Fórum dos Leitores

ECONOMIA

O Estado de S.Paulo

14 Janeiro 2018 | 05h00

Em boa hora

O rebaixamento da nota de crédito do Brasil pela Standard & Poor’s (S&P) vem em hora mais que oportuna para o governo e para a Nação brasileira. As dúvidas quanto à possibilidade de aprovação da reforma da Previdência Social ainda este ano pesaram, e muito, no rebaixamento e o Congresso Nacional precisa entender, de uma vez por todas, que a reforma previdenciária – por mais impopular que seja – é questão vital para o futuro do País, suprapartidária, e não eleitoreira. Além do que não haverá futuro sem investimento externo, que se pode tornar cada vez mais difícil e caro se o Brasil entrar na lista dos maus pagadores. Se o Congresso não entender isso agora, então, nem desenhando...

LUCIANO HARARY

lharary@hotmail.com

São Paulo

Mangas de colete

Os ministros da área econômica, os congressistas e o presidente Michel Temer só se preocupam com as eleições, enquanto o Brasil cai para três patamares abaixo do grau de investimento, que é como um selo de bom pagador que serve de parâmetro para os investidores estrangeiros. Patriotismo, caráter, honestidade e bom senso são, para os políticos brasileiros, como mangas de colete, não existem.

ARNALDO DE ALMEIDA DOTOLI

arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo

O Brasil rebaixado

Vergonha, em nível mundial, o rebaixamento do Brasil pela agência de classificação risco S&P. Agora só ganhamos de Bangladesh, do Vietnã e da República Dominicana. O gigante continua adormecido e anestesiado pela corrupção, principalmente no Congresso Nacional. O presidente mais impopular da nossa História gastou todo o seu tempo e R$ 20 bilhões do Tesouro Nacional em causa própria, para se livrar de duas votações na Câmara dos Deputados, onde foi denunciado por organização criminosa e obstrução de Justiça. Vergonha! O povo colabora e eles roubam, desviam os recursos. Os investidores estrangeiros não acreditam mais na farsa da sexta economia do mundo. Somos campeões em corrupção e os últimos colocados em confiança para investidores internacionais. Esse é o Brasil de hoje.

JOSÉ PEDRO NAISSER

jpnaisser@hotmail.com

Curitiba

Tudo muito triste

Foi com muita tristeza que soube do rebaixamento da nota de crédito do Brasil pela Standard & Poor’s. Isso prova que a prioridade não é o Brasil, o comportamento dos políticos, principalmente no Congresso, mostra essa realidade triste. Quanto tempo vai levar para mudar esta situação? Começando pela educação do povo, vai levar, no mínimo, de 30 a 40 anos. Muitas pessoas não vão sentir essa mudança, lamentavelmente.

TOSHIO ICIZUCA

toshioicizuca@terra.com.br

Piracicaba

A maldição de Janot

Se não fosse pela vaidade e ambição sem limites do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, a reforma da Previdência já teria passado, nossa nota de crédito não teria sido rebaixada, o PT não estaria com as manguinhas de fora e não estaríamos sendo chantageados pelo Congresso. Nunca imaginei que uma única pessoa pudesse causar tantos danos ao País.

CANDIDA ALMEIDA

almeida.candida@gmail.com

São Paulo

A vingança do arqueiro

Satisfeito agora, Rodrigo Janot, com a nota do Brasil, devida à demora na aprovação da reforma da Previdência e às suas flechadas envenenadas com duas denúncias contra o presidente Michel Temer? Claro que é o povo que paga o pato. Mas, e daí? O que vale mesmo é que o governo Temer se ferrou, pois a reforma parece ficar cada dia mais complicada. Dá até para ver o ex-procurador esfregando as mãos de satisfação. A flecha atingiu o alvo em cheio, não é? Pelo menos mais cinco anos para recuperar o grau de investimento. Mas o Brasil é maior que a vingança do arqueiro. Haveremos de superar mais essa. O brasileiro é um forte!

