Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

24 Janeiro 2018 | 03h01

CORRUPÇÃO

O dia D

Hoje é o dia decisivo para os rumos da política e da corrupção em nosso país. O Tribunal Regional Federal com sede em Porto Alegre julga os argumentos apresentados pela defesa do ex-presidente Lula contra a sentença proferida em 12/7/2017 pelo digníssimo juiz da 13.ª Vara Federal de Curitiba, Sergio Fernando Moro, que o condenou a nove anos e meio de prisão. Se mantida a condenação do réu, ou aumentada a pena, a justiça terá sido feita. A ética na política estará de volta e a corrupção, se não extirpada de vez, estará mais próxima do fim. Do contrário, continuaremos atolados neste mar de lama fétido ainda por longos anos. Portanto, que as 218 páginas e os 962 parágrafos da sentença condenatória não tenham sido em vão e, mais uma vez, não fiquemos desapontados pela Justiça. E que prevaleça, enfim, o dito citado na brilhante decisão de Moro: “Não importa quão alto você esteja, a lei ainda está acima de você”.

SÉRGIO DAFRÉ

sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

É hoje

Chegou o dia que muitos brasileiros de bem aguardavam e uma minoria teme. Mesmo diante de uma muralha de proteção erguida a peso de ouro, a defesa de Lula, hoje “na condição de militante”, não conseguiu blindar seu cliente contra as provas inquestionáveis apontadas pela Lava Jato, capazes de desmontar as inúmeras chicanas criadas para transformar um culpado em inocente, evitando que o Judiciário cumpra sua missão mais elementar: fazer justiça. Para quem tem culpa no cartório o dia hoje será tenso, podendo anunciar o fim da era da impunidade e de ameaças contra a democracia. Para os magistrados de Curitiba e Porto Alegre – ameaçados por quadrilhas companheiras – é mais um dia de trabalho duro no cumprimento do dever, lembrando que ninguém está acima da lei. Para o Brasil, um dia de grandes esperanças.

PAULO R. KHERLAKIAN

paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo

Manobra diversionista

O julgamento do Lula é por crime de corrupção. As leis valem igualmente para todos. E ele teve mais defesas que qualquer cidadão teria para esconder o óbvio (até de recibos falsos ele já se valeu!). A movimentação “política” para desviar a atenção e tentar transformar o julgamento num acontecimento político é em si um transtorno da ordem pública. O julgamento político de Lula e do PT deveria ser pela tentativa de subversão do regime democrático rumo a um totalitarismo permanente de contornos não esclarecidos, via populismo, sofismas e mentiras, já praticado em outros países. Esse crime contra a sociedade ainda não está tipificado, assim ele só será julgado pela História.

HARALD HELLMUTH

hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

Política não absolve

Oportuníssimo o editorial O respeito à lei (23/1, A3). A soberba e arrogância de Lula não tem limites, ele até pretende escolher quem será seu julgador. Como todo cidadão brasileiro, ele não está nem acima, nem além da lei; Lula foi, é e será julgado por juízes togados, concursados e empossados, na condição de réu em múltiplas ações penais e dentro das regras do processo, como deve ser num Estado Democrático de Direito. Estão sendo observadas todas as garantias e assegurados todos os seus direitos – seus advogados entraram com nada menos que 159 petições nos autos, uma exorbitância inédita. Aliás, ele terá vários advogados fazendo sustentação oral em seu nome. Não pode nem deve, pois, queixar-se de injustiça ou discriminação. É réu em ação penal e é à Justiça que deve prestar contas. Quando ou se lhe for permitido perante a Lei Ficha Limpa, que se candidate, concorra e tente vencer a eleição, se puder. Disputa eleitoral nada tem que ver com sua eventual culpa criminal. Política é política e nela ele não poderá ser condenado nem absolvido: acerto de contas com a lei, só mesmo na Justiça!

FLÁVIO CALICHMAN

ibracal@uol.com.br

São Paulo

Al Capone & Lula

Al Capone cometeu dezenas de assassinatos, roubos, assaltos, e a Justiça só pôde comprovar que ele cometeu o crime de sonegação do Imposto de Renda. Na cadeia, deve ter-se lamentado: “É uma desmoralização, com tudo o que fiz, ser preso por esta ninharia!”. Et Lula idem.

JOÃO CARLOS ÂNGELI

j.angeli@terra.com.br

Santos

Só para entender

Se Lula é “inocente”, por que seus advogados afirmam que os crimes de corrupção e lavagem de dinheiro prescreveram?

LUIZ FRID

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

Ato falho

O pedido de prescrição de pena é a culpabilidade confessa. Aliás, esse cerco por terra, mar e ar deveria ter sido usado para proteção dos cofres públicos.

A. FERNANDES

standyball@hotmail.com

São Paulo

Cerco ao TRF-4

Onda vermelha de eleitores pobres uniformizados invadiu Porto Alegre, perturba a vida da cidade e mobiliza dinheiro público para segurança da população. Quem pagou esses uniformes, o transporte, a comida, o alojamento? Certamente as propinas arrecadadas pelo PT e as contribuições compulsórias anuais dos trabalhadores à CUT e à CGT. Lula já disse que Sarney não poderia ser julgado por ser um cidadão “incomum” e se julga também acima das leis!

ETELVINO BECHARA

ejhbechara@gmail.com

São Paulo

Intimidação

Não bastassem os 13 anos e oito

meses de lulopetismo, que quase nos arrastam para uma ditadura popularesca, ainda temos de aguentar o Lula tentando intimidar o Poder Judiciário?! Enfim, o fato é que, para a sociedade economicamente ativa, essa história do Lula já perdeu totalmente a graça.

FRANCISCO JOSÉ SIDOTI

fransidoti@gmail.com

São Paulo

Nova aurora

Todo esse aparato montado para o “demiurgo do Nordeste”, que custará muito caro, para quê? Para transformar em pseudomártir alguém que está encrencado com a lei? E quem pagará isso tudo? Claro que o Lula agradece por todo esse aparato, que está de acordo com seu discurso populista e falacioso. Foi longa a noite do lulopetismo, mas acredito numa nova aurora.

LEANDRO FERREIRA

ferreiradasilvaleandro73@gmail.com

São Paulo

“Hoje é tudo ou nada: 

será dia do ‘tchau querido’ ou a volta do ‘mais honesto’ dos brasileiros?”

VIDAL DOS SANTOS / GUARUJÁ, SOBRE O JULGAMENTO DE LULA 

vidal.santos@yahoo.com.br

“Será esta quarta-feira

de cinzas ou o nosso

sábado de aleluia?”

