Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

06 Novembro 2017 | 03h00

PROJETO PARA O BRASIL

O tempo urge

Já certo de que ficará no poder, é hora de o Poder Executivo da União orquestrar um projeto de governo para o ano que lhe falta para terminar o mandato. Aqueles que carregaram malas ou esconderam dinheiro que se entendam com a Justiça. O País é maior que eles todos. Michel Temer é um hábil negociador de bastidores, então, que use suas qualidades nesse sentido. O Legislativo deveria juntar-se a esse projeto, já que ao menos teria a possibilidade de um trabalho útil ser reconhecido pelo povo, às vésperas das eleições. Já o Judiciário deveria deixar a verborragia de lado e julgar com maior rapidez casos que possam contribuir para a estabilidade política do País. Por bem ou por mal, há que definir, não há como o País continuar em compasso de espera por mais tempo. Temos de seguir em frente.

SERGIO HOLL LARA

jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba 

PSDB

Tucanos sem rumo

Perfeitas as conclusões do jornalista João Domingos em Tucanos amadores (4/11, A6). Sem partir para a definição de um agressivo programa de enxugamento da máquina pública e de um vigoroso combate à corrupção - itens que o eleitorado deseja como opção de centro -, o PSDB enterra as esperanças dos brasileiros que querem um nome que represente renovação. No seu programa, como bem lembra o jornalista, o PSDB defende reformas estruturais e a redução dos custos, “mas tenta esconder isso do eleitor”. Exemplo é sua vitrine, São Paulo, onde, sem imaginação e sem coragem de reduzir o tamanho do Estado, parte para um medíocre e demagógico congelamento do salário do governador como única forma de resolver o equilíbrio fiscal. O PSDB tem de entender que o eleitor - vacinado por tantas mentiras - nas próximas eleições vai exigir dos candidatos competência, honestidade e, sobretudo, autenticidade. E terão de se revelar mais por atos do que por palavras. 

NILSON OTÁVIO DE OLIVEIRA

noo@uol.com.br

Valinhos

TSE

Antecipação de campanha

Demorou muito para o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tomar uma atitude contra quem já iniciou sua campanha para as eleições de 2018, no caso, Lula e Bolsonaro. Lula montou uma caravana para percorrer o Brasil, com ônibus de luxo pintados mostrando isso claramente a todo o País. Bolsonaro opera pelas redes sociais. Detalhe: Lula é réu condenado, pode ser impedido de se candidatar e a presidente do seu partido está, via internet, pedindo fundos para financiar a caravana. Uma verdadeira agressão aos brasileiros. Ambos devem ser punidos, mas o PT comete crime eleitoral.

CARLOS E. BARROS RODRIGUES

ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

Antes tarde que nunca

Finalmente o TSE está acompanhando o Lula e o deputado Jair Bolsonaro por suspeita (sic!) de campanha eleitoral antecipada. Durante 17 dias o “cara” percorreu o Nordeste (BA, CE, PB, PE, RN, SE) com discurso de candidato, rodeado de faixas da CUT e do MST bem explícitas, como “eleição sem Lula é fraude” e “o Brasil precisa de Lula”. Se fosse um mortal qualquer, Lula seria intimado a esclarecer detalhadamente o que anda fazendo e, provavelmente, multado pesadamente por burlar a legislação eleitoral. Mas não sendo todos iguais perante a Justiça, o TSE não tentou barrar a farsa enquanto se desenrolava. Prestariam enorme serviço ao Brasil o TSE e o Tribunal Regional Federal da 4.ª Região, em Porto Alegre, se julgassem, respectivamente, este episódio e a sentença de condenação de Lula pelo juiz Sergio Moro, bem antes de 15 de agosto de 2018, data-limite para os partidos registrarem seus candidatos à Presidência da República. Afinal, o que não falta são provas de atos ilícitos.

OMAR EL SEOUD

elseoud.usp@gmail.com

São Paulo

País engessado

Uma palhaçada, pensei ao ler a manchete deste sábado, triste e vazio, de feriadão. Baseado em lei, o TSE julga Bolsonaro e Lula por antecipação de campanha. Até parece coisa de país sério, mas não é. É coisa de país engessado por leis anacrônicas e inúteis, que só servem para dar emprego a uma massa de burocratas que custam fortunas aos cidadãos úteis ao País. Que importância tem que se lancem campanhas eleitorais a qualquer momento, desde que a custo próprio? Leis são necessárias para regular direitos e deveres em prol da justiça entre os cidadãos. Leis desnecessárias atravancam o País e, sendo aberrações, provocam a reação para burlá-las com propinas. Nada disso é necessário, é volume morto que não permite a decolagem do País. Fora! Vamos soltar as amarras e navegar para melhores destinos!

