa (PR)

*

BOMBA H

Enquanto o Brasil explode, os irmãos Batista vão para Nova York e ainda são capazes de lucrar com todo este jogo sujo, promíscuo. E deixam aqui a bomba H.

Leandro Ferreira

leandroferreoradasolva@gmail.com

São Paulo

*

FREEBOYS

Antes de botar a boca no trombone, a dupla do barulho (os JBS) comprou bastante dólar, que agora subiu bastante. Ou seja, causaram a crise, lucrando muito com ela! E agora, a empresa deles, que cresceu graças às maracutaias com o BNDES, acobertadas por Lula e Dilma, está de mudança para os EUA. São os Freeboys! Este é o país que vai para a frente... do abismo.

Elisabeth Migliavacca

São Paulo

*

GOLPE

O golpe de Joesley Batista entregando em delação suas artimanhas medidas e pensadas, e por isso pagará uma pequena multa de R$ 250 milhões (valor inicialmente estipulado), sem ao menos ficar preso, rendeu ao megaempresário o lucro de R$ 400 mil na compra de dólares. Como perguntar não ofende, o que a Justiça fará nesse caso em que o delator Joesley, de forma calculada, se beneficiou da bomba que ele jogou no País? E que acordo foi este de livrar um homem que depois de jogar o Brasil na lama pode ir para os EUA e desfrutar de conforto sem nada pagar ao Brasil? E por que o áudio filmando o presidente Temer pode vir a público e o áudio de Dilma com Lula foi anulado pelo falecido ministro Teori Zavascki? Realmente, fica difícil de entender esta Justiça brasileira, que demonstra ter cor e lado.

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

DIÁLOGO NADA REPUBLICANO

Respeito muito as opiniões dos que aqui se manifestam. No entanto, não posso concordar com aqueles que acham que a conversa do sr. Joesley com o presidente da República não tem a relevância proclamada pelos meios de comunicação e pouco o incrimina. A conversa não foi republicana. Foi uma conversa de íntimos dentro da casa do presidente. Conversa de parceiros. Conversa em que se fala em pagamento de propina para procuradores e juízes. Conversa de um empresário que tem a chave do cofre e que buscou, ainda, apoio para seus negócios com os ministros de Temer. Conversas que em qualquer país onde a democracia não é fachada e os princípios republicanos são respeitados levariam à queda de todo um governo. Só falta esperar que o presidente da República seja pego levando uma mala recheada de dinheiro, para crer, aí, na sua parceria criminosa.

Jorge A. Morais da Silva

jotaugustoadv@icloud.com

Barretos

*

GOVERNO TEMER

O governo do presidente Michel Temer simplesmente acabou. Agora, vai se arrastar até que um processo de impeachment o retire do poder ou pela cassação da sua chapa com Dilma pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Essa novela já vimos com a ex-presidente, e não foi nada bom para o Brasil. Ele deveria ter um ato de hombridade e renunciar.

Reinner Carlos de Oliveira

reinnercarlos1970@gmail.com

Araçatuba

*

SE FICAR PROVADO...

Se ficar provado que estes áudios incriminando Michel Temer não são conclusivos e que talvez façam parte de um plano destinado a desestabilizar o País a fim de reerguer grupos inconformados com a perda de privilégios consolidados em governos anteriores fracassados, seria interessante imaginar a quem caberia uma possível iniciativa de retratação pelos estragos econômicos e morais causados: à mídia histérica e sensacionalista ou à Justiça? Pouca esperança por parte da primeira, dada a arrogância que permeia suas atividades. Nenhuma da segunda, pois, como declarou Rui Barbosa, “a pior ditadura é a ditadura do Poder Judiciário. Contra ela, não há a quem recorrer”. Assim, caso se evidencie a cilada, é provável que tudo permaneça inalterado e o Brasil exiba ao mundo mais um espetáculo de picadeiro.

