Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

13 Novembro 2017 | 03h08

ESTADO X NAÇÃO

Seus problemas acabaram!

Informa a Coluna do Estadão (11/11, A4) que a Anvisa vai desembolsar R$ 150 mil com passagens e demais despesas de 13 de seus servidores da área de gestão para irem à Espanha. O objetivo da excursão – neste ano em que o déficit das contas públicas é da ordem de R$ 159 bilhões – é a participação do grupo num evento denominado “Reforma do Estado e da Administração Pública”, promovido por um tal Centro Latino-Americano de Administração para o Desenvolvimento, com sede na... Venezuela! Ah, agora vai.

SILVIO NATAL

silvionatal49@gmail.com

São Paulo

Aposentadoria privilegiada

José Dirceu, cuja folha corrida nem é preciso lembrar, por dez anos de mandato vai receber aposentadoria de R$ 9.646,57 – por enquanto, pois pode recorrer e o valor passar de R$ 17 mil! Eis mais um motivo para a reforma da Previdência proposta por Temer e Meirelles.

NELSON N. CEPEDA

fazoka@me.com

São Paulo

Corrupto condenado

Como pode um condenado por roubo do dinheiro do povo, agitador que só causou prejuízos ao Brasil e talvez nunca tenha trabalhado de fato pleitear essa aposentadoria absurda, que pode sair com valor acima de R$ 17 mil? E o governo pregando que o trabalhador que contribui por 35 anos ou mais e se aposentar antes de completar 65 anos de idade para receber um salário mínimo vai quebrar o País! Para aprovar reformas é necessário que a área pública dê exemplo de austeridade, fazendo uma auditoria de aposentadorias concedidas aos políticos e familiares.

EDSON BAPTISTA DE SOUZA

baptistaedson384@gmail.com

São Paulo

Corporativismo

Rodrigo Maia, sobre a aposentadoria de José Dirceu: “Não vou decidir politicamente, não seria correto”. Será muito pior: decidirá corporativamente.

SÉRGIO BRUSCHINI

bruschini0207@gmail.com

São Paulo

Políticos insanos

A Câmara dos Deputados quer alterar a data de vigência da Lei da Ficha Limpa. E o nobre deputado presidente da Câmara afirma que isso não altera a lei. As centrais sindicais querem aprovar uma lei recriando o famigerado imposto sindical, agora de “apenas” 1% da folha e que seja aprovado por 10% presentes nas assembleias. Acorda, Brasil!

MILTON BULACH

mbulach@gmail.com

Campinas

No país das maravilhas

Realmente vivemos no país das maravilhas e a grande maioria não sabe. Basta um feriado numa quarta-feira para aquela “gangue” que diz que luta com unhas e dentes em favor de um Brasil grande, sem fome, com saúde, segurança e educação, que combate a corrupção e é ficha limpa deixar Brasília às moscas durante toda a semana. Na realidade, eles poderiam ficar eternamente fora de lá, não fazem falta, e o País economizaria uma boa quantia, que deixaria de ir parar nas contas bancárias deles. Ainda não chegou a hora de dar um basta nessa farra?!

JOSÉ FERNANDEZ RODRIGUEZ

rodriguez1941@gmail.com

Santos

O 15 de Novembro

Parabéns aos congressistas pelo respeito e consideração pela Proclamação da República. Vão gastar dez dias para homenageá-la.

LUIZ FRID

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

NINHO TUCANO

Irresponsabilidade

Já é tempo de a turma do PSDB aprender que “um reino dividido contra si mesmo não prospera” – palavras de sabedoria encontradas na Bíblia. Ora, a pretensão dos tucanos de desembarcar do governo Temer, movidos pela ganância de poder, pelas eleições de 2018, enfraquecerá ainda mais o partido, já com a imagem desgastada pelo envolvimento de alguns dos seus na Lava Jato. Sair agora é assinar um termo de irresponsabilidade diante dos enormes desafios que temos no País e dos esforços de reconstrução após ter sido devastado pelo desgoverno lulopetista. Mais um desapontamento. Até mesmo Fernando Henrique Cardoso, que se tornou referência como estadista para muitos de nós, ainda não percebeu essa verdade, a de que um reino dividido contra si mesmo não prospera. E onde está, prezado FHC, o interesse maior pelo futuro do nosso país?

