Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

30 Janeiro 2018 | 03h05

INSEGURANÇA PÚBLICA

E a violência, Temer?

Estamos em meio a uma guerra civil entre o crime e a sociedade, em que o primeiro está ganhando de lavada, ocupando todo o território nacional com suas tropas. Como é possível viver num país onde o medo faz parte da nossa vida diária? A polícia, sem recursos, prende, quando consegue, e a Justiça solta. As prisões estão com “overbooking”. Nunca vimos no País tanto policial morto, quando no passado eles eram temidos pelos bandidos. A imprensa só noticia e a população apenas se protege atrás de grades e cercas elétricas, tal e qual uma prisão. Quando iremos às ruas contra essa vergonha, esse descaso, essa covardia do Estado? Resposta: nunca, porque para a grande maioria do povo brasileiro, que não conhece a realidade de outros países, a violência já se incorporou à rotina, como ir tomar um cafezinho no bar da esquina.

ARI GIORGI

arigiorgi@hotmail.com

São Paulo

Chacina no Ceará

É lamentável e vergonhoso ver mais um petista culpar o governo federal por sua própria incompetência e falta de investimento na segurança do Estado. Visitei o Ceará há algum tempo e os moradores de Fortaleza me avisaram: não vá à Praia de Iracema porque lá tem muito assalto. O governador Camilo Santana não quer assumir sua responsabilidade, mas como rebateu o Ministério da Justiça, quem não tem competência não se estabeleça. Concordo plenamente. O PT só sabe fazer barulho e nunca assume seus erros. Mais um alerta para quem pretende votar no PT nas próximas eleições.

MARIETA BARUGO

mbarugo@bol.com.br

São Paulo

SECA NO NORDESTE

Sete anos de estiagem

A grave estiagem no Nordeste completa sete anos. E não vejo nenhuma proposta para enfrentar o problema da parte dos nove governadores dos Estados da região nem do governo federal. Parecem acreditar no determinismo geográfico e que nada há a fazer. Fica-se no inócuo fatalismo religioso de rezar por chuvas. Não vejo nenhuma discussão sobre a viabilidade técnica de implantar um corredor verde pelos dois lados do sertão: de um lado, pelo interior do Piauí, onde termina o Meio-Norte; do outro, antes de começar o Agreste, por seis Estados (RN, PB, PE, SE, AL, BA). Certamente a dificuldade é muito menor que a da Grande Muralha Verde, com 8 mil km de comprimento por 15 km de largura, que percorrerá 12 países da África, a fim de diminuir os impactos das mudanças climáticas, mitigar o processo de expansão do Deserto do Saara e gerar renda para os habitantes de uma das regiões mais pobres do mundo.

LUIZ ROBERTO DA COSTA JR.

lrcostajr@uol.com.br

Campinas

POLÍTICOS E PARTIDOS

Muito ganho, pouco trabalho

Desde 15 de dezembro os congressistas estão em gozo de férias e só voltarão à Casa das Leis após o carnaval. Mas já está reservado R$ 1,7 bilhão de dinheiro público para financiar suas campanhas eleitorais! As carências sociais são enormes no País e ainda temos de reservar R$ 1,7 bilhão dos nossos impostos para os políticos?! Eles trabalham muito pouco a um custo elevadíssimo para os brasileiros. Até quando abusarão da nossa paciência? Já deviam estar trabalhando desde os primeiros dias de janeiro. Férias abusivas, um desrespeito ao sacrificado povo.

FRANCISCO ZARDETTO

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

Excrescência

É enorme a quantidade de partidos mamando nas tetas do erário. Nosso dinheiro distribuído a esmo para quem eu nem sei o nome. Mal e mal posso nomear meia dúzia de legendas. Quem se lembra de todas elas? O que, de fato, essa infinidade de partidos representa para um povo que vem sofrendo com tanta recessão? O bolo não é tão grande assim para tamanho descalabro.

LEANDRO FERREIRA

ferreiradasilvaleandro73@gmail.com

São Paulo

Renovação completa

Faltam nitidamente recursos para educação, saúde e segurança, causando, na prática, um verdadeiro caos no dia a dia do brasileiro. E o Legislativo ainda toma a decisão de aumentar as verbas disponíveis para 21 partidos? Em que mundo vivem esses políticos? É uma atitude de descaramento completo, endossada pelo governo federal, que nada faz para impedir tamanho descalabro somente para cobrar “apoio das bases”, em detrimento da melhoria na qualidade de vida de todos nós! É realmente necessária e urgente uma renovação completa no Congresso Nacional. O mote para 2018 é: não reeleja ninguém!

ANTONIO C. S. QUEIROZ CARDOSO

acardoso@acardoso.com

São Paulo

Lição do mestre

Já em 1977 o dr. Ulysses Guimarães, ao ministrar aula de Direito Constitucional em faculdade de São Paulo, observou que só existia uma forma de corrigir a política e os políticos no Brasil: seria pelo voto e o povo não deveria reeleger ninguém a cada eleição, de vereador a presidente da República. Fica a sugestão do mestre Ulysses ao povo brasileiro, pelo menos para as próximas eleições, em face dos antecedentes criminais.

ALPOIM DA SILVA BOTELHO

alpoim.orienta@uol.com.br

São Paulo

CORRUPÇÃO

Até tu, Michel?

É, no mínimo, triste ver o presidente Michel Temer demonstrar preocupação com o condenado Lula, chegando ao cúmulo de achar que seria importante sua candidatura a presidente. Quando eu julgava que o Brasil havia atingido o fundo do poço, surpreendo-me com adeptos da candidatura de um criminoso à Presidência. Igualmente causa espanto a inércia da Justiça no enquadramento dos senadores que pregam o enfrentamento.