Paulo Roberto Gotaç

prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

UM CRIMINOSO NA QUINTA AVENIDA

O pleno do Supremo Tribunal Federal (STF) precisa, com urgência, reavaliar os termos da delação destes bandidos confessos que dirigem a JBS. Não é razoável que um criminoso reconheça haver corrompido todos os poderes da República durante tantos anos e não passe um único dia na cadeia.  Estabelecer uma multa de R$ 250 milhões (valor inicialmente estipulado) para um bilionário que preside um grupo que fatura R$ 160 bilhões é um acinte! Ademais, o fato de o delator afirmar que tinha em sua lista de corrompidos um dos procuradores da República que faz parte do time que conduz a Operação Lava Jato macula de forma indelével o acordo de colaboração. É preciso que o STF seja mais rígido na homologação de tais acordos. Não basta um criminoso colocar um gravador no bolso, tentar envolver políticos de expressão nacional em seus crimes e ser perdoado de todas as transgressões legais praticadas durante a última década, período em que o faturamento de seu grupo empresarial cresceu estratosféricos 40.000%! Nessa linha, merece elogios o editorial deste importante jornal a respeito da crise que se instalou (“A hora da responsabilidade”) em Brasília. É preciso que o Poder Judiciário imponha limites a atuação da Procuradoria que pretende “limpar a política nacional”, como esse diário de notícias.     Não é razoável que um criminoso arme ciladas e pegadinhas para desestabilizar o presidente da República, colocando em risco a estabilidade e a recuperação econômica que se desenhava no horizonte próximo, apenas para se livrar de sua prestação de contas à Justiça. O desplante é tanto que o criminoso divulga uma notinha nos jornais reconhecendo que errou e pedindo desculpas, dizendo que a partir de agora o seu grupo empresarial será intolerante com a corrupção!   Procuro adjetivos para qualificar essa insolência e não encontro. Só revolta! Por fim, o que se constata é que, enquanto o circo pega fogo aqui em terras Tupiniquins, os Batistas desfrutam do conforto e do luxo de seus suntuosos apartamentos da Quinta Avenida, em Nova York. Isso não é plausível, definitivamente!

Itamar de B. Souto

soutoitamar@yahoo.com.br

Jaboatão dos Guararapes (PE)

*

PANDILHAS

Até quando, pandilhas, vão abusar da nossa paciência? Até quando, pandilhas, vão continuar a nos enojar?

Enio Celso Salgado

salgadosenior@icloud.com

São Paulo

*

DÚVIDAS

Apesar da bagunça que causou à situação política e econômica do País, entendo que foi importante e saneadora a delação de um dos irmãos-metralhas da JBS, que atingiu a crista do poder do Brasil. Valeu! No entanto, restou uma dúvida, ou seja: por que uma multa de valor irrisório, tão pequena para quem se beneficiou tanto dos cofres do BNDES, tornando-se “a maior exportadora mundial de proteínas animais”, se cedeu tanto? Por que não os punir aqui, como está sendo feito com os empreiteiros de obras? Cadê a isonomia? Ou não tínhamos condições de investigá-los? Pior ainda terem dado a eles o direito de sair livres do País para gozar com toda a família boa vida nos EUA. Por quê? Será que poderão voltar mais tarde livremente ao Brasil, sem uma única tornozeleira, entrando e saindo do País em salas vip de nossos aeroportos, sem serem incomodados? Aqueles que negociaram a delação tinham poderes para tanto? Fica minha dúvida.

Adriles Ulhoa Filho

adriles@uai.com.br

Belo Horizonte

*

PRECIPITAÇÃO

Apartidário, porém democrata, acredito que o ministro Edson Fachin pecou pela falta de timing, mesmo porque as reformas tão necessárias para a estabilidade do País já estavam bem adiantadas e a delação contra o presidente Temer (precipitadamente liberada), poderia ter uma melhor qualidade de áudio para que não suscitassem dúvidas.

Marcos Catap

marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

*

DESESPERANÇA

Nas últimas décadas a sequência de más notícias, para o povão, sobre o mau comportamento dos Três Poderes em Brasília não nos dá esperança de progresso, porque o horário nacional é o de Brasília.

Mário A. Dente

eticototal@gmail.com

São Paulo

*

O FIM DA REPÚBLICA

Esta República que aí está chegou ao fim. A sociedade brasileira precisa reagir diante da evidente ruptura e as nossas Forças Armadas precisam assegurar o cumprimento da Constituição federal e da democracia, pois os marginais que tomaram de assalto a Nação precisam se obrigar a devolvê-la aos brasileiros, e isso deve ser feito imediatamente, por meio da convocação de uma Assembleia Nacional Constituinte, sob pena do mais absoluto comprometimento da dignidade dos cidadãos comuns e de bem deste país e das futuras gerações. Não dá mais para suportar tanto esgoto saindo por todos os canos sem dar a ele o devido tratamento. Os brasileiros precisam ir ao Poder Judiciário reclamar contra estes criminosos da República e, assim, pleitear as indenizações pelos danos morais e materiais que estão suportando por atos de improbidade próprios de todos estes governantes-marginais. Com a palavra, os ministros do Supremo Tribunal Federal, sobre toda esta imundície; mas que se manifestem somente aqueles que de fato tenham o espírito da justiça na alma, pois aqueles que não se julgarem com tal prerrogativa que se calem. Também devem se manifestar, e rapidamente, os comandantes das Forças Armadas, de forma a ficar assegurado a todos nós, brasileiros, que a estabilidade democrática ficará preservada até as últimas consequências, permitindo, desta feita, que o Poder Judiciário de um modo geral possa fazer e agir naquilo que for preciso para, junto com o povo, salvar este país, já que somente com medidas judiciais fortes contra tudo isto que aí está é que as nossas esperanças poderão ser restabelecidas, sob pena de somente restar o aviso: “Salve-se quem puder!”

