Fórum dos Leitores

.

Impresso

31 Maio 2017 | 03h01

CORRUPÇÃO

Pega na mentira!

Mais um petista honesto e ético é apanhado na mentira: Guido Mantega, aquele que ajudou a afundar o País. A família anos atrás vendeu um imóvel de herança e, claro, porque nem ele confiava no Brasil, enviou o dinheiro para a Suíça. Simples assim. Ora, Mantega vive no Brasil. Se o dinheiro era legal, por que enviá-lo para a Suíça? Só dinheiro ilegal costuma ser enviado para fora sem ser declarado! Não dá mais para engolir tanta gente só baixando o sarrafo no Temer, de quem não sou advogado, esquecendo tanta corrupção dos petistas para terem o poder!

ANTONIO JOSE GOMES MARQUES

a.jose@uol.com.br

Rio de Janeiro

Esclerosados?

Primeiro foi Paulo Maluf, que sempre dizia não ter dinheiro no exterior, e deu no que deu. Depois foi Eduardo Cunha, que, apesar de a conta estar em seu nome, afirmava que o dinheiro não era dele, e sim de um truste. Agora, Guido Mantega afirma que “se esqueceu” de declarar uma continha de US$ 600 mil, que teria recebido de herança do pai. Será que os políticos sofrem de “esclerose dolarizada”?

MILTON BULACH

mbulach@gmail.com

Campinas

ESTADO DA NAÇÃO

País em crise

O cenário político e empresarial do Brasil é lamentável. Os políticos não querem largar o osso e os empresários, as vantagens, como desonerações e superfaturamentos. Bancos e empresários em geral nunca ganharam tanto dinheiro como nos 13 anos do PT na Presidência e agora, na crise, querem mudar para outros países, não pensando em contribuir para a recuperação nacional, que certamente virá, é só questão de tempo. São todos imediatistas, não gostam de plantar para colher. Mais cedo ou mais tarde a economia se recuperará, sim, mas graças ao capital estrangeiro, não só o especulativo, como o produtivo. Empresas brasileiras do tipo JBS, Odebrecht, etc., bem como reservas naturais, tal como o pré-sal e áreas na Amazônia, serão vendidas a preço de banana. Mesmo assim, bilhões de dólares entrarão na nossa economia. Em tempo: é intolerável a cobrança de juros rotativos da ordem de 450% ao ano, quando os bancos remuneram seus clientes a taxas máximas de 12% ao ano. Não por acaso, mais de 60% dos brasileiros estão inadimplentes. Não se podem tabelar juros, mas é possível estabelecer um teto para não se configurar usura extrema? Se o teto fosse de três vezes a taxa Selic, por exemplo, teríamos juros máximos de 36% ao ano, que já seriam dos maiores do mundo.

WILSON HADDAD

wilson.haddad@uol.com.br

São Paulo

É isso que queremos?

Vejo com decepção a minoria no Congresso lutar para permanecer no poder. Sem o menor constrangimento, essa minoria ensandecida aponta os erros dos outros e poupa seus pares. Alguém viu um petista assumir que o PT foi longe demais com os roubos? Tudo o que eles querem é garantir seu status quo. Fica cada vez mais claro que nossos parlamentares não estão preocupados com o Brasil, e sim com seus bolsos, os de seus familiares e as próximas eleições. Em cada Poder existe um braço da corrupção. É ministro colocando filhos em cargos de destaque, é presidente comprando empresários para beneficiar seus filhos, são deputados e senadores cujos filhos seguem a carreira dos pais e assim se vão locupletando na esteira da corrupção, sem contar o nepotismo cruzado, que todos fazem. O pior é que a cada escândalo descoberto o brasileiro vai sentindo o quanto tem sido feito de trouxa neste país de oportunistas que não se cansam de golpear o trabalhador. E a Justiça, que deveria ser a esperança dos enganados? Ah, essa está vendo como decidir para não melindrar os colarinhos-brancos. É esse o Brasil que queremos?

IZABEL AVALLONE

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

Esquerda, direita, volver

Quando magistrados querem fazer leis, legisladores querem ser magistrados e corruptos declarados apostam no caos e no desrespeito à Constituição; quando estamos diante de uma esquerda oportunista, com artistas que viviam na mamata de leis de incentivo e desconsideram que ao seu lado, no palco, estavam políticos corruptos; quando estamos diante de uma direita burra, que deseja cortar cabeças, não importa de quem; temo pelo pior, no volver. Eu não quero nunca mais nenhuma ditadura. Nem de direita, nem de esquerda, nem de militares. Eu quero é ir em frente!