ELIANA FRANÇA LEME

efleme@gmail.com

Campinas

Efeito especulativo

Com todos os dados estatísticos favoráveis no final de 2017 e o começo da retomada do crescimento, o Brasil deveria processar essas agências irresponsáveis de classificação de risco, que lançam opiniões com efeito especulativo. É sintomático que após uma ebulição na Bolsa venham agora rebaixar o País. Fiquemos espertos para não cairmos na cilada do capital internacional, cuja finalidade é comprar na baixa e vender na alta.

CARLOS HENRIQUE ABRÃO

abraoc@uol.com.br

São Paulo

MINISTÉRIO DO TRABALHO

Pantomima

Quando foi promulgada a Constituição de 1988, Sarney alertou que o Executivo estaria nas mãos do Legislativo e seria impossível governar. Pois bem, o que temos visto é o presidente submisso ao Congresso, nada é feito senão aquiescer à vontade desmedida dos legisladores. A escolha da deputada federal Cristiane Brasil para o Ministério do Trabalho é mais um fato a corroborar essa tese. Necessitando do apoio do PTB, declaradamente a favor da reforma da Previdência, Temer ficou à mercê de Roberto Jefferson, presidente do partido e pai da candidata. Daí toda essa pantomima, deixando de considerar os antecedentes da deputada e a possibilidade de ela se desincompatibilizar em abril para a reeleição.

JOSÉ OLINTO OLIVOTTO SOARES

jolintoos@gmail.com

Bragança Paulista

EMBRAPA

Peça de museu

Pedro Camargo Neto sintetizou com precisão no que se transformou a Embrapa: uma entidade corporativista que vive de glórias do passado (Embrapa em alerta!, 11/1, A2). O aparato estatal brasileiro compara-se ao antigo Ford Galaxie: grande, consome muito, sua tecnologia é totalmente superada, ineficiente para as necessidades da sociedade moderna, e quando passa o que se recorda é a sua fama do passado. Enfim, peça de museu. 

FREDERICO D’AVILA

fredericodavila@srb.org.br

Buri

Obscurantismo

A Embrapa precisa urgentemente rever sua decisão acerca da demissão de Zander Navarro, um dos mais brilhantes cientistas sociais, pois saber lidar com críticas construtivas é premissa de uma grande instituição como essa. Não podemos admitir tal obscuridade de seus dirigentes, até pela magnitude da instituição.

RENATO BENTO FERNANDES

ecotrendtatuape@gmail.com

São Paulo

“É muito difícil escapar das garras da herança maldita dos governos petistas de Lula e Dilma 

e do ‘toma lá dá cá’ do nosso Congresso”

LUIGI VERCESI / BOTUCATU, SOBRE O REBAIXAMENTO

DA NOTA DO BRASIL PELA S&P

luigiapvercesi@gmail.com

“Afinal, são os interesses do Brasil ou dos tais 300 picaretas do Congresso? Eis a questão”

OMAR EL SEOUD / SÃO PAULO, IDEM

elseoud.usp@gmail.com

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

CHARME ELEITORAL

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Moreira Franco, mais conhecido pela alcunha de "Angorá", disse que, se o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, quiser se candidatar à Presidência da República, precisará trabalhar muito, e completou dizendo que o candidato "tem que ter muito charme". Na verdade, o "Angorá" não enxerga o próprio rabo e demonstra muita ciumeira diante da discreta ascensão do “colega”, mas está difícil de saber qual dos dois tem algum charme. 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

ELEIÇÃO 2018

É muito interessante como vários pretendentes ao cargo da Presidência em 2018 estão mudinhos da silva, não têm coragem de se expor perante as grandes massas humanas em logradouros públicos, procurando se esconder ou ficar no anonimato esperando a hora certa de dar o bote! Vejo apenas dois pretendentes à candidatura com a coragem de falar: Lula e Bolsonaro, mas somente o último não tem fugido do público e é bem recebido. Por quê? Pelo que estamos presenciando na aceitação pública, Bolsonaro matará a jararaca ainda no primeiro turno. Vamos aguardar o que dirão as malditas urnas eletrônicas muito bem manipuladas pelo país mais desenvolvido do mundo a adotá-la, o Brasil!