GILBERTO DIB

gilberto@dib.com.br

São Paulo

VIOLÊNCIA E CRIME

A verdade incomoda

Está claro para qualquer cidadão bem-intencionado e medianamente informado que a extensão alcançada no Rio de Janeiro pela violência só pode ser obra de grupos bem organizados, com logística bem programada, subordinação intencional e pagamento especificado por grupo ou cabeça. Não se trata da ação de amadores, curiosos ou infantilizados pretendendo enganar o dono do pomar de onde roubam laranjas. Portanto, não dá para entender por que tanta celeuma em torno das palavras do sr. ministro da Justiça. Se o Rio de Janeiro tivesse feito a sua lição de casa, combatendo com inteligência e vontade política a violência, esta não estaria totalmente acabada, é certo, mas sob condição de controle, o que não é o caso. Certamente há quem ganhe com essa situação. Se todos estivessem perdendo, isso já faria parte do passado!

ARLETE PACHECO

arlpach@uol.cvom.br

Itanhaém

JABUTICABAS

Tomada de três pinos

Recorro ao Fórum, pois de nada adiantaria perguntar diretamente. Outro dia fui comprar uma tomada conversora de padrão novo, com entrada de três pinos e saída de dois. Fui informado de que por decisão do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) ela foi proibida. O Inmetro quer (exige) que se instalem tomadas de três pinos. Pergunto: posso ter instalação correta em casa ou no trabalho, tudo com três pinos e aterrado, mas preciso fazer um trabalho fora e o local não tem nenhum ponto de três pinos, como fica? Perco o serviço? Arranco o terceiro pino do meu equipamento? Ou faço outra gambiarra? Regulamentar está certo, mas com foco e analisando todas as situações.

FILIPPO GALANTE

fgalante@globaledi.com.br

Florianópolis

CONTINUA A INDÚSTRIA DE MULTAS

 

Sob o pretexto de redução de acidentes de trânsito, a Prefeitura de São Paulo vai investir em fiscalizar o motorista pela velocidade média que ele leva de um ponto a outro em determinadas vias. Em Israel, por exemplo, onde não existem pedágios, as estradas já usam esse sistema de medir o tempo que o motorista leva para fazer o percurso. Aqui, no Brasil, a finalidade é apenas multar. As vias continuam esburacadas, os semáforos, queimados e ou desligados, os motoristas são assaltados sempre nos mesmos lugares, mas a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) está preocupada com acidentes. É crível uma mentira mais deslavada do que esta, quando se sabe que o que está por trás é a indústria das multas? Nossa cidade tem um trânsito caótico, mas não vemos preocupação da Prefeitura em investir em melhoras, só em penalizar o motorista. Como não haverá multas, quem garante que o cidadão não será multado, já que o secretário Sérgio Avelleda aguarda uma resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran)? Prefeito Joao Doria, sua administração é uma decepção! O senhor já sabia das velocidades impostas por Fernando Haddad e, agora, aceita mais esta excrescência?

 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

 

*

SEGURANÇA NO TRÂNSITO

 

Nada contra investimentos em infalíveis radares para segurança no trânsito, mas não deveriam também investir nos sempre falíveis semáforos?

 

Luiz Frid  luiz.frid@globomail.com

São Paulo

 

*

EXCESSOS

 

É muita punição para os motoristas, sem nenhum resultado prático, educativo e muito menos seletivo. Este excesso de punição precisa ser revisto pelas autoridades do trânsito. Os erros dos motoristas não têm um peso qualitativo e também não são quantitativos, ficam todos no genérico.

 

Arcângelo Sforcin Filho arcangelosforcin@gmail.com

São Paulo

 

*

CRIMES IMPUNES

 

Motorista que estourar limite de 20 pontos perderá CNH por seis meses. Não adianta nada este aumento no prazo de suspensão da CNH se aqueles que, mesmo com ela suspensa, continuam dirigindo e assassinando pessoas inocentes. O grande problema tanto para estes crimes como para todos os demais que são praticados em nosso país é a impunidade. Exemplos não faltam, sendo um dos mais chocantes aquele em que uma motorista alcoolizada, com a CNH suspensa, atropelou e matou 3 inocentes que estavam no acostamento da Marginal do Rio Tietê. Em menos de 30 dias, nossa “injustiça” liberou-a da prisão. Se continuar assim, nem 60 anos de suspensão da CNH dão jeito.