SERGIO CORTEZ

cortez@lavoremoveis.com

São Paulo

Rinoceronte bem votado

Aparentemente, o PT, com a teimosia de apresentar Lula como candidato, pretende reeditar o Cacareco de décadas atrás. Só que o Cacareco não era um criminoso condenado.

ANDRÉ C. FROHNKNECHT

caxumba888@gmail.com

São Paulo

Sabedoria popular

Lula já condenado em segunda instância e seus apoiadores, alguns envolvidos em processos na Justiça, parecem adotar a tática “água mole em pedra dura tanto bate até que fura”. Eu lembro de outro ditado: “Macaco que muito pula quer chumbo”.

LUCIA MENDONÇA

luciamendonca@terra.com.br

São Paulo

“Depois de tentar intimidar e denegrir o juiz Sergio Moro e o TRF-4, agora a dona Gleisi quer mandar no STF, afirmando que ele não permitirá a prisão de Lula? Que país é esse?”

MILTON BULACH / CAMPINAS, SOBRE O CRIMINOSO CONDENADO EM SEGUNDA INSTÂNCIA

mbulach@gmail.com

“Lula já é carta fora do baralho. Os quatro ases - Moro, Gebran, Paulsen e Laus - derrotaram o curinga que se fazia de rei de copas”

GILBERTO DIB / SÃO PAULO, IDEM

gilberto@dib.com.br

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

DELAÇÃO DA ODEBRECHT FAZ ANIVERSÁRIO!

Em um ano da delação premiada da Odebrecht, que colocaria uma centena de políticos na cadeia, nenhum político foi julgado no Supremo Tribunal Federal (STF). Está explicado porque os petistas querem trocar o advogado do ex-presidente "Lulla" por outro que tenha mais "transito nas instancias superiores". Porque chega lá a "coisa" emperra e todos os corruptos continuam a delinquir. Pois seus advogados caríssimos tentarão livra-los durante décadas, até estarem livres da prisão pela idade avançada. Renan Calheiros é o exemplo mais contundente. Acusado em 13 processos há mais de uma década continua ditando regras no Senado como se lá fosse seu reduto particular. Desvinculou-se do governo Temer e de seu partido, MDB, para se apegar a "Lulla", que é amado em seu Estado, Alagoas. Com o STF dormindo em berço esplendido, com certeza, em 2018, Renan se reelegerá pelo Estado mais pobre do País e voltará poderoso no Senado Federal. Dá ou não dá uma canseira?

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br  

São Paulo

*

O CRIME COMPENSA

Delação do fim do mundo faz um ano sem nenhum réu no STF. STF só serve para soltar bandidos de colarinho branco.

José Carlos Alves jcalves@jcalves.net  

São Paulo

*

SOBRIEDADE E EFICIÊNCIA

 

 Assentada a poeira do ruidoso 3X0, felizmente sem que se concretizasse a sinistra profecia do narizinho incendiário nem que se pedisse música no Fantástico, peço vênia para registrar a aprazível surpresa que me causou a sobriedade do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região. Vi admirado uma corte com mobiliário e decoração simples, desprovida de obras de arte, com aspecto de prosaico escritório. Tudo muito despojado, zero liturgia. Não notei serviçais, exceto uma moça que servia trivial cafezinho no bule - se bem reparei - o que emprestava ainda mais singeleza ao ambiente. Os desembargadores, com cara e postura de gente que vemos de manhã na padaria, sob togas bem recortadas que lhes caíam bem, longe de lembrar aquele desmedido estorvo que em geral os magistrados suportam desconfortáveis sobre os ombros. Um tanto sem prática de holofotes - frise-se - Gebran, Laus e Paulsen, graves, mas não histriônicos, manifestavam-se num português luminarmente inteligível, despidos de qualquer eruditismo, mas a revelar domínio absoluto da matéria em pauta e a travar diálogo substancioso com os pares, denotando reciprocamente, senão amizade, ao menos profundo respeito. Deu gosto e orgulho ver!

 

Joaquim Quintino Filho jqf@terra.com.br 

Pirassununga

*

SEM ACORDO DE EXTRADIÇÃO

Lula lança nova modalidade de turismo direcionado! "Destinos Imperdíveis para Corruptos": Acra, Adis Abeba, Maputo, Lagos, Joanesburgo, Abuja, Cotonou, Doha, Havana e Santiago de Cuba. Façam suas malas e boa viagem! 

Sandra Maria Gonçalves sandgon@terra.com.br  

São Paulo 

*

ÓPERA-BUFA LULISTA 

"Vencendo a luta contra a corrupção" seria o tema da pretensa palestra que o falastrão de Garanhuns iria realizar na Etiópia, segundo noticiou a "Coluna do Estadão", em 29/1. Como se deduz, a patológica dissimulação do condenado Lula da Silva é digna de um ator de quinta categoria.  Quando muito. 

Luís Lago luis_lago1990@outlook.com  

São Paulo

*

CONTA OUTRA!

Eleição com Lula é blefe. O País não deu a mínima para a renúncia de Jânio. O que dizer de uma ditadura instalada sem o disparo de um tiro? De um regime militar amplamente anistiado? Seguido de dois impeachments cívicos e coloridos. Não haverá um pio do povo pela prisão de Lula. Profissionais de queima de pneus à parte. Querer usar da ordem pública como refém por um salvo-conduto eleitoral é mais que megalomania, é piada.  Aliás, em sua frustrada palestra na Etiópia, Lula iria falar sobre o tema "Vencendo a luta contra a corrupção". Nem uma convenção de humoristas faria melhor.