JOSE R. DE MACEDO SOARES

joserubens@jrmacedoadv.com.br

São Paulo

CRACOLÂNDIA

Praga eterna

Fico extremamente angustiado e sem esperança de melhora na situação do povo da cracolândia. Jamais alguém tentou a solução do problema, sempre se adotaram medidas demagógicas, como a da gestão anterior na Prefeitura, que distribuía R$ 15 por dia aos viciados a pretexto de serviços de varrição prestados. Todo mundo reclama da situação, mas poucos fazem algo para valer. Os tais defensores dos direitos humanos acham melhor esse povo viver como escória do que ser internado involuntariamente, alegando direitos constitucionais. A grande maioria não tem mais condição de raciocínio para optar ou não por tratamento. Enquanto isso, a praga se espalha pela cidade, deixando o cidadão de bem numa saia-justa, pois sem os alegados direitos humanos é obrigado a conviver com o status quo, sendo assaltado e tendo seus negócios inviabilizados por invasões. Quanto aos moradores da região, nem ONGs nem igrejas jamais se manifestaram ou propuseram ações para a solução do problema e agora, numa atitude demagógica, enfrentam a Prefeitura como se fossem salvadores da pátria. É o cinismo absoluto, inclusive da Justiça. Parece-me haver interesse em que essa situação perdure eternamente.

LUIZ F. DE ASSIS SALGADO

salgado@grupolsalgado.com.br

São Paulo

Para os petistas vale tudo contra o prefeito João Doria, até a volta da cracolândia!

EUGÊNIO JOSÉ ALATI

eugenioalati13@gmail.com

Campinas

Denominador comum

O Brasil é o terceiro maior consumidor de cocaína no mundo e o primeiro de crack. Num país infestado de políticas públicas pífias e com montanhas de políticos corruptos, qualquer ligação deles com o tráfico poderia parecer mera coincidência, mas não é. Tanto o tráfico como os nossos políticos são viciados... em milhõe$$$. Eis o denominador comum.

LEANDRO FERREIRA

leandroferreoradasolva@gmail.com

Guarulhos

“Tomando como paradigma os feitos dos irmãos Batista (et caterva) e a respectiva apenação, o ex-governador mineiro Eduardo Azeredo, do PSDB, se fosse julgado agora receberia menção honrosa e indenização...”

JOÃO ISRAEL NEIVA / SÃO PAULO, SOBRE CORRUPÇÃO E LENIÊNCIA

jneiva@uol.com.br

“Durante os 13 anos e meio de governo petista, sob o comando de Lula, a democracia brasileira virou uma grande negociata”

LOURDES MIGLIAVACCA / SÃO PAULO, IDEM

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

O JULGAMENTO NO TSE

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, que, como magistrado, manifesta-se demais fora dos autos, fez uma crítica chula ao nosso país, de que o "Brasil está se tornando grande organização Tabajara". Tem lá suas razões o ministro, já que o pior dos exemplos vem exatamente de instituições como aquela a que ele pertence. O magistrado Gilmar Mendes deu um péssimo exemplo quando não se incomodou com uma questão ética e votou a favor da revogação da prisão de Eike Batista, mesmo sabendo que sua mulher advogava no mesmo escritório do defensor do empresário. Agora, num evento em São Paulo, Mendes disse que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que ele preside, não é "joguete de ninguém" e que "resolvam suas crises", apontando o governo.  Talvez o ministro estivesse se referindo à ação solicitada pelo PSDB em que será julgada a chapa Dilma/Temer, a partir do próximo dia 6 de junho, e sobre a qual o Planalto espera que um dos juízes da Corte peça vista do processo. Esse é o tal joguete? Ou não é mais constitucional um magistrado pedir vista?

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

CONTRIBUIÇÃO

A "organização Tabajara" recebeu grande contribuição de muita gente importante, especialmente "deste" que a mencionou. Ministro da Corte Suprema e do TSE, Mendes insiste em polemizar e, como certo personagem, adora um microfone e a mídia. Pretensioso!