 

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br

São Caetano do Sul

 

*

A QUEM INTERESSA

 

Punições severas a infrações de trânsito? Só para enriquecer despachantes e corruptos. Não, não e não! Chega de sermos escravos destes bandidos no Brasil, carinhosamente chamados de governo.

 

Roberto Moreira da Silva  rrobertoms@uol.com.br

São Paulo

 

*

PONTOS NA CNH

 

Peço que se manifeste algum motorista que já foi multado e recorreu por entender ou ter certeza e prova de que a punição foi indevida, teve reconhecida a sua reclamação e cancelada a multa monetária e seus respectivos pontos desconsiderados. Basta um único que se enquadre nessa situação! Não tem! Pior é que a multa é aplicada por quem tem metas para atingir e é apenas um funcionário público. E, agora, terceirizaram a aplicação da multa. Que Justiça é esta?

 

Jair Nisio jair@smartwood.com.br

Curitiba (PR)

 

*

2018

 

A um ano das importantíssimas eleições de 2018, o surpreendente resultado da primeira pesquisa Ibope sobre a corrida presidencial revela que Lula e Jair Bolsonaro lideram as intenções de votos e podem disputar o segundo turno. Como se já não bastasse o País atravessar a mais aguda e severa crise política, econômica, ética e moral de sua história, com milhões de desempregados, indústria, comércio e serviços em situação extremamente delicada e precária, corremos o seriíssimo risco de ver no comando do poder central ou o chefete do cleptolulopetismo ou a extrema-direita verde-oliva. Em qualquer um dos casos, o desastre seria de proporções e consequências imprevisíveis. Diante dos fatos e do ameaçador prognóstico da pesquisa, cabe registrar a oportuna e louvável iniciativa do prefeito João Doria Jr. (PSDB-SP) de propor a criação de uma união de partidos “de centro” para lançar candidato único à Presidência da República. Como bem disse, “tanto Lula quanto Bolsonaro estão bem fortalecidos. É muito triste que tenhamos apenas essas duas opções, de extrema-esquerda e extrema-direita. Os extremos se tocam e destroem. O Brasil precisa buscar uma candidatura de centro. Não será pela extrema-esquerda nem pela extrema-direita que se vai salvar o Brasil”. Tal qual ocorreu na França com a vitória de Macron, este ano não há dúvida de que o caminho do meio é o mais indicado e acertado para o Brasil retomar seu rumo e seguir adiante. Por oportuno, cabe citar Aristóteles, que, em sua obra “Ética a Nicômaco”, ponderou com profundidade e sabedoria: “Virtus in medium est (a verdade está no meio)”. Acelera, Brasil!

 

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

 

*

PREOCUPAÇÕES

 

Estou muito preocupada com a eleição presidencial do ano vindouro! Depois de um apedeuta e de uma incompetente, surgem nomes como o de Luciano Huck. Quais são suas qualidades e competências para o cargo mais importante do País, principalmente agora, após o tsunami que o destruiu durante 13 anos? Ser apresentador de TV não me parece grande credencial, ainda mais porque começou explorando o corpo da mulher (vide Tiazinha e Feiticeira) para adolescentes.

 

Diva Azevedo Andrade diva.am@uol.com.br

São Paulo

 

*

COMPARAÇÕES

 

Quem coloca Bolsonaro e Lula no mesmo “saco” é, no mínimo, um grande idiota e mal-intencionado, principalmente se, simultaneamente, elogiasse Luciano Huck. Quem anda a fazer isso é o prefeito de São Paulo, que melhor faria se cumprisse bem o mandato para o qual foi eleito, graças ao prestígio do governador do Estado paulista.

 

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br

Campinas

 

*

UM DEBATE EM 2018

 

Fico imaginando, numa possível atitude do Poder Judiciário de até o ano que vem ainda não ter confirmado a prisão do ex-presidente Lula, ele atrevidamente apresentar-se como candidato para disputar a Presidência da República em 2018. E, num debate político diante das câmeras de televisão, caso Lula não fuja, Jair Bolsonaro lhe perguntar: durante os 13 anos de governo petista, onde foi que os governos Lula/Dilma enfiaram o dinheiro que causou o maior rombo de toda a história brasileira nas contas públicas e que provocou o desemprego de quase 14 milhões de trabalhadores?