SILVIA REBOUÇAS P. DE ALMEIDA

silvia_almeida7@hotmail.com

São Paulo

INSEGURANÇA PÚBLICA

Lewis Hamilton – assaltos

Deviam cancelar de vez a Fórmula 1 em São Paulo. Quem sabe, assim, o governador acorda. Segurança é por conta do Estado! Quer ser presidente e não cuida nem do próprio Estado?

FABIANA GONÇALVES

fabifabigon@gmail.com

São Paulo

‘Zonas francas para o crime’

A corajosa fala da autoridade policial judiciária dra. Elisabete Sato, diretora do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), merece atenção especial, como bem assinalou editorial do Estado com o título acima (11/11, A3). O sr. governador que não se deixe levar por bajuladores apegados a cargos comissionados que querem esconder a realidade não só em Paraisópolis, como em outras cidades paulistas. Entrar em favelas com poderosos aparatos policiais, ou até do Exército, é beligerância. Aí é fácil. O que o governo Alckmin deve enxergar é que não se consegue investigar quase mais nada. É isso que gera impunidade. E o crime vai tomando o lugar do Estado, por causa da visão equivocada de alguns de seus auxiliares próximos.

RUYRILLO DE MAGALHÃES

ruyrillopedro@gmail.com

Campinas

RODOVIA CASTELO BRANCO

Ampliação urgente

A ponte no trecho do km 25 data da construção da rodovia, inaugurada em 1968, e com quase nenhuma ampliação de capacidade em quase 50 anos de aumento de tráfego constante. Há vários anos o nível de tráfego nesse trecho claramente excede o limite aceitável e a ampliação de capacidade deveria ter sido exigida há muito pela Artesp, em nome dos contribuintes que recolhem pedágio obrigatório nessa rodovia, que é operada pela ViaOeste. Fica aqui o meu apelo para que se divulgue mais e mais a inércia da Artesp e do governo do Estado de São Paulo nesse caso, a fim de que haja investimento imediato da concessionária em benefício do contribuinte e pela segurança de todos os usuários da Castelo.

RICARDO SPROESSER

ricardo.sproesser@terra.com.br

Barueri

“Além de nos roubarem no mensalão, no petrolão e otras cositas más, ainda querem aposentadoria paga por nós? É muito descaramento,sr. Rodrigo Maia, acorde!”

TANIA TAVARES / SÃO PAULO, SOBRE A APOSENTADORIA PRIVILEGIADA PARA O CORRUPTO CONDENADO JOSÉ DIRCEU

taniatma@hotmail.com

“Os tucanos não voam tão alto e a jararaca, mesmo rastejando, poderá abocanhá-los”

VIDAL DOS SANTOS / GUARUJÁ, SOBRE O ESFARELAMENTO DO PSDB E AS PREVISÕES PARA 2018

vidal.santos@yahoo.com.br

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

 

MERECIDO DESCANSO

 

O "Estadão" de 11/11/2017, página A7, noticiou que o Congresso Nacional terá feriado de dez dias. Um repórter, no dia anterior, indagou o presidente da Câmara dos Deputados, sr. Rodrigo Maia, se a semana seguinte seria de folga, ao que ele retrucou, abespinhado: "Eu vou estar aqui, em Brasília, 'trabalhando'; os demais pares estarão nos seus Estados, também 'trabalhando'". Srs. deputados, o que os senhores fazem é conchavar, e para isso estão sempre motivados. Aliás, como diz na mesma matéria citada do "Estadão" o deputado Pauderney (vice-presidente do DEM), também ele ficará em Brasília articulando. Chega, srs. articuladores! As eleições de 2018 estão próximas, e saberemos usar nosso lídimo direito de votar, para com o voto-faxina limpar o País dos pseudorepresentantes do povo, que só sabem olhar os seus próprios umbigos.