MARCIO ROBERTO FERRAZ / SÃO PAULO, IDEM

marciorobertoferraz@yahoo.com.br

“Hoje saberemos se o Brasil é um país de verdade ou uma republiqueta”

MARCOS CATAP / SÃO PAULO, IDEM

marcoscatap@uol.com.br

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

24 DE JANEIRO DE 2018

E começa a tão esperada semana do julgamento de Lula, como se houvesse alguma dúvida quanto ao resultado. Não importa a ética, a dignidade, o profissionalismo, a correta interpretação da Justiça por parte dos juízes do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4); sempre haverá alguém hierarquicamente acima deles, que dará um "jeitinho" para poupar o ex-presidente de dissabores, já que o Estado brasileiro foi aparelhado durante as últimas décadas, dia a dia, ação por ação, para se converter num Estado marginal, dominado por criminosos da pior espécie, se é que pode existir criminoso de boa espécie, que se acobertam mutuamente para atender seus insanos interesses. Nós, povo brasileiro, estamos sós. O presidente da República, deputados e senadores, ministros de tribunais, e demais autoridades, estão todos, raríssimas exceções, totalmente comprometidos com os propósitos do foro de São Paulo, que objetiva a implantação do comunismo/socialismo no País. O que isso significa? Povo sem liberdade e com fome, miséria, destruição. Não há um único país no mundo onde esse sistema foi implantado, que o povo tenha sido beneficiado; os que acreditavam em democracia foram exterminados e o restante da população obrigada a viver em condições sub-humanas, sustentando com seu trabalho escravo o luxo dos donos do poder. Quarta-feira não será um dia decisivo; será um dia em que, uma vez mais, a organização criminosa nos afrontará e nos mostrará quem manda na Pátria Brasil. E assim será na quarta, na quinta... Até que saiamos do nosso comodismo, da omissão, e consequente conivência, e nos unamos nas ruas. Sim, porque só padecendo de alienação absoluta para crer que teremos eleições, e que elas ocorreriam de forma honesta. Pagar pra ver vai nos custar muito caro, vamos perder muito sangue, muitas vidas.

Antônio Dias Neme antonio.neme@terra.com.br 

São Paulo

*

JULGAMENTO

Neste 24 de janeiro, o Brasil tem a chance de virar uma das mais tristes páginas de sua história! 

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com 

São Paulo 

*

PAÍS A DERIVA COM A ELEIÇÃO SEM LULA?

Está na hora de acabar com essa palhaçada, essa demagogia dos discursos de eleição sem Lula põe o País em check com a democracia. Preferimos derrotar o Lula nas urnas, outros com o mesmo sentido. Esses discursos não contribuem em nada para a democracia do Brasil. Este país está maduro o suficiente para demonstrar que os políticos que cometem crimes de corrupção devem ser banidos da política. Esse é um dos piores crimes, pois priva a sociedade sofrida de serviços básicos como saúde, educação, saneamento, transporte de qualidade e tantos outros. Lula foi condenado em primeira instância, e se tiver a sentença confirmada deve, como qualquer outro cidadão, arcar com as consequências de ter se colocado acima do povo na busca de benefício próprio assim como para o PT. Também é oportuno lembrar que o próprio Lula ainda tem inúmeros processos e denúncias de corrupção, lavagem de dinheiro, influência em negócios escusos, em andamento e mais cedo ou tarde estará novamente no banco dos réus, arcando com consequências de uma postura irresponsável, e inepta aos interesses públicos. Acima de tudo a democracia impõe responsabilidades e direitos aos cidadãos acima dos seus cargos ou suas posições na sociedade, pelo menos é isso que se busca, e o ex-presidente tendo a sua sentença confirmada deve ficar inelegível e se retirar da vida pública como parte de uma conduta irresponsável, corrupção do dinheiro público, lavagem de dinheiro, e inadequada aos interesses públicos e que sirva de exemplo aos políticos que também buscaram e buscam essa alternativa para obter o dinheiro público em benefício próprio. Que Ministério Público Federal (MPF), a Polícia Federal (PF) e a Justiça estejam alertas e que ajam com a rapidez e a urgência para que possamos nos livrar dessa República velha e buscarmos um futuro melhor para o Brasil.

Carlos Sulzer csulzer@terra.com.br 

Santos

*

DECEPÇÃO EM PORTO ALEGRE?

Há aficionados entre petistas e no meio artístico e literário, uma crença de que entre os três julgadores, um deles não terá coragem de votar pela condenação de Lula e usará o recurso covarde do tal "pedido de vistas", que jogará para as calendas sua opinião e deixará o País, como de costume, à espera da "boa" vontade da Justiça. Nada de novo, pois sempre fomos um país covarde e, se fosse o inverso, não estaríamos vivenciando esta situação. 

Laércio Zanini  spettro@uol.com.br                                                                                               

Garça 

*

RUIM OU PÉSSIMO

Seja qual for o resultado do julgamento no TRF-4 não será bom para o País. Se Lula for condenado vira um zumbi, morto vivo que vai infernizar a vida do planeta inteiro, e se absolvido vira candidato com chances de vitória nas urnas, mas com ingovernabilidade após assumir o cargo, pois não terá maioria na Câmara e não existem mais fontes de recursos para compra de votos. Parafraseando o próprio: Estamos ferrados!

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br 

São Paulo 

*

'DIA D'

Interessante tratar o dia 24 de janeiro, data do julgamento do Lula, como se fosse o "Dia D" do Brasil. A sensação que tenho é que a corrupção será julgada nesse dia e nunca mais teremos, contados a partir dessa data, corruptos no País. Não defendo Lula, assim como não defendo nenhum partido. O que percebo é que há uma ausência de bom senso em todo esse movimento. De um lado, assisto um partido querendo que o seu candidato seja julgado nas urnas (e não pela Justiça), condição que, ao menos para mim, igualmente valeria para Eduardo Cunha, Sérgio Cabral e afins. Por outro lado, assisto um presidente se auto aplaudir por "ajustar" uma situação torta herdada do antecessor, desconsiderando que ele mesmo fazia parte desse governo como vice (e se acaso ele se exima de qualquer responsabilidade por ter tido a função de vice, ao menos para mim, levanta outra dúvida: "para quê serve então o vice, se ele próprio não se acha parte do governo?"). Sejamos honestos com a gente mesmo. O Brasil que precisamos está distante desse veiculado pela imprensa. O Brasil precisa encontrar, urgentemente, um líder que tenha capital moral. Penso que caráter e honestidade não se provam. Trata-se de uma condição binária. Ou se tem. Ou não se tem. E ponto. 

José Carlos de Lima Júnior jclima@markestrat.com.br 

Cravinhos

*

DIA DA REDENÇÃO

Hoje, dia 24, tem tudo para ser o Dia da Redenção. Em que o País reencontra a honra, a decência e a moralidade.