Benone Paiva benonepaiva@gmail.com

São Paulo

*

UM CANDIDATO GLOBAL

Nariz de águia e cérebro de pardal. O chatíssimo apresentador Luciano Huck foi louvado como candidato ideal para presidir este triste Brasil, no programa do insuportável Faustão, na Rede Globo de todas as mediocridades. O PT entrou com representação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), pelo abuso de propaganda eleitoral antecipada. Assim, vemos o Brasil oscilando entre os nomes dos intocáveis Lula, Bolsonaro e Huck. Deve ser um complô internacional para matar o Brasil, esquartejá-lo e atirá-lo aos cães famintos que farejam nossa riqueza despedaçada. Se Deus é brasileiro, está na hora de mostrar sua carteira de identidade e nos salvar!

Paulo Sérgio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

PUXANDO O TAPETE

Na política brasileira, infelizmente, só se usa e pratica a politicagem, nossos políticos viciados, mal orientados e intencionados só trabalham, se empenham e se dedicam em causas, assuntos e projetos quando são em benefício próprio. Ou seja, a partir do momento que passam a visar a um cargo de maior relevância e importância, e que lhes ofereça maiores benefícios, vantagens e mordomias, vale tudo, até tornarem-se inimigos e não mais adversários políticos. Basta ver a atitude do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ), postulante a candidato à Presidência da República, que mudou totalmente seu perfil de comportamento com a intenção de puxar o tapete para minar a candidatura do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, provável candidato ao mesmo cargo, passando agora a criticá-lo veementemente. Vale, aqui, salientar a famosa definição do jornalista Boris Casoy: “Isto é uma vergonha”. Né, não?

Angelo Tonelli  angelotonelli@yahoo.com.br 

São Paulo

*

DEVAGAR COM O ANDOR

Em entrevista ao “Estado” (8/1, A6), o governador Beto Richa (PSDB-PR) afirmou: "Aqui, no Paraná, o PT nunca venceu eleição presidencial". Apoiador da pré-candidatura de Geraldo Alckmin à Presidência da República, o político paranaense se esqueceu de que Lula tem um eleitorado que dificilmente mudará de lado e da facilidade que o petista tem de manobrar as massas. Sabe-se dos méritos do atual governador paulista, porém é extremamente perigoso imaginar Lula e Alckmin concorrendo nas eleições deste ano, até porque o tucano já perdeu para o petista uma vez. Assim, têm efeito as recentes manifestações de Fernando Henrique Cardoso (FHC), em entrevista (2/1, A4) e artigo (7/1, A2) publicados neste jornal. Aliado a todos estes fatores, o PSDB deixou, nos últimos meses, dúvidas significativas sobre sua unidade e propósitos. Do que se conclui que é temerário, sobretudo antes do julgamento de Lula pela Justiça gaúcha e seus eventuais desdobramentos, concordar com a opinião do governador do Paraná.    

Maria Lucia Ruhnke Jorge mlucia.rjorge@gmail.com 

Campinas

*

FHC SENDO FHC

“FHC conclama Alckmin, Marina, Meirelles e Joaquim Barbosa” a se unirem nas próximas eleições para fortalecer contra “a direita maldita”. Pelo jeito, o ex-presidente não frequenta as “redes sociais”, que para desespero dos políticos ultrapassados vêm elegendo candidatos improváveis nos países desenvolvidos, inaugurando o fim das campanhas eleitorais a que FHC está acostumado. Hoje, esses quatro nomes por ele citados são totalmente relegados a última opção. O PSDB e FHC andaram dormindo em berço esplêndido por quase 15 anos, e agora seus discursos caem no vazio para a opinião pública, que vê nesse partido um adendo de tudo de ruim pelo que passa o País. FHC deveria plantar abobrinha no seu sítio de Ibiúna, porque, pelo jeito, ele continua o mesmo que anos atrás disse “esqueçam o que escrevi”. O duro é ver que a mídia ainda dá a ele tanto espaço.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br 

