Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

17 Janeiro 2018 | 03h08

CORRUPÇÃO

Lulofobia

Lula da Silva já prejudicou demais o País. E continua a prejudicar por simples ameaças. As instituições brasileiras parecem sofrer de lulofobia, um medo patológico de causar comoção e violência se Lula for punido como merece. Essa fobia já foi ao paroxismo no mensalão e continua endêmica a cada oportunidade de mandá-lo para a prisão. E ele sabe perfeitamente disso. Tanto que nem precisa mais mobilizar as forças do ódio. Basta ameaçar. Veja-se o julgamento, dia 24, no Tribunal Federal da 4.ª Região (TRF-4). A foto de capa do Estadão de ontem mostra a cúpula da Justiça assustada e de mãos literalmente amarradas. Claro que ameaças pessoais preocupam. Mas, para o PT, ameaçar é muito fácil e tem sido eficaz: o Lula ainda está livre, leve e solto, enquanto o País está acuado e preso. É preciso fazer o que tem de ser feito. Romper a cadeia de sucessos do PT e prender o “cara”, nem que seja por uma hora, até o recurso. Caso contrário, o Brasil se tornará presa fácil para qualquer rato que ameace!

GILBERTO DIB

gilberto@dib.com.br

São Paulo

Incitação à violência

A pressão exercida pelo PT et caterva sobre o TRF-4 soa como desafio ao tribunal e incitação à violência. O único resultado que admitem é a absolvição de Lula e, portanto, estão desacatando o Poder Judiciário e atentando contra a nossa frágil democracia. Acho que isso não pode passar batido, esses incitadores devem ser, de alguma maneira, punidos. Aliás, muitos deles já se encontram indiciados e à espera de final de julgamento.

DÉCIO ANTÔNIO DAMIN

deciodamin@terra.com.br

Porto Alegre

A decisão correta

Se a Justiça absolve um criminoso por medo de reações populares insanas, não é Justiça. Vale também o contrário: a tomada de decisões políticas em atos jurídicos. A democracia só floresce e cresce no Estado de Direito e quem exerce funções públicas e toma decisões em conformidade com a lei nada mais faz do que cumprir sua obrigação. O País sairá fortalecido após o dia 24, qualquer que seja o veredicto do TRF-4. Passada essa data, poderemos voltar a debater reformas, agendas de desenvolvimento, políticas públicas e a indispensável reforma da Previdência. O tempo urge!

CARLOS LEONEL IMENES

leonelzucaimenes@gmail.com

São Paulo

Ameaças terroristas

Aos que ameaçam cometer atos de ódio e terrorismo no dia do julgamento do Lula só tenho uma coisa a dizer: Lei de Segurança Nacional! Mas terão as autoridades coragem de aplicá-la?

SÉRGIO ECKERMANN PASSOS

sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

Dura lex...

É absolutamente inadmissível o que está acontecendo com o Poder Judiciário, no caso do TRF-4, quanto ao julgamento da apelação de um simples mortal que à custa de ilícitos materiais, morais e psicológicos chegou à Presidência deste infeliz Brasil. Chega às raias das infrações capituladas na Lei de Segurança Nacional, especialmente no artigo 18, que diz textualmente que é crime “tentar impedir com emprego de violência ou grave ameaça o livre exercício de qualquer dos Poderes da União(...)”. Mas o que vemos são as autoridades acuadas, em busca de proteção. Tanto assim é que o presidente do TRF-4 se deslocou até Brasília em busca de segurança para o tribunal, preservando a integridade física e moral dos que exercem seu mister nas dependências dessa Corte de Justiça. Sem falar na malta petista que foi “visitar” o tribunal, numa forma sub-reptícia de pressionar os desembargadores, e como não poderia deixar de ser, nos ataques e ameaças pelas redes sociais.

CARLOS BENEDITO P. DA SILVA

carlosbpsilva@gmail.com

Rio Claro

Risco de fuga

Estão dizendo que o Lula vai sair em viagem para a Etiópia no dia 25 de janeiro, enquanto os desembargadores que vão julgá-lo recebem ameaças. Será que ele está organizando sua fuga e o asilo político? Apesar dos acontecimentos, o nosso Brasil continua tristemente nas mãos dos corruptos. Mas viva a Lava Jato!

RODRIGO AFONSO ECHEVERRIA

rodecheverria73@hotmail.com

São Paulo

Palavrório ridículo

A presidente do PT, Gleisi Hof-fmann, não para de vociferar ameaças, condenando o julgamento de Lula em segunda instância. Se ele for condenado, haverá mortes, diz ela. Essas expressões de Gleisi são ridículas e demagógicas. Lula será julgado segundo os ditames da lei e, se for condenado, cumprirá as decisões da Justiça. Ponto final.

