Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

26 Maio 2017 | 03h01

BRASÍLIA SOB ATAQUE

Fogo no País

“Vou incendiar o País!” Essa frase foi dita pelo sr. Lula da Silva, réu em vários processos. E ele está cumprindo a palavra. Vandalismo e antidemocracia de petistas inconformados e dos parasitas desesperados que vão perder a “boca” com as reformas. Os atos de quarta-feira em Brasília exigem punição severa.

ARI GIORGI

arigiorgi@hotmail.com

São Paulo

Limite crítico

O que aconteceu em Brasília não foi protesto, foram atos de terrorismo. A bilionária oposição está investindo pesado para desestabilizar o País. Esse é o exército do “cara” em ação. Dias sombrios nos esperam. O Exército Brasileiro e as Polícias Militar e Federal devem atuar com todo o rigor que a situação atual exige. “Eles” querem vítimas, mortes, para justificar a escalada de violência e tentar derrubar o governo democrático.

LUIZ RESS ERDEI

gzero@zipmail.com.br

Osasco

Guerra civil

É impressionante assistirmos às depredações, à baderna, ao caos total, patrocinados com dinheiro sabe-se lá de que origem – meu bolso desconfia muito –, para protestar contra as reformas necessárias para a saúde dos cofres públicos e contra Temer. Estão muito claros a origem e o comando das mobilizações, haja vista a afirmação do inominável, há algum tempo, clamando pelo “exército do Stédile” para provocar uma verdadeira guerra civil contra o “golpe”. Para completar esse quadro estarrecedor, a turma do “quanto pior, melhor” provoca verdadeiro furdunço no Congresso contra a participação do Exército Brasileiro na contenção dos vândalos. Pergunta-se: quando os líderes serão presos?

APARECIDA DILEIDE GAZIOLLA

aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

Forças Armadas

Michel Temer não tinha outra saída senão invocar a Garantia da Lei e da Ordem (GLO) diante dos atos de vandalismo dos agitadores profissionais contratados e pagos pelos líderes do MST, do MTST, da UNE e assemelhados. O que se viu, com invasões e destruição do patrimônio público, cujo conserto é o contribuinte que vai ter de pagar, não foi protesto, mas puro e autêntico terrorismo! A confabulação entre os ex-presidentes FHC, Lula e Sarney “preparando” o sucessor de Temer mostra o perigo que campeia nesta pobre Nação. Não podemos permitir, no caso de vacância do poder, as “diretas já”, porque isso, sim, é golpe! Foi saudosista o slogan “fora burguesia” escrito nos muros em Brasília, que desde o século passado não era usado. Aliás, uma amostra do grau de evolução da esquerda, e não só a brasileira. Na Venezuela faltam alimentos, remédios e o demais necessário para sobreviver; em Cuba, os carros mais modernos são os mesmos que aparecem no filme O Poderoso Chefão-2, da época da revolução de Fidel. O povo brasileiro não participou nem apoiou o “protesto” baderneiro. O povo quer paz, trabalho e democracia. E para proteger os interesses do povo é válida, sim, a intervenção militar, que tem base constitucional – artigo 142 da nossa Carta Magna. Não queremos a volta de um governo militar, apenas que as Forças Armadas cumpram seu papel de nos proteger dos inimigos da Pátria, dentro e fora do Congresso Nacional.

CARMELA TASSI CHAVES

tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

Garantia da Lei e da Ordem

A convocação das Forças Armadas deveria ter sito feita também para dentro do Congresso Nacional, por causa dos atos de vandalismo de alguns parlamentares, como Randolfe Rodrigues, Gleisi Hoffman, Alessandro Molon e o resto da turba do PT e da Rede (Sustentabilidade?!). A atitude desses elementos é uma vergonha para nós, brasileiros.

MARCELO L. Z. BERNABE

zbernabe@hotmail.com

São Paulo

Histeria na política

No meio da arruaça no Congresso, não fiquei nada surpresa por Alessandro Molon – que, de acordo com editorial de ontem do Estado, se apresenta como bom moço e democrático – ser a favor do vale-tudo. Democrático só com quem concorda com ele e bom moço só se histeria e ataques de indignação ao ver uma câmera contam pontos. Aliás, histeria parece ser uma característica dos esquerdistas. Vejam Lindbergh, Gleisi, Henrique Fontana, Paulo Pimenta, etc., etc.

CANDIDA L. ALVES DE ALMEIDA

almeida.candida@gmail.com

São Paulo

Movimento popular

Discordando de alguns comentaristas políticos, aparentemente de esquerda, estou de pleno acordo com a convocação de tropas do Exército Brasileiro para controlar o tumulto em Brasília, liderado por centrais sindicais e pelo MST. O que vimos não foi manifestação pública, foram atos de terrorismo, com sérios danos ao patrimônio público e particular. Movimento popular, para servir de exemplo a esses agitadores, é a manifestação que reuniu 1 milhão de pessoas na Avenida Paulista, que para lá se dirigiram por sua própria conta e não causaram danos a ninguém.

NÍVEO AURÉLIO VILLA

niveoavilla@terra.com.br

Atibaia

OAB

Impeachment

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) pede o impeachment do presidente Michel Temer. Há muito tempo a OAB deixou de ser uma entidade defensora da democracia, isenta e imparcial. Nos dois governos do PT, foi omissa e conivente com uma administração desastrosa e corrupta, em nenhuma ocasião se manifestou contra a bolivarianização do País e a decadência moral e ética da política brasileira. Alinhou-se cegamente a um governo que levou o Brasil à bancarrota econômica e ética. Que moral tem agora para se manifestar sobre os rumos do País?