 

Luiz A. Garaldi de Almeida lagaraldi@uol.com.br

São Paulo

 

*

ARROGÂNCIA E INCOERÊNCIA 

 

O presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM-RJ), não marcou sessões de votações no plenário da Casa durante toda esta semana em razão do feriado da Proclamação da República, dia 15. Maia supõe que a decisão não passará má impressão para a sociedade porque a Câmara teria compensado a folga com votações de segunda até sexta-feira. "Infelizmente, o feriado da próxima semana é na quarta-feira", afirmou na semana passada, defendendo que as viagens de ida e volta dos parlamentares provocariam "gasto desnecessário". Maia, entretanto, esquece o dinheiro público jogado no lixo com seu recente e despropositado périplo internacional por nove países. E, convenientemente, omite que todos os deputados federais têm moradia de alto padrão em Brasília, também à custa do erário. Mas, é inquestionável, não há como esperar coerência de onde habita tanta arrogância. 

 

Sergio Ridel sergiosridel@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

POLITIQUEIROS INCORRIGÍVEIS

 

Com a economia do País em lenta recuperação e mais de 12 milhões de trabalhadores desempregados, nossos incorrigíveis parlamentares continuam legislando em causa própria, pouco se importando com a população. Depois de conseguirem implementar uma verba para financiamento das campanhas eleitorais, agora tentam recriar a famigerada verba sindical, revogada pela reforma trabalhista. O projeto em questão regulariza a contribuição negocial em substituição ao antigo imposto sindical. Todos sabemos que a existência de verbas públicas, tanto para os partidos como para os sindicatos, são responsáveis pelo número absurdo, e até grotesco, de partidos e sindicatos existente em nosso país. O antigo imposto exigia de cada trabalhador que recolhesse o valor correspondente a um dia do seu trabalho a cada ano. Com a sua extinção, os sindicatos, sentiram que a sua existência estaria com os dias contados. Assim, acionaram os seus parlamentares para recriar o tal imposto, através de lei específica. Como pedir pouco é bobagem, aproveitaram para aumentar a sua alíquota. O novo imposto, se aprovado, equivalerá, no máximo, em 1% da folha de pagamento, ou seja, equivalente a 3,5 dias de trabalho, em lugar do 1 dia de trabalho da antiga contribuição. Propõe, para dourar a pílula, sua aprovação dependerá de aprovação de assembleia com a presença de 10% da base do sindicato e só não seria descontada apenas daqueles que votassem não na referida assembleia. Isso é uma falácia homérica. Quem conhece como funcionam tais assembleias sabe que nelas jamais comparecem 10% dos associados. Os maiores sindicatos têm dezenas de milhares de trabalhadores a ele vinculados. Fica fácil constatar tal fato, se nos lembrarmos que via de regra são realizadas em recintos que nem sequer comportariam 1% dos associados. Quem comparece são aqueles ligados à diretoria do sindicato. E a estratégia adotada é de que, na assembleia, após a primeira chamada, se não houver número mínimo de trabalhadores presentes, para o competente quórum, em segunda chamada a votação se dará entre os presentes. É assim que as resoluções dos sindicatos são adotadas.

 

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

 

*

PICARETAGEM INSTITUCIONAL

 

É brincadeira!  Não é possível que sindicalistas e deputados na Câmara, afrontando a Nação, estejam tramando para recriar o excrescente imposto sindical, que havia sido enterrado durante a aprovação no Congresso da importante reforma trabalhista. Isso é um verdadeiro golpe no bolso já surrado do trabalhador brasileiro! O que é que estes sindicalistas e congressistas, literalmente sem compromisso com o País, estão aguardando, que o povo se revolte? Basta de picaretagem institucional!