FRANCISCO ZARDETTO

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

Debandada geral

Gleisi disse que “para prender o Lula vai ter que matar gente”. Ora, ora, e quem daria a vida por Lula? Isso é coisa de loucos varridos ou de raros mártires verdadeiros. Há petistas que, de fato, perderam a vida pela “causa”, como Celso Daniel – mas não por opção própria. Convencer alguém a morrer por Lula, nem com um caminhão de sanduíches de mortadela... Todos à volta dele estão lá por interesse e só ficarão enquanto o interesse perdurar. A maior prova será a debandada maciça do PT a que certamente assistiremos logo após confirmada a condenação.

JORGE A. NURKIN

jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

Insensatez

Impressiona a insensatez da senadora (recuso-me a declinar o nome) presidente do PT. Não encontramos em suas ações, falas ou participações um mínimo de cuidado. Deseja ela estar sempre na mídia, aparecer. Não importam o tema e a forma, quer os holofotes. Aquela sobre a faixa de apoio ao hexarréu em jogo na Alemanha, então, é de amargar. Esquece S. Exa. que um bom produto bem divulgado cresce e ocupa o topo. Um mau produto (ela) bem divulgado acentua a queda, advindo o esquecimento. Pare com isso, senadora!

JOSÉ PERIN GARCIA

jperin@uol.com.br

São Paulo

Enriquecimento familiar

Acho que o Ministério Público Federal deveria considerar o enriquecimento familiar de políticos suspeitos de corrupção, e não apenas o individual. No caso de Lula da Silva, deveria ser incluído o valor do espólio de dona Marisa Letícia e os bens de seus filhos. Será que é compatível esse aumento durante o período em que Lula foi presidente? Não há algo estranho nessa explosão de bens familiares?

SILVANO CORRÊA

scorrea@uol.com.br

São Paulo

“As ameaças diretas aos desembargadores são genuínas confirmações de que se trata mesmo de bandidos”

ALESSANDRO LUCCHESI / CASA BRANCA, SOBRE AS TENTATIVAS DOS PETISTAS DE INTIMIDAR 

A TURMA DO TRF-4 QUE VAI JULGAR O RECURSO DE LULA

timtim.lucchesi@hotmail.com

“A presidente do PT disse que seu partido não faz ameaças. Como assim? Ela não tomou conhecimento do 

que disse José Dirceu?”

MOISES GOLDSTEIN / SÃO PAULO, IDEM

mg2448@icloud.com

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

PARA AFASTAR A POLITICALHA

Para desestimular e afastar a politicalha que não "larga o osso", somente terminando com os excessos de benesses concedidos. Ora, se um suplente assume o cargo por uma única semana, embolsa mais que R$ 67,5 mil, se a Câmara arca com o pagamento de mais de 1,4 mil viagens dessa tropa, se são concedidos todos os tipos de excrecências a título de "ajuda de custo", é só acabar com essa pornografia de concessões. Só assim muitos deixarão os cargos, por total falta de interesse. Mudanças já!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br 

São Paulo

*

FARRA NO CONGRESSO

O "Estadão" do dia 15/1 publicou duas notícias: 1) que a Câmara gasta mais de R$ 13 milhões em Comissões Especiais e quanto nos custam as "comissões ordinárias"; e 2) que congressistas gastam mais de R$ 60 mil em despesas pessoais adicionais. Como diz o professor Raimundo, "e o salário, oh...".

Mário A. Dente eticototal@gmail.com 

São Paulo

*

FUTURO ANTIGO...

Enquanto os políticos estiverem preocupados com o futuro deles, e não com o do Brasil, não sairemos do atoleiro. Nem eles!

Luiz Frid fridluiz@gmail.com 

São Paulo

*

BRASIL REBAIXADO

A atual classe política continua sendo o maior obstáculo para o Brasil recuperar sua imagem no cenário internacional, num momento em que o atual governo se esforça para superar a crise econômica herdada por 13 anos de lulodilmismo. Graças a senadores e deputados que sempre souberam da necessidade de fazer a reforma da Previdência, mas se recusaram a aprová-la, por terem algumas de suas chantagens negadas pela atual administração, pode-se atribuir a eles a responsabilidade pela nota de rebaixamento do Brasil pela agência de classificação de risco Standard & Poor's (S&P), que citou o adiamento da votação da reforma previdenciária como causa da redução da nota do País, mencionando, ainda, as concessões onerosas a que se sujeitou o governo ao ceder à chantagem de políticos venais, aumentando a desconfiança de agências internacionais de classificação. Nunca é demais lembrar que a incompetência, a irresponsabilidade e a corrupção dos governos petistas levaram nossa economia ao estado máximo de penúria. Embora o governo Temer não merecesse essa nota de rebaixamento por tudo o que tem feito em prol da economia, ele deveria ter em mente que os estrangeiros, ao contrário dos brasileiros, não têm a mesma paciência para aguardar o início das reformas. Como consequência, haverá repercussão negativa sobre os investimentos e sobre a imagem do Brasil. Espero que após mais esse prejuízo herdado pelo lulopetismo, a classe política se mobilize sem mais chantagens e aprovem a reforma da Previdência pelo bem do País.