Claudio Antelo

Claudio@ahantelo.com.br

São Paulo

*

CAOS NACIONAL

Onde aperto o RESET do Brasil? É muita bagunça, meu Deus! Vamos começar novamente.

Sérgio Eckermann Passos

sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

*

SEM PALAVRAS

A Língua Portuguesa já não dá conta de expressar o horror que o noticiário nos revela a cada dia nem de traduzir nossos sentimentos diante deste espetáculo. Não há palavras que nos aliviem. Quero que estes políticos morram, junto com estes empresários abomináveis.

Elisa Maria Andrade

elisampcandrade@gmail.com

São Paulo

*

‘SINDICATO DE LADRÕES’

Quando um dia alguém transformar em filme a presente situação do Brasil, o título certamente será o mesmo do famoso filme estrelado por Marlon Brando em 1954: “Sindicato de Ladrões”.

Luiz Henrique Penchiari

lpenchiari@gmail.com

Vinhedo

*

SOLUÇÃO MAIS BARATA

Devido à extensão da corrupção em todo o sistema político nacional, talvez a melhor solução para resguardar o dinheiro do contribuinte seja colocar anúncios em jornais escandinavos procurando políticos profissionais. Ganhariam o salário e todas as mordomias em Brasília, com carro, moradia, assessores, etc., com um contrato de quatro anos, com a única condição de serem honestos, sob pena de devolverem tudo o que aqui ganharam. Vai sobrar dinheiro para a Previdência, a educação, a saúde e a segurança pública.

Paulo de Tarso Abrão

ptabrao@uol.com.br

São Paulo

*

PEQUENAS CAUSAS

Depois do tamanho destes descalabros, os processos contra Paulo Maluf foram encaminhados para o Juizado de Pequenas Causas...

José Roberto Niero

jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul

*

POBRE PAÍS RICO

A epidemia de corrupção fez mais uma vítima: a democracia. O Brasil hoje não tem mais condições de realizar eleições democráticas, o processo eleitoral, com suas campanhas milionárias, se transformou numa avenida larga pela qual a corrupção correu solta a perder de vista. Todos os principais líderes partidários admitem alegremente que praticam o crime de caixa 2, usam dinheiro não contabilizado em suas campanhas. A dimensão que essa prática alcançou acabou por engolir o País inteiro. O Brasil é hoje um país movido a caixa 2, a dinheiro não contabilizado. O Brasil precisa se livrar do presidente da República, comprovadamente corrupto, mas existe a certeza de que outro mais corrupto ainda irá entrar em seu lugar? A eleição deixou de ser uma festa da democracia para se tornar uma festa do crime organizado, que se apoderou do poder. A corrupção transformou o Brasil num pobre país rico, sem perspectivas, apático, sem futuro.

Mário Barilá Filho

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

FINANCIAMENTO DE CAMPANHA

Por que não estabelecer legislação de empregar um porcentual destes milhões e milhões devolvidos pelos corruptos para financiar as campanhas eleitorais? Com isso, os próprios políticos passariam a ter interesse em identificar os corrupiões.

Wilson Scarpelli

wiscar@terra.com.br

Cotia

*

FURO OU DESSERVIÇO?