Ademir Fernandes standyball@hotmail.com 

São Paulo

*

MIRAGEM

Lula possui a "alma viva mais honesta do País".  Essa manchete bombástica veiculada em toda a imprensa levaria o falastrão de Garanhuns e seus asseclas ao gozo supremo, e se tornaria a mais viral fake news até aquele momento. 

Luís Lago luis_lago1990@outlook.com 

São Paulo

*

SÉRIO

A 8ª Turma do TRF-4 decide e marca a nossa história! Se o Brasil ainda pretende ser a "pátria amada" ou "seguid el ejemplo que Caracas dio".

Alessandro Lucchesi timtim.lucchesi@hotmail.com 

São Paulo

*

GAIOLA

O papagaio falante (Lula) vai piar na gaiola!

Manuel Pires Monteiro manuel.pires1954@hotmail.com 

São Paulo

*

ÓBVIO?

Se 95% das condenações do juiz Sérgio Moro foram confirmadas pelo TRF-4, nos casos envolvendo a Lava Jato, é mais do que óbvio supor que Lula, o líder do esquema, terá sua condenação igualmente confirmada. Óbvio? Bem, em se tratando de Brasil, nem sempre o óbvio é ululante. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com 

São Paulo 

*

SEM BRINCADEIRA

Para os que querem enfrentar Lula nas urnas, uma observação: Com seu currículo criminal não seria aceito nem como síndico de condomínio, quanto mais presidente da República. Vamos seguir as leis, sem fantasia... 

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com 

São Paulo 

*

CHEGA DE LUDIBRIAÇÃO

Caso Lula saia livre no julgamento de 24 de janeiro, com certeza será condenado pelo povo (perdendo a eleição), em outubro. E, com certeza será afastado, para o nosso bem, definitivamente da política. Ganham todos, em especial o povo ludibriado por ele por muito tempo.

Laert Pinto Barbosa  laert_barbosa@globo.com 

São Paulo

*

ESPETÁCULO NO JULGAMENTO

Tudo que Lula queria era o espetáculo em seu julgamento: A presença de policiais cercando o prédio do TRF-4, atiradores de elite, aviões dando rasantes na hora de sua chegada, enfim o Carnaval da presença dos militantes do MST e a tropa dos mercenários pagos pelo PT para fazerem a festa. Trata-se do verdadeiro lançamento de sua candidatura à presidência com toda a pompa que ele gostaria que houvesse. O julgamento deveria ser discreto, calmo longe da publicidade, com os fanáticos em uma distância razoável do cenário da corte para evitar vandalismos. Creio que a Justiça errou e exacerbou na segurança. Não seria necessário esse aparato todo. O PT, com todo o seu poder econômico, com a "burra cheia" do dinheiro angariado ao longo dos anos, não conseguiria proporcionar um espetáculo tão forte e de tanta repercussão quanto este evento em Porto Alegre. Mesmo condenado, o homem mais honesto do mundo já se sente vitorioso com esse excesso de mídia. Vamos ver se Lula condenado poderá tomar posse, caso eleito, como foi impedida a deputada Cristiane Brasil no Ministério do Trabalho.

 

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com 

Rio de Janeiro 

*

LULA E GETÚLIO

Bem que Lula poderia dar uma de Getúlio Vargas "saio da vida para entrar na história". Poupar-nos-ia de um monte de porcaria que vem pela frente.

José Roberto Iglesias rzeiglezias@gmail.com 

São Paulo 

*

JUSTIÇA É O QUE SE ESPERA!

A Justiça alimenta-se e vive de valores éticos. Se nesta base houver falhas, toda sua estrutura ruirá fragorosamente. A sentença deve se pautar pelos princípios e, o maior deles, é o de que ninguém, absolutamente ninguém está acima da lei! Todo o criminoso, provado o crime tem de ser condenado; sob pena de falência da Justiça. O alarido do povo que se levanta por estes "Brasis", não irá calar a Justiça. Não! O povo tem sede de Justiça! Certamente, (num caso de tamanha repercussão) o acórdão da condenação do réu, Lula, será a vergasta que lhe afligirá o "lombo" por vários anos, já por abandonar o "povo" que lhe confiou o poder, já por se lançar a monte pelo excesso de generosidade aos "compadres: Venezuela, Cuba, etc.", em caça prodigiosa de benefícios para os "seus", surripiando os "cofres" da Nação. O tríplex no Guarujá é apenas um ponto no oceano das "maracutaias" e malfeitos. E ele, que se apresentava a todos nós quando eleito Presidente, como o voo da águia, não passou de voo de galinha. Que da condenação de Lula, paire para sempre sobre nossas cabeças a lição: que o crime não compensa, ainda que vitaminado por nossos comandantes. E que um país que quer se reerguer, não pode aceitar ter em seu comando pessoas criminosas. Se Lula for absolvido, o que se admite por mero argumento, a Justiça estará condenada ao total descrédito! Não passará de capacho à soleira dos poderosos, onde irão limpar as botas sujas de sangue, sangue dos humildes, dos comuns, dos miseráveis, de nós os brasileiros enganados.

Antonio Bonival Camargo bonival@camargoecamargo.adv.br 

São Paulo 

*

PT COMO VENCEDOR

Cerco terrestre, naval e aéreo ao edifício do TRF-4: montaram o palco para que Lula desempenhe o papel de vítima, que a narrativa petista da conspiração lhe atribuiu. Se o ex-presidente teve - e em parte ainda tem - tal força dentro do cenário político tupiniquim, em muito se deve à idiotia de seus adversários. E o que dizer das declarações dos que se afirmam opositores ao PT (!) de que melhor seria derrotar Lula nas urnas? Há de se lembrar aos coadjuvantes do desastre que eleição não é julgamento, pois este é realizado por magistrado, ou time de magistrados, dentro das atribuições e limites que lhes são estabelecidos pela Carta Magna. Lula é produto de um País que não valoriza as instituições e não reconhece as leis, realidade da qual a politização do julgamento é expressão máxima - seja advinda de opositores ou defensores do líder petista. Pouco importa o resultado desta quarta-feira, o PT já garantiu as bases para a construção do discurso para as eleições próximas.

Elias Menezes elias.natal@hotmail.com 

Belo Horizonte

*

JULGAMENTO DO SÉCULO?  