José Perin Garcia jperin@uol.com.br

Santo André

*

DILMÊS NO SUPREMO

Gilmar marca gol contra: num congresso jurídico, ele diz que o Brasil está se tornando uma "organização Tabajara". Mas o mais provável é que o STF é que se tornou Tabajara. Vejam o que ele fala: "A Constituição nos trouxe normalidade constitucional" (?!); "estamos enfrentando agora uma grave crise política... Temos de manter isso" (?!); e "é relevante... pela relevância que tem" (?!). O Dilmês chegou ao Supremo!

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

OPORTUNISMO

A cada momento surge uma situação que contribui para confundir o já complexo momento político. Em primeiro lugar, está a expectativa de julgamento do processo provocado pelo PSDB em relação à chapa Dilma-Temer. Ou seja, um partido aliado toma uma iniciativa contra um aliado. E, para completar, é nomeado um ministro da Justiça que já se pronunciou favorável ao julgamento com o afastamento da chapa. Afinal, quando teremos um quadro político coerente e sem atitudes oportunistas?

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

LEGO

Osmar Serraglio recolheu pedaços da dignidade espalhados no chão, juntou-os, paciente e silenciosamente, e formou o Lego da troca com troco: em vez do "Fora Temer", deu o fora em Temer. Vida que segue.

Joaquim Quintino Filho jqf@terra.com.br

Pirassununga

*

TRANSPARÊNCIA

Alguém poderia me informar qual é a função do Ministério da Transparência? Confesso minha ignorância, mas a primeira vez que ouvi falar deste ministério foi quando ocorreu a troca do ministro desta pasta com o da Defesa. Tentei obter informação da existência deste ministério em outros países e minha pesquisa se mostrou infrutífera, de tal maneira que desisti. Será que é por que em país sério não há a necessidade deste ministério? Se há a necessidade de criar este ministério, é porque muita   coisa "não transparente" deve existir neste país, e muito trabalho ele deve ter. Também gostaria de saber de algum ato realizado pelo ministro da Transparência, pois o que falta a quase todos os políticos, além de vergonha na cara, é a transparência de seus atos.

Jorge Eduardo Nudel jorgenudel@hotmail.com

São Paulo

*

OPACO

No País, este tal de Ministério da Transparência só existe para acolher políticos que apoiam o governo federal, pois de transparência não há nada. O ministério é tão "opaco" que ninguém sabia que ele existia, não é mesmo?

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

A ÁRVORE E O FRUTO

A fruta não cai muito longe da árvore. Michel Temer vai ficando cada vez mais parecido com Dilma Rousseff. A troca no Ministério da Justiça - substituindo Osmar Serraglio por Torquato Jardim - tem o indisfarçável objetivo de obstruir os processos a que Temer responde. Ao contrário do que afirma o novo ministro, Temer não está sendo investigado com base em provas não periciadas, Temer está sendo investigado porque confessou seus crimes em cadeia nacional de rádio e televisão. O presidente da República admitiu que se encontrou na calada da noite, nos porões do palácio, com um notório pagador de propinas, para tratar de quem estava no lugar de Geddel Vieira Lima. Temer indicou o deputado Rocha Loures como novo interlocutor e, ato contínuo, Loures é flagrado recebendo uma mala contendo R$ 500 mil. O novo ministro da Justiça de Temer deverá ter o mesmo destino do ministro da Justiça de Dilma: a lata de lixo da história. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

PARA NÃO DEIXAR SAUDADES

Ministros de Temer trocam de cargo. Temer fez isso, provavelmente, para colocar um crítico da Lava Jato na Justiça e um flagrado em grampo com líder de esquema de corrupção na Transparência. O inimigo do mal é o ainda pior. Rejeitado maciçamente pelos brasileiros, dizem que o ainda presidente só está fazendo esta troca para não deixar saudades em ninguém. A Nação espera que o TSE cuide de colocar Temer, ao lado de Dilma, naquele lugar da História do Brasil que ambos tanto fizeram por merecer.  

Jorge A. Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

GOVERNO SOB INVESTIGAÇÃO

Muito boa a entrevista do ministro da Justiça, Torquato Jardim ("Torquato questiona abertura de inquérito contra o presidente", 29/5, A6). Se o presidente Temer tivesse praticado atos ilegais, ele conversaria tranquilamente, de maneira clara, explícita e incisiva, de atos criminosos com seu interlocutor, como dois mafiosos, já que não sabia que estava sendo gravado. Não há nada disso na fita, seja ela legal ou não. O autor do grampo está em Nova York, em paz, sem ser incomodado pelo Ministério Público, que conseguiu ver nessa gravação clandestina os crimes de obstrução de Justiça, corrupção passiva e formação de quadrilha contra o presidente Temer. Fantástico.