Paulo R. Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br 

São Paulo

*

2018

Faltando dez meses para as importantíssimas eleições de outubro, cabe destacar o oportuno artigo "2018, ano crucial para 2019 -2022 e muito além", do economista e articulista do "Estadão" Pedro Malan (14/1, A2), o parágrafo a seguir reproduzido: "O ano de 2018 será absolutamente crucial para o Brasil e para seu futuro - não apenas para o quadriênio 2019 -2022, mas para muito além. Quase tão importante quanto o resultado das urnas, em outubro, será o teor das narrativas, dos discursos e promessas dos principais candidatos. Além do compromisso com os valores da democracia e da República, espera-se compromisso com a ética e a moralidade da administração pública e nas relações público-privadas. Espera-se dos candidatos a demonstração de que compreendem a natureza dos desafios a enfrentar na área das finanças públicas. Não porque equacioná-los constitui um fim em si mesmo, mas porque sem isso não haverá como o Brasil alcançar as taxas de crescimento da renda e do emprego, que constituem o nada obscuro objeto de desejo da maioria dos brasileiros." Com efeito, o País terá diante de si a rara oportunidade de dar um passo decisivo rumo ao futuro. Após o País enfrentar a mais aguda e severa crise política, econômica, moral e ética de sua história, herança maldita do cleptolulopetismo, de lamentável memória, desta vez não se trata "apenas" da eleição de mais um presidente da República, mas da escolha livre e democrática de quem terá sob sua responsabilidade a árdua e íngreme tarefa de recolocar o Brasil nos trilhos em direção à saída do túnel escuro e enevoado. As urnas deverão apontar o caminho para um futuro próspero, de volta ao azul, ou para um passado vermelho desbotado ou verde-oliva autoritário. É chegada a sua hora. Vota certo, Brasil!

J. S. Decol decoljs@gmail.com 

São Paulo

*

AS 'MORTES' DA DEMOCRACIA

O professor Bolívar Lamounier discorreu em "A quinta morte da democracia" (13/1, A2) sobre as "mortes" da democracia e registrou a dor pelo populismo e pelos políticos sem responsabilidade pública. Um editorial nos diz que o Brasil foi "reprovado de novo", depois que uma empresa especializada contou pra todos como é ruim nosso sistema de governo. Outro editorial fala do desastre dos ganhos no Judiciário, fora de limites legais, sem que ninguém de peso tenha coragem de enfrentar esses abusos. Claro, os próprios "prejudicados" irão julgar tais ações, sabemos no que vai dar. E há o risco da regra de Béria: "Deem-me um homem e eu instauro um processo". Tanta má notícia nos faz pensar nas origens do atual sistema de governo. Parece que o Brasil fez cópia incompleta do pacote de instituições que formam a democracia representativa. É certo que nesse pacote vieram os Três Poderes, sua "independência", o voto universal, sistemas razoáveis de ensino, de amparo à saúde, Previdência Social, dentre outros. Mas olhando os resultados se percebe que os deveres foram subvalorizados: é só ver os recursos judiciais possíveis antes sentenças finais, a lerdeza do Judiciário, os direitos dos presos. Vimos há pouco a Petrobrás correndo para concluir acordo judicial nos Estados Unidos, enquanto nossa Justiça estava entrando em "recesso", atrasando o julgamento de causa similar de credores brasileiros. Parece que os ricos somos nós, cheios de férias e "direitos", enquanto "eles" trabalham. Mas enquanto os deveres foram bem aquinhoados em nossa cópia de regime de governo, os direitos adquiridos foram sobrevalorizados. Várias categorias de trabalhadores estão embebidas dessa prerrogativa, lembrando nobres europeus. Os subprodutos de nossa cópia mal feita dos regimes ocidentais estão se tornando insuportáveis à população que arca com enormes custos para manter a atual situação. Desesperam-se os pagantes ao ouvir de um membro da mais alta corte do País que "cada poder cuida do seu", ao explicar por que concedia mais uns novos aumentos para sua gente. Se cada um pensasse só no "seu", voltaríamos ao tempo das cavernas, da lei do mais forte. Altos funcionários agem como se pertencessem a poderes únicos para defender sua gente. Até quando vamos aturar esse nosso regime mambembe, caro, mal copiado, que perpetua privilégios, que não possui instrumentos válidos de equilíbrio, de prestação de contas, de compliance, atulhado de dispendiosa burocracia? Nossa "inteligentsia" tem o dever de analisar de forma completa essas deficiências estruturais apontando caminhos factíveis, rápidos, justos e que tenham demonstrado bom desempenho nas grandes democracias atuais, e se preocupar menos com apressar sua aposentadoria integral ante as reformas.