LAURO FUJIHARA

laurofujihara@gmail.com

Araçatuba

Antecedentes

A OAB acha que o fato de o presidente da República ter recebido o dono da JBS, que ainda por cima executou uma gravação que foi editada, é justificativa para o impeachment de Michel temer. Ora, ora... E com quem esse mesmo senhor se reuniu, anos atrás, para poder recolher os bilhões de dólares do Brasil? Com a palavra, a OAB.

VICTÓRIO CANTERUCCIO

vicv@terra.com.br

São Paulo

Aparências

Contra Temer, o maior alarde. Sobre o perdão indecente aos Batistas, nem um pio sequer. Não o é, mas fica parecendo que a OAB é uma Organização de Apoio a Bandidos...

A. FERNANDES

standyball@hotmail.com

São Paulo

“Brasília em chamas! Afinal, aonde os nossos políticos querem chegar?”

VIRGÍLIO MELHADO PASSONI / JANDAIA DO SUL (PR)

mmpassoni@gmail.com

“Mil ônibus de massa de manobra para desestabilizar o Brasil. Eis o plano do PT”

EUGÊNIO JOSÉ ALATI / CAMPINAS, IDEM

eugenioalati13@gmail.com

“A estratégia de Lula, PT e seus ‘tentáculos’ sindicais é, como na Venezuela, usar a democracia para derrubá-la. Acorde, Brasil!”

OMAR EL SEOUD / SÃO PAULO

elseoud.usp@gmail.com

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

VANDALISMO EM BRASÍLIA

Partidos, sindicatos e organizações sociais ligadas ao PT transformaram uma manifestação que seria pela saída de Michel Temer da Presidência num literal ato de terror na quarta-feira, em Brasília. Praticaram vandalismo e, criminosamente, depredaram e atearam fogo nos prédios públicos em Brasília - tudo financiado com recursos dos contribuintes, vindos do excrescente Imposto Sindical, com o qual contrataram até integrantes dos radicais mascarados black blocs. O governo Temer, sem outra saída, decretou a ação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), com a convocação do Exército e da Força de Segurança para garantir a ordem em Brasília. Foi um dia de caos! E o remédio precisa ser amargo: os sindicatos e partidos que participaram da baderna, já que não demonstram compromisso com a Nação, precisam ser interditados.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

DIAS DE TORMENTA

A situação em Brasília está insustentável. Na quarta-feira, dentro do Congresso Nacional, os deputados da oposição, aproveitando-se da instabilidade do governo, partiram para a baderna, para agressões e praticamente tomaram tudo na marra, inclusive a mesa diretora da Casa, enquanto fora, nas ruas, os chamados "movimentos sociais" desrespeitaram a lei, depredando tudo o que encontraram pela frente, inclusive ateando fogo no prédio do Ministério da Agricultura, numa atitude totalmente condenável e inadmissível, e só recuaram na sua sanha de destruição quando as Forças Armadas tomaram posição na defesa dos prédios e de todo o patrimônio da União. O Exército tem por obrigação defender nosso país destes marginais travestidos de manifestantes. Vamos aguardar o desfecho da situação caótica que estamos vivendo, torcendo para que o Brasil volte a ter dias de paz.

Henrique Schnaider hschnaider4@gmail.com

São Paulo

*

A CONVOCAÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS

É prerrogativa, prevista pela Constituição convocar as Forças Armadas pelo se seu comandante em chefe, que é o presidente em exercício. Temer foi cuidadoso ao explicar que seria apenas para guardar o patrimônio (que é de todos nós), sem interferir na manifestação de quarta-feira. Se isso não tivesse ocorrido, teríamos até linchamentos no protesto destes tresloucados asseclas do PT. Quem tem terroristas dessa natureza não precisa importar estrangeiros.

Candida Barros candy.barr@uol.com.br

São Paulo

*

REAÇÃO

Pergunto ao professor de Direito Constitucional da Universidade de Brasília Marcelo Neves ("Estadão", 25/5, A7): o que é preciso para comprovar "o esgotamento das atuações policiais"? Um prédio do ministério incendiado não é suficiente? Se fossem dois, poder-se-ia convocar as Forças Armadas? Ou talvez só se forem cinco ou mais os incêndios criminosos? Não houve nenhuma "extravagância constitucional", como citou a professora de Direito Constitucional da FGV Eloísa M. de Almeida. Houve reação de um governo contra marginais que não querem dialogar, querem tumultuar e cometem crimes. Aos professores citados, peço responsabilidade. Que parem de agir como dirigentes imaturos de grêmios estudantis e ajam como profissionais dignos de ser exemplo para seus alunos.

José Alfredo T. Andrade tolosajaa78@gmail.com

Santos

*

FALTA DE PREPARO

Ninguém, em sã consciência, pode ignorar que para enfrentar o vandalismo que aconteceu na Esplanada dos Ministérios e na Praça dos Três Poderes seria necessária a convocação das Forças Armadas, que podem ser empregadas para a "preservação da ordem pública ou ameaça à incolumidade das pessoas e do patrimônio". Estamos vivendo um momento em que baderneiros acreditam que podem promover quebra-quebra, atear fogo em edifícios, colocar em risco a vida das pessoas ou impedir o ir e vir delas que nada acontecerá com eles. Não há respeito pelas leis. Não se combate uma guerra daquela jogando pétalas de angélica aos baderneiros.   Está faltando preparo para viver na democracia. Vivê-la sem educação pode levá-la à esculhambação. É aí que mora o perigo.

 

Jeovah Ferreira jeovahbf@yahoo.com.br

Taquari (DF)

*

BRASÍLIA, 24 DE MAIO

Não foi vandalismo, foi guerrilha urbana orquestrada pelos bolcheviques treinados nos anos 60.

Lucia Melchert luciamelchert@gmail.com

São Paulo

*

TRISTE

Passados mais de 50 anos, o mais triste é que, ao que parece, a última reserva moral da Nação são os militares. No jargão militar, nada de novo no front!