 

José Roberto Sant'Ana jrsantana10@gmail.com 

Rio Claro 

*

DÚVIDA

Em caso de prisão domiciliar ela deverá ser cumprida no triplex ou no sítio em Atibaia?

Mario Miguel mmlimpeza@terra.com.br 

Jundiai 

*

FRASES DA SEMANA

A semana que passou foi emoldurada com frases da mais alta qualidade, como, por exemplo, as dos desembargadores do TRF-4 que não decepcionaram a democracia brasileira. Mas os jornais publicaram também frases de cunho incendiário que podem ser consideradas saídas de alguma cloaca, pelo conteúdo que despejaram. Lula diz que "não tem razão para respeitar a decisão do TRF-4". João Pedro Stédile, do MST, é mais petulante quando diz: "Aqui vai o recado para a dona Polícia Federal (PF) e para a Justiça. Não pensem que vocês mandam no País. Não aceitaremos de forma alguma a prisão de Lula". A primeira dessa série de despejos cloacais partiu da senadora Gleisi Hoffmann, presidente do PT: "Para prender o Lula, vai ter que prender muita gente, mas, mais do que isso, vai ter que matar gente". Já Luiz Marinho, candidato ao governo de São Paulo, disse que: "Querem apagar fogo com gasolina". Mas também há frases lapidares como a do jornalista Merval Pereira, quando diz que: "Lula está mais próximo da cadeia do que do Palácio do Planalto". Os petistas devem reconhecer que o "réquiem" do "Império do Mal" foi celebrado no dia 24 de janeiro de 2018.

                                         

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com 

Vassouras 

*

A DANÇA DO BESOURO

A melhor imagem que o ex-presidente passa é a de um besouro caído de costas que, impossibilitado de virar (o jogo), fica se debatendo. A arrogância dele é retrato do desespero.

Alexandru Solomon alex101243@gmail.com 

São Paulo 

*

OSTRACISMO

O ostracismo é o pior castigo. Não devemos curtir, compartilhar e comentar as publicações sobre Lula e o PT, que inundam as redes sociais. Os aloprados lulistas sempre acreditaram nos slogans "falem mal, mas falem de mim" e "quanto pior, melhor". Está na hora de esquecê-los e pensar no futuro da Nação.

José Paulo Cipullo j.cipullo@terra.com.br 

São José do Rio Preto 

*

UMA LEI SÓ PARA LULA?

Se o Supremo mudar o entendimento quanto a prisão após 2.ª instância, desmoraliza de vez este Poder já enfraquecido. Aliás, os membros do Supremo nomeados pelo chefe mor do crime no Brasil e sua "poste" Dilma Rousseff, deveriam renunciar agora aos seus cargos. Foram nomeados por pessoas desqualificadas e criminosas.

Henrique Kiep wharton.in@uol.com.br 

Sao Paulo

*

CHEGA DE EXCEÇÕES

Os sintomas de que mais uma anomalia pode estar sendo gestada no STF para evitar que Lula, agora condenado na 2.ª instância seja preso, representa um insulto contra os brasileiros e uma fonte de instabilidade jurídica diante de um povo que sempre se pautou pela máxima constitucional de que todos são iguais perante a lei.  Com a missão de ser guardião da constituição, o Supremo tem o dever de dar o exemplo maior como garantidor da aplicação das leis - sem exceções - ao invés de ensaiar a absolvição de um réu condenado por vários crimes. Não se pode tolerar que mais exceções sejam abertas pela Corte máxima do Judiciário para favorecer seja lá quem for, a exemplo do que ocorreu quando a então presidente Dilma foi cassada, mas teve seus direitos políticos preservados pelo ministro Lewandowski, numa distorção contra aquilo que prevê a Carta. Se os ministros do Supremo esperam ser respeitados pela sociedade da qual são representantes, têm o dever de provar que não são uma Corte acovardada, segundo as palavras de Lula numa gravação divulgada pela Lava Jato, mas sim, gente de respeito que faz valer a lei sem mudar na última hora o entendimento que já havia sido decidido sobre a de execução de pena após condenação em 2.ª instância. Resumindo: a moral do País não pode ser colocada em xeque para favorecer interesses particulares.

Paulo R Kherlakian paulokherlakian@uol.com.br 

São Paulo

*

HAVERÁ FRUSTRAÇÃO?

Com a condenação do "hexarreu" pelo TRF-4, a Bolsa de Valores, pelo terceiro dia consecutivo, bateu recorde de alta. A moeda americana caiu e o povo se animou. Após o julgamento dos possíveis Embargos de Declaração, termina a jurisdição do TRF-4, restando aos advogados apelar ao Supremo Tribunal de Justiça (STJ), em que o ministro responsável pela Lava Jato, Félix Fischer é considerado muito "duro" quando se trata de crimes de "Lesa Pátria". Até aí tudo bem. Acontece que, no STF, alguns dos ministros têm o dom de frustrar os brasileiros honestos, para livrar condenados das grades. Como Deus é brasileiro, certamente fará com que os ministros, considerados "figurinhas carimbadas", tenham coragem e determinem o cumprimento da lei, só isso. Muda rápido Brasil!

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br  

São Paulo

*

ALFORRIA AO EX-PRESIDENTE

Muito importante o editorial: "Uma lei só para Lula?" (27/1, A3), deste importante órgão defensor do povo e da verdade, o nosso "Estadão". De fato é inconcebível que o Supremo venha a todo o momento reformar decisões importantes, dentre outras, como esta de condenação em 2.ª instância, que permite que réu passe a cumprir a pena pelos crimes que praticou, não importando se rico, pobre ou político de grande projeção nacional. Com muito mais razão este último, dado às suas condições de poder que tinha e livre trânsito nas camadas de menor conhecimento, cultural, educativo e formação cívica. Esperamos do STF que não venha modificar para pior o resultado de 6x5 votos, que irá favorecer os mais diversos bandidos e no caso especificamente ao ex-presidente que tanto dilapidou e prejudicou o povo e nosso Brasil!