     

Não pode haver dúvidas de que a sentença de primeira instância que condenou o ex-presidente Lula foi baseada em provas contundentes. Um juiz íntegro seria incapaz de perseguir ou usar ideologias para julgar determinado réu. E Moro é um homem íntegro. Tudo o que certos cérebros, inflamados pela revolta, dizem contrariamente a isso, não passa de fantasia. Os desembargadores do TRF-4, a quem cabe a difícil tarefa desta quarta-feira, também parecem moralmente inatacáveis. Analisarão as provas com isenção de ânimo e em cada uma dessas provas verão incrustrados os traços de caráter do réu, como nós, brasileiros, os conhecemos há tantos anos: astúcia, falsidade, cinismo, extraordinária capacidade de manipulação dos sentimentos coletivos, ânsia de poder... Qualquer que seja o resultado acautele-se a Nação: alguns ditadores cometem genocídio, outros, entre baforadas de charuto, mandam os inimigos ao paredão, e há aqueles que choram, como Lula, mas sabem como destruir um país...

Edméa Ramos da Silva paulameia@terra.com.br 

Santos

*

EQUÍVOCOS

Equívocos acometem os da ribalta, como Temer, por pensarem que não há salvador do caos senão Lula livre e solto para que possa buscar tentar perpetuar sua safadeza e a de seus adeptos, e se frustrar com os resultados da urna em seu desfavor em outubro deste ano. O passado deste político insano, caracterizado no que vive atualmente o País, é suficiente para extirpa-lo da concorrência ao cargo de presidente da República, a despeito de "liderar" as pesquisas de intenção de voto. Esta liderança - fabricada por adeptos das glórias do poder que por treze anos usufruíram - é mazela, é falácia, e não há porque tentarmos subtrai-las por votos nas urnas, pois retornaremos ao status de uma Nação que tem sérios e urgentes problemas a resolver. Que o passado fique no passado, porque há um futuro à frente que requer lideranças nobres e autênticas, que surgirão quando esse passado de desilusões for extirpado dos falsos dilemas, fabricados só pode ser por quem também tem a consciência conspurcada.

Carlos Leonel Imenes leonelzucaimenes@gmail.com 

São Paulo

*

PRISÃO IMEDIATA

A prisão imediata de Lula é legalmente possível. Este 24 de Janeiro pode se tornar uma data histórica, não pelo Lula, mas pelo povo brasileiro. O "coitadismo" é um dos traços mais fortes do caráter do brasileiro. Dos 35% que apoiam o Lula, seguramente a maior parte tem "pena" dele. "Coitado, ele saiu do nada e lutou muito pra chegar lá. Ajudou muita gente pobre...". Mesmo sabendo que ele foi o comandante da quadrilha que roubou o País e destruiu a Petrobrás debochando da Justiça, esses santos não conseguem avaliar quanto isso é importante. Eles não entendem a magnitude do crime. Eles veem criminosos de verdade ficarem fora da prisão... Por que Lula não ficaria? As consequências desses crimes não os revoltam. Nem entendem como foi feito o roubo, e porque Lula está sendo acusado. A empatia com o pau-de-arara de Garanhuns é mais forte do que o racional, que só quem tem um conhecimento mínimo dos labirintos do poder pode avaliar. Essa é uma oportunidade única que vale mais do que centenas de sermões ou aulas de alfabetização para o amadurecimento da Nação. Ver Lula preso será enormemente pedagógico. Com certeza eles ao menos ficarão em dúvida sobre o caráter do preso e, na próxima eleição, se influenciarão mais pelas experiências reais dos candidatos do que só pela sua garganta. Lula, se condenado, tem de ser imediatamente preso!

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

PLACAR: 3X0 PRA NÓS 

Se o jogo terminar 3x0 pra nós, ganha o Brasil e todos nós, o povo brasileiro. Com 3x0, Lula, PT e Cia. saem de cena sem deixar nenhuma saudade. Será o fim dessa comedia infeliz e estaremos livres de um metalúrgico, com 70 anos de idade, que não trabalha há mais de 40 anos. Vamos orar, rezar, façamos nossas preces, nós merecemos um País melhor!

Arcangelo Sforcin Filho arcangelosforcin@gmail.com 

São Paulo

*

BATALHA DE ITARARÉ

Apostas se fazem sobre o julgamento de Lula. Como os juízes se comportarão? Qual será o placar? Dias e dias só falando no personagem. Este noticiário excessivamente personalista certamente impactará na próxima rodada da pesquisa eleitoral e daí mais cenários se construirão. É interessante notar como ainda somos repórteres de situações. Repercussão é tudo. Gera atenção, venda de exemplares. Para Lula é o que importa para mantê-lo líder do partido, quando companheiros de sigla contestam sua onipresença. Seja qual for o resultado do julgamento desta semana, manterá a candidatura a presidente. Melhor mídia possível para sua manutenção no poder partidário será sua vitimização. Falar dele será manter acesa a fogueira que por sua megalomania de poder nos levou a uma situação em que o PT tem que explicar como gerou uma situação em que 12 milhões continuam desempregados; o consequente rebaixamento no salário dos empregados; a quase quebra de empresas estatais de petróleo, bancaria, elétricas e fundos de pensão de empregados e um sistema de compadrio politico-administrativo que elevou a corrupção a patamares nunca vistos antes neste país. Sobram fatos desabonadores. E Lula que tem que se explicar, já que e avalista do negocio.

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br 

Indaiatuba 

*

JULGAMENTO DE LULA

Hoje é o dia mais importante deste 2018, que mal começou. Não é possível acreditar que o mega esquema do petrolão, engendrado pelos companheiros de partido e coligações, alguns deles hoje na cadeia, tenha transitado por tanto tempo nas barbas do ex-presidente Lula, sem que ele nada percebesse, não tivesse dado seu aval e não tivesse se beneficiado dele, como infantilmente tenta nos convencer. Que os juízes do TRF-4 julguem com isenção e somente baseados nas provas produzidas pelo juiz que o condenou. Sendo assim, é certo que ficará a mensagem, inequívoca para qualquer cidadão, de que a Justiça brasileira é realmente para todos.