Alberto Jabur ajabur15@gmail.com 

Curitiba

*

O PREÇO DA ESTABILIDADE

A verdadeira divisão que existe no Brasil não é entre nós e eles, mas sim entre corruptos e não corruptos. A turma dos corruptos conta com o PT de Lula, o PMDB de Temer, o PSDB de Aécio Neves, entre outros. A turma dos não corruptos é muito maior em número, mas não é organizada, conta com a maioria da população que estuda, trabalha e paga os impostos mais altos do planeta sem receber nada em troca. O Brasil será uma grande nação no dia que a maioria honesta e trabalhadora se organizar e aniquilar essa minoria de corruptos e incompetentes que estão saqueando o País há décadas. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br 

São Paulo

*

AMEAÇAS AO TRF-4

Um exemplo de que a ORCRIM domina esse país foi a preocupação manifestada pelo presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª. Região (TRF-4), Carlos Eduardo Thompson Flores, a congressistas petistas. Disse o presidente que juízes estão recebendo ameaças, além de um sujeito de Mato Grosso que gravou vídeo ameaçando atacar o prédio do TRF-4. A que ponto chegamos?! Os petistas querem transformar esse julgamento em comoção nacional, com Lula passando a ideia de vítima. Vergonha! Se há um culpado por essa insegurança, ele é a própria Justiça, que a exerce em pagamento aos cargos, como estamos vendo diariamente. Alguns ministros nem coram mais diante das decisões de proteger seus indicadores. Pobres dos juízes da primeira instância que ocupam seus cargos pela competência, tomam decisões baseadas na lei e são escorraçados pelos petistas num claro desrespeito às leis e às instituições. Todos sabemos que o PT só acata aquilo que é bom para ele. A decisão do dia 24/1 será o momento em que o Brasil dirá com todas as letras que lugar de bandido é na cadeia. A conferir.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com 

São Paulo

*

LULA EM PORTO ALEGRE

Lula derrotado nas urnas seria um castigo muito maior do que preso por decisão do TRF-4, em Porto Alegre. O mito se alimenta mais das penas do que das derrotas e glórias. 

Paulo Sérgio Arisi paulo.arisi@gmail.com 

Porto Alegre

*

AS CONFUSÕES DE NARIZINHO

"Forza Lulla?". Troca a pilha, Gleisi Hoffmann!

A.Fernandes standyball@hotmail.com 

São Paulo

*

EXEMPLO DOS POLÍTICOS

Segundo o "Estadão" de ontem (16/1, A4), a senhora Gleisi Hoffmann "disse que o partido [dos Trabalhadores] sempre orientou os militantes a promover manifestações pacíficas". Conforme "O Globo", essa senhora afirmou que "para prender Lula, 'vai ter que matar gente'...". As perguntas que hesitam em calar: ela está pregando a paz ou o conflito? Ela declarou que seria vítima ou algoz? Se fosse vítima, o Brasil ganharia; se fosse algoz, o sistema penitenciário perderia. Melhor seria se todas as pessoas públicas pregassem a harmonia, a solidariedade e o progresso - elas seriam exemplo, receberiam respeito e contribuiriam para a verdade, liberdade e democracia.

Aléssio Ribeiro Souto souto49@yahoo.com 

Brasília 

*

APOTEOSE EM PORTO ALEGRE 

A senadora ré em processo de corrupção faz bravatas sobre o já moribundo partido, cujo líder é o capo Lula, que com certeza será condenado com aumento de pena no TRF-4. A tendência descendente da ECPO (entidade criminosa politicamente organizada) continua firme, a começar quando iniciaram as fracassadas caravanas no Nordeste, bem como em alguns Estados do Sergipe, com a apoteose em Porto Alegre, onde os galos e galinhas cantarão e cacarejarão bem fino.

Ulf Hermann Mondl hermannxx@yahoo.com.br 

São José (SC) 

*

JUSTIÇA CEGA

Prevê o artigo 344 do Código Penal a seguinte conduta: "Usar de violência ou grave ameaça, com o fim de favorecer interesse próprio ou alheio, contra autoridade, parte ou qualquer outra pessoa que funciona ou é chamada a intervir em processo judicial, policial ou administrativo, ou em juízo arbitral", classificando tal crime como coação no curso do processo. Pelo que se constata das notícias veiculadas pela imprensa, muitas declarações feitas por adeptos do "lullopetismo", incitando depredação e violência, buscando atemorizar os desembargadores do TRF-4, se adequam perfeitamente a este artigo do Código Penal. Não deve a Justiça ficar cega a essas condutas e determinar a apuração de tão graves fatos contra o Estado de Direito?

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br 

São Paulo 

*

LULA CONDENADO

Por que essa batalha anunciada para o próximo dia 24, em Porto Alegre? O cara não já dispõe para a sua defesa de um batalhão de advogados famosos? Portanto, que a lei seja cumprida!