Luiz Henrique Penchiari lpenchiari@gmail.com

Vinhedo 

*

QUEM É O PRESIDENTE?

Não dá para acreditar que exista neste país alguém de sã consciência que tenha conseguido engolir o pronunciamento do ministro da Defesa, Raul Jungmann, dizendo que os órgãos de segurança do governo contavam com uma manifestação pacífica, mesmo sabendo tratar-se de um ato programado pela CUT, com a participação das demais centrais sindicais e com o apoio do MST, do MTST, da UNE, de ONGs, do PT, PSTU e PSOL. Foi difícil de engolir o ministro dizer que, atendendo a uma solicitação do presidente da Câmara, senhor Rodrigo Maia, o senhor Michel Temer, presidente da República, decretou uma ação de garantia da lei e da ordem convocando as Forças Armadas. Afinal, quem é o presidente da República? Ver o general Sérgio Etchegoyen, ministro do Gabinete de Segurança Instituição (GSI), entrar quieto e sair calado e Jungmann não dar oportunidade para as perguntas da imprensa deixou a maioria dos brasileiros preocupada.   

Leônidas Marques leo.marquesvr@gmail.com

Volta Redonda (RJ)

*

FOCO ERRADO

Parece brincadeira, mas não é. A maior parte da imprensa nacional, tal qual a oposição oportunista, está mais incomodada com a medida tomada pelo presidente Michel Temer, de solicitar apoio das Forças Armadas para conter o vandalismo e a depredação causados por baderneiros e bandidos mascarados no centro do poder federal em Brasília, do que com os estragos inéditos causados pelos mesmos, além do risco evidente de total descontrole da situação, em que os danos poderiam ser muito piores, inclusive com risco de agressões e até mortes de inocentes. O presidente fez o que deveria ser feito, mas parece que a imprensa brasileira está mais interessada na queda de Michel Temer do que na manutenção da ordem pública. Será que a imprensa (especialmente a Rede Globo e a GloboNews), o procurador Rodrigo Janot, os ministros do STF Édson Fachin e Roberto Barroso e os partidos de esquerda estão querendo um cadáver para realizarem seu fetiche de derrubar o presidente Michel Temer? Será que a reforma da Previdência, que irá acabar ou ao menos limitar alguns privilégios escandalosos, não está por trás deste golpe que foi deflagrado com a delação do bandido impune e premiado Joesley Batista? Em minha opinião, não resta dúvida. Porém, até agora, o tiro saiu pela culatra, apesar dos enormes danos que estes conspiradores irresponsáveis já causaram ao País, no exato momento em que o Brasil começava a superar a herança maldita deixada por Lula, Dilma e o PT. A História deixará tudo isso esclarecido, pois o tempo é o senhor da razão. Temer deve resistir, apesar de saber que o ele não é nenhum santo, penso que só sua pessoa pode realizar as reformas que vão mudar para melhor o futuro do Brasil. A oposição que o cafajeste-mor da República, senador Renan Calheiros, faz ao seu governo é o que me traz esta certeza duvidosa. Resista e não tema, presidente. No futuro, os brasileiros o agradecerão. 

Sandro Ferreira sandroferreira94@hotmail.com

Ponta Grossa (PR)

*

TRAGÉDIA ANUNCIADA

O vandalismo praticado na quarta-feira em Brasília já era esperado, porque as redes sociais já anunciavam a ida de caravanas de todas as partes do País à capital federal, com o intuito de promover a desordem e a arruaça. E, como sempre, o poder público chega muito depois do estrago feito. Quem vai pagar esta conta, a não ser nós, pobres mortais e contribuintes, impotentes com tamanha desorganização reinante no País? O que se viu na quarta-feira foram apenas bandeiras vermelhas de grupos organizados e um exército orquestrado de marginais mascarados praticando vandalismo de toda ordem, com o suporte do PT e da CUT - os mesmos de sempre. Um governo fraco que não pode defender seus próprios domínios nem se prepara para o combate é um governo em ruínas. Os criminosos estão soltos por aí, provocando arruaças e delinquências de toda sorte, uns à base de caviar e outros à base de sanduíche de mortadela.

Elias Skaf eskaf@hotmail.com

São Paulo

*

SENTIR NO BOLSO

Por que não cobrar dos organizadores desta e de outras manifestações os prejuízos causados ao patrimônio público e privado? Será que ninguém pensou nisso? Quem sabe esta cambada de desocupados, encabeçada pelas centrais sindicais, se conscientiza de que praticar a democracia é demonstrar o seu entendimento de forma civilizada, e não da maneira como sempre acabam suas manifestações. Pesando no bolso, quem sabe aprendam a se portar como gente civilizada e parem de convocar delinquentes para compor o seu cada dia mais mirrado número de participantes, que nem sabem por que lá estão e se vendem por um lanche de mortadela.

Maria Eugenia A. M. Castro mmdc1935@gmail.com

São Paulo

*

ABUSADOS

Absurdo! Uma verdadeira tropa de terroristas foi deslocada para Brasília com toda a segurança... Mais de 500 ônibus, tudo organizado por CUT, MST, PT, PSOL, PCdoB, PSTU, com a finalidade de depredar a capital federal e pôr em risco a vida de populares. Eles, que não conseguem arregimentar um mínimo de militantes entre a população, usam deste estratagema de deslocar pessoas a troco de lanche e R$ 30,00. O mais absurdo é que muito provavelmente tudo foi financiado por dinheiro de propina distribuído pelos açougueiros da JBS. Chega de abuso! Queremos ordem e obediência às instituições!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

CARNE

Dispensam-se oráculo e abissal conhecimento da História para saber nome e cor da bandeira do Nero de Brasília. Crimes federais sucessivos: ministérios incendiados, equipamentos públicos destruídos, pânico entre servidores sitiados pela turba ensandecida, bombas, tiros e balas, a protofonia do ódio dos fanáticos à caça de um cadáver para a apoteose da delinquência orquestrada pela estrela branca de número 13, alimentada a mortadela à sombra de Luiz Inácio Lula da Silva. A invasão de Brasília pelos hunos é selvageria explícita, técnica manjada de tomada do poder na marra, no grito, a maioria decente anestesiada. No Congresso, a minoria histérica, que foi maioria por 13 anos eleita com bilhões de dinheiro sujo. E, no Palácio do Planalto, um presidente capaz de ser derrubado por carne podre. 