Nos preocupa, por isso temos que estar alertas, de olho nos ministros daquela Egrégia Corte, porque o povo não esqueceu e jamais esquecerá da maracutaia feita pelo ministro Lewandowiski junto com o senador Renan Canalheiros quando, pisoteando nossa Constituição, no Impeachment da "ex-presidenta", deixaram de cassar seus direitos políticos, ficando, dona Dilma,"soltita no más", torrando a rodos o dinheiro suado do povo e denigrindo nossa imprensa, governo e instituições Jurídicas mundo afora.

Ubiratan de Oliveira uboss20@yahoo.com.br  

São Paulo

*

DERROTA NO TRF-4 E INSATISFAÇÃO DO PT

 

A notícia veiculada pelo "Estadão" dá conta de como o PT encara a Justiça e agora sacrifica o advogado de "Lulla", Cristiano Zanin Martins por ter permitido a condenação. Na verdade, a colocação de que devem contratar um "medalhão" com mais "senioridade" e dentre esses sugerem Sepulveda Pertence, ex-ministro do STF, que seria "próximo" da presidente e do STF, ministra Cármem Lúcia, demonstra que o PT e seu "chefe" não acreditam na lei, mas na "amizade". Ora, contratar um advogado porque é "figurão" e tem amizade com a ministra evidencia que não se espera Justiça, mas "favores". Alguém estaria acima da lei por que o julgador é seu amigo? Se assim for, estamos perdidos. Por outro lado, Cristiano Zanin Martins sai "escaldado" desta peleja, talvez em razão da imposição de seu sogro Roberto Teixeira, compadre de "Lulla". Aliás, defesa "arrumada" já que só agora vem à baila que Zanin, formado em 1999 é especialista em direito processual e não tinha, até assumir o caso de "Lulla", familiaridade com direito criminal. Por sua vez, "Lulla" foi totalmente deselegante, para não dizer outra coisa, quando falou: "Tenho um problema com meus advogados. Eles são muito jovens. Eles nem eram criminalistas, se aperfeiçoaram no meu caso. É uma relação de compadrio. Essa moça (Valeska) eu conheço desde que tinha 3 ou 4 anos. Ela ainda me chama de tio. O Cristiano é um jovem". Zanin está queimado pelo PT.

 

Claudio Mazetto cmazetto@ig.com.br 

Salto

*

STF: A ENCARNAÇÃO PERFEITA DO 'RISCO-BRASIL'

O STF é a encarnação perfeita do "Risco-Brasil", tanto na tentativa de destruir a operação Lava-Jato com na manutenção do foro privilegiado para políticos, quanto na ameaça de destruir a Lava Jato, com a implosão da essencial "Regra de Ouro", da prisão na condenação em 2.ª instância - aliás, essa prática de não prender criminosos graves condenados é algo que só acontece aqui no Brasil - outra "jabuticaba" podre. Ao invés de reclamar e trabalhar pela impunidade de amigos, as militâncias cegas da esquerda e da direita, deveriam lutar por uma Justiça equilibrada e rigorosa, sem refrescos para políticos, amigos e gente de poder e dinheiro, que pode estender os processos com caríssimos recursos "ad-eternum". A "canadura" certeira para os políticos, com a queda do surrealista foro privilegiado e a prisão em 2.ª instância são essenciais para destravar o País - aí reside todo o "Risco- Brasil". Marco Aurélio Mello diz que há risco de incendiar o Brasil se a lei for cumprida. Vejo diferente: Há risco de incendiar o STF se esse continuar escancarando portas para o crime na administração pública, quebrando de vez o já devastado País.

Todos devem ser iguais perante a mão pesada da lei.

 

Olimpio Alvares olimpioa@uol.com.br 

Cotia 

*

XÔ TAPETÃO

Frases de algumas autoridades sobre a punição ao corrupto "Lulla", tais como: "Quem tem de punir é o eleitor com seu voto"; "seria melhor derrotar esse infrator nas urnas"; "a prisão após condenação em 2ª instância deve ser novamente discutida". Infelizmente essas frases envergonham o povo honesto do País e comprometem nossa Justiça, significando maior propaganda da corrupção e imoralidade do nosso Brasil.

Roberto Hungria cardosohungria@gmail.com 

Itapetininga

*

PASSAPORTE

Que a decisão do STF seja tomada sem mais delongas: Entregar a Lula o passaporte para a Papuda. Boa viagem!

J.S. Decol  decoljs@gmail.com 

São Paulo 

*

SOBRE A EXPERIÊNCIA DE LULA NO COMBATE À FOME                                                                                                                                                                                                                                                          

Tese que Lula não pôde apresentar na Etiópia: "A fome no mundo será combatida com sanduíche de mortadela". 

                                                                                                                                                                                                                                            Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br 

São Paulo 

*

VIRAR A PÁGINA

Parece mentira, mas parte da imprensa ainda guarda resquícios da ditadura. Sente desconforto ao ver Cabral algemado e enxerga abuso de autoridade no confisco do passaporte de Lula, teimando em associar a imagem política de ambos a uma longínqua época de repressão. Quase passa desapercebido que a dupla esteve unida pela desgraça do Rio de Janeiro, e mais, desviou tudo que podia dos cofres públicos para deleite próprio, desassistindo milhões de brasileiros. Por favor, não se desculpem tanto pela realidade, nossos heróis de outrora são criminosos, sim, ardilosos e cruéis, apesar do beicinho curvado para baixo do ex-governador e das bravatas delirantes do ex-presidente, estudados, à medida para enganar os trouxas. 