Nivaldo Ribeiro Santos nivasan1928@gmail.com 

São Paulo

*

MENTIRAS DE LULA

No próximo dia 24 de janeiro os advogados de Lula darão sequência à máxima já vociferada por Lula: "Quem conta uma mentira passa a vida inteira mentindo para justificar a primeira mentira". Torçamos para que os desembargadores do TRF-4, em consonância com pensamento de A. Schopenhauer, não apenas demonstrem talento ao atingirem o alvo que os outros não conseguem, mas que sejam gênios e atinjam o alvo que os outros não veem. Alea jacta est. Boa sorte, Brasil!

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br 

São Paulo

*

SEGURANÇA MESMO?

Preocupados com a segurança, reuniram-se em Brasília os presidentes do TRF-4, do Supremo Tribunal Federal e a procuradora-geral da República. Quanto cuidado.

Ricardo Fioravante Lorenzi ricardo.lorenzi@gmail.com 

Sao Paulo 

*

PREJUÍZO

E o tal molusco continua causando prejuízos: ouvi de um motorista de táxi ontem que ele não trabalhará no dia do julgamento com medo de quebra-quebra aqui, em São Paulo. Minha faxineira também já avisou que não virá pelo mesmo motivo. Herança maldita...

Eliane Pinotti Borguetti epborguetti@gmail.com

São Paulo

*

O CAVALO DE TROIA DO PT

Como parte da estratégia para transformar o julgamento de Lula num palanque, o site "O Antagonista" informa que, os deputados petistas Paulo Teixeira e Wadih Damous se tornaram defensores de Paulo Okamotto no último dia 12, podendo transitarem na sala de audiência em que acontecerá o julgamento de Lula. Ou seja, o objetivo dos defensores do ex-presidente não é só tumultuar o ambiente externo nas ruas e praças no entorno do tribunal, mas participarem da sessão do julgamento transformando a audiência num palanque contra a Justiça e contra os julgadores de Lula. Sugestão: redobrar a segurança no ambiente onde se darão as audiências e dobrar o número de algemas em poder dos seguranças.

Paulo R. Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br 

São Paulo

*

'JUS ESPERNIANDI'

Em seu artigo "Jus esperniandi" (16/1, A6), Eliane Cantanhêde coloca os que são anti-Lula no mesmo pé de igualdade com os pró-Lula, classificando-os como "torcidas". Embora a intenção tenha sido a de ser objetiva e neutra, pergunto se os que são anti-Lula usam black blocs, depredam patrimônio público, ou apenas exercem o direito constitucional próprio das democracias, de liberdade de expressar-se em manifestações invariavelmente pacíficas, em locais pré-determinados e autorizados. É possível comparar uma manifestação com milhares de pessoas na Avenida Paulista, vestidos de verde e amarelo sem registro de um único incidente qualquer, com manifestações de petistas que acabam sempre em quebra-quebra? Não somos "torcidas", não. Somos, isto sim, cidadãos preocupados com o futuro do nosso país, que nos governos lulopetistas teve nosso futuro, o dos nossos filhos, netos e de todos os brasileiros, especialmente os mais pobres, totalmente comprometido, sabe-se lá por quantos anos! Não estamos, portanto, os que são contra Lula, exercendo o direito de "jus esperniandi", isto porque nossa questão não é "espernear", mas apoiar a sentença já proferida de Sergio Moro, de 9 anos e meio de prisão. Então, por que iríamos espernear? Bobagem! Quem não se cansa de espernear da forma mais grotesca possível são os fanáticos petistas, que programam levar a desordem para Porto Alegre, onde Lula será mais uma vez julgado pelo caso do triplex no Guarujá. Nós intencionamos nos manifestar nos grandes centros, na véspera do dia 24/1, novamente em verde e amarelo, apenas com palavras de ordem, cada qual por sua conta, sem ônibus fretados, sem parafernália paga por sindicatos com muito gasto envolvido. Nossos anseios são diferentes, são em prol da Justiça e são e serão sempre pacíficos, com a devida anuência de autoridades. E o desejo maior de todo cidadão de bem, que fique bem claro, é que todos sejam considerados iguais perante a lei e que a sentença de Moro seja confirmada pelo TRF-4 por apenas um dos crimes que Lula foi acusado, sem mencionar os tantos outros. Tomara que a Justiça seja feita, pois motivos não faltam. Por tudo isso, não queremos, pois, ser medidos pela mesma régua. Até porque quem tem ameaçado os desembargadores não somos nós que pedimos justiça, mas aqueles que querem impedir que a Justiça cumpra seu papel.