São Paulo

*

JULGAMENTO

Lula vai ser julgado em Porto Alegre, na segunda instância, por um colegiado de três juízes que, ao que me consta, não têm o sobrenome Moro, nenhum deles tem qualquer parentesco – ainda que longínquo – com o juiz Sérgio Moro, nem ao menos moram próximo a ele. Digamos que Lula seja condenado, o que ele e sua defesa vão alegar? Perseguição? Ora, mas perseguição não era atribuída a Sérgio Moro? Ou os juízes de Porto Alegre também estariam perseguindo o ex-presidente? Segundo Lula e seus advogados alegam, principalmente o arrogante Cristiano Zanin, uma conspiração envolvendo Sérgio Moro, o Ministério Público Federal (MPF), a Polícia Federal (PF) e a imprensa foi montada para atazanar a vida “totalmente limpa” dessa ilustre figura do cenário político nacional. Eu gostaria de perguntar ao sr. Lula e seu advogado se eles têm registro desse encontro, que reuniu provavelmente uma centena de pessoas, onde estiveram presentes o juiz Sérgio Moro, membros do MPF, agentes e delegados da PF, além de jornalistas dos principais veículos de comunicação do País? A pauta dessa grande reunião – quase um summit – teria sido: “Como vamos ferrar com Lula”.

Luiz Gonzaga Tressoldi Saraiva lgtsaraiva@uol.com.br 

São Paulo

*

JUSTIÇA CEGA?

Em frente ao prédio do Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília, está a escultura “A Justiça”, feita em 1961 pelo artista plástico mineiro Alfredo Ceschiatti. O artista representou o Poder Judiciário como uma mulher com os olhos vendados e espada; os olhos vendados representam a imparcialidade da Justiça e a espada representa a força, a coragem, a ordem e a regra necessárias para impor o Direito. Nota-se também que a mulher está sentada em um banco, não em um trono. É importante observar que a representação não indica que a Justiça seja cega, senão não precisaria de olhos vendados. Todo este simbolismo desperta nos brasileiros que almejam ver este País livre da corrupção endêmica um sentimento de fundadas esperanças que, no dia 24 de janeiro, estaremos atingindo um marco importante na luta contra os corruptos que esperam não ser atingidos pela Justiça, considerando-a “cega”. A condenação em 2ª. instância, espera-se por unanimidade, será a confirmação de que a Justiça, embora de olhos vendados (imparcial, todos iguais perante a Lei) enxerga e considera as robustas provas documentais e testemunhais que apontam o real beneficiário/proprietário do tríplex e também do sítio em Atibaia (não objeto desta ação). Embora seja provável que a defesa de Lula vá solicitar o adiamento do julgamento marcado para dia 24 de janeiro, está mais do que claro que os recursos protelatórios estão se esgotando.

Francisco Paulo Uras francisco.uras@uras.com.br 

São Paulo

*

UM DIA PARA NÃO ESQUECER

Coincidência ou não, a escolha do dia 24 de janeiro para a condenação do ex-presidente Lula pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), em Porto Alegre, veio mesmo a calhar. No dia 25 estaremos festejando o aniversário de São Paulo. A cidade jamais verá tamanha festa para essa dupla comemoração. A Avenida Paulista se tornará pequena para o maior público já registrado da sua história. Quem viver verá! 

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

DÉBITO & RESPONSABILIDADE

No tal "Dia da Ira", ao invés de um mote, poderá haver um morto. Esse "mártir" será debitado na conta do PT, quer queiram ou não. Dessa responsabilidade Lula não tem como fugir.

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

ANIVERSÁRIO DE SÃO PAULO

As comemorações pela eventual prisão do ex-presidente Lula vão prejudicar os festejos do aniversário de São Paulo.