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com 

Niterói (RJ)

*

FREUD EXPLICA

A psicologia explica. Lula gosta de reafirmar que é a pessoa mais honesta do mundo e deve lá sentir as suas razões para isso. Imagino que quando, em discurso inflamado, referiu-se à cobertura do Guarujá como sendo um triplex "minha casa minha vida", estava realmente indignado pela própria humildade e de como, de um lado, tão pouco aproveitou da oportunidade de ter se tornado o maior de todos na história brasileira (a seus olhos, claro!) e, de outro lado, como foram poucas e tão pequenas as suas mundanas ambições. E agora ainda querem condená-lo por tão pouco? Ainda mais quando o ex-prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, mencionou ao "mais honesto dos mortais", em telefonema gravado, que ter um sítio em Atibaia era como ter um sítio em Maricá, no Rio de Janeiro, em um lugar assim, tão pouco promissor (segundo Paes). Acredito que o que mais incomoda Lula é saber que, de todos os que se desviaram do reto caminho, ele foi o mais poderoso e o mais acanhado dos que sempre circularam e se divertiram nesse eterno jogo político de dar e receber.

Marcelo Gomes Jorge Feres marcelogferes@ig.com.br 

Rio de Janeiro

*

SIMPLES ASSIM

Passa o tempo e o Brasil continua no atraso. A grande discursão é se um político, julgado e condenado em duas instâncias vai ou não para cadeia. Em um lugar minimamente civilizado, onde as leis são cumpridas por todos, essa discussão não existe. Isso só prova que temos castas. Ele deve ser preso para servir de exemplo para os demais, pois ninguém está acima das leis, roubar é crime e a pena é cadeia. Simples assim. 

Luiz Thadeu Nunes e Silva luiz.thadeu@uol.com.br 

São Luís

*

ESTRELA CADENTE

O dia 25 de janeiro, data comemorativa da cidade de São Paulo, traz dois temas de magnitude impar: São Paulo e o condenado. A magnitude da sentença que condenou Lula e que abre as portas de uma nova era obrigou o "Estadão" a estampar, nesse dia, em vez das glórias de São Paulo, a figura combalida, do ex-presidente, a foto "in concreto" do crime. Supunha-se intocável no pedestal da mentira. A cidade não podia ter recebido maior presente: a derrota e condenação do crime organizado. Dois temas de magnitude impar: A cidade e o condenado. Ambos marcam a data, mas em lados opostos: A cidade, pela glória; o outro, pela derrota do crime. As causas excessivamente intensas produzem efeitos contrários. A dor faz gritar, mas se excessiva, emudece. A luz alumia, mas se excessiva, cega; o crime, quando excessivo, e vindo ele com o aval da maior autoridade, cega aos que dele se aproveitam. Daí a razão dos que o defendem: Cegos e moucos. A estrela do PT, promissora, hoje (que pena), é estrela cadente. Incinerou-se nas labaredas do crime. A espada da Justiça venceu. Parabéns à novel safra de jovens, ilibados, corajosos, brilhantes, sábios, técnicos e comedidos os juízes que infringiram a maior derrota do crime, impondo aos criminosos a grade. Com maestria e garbo cumpriram seu dever. Que essa nova safra de juízes floresça e ganhe raiz forte, servindo de exemplo de como deve ser o magistrado. Será por onde nascerá a nova Pátria.

Antonio Bonival Camargo bonival@camargoecamargo.adv.br 

São Paulo

*

NAUFRÁGIO

Os ratos, aos primeiros sinais de perigo, abandonam o navio. PC do B, PSOL e PDT se recusam a formar aliança de esquerda com PT e já lançam pré-candidaturas à Presidência da República. É o caso da estrela vermelha.

Jose Alcides Muller josealcidesmuller@hotmail.com 

Avaré

*

TUDO COMO ESPERADO

Defendendo o "chefe" e fazendo eco às ameaças proferidas por correligionários como Lindbergh Farias (PT-RJ), o pré-candidato petista ao governo de São Paulo, Luiz Marinho, saiu-se com essa: "A prisão (de Lula) pode ser o desejo de muita gente, mas não vão assistir a isso (...) se o judiciário tirou as coisas dos eixos, o que vamos fazer? Ficar de braços cruzados?". Petistas sempre dizem que "lutaram pela democracia" - e até, em face disso, muitos deles hoje recebem uma pensão mensal apelidada de "bolsa-ditadura" - o que, em princípio os colocaria na linha de frente em defesa do Estado Democrático de Direito. Vã ilusão. Petistas jamais lutaram por democracia alguma, apenas por aquela tal democracia adjetivada de "popular", eufemismo para a ditadura do proletariado marxista-leninista. Tanto assim é que, no curso da Constituinte, emitiram comunicado deixando claro que não assinariam a Constituição fruto daqueles trabalhos, porquanto as leis que adviriam da nova Carta Magna seriam emanadas da tal "ordem burguesa" que o PT jamais reconheceu. Os fatos posteriores mostraram que o partido falava sério, tanto que no curso do tempo, mormente sob os governos Lula e Dilma, procurou sempre - por vezes de forma sub-reptícia - fazer passar normas (como o Decreto 8.243, dos sovietes) que mais se amoldassem ao seu credo político.  Lula procurou aprofundar o dissenso quando foi presidente, criando o "nós contra eles" (luta de classe marxista). Agora mesmo, o PT - pelas palavras (entre outros) de Luiz Marinho - segue na mesma toada, questionando a legitimidade de nossas "instituições burguesas", entre elas, claro, a Justiça que acaba de condenar Lula a doze anos e um mês de reclusão em sede de apelação. Nenhum espanto e tudo segundo o script. 