José Maria Leal Paes tunantamina@gmail.com

Belém

*

O ALIMENTO DA BADERNA

As manifestações contra o governo e corruptos em geral, com depredação de patrimônio particular, são financiadas com o nosso dinheiro. Essa é a razão por que o PT, os sindicatos, as confederações sindicais e similares não querem a aprovação do fim do pagamento obrigatório do Imposto ou Contribuição Sindical. Estes são os recursos que permitem pagar transporte, diárias e lanches para quem arregimentam, além dos parasitas que vivem ao dispor deles. Quanto aos chefes ou diretores, que não têm "obrigação" de prestar contas dos gastos, vivem sem trabalhar, vivendo bem, usando Rolex e aparecendo nas mídias para se promoverem, tentando instalar uma Venezuela no Brasil. Com o dinheiro que gastam, financiando tais movimentos, bem podiam atender aos seus reclamos de assistência saúde, creches, etc. Todavia, a maior parte da responsabilidade por este "status quo" se deve à inatividade da nossa Justiça, onde tudo se arrasta - o STF, por exemplo, há mais de seis anos não obriga estes pelegos a prestarem contas do uso das verbas arrecadadas. Por outro lado, a Justiça demorou 19 anos para condenar um Maluf e cinco minutos para liberar os Batistas. O que estamos vendo agora é que a Contribuição Sindical é o alimento da baderna daqueles que querem continuar a viver sem trabalhar, vivendo da corrupção e daqueles que quebraram o País, e não participar dos caminhos que levem ao progresso, penalizando os responsáveis pelo desastre produzido, quem quer que seja e de qual facção política for.

Luiz Lucas C. Branco whitecastel.castellobranco@gmail.com

São Paulo

*

REPÚDIO

Repudio a conduta das centrais sindicais de promover o ódio e a baderna em Brasília nos últimos dias. O direito de manifestar-se é democrático, porém desde que respeitados os preceitos da ordem e da paz. É inconcebível observar líderes sindicalistas incitarem a violência ao tempo em que induzem cabeças fracas a abraçarem tais atos em troca de pão com mortadela. A classe sindical, na realidade, teme perder o dinheiro fácil da contribuição sindical, que deixará de ser compulsória.

Edinei Melo edinei.melo@hotmail.com

Campinas

*

DESONESTIDADE EXPLÍCITA

Enquanto o País caminha para um total descontrole das contas públicas, com mais de 14 milhões de desempregados - ou 22 milhões, na nova sistemática do IBGE -, nossos parlamentares transformam o Congresso num verdadeiro bar de péssima frequência, com ameaças de agressões e xingamentos descabidos, e passaram a boicotar as votações. As centrais sindicais contratam 500 ônibus para lotar de manifestantes e leva-los a Brasília, em manifestações contra as reformas, mas seus líderes estão mais preocupados com a perda da absurda Contribuição Sindical obrigatória do que com entender e explicar para os trabalhadores os prós e os contras das reformas. E quando baderneiros se juntaram a eles, depredando prédios públicos, inclusive com incêndios e invasões jamais vistos na capital federal, alegam agora que não tiveram culpa. Quanta hipocrisia. E quando os responsáveis pela integridade dos prédios públicos chamaram reforço militar para acabar com aquela verdadeira festa do caqui, muitos congressistas se aproveitaram para atacar o governo, alguns acusando-o de ditatorial, tendo os deputados Carlos Zarattini (PT-SP) e Alessandro Molon (Rede-RJ) chegado ao cúmulo de declarar que não se lembram de ter visto situação semelhante nem na ditadura militar. Ora, deveriam ter mais compostura. Como classificariam o Ato Institucional que nos infernou a vida desde 1968 até 1971, durante a ditadura militar? Falar em militares nas ruas, por uma intervenção necessária contra baderneiros, é torcer a verdade ao limite. O deputado do Rio de Janeiro deveria se preocupar mais com a barbárie que assola a população da capital daquele Estado. Tem muitos itens que merecem ser mais bem discutidos nos projetos de leis do governo, mas dentro das normas da democracia, não transformando os plenários do Congresso em botequim e insuflando baderneiros a depredarem e incendiarem prédios públicos, cujos reparos deveriam ser pagos pelas centrais sindicais, mas, claro, recairão sobre todos nós, que pagaremos por cada centavo que o governo gastará para tanto. Se fosse para resolver a situação em que nos encontramos na base da ignorância, então seria válido fazermos justiça com as próprias mãos contra todos os ladrões que roubaram os cofres públicos e estão em prisão domiciliar em suas mansões, produtos de seus roubos. 

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

DE PORTAS ABERTAS

O cartaz levantado pela deputada Luiza Erundina defendendo uma Câmara aberta e transparente ("Estadão" de 25/5, B5) representa uma excelente ideia para ser utilizada na próxima "pacífica" manifestação da gangue de baderneiros que invadiu Brasília. As portas das duas Casas Legislativas deverão ser franquiadas a todos os manifestantes, para que estes expressem, de maneira ordeira e civilizada, sua aprovação e orgulho da "transparência" com que agem seus legítimos representantes. 