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br 

São Paulo

*

OSTRACISMO

Celso Amorim, ex-ministro de Relações Exteriores do governo Lula, reapareceu na mídia tecendo críticas a política externa brasileira e ao julgamento do líder máximo do PT. Grande responsável, juntamente com o falecido Marco Aurélio Garcia, pela fracassada política Sul-Sul dos governos petistas e, agora, no ostracismo, quer voltar a ser protagonista e, para tanto, depende da volta de seu partido ao poder. A esperança é a última que morre!

José A. Muller josealcidesmuller@hotmail.com 

Avaré

*

INFLAÇÃO

O governo comemorou. Foi anunciado o menor índice de inflação em quase vinte anos. Sim, um dos principais fatores foi a brutal recessão. Mas também é preciso dar mérito ao controle de gastos do governo, ainda que tímido. Pena que esse desempenho não deve se repetir. Por quê? Porque nada mudou na estrutura do Estado brasileiro. Quando a população entender que uma discussão racional sobre o orçamento e o fim das estatais significar maior crescimento, menor nível de desemprego e menor inflação (além de menor corrupção estatal) daremos uma chance para nossos filhos e netos. Mas em um País sem um único político estadista, com uma cultura de que o Estado tem que prover tudo, das soluções fáceis, e daquela vontade incontrolável de insistir em aplicar as mesmas soluções erradas acreditando que uma hora vai dar certo, tudo isso parece um sonho de uma tarde de verão.

Oscar Thompson oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

*

COPO MEIO CHEIO

A inflação abaixo do teto da meta desde 1998 é, sem dúvida alguma, um copo meio cheio. Claro que para o assalariado, a inflação no período Dilma, de quase 7%, refletia no salário do trabalhador, aumentava mais, óbvio. Porém, vimos no que deu a inflação nas alturas, proporcionou maior salário, mas não se sustentou. Quantas empresas quebraram no meio do caminho... Sem contar a perda do poder de compra do cidadāo. Selic e inflação nas alturas no período Dilma destruíram a base e o alicerce familiar (trabalho e poder de compra). Hoje, tudo mudou, ou nāo? Parafraseando Muricy Ramalho: "Aqui é trabalho, meu filho". Uma equipe econômica com menos blá, blá, blá, dá nisto: inflação baixa, o pobre agradece. Quanto aos pessimistas de plantão (copo meio vazio), ofereço um parâmetro peculiar, denominado: lulopetismo.

Leandro Ferreira ferreiradasilvaleandro73@gmail.com

Guarulhos

*

CADÊ?

Gasolina a quase R$ 5 e nenhuma manifestação, nenhum dia sem abastecimento, nenhum panelaço. Cadê o #VempraRua? Povo, temos de reagir!

Arcangelo Sforcin Filho arcangelosforcin@gmail.com

São Paulo

*

GOVERNO TEMER

A desculpa esfarrapada e cômoda de que o impedimento de Michel Temer como presidente traria desordem ao País demonstra o quanto o povo se acovardou diante da barbárie. Além do quanto se apequenou diante de algo que poderia mostrar para os futuros políticos que a população havia mudado da atitude passiva e covarde, para uma atitude de superação, apesar de todas as consequências. Com isso, os escândalos se multiplicaram, porque a classe política sentiu que o gigante é só “um tampinha” dormindo eternamente em berço esplendido. O último escândalo depois da mala de dinheiro e dos milhões no apartamento foi a ministra do Trabalho que não paga os direitos trabalhistas. Em qualquer País sério do mundo esta corja de Brasília estaria unida para sempre, atrás das grades. Aproveitem porque nesta republiqueta de bananas somos todos bananas de nascença.   