Abel Pires Rodrigues Abel Rodrigues abel@knn.com.br 

Rio de Janeiro 

*

AS BOAS INTENÇÕES 

Um proverbio diz que: "As estradas para o inferno são calçadas com boas intenções", querendo lembrar que muitas das coisas mais terríveis que podemos imaginar foram feitas com as melhores intenções. Entretanto, neste mundo existem também muitíssimas más intenções que, permanecendo tais, mas não se concretizando, não fazem mal a ninguém. Com frequência as pessoas ficam com a intenção ou o desejo de fazer coisas más, que podem ser também fora da lei. Felizmente essas intenções nem sempre se realizam. Essas possibilidades chamam à memória o caso do Lula, que se presume, quisesse possuir o tríplex de Guarujá, assim como o presumem os juízes que o acusam de receber o apartamento em troca de algum tipo de favorecimento a construtora. Como prova, Lula é acusado de coordenar a execução de melhorias no apartamento. Entretanto qualquer pessoa que compra um apartamento na planta pode solicitar alguma modificação ou  melhoria, assim como pode desistir da compra. No caso de Lula, o título de propriedade nunca foi lavrado em seu nome. Nada impede pensar que o senhor Lula estivesse interessado no apartamento  mas que posteriormente desistiu da compra. Não sou advogado e tenho pouca familiaridade com questões jurídicas, mas o Código Penal italiano diz que a mera intenção de um crime, sem que a vontade criminosa tenha algum reflexo na realidade, não é punível, de acordo com o princípio de que a intenção pode ser punida somente quando a vontade criminosa seja comprovada na forma de uma tentativa. O artigo 115 do Código Penal italiano estabelece também que não podem ser punidos acordos dirigidos a cometer um reato quando este não foi concretizado não sendo suficiente aos fins da punição a mera intenção de cometer o reato mesmo quando foram realizados alguns atos preparatórios. Se as más intenções que todo mundo, uma vez ou outra tem tivessem o poder de se concretizar o sistema da Justiça entraria em colapso. Felizmente as más intenções por si não são um crime, tornando o senhor Lula inocente dos crimes pelos quais é acusado. Embora reconheça o grande carisma de Lula, não sou adepto de suas ideias nem do seu modo de agir, mas mesmo sem simpatizar com ele, espero que a Justiça faça seu papel absolvendo-o.

Francesco Magrini framagr@ig.com.br 

Cachoeira Paulista

*

JULGAMENTO ESPERADO

 

Os brasileiros esperam ansiosamente o julgamento de Lula da Silva. O eminente magistrado Sérgio Moro, da 13.ª Vara Federal de Curitiba, teve 93,5% de suas decisões mantidas em 2.ª instância, devendo esta do ex-presidente ser também mantida (tríplex do Guarujá). Pode, ainda, ocorrer de o recurso de MP ser acatado e, então, a pena de nove anos e meio será aumentada. A esquerda agregada a Lula da Silva não conseguirá conturbar o ambiente, porque houve uma preparação muito intensa e satisfatória para a realização desse julgamento histórico. O Brasil agradece a condenação e, se possível, a prisão de Lula da Silva, mesmo que seja em sua residência, com tornozeleira eletrônica!

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br 

Rio Claro

*

ETERNA FRAUDE

Mais uma vez os petistas vêm com o mesmo discurso que fizeram no impeachment de Dilma, de que eleição sem Lula é fraude. Isso se transformou num mantra para eles, porque não existem outros argumentos, a não ser a negativa de seus crimes, como, aliás, sempre foi feito pelo ex-presidente e seus "cumpanheiros".  Este é um teste fundamental do nosso Judiciário, que está desacreditado, principalmente os togados de Brasília. O combate efetivo da corrupção no País poderá ter início hoje, com a condenação do ex-presidente, mola propulsora da criminalidade que há mais de uma década grassa por todos os cantos desta Nação, causando um prejuízo tão grande, que levaremos décadas para recuperar. O verdadeiro combate à corrupção no País passa, necessariamente, não só pela prisão dos corruptos, como também, e principalmente, na devolução dos recursos desviados. Fala-se na apropriação de mais de R$ 500 bilhões, mas na recuperação de pouco mais de R$ 3 bilhões. Onde está o restante do dinheiro?  

Elias Skaf eskaf@hotmail.com 

São Paulo 

*

PARÓDIA 

Quem rouba leva dinheiro de alguém

Que fica chorando de dor.

Por isso eu não quero lembrar,

Quanto roubou, meu ex-amor

 

Quem mente esconde a verdade de alguém

Que fica chorando de dor

Por isso eu não quero lembrar,

Quanto enganou, meu ex-amor

 

Ai, ai, ai, ai, ai, ai, ai

Está chegando a hora,

A eleição tá aí e você entrou bem,

Vai ficar de fora!

 

Ai, ai, ai, ai, ai, ai, ai

Agora a coisa piora,

Nem sempre, você se sai bem,

Curitiba lhe espera agora!

Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com 

São Paulo 

*

HISTERIA PARLAMENTAR

A senadora Gleisi Hoffmann não está nada tranquila. Na semana passada, Gleisi falou em matar pessoas, no caso da condenação de Lula. Agora Gleisi fala em greve geral. A senadora está perdendo a linha, o que não é nada indicado para uma parlamentar. Se a absolvição de Lula estivesse certa, os petistas estariam tranquilos em casa, aguardando o resultado do trabalho dos três desembargadores do TRF-4. Gleisi está histérica!

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br 

Belo Horizonte 

*

INCITAÇÃO À VIOLÊNCIA

São descabidas e irresponsáveis as manifestações da senadora da República, Gleisi Hoffmann: "Para prender Lula vai ter que prender muita gente, via ter que matar gente" e "que se o TRF-4 mantiver a condenação do ex-presidente, significa que os desembargadores desceram para o 'play' da política". Com essas declarações, ela está incitando a violência, a baderna e buscando atemorizar os desembargadores do Tribunal. A Justiça não deve se calar a essas condutas e determinar a apuração imediata de tão graves fatos contra o Estado de Direito.

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br 

São Paulo

*

ESPERANÇA NA JUSTIÇA 

O editorial "O desvario do PT" (18/1, A3) bem apreciou as desastradas declarações de sua presidente. Essa senhora não prima pela boa educação (haja vista a ocupação da mesa diretora do Senado), além de se referir à violência no caso de prisão de Lula da Silva, atitude em consonância com o viés baderneiro característico dos petistas. Contudo, a esperança, pelo bem de nosso País, é que ela seja condenada no processo em que é ré e tenha o mesmo destino de seus antecessores no cargo, indo para o lugar preconizado pelo seu chefe para políticos corruptos.

Francisco Cesar fgscesar@hotmail.com 

Guarujá 

*

MEA CULPA

Gilberto Carvalho, o "Gilbertinho", que era o braço direito e esquerdo de Lula, afirmou que a condenação do chefe da quadrilha por 2x1 votos, seria uma grande vitória. São três petições, em média, por dia tentando livrar o ex-presidente. Pedidos de prescrição de pena e para que possa responder em liberdade, caso haja condenação. Esses são indícios de culpa. Culpa? Como pode o homem mais honesto do Brasil ser culpado? Isso é uma blasfêmia.