 

Benone Augusto de Paiva benonepaiva@gmail.com

São Paulo

 

*

DE COLLOR A LULA

 

Uma pérola para os anais da história política do Brasil é a imperdível entrevista concedida por Lula, em 1993, ao jornalista esportivo Milton Neves, que na época trabalhava na Rádio Jovem Pan, e na qual fez críticas duras ao ex-presidente Fernando Collor de Mello, logo após o seu impeachment. Milton Neves fez a seguinte pergunta ao hoje ex-presidente, já condenado por corrupção e formação de quadrilha a 9 anos e 6 meses de prisão e réu em mais 6 ações: Luiz Inácio Lula da Silva, você tem pena de Fernando Afonso Collor de Mello?! E o prolixo Lula respondeu: “Tenho, eu (...) não é que tenho pena, como ser humano, eu acho que uma pessoa que teve a oportunidade que aquele cidadão teve de fazer alguma coisa de bem para o Brasil, um homem que tinha respaldo da grande maioria do povo brasileiro, ou seja, ao invés de construir um governo, construiu uma ‘quadrilha’, como ele construiu. Me dá pena porque deve haver qualquer sintoma de debilidade no funcionamento do cérebro do Collor”. E Lula segue falando: “Efetivamente, eu fico com pena, porque eu acho que o povo brasileiro esperava que essa pessoa pudesse pelo menos conduzir o País, se não com uma solução definitiva, pelo menos com indícios de soluções para os graves problemas que vivemos. Lamentavelmente, a ganância, a vontade de roubar, a vontade de praticar corrupção fez com que o Collor jogasse o sonho de milhões e milhões de brasileiros por terra. Mas, de qualquer forma, eu (Lula) acho que foi uma grande lição que o povo brasileiro aprendeu, e espero que o povo brasileiro em outras eleições escolha pessoas que pelo menos eles conheçam seu passado político”. Assim pensava o ex-metalúrgico Lula! E prometia, nas várias campanhas eleitorais de que participou antes de chegar ao Planalto, que iria combater de forma implacável a corrupção, que levaria eficiência às nossas estatais, respeitaria os recursos dos contribuintes e que jamais faria aliança política em troca de apoio no Congresso com partidos corruptos... Aliás, para Lula, tirando os petistas, todos os políticos eram corruptos e incompetentes. Que ilusão! Blefe e farsa de Lula! O ex-presidente Fernando Collor, perto dos bilhões de reais que Lula, seu PT e aliados desviaram das nossas estatais, foi um ladrãozinho... A quadrilha que Lula diz que Collor formou eram ele próprio e o já falecido PC Farias. Já Lula corrompeu, conforme consta nas investigações da Lava Jato, um terço dos senadores e no mínimo 25% dos deputados federais. Além de prefeitos, governadores, ministros, dirigentes das estatais, etc. Será que vamos aprender com essa triste lição deixada pelo PT de Lula? Ou vamos continuar elegendo para o Planalto um petista farsante como Lula?

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

CANOA FURADA     

 

Eu sonho com as próximas eleições sem Lula.  Chego a me arrepiar quando ouço que ele poderá ser eleito em 2018. Tenho muita esperança de que isso não acontecerá. Acredito piamente em que o povo brasileiro não cometerá tamanha covardia com a nossa pátria. Não é possível que depois de tudo o que ele e seus asseclas fizeram com o nosso país, durante os 13 anos em que fingiram governá-lo, ele volte ao Palácio do Planalto. Eu quero Lula noutro lugar. Eu quero vê-lo onde até o banho de sol é cronometrado. Não me importa que lá ele seja líder. Brasileiros e brasileiras, somos livres para escolher, mas, se escolhermos mal, as consequências podem ser trágicas. Vejam só o que estamos enfrentando desde 1.º de janeiro de 2003. Não podemos embarcar mais uma vez numa canoa furada.                                                          

 

Jeovah Ferreira jeovahbf@yahoo.com.br

Taquari (DF)

 

*

HUMILHAÇÃO

 

Lula solto e falando por aí é uma humilhação para o povo brasileiro!

 

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

 

*

A APOSTA EM BOULOS

 

O líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, é a aposta do hexarréu Lula para o Palácio do Planalto. Como se sabe, a tigrada petista invadiu um terreno de 70 mil2 em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, e lá instalou mais de 7 mil famílias. Não contentes, marcharam até o Palácio dos Bandeirantes. Após nove horas de caos causado ao trânsito e, especialmente, às pessoas que pretendiam trabalhar – é o que falta à maioria do MTST –, conseguiram chegar ao destino. O lema era “sem sacrifício a gente não consegue as coisas”. Viva Lula, viva Boulos e viva o MTST. O País agradece!