Manoel José Rodrigues manoel.poeta@hotmail.com 

Alvorada do Sul (PR)

*

CONFUSÃO NO CENÁRIO POLÍTICO

É tão confuso o cenário político nacional, em que o desprestígio de grande parte dos tradicionais representantes do setor está abalado pelas atuais operações judicias contra a corrupção em andamento, que em pleno ano de eleições gerais não há ainda candidaturas claras aos postos políticos majoritários do País. Isso estimula o “aparecimento de candidatos” fora dos quadros partidários conhecidos, que só aumentam as incertezas dos eleitores que irão às urnas em outubro.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

PRESIDENTE ACUADO

Não dão trégua a Michel Temer. O homem não tem sossego. Temer faz por merecer. Governo se complica fácil. Auxiliares falam língua diferente.  Ninguém se entende. Muito lero-lero. Nessa linha, engessaram Temer. Se correr, o bicho pega, se ficar, o bicho come.  O PTB exige a pose da complicada filha do Roberto Jefferson. Que, por sua vez, garante dezenas de votos favoráveis à reforma da Previdência. Tanta marola em torno da deputada é para atingir Jefferson e enfraquecer Temer. Elementar, Padilha. A votação da reforma da Previdência ainda está longe. Para aumentar a angústia de Temer e feiticeiros palacianos.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com 

Brasília

*

CUSTO DISCUTÍVEL

Parece que para o presidente Temer conseguir esta pífia reforma da Previdência o resto do Brasil vai ter de ser reconstruído.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com 

São Paulo

*

TURMA DOS TRAPALHÕES

A Rede Globo de Televisão está perdendo uma ótima oportunidade de contratar o presidente Michel Temer para o elenco de Renato Aragão, na Turma dos Trapalhões. Ninguém melhor do que Temer para reunir qualidades naquela turma. Desde que tapou o vácuo deixado pela defenestração do poste criado por Lula, Temer tem se revelado um autêntico trapalhão nas suas decisões. Ministério "entra e sai" e decretos estapafúrdios que prontamente são rejeitados pela Justiça. Na sua última trapalhada, na sofreguidão de aprovar a reforma previdenciária, dá uma "mancada" digna de Dom Quixote: para agradar o PTB, nomeia para ministra do Trabalho a deputada Cristiane Brasil, filha do delator do mensalão Roberto Jefferson. Decisão tão insólita que a Justiça já impediu a posse da deputada. Desse jeito, a rejeição de Temer deverá atingir números negativos.

Jair Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

SÓ GOL CONTRA

Gostaria de responder à pergunta da jornalista Vera Magalhães (“Só gol contra”, 7/1, A6), “agora o atual presidente tem em sua curta trajetória escândalos éticos, impopularidade recorde, dificuldade de articular a base e, logo mais, pedaladas fiscais. Qual a diferença em relação à petista, mesmo?”. Resposta: 1) a economia está decolando; 2) a Petrobrás está sendo saneada; 3) o desemprego reduziu (pouco, mas reduziu); 4) a taxa Selic caiu de 14% para 7%. Detalhe: não sou eleitor de Temer e, por mim, quando ele descer a rampa pela última vez, ao transmitir o cargo em 1/1/2019, pode ter uma viatura da Polícia Federal o esperando.

Luciano Nogueira Marmontel automatmg@gmail.com 

Pouso Alegre (MG)

*

DIFERENÇA

A única diferença visível entre as quadrilhas organizadas e os políticos dos gabinetes é que uns usam fuzis AR-15 e outros, canetas Mont Blanc.

Ely Weinstein elyw@terra.com.br 

São Paulo

*

INSS

O governo federal perpetua uma vergonha e uma humilhação aos idosos deste país. É a absurda e estúpida prova de vida do INSS que obriga os velhinhos de 85,90, 95 anos a irem até a agência bancária em que recebem suas aposentadorias, de macas e cadeiras de rodas, para provarem que estão vivos. Uma vergonha aos bancos que batem recordes de lucros e ao governo federal humilhar esses idosos. A opção oferecida é fazer uma procuração e "refresca-la" anualmente a um custo mínimo de R$ 250 por ano, pois se o velhinho não pode ir ao banco com certeza não poderá ir ao cartório. Cartórios já são um escândalo de País subdesenvolvido! Obrigar um idoso que ganha míseros R$ 900 a pagar por uma procuração ou "refresca-la" é totalmente imoral e vergonhoso. Procuração é válida até ser cassada.  Esse escândalo chamado "refrescar" uma procuração é mais uma invenção para abarrotar os cartórios com nosso suado dinheiro... Mais uma exigência imbecil que, infelizmente, não foi eliminada. O INSS tem que repensar e alterar essa exigência com urgência. Ninguém é contra o controle e o combate às fraudes, mas não é com medidas absurdas como esta que se vão combater os desvios. E por que os bancos que recebem, e não é pouco, por esse recadastramento e até para efetuar o crédito dos aposentados não podem ir à casa dos velhinhos fazer esse serviço? E por que um atestado médico de que o idoso está vivo não é aceito? Mais um desrespeito dos bancos e do governo federal ao aposentado e idoso!