Jose Alcides Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

ELEGIBILIDADE DE LULA

A propósito do artigo "A candidatura Lula" (23/1, A2) acredito que o embaixador Rubens Barbosa, hoje presidente do (IRICE) esteja certo, se tivéssemos um eleitorado pensante e que não fosse manipulado pela gritaria do PT. Permitir que Lula seja candidato após a condenação em segunda instância seria uma roleta russa, com um revolver totalmente carregado. Se o STF permitir sua candidatura após a condenação, deveria também permitir a posse da ministra que já foi condenada na Justiça do Trabalho. É raro encontrar no Brasil algum empregador que já não tenha sido condenado, ou mesmo acionado na Justiça do Trabalho, pois o advogado pode alegar qualquer coisa no processo, por mais absurdo que seja, e cabe ao empregador provar sua inocência. Pelo menos isso mudou com a reforma trabalhista, que por sinal, o Lula não aprova.

José Antonio Moreira rsbrasil@real-soft.de 

São Paulo 

*

DESENHO

O editorial "O respeito à lei" (23/01, A3) transcreve o trecho essencial da Lei Complementar 135/2010 (Lei da Ficha Limpa) que estabelece: "São inelegíveis para qualquer cargo os que forem condenados, em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão judicial colegiado (entre eles a 8.ª Turma do TRF-4 de Porto Alegre), desde a condenação até o transcurso do prazo de oito anos após o cumprimento da pena, pelos crimes de lavagem e ocultação de bens, direitos e valores". Faltou completar com o fecho da referida lei, que transcrevo a seguir: "Brasília, 4 de junho de 2010; 189.º da Independência e 122.º da República. Luiz Inácio Lula da Silva...". Essa lei é absolutamente clara para qualquer indivíduo semialfabetizado, mas ainda parece não ser compreendida por alguns. Por isso, cabe a pergunta: Luiz Inácio, o senhor entendeu ou quer que desenhe?

José Claudio Marmo Rizzo jcmrizzo@uol.com.br 

São Paulo

*

LULA E A ELEIÇÃO DE 2018

Desde a implantação do presidencialismo de coalizão pela Constituição de 1946, o País sempre enfrentou períodos de exacerbação dos ânimos, de radicalização política e de polarização ideológica. Os confrontos levaram Getúlio Vargas ao suicídio, em 1954; à renúncia de Jânio Quadros, em 1961; e ao golpe de Estado contra João Goulart, em 1964. A Constituição de 1988 manteve o mesmo sistema de governo, que provoca constante instabilidade política por causa da excessiva centralização de poder que gera crise de governabilidade. Houve o impeachment de Fernando Collor, em 1992 e depois, novamente, com Dilma Rousseff, em 2016. As eleições de 2018 apontam para um grave impasse político. Qualquer que seja o resultado, o lado perdedor questionará a legitimidade do resultado do lado vencedor, independentemente de quem ganhe a eleição presidencial, com ou sem a participação de Lula.

 

Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br 

Campinas

*

A CANDIDATURA E O RESPEITO À LEI

Discordo totalmente de Rubens Barbosa (23/1, A2) quanto a ser favorável a que Lula seja candidato à Presidência "de modo a evitar que o líder petista tenha sua imagem de mito reforçada e continue com seu discurso de vítima de um golpe...". O editorial "O respeito à lei" é claro quanto à aplicação da Lei de Ficha Limpa e da falácia da afirmação de "que uma eventual derrota de Lula da Silva nas urnas terá maior legitimidade democrática do que sua exclusão das eleições por força da Lei de Ficha Limpa". O editorial afirma, corretamente: "Caso contrário... quem fosse o mais forte, quem detivesse mais poder político ou econômico determinaria as regras do jogo" numa clara alusão aos milhões (de origem desconhecida) investidos com caros advogados e outras despesas milionária investidas na defesa do ex-presidente. Ora, temos vários outros argumentos para contradizer o sr. Rubens Barbosa: A atual ação, na qual Lula foi condenado em primeira instância, é referente somente ao caso do "triplex", em que a defesa alega haver poucas provas concretas incriminatórias, porém não foram julgados ainda os casos do "Sítio de Atibaia" com muitas mais provas "concretas" e os demais processos. A lei não reconhece o conjunto de processos contra um réu para reforçar sua imagem de infrator, ao estabelecer um processo para cada acusação, mas deveria se estabelecer uma jurisprudência em que a acusação num processo seja agravada pela existência de outros processos semelhantes contra o mesmo réu. Na véspera do julgamento do TRF-4, está clara a intenção dos advogados da defesa em recorrer a todos os artifícios e brechas na lei de modo a estender ao máximo este processo de maneira a não atrapalhar o registro da candidatura do Lula. Neste caso, várias medidas deveriam ser tomadas: Em primeiro lugar, estabelecer prioridades para que processos não se estendam tanto se estabelecendo um limite de tempo sem prescrição. Poderia se chamar "Lei Maluf", a que se acrescentaria a não prescrição por motivo de idade para eventual aprisionamento. Em 2º lugar, uma decisão desta importância, em segunda instância, deveria ser julgada por todos os desembargadores do Tribunal e não somente pelos três da 8.ª Turma (dois nomeados por Dilma e um por Fernando Henrique Cardoso). Enquanto espero que a justiça seja feita, vou para a Avenida Paulista...

Gerald M.L.Misrahi gersilm@hotmail.com 

São Paulo 

*

A CANDIDATURA DE LULA

Estranha e canhestra a opinião de Rubens Barbosa dizendo-se favorável à candidatura de Lula, mesmo condenado em 2.ª instância. A lei não vale para Lula, dr. Barbosa? E se for eleito, como fica?

Jair Nisio jair@smartwood.com.br 

 Curitiba

*

O FIM DAS ESTATAIS

 

O advogado Ariel René Dotti, contratado pela Petrobrás como assistente de acusação no julgamento de Lula, em Porto Alegre, defenderá o fim da nomeação política dos diretores de empresas estatais, como noticiou o "Estadão" (22/1, A6). A pregação é de absoluto interesse público e sugere a necessidade de reforma do Estado brasileiro e o estancamento dos canais de corrupção. Mas não deve se restringir à proibição de nomear políticos ou seus indicados aos cargos nas estatais. O ideal seria acabar com as estatais, transferindo-as a preço de mercado para a iniciativa privada, que costuma ser mais competente na administração e não é leniente às ingerências políticas. A empresa particular, quando tem prejuízo continuado, vai à falência, enquanto a pública, mesmo deficitária, continua operando e seu rombo coberto pelo Tesouro Nacional é convertido em dívida pública. Na época de implantação do desenvolvimento se justificava empresa estatal, mas hoje, a iniciativa privada é capaz de operar com mais eficiência em todos os setores. O governo deve ficar apenas como normatizador, licenciador e fiscalizador. Precisamos acabar com todos os cabides de empregos que acomodam os milhares de cabos eleitorais, parentes e amantes de políticos e lideranças. Esse perdulário mercado é pesado ao País, que só se desenvolverá verdadeiramente quando tiver eliminado todas as formas de favorecimento e de renda sem trabalho.  