Milton Pereira de Toledo Lara t.lara@terra.com.br

São Paulo

*

UMA QUESTÃO CULTURAL

A ponderação do novo ministro da Justiça, Torquarto Jardim, de que a famosa reunião noturna de Temer com o empresário Joesley Batista deveu-se à "cultura parlamentar" do presidente, deverá fazer com que os companheiros petistas alardeiem, aos quatro ventos, que as idas e vindas do "senhor ex-presidente" Lula entre o sítio em Atibaia e o tríplex do Guarujá deveram-se, tão somente, à sua inquebrantável "cultura sub-reptícia".

Luís Lago luis_lago1990@outlook.com

São Paulo

*

O ENCONTRO

A pergunta que não quer calar é: por que teria o presidente Temer concordado em encontrar-se, em caráter reservado, com um dos "bandidos que saquearam o País" (dos quais se disse "vítima")?

Hugo Jose Policastro hjpolicastro@terra.com.br

São Carlos

*

MANOBRA

Se o presidente Michel Temer trocou o ministro da Justiça com o intuito de abafar a Lava Jato, não sobrará um único brasileiro que não o chame de golpista.

Lucia Melchert  luciamelchert@gmail.com

São Paulo

*

TORQUATO JARDIM

Ministro da Justiça ou advogado de defesa?

 

Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo

*

EXPERTISE

O problema de Temer é que nenhum de seus ministros sabe bater escanteio...

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

ABANDONANDO O NAVIO

Maria Silvia Bastos Marques se desligou da presidência do BNDES, alegando problemas pessoais. Ela não foi a primeira a abandonar o navio, deixando o presidente Michel Temer sozinho. O ministro Bruno Araújo balançou, mas ficou. Roberto Freire deixou o Ministério da Cultura no dia 19 de maio. Temer está cada vez mais isolado e os seus aliados querem um governo de coalizão para sucedê-lo. A turma está apavorada e ninguém sabe quem será o próximo a cair. Enquanto ainda estão no poder, os parlamentares arquitetam estratégias para esconder a sujeirada das campanhas eleitorais. Quem viver verá!

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

*

NAUFRÁGIO

Sem apoio popular e com a base aliada saltando do navio a pique, não há governo que possa permanecer à superfície, sem naufragar. O governo Temer colidiu com um gigantesco iceberg e faz água no casco. Em breve, irá submergir. Salve-se quem puder! 

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

NO LIMITE

Senhor presidente Temer, o tempo está passando, o povo está sofrendo e o País está quebrando. O que mais precisa acontecer? Pelo seu gesto de grandeza, antecipadamente, a Nação agradece.

Marcos Catap marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

*

PROVAS EVIDENTES

Ainda repercute nos diversos meios de comunicação, nas ruas, clubes e associações a "invasão" de Brasília pelas Forças Armadas, por decreto presidencial, para conter o vandalismo da última quarta-feira. As opiniões divergem e não chegam a lugar algum. Digladiam-se à toa, afinal, qual é a diferença em mandar as Forças Armadas ao Morro do Alemão, no Rio de Janeiro, e enviá-las ao Planalto Central? Somente o relevo. Uns traficam drogas e armas, outros fazem tráfico de influência e disseminam a corrupção. Quais os piores? Podem dar as mãos, pois não há diferença entre esses crimes hediondos! O decreto foi revogado, e a paz voltou a reinar, por enquanto, em Brasília. Os estragos foram de grande monta e, segundo o ministro da Defesa, Raul Jungmann, a conta deverá ser enviada aos responsáveis pela baderna generalizada que tomou conta da Capital Federal. Que não seja por falta de provas que essa promessa não será cumprida. As evidências tremulavam a céu aberto na Esplanada dos Ministérios, e lá estavam estampados em bandeirolas vermelhas o facão, a foice e o martelo, símbolos da destruição. O verde e amarelo e o lema "Ordem e Progresso" deram lugar à desesperança e à desordem e ao retrocesso.   

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí 

*

O PROCURADOR CONTRA A CONSTITUIÇÃO

O engajamento político do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, é surpreendente. Não satisfeito em oferecer uma escandalosa imunidade completa aos irmãos Batista, da JBS, e pedir o impeachment de Michel Temer, Janot resolveu apoiar as Diretas Já, fazendo o jogo de Lula e de seus seguidores A pergunta é: pode um membro da Procuradoria-Geral da República manifestar-se de maneira antiética, indo na contramão do que está disposto na Constituição, alinhando-se aos anseios de um pentarréu?