Luiz Antônio Alves de Souza  zam@uol.com.br

São Paulo

*

PERIGO

Com a Câmara dos Deputados e o Congresso transformados em ringue de boxe e a Esplanada dos Ministérios numa praça de guerra por uma turba raivosa sob as ordens do PT e seus satélites, o que vimos em Brasília não foi coisa de amador nem de manifestante sindical, mas de gente treinada para a guerrilha urbana. Seguindo essa linha, fica fácil de entender quem está por trás desta baderna generalizada que visa à derrubada do presidente e à tomada do poder no grito, bastando lembrar o que disse Lula em passado recente: "Sou a única pessoa capaz de incendiar este país". Analisando a sincronia entre o que afirmou e o que ocorreu na quarta-feira em Brasília, conclui-se que a liberdade de Lula constitui uma séria ameaça à paz social e à estabilidade do País.

Paulo R. Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo

*

NO MEIO DO FURACÃO

Esqueçam o "fora, Temer". A bola da vez é "sujou, Temer". Toneladas de carne estragada no ventilador do governo. Trágica e medonha sinuca de bico. Tormento e pesadelo se aproximam no horizonte. Complicação tamanho gigante. Os frequentes lances sujos da política atrapalham a estabilidade e a governabilidade necessárias para o País sair do atoleiro. Mas o elenco do drama misturado com farsa e canalhice piorou as coisas. Deixa sempre o rabo de fora. Alívio para Lula, que sai das manchetes. Desapontamento para Sergio Moro, louco para tirar o couro do ex-presidente para fazer pandeiro e debutar na política. Entra Michel Temer com todo o seu estofo de jurista isento e sincero.   Tsunami político e eleitoral à vista. Salve-se quem puder. 

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

DELAÇÃO PREMIADÍSSIMA

Achava maledicência que o filhote gênio Lula da Silva seria dono da Friboi, mas, com a delação premiadíssima dos irmãos Batista, da JBS, que não enganou ninguém, e, agora, com a fogueira em Brasília, teríamos indícios de que estamos chegando perto da verdade desta possível joint-venture bilionária? Perguntar não ofende.

Suely Mandelbaum suely.m@terra.com.br

São Paulo

*

MICHEL ATÉ 2018

A leitura do "Fórum dos Leitores" do "Estadão" de ontem, 25/5, me lavou a alma pelas cartas de vários leitores defendendo a permanência de Michel Temer na Presidência até 2018. É disto que o País precisa: de uma corrente forte de opinião que sustente o presidente até o fim de seu mandato, contrapondo-se a estas manifestações oportunistas e mal intencionadas que tentam provar que ele perdeu condições de governabilidade. A baderna criminosa dos arruaceiros na quarta-feira em Brasília constitui um dos meios de que se valem para alcançar seu propósito escuso: usam da violência contra pessoas e bens para demonstrar que a desordem e a desobediência pelas quais eles são os únicos responsáveis tomaram as ruas e que a autoridade constituída deixou de existir, impondo-se sua substituição. O povo não pode entrar neste jogo sujo que vai levar ao que eles querem. Cabe aos que se lhe opõem ditar os termos do jogo: continuar com Michel Temer até o fim do seu mandato em 2018, conforme autoriza e manda a Constituição federal, nada de renúncia, impeachment, eleições diretas ou indiretas. O Brasil não pode perder a chance de ouro de levar a cabo as reformas essenciais exigidas pela sua modernização política, econômica e social, pelas quais Michel Temer (cuja honestidade não é minimamente afetada pelo áudio manipulado de um delator, este, sim, desclassificado), com muita coragem pessoal, vem lutando e das quais os frutos já começam a despontar: queda da inflação e da Selic, saída da pior recessão da nossa História com o crescimento econômico verificado no segundo trimestre e - praza aos céus! - criação de empregos. É isso que o povo quer e de que precisa, não da interrupção do mandato de Temer por qualquer meio que seja, que só servirá aos interesses dos que foram apeados do poder em 2016, que não se conformam e estão desesperados para voltar às suas boquinhas.

Paulo Afonso de Sampaio Amaral drpaulo@uol.com.br

São Paulo

              

*

ENQUANTO ISSO

Enquanto o foco está em Temer, Aécio e outros, Lula descansa longe da imprensa. Era essa a intenção dos delatores da JBS? Protegê-lo?

 

Maria do Carmo Z. Leme Cardoso zaffalon@uol.com.br

Bauru

*

O BRASIL ENCURRALADO

Lula se diz "perseguido". Aécio Neves posa de "ingênuo". Temer se comporta como "inocente". Enquanto isso, o País todo sangra, sofre e chora.

Eugenio de A. Silva eugenio-araujo@uol.com.br

Canela (RS)

*

LINHAGEM

O PT gerou Lula, que gerou Dilma, que gerou Michel Temer. Michel Temer é obra do PT, sabem vivos e mortos. A pata do PT está no epicentro do caos político, financeiro e moral instalado no País e amplificado pelos irmãos Batista. O Ministério Público junto à Justiça Eleitoral finge-se de morto e o PT aí está a pagar marqueteiros no exterior e a se locupletar com propinas milionárias declaradas pelos parceiros bilionários. E nada de punição.

José Maria Leal Paaes tunantamina@gmail.com

Belém 

*

AO POVO AS BATATAS!

Se o atual momento político do País é gravíssimo, o PT oportunista, assim como seus aliados, não perde a oportunidade deplorável e imoral de fazer de tudo para piorar o que já está horroroso, sejam quais forem as consequências. Estes partidos que, por sua essência precípua, deveriam defender os interesses dos menos favorecidos declararam, sem vergonha, que obstruirão, no Congresso Nacional, as pautas das reformas e priorizarão a proposta inconstitucional, intempestiva e delirante das Diretas Já. Ou seja, estão pouco se importando - se é que alguma vez o fizeram - com a situação atual dos 14,2 milhões de desempregados e de suas famílias, cuja perspectiva de melhora depende da indiscutível aprovação das reformas. A ordem é instalar o caos e tumultuar. E o povo? Ora, ao povo as batatas!