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com 

São Paulo

*

GLEISE E LINDBERG

Que tal esses dois panacas colocarem camisa vermelha e saírem na Avenida Paulista defendendo Lula? São tão corajosos assim?

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

LAVA JATO NÃO FAZ MILAGRES

O colunista Danilo Cersosimo, no artigo "O que se espera da Lava Jato após a condenação do ex-presidente Lula", publicado no "Estadão" (28/1) conclui que "terceirizamos o combate à corrupção à Lava Jato e nos esquecemos de que transformar o Brasil em um país sério depende de todos nós. Todos os dias." Fico imaginando o que passa pela cabeça do ilustre juiz Sérgio Moro, que após muito trabalho para condenar o chefão do mensalão e do petrolão, assiste na mídia o povão iludido com o discurso de mais um demagogo, Jair Bolsonaro ou acreditando nos discursos de Marina Silva, Ciro Gomes, Manuela... Todos crias do Lula. A Lava Jato não faz milagres e não vai solucionar a burrice de um povo, que não quer estudar e trabalhar, pois acredita que o Estado deve lhe dar casa, terra, transporte, hospital e escola... E enquanto acredita que o Estado deve manter as suas mordomias, só pensa em fazer filhos. Haja redes, sem camisinhas ou pílulas. Enquanto isso, uma minoria trabalha (sem tempo para os próprios filhos), para sustentar os filhos gerados pelo povão, através dos programas sociais de um governo populista. Que tal substituir uma Bolsa Família por uma ligação de trompas ou uma vasectomia?

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br 

Americana

*

SINTOMÁTICO

Pela primeira vez, depois de muitos anos, na primeira página do "Estadão" (29/01, A1) não há uma menção sequer ao nome de Lula. Esse é o sintoma premonitório do que deve acontecer com o maior escroque, embusteiro, velhaco, que nosso País conheceu: O ostracismo. Mesmo nas páginas internas do jornal ele é pouco citado. Uma curta nota na "Coluna do Estadão" (29/1, A4) informa que o maganão de Garanhuns, em sua viagem abortada para a Etiópia, iria proferir palestra com título: "Vencendo a luta contra a corrupção". Pode isso? A cara de pau desse indivíduo, o próximo a ver o sol nascer quadrado, não tem limites. É a piada do ano! Na verdade, diante da impossibilidade de viajar para lá, é só mandar um "pixuleco" em seu lugar que os eventuais interessados vão entender imediatamente o tema da palestra. Nem vai ser preciso usar tradução simultânea.

José Claudio Marmo Rizzo jcmrizzo@uol.com.br 

São Paulo

*

A LEI DO ZÉ E A LEI DO LULA.

O STF é a maior Corte do País, representando a instância maior do Poder Judiciário, sendo sua missão principal zelar pela Constituição da República e, pois, julgar e atuar sempre em favor da igualdade de direitos entre os brasileiros, mesmo porque todos são iguais perante a lei e ninguém pode estar acima dela. Entretanto, parece que o STF, que já julgou ser possível a prisão após julgamento em 2.ª instância, por 6 votos a 5, com a condenação de Lula parece que deseja tomar rumos diversos, desde que a sua presidente, ministra Cármen Lúcia, pretende convocar o Plenário da Corte para definir a questão. Certamente, que a pressa se deve ao caso Lula da Silva e jamais ao caso do Zé da Esquina, atuando, pois, em desrespeito à Carta Magna, como bem salienta o editorial do "Estadão": "Uma Lei só para Lula?" (27/1, A3). Eis que a ocorrência deste prognóstico criará uma mácula inesquecível na existência de nosso maior Tribunal: autoridades maiores são maiores que os brasileiros comuns, o que tirará o grande crédito alcançado pela Justiça, no País, pela decisão do TRF-4. Ou não?

José Carlos de Carvalho Carneiro carneiro.jcc@uol.com.br   

Rio Claro

*

UMA LEI

Lendo e editorial do "Estadão": "Uma lei só para Lula?" apenas pode-se concordar com o que aí está narrado, salvo quando diz que, se revisar a possibilidade de execução da pena após condenação em 2.ª instância o STF estaria abandonando sua função de Corte Constitucional para transformar-se em casa de benemerência para o sr. Lula da Silva. Na verdade, o STF, graças à sua composição, além de ser definido como um sistema insular com onze ilhotas, atualmente mais parece a "Casa da Mãe Joana", com toda a conotação negativa que possa ter a expressão popular. Que ainda há juízes no Brasil prova o veredito do TRF-4 de Porto Alegre. O que nos faltam são ministros de escol no STF.

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br 

Campinas 

*

ACESSO AO STF

Após o conhecimento e perfeita distinção entre os julgamentos técnicos do TRF-4 e os políticos do STF, pergunto: Por que os desembargadores do STF não são egressos obrigatoriamente do STJ? Por que o presidente da República é quem os nomeia com caráter exclusivamente político? Por quê? Sem dúvida a Justiça seria outra!

Alcides Ferrari Neto ferrari@afn.eng.br 

São Paulo 

*

EQUANIMIDADE CONSTITUCIONAL

Dane-se o STF! A lei é para todos! Se vale para nós, vale para "Lulla"!

Ademir Fernandes standyball@hotmail.com 

São Paulo

*

A QUEM INTERESSAR POSSA

Lembramos aos mui doutos ministros do STF que o TRF-4, anualmente, abre vagas para estagiários. Acho que Vossas Excelências não deveriam perder a oportunidade de aprender a elaborar votos de qualidade, substituindo a tradicional longa verborragia ideológica, plena de achismos, data vênias e falácias, atropelos à Constituição por peças precisas, juridicamente bem fundamentadas, sem firulas, inteligíveis. O povo e a classe jurídica ficariam gratos.