Eliana França Leme efleme@gmail.com

Campinas 

*

PAÍS SÉRIO 

Lendo o artigo de Eliane Cantanhêde "Jus esperniandi" ocorreu-me imaginar um país mais sério onde toda essa melancólica novela do julgamento de 24 de janeiro no TRF-4 seria a coisa mais natural e tranquila do mundo. O Brasil, infelizmente, é ainda um país que não amadureceu. Não obstante, durante o Império, sob Pedro II, ter sido uma nação respeitada e com perspectivas de desenvolvimento que a República frustrou. É obrigação das autoridades velarem pela ordem durante o julgamento e tratarem os eventuais baderneiros com todo o rigor que o caso requer. Qualquer hesitação no estrito cumprimento da ordem pública deve ser evitada em não importa qual sejam as circunstâncias. Chega de leniência e covardia.

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br

Campinas

*

AS FORÇAS ARMADAS E A SEGURANÇA

Cumprimento o general Eduardo Villas Bôas pela corajosa entrevista "Contaminação de tropas federais por facções preocupa, diz general" (15/1, A10), concedida à jornalista Tânia Monteiro. Acrescentaria às palavras do general Villas Bôas que nada acontece por acaso. No final dos anos 70 do século passado, as esquerdas brasileiras se reuniram em Lisboa para avaliar por que as três tentativas até então realizadas (1935, 1964, 1968/1974) para a tomada do poder no Brasil haviam fracassado. A "grande barreira" que impedira o sucesso da empreitada foram as Forças Armadas, em especial o Exército Brasileiro. E, para um sucesso futuro, seria preciso neutralizá-las. Assim, a aplicação da revolução cultural gramscista sobre a sociedade brasileira, Forças Armadas incluídas, levaria ao sucesso, modificando o senso comum e atingindo o consenso. Assim se explica o politicamente correto. Assim se explica o emprego, cada vez mais amplo, das Forças Armadas, Exército Brasileiro incluído, em missões de garantia da lei e da ordem e outras ações subsidiárias, desvirtuando o principal papel constitucional preconizado. Para finalizar, permita-me, com todo o respeito corrigir o general Villas Bôas: voto não condena nem absolve nada nem ninguém. A sociedade brasileira apoia totalmente a Operação Lava Jato e todas que dela derivam. E espera que o Poder Judiciário condene todos aqueles que forem julgados culpados. Urna é outra coisa!

Marco Antonio Esteves Balbi mbalbi69@globo.com 

Rio de Janeiro

*

CONTAMINAÇÃO DE TROPAS

Bastante produtiva e esclarecedora a entrevista ao "Estadão" do comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, especialmente quando observa a negligência dos Estados no combate à criminalidade, ocasionando, como consequência, pedidos de remessas de tropas para os Estados. O crime organizado, por sua vez, procura contaminar as tropas do Exército em seus redutos, como ocorre no Rio de Janeiro, o que poderia ser perfeitamente evitável se o governo federal e os estaduais efetuassem, com continuidade, combate efetivo ao crime organizado. Na verdade, a missão constitucional do Exército é defender a Nação contra forças externas, e não servir como polícia, assumindo as funções que incumbem às Polícias Militar e Civil.

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br 

Rio Claro

*

AMEAÇA

Para o general comandante do Exército, a possibilidade de contaminação das tropas pelas facções criminosas preocupa. A Colômbia viveu por muitos anos sob uma tripla ameaça: das Farc, dos Narcos e das milícias. O Brasil está caminhando em direção semelhante, com a criminalidade crescente enquanto todo o restante permanece na mesma, ou até pior. É incrível a acomodação do brasileiro. Não reage. Assiste impotente à destruição de sua família, de sua casa, de seu país. Quem sabe à espera de um milagre.

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br 

São Paulo

*

RIO, VIOLÊNCIA E CARNAVAL

A violência no Rio de Janeiro fecha comércios, afasta investidores, mata moradores e acaba com qualquer iniciativa de revitalização, por melhor que seja a intenção. O Rei Momo vai assumir uma cidade abandonada.

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com 

Niterói (RJ)

*

VIOLÊNCIA NO RIO

Mangueira teu cenário é uma beleza, mas a violência uma tristeza sem fim. Qual será o fim disso? Mais mortes sem dúvida alguma, afinal, a vida no Rio de Janeiro está pela hora da morte, mas pelo menos agora vai ter carnaval.

 

Antonio Jose Gomes Marques a.jose@uol.com.br 

Rio de Janeiro

*

PROPAGANDA ENGANOSA

Ainda garoto, morei no Rio de Janeiro. Locais encantadores e divertidos. Inconfundíveis delícias cariocas. Reinava a paz. Autêntico cartão postal de um Brasil acolhedor e seguro. Hoje, em anúncio, o governo federal tenta atrair turistas, exibindo uma cidade sem problemas. Esconde o sol com a peneira, garantindo que "tem um Rio de Janeiro para cada brasileiro". Tem mesmo. Outros tantos melancólicos e assustadores Rios precisam ser revelados, sob pena do Ministério do Turismo acabar nas malhas do Procon por propaganda enganosa. 