Paulo R. Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo

*

MATURIDADE

Não é porque se receia Lula que se vai proteger Temer. Ora, que o Brasil diga não aos dois.

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

*

ELEIÇÕES DIRETAS

Li no domingo (28/5), no "Estadão", Eliane Cantanhêde e Vera Magalhães promovendo campanha por eleições indiretas. Por que fazem isso? Qual é a lógica de defender que o Congresso Nacional, com mais de 200 investigados, escolha o sucessor de Michel Temer? Pela continuidade das reformas? Em editorial, o "Estadão" já disse que eleições diretas são uma falácia, um oportunismo que favorece um grupo político. E indiretas? Favorecem a quem? As indiretas não seriam, então, oportunismo daqueles que querem a supressão dos direitos sociais, favorecendo um grupo econômico? Uns dizem que não convém alterar a Constituição, mas são os mesmos que defenderam a PEC 241, que destruiu as bases da nossa Carta Magna. Os que rejeitam a PEC das Diretas são os mesmos que não respeitam a seguridade social da Constituição ao defenderem a reforma da Previdência. Ora, se querem Meirelles, FHC, Tasso ou Maia na sucessão de Temer, não bastaria que eles se candidatassem nas eleições diretas? Mas não... Os defensores das indiretas não querem o povo nas urnas. Querem que os "iluminados" senhores dos negócios escolham por nós. Os defensores das indiretas ecoam que "o povo não sabe votar", que é melhor deixar que os "entendidos" de economia, de mercado, escolham o ungido sucessor. Defender que uma minoria carente de legitimidade e representatividade real, o Congresso, decida algo contrário ao desejo do povo é democracia? É democracia um sistema em que a bancarrota de um governo termine na continuidade dos programas que esse mesmo governo ilegítimo, destruído, propôs? "Todo poder emana do povo" - é o princípio essencial da Constituição a ser defendido neste momento. Eleições diretas já!

Fábio Coutinho Silva fabioestiva81@gmail.com

Cerqueira César

*

GOLPE

Este negócio de Diretas Já, sabendo que a Constituição determina o contrário, ou seja, eleições indiretas, é um golpe contra o Estado Democrático de Direito. Querem mudar o jogo aos 45 minutos do segundo tempo. Uma vergonha. Ainda bem que o Congresso Nacional não irá aprovar uma emenda constitucional nesse sentido. Dia 6 de junho é o encontro marcado para o fim do governo Temer. E que depois dele seja escolhido um nome para a conciliação nacional. 

Reinner C. de Oliveira reinnercarlos1970@gmail.com

Araçatuba

*

APRENDER A VOTAR

Se nós vivêssemos numa nação ética, não teríamos corrupção. Como sociólogo, vejo que a corrupção é um comportamento social. Existe uma aceitação da população, pois só se fala que os partidos políticos são culpados, mas acabamos de trocar de partido no poder, tiramos o PT e colocamos no lugar o PMDB, e as denúncias de corrupção continuam. Agora, o povo quer novamente tirar o PMDB do poder. Será que o novo partido a assumir a Presidência vai resolver? O que precisamos, mesmo, é aprendermos a votar, pois só assim teremos um País sério.

Francisco Jose Cardia fra.cardia@hotmail.com

São Paulo

*

INDULTO?

Fala-se nos corredores do poder, em Brasília, que a "solução" para a sucessão de Michel Temer passaria, entre outras coisas, por um indulto para o ex-presidente. Indiretamente, esse indulto beneficiaria também Dilma Rousseff e Lula. Essa solução lembra muito a sentença de um juiz de uma pequena comarca que julgava um caso de roubo de dois patos por um cidadão muito benquisto pela população. Lavrada a sentença, publicou-se: "O réu é declarado inocente, desde que devolva os patos". No caso de Temer, Dilma e Lula, parece que a devolução dos "patos" não será pré-requisito para a absolvição.