Alguém acredita que as revelações da delação da JBS foi furo de reportagem? A Procuradoria-Geral da República (PGR) poderia “deixar vazar” a revelação? Como é que só o repórter do “O Globo” sabia? Como, após meia hora da divulgação da notícia, já havia dois pedidos de impeachment protocolados? Quanto tempo demora para elaborar um pedido desses? E o que dizer das manifestações na Avenida Paulista e no Rio de Janeiro? Logo após, com direito a bandeiras, caminhão de som, etc.? Claro, o repórter Lauro Jardim pode ser adepto a qualquer partido. O que não pode nem deve é se prestar à manipulação de opinião pública. Acho que ele faltou à aula desse tema, se é que frequentou uma escola de Jornalismo. Também é importante registrar os deputados e senadores “Facebook” (para quem o que sai na rede social é verdade). Ao invés de transmitirem à opinião pública e a seus eleitores serenidade, saíram vociferando. Fora o fato de que tanto na TV aberta quanto na fechada, Globo News, só se falou das condições de renúncia, impeachment, etc. Que grande desserviço prestaram ao País e, principalmente, ao público desempregado: vão ficar mais um tempo sem oportunidade, porque o repórter deu um furo de reportagem encomendado.

Luis Tadeu Dix

tadix@terra.com.br

São Paulo

*

ENTRE O REPÚDIO E O APOIO

Tem coisas que chamam a atenção em todo este imbróglio federal: 1) petistas, antes, diziam que delações premiadas não valiam e que tudo não passava de uma conspirata contra Lula, Dilma e o PT. Aliás, na oitiva em que depôs no caso do tríplex, o próprio Lula insinuou a Sergio Moro haver um complô contra si, procurando vitimizar-se. 2) Antes disso, vergastaram o grampo da conversa telefônica em que Dilma e Lula tramavam obstrução da Justiça. Pois é... 3) A narrativa da turma era de que a Lava Jato, enfim, estava a serviço da “direita” e dos “golpistas”. Em última análise, a operação seria, ela mesma, parte do “golpe”. Agora, que autoridades ordenam a prisão da irmã e de gente próxima de Aécio Neves e, de quebra, determina a suspensão do mandato do senador tucano; agora, que investigações chegam ao próprio presidente Temer, com divulgação de gravações comprometedoras, a turma de Lula parece ter mudado o discurso e – quem sabe – já vê a operação com “bons olhos”. Será que continuarão assim se e quando Sergio Moro condenar Lula na ação do tríplex? Se meu desconfiômetro estiver bem calibrado, acredito que desqualificarão a decisão judicial e voltarão ao velho mantra da “perseguição” contra o “coitadinho de Garanhuns”. Para petistas, a lei é boa só quando fustiga seus adversários – ou “inimigos”.

Silvio Natal

silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

PROPINA PARA LULA E DILMA

Joesley Batista, da JBS, afirmou em sua delação que deu, de propina, para Lula e para a dita “honesta” Dilma Rousseff US$ 150 milhões, ou R$ 495 milhões, depositados no exterior e administrados pelo ex-ministro Guido Mantega. Este valor equivale a 528 mil salários mínimos vigentes no País. A propina, liberada pela JBS, foi uma contrapartida de financiamentos de bilhões de reais obtidos pela empresa no BNDES, com juros de pai para filho, e também de um esquema gêmeo, montado nos fundos de pensão Petros e Funcef, com que a tal empresa conseguiu fazer suas maracutaias milionárias, autorizadas pelos governos do PT, de Lula e Dilma.  De quebra, o governador de Minas, o petista Fernando Pimentel, recebeu nesta excrescência corrupta da JBS R$ 30 milhões, por intermédio do prefeito de Araraquara, Edinho Silva (PT). Será que os idólatras do PT vão também fechar a Avenida Paulista e muitos outros logradouros públicos pelo País para protestar contra Lula e Dilma?

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

DELAÇÃO DA JBS

Mais uma prova de que políticos são todos iguais.

Laert Pinto Barbosa

laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

BOLETIM

Os fatos demonstram que a maioria dos políticos não tem biografia ou currículo. Salvo raras exceções, quase a totalidade tem prontuário...

A.Fernandes

standyball@hotmail.com

São Paulo

*

CÁ ENTRE NÓS

Caro brasileiro, aqui, entre nós, o Brasil estaria melhor, mas muito melhor, sem os políticos.

Gilberto Lima Junqueira

gibaljunqueira@gmail.com

Ribeirão Preto

*

NENHUM SANTO

Neste lodaçal em que o menos desonesto também tem culpa, acredito que santo aí não tem nenhum! Cuidado! As autoridades constituídas têm de ter muito cuidado nos julgamentos!

Célia H. Guercio Rodrigues

celitar@icloud.com

Avaré

*

DO JEITO QUE VAI...

Pelo andar da carruagem, só falta, agora, serem expedidas ordens de prisão contra o Dalai Lama, o papa Francisco e a Madre Tereza de Calcutá. Triste Brasil.

Natalino Ferraz Martins

natalino.martins@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.