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com 

Brasília

*

PROPAGANDAS MENTIROSAS

O governo federal faz propaganda na TV dizendo que a vida da população está melhor e que o poder de compra aumentou.  Quanta mentira! Nos últimos quatro anos os preços da maioria das mercadorias ou produtos subiram mais de 50%, enquanto outros até dobraram. E os salários dos trabalhadores e aposentados não têm reajustes condizentes com a realidade. É o meu caso. E assim, o poder de compra ano após ano só diminui!  E o que dizer da propaganda sobre o Rio de Janeiro, em que a cidade aparece como acolhedora, com lugares aconchegantes e convida a população a viajar/conhecer? Dá para acreditar nisso? Todo dia pessoas são mortas por tiros de fuzil à queima roupa. As escolas ensinam as crianças durante as aulas a se abaixarem durante os diários tiroteios. Motoristas são metralhados ao errar o caminho. Roubos de cargas a qualquer hora do dia. Enfim, quantos milhões são gastos com comerciais mentirosos? Propaganda enganosa não é crime? E tudo pago com nosso dinheiro. 

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com 

São Paulo

*

NO EMBALO DO SAMBA

Acabamos de sair do réveillon e já estamos com um pé nas passarelas do samba... Quanto ao aumento nos preços dos combustíveis e o rebaixamento da nota do Brasil pela S&P, aí já é outra história.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com 

Jandaia do Sul (PR)

*

FALÊNCIA DA SEGURANÇA

O recrudescimento da violência urbana no Rio, não só nas chamadas comunidades, mas nos bairros de classe média e classe média alta em torno delas é emblemático. Mostra a falência do sistema de segurança pública estadual, que está gerando uma espécie de síndrome coletiva de pânico na população carioca, produzindo também, assim, sérias e graves repercussões na economia da Cidade Maravilhosa.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com 

Rio de Janeiro

*

IPTU 2018

O susto é o sentimento generalizado dos proprietários que moram no Leblon, no Rio de Janeiro. Chegou o carnê da cobrança do IPTU. Aumento de 47,3%. Passou de R$ 2.370,00, em 2017, para R$ 3.419,00, em 2018. O que justifica este aumento abusivo num país que está com uma inflação abaixo da meta estabelecida pelo Banco Central? Vale destacar o velho refrão: pagam-se muitos impostos sem retorno nenhum para os cidadãos. Pior! O bairro objeto deste IPTU é alvo de marginais, de turistas sem educação que só sabem deixar o lixo quando voltam para suas origens. No carnaval os moradores ficam cumprindo prisão domiciliar porque não conseguem sair de casa nem para ir a um hospital em caso de emergência. Junto com o carnê deveria vir também a prestação de contas da aplicação do IPTU no bem-estar da população.

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com 

Rio de Janeiro 

*

SÃO PAULO ABANDONADA

O lema do prefeito Doria tem sido trabalho. A cidade de São Paulo, no próximo dia 25, completará mais um ano de sua fundação. Ao fazer um passeio a pé pelos nobres bairros da Zona Sul, Vila Nova Conceição e Jardim Luzitânia, vi o abandono da cidade. Árvores sem poda, praças cheias de mato, calçadas esburacadas e lixo espalhado nas imediações do Parque do Ibirapuera. É incrível o quanto de IPTU se arrecada e a cidade está literalmente abandona e sem os cuidados que a tornariam uma propalada cidade linda apenas no papel.

Carlos Henrique Abrao abraoc@uol.com.br 

São Paulo

*

FRAUDE NAS COTAS

Como no Brasil, infelizmente, os piores exemplos, como de falta de ética e bons costumes, vêm dos nossos governantes e dirigentes das nossas instituições, não surpreende que muitos dos brasileiros também queiram levar vantagens indevidas... Como, infelizmente, verificamos num importante levantamento feito e publicado pelo "Estadão" na reportagem "1/3 das federais tem denúncia em cota racial; governo quer avaliação visual" (12/1, A11), em que se constata: uma em cada três universidades federais tem denúncia de fraudes no sistema de cotas raciais. E revela que estão sendo investigados 595 alunos de 21 instituições, por irregularidades neste sistema. Também que a maioria já teve indeferida sua matrícula. É bom lembrar que este número de 595 alunos que supostamente fraudaram esse sistema, na realidade, pode ser maior, já que, das 63 universidades federais espalhadas pelo País, apenas 53 responderam ao jornal sobre esta questão. E o governo federal, para tentar estancar o problema, pretende formar comissões de avaliação, antes mesmo do ingresso dos calouros nas universidades... Mas como neste país tudo é feito para complicar e gerar facilidades, e sendo radicalmente contra esse sistema de cotas exclusivas para negros e pardos, indico que o ideal seria que estes cidadãos negros e pardos tivessem o mesmo direito de ingressar nas universidades públicas pela formada lei de 2012, mas inseridos na que contempla reserva de 50% das matrículas aos alunos que se formaram integralmente no ensino médio em escolas públicas... Simples!