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

UM GRANDE PASSO

 

A Lei 13.467/2017 entrou em vigor e é um significativo conjunto de avanços, que merecem ser valorizados e, principalmente, respeitados. Cansamos de ver placas ou mesmo pessoas gritando "foi demitido? Venha fazer uma consulta com nossos advogados". Ainda vamos ver tais disparates, mas a tendência é mudar com a reforma ora em prática. O presidente Michel Temer deixa um grande legado, pois, mesmo com sua popularidade baixa, conseguiu o que Lula não conseguiu. Também não era do interesse do PT proclamar avanços, o partido torce para o "quanto pior, melhor". Bastou ver um bando de pelegos gritando contra as reformas trabalhista e previdenciária, na véspera de entrar em vigor, mesmo sabendo que essa reforma não tira os direitos dos trabalhadores. A melhor medida dessa reforma é o fim do imposto sindical. Na era Lula e Dilma, esses pelegos se cansaram de ganhar dinheiro deitados em berço esplêndido. Agora, terão de mostrar serviço, se quiserem sobreviver. É um grande passo, mas é preciso mais, o País está asfixiado e, se não tivermos um Congresso atento a esses problemas, e não somente aos seus projetos próprios, vamos sofrer mais. O povo precisa acordar e ficar atento às narrativas que estão na boca de pessoas que querem um Brasil atrasado. Ler, estudar e vigiar, essa a tarefa do cidadão. 

 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

 

*

REFORMA TRABALHISTA

 

Nem todos comemoram o salto gigantesco que o País dá a partir de sábado, dia em que a reforma trabalhista entrou em vigor. Claro, teria sido melhor se fosse conquistada por um governo menos enroscado nos meandros da corrupção, que de endêmica até FHC tornou-se epidêmica sob Lula e seus comparsas. Muitos preferiam que esse presente ao País viesse de um governo de santos, puros e imaculados com asas brancas. Mas, para decepção desses crentes, os santos estão em falta no mercado, e o presente veio de um governo menos santo, mas que operou um verdadeiro milagre digno de beatificação. O primeiro passo firme está dado. Ao governo, o nosso muito obrigado!

 

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

 

*

TRILHOS

 

O editorialista escreveu ("Um presente para o Brasil, 11/11, A3): "É ainda imenso o trabalho para recolocar o Brasil nos trilhos". Permito-me perguntar-lhe: quais trilhos e quando foi que o Brasil esteve nos tais trilhos?

 

Alarico J. Tognollo a.tognollo@uol.com.br

São Paulo

 

*

PROGRAMA AVANÇAR

 

Um programa bem intencionado do governo do presidente Michel Temer, desde que não abranja a Receita Federal.

 

Sergio S. de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

 

*

AVANÇAR EM QUÊ?

 

Legal o lançamento pelo governo federal do programa "Avançar". Sobrou algum dinheiro nosso em caixa para distribuir entre os aliados?

 

Omar El Seoud elseoud.usp@gmail.com

São Paulo

 

*

A HORA DA PREVIDÊNCIA

 

Teima o nosso Poder Legislativo em obstacular a reforma da Previdência, compelindo o governo a reduzir ao mínimo ou a quase nada o projeto do Executivo. Bem salientou o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, que as boas condições para as economias emergentes não vão durar sempre, ou seja, poderão, dentro em pouco tempo, não mais se apresentar. Por isso, todas as reformas precisam ocorrer em acelerado ritmo, inclusive a tributária e a política. Parece que o Brasil, mais uma vez, vai perder o bonde da História e ficar atrás de todos os emergentes, graças à classe política existente no País.

 

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

 

*

REFORMA URGENTE

 

Com efeito, no Brasil nem todos são iguais perante a lei nem perante a Previdência. Reforma, já!