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

 

*

A QUESTÃO É POLÍTICA

 

Com certeza boa parte dos participantes da marcha pela moradia é composta, por exemplo, de baianos e maranhenses. Certamente, naqueles Estados, o problema da falta de terra ou de teto deve ser mais grave do que aqui, mas lá não fazem marcha, manifestos ou protestos. Por quê? Porque são Estados governados, respectivamente, por políticos do PT e do PCdoB. O que pretendem, na verdade, aqui em São Paulo é desgastar políticos adversários.

 

Marco Cruz mm.cruz23@gmail.com

Vinhedo

 

*

MARCHAS POR MORADIA

 

Acho que estes movimentos, todos patrocinados pelo PT, que faliu o País, já ultrapassaram todos os limites do aceitável. Até quando São Paulo terá de acolher, amparar e dar casa, escola, creche, hospital,  etc. a pessoas que vêm de outros Estados, cujos governantes são eleitos e reeleitos por estas mesmas pessoas e não respondem pelas suas responsabilidades sociais como educação, saúde, emprego, etc.? Creio que está mais do que na hora de o governo de São Paulo, tanto municipal como estadual, dar um basta nas ações destes quadrilheiros que organizam esses movimentos.

 

Vitor de Jesus vitordejesus@uol.com.br

São Paulo

 

*

SOBRE GENÉTICA E A POLÍTICA

 

Assim como Edinho, filho de Pelé, em nada herdou a singularidade do gênio, seu progenitor; ou na arte Gabriela Duarte jamais será a “namoradinha do Brasil”, como foi sua mãe; ou Sasha, maravilhosa, não será a “rainha dos baixinhos” na proporção da fama de sua mãe, o mesmo nas ciências biológicas e exatas. Por que, então, tantos descendentes insistem em prosseguir a “carreira dos pais”, como se isso fosse possível? Para não provocar Estados nordestinos dominados por famílias, que mais parecem oligarquias, fico em meu Estado de São Paulo, onde, como informa a matéria “Covas cogita governo e pressiona Doria” (“Estadão”, 2/11), o neto de Mário Covas, com 37 anos, aceitaria ser “boi de piranha” na campanha ao governo de São Paulo para que Doria contente-se com o governo do Estado e abra caminho para Geraldo Alckmin fugir das prévias do PSDB e ser desde logo aclamado candidato à Presidência da República. Não, não me lembro na vida política do avô de algo de tamanha “abnegação”, “subserviência”. Será que o avô concordaria, nestes tempos amargos, em criar uma secretaria de Estado apenas para “acomodá-lo” no governo com o qual pode vir a concorrer em 2018? Isso pode parecer o retrato de José Serra (quanto à ambição) ou de Rodrigo Maia (quanto à perenidade ideológica), enfim, mas nunca parecido com Mario Covas. Existem governantes que deixam um “buraco” na vida pública que nem mesmo a genética dá jeito.

 

Andrea Metne Arnaut andreaarnaut@uol.com.br

São Paulo

 

*

JOÃO DORIA

 

Doria, Doria, será que você começou a trilhar o caminho da maioria dos nossos políticos? Espero que não, né, prefeito?

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

TEMPO DE SOBRESSALTOS

 

Observa-se que o cidadão brasileiro está vivendo um período de grande sobressalto na sua vida. Na política, nada sabe o que irá acontecer, os governantes, em nome da democracia, estão passando para a agressividade no linguajar e, se assim continuarem, logo passarão para os tapas. Ou seja, agressão física. Os corruptos continuam, pois sabem que não serão condenados, provavelmente o fabricante de tornozeleiras irá à falência. A economia está andando de “muletas” e é alto o número de desempregados. Na saúde, a febre amarela está de volta e logo mais será a vez da dengue. Mas o que atormenta mais o habitante esclarecido é a volta da “Jararaca” ao poder, ou, melhor, do ex-presidente Lula, que goza de grande prestígio nos meios de comunicação e já está em plena campanha eleitoral, ao arrepio da lei... Durmam com esta!

 

José Millei millei.jose@gmail.com

São Paulo

 

*

TABELA DO IR

 

Além do arrocho salarial a ser implementado em 2018 (“Servidor não terá reajuste”, “Estadão”, 31/10), estamos sendo “assaltados” também com a não correção da tabela do Imposto de Renda (IR), defasada – e muito – em relação à inflação. Estranho a pouca importância que a mídia dá a esse verdadeiro assalto aos trabalhadores.

 

Luiz A. Amaro da Silva zulloamaro@hotmail.com

Guarulhos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.