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com 

São Carlos

*

O PROBLEMA MAIOR

Aguardei a publicação posterior a que abordou o tema cota nas universidades e mais uma vez me impressiona que nenhum leitor tenha escrito criticando ou apoiando tal sistema. É desinteresse, conformismo, apoio ou medo de se pronunciar? O que tem de ser dito é que este sistema foi criado para se esquivar do problema maior, que é a falta de educação básica neste país. Faz parte de nossa cultura não enfrentar o problema, e sim criar alternativas para não solucionar a causa. Este sistema é um absurdo, injusto e faz parte do tema "me engana que eu gosto". Basta ver as fotos publicadas pelo jornal na reportagem, dos candidatos com os cartazes em frente de si. Todo mundo é negro para atingir o seu objetivo, mas não vejo nenhum deles conclamando a melhora do ensino básico que os levou a esta posição ridícula. E como fica a qualidade das universidades que têm de abrir vagas para essa turma de despreparados? E depois de formados terão a mesma capacidade de competir num mercado em que não há cotas? Ou o próximo passo é estipular cotas nas empresas, uma vez que no funcionalismo público (sempre ele) parece que já há?

Ademir Alonso Rodrigues rodriguesalonso49@gmail.com 

Santos

*

CLARIVIDÊNCIA 

Pelas linhas tortas de nossa História recente, o Brasil se tornou um celeiro de economistas-humanistas, dotados de rara visão pluridisciplinar. Se isso não se aplica a todos indistintamente, o galardão cai na medida para Pedro Malan, capaz de realçar fatores econômicos e históricos como pano de fundo para a equação política (14/1, A2). Por alguma razão, é apontado como um dos brasileiros mais clarividentes de sua geração. 

Fernando Dourado Filho douradofernando372@gmail.com 

São Paulo

*

DÚVIDA

Sr. Pedro Malan (14/1, A2), será que a nossa democracia é jovem demais ou que a nossa falta de civismo e cidadania é antiga demais?

Inês Levis ineslevis@hotmail.com

Jundiaí

*

MINISTRA DO TRABALHO

Sem sombra de dúvidas, tudo indica haver um enorme interesse que não é de nosso conhecimento ainda pelo fato de a deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ) querer e insistir tanto para assumir o Ministério do Trabalho, após ser indicada pelo seu pai, Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB. Deve estar realmente muito interessada para dedicar-se em defender os interesses dos trabalhadores brasileiros, né não?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br 

São Paulo

*

ASSÉDIO E POLÊMICA

Sedução consentida, sim, liberdade para importunar, não! 

             

Tania Tavares taniatma@hotmail.com 

São Paulo 

*

'POR FAVOR, EMBRAPA: ACORDE!'

Contundente e surpreendente o artigo sob o título acima, de Zander Navarro, publicado no "Estadão" (5/1, A2). Sou dos que têm da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) uma ideia superpositiva, de responsável pelo progresso que nossa agropecuária alcançou em âmbito mundial nos últimos anos. Meu conceito foi lastreado apenas em informações da mídia, já que não pertenço ao meio rural. Nunca havia tomado conhecimento da dimensão dos custos envolvidos com o funcionamento da referida empresa para os brasileiros. E de sua cara estrutura operacional e de pesquisas. O mínimo que se aguarda é uma manifestação da Embrapa.

Ademir Valezi valezi@uol.com.br 

São Paulo 

*

EMBRAPA

Devem continuar a debater este tema. Zander Navarro foi corajoso em seu artigo. Uma entidade que depende do governo deve ter um sistema independente de avaliação, um conselho com membros independentes supervisionados de forma transparente pela imprensa. Este conselho deveria estabelecer metas de desempenho seja em inovação como em eficiência. Código de Conduta não foi criado como um instrumento de submissão, e sim com um guia que inspire as pessoas a compartilhar dos propósitos de uma organização. 

Wilson Carnevalli Filho macarnevalli@gmail.com

São Paulo

*

CULPA NO CARTÓRIO

Durante um dos seus mandatos, o ex-presidente Lula tentou dar um primeiro "bote" na Embrapa, mas foi impedido pelo seu ministro da Agricultura, na época Roberto Rodrigues. Depois disso, com a troca do ministro, a empresa ficou indefesa e vulnerável ao aparelhamento ideológico imposto pelo lulopetismo.

Sergio Salgado de Oliveira ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

EDUARDO CUNHA

386 anos de cadeia para Eduardo Cunha. Só?

Elisabeth Migliavacca 

São Paulo

*

RACHA NA ANCHIETA 

Racha resultando em mortes não poderia ser considerado crime hediondo?  Ou ao menos podemos ter a esperança de ver a Justiça ser feita, com aplicação da pena adequada a alguém que dizima uma família, como aconteceu na Via Anchieta no dia 9     de janeiro?

 

Eduardo Britto britto@znnalinha.com.br 

São Paulo 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.