 

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

 

*

MITO

 

Quais seriam os riscos da reforma da Previdência? O de perder votos dos um milhão de servidores que perdem privilégios? Ora, há muito mais milhões de eleitores-contribuintes que festejariam tais reduções de despesas descabidas. Os aumentos da idade de aposentadoria? Ora, não se despreze a sensatez dos cidadãos de reconhecer a necessidade para preservar suas aposentadorias, da mesma forma que nas demais sociedades. Assim vistos, os riscos eleitorais são um mito usado para encobrir outros motivos para dificultar as ações sensatas do governo Temer.

 

Harald Hellmuth hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

 

*

APOSENTADORIA

 

Incrível este país em que vivemos. O sr. ministro da Fazenda reafirma que o Brasil quebrará se a reforma da Previdência não for feita. Enquanto isso, deputado cassado, condenado por corrupção e outros delitos, solicita aposentadoria de R$ 9,6 mil por seus mandatos na Câmara, passando a receber com isso mais de R$ 17 mil. Contribuí por cerca de 33 anos pelo teto máximo, que anos atrás era de 20 salários mínimos, e recebo, não sei até quando, uma fração ínfima dessa quantia. Dá para acreditar que este país é sério?

 

Renato Nóbrega Centola mrs5@uol.com.br

São Paulo

 

*

REVOLTA

 

A Câmara dos Deputados deu sinal verde para a aposentadoria de José Dirceu. Tem como não nos revoltarmos com uma notícia desta? Este indivíduo foi condenado no mensalão, tem inúmeras denúncias de roubalheira descarada, está condenado a 30 anos de prisão pela Lava Jato e só está solto graças ao midiático ministro Gilmar Mendes. Pelo divulgado pelo "Estadão", Dirceu deverá receber mensalmente cerca de R$ 17 mil, pois seus "comparsas" estão considerando 11 anos de anistiado como período trabalhado. Pergunto: qual trabalhador real/normal tem uma aposentadoria neste valor depois de ter trabalhado pelo menos o triplo do que este picareta trabalhou? Realmente, deste jeito não há sistema previdenciário que aguente!

 

Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo

 

*

A FARRA PRECISA ACABAR

 

O Congresso Nacional autorizar aposentadoria de José Dirceu é um acinte para com o povo brasileiro, que, correto, honesto, íntegro, trabalhou e contribuiu para a Previdência durante 30 anos e recebe apenas um salário mínimo. Outros pagaram 20 anos sobre 20 salários mínimos, teto à época, e hoje recebem 40% de dez. Ótimo surgir este assunto, porque deveríamos exigir projeto de lei em que corruptos que tenham usado de cargo público para seus delitos, depois de pegos, condenados, não tenham benefício da aposentadoria. Isso acontece com juízes, deputados, senadores, e até presidentes, que, mesmo condenados, continuam vivendo da bondade do povo brasileiro. Foram nocivos à sociedade, usaram do cargo público em benefício próprio, corromperam e ainda são agraciados com aposentadorias altíssimas? Essa farra precisa acabar!

 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

 

*

O CERTO E O ERRADO

 

Ora, se querem dar aposentadoria a José Dirceu por existir um precedente do ex-deputado Roberto Jefferson, que se casse a aposentadoria deste, que é o correto, e não se dê para o Zé Dirceu.

 

Victor Hugo victor-raposo@uol.com.br

São Paulo

 

*

PARA ESTÔMAGOS FORTES

 

Brasil, país não recomendado a pessoas com estômagos fracos, ou espíritos desarmados. Opção para turismo suicida !

           

Paulo Sérgio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

 

*

ELEIÇÕES 2018

 

Aécio Neves (PSDB-MG) afirmou que disputará um posto em 2018. Afinal, os políticos pegos cometendo ilícitos serão julgados e punidos ou valerá a solidariedade no Congresso para não serem expulsos, não poderem ser julgados e poderem se candidatar? Se assim for, todos os fichas-sujas do Congresso se candidatarão, os que forem reeleitos continuarão com os direitos preservados e os que não conseguirem se reeleger escaparão para não haver "injustiça" com uns poucos. Para premiar Dilma Rousseff no impeachment, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e o presidente do Senado praticaram uma exceção. Não será possível juntar o Tribunal Superior Eleitoral e o STF e tornar os fichas-sujas inelegíveis? Ou teremos a tradicional pizza nacional?