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

A PORTAS FECHADAS

Li num canto de jornal que o ex-presidente Lula reuniu-se num hotel, a portas fechadas, com dezenas de juristas para discutir a situação do País. O grupo não pôde entrar com celulares. Pergunto: se é verdade que todos eram juristas, que perfaziam dezenas, entre eles não há nenhum que aceita que Lula tenha participado desta corrupção gigantesca que nos envergonhou perante o mundo civilizado? Se pensam assim, então tenho o direito de acreditar que todos eles acham Lula um incompetente, né, não? Ficou oito anos direto no poder e jamais sentiu a mínima carniça espalhada pela corrupção que se organizou neste período? Não há terceira alternativa, nem mesmo ser um inocente útil. Se não é culpado, é incompetente, então, com que direito tem esta triste figura para o País de pleitear novamente concorrer à Presidência da República? 

Laércio Zannini spettro@uol.com.br

São Paulo

*

LULA E A CORRUPÇÃO

Em princípio, fiquei indignado com a colocação do sr. Lula da Silva de que ele poderia ensinar ao nosso Brasil como acabar com a corrupção. Sou contemporâneo do moço em idade e função, sou químico metalúrgico. Raciocinando à luz dos fatos, sou obrigado a admitir que realmente ele tem conhecimento suficiente para, se não acabar, pelo menos, dificultar a corrupção. Disso ele entende. Explico: a história é parecida com aquele sujeito que tinha uma esposa e uma amante, e contra aquela sacava de todas as histórias e álibis possíveis para estar com a segunda. Ocorre que o mencionado ficou viúvo, e inexoravelmente a segunda passou a ser a esposa. Contumaz, reincidente, a exemplo do referido Silva, arguido se agora a situação estava acomodada, a resposta foi negativa - agora ela sabe tudo o que eu fazia para escamotear a situação. Espero que o povo brasileiro tire suas conclusões. Não que queira que o moço volte para demonstrar seu expertise.

Benedito Antonio Turssi turssi@ecoxim.com.br

Ibaté

*

QUANDO SE DESCOBRE O LADRÃO

Guido Mantega foi ministro da Fazenda nos governos Lula e Dilma. Foi ministro da Fazenda e ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão do governo Lula. Foi o ministro da Fazenda no primeiro governo Dilma Rousseff, sucedido no cargo pelo ex-secretário do Tesouro Joaquim Levy. Pois bem, esse senhor confessou ter enviado dinheiro ao exterior sem declarar. Pergunto ao cidadão brasileiro: como você está se sentindo sabendo o quanto paga de imposto neste país, o quanto vem sendo roubado nesses anos todos e sabendo que seu chefe é o maior ladrão do dinheiro público? É para os petistas estarem indignados? Só se estão porque foram descobertos, mas nós, que não participamos dessa sujeira, temos o dever de exigir cadeia a estes canalhas e o nosso dinheiro de volta. 

 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

FIM DO MUNDO

O "honesto" governo do PT tinha até o ministro da Fazenda Guido Mantega envolvido em crime de evasão de divisas. E não é tudo...

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

'AUTORIDADE E VANDALISMO'

Excelente o artigo de Denis Lerrer Rosenfield, "Autoridade e vandalismo", no "Estadão" de 29 de maio (página A2). Mais claro e cristalino, impossível. E a única maneira de conter os vândalos do lulopetismo me parece ser o corte da contribuição obrigatória aos sindicatos. Sem dinheiro para financiar a baderna, estes vagabundos criminosos ficariam em casa.

Lucia Mendonça luciamendonca@terra.com.br

São Paulo

*

GAFES DE CRISTINA KIRCHNER

Cristina Kirchner deu uma entrevista para a única rádio que sente saudades do horror do governo dela e dos tempos de destruição da Argentina, e, notavelmente desequilibrada, disse que "o presidente Michel Temer é ridículo e brega", mal sabendo que cometeu duas gafes: primeiro, o presidente Temer é um homem culto, que exala elegância; e segundo, "brega", no Brasil, é um elogio, o povo ama. Sinceramente, eu particularmente adoraria ser chamado de "cafona" ou "brega" pela mulher mais cafona da história do mundo, só comparada a Margarida, namorada do pato Donald das lindas histórias de Walt Disney.

Roberto Moreira da Silva  Rrobertoms@uol.com.br

São Paulo

*

A 'PRINCESINHA' RUBORIZADA

Há muito tempo não se via um nevoeiro tão denso quanto o que cobriu o Rio de Janeiro no final da tarde e início da noite de domingo. Copacabana, a princesinha do mar cantada pelos poetas, ficou irreconhecível. Talvez fosse um rubor natural pelos populistas travestidos de políticos, sindicalistas e artistas que a invadiram clamando pela volta do desgoverno do qual pouco menos de um ano nos livramos. Mas o povo não é bobo, e por lá pouco apareceu.