Alexandre de Macedo Marques ammarques@uol.com.br 

São Paulo

*

O BRASIL NA ENCRUZILHADA

Sobre a questão levantada por Bolívar Lamounier em "O Brasil está numa encruzilhada?" (28/1, A2) penso de na "dúvida metódica" cartesiana, em como o corte metodológico de Descartes (penso, logo existo), também pode ser atacado, sobretudo pela arte e pela cultura. A questão é saber se de fato há "uma chance de recuperação se formando", ou se esta premissa é aceita tão-somente por falta de outra. Algumas ciências são formadas a partir de um dogma, uma "norma fundamental", que dê fundamento de validade a todo arcabouço de enunciados daí decorrentes. É como dizem os positivistas do Direito, entoando sobre o momento da criação da primeira regra jurídica. Ciência do Direito essas normas não podem ser explicadas, nem demonstradas, são aquelas e agora, quer dizer da "duvida metódica" exsurge. Como os postulado dogmático não exigem prova, surge em mim a vetusta "dúvida metódica" quanto a fidedignidade sobre as origens de tal pensamento. Afinal, temos uma real ascensão socioeconômica, ou os dados para tal conclusão assim o foram porque "impossível estar mais escuro do que meia noite?" Minha resposta cética é não. Óbvio que respeito os que divergem deste ponto de vista.

Andrea Metne Arnaut andreaarnaut@uol.com.br 

São Paulo 

*

SUCESSÃO

Ao ler o artigo de Bolivar Lamounier "O Brasil e a Encruzilhada" me vêm à lembrança "n" editoriais deste jornal acerca da sucessão presidencial. Indago por que, nessa encruzilhada que inclui até mesmo Fernando Collor (!?), até agora não foi sequer citado por Vossa Senhoria um ramal (que pode ser um bom caminho para sair dessa encruzilhada) do qual não se comentou, nunca, qualquer lombada ou valeta, nem curvas sinuosas ou leito pedregoso, nem pontes ou atalhos escuros e escusos: Álvaro Dias também está colocado como pré-candidato ? Por que se o ignora? 

 

Ricardo Hanna ricardohanna@bol.com.br 

São Paulo 

*

A CONDIÇÃO PARA INOVAR

Brilhante e oportuno o artigo "2013 ainda não acabou" (28/1, A2), publicado no "Estadão", por Roberto Giannetti da Fonseca, que me 'convida' a aplaudir e a participar. Inovar e criar, esses dois verbos andam muito próximos e, às vezes, são confundidos. Em termos bem simples: Inovar é fazer melhor, diferente do que já existe, criar é inventar, idealizar uma coisa que ainda não existe. Absolutamente nova. Giannetti conclama o povo a ter atitudes, a ser novo. E diz: "Ser novo é falar a verdade. Ser novo é zelar pelo dinheiro público, com absoluta responsabilidade, é ser intolerante com a corrupção. Ser novo é ser honesto... Ser novo é ser contra o foro privilegiado... Ser novo é ser transparente, seja nas campanhas eleitorais ou no exercício do mandato até o fim, sem reeleições... Ser novo é tudo isso e muito mais...". Agora eu pergunto: O que está faltando? E já respondo: Criar coragem. Você, dos edifícios da Paulista, da Berrini, da Faria Lima, da Consolação, da Brigadeiro Luis Antonio, da Imperatriz Leopoldina, da Aricanduva, da Rua da Praia, da Av. Atlântica, da Caxangá, da 7 de setembro, dos bairros da periferia, dos shoppings, das favelas, das lojas de rua, das clínicas, dos hospitais, das escolas, das universidades, das fábricas... Enfim de todo canto onde houver um brasileiro com senso de Pátria livre. Faça como Giannetti o fez: Arranque a gravata, arregace as mangas, desalinhe os cabelos ou se faça representar como cidadão e profissional. Venha pra rua como estiver, com seu terno de executivo, com seu uniforme, com seu jaleco, com seu tênis com sua calça jeans, com sua bermuda, com seu boné, e, sobretudo, de cara limpa, transparente. Mostre-se! Diga o que você quer e, mais, diga o que você pode fazer e vai fazer para termos um país Absolutamente novo! Por exemplo: Com menos cargos nas estatais; com menos políticos, mas todos voltados para trabalhar e representar com dignidade o eleitor; com executivos e seus auxiliares probos e cientes dos seus deveres para com o povo e, sobretudo, um Judiciário respeitável, com juízes de fato de notável saber para interpretar as leis, julgar com celeridade, sabedoria e isenção. 

Dorival Menezes dorileal@uol.com.br 

São Paulo

*

2013 E A LAVA JATO

A abordagem que Roberto Giannetti da Fonseca faz sobre a situação do País após 2013, em "2013 ainda não acabou" é perfeita. Nas entrelinhas mostra que a Operação Lava Jato e seus desdobramentos transcendem os resultados que têm vindo a público. Indo além do brilhantismo que os permeia. Pois sacudiu e tem modificado a postura do povo brasileiro em relação à corrupção. E, também, seu modo de pensar e sua visão sobre como deve ser daqui para frente nossas estruturas políticas, administrativas e mesmo jurídicas. E, sobretudo, mostra a necessidade de que essa nova cultura que criaram seja protegida contra sorrateiros comentários gramscianos que estão surgindo sob a falsa imagem de correções que, nela, deveriam ser feitos.