 

Darcy de Almeida dalmeida1@uol.com.br

São Paulo

 

*

RÉQUIEM

 

Aécio Neves está morto, mas, pelo jeito, se nada for feito, só será sepultado nas urnas em 2018, enterrando junto o PSDB.

 

Marisa Bodenstorfer 

Lenting, Alemanha 

 

*

COBRA CRIADA

 

O PSDB deu asas a Aécio Neves por ocasião do seu afastamento das atividades parlamentares. Agora, segurem esta cobra alada, se puderem.

 

Ernani da Silva ernani.silva1945@hotmail.com

São Paulo

 

*

RACHA NO PSDB

 

Só para variar, o PSDB continua rachado pelas vaidades de seus membros, cada um reivindicando por si só o cargo máximo da República sem se entenderem entre si, lembrando o ditado de que em casa onde falta pão todos gritam e ninguém tem razão. O arranca-rabo no ninho tucano culminou com numa canetada de Aécio Neves destituindo Tasso Jereissati (CE) da presidência interina do PSDB. Já o PT, mais coeso, aposta em seu líder máximo, mesmo condenado pela Lava Jato e réu em mais de cinco processos na Justiça. Nessa briga interna do PSDB e seu desembarque do PMDB, quem pode sair no lucro é o PT, que apostará todas suas fichas num circo em chamas que poderá levar o condenado a presidir o País novamente, desta vez com a promessa feita recentemente de controlar os meios de comunicação. Será que assim fica para a tucanada?

 

Paulo R. Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo

 

*

SEM CRISE

 

Não há crise interna no PSDB. O que acontece é que, pelo protagonismo do PSDB nas duas últimas décadas e, em especial, nos momentos atuais, pelo papel que desempenha no governo Temer, tudo o que faz internamente repercute imensamente, de maneira nacional. Essa é a verdadeira história.

                                                                                                                                                                                                Helio Teixeira Pinto helio.teixeira.pinto@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

O PSDB DIVIDIDO

 

Já está em tempo de a turma do PSDB aprender que "um reino dividido contra si mesmo não prospera" (palavras de Jesus Cristo, nos evangelhos dos discípulos São Marcos e São Mateus). Ora, a presunção de desembarcarem do governo, movidos pela ganância de poder, pelas eleições de 2018, deverá enfraquecer ainda mais o partido, já com imagem desgastada pelo envolvimento de alguns dos seus na Operação Lava Jato. Desembarcar agora do governo será assinar um termo de irresponsabilidade diante dos enormes desafios e reformas que devem acontecer com rapidez no País, nos esforços de reconstrução social e econômica, após o Brasil ter sido devastado pelo desgoverno lulopetista. Será mais um desapontamento com o partido, se isso acontecer. Até mesmo o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que se tornou referência como estadista para muitos de nós, ainda não percebeu essa verdade, que um reino dividido contra si mesmo não prospera. E onde está, prezado FHC, o interesse maior pelo futuro de nosso país? Se o PSDB desembarcar do governo neste momento crítico de reformas urgentes, muitos de nós "desembarcaremos" do PSDB, que tem se mostrado velho em sua maneira de fazer política.

 

Silvia Rebouças P. de Almeida silvia_almeida7@hotmail.com

São Paulo

 

*

PSDBRACALEONE

 

O PSDB é hoje um ridículo exército de Brancaleone. E o ex-presidente Fernando Henrique aparece na fita como aquele velhinho espirocado do filme de Mário Monicceli.