Marco Antonio Esteves Balbi mbalbi69@globo.com

Rio de Janeiro

*

SHOW DE CONTRADIÇÕES

 

"Soy loco por ti, America" é uma das canções mais conhecidas de Caetano Veloso, ativista das causas esquerdistas. A ele, na tarde do último domingo, se juntaram numa manifestação na orla  de Copacabana (RJ) "figurinhas carimbadas" do meio artístico, como o ator Wagner Moura, Mano Brown, Criolo, e personalidades não menos notórias do meio político, como Wadih Damous e Lindbergh Farias (PT-RJ), Alessandro Molon (Rede-RJ) e outros da confraria rubra. Pediam "Fora Temer" e "Diretas Já".  Faz um ano, aliás, que pedem a saída do presidente por ser, supostamente, "golpista" ou "ilegítimo" no cargo, embora  tenham sufragado a chapa com seu nome na eleição de 2014. Orgulham-se, também, da Constituição "Cidadã" de 1988. Referida Carta prevê, em seu art. 81, § 1.º,  eleições indiretas para o caso de vacância do cargo presidencial num contexto como o presente, mas, alheios a tudo, gritam por "Diretas Já". Em 2016 essa mesma turma urrava ser "absurdo" acabar com o Ministério da Cultura, mas há dias seus companheiros de credo e de luta incendiaram e destruíram partes deste e de outros ministérios importantes em Brasília - nova contradição. Para não me alongar, finalizo com uma constatação: pedem, aqui, eleições diretas, mas, "loucos pela América" e internacionalistas que são,  esquivam-se de pedir o mesmo para a vizinha Venezuela, cujo desgoverno - absolutamente ilegítimo - é ostensivamente apoiado pelo PT e demais partidos "vermelhos". Agindo assim, nossos artistas, que se acham grandes "humanistas",  ignoram a fome, a dor, a penúria e a ausência de liberdade do sofrido povo daquele país. Segundo Lula, e malgrado tudo, o regime chavista trouxe "excesso de democracia" ao país vizinho, e, dito isso, ninguém da ala "mortadela" se atreve a tocar no assunto. Alguém se habilita a explicar como funciona a cabecinha deste pessoal?

 

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

INTELIGÊNCIA DE ESQUERDA    

O presidente da CUT, Vagner Freitas, declarou que a entidade não apoiará presidente indicado, nem que ele seja de esquerda ("Estadão", 30/5, A6). Tempos atrás, quando do impedimento de Dilma Rousseff, os partidos ditos de esquerda também juraram não apoiar qualquer proposta que partisse do novo governo, ainda que elas fossem benéficas ao País, além de terem prometido pôr fogo no Brasil. Ao cumprirem as promessas, como de fato estão fazendo, demonstram sua verdadeira face, raivosa, odienta. Com tal comportamento, colocam por terra seu pretenso desejo de diálogo e democracia. Na realidade, não têm um pingo de amor pela Pátria (e muito menos pelos pobres, que dizem defender), mas tão somente apego ao poder absoluto, do qual não suportam ficar afastados, sem as costumeiras benesses. Wagner Moura faz "discurso" na praia jurando que vai ensinar aos netos o que significa luta pela democracia... Discurso patético, tão inteligente e profundo que Rui Barbosa ficaria roxo de inveja. Até quando suportaremos tanta falsidade, ainda por cima acompanhada de atos violentos?

 

Edméa Ramos da Silva paulameia@terra.com.br

Santos

*

OS ARTISTAS E O  'FORA, TEMER'

Preocupou-me o grito de "Fora Temer" proferido por Caetano Veloso na manifestação do dia 28/5, na Praia de Copacabana. A minha preocupação não é pelo motivo de o artista ter pedido a saída do presidente da República, mas, sim, pelo receio de que ele  esteja com iscnofonia (fraqueza  da voz). O brado saiu tão suave... Tomara que não seja nada disso que estou pensando. Eu ainda quero vê-lo cantando bastante a canção "Gosto tanto de você, leãozinho". Fiquei feliz em ver artistas que há muito tempo estão encostados e fora da telinha. Como mudaram! Tomara que eles consigam retornar após as manifestações. 