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

LULA, REFÉM DA MENTIRA 

 

Diante da campanha iniciada pelo PT pelo golpe das "Diretas Já", mais do que nunca vale repetir as preciosas palavras do pastor Martin Luther King: "O que me preocupa não é o grito dos corruptos, dos violentos, dos desonestos, dos sem caráter, dos sem ética... O que me preocupa é o silêncio dos bons". Daí a importância de artigos como o de Carlos Alberto Di Franco ("Lula, refém de uma mentira", 22/5, A2).

Nilson Otávio de Oliveira noo@uol.com.br

Valinhos

*

O PT E A CORRUPÇÃO

Como o ex-presidente Lula é cínico, cara de pau, mesmo! Afirmou ele, num diretório do PT de São Bernardo do Campo, que o PT pode ensinar a combater a corrupção no Brasil. Lula, eu acredito, sim, que você deve entender muito de corrupção, mas jamais de como combatê-la.

 

Benone Augusto de Paiva benonepaiva@gmail.com

São Paulo

*

MESTRES

Lula diz em discurso que PT pode ensinar a combater a corrupção. Glória a Deus, primeira vez que o dito-cujo fala uma verdade! Quem poderia melhor ensinar acabar com o tráfico de armas e de drogas? Fernandinho Beira-Mar e/ou Marcola. Sabem tudo sobre a causa. Além de grandes professores, têm grandes centros de treinamento (CV e PCC)! Quem pode exterminar com a corrupção? Lula, é claro! Sabe tudo e mais um pouco sobre este quesito e tem instalações do Instituto Lula como centro de treinamento do PT. Mas não vão querer largar o osso!

José Carlos Alves jcalves@jcalves.net

São Paulo

*

SALVO ENGANO...

Lula afirmou que, diante dos últimos acontecimentos, "o PT é o único que pode ensinar como combater a corrupção". Na verdade, ele quis dizer o seguinte: o PT é o único que pode ensinar como não combater a corrupção.

  

Leila E. Leitão

São Paulo

*

O SALDO DA DELAÇÃO

Os defensores de Lula e contra o Brasil defendem que a prisão do ex-presidente, diante de tudo o que se sabe, causaria uma comoção no País. Não foi o que se viu recentemente em Curitiba e não foi o que pensaram Rodrigo Janot e Edson Fachin ao jogarem uma bomba sobre o governo Temer, que a passos de tartaruga caminhava para tirar o Brasil da crise. E, para piorar, blindaram, numa decisão histórica e no mínimo suspeita, os donos do Brasil, Joesley e Wesley Batista. O saldo? Os destruidores do País: Lula (réu em mais de cinco processos e responsável pela maior crise que estamos vivendo - moral, ética, econômica e política) e irmãos Batista (devedores do BNDES, compradores de políticos e de gente do Judiciário, mas premiados pela Justiça brasileira). Um, que não pode ser preso porque desestruturaria o País, os outros, porque fugiram de Curitiba e entregaram o serviço que a Procuradoria-Geral da República queria. Ambos estão livres e soltos. E o povo? Ora, o povo que se dane. Que continue trabalhando e financiando bandidos; e os desempregados que peçam esmolas, porque os políticos não pensam no povo, somente em seus bolsos. Não podemos ficar calados. Vamos reagir nas ruas e nas urnas. Povo unido, jamais será vencido!

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

A CONFIANÇA ACABOU

O Legislativo e o Executivo, como é de conhecimento geral, estão completamente corrompidos. Após o caso JBS, não é possível confiar mais nem no Ministério Público nem no Judiciário.

Marcelo L. Z. Bernabe zbernabe@hotmail.com

São Paulo

*

EXPLICAÇÕES

A Procuradoria-Geral da República deve ao País explicações sobre este estranho acordo de delação premiada com os donos da JBS. Que acordo é este, em que os irmão Batista manipulam o mercado financeiro e acionário, demostram ser os maiores corruptores já vistos e saem do Brasil sem punição nenhuma, pagando "somente" alguns milhões de dólares e se radicando na Holanda onde não há tratado de extradição com o Brasil? O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, está se desmoralizando e perdendo a credibilidade. E os procuradores que agora trabalham para o Grupo JBS? Devem explicações, e rápidas!

Cesar Araujo cesar.40.araujo@gmail.com

São Paulo

*

O REI JANOT

Como não existe interesse público no absolutismo, até o rei mais justo, ao tempo, descamba para o autoritarismo. As últimas ações autoritárias do sr. Rodrigo Janot, procurador-geral da República, indicam suas intenções de um reinado absoluto. O destaque é a homologação ilegal do acordo de delação dos irmãos Joesley e Wesley Batista - que, convenhamos, não foi premiada, foi indecentemente presenteada a dois malfeitores, líderes de quadrilha, que surrupiaram nosso pão e compraram falsos legisladores para apresentarem um falso espetáculo circense mambembe de honestidade e cidadania, na certeza de que seus supostos servos da corte não perceberiam que a questão de fundo é tumultuar a aprovação da Lei de Abuso de Autoridade. Este pretenso e incompetente rei deve ser deposto, antes que afunde a credibilidade da Operação Lava Jato.