 

Alexandre de Macedo Marques ammarques@uol.com.br

São Paulo

 

*

ESFACELAMENTO

 

O PSDB nasceu de uma dissidência do PMDB, que criticava o fisiologismo do partido, e contra o que representava o então governador de São Paulo, Orestes Quércia, chegou à Presidência da República com Fernando Henrique Cardoso, e fincou pé no governo do Estado mais rico do País, São Paulo, tornando feudo, está se esfacelando por causa do mesmo PMDB, que tanto combateu. Um partido que sempre teve mais caciques que índios, todos com egos inflados, está num processo de canibalismo, pois ficou a reboque do governo Temer, perdeu todo o seu discurso e virou coadjuvante do PMDB.

 

Luiz Thadeu Nunes e Silva luiz.thadeu@uol.com.br

São Luis

 

*

VOO CURTO

 

O PSDB surgiu de uma ala dissidente do PMDB, como muitos devem estar lembrados. À época, eu estava com o deputado Israel Dias Novaes, do PMDB, que comentou que o tucano, símbolo do novo partido, era um pássaro de voo curto. Hoje vemos que voou bastante. Agora, com tantas celeumas internas, será que o tucano continuará o seu voo?

 

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

 

*

O QUE RESTA

 

Depois que os tucanos viraram pelicanos, com aquele papo devorador enorme, a última esperança é o Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4) fazer o que lhe compete e cumprir a sentença de Sérgio Moro: prender o Al "ula" Capone.

 

Carmela Tassi Chaves tassichaves@gmail.com

São Paulo

 

*

A NOVA DIREÇÃO DA PF

 

Mal esquentou a cadeira do posto de diretor-geral da Polícia Federal (PF), o delegado Fernando Segóvia já anuncia a troca de todo a sua cúpula. É factível que quem vai comandar tão estratégica instituição necessite de ter ao seu redor gente de sua total confiança, mas para quem tem como fiador gente do quilate de José Sarney e Eliseu Padilha, a inspiração para a desconfiança é instantânea. O enredo da nossa história de combate a corrupção, por meio da Operação Lava Jato, é bastante semelhante ao da Operação Mãos Limpa, que ocorreu na Itália. Só esperamos que o desfecho aqui não seja o mesmo de lá.

 

Abel Pires Rodrigues abel@knn.com.br

Rio de Janeiro 

 

*

SUSPEITAS

 

Que Leandro Daiello iria sair da diretoria-geral da Polícia Federal por vontade própria (o que não é um motivo "prosaico"), todos sabíamos, nem Dilma teve coragem de mexer com ele. O problema é quem entrou em seu lugar. Deveria ser alguém acima de qualquer suspeita, alguém mergulhado em suas atividades, sem relações estreitas com investigados na operação mais importante da corporação.

 

Lília Hoffmann liliahoffmann@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

PROMESSA FALSA

 

Ninguém vai mexer com a Lava Jato... mexendo. 

 

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

 

*

PAÍS DA INSEGURANÇA

 

O piloto de Fórmula 1 Lewis Hamilton reclamou da insegurança em São Paulo após assalto a equipes de F1, e acrescentou: "Acontece todo ano (...) não tem desculpa". É, realmente não tem desculpa. E vai continuar acontecendo, Hamilton. Isto é Brasil. Sede das orcrim's. Tem coisa mais vexatória que isso? Os nossos políticos devem achar isso o máximo. Bem como o estado de penúria dos hospitais públicos, do ensino público também, etc. Para eles, essa notícia os leva ao êxtase. No Rio de Janeiro, 117 policiais militares já foram mortos este ano. E o que está se fazendo? Nada. A Câmara está mais preocupada com decisões que a favoreçam do que com a segurança pública. O que fizeram de impacto nesta área? Nada. Terminaram com a progressão da pena para alguns crimes. E daí? Não é isso que o cidadão quer. O cidadão quer segurança na rua, andar a qualquer hora e em qualquer lugar e ver polícia, e não se trancar na sua casa e não sair depois das 20 horas. Bonita esta manchete no exterior. O governo deve estar vibrando. Desculpem-me, mas não me lembro desta situação nos governos militares. 

 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro 

 

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores Estadão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.