 

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br 

Taubaté                                                                                                      

*

AS ALGEMAS DE SÉRGIO CABRAL

Uma casta de juristas está preocupada com o tratamento dado ao bandido Sérgio Cabral, ex-governador do Rio de Janeiro, quando de sua transferência ao presídio em Curitiba - algemado nas mãos e nos pés. Pergunta que não quer calar: esta mesma casta não se incomodou quando soube das mordomias de que o meliante desfrutou enquanto esteve preso no Rio de Janeiro? É preciso haver coerência de ideias, para que o cidadão não fique confuso quanto ao que dizem a lei e a sua aplicação quando o cliente é um sujeito endinheirado.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com 

São Paulo

*

CRIME É CRIME

Alguns advogados e juristas classificaram como humilhantes as algemas manuais e podais colocadas em Sérgio Cabral ao desembarcar em Curitiba. Apesar de não serem observados tais recursos por ocasião do embarque no Rio de Janeiro, nem ser divulgado o fato de ter porventura ocorrido algo anormal durante o voo, as críticas procedem por uma única razão: outros acusados da Operação Lava Jato não tiveram igual tratamento. Ocorreriam, no entanto, notas de reprovação semelhantes se o preso fosse um anônimo assaltante responsável pelas mortes de pessoas inocentes? Afinal, os crimes de Cabral foram, por força da enorme corrupção associada, até mais graves e letais, pois causaram uma crise financeira sem precedentes no Estado, com atrasos de salários e pensões que levaram milhares de famílias a viverem à beira da necessidade extrema, além de terem determinado, por exemplo, o colapso do sistema de saúde fluminense, o que, provavelmente, resultou em morte prematura de um número não anunciado de cidadãos por falta de tratamento adequado. Afinal, crime é crime, seja ele praticado nas ruas ou nos gabinetes.

Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com 

Rio de Janeiro

*

O EXEMPLO DE CABRAL

Alguém em sã consciência poderia imaginar uma cena desta: o todo-poderoso Sérgio Cabral Filho, ex-governador do Rio de Janeiro e czar do MDB fluminense, descer de um camburão da Polícia Federal algemado nos pé e nas mãos com destino ao novo endereço, uma prisão em Curitiba, por ordem do juiz Sérgio Moro, pois o já condenado Cabral estava transformando a prisão em Benfica, no Rio, num resort? Das nababescas festas parisienses, no suntuoso Hotel Ritz, com a ridícula indumentária de guardanapos nas cabeças dos comensais, os regabofes na mansão de Mangaratiba, às viagens de helicóptero e lanchas de luxo em Angra dos Reis, às joias da H.Stern, todo o deslumbre acabou no xilindró. Que o exemplo de Sérgio Cabral Filho sirva para outros poderosos que ainda teimam em achar que prisão no Brasil seja para "preto, pobre e prostituta". A foto de Sérgio Cabral algemado, estampada na capa de todos os jornais do Brasil, deve ser mostrada nas escolas, para provar que roubar é crime e deve ser punido com cadeia.

Luiz Thadeu Nunes e Silva luiz.thadeu@uol.com.br 

São Luis

*

UM GRITO

Sérgio Cabral com pés e mãos algemados. Maravilhoso! Ou será que a sociedade e as leis que nos defendem não têm o mesmo direito de, nos limites dos caminhos das interpretações das normas, gritar em alto e bom som que sim, ele, Sérgio Cabral, desdenhou das gentes, prejudicou todos, locupletou-se indecentemente, matou milhares, gargalhou impunemente, e tanto e tanto mais que, agora, não há como nos sentirmos impiedosos e cruéis por apenas essas algemas?

Marcelo Gomes Jorge Feres marcelogferes@ig.com.br 

Rio de Janeiro

*

VINGANÇA?

Há quem comemorou ao ver o ex-governador do Rio Sérgio Cabral acorrentado. É papel da Justiça praticar vingança contra o cidadão? Quando acontecerá a reforma no Judiciário? A Justiça aceitaria reformas estruturais em seus quadros para acabar - entre outras coisas - com as mordomias, os polpudos salários, os abusos de autoridade e os privilégios que afrontam a dignidade humana em país de desigualdade social? A mesma Justiça que faz espetáculo com a prisão de Cabral para cinema se esquece ou defende mal os direitos dos mais pobres. 

Devanir Amâncio devaniramancio@hotmail.com 

São Paulo

*

EXAGERO

Concordo plenamente com a transferência do ex-governador Sérgio Cabral para o Complexo Médico Penal de Pinhais, em Curitiba. Algemá-lo, tudo bem, mas acorrentá-lo? Que me perdoem os favoráveis, mas considero um sensacionalismo exagerado. Gostaria de saber quem mandou acorrentá-lo e o porquê de cuidados extremos.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br 

São Paulo

*

QUEM ME GARANTE?

Os advogados que cobram caro e que defendem os bandidos do País que lhes podem encher os bolsos de dinheiro estão entrando com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) questionando as algemas e correntes nos pés do bandido Sérgio Cabral dizendo que este não apresentava periculosidade para tamanho espetáculo. Ele, fisicamente, penso que não mesmo. Mas, com seu nível de banditismo como ex-governador do Rio de Janeiro, liderando todo tipo de quadrilhas no Estado do Rio, quem me garante que no seu deslocamento para exame de corpo e delito gente da sua laia não poderia tomar a equipe de segurança de assalto?

Orivalado Tenorio de Vasconcelos professortenorio@uol.com.br 

Monte Alto

*

SOBRE A DESUMANIDADE

Com todo respeito aos especialistas que se manifestaram contra as algemas e corrente colocadas em Sérgio Cabral, desde que não haja tratamento desumano, as algemas e correntes no ex-governador não são nenhum ato desrespeitoso. Nestas horas sempre aparece alguém mostrando pena do ex-governador, mas não mostram nenhuma pena quanto ao que ele fez quando governador, tendo deixado o Estado sem dinheiro para nada. Os especialistas não estão nem aí. Ou porque não dependem do Estado ou, se são funcionários da Justiça, pertencem ao alto escalão e estão com seus vencimentos em dia. Nestas horas ninguém pensa nos funcionários e pensionistas que não tinham dinheiro para comer, enfrentavam filas para pegar uma cesta básica e se endividaram nos últimos meses. Mais da metade do que receberam foi para pagar juros aos agiotas. Isso não é desumano, não? É assim mesmo: quem nunca passou por isso não faz ideia e fica falando bobagens. O ex-governador merecia masmorras.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 