Elio Silva Santos ericadf@bol.com.br 

Brasília

*

APOSENTADORIA

Mais uma vez, o governo nos afronta com um reajuste de 2.07% para os aposentados. Seria cômico, se não fosse trágico. Enquanto os funcionários públicos, dos Três Poderes, reajustam seus salários acima dos 20%, cabe ao pobre aposentado amargar mais esta vergonha de ter seu benefício reajustado muito abaixo da inflação, que certamente ultrapassou os dois dígitos no ano, mas, para o governo ficou na faixa de 3% . Para os poderosos, aumentos reais, benefícios e mordomias sem fim, mas para aqueles que são manipulados pela arrogância e inescrupulosidade dos políticos, reajustes que vão, ano após ano, corroendo seus rendimentos a ponto de minguar suas necessidades básicas ao nível da crueldade. O que esperar de uma Justiça que só se preocupa com seu próprio umbigo, ou de um parlamento inoperante que legisla em causa própria, ou então um Executivo que finge se preocupar com a retomada do crescimento do País, mas não se debruça no cerne da questão e na principal causa do descontrole orçamentário, que é a sua própria casa? Como alguém pode equilibrar suas contas se gasta mais do que arrecada e faz vista grossa para os poderosos, responsáveis reais por tudo que há de errado na economia do País?

Elias Skaf eskaf@hotmail.com 

São Paulo

*

VENEZUELA

A Venezuela vive um caos: sua economia recuou 15% e a inflação atingiu 2616%. E não adianta esperar que ocorra uma solução democrática por lá, pois as leis e as instituições foram corrompidas até o ponto de não  haver mais meio legal de se tirar o ditador Maduro do poder. E, como os militares fazem parte dos privilegiados de seu regime, golpe militar não deve ocorrer por lá. Quem não gostar, que engula em seco sem protestar, pois, senão, o pior o espera. Como previa Fidel Castro: a Venezuela se tornou um modelo revolucionário para o mundo.

Jorge A. Nurkin jorge.nurkin@gmail.com 

São Paulo

*

QUEM TE VIU, QUEM TE VÊ

O utópico (na teoria) e distópico (na prática) socialismo bolivariano do século 21 levou a outrora próspera Venezuela ¬— país com as maiores reservas mundiais de petróleo ¬¬ a uma exorbitante inflação anual de nada menos que 2.600% (!) , em 2017 — a maior do planeta. Venezuela, quem te viu, quem te vê. Fora, Maduro, antes que seja tarde demais!

J. S. Decol decoljs@gmail.com 

São Paulo

*

O PESADO CUSTO

O editorial “O pesado custo lulopetista” (12/1, A3) deveria ser lido na Câmara federal, no Senado, no despacho matinal com o presidente da República, em todas as câmaras estaduais e municipais. Lido em todos os sermões das igrejas católicas, em todas as pregações dos cultos evangélicos, em todas as escolas primárias e secundárias, em todas as universidades, em todas as reuniões de condomínios e no “Jornal Nacional”. Ser republicados nos maiores jornais nacionais e ser compartilhado em todos os sites da internet. Deveria ser distribuído pelo Sesi e pelo Senac em todas as indústrias e lojas comerciais do País e ser distribuído pelos Correios a todas as residências desta nação! E ser colocado embaixo da porta da sede do PT, em São Paulo.

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com 

São Paulo

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.