José Etuley B. Gonçalves etuley@uol.com.br 

Ribeirão Preto 

*

'2013 AINDA NÃO ACABOU'

O sr. Roberto Giannetti da Fonseca tem razão! Fiz parte das manifestações a favor da saída da então presidente Dilma Rousseff! Estamos prontos para sair às ruas, com um nó na garganta, querendo gritar! A pauta de 2013 está inacabada! É necessária e urgente a renovação da classe política. É unanime o repúdio aos velhos partidos e aos seus caciques. Precisamos de um candidato que tenha coragem de tomar atitudes convocando uma assembleia constituinte para promover a necessária reforma política.

Cleo Aidar cleoaidar@hotmail.com

São Paulo 

*

2013 CONTINUA

Instigante o trabalho de Roberto Giannetti da Fonseca, a respeito das inconclusas manifestações de junho de 2013. Penso que os eleitores brasileiros começaram o trabalho de renovação e expurgo nas eleições de 2016 e precisam continuá-lo em outubro próximo. Existe uma faca de dois gumes na proposta apresentada: a tal constituinte exclusiva! Sempre vai correr-se o risco de piorar, ao invés de melhorar, aprimorar! Pensemos nisso!

Marco Antonio Esteves Balbi mbalbi69@globo.com 

Rio de Janeiro

*

'FAMÍLIA COMBATE O CRIME'

Irretorquível o artigo do jornalista Carlos Alberto Di Franco "Família combate o crime" (29/1, A2). Discorre sobre o aumento do número de jovens das classes média e média alta no noticiário policial. Precisa a frase: "O resultado final da pedagogia da concessão, da desestruturação familiar e da crise de autoridade está apresentando consequências dramáticas". Como faz falta uma bitola, função precípua da paternidade.

 

Antonio Carlos Gomes da Silva acarlosgs9@gmail.com 

São Paulo

*

LEITURA E REFLEXÃO

O artigo do jornalista Carlos Alberto Di Franco (29/01, A2) deveria ser difundida em todas as escolas e associações de pais de todo o País. Todo o seu teor sobre o combate às drogas merece leitura e reflexão. 

Alcides Anchieta de Freitas aanchietadefreitas75@gmail.com 

Santo André 

*

ENTREVISTA COM O PRESIDENTE

Em entrevista ao apresentador Silvio Santos, neste último domingo, Michel Temer (PMDB) defendeu a necessidade de o Congresso Nacional aprovar a proposta do governo de reforma da Previdência. Sem entrar no mérito da aprovação da reforma da Previdência, eu gostaria que nos fosse explicado algo a respeito do Banco Pan-americano, que pelo visto já caiu no esquecimento...

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com 

Jandaia do Sul (PR)

*

FAKE NEWS: TEMER NA DANÇA DOS FAMOSOS!

Após aparecer com Silvio Santos e Ratinho, Michel Temer vai participar da "Dança dos Famosos" do Faustão, como aluno da "Escolinha do Professor Raimundo", vai surgir pelado na cama das "BBB" e cantando o samba do Arnesto, no "Altas Horas"! Lula vai provar que o triplex é de Eike Batista, por isso é "tri pleX", que emprestou para Dona Marisa ir à praia! O sítio de Atibaia é de Maluf, construído com sobras da Ponte da Água Espraiada! Também emprestado para Dona Marisa. O terreno oferecido pela Odebrecht era para Malafaia construir um templo para convertidos da CUT! Lula rejeita comparação com "El Cid Campeador", que estava morto e amarrado no cavalo para combater as hostes de Sergio Moro. Já que ele, Lula, é o cara mais vivo que este país já viu! Temer pediu ao ministro "Thor 4" para dizer a Lula que vá visitá-lo, fora da agenda, ali pelas 11 da noite, que ele quer devolver o passaporte, desde que Lula mande o PT votar pela reforma da Previdência e que ele fuja para Síria, depois de mandar a "cumpanheirada" votar em Meirelles ou nele, nada a Temer!

Paulo Sérgio Arisi paulo.arisi@gmail.com 

Porto Alegre 

*

NOSSO CORREIO

Há quatro anos estou enviando pelo correio brasileiro no fim de novembro, via prioritário, minhas 50 cartas de Natal, para que elas cheguem antes do Natal na Alemanha, França e Estados Unidos. Mas elas chegam somente no mês de fevereiro! Uma vergonha! O nosso correio foi antes o melhor do mundo e o chefe do correio nacional foi muitas vezes eleito chefe do correio mundial. O Brasil foi o segundo país do mundo, depois da Inglaterra (1840) a lançar selos postais (1843). Um Estado da Alemanha (Bavaria) lançou os selos somente no ano 1849. O Brasil esteve sempre na liderança. Na década 30 do século passado, uma carta do Brasil para a Alemanha levava cinco dias via o dirigível Zeppelin. Hoje, com aviões a jato leva mais de três meses. Uma vergonha! Só para lembrar: Uma carta do bairro de Campo Belo, em São Paulo, até o aeroporto de Guarulhos (SP) leva mais de dois meses. Uns dias antes do Natal entreguei algumas cartas para um turista da França para despachar as cartas da França para a Alemanha, Áustria e Estados Unidos. Todas as cartas chegaram antes do Natal. E as minhas 50 cartas enviadas pelo correio do Brasil, no mês de novembro, até hoje não chegaram aos destinos. É uma vergonha! Existem países que vivem da filatelia. Emito hoje selos autocolantes que nem saíram das cartas. Falta uma camada intermediária como nos outros países para separar os selos com água. Selos são o cartão de visita de um país. Mas aqui no Brasil, a filatelia é a pior do mundo!

Michael Peuser mpeuser@hotmail.com 

São Paulo 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.