 

Jeovah Ferreira jeovahbf@yahoo.com.br

Taquari (DF) 

*

CHUVAS NO NORDESTE

Já não chega a malfadada crise política que se agrava em nosso país, somos impactados pelos estragos que a mãe natureza está impondo aos Estados de Alagoas e Pernambuco. Pessoas ilhadas, casas invadidas pelo excesso de chuvas torrenciais e mortes desoladoras nos mostram cenários sombrios de toda espécie. As providências para evitar essas catástrofes nunca foram tomadas, como sempre. Até quando os desvalidos serão martirizado por estes fatos, causadores de tanto sofrimento? 

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

O RESULTADO DA INCOMPETÊNCIA

Vemos, agora, que os "malfeitos" durante os 13 anos de poder não se resumem a corrupção, desvio de dinheiro público, contas no exterior e doação de dinheiro público para países de regimes totalitários. Associadas a isso estão a incapacitação e a incompetência dos dirigentes. 13 anos atrás, quando da maior enchente no Norte e no Nordeste, o dirigente que havia assinado o Protocolo de Kyoto prometeu fazer 7 barragens de contenção nos rios que poderiam inundar Alagoas, Pernambuco, etc. Meteram-se a fazer a transposição do Rio São Francisco, que abrangia três Estados, e captaram maior número de votos. Deu no que deu agora: só uma barragem superfaturada mal e porcamente terminada. Resultado: dezenas de mortos, centenas de desaparecidos e milhares de desabrigados. E os responsáveis, direta ou indiretamente, flanando. Para não terminar aí, o sr. Michel Temer (eleito pelos petistas) aprova uma medida no Senado que vai permitir maior desmatamento de reservas naturais. Um desmatamento que vai se tornar pasto e aumentar a população de "Boi Atleta", com maiores gastos em vacinação contra a febre aftosa (só em Minas Gerais são 14 milhões de cabeças), e boi itinerante. Nosso conceito  de sanidade do rebanho (só Indonésia, 250 milhões de habitantes, não compra carne bovina com medo da aftosa, embora o Brasil faça as vacinações periódicas), ainda mais com nossas fronteiras vulneráveis e um ministro da Defesa não militar. Só nos resta apelar à OAB. Autarquia Pública Federal, única entidade não governamental e portanto apolítica que pode propor ação direta de inconstitucionalidade para a famigerada lei (art. 103 inciso VII). Transformá-la em crime de lesa Pátria. É isso aí! E que Deus continue brasileiro, e não faça como uma Sodoma.

Flávio Prada flavioprada39@gmail.com

São Paulo

*

O CRACK EM SÃO PAULO

 

A presença do crack em 558 dos 645 municípios paulistas, constatada pela pesquisa da Confederação Nacional dos Municípios, é a prova de que as políticas de combate às drogas não têm sido eficientes. Considerando que não produzimos drogas, impedir a sua chegada é fundamental. Sabemos que a maioria das drogas consumidas em território brasileiro vem do Paraguai, da Bolívia, do Peru e da Colômbia. Uma primeira medida para combatê-las seria a vigilância eficiente das fronteiras com esses países, para dificultar a logística de transporte. As polícias rodoviárias deveriam ser mais bem equipadas, com serviço de inteligência, armamento pesado, veículos blindados, câmeras, sensores e outros meios para monitorar veículos suspeitos e seus ocupantes. É clássica a afirmação de que a forma de acabar com uma guerra é cortar suas linhas de suprimento. O viciado deve ser tratado como problema social e de saúde pública, só cabendo o uso da força estatal se for para a sua proteção. Todos os trabalhos que se têm realizado nesse sentido pecam pela falta de uniformidade, integração e até de continuidade. Muitos deles não seriam viciados e até deixariam o vício se a droga não lhes viesse às mãos. Se quiser resolver o problema, o Estado tem de impedir a chegada das drogas preparado para acolher e tratar suas vítimas. O crack é um gravíssimo problema nacional, maior até que a corrupção que hoje escandaliza todos os brasileiros.

 

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

ATESTADO

A notícia de que, das 645 cidades de São Paulo, 558 estão contaminadas pela doença do crack é um atestado de que não só a cidade de São Paulo, mas todas as cidades com problemas de ordem social não têm dos governantes a atenção eficaz que merecem. 

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

COMPETÊNCIA

O nosso brilhante alcaide, em mais uma demonstração de extrema competência, acabou com a "cracolândia" e criou a "Princesaisabelândia". É muita competência para o meu gosto!

José Claudio Marmo Rizzo jcmrizzo@uol.com.br

São Paulo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.