Rio de Janeiro

*

O PREÇO DA GASOLINA

Se o PT de Lula e Dilma quase quebrou a Petrobrás, não só pela corrupção, mas porque demagogicamente também não reajustou por anos os preços dos combustíveis, a atual administração da estatal, em seis meses, alterou por 133 vezes o preço da gasolina, totalizando uma alta de 19,5% no período. Sabemos que dói, e muito, esse reajuste no bolso do consumidor, que hoje paga por litro deste combustível de R$ 4 a R$ 5 - além, também, dos preços elevados do diesel e do gás de cozinha. Mas qualquer bom administrador, seja de orçamento familiar ou de uma empresa, sabe que não tem almoço grátis e que seria irresponsável se, depois de uma expressiva alta no preço do barril de petróleo, os reajustes não fossem feitos. Nestes mesmos seis meses o barril que custava US$ 43,38, em 26/6/2017, teve seu preço aumentado para US$ 63,31, em 19/1/2018. Ou seja, subiu 46% no período. Se hoje a Petrobrás está recuperando seu prestígio perante os milhares de acionistas pelo mundo afora, em razão da eficiente administração que tem hoje, é bem verdade também que teve de vender valiosos ativos para honrar o pagamento de suas dívidas contraídas em razão do descalabro administrativo da gestão petista. Neste caso, fez bem a nossa estatal de petróleo em não subsidiar o consumidor. Ora, demagogia com recursos dos contribuintes, na certa, é um convite para o desastre econômico, como este que vimos no Brasil com o PT no poder.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com 

São Carlos

*

COMO ENTENDER?

Nos últimos seis meses o preço médio da gasolina subiu 19,5%, e o nosso governo continua a dizer que a inflação está em queda...

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com 

Jandaia do Sul (PR)

*

PROTESTO

Gasolina a quase R$ 5, e nenhuma manifestação, nenhum dia sem abastecimento, nenhum panelaço. Cadê o #VempraRua? Povo, temos de reagir! 

Arcangelo Sforcin Filho arcangelosforcin@gmail.com 

São Paulo

*

ROUBO NOS COMBUSTÍVEIS

Aumentar mais que a gasolina, só pastel na feira. Passou de R$ 5 para R$ 6, só porque mudou o ano. Meu protesto no maior jornal do País. Espero que estes 20% sejam explicados em análise econômica dos pasteleiros, ou então que reduzam pelo menos para R$ 5,50.

Ademir Valezi valezi@uol.com.br 

São Paulo 

*

EQUAÇÃO

Quadro 1: equipe econômica do governo preocupada em evitar que os níveis de inflação baixem a menos de 3% ao ano. Quadro 2: Petrobrás precisando desesperadamente se capitalizar. Os motivos são fartamente conhecidos. Quadro 3: bem ilustrado na manchete de domingo (21/1): alta da gasolina nos últimos seis meses é de 19,5%. Impacto na inflação bem conveniente com os anseios da equipe econômica. Quadro 4: junte-se a fome à vontade de comer e pronto, está montada a equação (controle dos níveis de inflação e capitalização da Petrobrás). Quadro 5: quem paga a conta? Evidentemente, nós, consumidores.

Márcio Bassi Davini mbdavini@uol.com.br 

Ubatuba

*

PESADELO DO CONFISCO

O nobre senador, pelo Estado de Alagoas, Fernando Collor de Mello, anuncia a pré-candidatura à Presidência da República. Será verdade? Trata-se de brasileiro, maior, portanto, com todos os direitos, como qualquer cidadão. Não é por nada, mas já pensaram, se "ele" resolve trazer de volta, sua prima Zélia Cardoso de Mello, aquela que fingia ser economista e, em um golpe famigerado, confiscou a poupança, de milhões de brasileiros? Ainda bem que isso é apenas um pesadelo. "Elle" não vai ser eleito, e "ella" não vai ser ministra! 

José Perin Garcia jperin@uol.com.br 

Santo André

*

COLLOR PRÉ-CANDIDATO

Vejam! Collor quer ser candidato à presidência! Com o seu passado ele só pode ser porteiro do inferno

Fernando Luiz Gonçalves Ferreira

São Paulo

*

CRISTIANE BRASIL

A ex-futura-ministra do Trabalho, Cristiane Brasil, que não age com a mínima moralidade para o cargo e não consegue tomar posse, não pela condenação sofrida, mas sim, por transferir seus ativos financeiros para sua assistente e conseguir escapar das garras da Justiça, o que é muito grave, agora, juntamente com seu pai, o ex-deputado e condenado pela Lava Jato, Roberto Jefferson lança duvida sobre a instituição que tanto almeja, obrigando o presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Ives Gandra da Silva Martins Filho, a dar uma resposta profunda e moralista a dupla irresponsável. Talvez, assim, entendam que as coisas estão mudando no País!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

AINDA ELA...

Já que a falta de vergonha continua, nesta nomeação de Cristiane Brasil para o Ministério do Trabalho, que fere todos os princípios da ética, sugiro para acabar com este impasse, substituir a filha de Roberto Jefferson, pelo nome de Fernandinho Beira-Mar, já que está valendo tudo, então vamos esculachar de vez.

Henrique Schnaider hschnaider4@gmail.com 

São Paulo 

*

DECISÃO STF

Correta a decisão do STF ao não indicar Gilmar Mendes como relator do caso Cristiane Brasil, afinal, ela não está presa...

Guto Pacheco jam.pacheco@uol.com.br 

São Paulo 

*

EDUCAÇÃO CONTINUADA

Em "Otimismo, mas com alertas", (23/1, A3) o editorialista fala em "educação continuada por toda a vida" como uma solução para o crescimento sustentável. É verdade, é essa prática antiga que permite aos cientistas avançarem. E por que o restante da população poderia ter sucesso sem isso? Menos preguiça e mais trabalho, pessoal! Enquanto estivermos vivos nada nos exime da aprendizagem. "A educação é e continua a ser, efetivamente, a chave para a transformação de qualquer existência", ensina o professor Nalini.

Sandra Maria Gonçalves sandgon@terra.com.br 

São Paulo

*

JUDEUS

Estão voltando ao passado morto, sobre a inquisição, que perseguiu os judeus. E os católicos, que foram dizimados aos milhares pelo Império Romano com apoio dos judeus? Isso não vale nada? Mas, vou contar apenas um fato do Império Romano: logo depois da destruição de Jerusalém, com a revolta mundial dos judeus, o Senado Romano votou uma lei para morte de todos os judeus do mundo. Mas, o ilustríssimo Bispo Católico, Clemente Romano pediu ao Senado e ao Imperador Domiciano, a revogação daquela lei desumana e estúpida. E a lei foi revogada. Eis aí, porque temos ainda hoje, esse povo tão inteligente, trabalhador e rico!

Jethro Mourão da Cunha

Belo Horizonte

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.