Honyldo Roberto Pereira Pinto honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto 

*

SEM DEFESA

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, defendeu publicamente o Ministério Público Federal (MPF) pelas recentes decisões que culminaram com o acordo que permitiu a fuga para o exterior dos empresários mafiosos da JBS, deixando-os livres para gozar a "dolce vita" propiciada pelos impostos pagos pelo povo brasileiro, o mesmo que não dispõe de saúde, segurança e educação. Ninguém espera, contudo, que uma instituição tão importante precise de justificativa para merecer crédito. A expectativa é de que o tempo demonstre a oportunidade e a necessidade das medidas adotadas e que sejam elas as mais benéficas ao País. Só assim a confiança será consolidada.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

NO JET-SET

A negociação da delação dos donos da JBS é fato que não se explica. Wesley e Joesley enumeraram centenas de atos de corrupção na compra de políticos e saíram ilesos, em jato particular, com todo conforto e segurança, como celebridades. Ora, quem não iria levantar a empresa com uma "mãozinha" do BNDES? Estarrecedor, também, é o vídeo que está na internet e apresenta a mulher de Joesley, Ticiana Villas Boas, jornalista que não sabe o preço do litro da gasolina (?). Ticiana parece fazer um autoquestionamento sobre sua vida no jet-set e diz que, comparando seus gastos com os de outras mulheres no meio em que convive, é até "simples". A diferença, Ticiana, está na origem do dinheiro que outros têm e na origem do dinheiro de seu marido. Há profissionais das mais diversas áreas muito bem-sucedidos. Seu marido é um criminoso. No jet-set, tudo é lindo! No submundo do crime, tudo é tenebroso, prepare-se... 

Irene M. Dell'Avanzi irenedellavanzi@gmail.com

Itapetininga

*

REALIDADE OU FICÇÃO?

Conan Doyle (Sherlock) e Agatha Christie (Poirot) se veriam diante de um crime perfeito? Tenha uma empresa. Consiga empréstimos de longo prazo. Cerifique-se de que não vai pagá-lo. Monte outras empresas, desvinculadas da primeira, use o dinheiro para comprar ações e empresas em outros países longe da origem. Quando vencerem os empréstimos, declare a empresa original inadimplente. As empresas em outros países estarão livres. Simples assim. Tudo certo e o culpado ainda pode ser o mordomo, só para encerrar o assunto.

Nelio Esquerdo nelioesquerdo@terra.com.br

São Paulo

*

LÍDERES DA ORGANIZAÇÃO

Numa organização criminosa, com quase 2 mil indivíduos associados com o objetivo de obter vantagens ilícitas, apenas um elemento, caso fosse afastado ou bloqueado, a dupla formada pelos irmãos Batista, impediria a continuidade da operação criminosa. Isso mostra, sem dúvida, que a dupla era de fato alma e a liderança da organização. Então, por força da lei, não poderia fazer e se beneficiar das vantagens da delação premiada. Estarei errado no meu raciocínio? 

Délcio Nogueira dos Santos delciosantos@gmail.com

São Paulo

*

ABERRAÇÃO

São inaceitáveis pela sociedade brasileira os prêmios concedidos pela PGR à delação dos irmãos Batista. Como indivíduos ocupantes do vértice da pirâmide de uma organização criminosa, espera-se que o plenário do STF corrija a aberração.

Waldemar Silvestre Carlos waldemar.silvestre.carlos@gmail.com

Salvador

*

DELAÇÃO CRIMINOSA

Faço um veemente apelo às autoridades competentes para restaurarem o processo da chamada delação premiada, que, do jeito que está, está transformando vilões e criminosos em heróis, à custa de mentiras, falsidades, difamações e induções contra homens de bem que estão lutando arduamente em prol de nosso país. E os tais delatores e criminosos continuam livres, viajando pelo mundo. Estaria o dinheiro dominando o Direito em nosso país? Que vergonha, Brasil!

Tercio Sarli terciosarli.edicoes@gmail.com

São Paulo

*

PERDÃO

Ainda que o perdão judicial para delatores ou colaboradores seja contemplado pela legislação brasileira, não agiu bem a PGR ao concedê-lo a Joesley Batista, que goza sua plena liberdade nos EUA. Tal imunidade feriu os princípios de moralidade e equidade, tão caros ao Direito. Por acaso, seriam os crimes de corrupção do sr. Joesley Batista menos graves que os do sr. Marcelo Odebrecht ou de outros delatores presos? Ou foi ele perdoado porque sua gravação derrubaria um presidente da República reformista e, por isso mesmo, impopular? Sem questionar sobre culpa ou inocência do presidente, penso que a PGR, instituição merecedora do respeito e da admiração do povo, não pensou nas consequências nefastas para todos os brasileiros e terá sobre si essa nódoa indelével, que dificilmente conseguirá remover.

 

Edméa Ramos da Silva paulameia@terra.com.br

Santos 

*

DA VERGONHA CAPISTRANIANA

Primeiro, a meleca constitucional no impeachment de Dilma Rousseff. Agora, a indecência no perdão judicial aos Batistas. Como bem frisou Capistrano, o que mais nos falta é vergonha na cara.

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

DELAÇÃO PERDOADA

Delação premiada não estava funcionando, tiveram de vender o perdão para arrancar uma delação que acabou com um presidente. Derrubou tudo de podre que ainda se segurava à custa de mesadas e alpistes. Serão anos para arrumar esta bagunça. Todos nós, que ficamos com este país estraçalhado, nos indignamos. Como podem dar este perdão a bandidos que assaltaram o nosso maior banco e desorganizaram um dos setores produtivos que sempre foi forte sem a ajuda de bancos federais? Este perdão saiu barato para os bandidos e muito caro para nós. Quem tem autonomia jurídica de fazer um descalabro destes? Que país é este?

João Bráulio Junqueira Netto jonjunq@gmail.com

São Paulo

*

ESTAMOS PERDENDO

A figura da delação premiada muitos benefícios tem trazido para esclarecer os ilícitos cometidos por infratores à lei. Todavia, a sua aplicação indiscriminada tem trazido prejuízos ao erário e à população. Caso recente, os irmãos Batista, além de pagarem ínfimos valores aos cofres públicos, estão soltos, como se nada tivessem feito, quando na verdade são verdadeiros criminosos, sem escrúpulos, seguidores da famosa frase "os fins justificam os meios".

 

Gilberto de Lima Garófalo gilgarofalo@uol.com.br

São Paulo

*

CONFESSO

Com asco e revolta ouvi os áudios deste mafioso Joesley Batista, que é mais nocivo ao País do que Marcola. Não consigo aceitar que o MPF se curve à sua chantagem. Como deixá-lo viajar e zombar do povo brasileiro folgando em Nova York após confessar com total cinismo crimes tão asquerosos? É de escrachar, diria Eça de Queiroz. Do depoimento direto para a cadeia.

Geraldo Modesto de Medeiros gmm1931@hotmail.com

São José do Rio Preto

*

UM ÓTIMO NEGÓCIO

A delação em si não surpreende; virou rotina no Brasil. O que deixa o cidadão perplexo é que os corruptores-empresários, travestidos de delatores, não são punidos à mesma régua do que os corruptos, isso quando castigados. Eles - empresários - continuam com o seu patrimônio financeiro e apenados com curtíssima supressão da liberdade. Delação para empresário corruptor é um ótimo negócio.

 

Fábio Siqueira fabio.comendador@gmail.com

Uberaba (MG)

*

BANANA!

Quase 30 anos atrás, Gilberto Braga criou a antológica cena de Marco Aurélio (Reginaldo Farias) dando uma "banana" ao Brasil da janela do avião no qual fugia. Sem medo de errar, podemos imaginar Joesley Batista fazendo o mesmo após ter vomitado tanta sujeira diante de câmeras, mesmo sabendo que todo o povo brasileiro tomaria conhecimento de seu depoimento. Nós, cidadãos honestos, como podemos explicar aos nossos filhos e netos que o crime não compensa, diante de tal insensatez? Fosse no Japão, teríamos um tsunami de harakiris. Aqui, os criminosos jantam tranquilamente em restaurantes reputadíssimos desfrutando do bom e do melhor à custa de suas falcatruas. Que futuro nos espera?

Rossana Baharlia rbah44@yahoo.com.br

São Paulo

*

DA FICÇÃO À REALIDADE

Naquela gravação, no aeroporto, do empresário Joesley Batista saindo do País, leve e solto, só faltou ele se voltar para as câmeras e mandar uma bela banana para os brasileiros, como nas histórias de ficção. Pobres de nós, brasileiros!

Angela M. de Souza Bichi angela_bichi@hotmail.com

Santo André

*

O DESTINO DE JOESLEY

Depois de receber bilhões do BNDES; depois de aplicar o dinheiro dos contribuintes brasileiros comprando fábricas e gerando empregos nos Estados Unidos; e depois de confessar tantos crimes, o destino provável de Joesley seria: 1) na China, o fuzilamento; 2) no Japão, o suicídio; 3) nos Estados Unidos, prisão perpétua; e 4) no Brasil, desfilar na Marquês de Sapucaí no próximo carnaval. Acho que as autoridades que fizeram este acordo de delação com ele (e com Wesley também) têm a obrigação de se explicar melhor e de refazer este acordo absurdo.

Luiz Carlos Cunha cunha.teg@gmail.com

São Paulo

*

JUSTIÇA?

Informo à PGR e aos ministros do STF que a soltura dos delatores da JBS opõe-se frontalmente aos princípios morais que aprendi com meus progenitores.

Roberto Twiaschor  rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

NÃO CONFUNDIR

Avalio como objeto de todos os elogios o editorial "Sem rumo" (24/5, A3), que qualifica como um insulto os termos da colaboração premiada assinada pelos proprietários da JBS com a Procuradoria-Geral da República (Brasília, DF). Os editorialistas do "Estadão", salvo melhor juízo, deixaram de mencionar que os procuradores públicos signatários daquele, digamos, reprovável acordo não devem ser confundidos com os procuradores do Ministério Público Federal de Curitiba, responsáveis pelos acordos de colaboração da Operação Lava Jato. É importante considerar que a PGR (Brasília, DF) tem em seus quadros subprocuradores cujos currículos (folha corrida) são, no mínimo, ameaçadores à ordem pública, tais como o senhor Eugênio Aragão, ex-ministro da Justiça da "inesquecível guerrilheira" Dilma Rousseff, e um outro subprocurador (ou procurador, nunca se sabe o título correto) que está presentemente preso por participar como "consiglieri" do Grupo JBS na delação que esses meliantes formalizaram com a PGR (Brasília, DF). Não é por acaso que existe uma letal "briga de foice" entre procuradores candidatos a assumir o cargo do senhor Rodrigo Janot na chefia da PGR (Brasília, DF). Reitero: os procuradores do MPF da Operação da Lava Jato, da que tratam responsáveis pela investigação da "alma mais honesta deste país", são os "República de Curitiba". Não devemos nos confundir.

Ruy Tapioca ruytapioca@gmail.com

Rio de Janeiro

*

SEM RUMO

Para Rodrigo Janot, a tese é a seguinte: se um bandido esperto se juntar com outros bandidos otários e juntos praticarem alguns crimes, o bandido esperto sai livre, leve e solto para gozar o lucro obtido com os crimes, desde que antes passe numa delegacia de polícia e entregue os comparsas. Ai, ai, se a nossa Constituição continuar sendo tão mal tratada, em breve voltaremos a viver como nos velhos tempos do faroeste: quem sacar mais rápido sobreviverá. Enfim, será que alguém poderia avisar Janot de que a delação premiada é usada para reduzir a pena do delator, e não para lhe dar perdão absoluto pelos crimes praticados? #ForaJanot.

Maria C. Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

BRASIL SEM RUMO

Não é para rir, é para se indignar, você, eu, todos nós somos os verdadeiros responsáveis por esta corja de políticos corruptos e ladrões que comanda o Brasil, nosso país!

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.